O Arcanjo Miguel disputa com o diabo pelo corpo de Moisés


O LEITOR QUE se identifica como "Petrivalianici" deixou-nos o comentário abaixo reproduzido, com uma questão acerca de um tema bastante curioso, o qual procuramos responder a seguir, na medida de nossas capacidades e contando com a ajuda de Deus.

Henrique, tenho uma dúvida sobre a passagem bíblica da Epístola de São Judas: No versículo 9 do capítulo 1, São Judas fala que São Miguel Arcanjo disputou com o diabo pelo corpo de Moisés. Eu gostaria de saber o motivo desse fato que sempre me intrigou quando li esse texto da Bíblia Sagrada. Obrigado e a paz de NSJC!"


A passagem do livro de Judas, mencionada pelo leitor, e que realmente desperta o interesse de muitos pesquisadores, é a seguinte:

Quando Miguel, o Arcanjo, teve uma controvérsia com o diabo e disputava acerca do corpo de Moisés, não se atreveu a lançar um julgamento contra ele em termos ultrajantes, mas disse: ‘O SENHOR te censure.’
(Judas 9)

Embora a Carta de Judas seja breve (com apenas um capítulo, com 25 versículos), contém certas informações que não são encontradas em nenhuma outra parte das Sagradas Escrituras. Somente este livro menciona a disputa do Arcanjo Miguel com o diabo pelo corpo de Moisés, assim como a profecia feita séculos antes por Enoque (Jd 9,14-15).

É bem possível que S. Judas tenha tido acesso a tais informações pela transmissão fidedigna (quer seja oral ou escrita) de uma tradição anterior. Isso poderia explicar a existência de uma referência similar à profecia de Enoque – no Livro Apócrifo de Enoque (escrito provavelmente entre os séculos II e I aC). Uma fonte comum ('A Assunção de Moisés') pode ter fornecido a base para a declaração feita tanto no livro sagrado quanto no apócrifo. 

O relato de "A Assunção de Moisés"  narra com mais detalhes a estranha história da morte de Moisés, relatada em Deuteronômio (34,1-6), acrescentando a narrativa dos acontecimentos posteriores, de como o corpo do grande Profeta foi entregue ao Arcanjo Miguel para lhe dar sepultura. Nesta ocasião, surge o diabo, que disputa com S. Miguel pelo corpo de Moisés. O inimigo da humanidade baseava sua pretensão, fundamentalmente, em duas razões: primeira, o corpo de Moisés era matéria; a matéria seria má e, portanto, o corpo de Moisés lhe pertenceria, visto que a matéria é seu domínio. Segundo, Moisés era um assassino, já que havia tirado a vida do egípcio a quem vira castigar os hebreus (Ex 2,11-12). De Moisés, sendo assassino, teria o diabo o direito de reclamar o corpo.

Várias teorias, interpretações e elucubrações metafísicas têm sido formuladas quanto ao que teria sido esta luta sobre o corpo de Moisés. Uma delas é que Satanás, desde sempre o acusador do povo de Deus (Ap 12,10), pode ter resistido à elevação de Moisés para a vida eterna em razão do pecado de Moisés em Meribá (Dt 32,51) e de seu pecado de assassinato.

O ponto assinalado por S. Judas Apóstolo é este: S. Miguel é um Arcanjo; Satanás o chefe dos demônios; Miguel estava empenhado numa tarefa da qual Deus lhe havia encarregado; o demônio procurou impedi-lo, dizendo que não tinha direito algum. E, mesmo em tais circunstâncias, que lhe eram totalmente favoráveis, S. Miguel não se atreveu a falar nada mau do diabo, nem proferiu nenhuma acusação contra ele, mas sim lhe disse, simplesmente: “O SENHOR  te repreenda!”.  O que Judas parece querer destacar é: se até o príncipe dos anjos bons não quis injuriar o maior dos anjos maus, mesmo  em circunstâncias como aquelas, então certamente nenhum homem pode proferir injúria contra um anjo (que é o contexto da passagem em questão).

Notemos como S. Miguel agiu nessa disputa com Satanás. O relato de Judas não diz o que Satanás queria fazer com o corpo de Moisés, mas podemos ter certeza de que suas intenções não eram boas. Podemos especular muitas coisas; talvez ele quisesse usar seus restos mortais para promover a idolatria... Mas S. Miguel frustra a trama de Satanás, demonstrando ao mesmo tempo notável autocontrole, que é uma característica típica sua. O anjo mau certamente merecia ser censurado, mas S. Miguel reconhece, fidelíssimo como sempre, que apenas Deus podia julgar Satanás. (Jo 5,22) Como Arcanjo, Miguel possui imensa autoridade e poder. Mesmo assim, humildemente se submete a Deus, em vez de se valer de sua posição privilegiada. – Exatamente nisso e por isso Miguel é tão grande quanto é, no Reino dos Céus.

Este relato intrigante, exclusivo de S. Judas nas Escrituras canônicas, ensina basicamente duas lições: por um lado, a deixar todo julgamento entregue a Deus. Satanás evidentemente queria fazer mau uso do cadáver do reverenciado Moisés. No entanto, S. Miguel refreou-se humildemente de "pronunciar sentença injuriosa contra ele", porque somente a Deus cabe o Juízo. Vemos, assim, que o modo com que devemos nos tratar, uns aos outros, deve ser sempre fundamentado na caridade, antes de tudo. Se nem mesmo o glorioso Arcanjo Miguel quis injuriar com palavras o anjo mau, vemos o quanto devemos nós, pequeninos e fracos pecadores, refrear-nos de injuriar uns aos outros.

Judas foi inspirado a escrever sobre esse incidente porque alguns cristãos de sua época não eram humildes. Arrogantemente "falavam de modo ultrajante de coisas que realmente não conheciam" (10). Para nós, seres humanos imperfeitos, é muito fácil que sejamos vencidos pelo orgulho. Como reagimos quando não entendemos alguma ação da parte de nosso próximo, seja leigo, padre, bispo? Se começarmos a falar imprudentemente, com palavras duras e injuriosas, mesmo não conhecendo todos os fatos envolvidos numa situação específica, não estaremos demonstrando falta de humildade? Em vez de agir assim, imitemos o grande S. Miguel, não julgando assuntos que Deus não nos deu autoridade para julgar.

S. Miguel tem de travar a luta vitoriosa contra Satanás por incumbência do Senhor (Ap 12,7-9). Por isso é tanto mais significativo que ele, na ocasião da disputa pelo corpo de Moisés, não tenha se dirigido ao diabo com injúrias, mas deixou a repreensão totalmente por conta do SENHOR. A moral que S. Judas aponta é que S. Miguel mostrou reservas até mesmo em seu relacionamento com o diabo, enquanto os falsos mestres não exibiam reverência por qualquer autoridade.

Não sabemos o que teriam dito sobre os anjos aqueles homens dos quais falava Judas. Talvez fossem gnósticos, dizendo que os anjos eram maus e estavam a serviço de um deus mau. De todo modo, esta é uma passagem que talvez tenha perdido muito do seu significado para nós, nos tempos atuais, mas que configurou um poderoso argumento contra aqueles aos quais S. Judas se dirigia.

____________
Ref.: artigo "Leitora pergunta sobre Miguel e o corpo de Moisés", do site "Logos Apologética", disponível em
http://logosapologetica.com/leitora-pergunta-sobre-miguel-e-o-corpo-de-moises/
Acesso 17/7/014
www.ofielcatolico.com.br

7 comentários:

  1. Finalmente, eu entendi esse texto das Escrituras e sua mensagem principal. Obrigado a todos vocês e a paz de NSJC!

    ResponderExcluir
  2. Belíssima matéria. Isto nos faz refletir, as muitas vezes que deparamos diante de pessoas que não amam a Igreja Católica e a odeiam como os protestantes, ateus, movimentos gays, feministas, etc.. As ofensas que vem destas pessoas, não devem ser respondidas no mesmo tom que o deles, temos que ser firmes, sim, em nossas respostas, mão não na mesma grosseria com que eles nos atacam embora, reconheço, que seja difícil controlar a raiva em certos momentos em que somo ofendidos. Há também o risco de nós julgamos aqueles que não são dos nossos como já condenados ao inferno, quando ao julgamento de quem será salvo ou não, cabe a DEUS e não a nós, como diz São Paulo:
    " 17. Não pagueis a ninguém o mal com o mal. Aplicai-vos a fazer o bem diante de todos os homens.
    18. Se for possível, quanto depender de vós, vivei em paz com todos os homens.
    19. Não vos vingueis uns aos outros, caríssimos, mas deixai agir a ira de Deus, porque está escrito: A mim a vingança; a mim exercer a justiça, diz o Senhor (Dt 32,35).
    20. Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber. Procedendo assim, amontoarás carvões em brasa sobre a sua cabeça (Pr 25,21s).
    21. Não te deixes vencer pelo mal, mas triunfa do mal com o bem." (Romanos 12, 17-21)

    Portanto, se o juízo pertence a DEUS, de nossa parte deve-se haver somente, por meio da caridade, ensinar as pessoas o reto caminho que conduz a DEUS, que conduz a JESUS, se muitos não quiserem nos ouvir, rogamos a DEUS que tenha misericórdia destas pessoas, e não percamos as esperanças da salvação de ninguém, haja vista que DEUS nos julgará a cada um de maneira justa e irrepreensível, a tal ponto, que ELE verá as atenuantes que poderão fazer salvar aqueles que a gente menos acredita que poderiam herdar os céus.

    Anonimo: Sidnei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Sidnei, não devemos julgar ninguém. Eu nunca digo que uma pessoa está destinada ao inferno antes de ela morrer, exceto se ela cometeu o pecado da blasfêmia contra o Espírito Santo, é claro. Assim como são Miguel, devemos sempre nos freiar na hora de repreender nossos irmãos. A paz de NSJC!

      Excluir
  3. Nossa eu sempre aprendo muito aqui, obrigada anjo lindo enviado por Deus

    ResponderExcluir
  4. Isso faz pensar em como ate os apóstolos usavam a tradição oral, ja qe essa passagem nao se encontra em nenhuma Escritura, provavelmente foi uma tradição transmitida oralmente...A msm coisa em uma passagem de S. Mateus, que era dito pelo profetas que (o Messias) seria chamado Nazareno, tal profecia nao se encontra nas Escrituras, provavelmente era uma Tradiçao Oral!!
    Mas não confundir tradição dos homens, com a Tradiçao dos Apóstolos, ensinada ate os dias de hj pela Igreja Católica.
    ....

    Henrique parabéns pelo artigo, mt esclarecedor!

    ResponderExcluir
  5. Em Israel nunca mais se levantou profeta como Moisés, a quem o Senhor conheceu face a fase, e que fez todos aqueles sinais e maravilhas que o Senhor o tinha enviado para fazer no Egito, contra o Faraó, contra todos os seus servos e contra toda a sua terra. Deuteronômio 34:11,10.

    Certa vez, enquanto alguns israelitas sepultavam um homem, viram de repente uma dessas tropas; então jogaram o corpo do homem no túmulo de Eliseu e fugiram. Assim que o cadáver encostou nos ossos de Eliseu, o homem voltou a vida e se levantou. 2Reis 13:21.

    " Se os ossos de Eliseu ressuscitou um morto. Imagina o corpo de Moisés!

    ResponderExcluir
  6. Grande ensinamento que Nosso Senhor continue iluminando todos voces a paz a todos

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail