Feliz Natal do Senhor!


SENHOR JESUS Cristo, nosso Deus e nosso Salvador, na noite santa do teu nascimento, oferecemos diante de tua manjedoura, como presentes, nossos corações, nossas almas, nossas vidas inteiras, nossas famílias; – com todas as alegrias e tristezas, todos os prazeres, sofrimentos e esperanças desta vida; todas as vitórias e derrotas que recebermos da tua Graça. Seja tudo para a tua Glória, para o nosso bem e para o bem geral.

Pedimos por aqueles que choram sem ter quem lhes enxugue uma lágrima; por aqueles que gemem sem ter quem escute o seu clamor. Suplicamos por aqueles que te buscam sem saber como e onde te encontrar. Abençoa, Jesus-Menino, cada pessoa deste mundo, acendendo em seus corações a tua Luz, a Luz Eterna que vieste trazer à noite escura de nossas almas. Permanece conosco, Senhor! Em vosso Nome santo, amém!

5 comentários:

  1. Feliz Natal a você e sua família, Henrique. E que o Menino-Deus continue iluminando seu apostolado que tanto bem tem feito a tantas almas.

    E Feliz Natal a todos os leitores de O Fiel Católico!

    ResponderExcluir
  2. «Veritas de terra orta est! – A verdade germinou da terra» (Sal 85, 12).
    “Amados irmãos e irmãs de Roma e do mundo inteiro, boas-festas de Natal para todos vós e vossas famílias!
    Os meus votos de Natal, neste Ano da Fé, exprimo-os com as palavras seguintes, tiradas de um Salmo: «A verdade germinou da terra». Realmente, no texto do Salmo, a frase está no futuro: «A verdade germinará da terra»: é um anúncio, uma promessa, acompanhada por outras expressões que, juntas, ecoam assim: «O amor e a verdade vão encontrar-se. / Vão beijar-se a justiça e a paz. / A verdade germinará da terra / e a justiça descerá do céu. / O próprio Senhor nos dará os seus bens / e a nossa terra produzirá os seus frutos. / A justiça caminhará diante dele / e a paz, no rasto dos seus pés» (Sal 85, 11-14).
    Hoje cumpriu-se esta palavra profética! Em Jesus, nascido da Virgem Maria em Belém, encontram-se realmente o amor e a verdade, beijaram-se a justiça e a paz; a verdade germinou da terra e a justiça desceu do céu. Com feliz concisão, explica Santo Agostinho: «Que é a verdade? O Filho de Deus. Que é a terra? A carne. Interroga-te donde nasceu Cristo, e vê por que a verdade germinou da terra; (...) a verdade nasceu da Virgem Maria» (En. in Ps. 84, 13). E, num sermão do Natal, afirma: «Assim, com esta festa que acontece cada ano, celebramos o dia em que se cumpriu a profecia: “A verdade germinou da terra e a justiça desceu do céu”. A Verdade, que está no seio do Pai, germinou da terra, para estar também no seio de uma mãe. A Verdade que segura o mundo inteiro germinou da terra, para ser segurado pelas mãos de uma mulher. (...) A Verdade, que o céu não consegue conter, germinou da terra, para se reclinar numa manjedoura. Para benefício de quem Se fez assim humilde um Deus tão sublime? Certamente sem nenhum benefício para Ele mesmo, mas com grande proveito para nós, se acreditarmos» (Sermones 185, 1)” - MENSAGEM URBI ET ORBI DE SUA SANTIDADE
    BENTO XVI - Santo Natal, 25 de Dezembro de 2012.
    Um feliz e Santo Natal a todos fieis católicos!


    ResponderExcluir
  3. Essa linda oração, merece ser lida com fé e amor.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail