Mulher condenada à morte no Sudão, por ter se convertido cristã, volta a ser presa

Meriam e o marido, Daniel Wani

UM TRIBUNAL DO SUDÃO havia anulado a sentença de morte por enforcamento e ordenado a libertação de Meriam Ibrahim (Meriam Yahia Ibrahim Ishag), de 27 anos. A sudanesa foi condenada à morte pelo "crime" de ter se convertido ao cristianismo. Ela foi solta nesta segunda-feira (23/6), apenas para voltar a ser presa hoje, terça-feira (24), conforme informaram seus advogados à emissora norte-americana CNN. Além de Meriam, foi preso seu marido, Daniel Wani. O casal foi detido em um aeroporto de Cartum, a capital do Sudão, quando tentava deixar o país. Não foram divulgados detalhes sobre a prisão. A mulher, que recentemente deu à luz uma filha, teria agora dois anos para a amamentação antes de ser executada.

Meriam Ibrahim é filha de um muçulmano e de uma cristã, mas o pai abandonou a família quando era ainda criança, pelo que foi educada como cristã pela mãe. Mais tarde veio a casar-se com um cristão. Uma vez que o seu pai era muçulmano, porém, foi determinado pelas autoridades locais que ela é legalmente muçulmana, e assim teria incorrido no crime de apostasia, que no Sudão é punível com a morte. Ela também foi condenada a receber 100 chicotadas por adultério, já que, segundo a interpretação sudanesa da sharia (lei islâmica), as uniões entre uma muçulmana e um não muçulmano são consideradas traição conjugal.

Apesar de o juiz ter concedido a Meriam diversas oportunidades para renunciar à fé em Jesus Cristo, Ibrahim recusou-se sempre. Grávida, acabou por dar à luz ao seu segundo filho, uma menina, já na cadeia. Em situações como esta, a lei prevê dois anos para amamentação antes de se executar a sentença de morte.

Apesar de casos semelhantes serem relativamente comuns na atualidade, este ganhou notoriedade (assim como o da paquistanesa Asia Bibi) e provocou indignação internacional, com campanhas e apelos pela sua libertação. Em maio, surgiu a notícia de que Ibrahim havia sido libertada, mas foi logo desmentida pelo próprio Governo do país. Agora, segundo a Reuters, um tribunal sudanês terá mesmo ordenado que ela saia em liberdade.




Papa Francisco alerta: "Hoje há mais cristãos martirizados do que nunca"

Recentemente, o Papa Francisco alertou para o fato de que as comunidades cristãs enfrentam, hoje, uma “perseguição mais forte do que aquela dos primeiros séculos da Igreja”.

Em declarações publicadas na sexta-feira, 13 de junho, pelo jornal L’Osservatore Romano, o Pontífice diz que a aflição dos cristãos em países como Síria, Iraque, Paquistão e Nigéria é “um desafio profundo” à sua “missão como pastor”: “Há lugares onde é proibido ter uma Bíblia, ensinar a catequese ou usar a cruz. Hoje há mais cristãos martirizados do que nunca, em qualquer outra época. Não é fantasia, é um fato comprovado em números”, realça Francisco.

A repressão sobre os cristãos têm aumentado na África e no Médio Oriente depois da chamada “Primavera Árabe”, que colocou em causa regimes políticos instalados e abriu espaço para a afirmação de diversos grupos radicais islâmicos. – Sobre este mesmo tema, ainda de acordo com o Papa, a promoção da união entre israelitas e palestinos em sua recente viagem à Terra Santa “não foi um ato político”, mas sim “um ato religioso” que pretendeu “abrir uma janela ao mundo”.

____
Fontes:
Ag. Ecclesia, em
agencia.ecclesia.pt/noticias/vaticano/papa-hoje-ha-mais-cristaos-martirizados-do-que-nunca/
Acesso 24/6/014
ofielcatolico.com.br

Vaticano: Papa contesta legalização de "drogas leves"


O PAPA FRANCISCO manifestou-se neste sábado, 20/6, contra a legalização das chamadas "drogas leves", chamando a atenção para o fato de que o problema da toxicodependência exige outro tipo de soluções. “Gostaria de dizer com muita clareza: droga não se vence com droga! A droga é um mal, e com o mal não pode haver relaxamento ou cedência. Pensar em reduzir os danos ao permitir o uso não resolve de facto o problema”, declarou, perante os participantes na reunião anual dos responsáveis das agências antidroga mundiais.

Francisco considerou “pelo menos questionável” a legalização de drogas leves, “mesmo de modo parcial”, e disse que esta decisão “não produz os efeitos que foram pré-fixados”. – “O flagelo das drogas continua a fazer estragos de forma e em dimensões impressionantes, alimentado por um mercado vergonhoso que atravessa as fronteiras nacionais e continentais. Deste modo, continua a crescer o perigo para os jovens e adolescentes”.

Francisco falava perante os participantes da 31ª edição da ‘International Drug Enforcement Conference’ (IDEC), que este ano se realizou em Roma entre terça e quinta-feira: “Oportunidades de trabalho, educação, desporto, vida saudável: este é o caminho da prevenção da droga. Se forem realizados, não há lugar para a droga, para o abuso de álcool, para outras dependências”, prosseguiu. Francisco elogiou ainda o papel da Igreja Católica, que “não abandonou os que caíram na espiral da droga”.

• Fonte: Ag. Ecclesia, em
http://www.agencia.ecclesia.pt/noticias/vaticano/vaticano-papa-contesta-legalizacao-de-drogas-leves/
Acesso 20/6/014

Marcha pela família tradicional em Washington: "Toda criança precisa de uma mãe e de um pai"







O CALOR ESCALDANTE e a ameaça de chuva forte não foram capazes de impedir as muitas pessoas que, nos EUA, lutam para defender a família tradicional. Na última quinta-feira, 19 de junho, uma longa procissão na Capitol Hill (Colina do Capitólio, Congresso dos EUA), Washington, manifestou a convicção de que "toda criança precisa de uma mãe e de um pai".

"Nós nunca aceitaremos decisões que redefinam algo tão evidentemente óbvio como o fato de que é preciso um homem e uma mulher para se estabelecer um matrimônio”, disse ontem Brian Brown, presidente do National Organization for Marriage. – Esta luta, à qual se refere o presidente da organização, enfrenta um grande setor da política americana, que promove uma interpretação estranha ao conceito próprio da palavra matrimônio. Opinião diferente, no entanto, têm Mike Huckabee, ex-governador republicano do Arkansas, e Rick Santorum, ex-senador da Pensilvânia. Huckabee, discursando durante a marcha de quinta, disse: "Houve um passado no qual liberais e conservadores estavam de acordo sobre o fato de que o matrimônio é fundamental para a estrutura, a longevidade e a estabilidade social. Alguns de nós não renunciamos a tal noção”. E concluiu: “Existem muitas formas diferentes de governo, mas se os fundamentos colapsam, desmorona-se tudo ao seu redor; a família representa este fundamento”.

De fato, o ex-senador explicou como a definição de matrimônio como "ideia romântica" é um erro, porque abre caminho para todo tipo de união (em última análise, até entre seres humanos e animais!). Em vez disso, afirmou, o matrimônio é “uma relação única entre um homem e uma mulher com o objetivo de ter e criar filhos e formar, assim, uma família”. Esta união é a única – disse Santorum tomando emprestado o slogan da Marcha – que pode garantir às crianças o direito de “ter uma mãe e um pai, e uma vida estável” dentro de um núcleo familiar definido.
ofielcatolico.com.br

Receba O Fiel Católico em seu e-mail