Repense o elogio...

...e repense as marcas que você consome, para não ajudar a sustentar o movimento anticristão e antifamília que nos ameaça!


Campanha que pede para não chamar meninas de princesas
fantasiou um menino com vestido e coroa

TEMOS A IMPRESSÃO DE que grandes empresas e os principais veículos de comunicação vem combinando de se revezar na missão "sagrada" de nos convencer de que tudo aquilo que sempre tivemos como certo (e que sempre deu certo, estamos falando dos valores que construíram a nossa civilização) agora é errado. Depois da Unilever e o sabão Omo, agora é a vez da marca de cosméticos Avon gerar polêmica ao mover uma campanha que pede aos pais que não chamem suas filhas de “princesas”. Oi? É que, segundo a chamada, o elogio pode fazer mal para as meninas.

Um micro documentário relacionado, intitulado “Repense o elogio”, exibido também durante o Programa Fantástico da Rede Globo (por que não estou surpreso?) que defende a ideologia do gênero e o feminismo, tem recebido milhares de comentários negativos. No Youtube, o vídeo já tem mais de 81 mil “não gostei” contra apenas 9 mil “curtidas” (20/10/2017). Por amor a Cristo e à Santíssima Virgem, a Princesa de todas as princesas, fiel católico, antes de continuar a leitura, negative também o vídeo aqui.

O filme mostra mulheres dizendo que o elogio de "princesa" fez com que se sentissem mal quando eram crianças(!). Para completar a agenda esquerdista (que tradicionalmente se apodera também das reivindicações de movimentos supostamente antirracistas), entre outras bobagens é apresentado o argumento de que o mal estar, em alguns casos, era pelo fato de as meninas não serem brancas... Mas, e as princesas Pocahontas, Mulan, Jasmine,Tiana, Moana e tantas outras? Não são todas morenas ou negras? Mais ainda, a própria Avon não comercializa produtos com as princesas Disney? Aliás, para os seus produtos, eles preferem sempre as personagens louras.


Linha de colônias Avon-Disney Princesas (louras)

Crianças participam do documentário. Apesar de todos os esforços da produção, é nítido que foram previamente instruídas para dizer que ser chamada de princesa não é algo bom. A marca tenta convencer a audiência de que, enquanto as meninas são chamadas de “princesas” e “bonitas”, e os meninos são elogiados com palavras como “forte” e “corajoso”, isso contribui para que as mulheres sejam consideradas mais fracas que os homens.

Sim, você leu direito. Parece que alguém se esqueceu de dizer a eles que, fisicamente, sim, as mulheres são mesmo mais fracas que os homens! Ora, se existe alguém que tenha sido já tão alienado pela massacrante imposição das ideologias de gênero e feminista a ponto de ter alguma dúvida disso, basta ver os jogos olímpicos, por exemplo. Que analise o quadro de recordes masculinos e femininos em todas as modalidades: veja os tempos das provas atléticas, veja a quantidade de peso que é levantada ou arremessada por homens e por mulheres, a altura que uns e outros são capazes de saltar... E olhe que aqui estamos diante de mulheres altamente dotadas, muito bem nutridas e preparadas segundo as mais avançadas tecnologias do esporte. Mesmo assim, não são páreo para homens igualmente preparados.

Sim, o vigor e a força física são, como sempre foram, características predominantemente masculinas, enquanto que a formosura e a delicadeza são e sempre foram marcas distintivas das mulheres. Principalmente, cabe lembrar que ser doce e feminina como uma princesa não vai fazer com que menina nenhuma seja menos corajosa, ou emocionalmente forte, ou inteligente, ou ainda mesmo guerreira: tanto assim, que a própria ficção já nos brindou com inúmeros exemplos de princesas que são também poderosas guerreiras, como a Mulher Maravilha, a Princesa Leia, de Star Wars, a Red Sonja, dos quadrinhos, ou a Xena, da série de TV, entre muitas, muitas outras. 

Mesmo quem não crê em Deus –, que quis que homem e mulher fossem como são –, ainda é obrigado, pela mais elementar honestidade intelectual, a reconhecer que a natureza nos fez assim: homens são mais fortes e algo brutos, enquanto mulheres são mais suaves e intuitivas.

O mais "interessante" de tudo é que, no vídeo em questão, um menino dos seus 5 ou 6 anos aparece vestido de princesa! Isso mesmo: segundo a ideologia doente e deformada defendida no vídeo, chamar uma menina de princesa pode ser nocivo ou prejudicial para uma criança, mas não há nenhum problema em vestir um menino inocente, com sua psique ainda em formação, com roupas de menina. Nossos guris não poderiam ser incentivados a ser como os príncipes fortes e corajosos das fábulas, mas deveriam ser tratados como menininhas meigas e delicadas.

Antes de encerrar, deixamos uma frase de Silvana Cristina Sebastião e Silva, honrado membro feminino de nossa fraternidade, deixada como comentário no próprio vídeo:

Experimentem tentar doutrinar o meu filho nas suas insanidades e vocês verão com que velocidade uma princesa como eu se transforma na Mulher Maravilha e bota bandido para correr. Porque vocês são criminosos; o que fazem é crime. Mas vocês não vão vencer, porque a loucura nunca triunfa, como mostra a História. As pessoas de bem vencerão no final. Começo fazendo a minha parte e deixando a minha palavra de mulher bem resolvida de que nunca mais, em minha vida, comprarei um produto Avon, e chamo todas as mães de família, como eu, a fazer o mesmo.

As batalhas não cessam, e a grande guerra parece mesmo estar apenas começando. Coragem, fiéis católicos, que aqueles que perseverarem até o fim, estes serão salvos (Mt 24,13).


Humorista Jonathan Nemer dá a sua opinião
www.ofielcatolico.com.br

10 comentários:

  1. Bom dia O fiel Católico.
    Salve Maria.

    Fugindo do assunto do post tenho algo para vocês. Acho que a canção nova noticiou O Rosário sem Fronteiras da Polónia com um OUTRO SENTIDO, não sei se estou errado, se entendi diferente. Vou deixar o link. Prestem a atenção no que eles dizem serem o motivo da recitação do rosário na Polónia: derrubar muros(?). https://www.youtube.com/watch?v=arDJhZnc3zE

    Wagner

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Honestamente, vi a notícia em diversas fontes, e em nenhuma constava essa história de "derrubar muros". Mas o que eles disseram na Canção Nova é, literalmente: "O objetivo demonstra..."(?). Honestamente, não entendi essa construção. O objetivo é aquele ou o objetivo demonstra, secundariamente, alguma coisa?

      Em todo caso é bom lembrar que eles também disseram "derrubar os muros e se abrir aos países vizinhos"... Fique claro que os vizinhos da Polônia são a Lituânia, a Ucrânia, a Bielorússia, a Chéquia, a Eslováquia e a Alemanha. É importante esclarecer que isso não tem nada a ver com escancarar as porteiras para muçulmanos que não respeitam a cultura e nem a religião das nações que os acolhem. Os poloneses dão exemplo ao mundo sobre o quanto é importante preservara a identidade e os valores (logo também a fé religiosa) de um povo.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  2. É impressionante como nos últimos anos, e não muitos, um ou dois, no máximo, (vejo a reeleição e o posterior impeachment da Dilma como marcos) o "gênio saiu da garrafa" e agora os esquerdistas perderam todo o pudor que ainda tinham e estão lançando uma ofensiva pesada em vários frontes, atacando com toda a artilharia suja de que dispõem... meu Deus, será mesmo que "a grande guerra parece mesmo estar apenas começando"? Tá difícil passar um dia sem ler alguma notícia, algum fato, que supera o do dia anterior em baixaria e vileza... onde isso vai parar? Ajude-nos Senhor...

    ResponderExcluir
  3. Todo o sentido da vida e também da construção da vida afetiva e conjugal está embasada em Cristo, para que possamos combater o bom combate!

    ResponderExcluir
  4. O link indicado aqui está "off" (a Avon com o rebo entre as pernas, como se diz por aqui, em portugal).
    Mas outros:
    https://www.youtube.com/watch?v=oxxIME6RDvc
    https://www.youtube.com/watch?v=oLq2mXD4fFo
    https://www.youtube.com/watch?v=gli0WmjFeFM
    Carlos

    ResponderExcluir
  5. Sobre os elogios, os excessivos são chamados de "adulações", de "bajulações" ou de "lisonjas", pois eles têm limites, assim como as boas obras. Tudo que nos é carencial ou excessivo nos é maléfico. O estudo dos extremos chama-se "extremologia".

    ResponderExcluir
  6. O vídeo já foi tirado do ar por causa da repercussão negativa e as ações da Avon caíram na bolsa de valores. Aqui onde moro o supermercado que sempre faço compras estava vendendo o Omo a R $ 3,99 Por causa da queda das vendas e antes não saia por menos de R $ 10 reais ! Isso mostra a força dos cristãos e de pessoas de bom senso .

    ResponderExcluir
  7. Excelente texto. Só para complementar, existe um vídeo no you tube de um pai Dinamarquês que saiu pelo mundo a fim de investigar a ideologia de gênero. Ele quis peaquisar a fundo se tal ideologia tem embasamento científico. Conversou com diversos especialistas. Intrigante que ele acabou descobrindo que a diferenciação nata entre homens e mulheres possui larga base científica enquanto a ideologia de gênero, é pura teoria. Isso mesmo, essa IDEIA absurda não tem base científica nenhuma. Assistam!! Vale muito a pena. Se todos os pais fizessem isso essa teoria absurda não estaria sendo difundida.

    ResponderExcluir
  8. O link do vídeo: https://m.youtube.com/watch?v=bPFvtCOLZZw

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail