Restringir o aborto reduz a mortalidade materna, assinala estudo


AO CONTRÁRIO DO QUE QUEREM fazer crer os adeptos da legalização do aborto, as evidências clínicas apontam que nos países em que o aborto é descriminalizado, a mortalidade feminina aumenta. No dia 23 de fevereiro (2015) foi publicado no científico British Medical Journal um estudo que assegura que, em lugares onde as leis de aborto são mais restritas, a mortalidade materna é menor, em comparação com aqueles lugares que têm leis de aborto mais liberais.

O MELISA Institute, organismo responsável pelo estudo, compilou dados de distintos Estados do México e depois os comparou segundo “um indicador padrão de saúde materna conhecido como Razão de Mortalidade Materna (RMM), em 18 Estados com legislações menos permissivas e 14 estados com legislações mais permissivas, durante um período de 10 anos, entre 2002 e 2011”.

O Dr. John Thorp (foto), médico ginecologista e pesquisador da Universidade de North Carolina em Chapel Hill, explicou — no site do MELISA Institute — que já se esperavam estes resultados do estudo, já que, em outra pesquisa realizada no Chile (a cargo do epidemiologista Elard Koch) e publicado pela revista PLoS ONE, a redução da RMM “continuou inalterada, ainda depois da restrição legal do aborto” introduzida em 1989.

Thorp destacou que não é factível que “a mudança para uma legislação de aborto menos permissiva aumente as mortes maternas per se”. Além disso, indicou que um estudo feito por pesquisadores da Universidade de Stanford em 23 estados norte-americanos, publicado no Journal of Public Health, demonstrou que, quando as leis de aborto são menos permissivas, baixam as taxas de complicação por aborto.

Já o Dr. Joseph Stanford, médico e pesquisador da Universidade de Utah, assegurou que não basta ter leis de aborto mais restritas, também é necessário cobrir outras variáveis, como o acesso a controles pré-natais, atenção profissional no parto e cuidados obstétricos de emergência: tudo isso é fundamental para reduzir a morte materna.

O Instituto MELISA é uma instituição sem fins lucrativos para a pesquisa biomédica avançada. Seu fundador e diretor é o médico chileno Dr. Elard Koch (foto), enfático em afirmar por distintos meios que a mortalidade materna não diminui quando se aprova o aborto.

Todo o exposto se insere no contexto da recente apresentação no Chile do projeto de despenalização do aborto, por parte do governo de Michelle Bachelet, em três ocasiões: a suposta inviabilidade do nascituro, o “risco” de perder a vida da mãe e o estupro. A proposta legislativa, que será discutida no Congresso do país, inclui o aborto para menores de 14 anos.

___
Fonte:
ACI
http://www.acidigital.com/noticias/restringir-o-aborto-reduz-a-mortalidade-materna-assinala-estudo-17671/
Acesso 6/3/015
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Caros irmãos fieis católicos
    Vejam uma posição quanto ao Sínodo de Outubro do n. 4 da Cúria:
    Cardeal Sarah: “Faço parte daqueles – e somos muitos – que não permitirão que a pastoral substitua a doutrina”.
    Família, Homossexuais, divorciados recasados. “A Igreja já está aberta, e sem doutrina é uma casa que desmorona”.
    http://fratresinunum.com/2015/03/11/cardeal-sarah-faco-parte-daqueles-e-somos-muitos-que-nao-permitirao-que-a-pastoral-substitua-a-doutrina/

    Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, André, este é um texto precioso, que vale a pena ser lido por todos os fiéis católicos.

      Um abraço fraterno

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  2. O aborto é um pecado horroroso que precisa ser combatido diariamente pelo povo de Deus e sse estudo científico precisa ser divulgado com mais intensidade para o bem da humanidade.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail