Possessão demoníaca?

O RELATO ABAIXO É um testemunho compartilhado pelo revmo. padre Ricardo de Barros Marques, sacerdote exemplar e um querido incentivador do nosso apostolado. Assim como ele achou conveniente publicá-lo, também nós, já que o seu testemunho pode servir como um alerta para os nossos tempos, em que o demônio, furioso, anda muito ativo em nosso mundo e tem recebido grande poder.


São Francisco de Borja procede um exorcismo


A semana inteira li um livro de um padre do século XVIII sobre “discernimento do espírito”, baseado nos exercícios de Santo Inácio de Loyola. Achei exagerado como o autor falava do demônio. Pensei várias vezes: “que exagero, tudo é o demônio! Tudo!”. Cheguei a postar no facebook algo falando das ilusões que o demônio causa nas pessoas. Mas sempre achando exagerado o que o autor escreveu.

Hoje, domingo, na minha terceira missa, aconteceu algo impressionante. O que foi? Eu não sei, contudo relato aqui para vocês.

A celebração ocorreu em paz. Piedosamente em paz. Um casal de namorados estava sentado nos fundos da igreja. Dei a bênção final. Daí começamos a cantar a “Salve Regina”, como fazemos em todos os domingos na missa do meio-dia. Amigos, a jovem namorada, que estava nos fundos da igreja, começou a gritar “Maria não!!!!” e “Maria é puta!”. A jovem começou a querer jogar as cadeiras, e oito ou mais homens tentaram conte-la. A igreja inteira começou a rezar em voz alta a Ave Maria. Quanto mais se rezava mais a jovem se debatia e dizia que Maria é “puta”.

Fui pra sacristia, tirei a casula, mas não a túnica nem a estola e o cíngulo. Pedi que trouxessem a jovem até minha sala e pedi a água benta.

Oito homens levaram aquela pobre moça pra minha sala. Colocaram-na no chão segurada por seis pessoas. Ela gritava, tinha o rosto vermelho e os olhos virados. A sala estava cheia de gente. Umas mulheres choravam. Comecei a rezar e jogar água benta. A jovem gritava as mesmas frases que gritou no final da missa. Invoquei São Miguel Arcanjo. A jovem começou a gritar mais e parecia que seis homens não tinham mais força para segura-la. Ela tentou me morder duas ou três vezes. Cuspiu em mim várias vezes. Várias.

Num determinado momento a jovem que dizia que não deixaria ninguém em paz disse que já estava “boa”, em “paz”. Ela estava sossegada, se tivesse estado sozinha comigo na sala teria quebrado tudo. Então eu pedi que ela rezasse sozinha a Ave Maria. Quando fiz esse pedido a jovem se transformou de novo. Foi preciso que três homens sentassem em cima de suas pernas. Novamente começou uma chuva de cusparadas. O rosto de todos ali era de tremenda impressão. Começamos a rezar incessantemente a Ave Maria e eu a jogar mais água benta. O clima era tenso, mas me mantive calmo. Do nada, a jovem se recobra, acalma-se e levanta-se. Era ela, a jovem do início da missa. Ela disse que há quatro meses sofre disso.

Não sei o que foi. Sei que todos estamos impressionados. Durante o almoço, no restaurante, um menininho deu um grito e eu me assustei, parecia que todo o “horror” estava recomeçando.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Evágrio Pôntico e as 8 Doenças Espirituais

O artigo abaixo é uma resenha de Igor de Andrade que serve como apresentação e introdução ao curso online do Prof. Dr. Joel Gracioso* (Fraternidade Laical São Próspero) sobre Evágrio Pôntico e as "8 Doenças Espirituais". A relação completa dos cursos oferecidos pelo Professor está disponível aqui.



EVÁGRIO PÔNTICO, ou Evágrio do Ponto, foi um monge nascido por volta do ano 345, natural da Capadócia, Ibora, no Ponto. Passou dezesseis anos de sua vida no deserto do Egito, como anacoreta[1].

Foi discípulo e amigo de São Gregório Nazianzeno, o que lhe pôs em contato com a tradição filosófica. Evágrio conheceu bem cedo os Três Capadócios: São Basílio, São Gregório de Nissa e São Gregório de Nazianzo, sendo ordenado diácono por este último. Morreu por volta de 397, deixando inúmeras obras sobre a oração e a vida monástica e ascética.

O intuito dos três cursos oferecidos pelo Prof. Dr. Joel sobre os Padres da Igreja é divulgar os autores da Tradição Cristã que se foram perdendo; Evágrio Pôntico é um destes grandes autores. Levando em conta as diferenças e limitações de seu público, o Professor cumpre com maestria o seu papel, isto é, ensina de fato o pensamento do autor, ao invés de “vomitar erudição” e ministrar uma série de informações desconexas, como lamentavelmente ocorre em muitas situações.

Inicia-se o curso com a explicação do contexto no qual se encontra o autor; em seguida parte para a explanação do próprio conteúdo, a começar pela antropologia evagriana.


São Gregório Nazianzo, São Basílio e São Gregório de Nissa

O modo que Evágrio Pôntico tem de ver o ser humano deriva do seu modo de ver o mundo e a criação. Esta última é pensada pelo autor como feita em duas etapas: a criação primeira – onde Deus teria feito os entes racionais – que não deve ser entendida como anterior cronologicamente, mas ontologicamente, isto é: os entes constituídos na existência mais perfeitamente (em um grau hierarquicamente superior) são os primeiros; a segunda é quando os intelectos puros usaram mal seu livre arbítrio e decaíram – aí entra o problema da alma racional, que é uma alma (portanto, ligada a um corpo) cuja racionalidade não está ligada a um intelecto puro, mas a um decaído (que não está na condição primeira, de pureza).

Fundamentado na tradição grega da “tripartição da alma”, Evágrio diz que Deus dispôs, na alma racional, três partes – uma parte sublime (racional) e duas partes inferiores (irascível e concupiscível).

Assim, no dia-a-dia, o ser humano tem uma alma ligada a um corpo, mas é chamado a buscar aquela unidade originária, o que implica buscar uma saúde não só do corpo, mas da alma.
Daí parte para a vida prática, que não consiste, necessariamente, em uma vida ativa exterior que se contrapõe à vida contemplativa, mas por “prática” ele entende um método espiritual que purifica a parte apaixonada da alma, porque esta parte (se não for purificada) desestabiliza a unidade da alma e a tira do rumo certo.
As paixões são o caminho para a tentação, e quando não somos tentados pela presença de alguma coisa, somos tentados pela sua lembrança – que não é somente resultado de uma capacidade natural, mas também é investida demoníaca.

Ressaltamos, porém, que Evágrio não propõe em momento algum a supressão das dimensões irascível e concupiscível, porque essas dimensões, quando bem ordenadas (isto é, submetidas à razão), são frutuosas.

Depois de afixados os pressupostos necessários para o bom entendimento do pensamento evagriano, o Professor Joel magistralmente explica cada uma das oito doenças – sobre as quais não falarei aqui porque estragaria uma boa surpresa.

Sem sombra de dúvidas, àqueles que se propuserem a aprender com os ensinamentos de tão grandioso Padre da Igreja, muitos frutos espirituais aguardam colhimento nesta vida – e, com certeza, na outra.

___
1. Os anacoretas eram monges ou eremitas que assumiram com radicalidade a pobreza evangélica, vivendo retirados e/ou enclausurados, dedicando-se à oração contínua e à produção de obras catequéticas e litúrgicas. Buscavam incessantemente o estado de graça e a pureza da alma por meio da Contemplação.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Protagonista de A Paixão de Cristo: 'Precisamos de católicos guerreiros que levem a fé ao mundo'


SEGUNDO A AGÊNCIA ACI Digital (8/1/2018), Jim Caviezel, ator que interpretou Jesus Cristo no filme "A Paixão de Cristo", sob uma direção inspiradíssima de Mel Gibson, declarou publicamente que, nestes nossos tempos, necessita-se de "católicos guerreiros" e que se arrisquem para levar a fé ao mundo.



Foi o que indicou, no dia 3 de janeiro, em um evento promovido pela missão FOCUS (Fellowship of Catholic University Students) que reuniu jovens universitários católicos em Chicago, Estados Unidos. Aos cerca de 8 mil estudantes reunidos, Caviezel disse que “alguns de nós agora, vocês os conhecem, abraçam um falso cristianismo, no qual tudo é felicidade, (mas) há muita dor e sofrimento antes da ressurreição”.

“Seu caminho” – continuou o ator – “não será diferente. Assim, abracem sua cruz e corram para sua meta. Quero que saiam por este mundo pagão e tenham a coragem de expressar lá, sem vergonha, sua fé em público”.

O protagonista de A Paixão de Cristo sublinhou ainda que “o mundo necessita de guerreiros orgulhosos, animados por sua fé. Guerreiros como São Paulo ou São Lucas, que arriscaram seus nomes, suas reputações, para levar ao mundo sua fé e seu amor por Jesus”.

Deus está chamando cada um de nós – cada um de vocês –a fazer coisas grandes. Mas, primeiro, devem assumir o compromisso de rezar, ajudar, meditar as Sagradas Escrituras e receber seriamente os santos Sacramentos.

Mais além, disse o ator disse que deseja que os jovens sejam livres, “que possam se libertar de suas fragilidades e da escravidão do pecado. Essa é a liberdade pela qual vale a pena morrer (...). Cada um de nós deve carregar sua própria cruz. Esse é o preço de nossa liberdade”, assegurou.

Caviezel compartilhou com os jovens que sentiu o desejo de ser ator aos 19 anos. Ao recordar que um de seus primeiros papéis principais foi o de Edmond Dante, na filmagem do clássico romance "O Conde de Monte Cristo", um homem que é preso injustamente, o ator ressaltou que “Deus nos ama a cada um pessoalmente. Está ali para nós, também nos momentos de desesperança”. Pouco depois, prosseguiu, “Mel Gibson me chamou, queria que eu fizesse o papel de Jesus Cristo, aos 33 anos. Era uma coincidência? Acredito que não. Tua vida é uma coincidência? Acho que não”.

Em seguida, narrou que o papel de Nosso Senhor Jesus significou sofrimento físico concreto: ele deslocou o ombro na cruz, sofreu um corte real de 35 cm nas costas foi atingido por um raio quando estava nela (saiba mais) e teve que passar por uma operação do coração depois de cinco meses de sofrer uma hipotermia. Tudo isso, disse, considerou como “uma penitência pessoal”.

Quando estive na cruz, compreendi que o seu sofrimento foi a nossa redenção. Lembrem-se que nenhum servo é maior do que o Mestre. 

Caviezel há alguns anos disse que ter interpretado Cristo teria arruinado sua carreira, porque a partir dali as portas de Hollywood, cada vez mais materialista e avessa aos valores cristãos, “foram-se fechando, uma atrás da outra”, para ele: “Fui rechaçado por muitos em minha própria indústria, mas não me arrependo; (...) essa experiência (ter interpretado Jesus Cristo) me jogou nos braços de Deus”. Assim, o ator ressaltou em seu discurso aos jovens, que, em nossos tempos, “alguns de vocês podem se sentir miseráveis agora, confusos, com dúvidas sobre o futuro. Este não é o momento para retroceder nem para se render”.

Para chegar a Deus, temos que viver tendo o Espírito Santo como Escudo e Cristo como sua Espada. Que assim possam se unir a São Miguel e todos os anjos para mandar Lúcifer e seu bando diretamente para o inferno ao qual pertencem!


O vídeo com o pronunciamento do ator

___
Fonte:

ACI Digital, em:

http://www.acidigital.com/noticias/protagonista-de-a-paixao-de-cristo-precisamos-de-guerreiros-que-levem-a-fe-ao-mundo-41697/
Acesso 10/1/018


** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Heresia é retirada da nova edição do livro 'Aparecida', de Rodrigo Alvarez


HÁ MAIS DE TRÊS anos, publicamos um alerta (veja aqui) quanto a uma heresia contida no best seller do jornalista Rodrigo Alvarez, intitulado “Aparecida – a biografia da Santa que perdeu a cabeça, ficou negra, foi roubada, cobiçada pelos políticos e conquistou o Brasil” (Globo, 2014). À época do lançamento, este livro foi amplamente divulgado na grande mídia, e promovido também em ambientes católicos.

O problema maior, de fato, não estava no erro doutrinal fundamental contido no livro, já que não se trata de uma obra catequética ou teológica, mas sim no fato de o autor apresentar este erro –, esta grave heresia –, como se fosse um "dogma católico", aprovado e reconhecido pelo Vaticano.

Em meados do ano passado (2017), houve um relançamento do mesmo livro "em edição revista e ampliada", e eu pude constatar que o mesmo e gritante absurdo continuava constando, à sua página 81, capítulo 10 ('Maria da Conceição'). Reproduzo abaixo o trecho em questão:


Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

O texto destacado na imagem, em amarelo, diz:
...um dogma que o Vaticano só reconheceria em definitivo mais de duzentos anos depois: a Imaculada Conceição de Maria, a suposição de que a mãe de Jesus teria sido concebida por um desejo divino, sem que sua mãe tivesse relações sexuais com seu pai.

Sim, um tremendo absurdo teológico; uma informação completamente falsa e, insisto, para os católicos, herética. Se o jornalista não tinha conhecimento a respeito do dogma, deveria silenciar ou, melhor, procurar informar-se corretamente. O dogma da Imaculada Conceição diz algo bem diferente, que já vimos por aqui:

A Santíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, foi, por singular Graça e Privilégio de Deus Onipotente, em previsão dos Méritos de Cristo Jesus, Salvador do gênero humano, preservada imune de toda mancha de culpa original (...) (veja o texto integral).

Antes de publicar o artigo, eu havia já tentado contato com o autor e enviado mensagens para a editora Globo, via e-mail, Facebook e chat, sem obter resposta alguma. Depois de insistir por duas vezes e aguardar algumas semanas por um retorno, resolvi tornar público o erro contido na obra e também mandei alertas a autoridades da Igreja no  Rio e em São Paulo, pedindo que fossem tomadas providências, como a publicação de uma nota pública de esclarecimento ao povo católico, já que o livro alcançou grande sucesso e certamente desinformou muita gente a respeito da verdadeira fé da Igreja.

Como esse tipo de coisa costuma demorar muito a acontecer, aguardávamos ainda uma resposta, quando tomei conhecimento de que foi lançada uma terceira edição do mesmo livro, desta vez pela Leya. Nesta nova versão, finalmente (Deo gratias!), o disparate foi corrigido. No lugar da afirmação herética, o que se lê agora é:



...um dogma que o Vaticano só reconheceria em definitivo mais de duzentos anos depois: a Imaculada Conceição de Maria, a suposição de que desde o primeiro instante de sua existência, a filha de Ana e Joaquim foi preservada de qualquer pecado, porque já estaria tomada pela graça divina.

Muito bem. A heresia foi removida. Eu e membros de nossa fraternidade pesquisamos muito, e nada encontramos a respeito deste assunto em nenhuma outra fonte. Tudo leva a crer, portanto, que foi por meio de nossa ação que a correção finalmente aconteceu. Ficamos felizes em saber que, mais uma vez, recebemos a imerecida graça de colaborar para que venha a existir um bem (a disseminação da autêntica Sã Doutrina cristã e católica) onde antes havia uma informação falsa.

Nossa satisfação, todavia, não é completa, já que não há, nesta nova edição, a necessária, justa e honesta errata pelas impressões anteriores; não há nenhuma nota, nenhum esclarecimento quanto ao erro –, insisto, gravíssimo –, contido nas edições anteriores, que tiveram tão grande alcance. O autor se limita a dizer, numa introdução, que os comentários que recebeu após a publicação do livro fizeram com que ele notasse "algum detalhe(sic) novo, ou uma visão diferente da que eu tinha, e me fazendo conhecer Aparecida ainda mais profundamente". Diz ainda que "essa troca me fez ir aos poucos incorporando detalhes, fatos e percepções a esta biografia (...)".

O que diz, basicamente, é que novos "detalhes", que ele conheceu somente após a primeira edição, o levaram a "conhecer Aparecida ainda mais profundamente"... 

Perdoe-me, Rodrigo, mas preciso dizer, com todo o respeito, que na realidade os seus conhecimentos sobre Nossa Senhora eram bastante superficiais, para ter publicado tão grande bobagem em forma de livro e, ainda pior, afirmando que tal era dogma da Igreja. Além disso, ignorar solenemente os avisos de quem queria simplesmente alertá-lo não me parece a atitude de um humilde buscador da verdade, que é como você costuma se apresentar. Em todo caso, parabéns por ter corrigido o erro, ainda que tardia e insuficientemente.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Prefácio de Bento XVI para 'A Força do Silêncio'

Nota: "A Força do Silêncio" é um livro do Cardeal Robert Sarah, que tenta nos mostrar quão importante é o silêncio, principalmente para a vida espiritual e ainda mais nos tempos atuais, em que vivemos em uma verdadeira "ditadura do barulho". Abaixo, reproduzimos o belo prefácio que Bento XVI fez para a obra.
DESDE QUANDO, NOS ANOS de 1950, pela primeira vez eu li as cartas de Santo Inácio de Antioquia, ficou-me especialmente gravada uma passagem de sua Carta aos Efésios:

É melhor permanecer em silêncio e ser do que falar e não ser. É belo ensinar quando se faz o que se diz. Um só é o Mestre que disse e fez, e o que Ele fez, permanecendo em silêncio, é digno do Pai. Quem realmente possui a palavra de Jesus pode ouvir também o seu silêncio, de modo a ser perfeito, de modo a agir por sua palavra e ser conhecido por sua permanência no silêncio.”
(15,1s)

O que significa "ouvir o silêncio" de Jesus e reconhecê-lo por seu silêncio? Sabemos, pelos Evangelhos, que Jesus costumava passar as noites a orar a sós, "sobre o monte", em diálogo com o Pai. Sabemos que o seu falar, que a sua palavra provém da permanência no silêncio e que só no silêncio poderia amadurecer. É revelador, portanto, o fato de que a sua palavra só possa ser compreendida de modo justo quando se adentra também em seu silêncio; só se aprende a escutá-la a partir dessa sua permanência no silêncio.

É claro que, para interpretar as palavras de Jesus, é necessária uma competência histórica que nos ensine a compreender o tempo e a linguagem da época. Mas isso por si só não basta para colher verdadeiramente, em toda a sua profundidade, a mensagem do Senhor. Quem lê os comentários aos Evangelhos, cada vez mais volumosos, que são feitos atualmente fica desapontado no final. Aprende muitas coisas úteis sobre o passado e defronta-se com muitas hipóteses que, no final, em nada favorecem a compreensão do texto.

No final, tem-se a sensação de que aquele excesso de palavras falta alguma coisa essencial: entrar no silêncio de Jesus, silêncio do qual nasce a sua palavra. Se não conseguirmos entrar nesse silêncio, sempre ouviremos a palavra de modo superficial e assim não a compreenderemos verdadeiramente. Todos esses pensamentos atravessaram-me de novo a alma ao ler o novo livro do cardeal Robert Sarah, que nos ensina o silêncio: permanecer em silêncio com Jesus, o verdadeiro silêncio interior.

Ao nos propor justamente isso, ele também nos ajuda a compreender de um modo novo a palavra do Senhor. Naturalmente, ele fala pouco ou nada de si, mas mesmo assim nos permite entrever algo da sua vida interior. Quando Nicolas Diat lhe pergunta: "Ao longo da sua vida, o senhor se deu conta algumas vezes de que as palavras foram se tornando demasiadamente inoportunas, pesadas e ruidosas?". Ele responde: "Em minhas orações e em minha vida interior, sempre senti a necessidade de um silêncio mais profundo e completo [...].

Os dias de solidão, de silêncio e de jejum absoluto foram um grande alento, uma graça incrível, uma lenta purificação e um encontro pessoal com Deus [...]. Os dias de solidão, de silêncio e jejum, alimentado apenas pela Palavra de Deus, permitem ao homem estabelecer sua vida sobre o essencial" (Pensamento 134). Nessas linhas revela-se a fonte de vida do cardeal, fonte que confere à sua palavra uma profundidade interior. Essa é a base que lhe permite reconhecer os perigos que continuamente ameaçam a vida espiritual, especialmente a de padres e bispos, ameaçando assim a própria Igreja, na qual, com não pouca frequência, em lugar da Palavra introduz-se uma verbosidade em que se dissolve a grandeza da Palavra.

Gostaria de citar uma frase que pode servir de começo para o exame de consciência de qualquer bispo: "Pode suceder que um sacerdote bom e piedoso, uma vez elevado à dignidade episcopal, descambe rapidamente na mediocridade e no desejo de ser bem-sucedido nos negócios mundanos. Sobrecarregado pelo peso de seus encargos, agitado pela vontade de agradar, preocupado com seu poder, autoridade e as necessidades materiais de seu ofício, gradualmente ele se esgota" (Pensamento 15). O cardeal Sarah é um mestre espiritual que fala a partir da sua profunda permanência silenciosa junto ao Senhor, fala a partir da sua profunda unidade com Ele, e, assim, tem realmente algo a dizer a cada um de nós.

 Devemos ser gratos ao papa Francisco por ter posto tal mestre espiritual à frente da Congregação que é responsável pela celebração da liturgia na Igreja. Na liturgia, como na interpretação da Sagrada Escritura, também é necessária uma competência específica. No entanto, também na liturgia pode acontecer que o conhecimento especializado acabe por ignorar o essencial, caso não se fundamente numa profunda unidade interior com a Igreja orante, que aprende sempre de novo, com o próprio Senhor, o que é a adoração. Com o cardeal Sarah, um mestre de silêncio e de oração interior, a liturgia está em boas mãos. Bento XVI, Papa Emérito Cidade do Vaticano, Semana da Páscoa de 2017.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Bento XVI e a Comunhão na língua, de joelhos

[Nota do editor: essa postagem tem por objetivo incentivar os fiéis católicos a realizarem cada vez mais comunhões dignas e permeadas de autêntica adoração. É, claro, de nosso conhecimento, que a administração da Comunhão na mão é aceita pela Igreja, ainda que esse não seja o modo ideal de se receber a Nosso Senhor.]



EM 2010, SENDO BENTO XVI o Papa reinante, o Ofício das Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontífice emitiu um documento no qual defende a Comunhão seja recebida sempre de joelhos e na boca. Elencamos, a seguir, algumas das partes mais relevantes desse texto. 

Desde o tempo dos Padres da Igreja, existiu uma tendência que foi sendo consolidada: a preferência de distribuir a Sagrada Comunhão na língua ao invés de distribui-la na mão. São duas as motivações para esta prática: 

1) para evitar, tanto quanto possível, que partículas Eucarísticas possam perder-se (por ex: ficarem na mão depois de comungar, e até mesmo caírem no chão); 

2) aumentar a devoção entre os fiéis na Presença Real de Nosso Senhor no Sacramento da Eucaristia. 

Sto. Tomás de Aquino também se refere à prática de receber a Sagrada Comunhão apenas na língua. Ele afirma que tocar no Corpo do Senhor é próprio, apenas, para o sacerdote ordenado. Portanto, por vários motivos, entre os quais o Doutor Angélico cita o respeito pelo sacramento, escreve: 
...como forma de reverência para com este Sacramento, nada o toque, apenas o que é consagrado (o sacerdote), uma vez que o corpo e o cálice são consagrados, também as mãos do sacerdote (o foram) para que tocasse nesse Sacramento. Por isso, não é lícito a ninguém tocá-lo, excepto por necessidade, por exemplo, se fosse cair sobre o chão, ou então em algum outro caso de urgência."
(Summa Theologiae, III, 82, 3) 

Ao longo dos séculos, o momento da Santa Comunhão sempre foi marcado com sacralidade e profundo respeito, esforçando-se os bispos para constantemente desenvolver os melhores sinais externos que poderiam promover a compreensão deste grande Mistério sacramental.

Na sua solicitude amorosa e pastoral, a Igreja tem a certeza de que os fiéis recebem a Santa Comunhão tendo no seu interior corretas disposições, entre as quais se destacam a disposição e a necessidade de compreenderem a Presença Real d'Aquele que estão para receber. (vide Catecismo do Papa Pio X, nn. 628 e 636).

A Igreja no Ocidente estabeleceu o ato de ajoelhar-se como um dos sinais de devoção adequado para os que vão comungar. Um ditado célebre de Sto. Agostinho, citado pelo Papa Bento XVI no n. 66 da sua Encíclica Sacramentum Caritatis, ('Sacramento de Amor'), ensina: "Ninguém come desta Carne sem primeiro adorá-la, podemos pecar se não a adoramos" (Enarrationes in Psalmos 98, 9).

Ajoelhar-se, neste caso, mostra e promove a adoração necessárias antes de receber Cristo Eucarístico. A partir desta perspectiva, o então Cardeal Ratzinger assegurou que "a comunhão só atinge a sua verdadeira profundidade quando é apoiada e rodeada por adoração" ['The Spirit of the Liturgy', Ignatius Press, 2000, p. 90]. Por esta razão, afirmou ainda que "a prática de se ajoelhar para a Santa Comunhão tem em seu favor uma tradição já antiga, e é um sinal particularmente expressivo de adoração, completamente apropriado, à luz da Presença verdadeira, real e substancial de Nosso Senhor Jesus Cristo sob as espécies consagradas" [carta 'This Congregation' of the Congregation for Divine Worship and the Discipline of the Sacraments, 1 de Julho de 2002]. 

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

___
Ref.:

Senza Pagare, disp. em:
http://senzapagare.blogspot.com.br/2017/12/o-papa-bento-apenas-distribuia-comunhao.html?m=1

Acesso 6/1/018
www.ofielcatolico.com.br

Doroteu de Gaza – Ensinamentos Espirituais

O artigo abaixo é uma resenha de Igor de Andrade que pretende servir de apresentação do curso online do Prof. Dr. Joel Gracioso* (Fraternidade Laical São Próspero) sobre Doroteu de Gaza e seus "Ensinamentos Espirituais". A relação completa dos cursos oferecidos pelo professor está disponível aqui.



NATURAL DE ANTIOQUIA, São Doroteu foi um monge cristão que viveu em Gaza durante o Século VI dC. Suas conferências mostram e, ao mesmo tempo, possibilitam adentrar a sabedoria dos Padres do Deserto, tratando de questões como renúncia, humildade, consciência, temor de Deus, vigilância, paixões, vida virtuosa, como lidar com as tentações e outros assuntos pertinentes à espiritualidade cristã.

Este curso expõe ensinamentos espirituais que levam o aluno a uma reflexão profunda de si e do mundo – isto porque Doroteu de Gaza nos mostra os desígnios de Deus para o homem, o caminho a percorrer para atingir a santidade, a perigosa manifestação do inimigo comum da humanidade, além de toda uma riqueza sobre a necessidade da ascese.

No decorrer da obra, Doroteu fala sobre o hábito monástico, o Pecado Original e suas consequências (como a perda da consciência da lei natural, a idolatria, o politeísmo, a magia e a feitiçaria), diferencia as paixões da alma dos pecados: as primeiras são as que estão no interior do homem (inclinações naturais), enquanto os segundos são os atos motivados por essas paixões. Não basta somente dizer “não” às paixões, se não arrancarmos a causa do fluir da paixão.

Como de costume, o Prof. Joel inicia o curso localizando o autor no seu período, para melhor entendermos o conteúdo de sua mensagem. Fala da querela do Cânon Bíblico – desde o crivo da Igreja para selecionar os Livros Sagrados até o questionamento da validade dos mesmos textos canônicos. Tudo isso para frisar a doutrina e a identidade cristã estabelecida nos primeiros séculos, contexto no qual surgiu um “estilo de vida cristão diferente”, o Monaquismo Cristão, do qual o autor estava inserido.

Em suma, São Doroteu foi herdeiro de um cristianismo razoavelmente estabelecido e de uma filosofia estoica – de onde, por exemplo, recebeu a noção de apateia (paz de espírito). Mas deixa claro que o autor não só repetiu o que já fora dito, como sempre fizeram os grandes pensadores cristãos, mas desenvolveu um pensamento próprio, adaptando a filosofia grega ao cristianismo (o que caracteriza toda a Patrística) e deixando prevalecer a ortodoxia da doutrina.

Além de elucidar a descrição de São Doroteu acerca da realidade humana (paixões, mazelas, pecados, etc.), o Professor traça vínculos entre a realidade cristã da época e a nossa realidade cristã atual, apresentando as soluções de Doroteu, de modo que possamos pô-las em prática na nossa vida quotidiana.

Os Ensinamentos Espirituais de São Doroteu de Gaza, apresentados pelo Profº Dr. Joel Gracioso, produzem, sem dúvidas, muitos frutos na alma, pois o curso é ministrado por alguém que não só possui formação especializada na área de Filosofia Patrística e uma vasta experiência no ensino de Teologia e Religião, mas também possui profunda e verdadeira fé.



** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

______
O Prof. Joel é autor de diversos livros e referência absoluta em Patrística nos países de língua portuguesa, com ênfase em Santo Agostinho, disciplina a qual eu, Henrique Sebastião, juntamente com Igor Andrade, tive a honra e o privilégio de concluir sob sua tutela pela faculdade de São Bento de São Paulo. Brindando-nos com uma oportunidade realmente imperdível, o professor elaborou uma série de cursos bastante didáticos, em áudio, especialmente pensados para os leigos que iniciam os seus estudos nas temáticas discriminadas.
www.ofielcatolico.com.br

Receba O Fiel Católico em seu e-mail