A Igreja e o imperador Constantino

NOSSOS IRMÃOS norte-americanos são altamente capazes e competentes para muitas coisas. Trata-se de uma raça que –, a exemplo de alemães e japoneses –, quando se dispõe a algo, faz questão de fazer bem feito. Por isso não vemos, por exemplo, pseudo-cantores norte-americanos, como acontece por aqui. Em Brasil, basta o sujeito ter uma boa dose de "cara de pau" para se lançar como cantor. Pior para os nossos ouvidos, muitos destes obtêm grande sucesso... Por lá, se quer ser cantor precisa cantar de verdade, ter ótima voz, ler partitura e, preferencialmente, saber tocar (bem) algum instrumento musical.

Enquanto povo e enquanto cultura, eles também têm os seus defeitos, é claro, inclusive alguns bem graves e flagrantes, os quais nem preciso mencionar: pela imensa influência cultural que exercem no mundo inteiro (especialmente através do cinema e da música), são responsáveis por muitas das verdadeiras desgraças morais que vivemos hoje. Mesmo assim merecem o nosso respeito pela grande capacidade de pegar coisas que já são boas e as aperfeiçoar ainda mais. Merecem respeito, se é que somos católicos, por nos terem dado um Cardeal R. Burke. E pelo dom de ser claros na apresentação de ideias complexas, como ocorre no vídeo abaixo, apresentado por Jimmy Akin, brilhante autor católico convertido do protestantismo (mais um) e apologista sênior do portal "Catholic Answers". De fato, tudo o que é dito no vídeo já foi apresentado por nós, aqui mesmo; todavia a forma sintética (e falada) poderá ser de auxílio para muitos. A tradução é do canal, nosso parceiro, "O Tradutor Católico" (siga no Youtube).



** Saiba mais sobre este tema
www.ofielcatolico.com.br

6 comentários:

  1. Uma breve observação sobre um trecho do vídeo (um particular mérito seu) é esclarecer a mentira de que Constantino teria instituído o cristianismo como "a" religião oficial do Império Romano. isto é falso. Na realidade, Constantino tornou o cristianismo lícito ou, em outras palavras, uma religião oficialmente aceita. O cristianismo tornou-se assim, "uma" religião oficial, juntamente com o paganismo. É mais ou menos o que acontece hoje.

    Diferente do que dizem alguns caluniadores, o Cristianismo só veio a se tornar "a" religião oficial do Estado, quando a Igreja ganhou realmente grande poder temporal, muito tempo depois do Imperador Constantino.

    Apostolado Fiel Católico

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Henrique,

      Há, ainda, uma informação histórica que corrobora tudo isso e é pouco citada: Constantino recebeu o batismo apenas em seu leito de morte.
      como poderia ele ter sido o fundador da Igreja Católica antes mesmo de ser ao menos cristão batizado?

      Excluir
  2. Caríssimo Henrique Sebastião, irmão em Cristo Jesus!
    Graça e paz
    Já li também que: Constantino deu um fim à perseguição aos cristãos, mas, à proclamação do cristianismo como religião oficial do Estado, foi dada por Teodósio, em 380. Dois anos antes do Edito de Milão, em 311, Galério havia reconhecido oficialmente o cristianismo no Oriente. Isto é falso ou verdadeiro?
    Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  3. André

    Galério publicou um Edito de Tolerância, acabando com a perseguição de Diocleciano aos cristãos em sua Tetrarquia.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde. Não quero discutir, quero aprender, pq se ninguém me ensinar não saberei. Estou numa fase de procurar Deus e vou na igreja católica e as vezes na evangélica e outras religiões. Não sei qual é a certa quero entender o que Deus quer de mim.

    A minha pergunta é o seguinte. os evangélicos acusam os católicos de adorar Maria, os católicos dizem que não, eu já li várias explicações mas eu fico numa dúvida porque qual é a diferença entre adorar e venerar? Eu não vejo diferença, por exemplo o saltério da virgem Maria é todos os louvores dos salmos feitos pra Deus, só que em vez de rezar pra Deus reza pra Maria, não é isso? Entao, qual a diferença? O católico ajoelha na frente da estátua de Maria, pede pra ela, diz pra ela todos os louvores que na Bíblia diz que pertence somente a Deus e que Deus não divide a sua glória com ninguém - Is 42:8.

    Como é que fica? Não quero briga, só quero entender. Vc pode amar Maria mas não pode adorar, só que na prática é a mesma coisa o que os católicos fazem, ou eu estou errado, por favor mostre onde.

    Abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Eu não vejo diferença, por exemplo o saltério da virgem Maria é todos os louvores dos salmos feitos pra Deus, só que em vez de rezar pra Deus reza pra Maria, não é isso? Entao, qual a diferença? "

      Qual os louvores que se deveria dar a DEUS nós católicos damos a Maria?.

      "O católico ajoelha na frente da estátua de Maria, pede pra ela, diz pra ela todos os louvores que na Bíblia diz que pertence somente a Deus"

      Quais os louvores que damos a Maria e que pertencem a DEUS?

      " Deus não divide a sua glória com ninguém - Is 42:8."

      Mas ELE dá a glória que é devida a cada um:

      “Eu lhes dei a glória que me deste” (Jo 17,22)
      “Deus concede graça e glória“ (Salmo 84,11) ou (Salmo 83,12);
      “O que… Deus preparou para nossa glória“ (Cor 2,7);
      “Os que chamou, também os justificou, e os que justificou, também os glorificou“ (Rm 8,30);
      “Glória, honra e paz para todo aquele que pratica o bem.” (Rm 2,10).

      Sidnei

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail