Nossa Senhora da Conceição Aparecida – antes de 'dia das crianças', 12 de outubro é dia de Nossa Senhora


NOSSA SENHORA da Conceição Aparecida é o título completo que a Igreja dedicou a esta especial devoção brasileira à Santíssima Vigem Maria. “Nossa Senhora Aparecida” é a diletíssima Padroeira do Brasil.


Por que 'Aparecida'?

No Arquivo da Cúria Metropolitana de Aparecida, como também no Arquivo Romano da Companhia de Jesus, constam os registros históricos da origem da imagem de Nossa Senhora cunhada "Aparecida". A história foi registrada pelo Pe. José Alves Vilela no ano 1743, e confirmada pelo Pe. João de Morais e Aguiar em 1757.

Em meados de 1717, por ocasião da passagem de D. Pedro de Almeida e Portugal, Conde de Assumar e governador da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro, pela povoação de Guaratinguetá a caminho de Vila Rica (atual Ouro Preto, MG). Os pescadores Domingos Garcia, Felipe Pedroso e João Alves foram convocados a providenciar um bom pescado para recepcionar o Conde, e partiram a lançar suas redes no rio Paraíba do Sul.

No dia 12 de outubro. lá foram eles. Tentaram muitas vezes, sem conseguir nenhum peixe sequer. Já sem esperança, João Alves lançou uma vez mais sua rede às águas e, ao recolhê-la, percebeu algo insólito: junto à rede viera uma imagem de Nossa Senhora da Conceição, sem a cabeça. Guardaram-na e tornaram a lançar as redes, numa nova tentativa de apanhar peixes, mas o que ocorreu a seguir foi ainda mais extraordinário: a rede retornou com a cabeça da imagem! Envolveram então o achado num lenço e o guardaram, junto com a outra parte da peça sacra. Logo depois disso, a pesca se tornou abundante: os humildes pescadores retornaram com o barco abarrotado de peixes.

Foi esse o início de tudo. Durante os quinze anos seguintes, a imagem permaneceu na residência de Filipe Pedroso, onde pessoas da vizinhança se reuniam para rezar. A devoção foi crescendo entre o povo da região, e muitas graças eram alcançadas pelos que rezavam diante da imagem. A fama da intercessão de Nossa Senhora através da devoção à imagem aparecida das águas foi se espalhando pelas redondezas e ganhando outros municípios.

Em diversas ocasiões, as pessoas que à noite faziam fila diante dela para rezar testemunharam que as luzes se apagavam e depois reacendiam, sem intervenção humana. A curiosidade e a devoção popular cresceram, e proporcionalmente aumentou o fluxo dos visitantes, tanto que a família construiu para a imagem um oratório no Porto de Itaguaçu.

Aquele oratório também logo se tornou pequeno, e por volta de 1734 o vigário de Guaratinguetá construiu uma capela no alto do Morro dos Coqueiros, com a ajuda do filho do pescador Filipe Pedroso. Essa capela foi aberta à visitação no ano 1745. Em 20 de abril de 1822, em viagem pelo Vale do Paraíba, o príncipe regente do Brasil, Dom Pedro I, fez questão de visitar a capela e a imagem de Nossa Senhora aparecida das águas.

Em 1834 foi iniciada a construção de uma igreja maior, que pudesse acomodar os fiéis que não paravam de aumentar: esta foi solenemente inaugurada e benzida em dezembro do ano 1888. Essa igreja é a atual "Basílica Velha" de Aparecida.


Origem do manto e da coroa

Em 8 de dezembro de 1868, a Princesa Isabel visitou a Basílica, e ali fez uma promessa a Nossa Senhora: aos 6 de novembro de 1888, ela retornou e ofertou à imagem, em reconhecimento pela graça alcançada, uma coroa de ouro cravejada de diamantes e rubis, e um manto azul anil ricamente adornado.

Aos 8 de setembro de 1904, a imagem foi coroada com a riquíssima coroa e ornamentada com o manto bordado em ouro e pedrarias, símbolos de realeza e patronato. A celebração solene foi dirigida por Dom José Camargo Barros, com a presença do Núncio Apostólico, diversos bispos, o então Presidente da República Rodrigues Alves e muito povo. Depois da coroação, o Papa concedeu ao Santuário de Aparecida mais dois outros favores: Ofício e Missa própria de Nossa Senhora Aparecida, e indulgências para os romeiros que vêm em peregrinação ao Santuário.


Fotografia rara mostra como era originalmente a imagem Aparecida (antes do atentado de 1978)
A mesma imagem após a restauração, bastante modificada

Em 1928, a vila que se formara ao redor da igreja, já bastante desenvolvida, tornou-se o Município de Aparecida, nome dado em homenagem à imagem aparecida das águas, responsável direta pela criação da cidade, que é popularmente chamada "Aparecida do Norte", em razão da construção da Estrada de Ferro do Norte – depois Estrada de Ferro Central do Brasil – na segunda metade do século XIX. 

Nossa Senhora Aparecida foi proclamada Rainha e Padroeira do Brasil aos 16 de julho de 1930, por decreto do Papa Pio XI. Pela Lei nº 6.802 (30/6/1980), foi decretado feriado o dia 12 de outubro, dedicado à devoção à Santíssima Virgem Maria, Mãe de Jesus, sob a invocação de Nossa Senhora da Santa Conceição Aparecida. Também através desta lei, a República Federativa do Brasil reconhece oficialmente Nossa Senhora Aparecida como Padroeira do Brasil.

No ano 1967, ao completarem-se os 250 anos da devoção, o Papa Paulo VI ofereceu ao Santuário a “Rosa de Ouro”1. O Papa Bento XVI repetiu este mesmo gesto oferecendo outra Rosa em 2007, em sua viagem apostólica ao Brasil, reconhecendo o valor desta santa e piedosa devoção.


Sobre a imagem

A imagem aparecida das águas do Paraíba em 1717 é feita de terracota, tem cor de canela e mede 40 cm de altura. Consta que era ligeiramente mais clara antes da restauração. É de estilo seiscentista. Especialistas acham que originalmente era colorida, como eram as imagens da época, mas devido à permanência no fundo do rio a pintura tenha se perdido, o que, ao invés de descaracterizá-la, acabou por lhe acentuar a beleza. Segundo pesquisas, a argila utilizada na confecção da imagem é da região de Santana do Parnaíba, na Grande São Paulo.

No ano de 1978, a imagem sofreu um terrível atentado, tendo sido quebrada e esfacelada em quase duzentas partes. Foi este o motivo da total restauração, feita no Museu de Arte de São Paulo (MASP) pelas mãos da artista plástica Maria Helena Chartuni, que, segundo depoimento da própria, neste processo experimentou um processo de profunda restauração de sua própria fé, que ela não sabe explicar: “Eu sou uma pessoa antes e outra depois do restauro. Já disse várias vezes e repito: restaurei sua pequena imagem de terracota. Em retribuição, ela restaurou minha vida” (saiba mais).


Alguns dos primeiros milagres

Velas – Por volta de 1733, estando a noite serena e sem brisa alguma, repentinamente as duas velas que iluminavam a Santa se apagaram. Houve espanto entre os devotos, e Silvana da Rocha quis reacendê-las, mas não pôde, pois, antes que se aproximasse, elas reacenderam “sozinhas”. Este é o primeiro milagre conhecido envolvendo a imagem de Nossa Senhora Aparecida.2

Quebrando grilhões – No ano 1850 o escravo Zacarias, acorrentado, passando pela igreja da imagem aparecida pediu ao feitor permissão para rezar. Autorizado, rezou fervorosamente diante da imagem. Durante a oração, as correntes soltaram-se de seus pulsos, libertando-o.2

A menina cega de nascença de Jaboticabal – Por ser muito devotos de Nossa Senhora Aparecida, os membros da família Vaz de Jaboticabal - Sp, rezavam e falavam muito sobre os acontecimentos referente à Nossa Senhora Aparecida. O casal desta família tinha uma menina que era cega de nascença e que sempre ouvia atentamente ao que falavam. A menina tinha uma vontade muito grande de ir até a Igreja. Naqueles tempos, onde tudo ainda era sertão, ficava muito difícil de se chegar até lá. Mas com muita dificuldade, fé e perseverança,mãe e filha da família Vaz de Jaboticabal - SP, chegaram às escadarias da Igreja, quando surpreendentemente a menina cega de nascença exclamou: "Mãe, como é linda esta Igreja!". Daquele momento em diante a menina que era cega de nascença passa a enxergar normalmente.2

No correr dos anos, muitíssimos milagres e graças ocorreram e continuam ocorrendo ainda hoje por meio da devoção à Nossa Senhora sob o título "Aparecida", como facilmente verifica aquele que visita a sala dos milagres na Basílica Nova de Aparecida.

Santíssima Virgem Maria, Nossa Senhora da Conceição Aparecida, roga a Deus por nós e ajuda-nos a lembrar que este 12 de outubro não é apenas um dia para presentearmos as nossas crianças, mas também e principalmente para te amar e honrar de modo especial!


Uma nota final – um aviso aos fiéis católicos e pesquisadores

Clique sobre a imagem
para ampliar
O livro “Aparecida, a biografia da Santa que perdeu a cabeça, ficou negra, foi roubada, cobiçada pelos políticos e conquistou o Brasil”, do jornalista Rodrigo Alvarez, lançado em 2014 (ed. Globo) e que foi amplamente divulgado e promovido em ambientes católicos, apesar de conter boa quantidade informações interessantes e bem fundamentadas sobre os três séculos de história da padroeira do Brasil, traz um erro fundamental e gravíssimo.

À página 81 do referido livro, no capítulo 10 ('Maria da Conceição'), o autor afirma que o dogma da Imaculada Conceição da Virgem Maria quer dizer que Nossa Senhora foi concebida de modo milagroso, assim como seu Filho, nosso Senhor Jesus Cristo. Reproduzimos o trecho abaixo:

...um dogma que o Vaticano só reconheceria em definitivo mais de duzentos anos depois: a Imaculada Conceição de Maria, a suposição de que a mãe de Jesus teria sido concebida por um desejo divino, sem que sua mãe tivesse relações sexuais com seu pai.

Sim, um completo e tremendo absurdo teológico. Uma informação completamente falsa e, mais do que isso, para a doutrina católica, herética. Se o jornalista não tem conhecimento teológico a respeito do dogma, deveria silenciar ou, no mínimo, procurar informar-se corretamente. O dogma da Imaculada Conceição significa, como já vimos aqui, que:

A Santíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, foi, por singular Graça e Privilégio de Deus Onipotente, em previsão dos Méritos de Cristo Jesus, Salvador do gênero humano, preservada imune de toda mancha de culpa original. (...) [Pois] era preciso que a Mãe do Senhor, o Tabernáculo da Nova e Eterna Aliança, fosse imaculada, assim como era intocável e feita do ouro mais puro a Arca da Antiga Aliança. (veja o texto integral)

Já entramos em contato com o autor do livro e com a editora Globo, advertindo quanto ao erro que está sendo amplamente divulgado sobre a nossa doutrina e pedindo providências, como uma nota pública elucidativa (errata). Dois anos se passaram e não obtivemos qualquer resposta. Estamos agora encaminhando carta aos Revmos. Cardeais Arcebispos de São Paulo (sede do nosso apostolado) e Rio de Janeiro (cidade do autor do livro e da referida editora) cobrando alguma atitude. Seria de grande utilidade para a defesa da genuína Doutrina da Igreja Católica Apostólica Romana que nossos leitores – e tantos católicos quanto possível – fizessem o mesmo.

______________
1. A Rosa de Ouro papal é um ornamento precioso, feito de ouro puro, matizada ligeiramente com vermelho, criada por hábeis ourives, que são abençoadas todos os anos pelos Papas no quarto domingo da quaresma, chamado Domingo Lætare, e, depois, oferecidas como símbolo permanente de reverência, estima e afeição paterna a monarcas, personalidades ilustres, igrejas notáveis, governos e cidades que tenham demonstrado seu espírito de lealdade para com a Santa Sé. Como o próprio nome indica, ela representa uma rosa, um buquê de rosas ou uma pequena roseira de ouro maciço. A flor dourada brilhando reflete a majestade de Cristo, com uma simbologia muito apropriada porque os profetas o chamaram "a Flor do campo e o Lírio dos vales". Sua fragrância, de acordo com Leão XIII, "mostra o odor doce do Cristo que deve ser difundido extensamente por seus seguidores fiéis (Acta, vol. VI, 104), enquanto que os espinhos e o matiz vermelho relembram a sua paixão". (Wikipedia revisado)


2. Artigo "Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil", do portal Culturabrasil.Org, disponível em
http://www.culturabrasil.org/aparecida.htm
Acesso 08/10/014


______________

Fontes e bibliografia:


• SILVA, Iara Rosa. Devocionário a Nossa Senhora Aparecida. São Paulo: Canção Nova, 2006;


• BÖING, Mafalda Pereira. Nossa Senhora Aparecida - A Padroeira do Brasil. São Paulo: Loyola, 2007.

ofielcatolico.com.br

6 comentários:

  1. Singela e discreta, Nossa Senhora sempre esteve ao meu lado. Porém, mesmo com diversos sinais, eu não compreendia a Sua presença em minha vida e só a conheci após uma longa caminhada. Protegida por seu manto, fui acolhida como filha, chamada a imitar Suas virtudes e a abandonar-me em Seus braços maternais. Quão doce e reconfortante é poder estar com nossa Mãe Santíssima!

    A primeira vez que senti Sua presença foi aos 16 anos. O divórcio dos meus pais gerou uma dor lancinante em todos nós e, ao invés de nos unirmos, nossa família desmembrou-se ainda mais. Era Natal e meu pai e irmã tomaram seus rumos, deixando-me sozinha. Levada à casa de uma amiga, o silêncio dilacerante da minha alma foi ocupado com a música que pairava no ambiente: "Nossa Senhora". Fiquei imóvel por alguns segundos. Aos pulos, meu coração teve a certeza de que Ela me amparava naquele momento.

    Quatorze anos depois, veio a conversão. Buscando conhecer melhor Nossa Senhora, pesquisei sobre o Seu poder contra as forças infernais com o livro "Guerra espiritual – ataque contra a mulher", da Comunidade Emanuel (RJ). Finalizei a leitura consagrando-me a ela, justamente em seu dia, 12 de outubro. Mais à noite, em reunião na paróquia, alguém me disse: "enquanto você subia a rua, eu vi Nossa Senhora em seu rosto”. Fiquei estupefata! O que será que aquilo poderia significar?!

    Naquela época, já fazia um ano e meio que eu estava na Igreja e fiquei indignada como Deus ainda não tinha cumprido a Sua promessa em me dar uma família. E não parava de reclamar, uma ladainha só. Três pessoas ouviram meu chororô e disseram-me: "vá para a Canção Nova". O que concluí? “Vou encontrar meu marido na Canção Nova!”. Eu nem fazia ideia do que era a comunidade. Dei meu jeito e fui passar o Ano Novo no local. Convicta de que encontraria “o meu marido prometido”, caçava com olhares a vítima do meu desespero. Mas dei-me conta do ridículo, renunciei e prostei-me em oração.

    Em dado momento, pensei em Nossa Senhora. Em dúvida, perguntei a Deus se Ela seria real ou se era apenas mais uma enganação de Satanás. E se eu ficasse orando a vida toda para ela, chegasse no juízo final e visse que não valeu de nada? Pois bem, na programação do acampamento constava um luau, o qual iria participar mas, bastante cansada, desisti e me dirigi à pousada. Mas Deus ordenou que eu fosse ao Santíssimo e ficasse por lá. Passado algum tempo, levantei-me ansiosa mas, em tom de bronca, ouvi o Senhor: "Não ouse levantar daí. Fique até meia-noite". "Ah, fala sério Senhor!", sentei-me reclamando. No horário estabelecido, saí da capela e deparei-me com o luau. Pensei: “já que estou aqui, vou ficar”. Em meio às orações de cura e libertação, um jovem manifestou a presença do inimigo. Ele pulava como um sapo, contorcia-se todo e gritava: “ele é meu, ele é meu”. Continuamos em oração e todas as vezes que o missionário citava o nome de Maria Santíssima, o rapaz manifestado gritava enfurecido: “eu odeio ela, eu odeio ela” (sic).

    Lembrei-me então do livro que li sobre o poder da Virgem Maria contra o inimigo de Deus, da sincera dúvida que elevei aos céus e a resposta que o Senhor estava me dando. Entendi perfeitamente que tinha permanecido por três horas no Santíssimo, em uma espera incompreensível, para que Deus fizesse a Sua obra na minha vida. Grande é o valor da obediência!

    Não encontrei o meu tão prometido José na Canção Nova, mas subi ao altar, conduzida por Maria Santíssima, e selei o meu matrimônio com a Igreja Católica. Dei o meu “sim”, em todas as circunstâncias. Não se desiste de um casamento, não é verdade?! Assumida filha de Maria, pela Igreja de Cristo, Nela e por Ela, é amor, é decisão, é para sempre. Tem como não amar essa Igreja?! Impossível! Salve Maria Imaculada!

    ResponderExcluir
  2. Um fato desconhecido por muitos católicos sobre o atentado que a imagem sofreu em 1978,motivado por um protestante fanático, que quis destruir a bendita imagem da Virgem mãe, é que na hora em que ele jogou a imagem no chão, faltou energia em quase toda região repentinamente! Esse fato é narrado pelo Padre Oscar Gonzalez Quevedo em uma palestra sua! Segundo o mesmo,bastou a imagem tocar no chão e ao mesmo tempo a energia se foi! Relatos de pessoas que estavam lá na hora,testemunham que parece que até a natureza sentiu o ato abominável feito contra o ícone da mãe de Deus! Pesquisem e vcs acharão o Padre Quevedo falando desse assunto.

    ResponderExcluir
  3. SITUAÇÕES ESTRANHAS DENTRO DA BASÍLICA DE N S APARECIDA...
    Quem venera particularmente a N Senhora acima dos santos, fá-lo a Jesus, do Qual é sua Fidelíssima Serva - única e singular criatura sobre a qual a sombra do pecado original não manchou!!
    Aliás, reportando ao título, a recente novena a N Senhora Aparecida não deveria ter Lhe agradado muito ou nada, a partir dos promotores, em que houve manifestações dentro da Casa do Senhor Deus de componentes de cultos espíritas da umbanda, candomblé e mais pactuantes com forças ocultas; varias participantes deles entraram com cânticos, roupas e danças apropriados a seus cultos nos terreiros, mal-vestidas e apresentando sinais externos de seus rituais!
    Porém, para piorar, no 9º dia entraram com um globo escrito: "UM SÓ REBANHO E UM SÓ PASTOR" - mas tocaram a melodia sem cantarem a letra daquela música profana, alienada e relativista, ideal para material-ateístas e aos globalistas, a “IMAGINE”, dos ex Beatles, possuidora de uma letra sumamente anticristã!
    “IMAGINE”, que foi cantada por John Lennon é uma letra bastante venerada por globalistas, propondo um reino que é o desejo da Nova Ordem Mundial!
    Que absurdo, na Casa de Deus ser tocada uma música dessa, ideal para boites, inferninhos, clubes de nudistas etc., sendo um incentivo para que os participantes, o povo sem instrução do conteúdo nefasto dela adote esse tipo de música; lamentável!
    Na mensagem lida por D Raymundo Damasceno dirigida às crianças - o amigo de Dilma e do PT - faltaria que as crianças deveriam ser acompanhadas por seus pais pelo bom exemplo como cristãos, no ensino constante do Catecismo Católico a elas, serem monitoradas constantemente para não serem subvertidas nas escolas por professores comunistas, nas redes sociais cheia de ciladas, pois o mal contido nos smartphones e tvs está no bolso e dentro de casa, e elas são presas faceis dos que vivem pervertendo a infancia e a juventude!
    Que decepção a novena; mais perverteria, pois teria aprovado o sincretismo a partir do clero, se misturando a religiões humanistas e ocultistas, nivelando ou mesclando o Divino Mestre Jesus a entidades e a projetos pagãos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso tudo que você falou é verdade Isac, eu acompanhei esses vídeos em outro blog, lamentável! PROFANARAM o Santuário de Aparecida, e a omissão dos Bispos, do clero lá presente? como pode a Santa Igreja compactuar com um absurdo desses, ou melhor, alguns membros da Santa Igreja.

      Deus me perdoe se eu estiver enganado, mas minha consciência me diz claramente, Nossa Senhora não esteve contente nem um pouco com isso, e deve chorar com tais absurdos, Misericórdia meu Senhor!

      Salve Maria Imaculada!

      Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

      André

      Excluir
    2. Também fiquei chateado com o que ví na televisão e confuso. Poxa e pensar que tudo aconteceu debaixo do nariz de um Cardeal!

      Excluir
    3. É. Tá até no twitter da ONU globalista, pró-aborto e pró-islam essa música de Lennon.

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail