O dízimo na Igreja Católica


MUITOS PADRES e também fiéis católicos acham difícil falar sobre este assunto, principalmente por causa das deturpações que tantos ditos "pastores" – na verdade autênticos "mercadores da fé" – vêm promovendo nos últimos anos, usando de meia dúzia de passagens bíblicas como armas para extorquir e explorar pessoas simples e sem instrução. De fato é muito simples usar textos isolados da Bíblia para justificar qualquer ideia, e o próprio Satanás usou das Escrituras para tentar nosso Senhor Jesus Cristo, dizendo: "Está escrito..." (Mt 4,1-11, Mc 12,13 e Lc 4,1-13). Assim enriquecem, cada vez mais, os falsos profetas. O significado verdadeiro do dízimo, porém, é justo e verdadeiramente cristão.

Nos tempos do Antigo Testamento, a Lei de Moisés prescrevia o pagamento obrigatório de 10% dos rendimentos do fiel (pagos na forma de bens e mantimentos, principalmente produtos agrícolas) para manter
a tribo de Levi e os sacerdotes, responsáveis pela manutenção do Tabernáculo e depois do Templo, já que eles não tinham direito a heranças e territórios. Esses mantimentos eram também usados para assistir aos órfãos, viúvas e pobres em suas necessidades. Depois da destruição do Templo (no ano 70 dC), a classe sacerdotal e os sacrifícios cessaram, e os rabinos passaram a recomendar que os judeus prestassem auxílio aos mais necessitados.

Por ser Cristo o Supremo Sacerdote, consumou o sacerdócio levítico com todas as suas leis, dízimos e costumes, como esclarece o Apóstolo São Paulo na Carta aos Hebreus (Hb 7,1-28): “Com efeito, mudado o sacerdócio, é necessário que se mude também a lei" (Hebr 7, 12). Mais adiante, o mesmo santo Apóstolo arremata: “Com isso, está abolida a antiga legislação, por causa de sua ineficácia e inutilidade" (Hb 7,18).


Hoje,
o dízimo é uma doação regular e proporcional aos rendimentos do fiel, que todo batizado deve assumir. É antes de tudo uma grande graça, pois é uma forma concreta que o cristão tem para manifestar a sua fé em Deus e o seu amor ao próximo, já que é por meio dele que a Igreja se mantém em atividade, sustenta seus trabalhos de evangelização e realiza muitas obras de caridade e assistência aos menos favorecidos. Pelo dízimo, podemos viver as três virtudes mais importantes para todo cristão: a Fé, a Esperança e o Amor-caridade, que nos levam mais perto de Deus. 
O dízimo é um compromisso. Representa a nossa vontade de colaborar, de verdade, com o Projeto Divino neste mundo.

A palavra “dízimo” significa “décima parte”, e a sua origem está nos 10% que os judeus davam de tudo o que colhiam da terra com o seu trabalho. Também hoje todos são convidados a oferecer, de fato, a décima parte daquilo que ganham, mas isso não é um preceito: ninguém é obrigado e ninguém deve ser constrangido a fazê-lo. O importante é entender que o dízimo não é esmola. Deus, que jamais nos priva da nossa liberdade, merece a doação feita com alegria. - O que é doado de boa vontade faz bem a quem dá e a quem recebe!


O que é preciso para ser dízimo?


Cada pessoa deve definir livremente, sem tristeza nem constrangimento, qual percentual dos seus ganhos irá separar para o dízimo. Como visto, a Igreja não exige a doação de 10% de tudo o que você ganha. Porém, para ser considerado dízimo, é preciso que seja realmente um percentual, isto é, uma porcentagem dos seus ganhos, sendo no mínimo 1%. Se alguém ganha R$ 1.000,00 e oferece R$ 10,00, isto ainda pode ser considerado dízimo. Menos do que isso, porém, seria uma oferta.

A experiência pastoral comprova: aqueles que, confiantes na Providência Divina, optaram pelo dízimo integral, isto é, pela doação dos 10% de tudo o que ganham, não se arrependeram nem sentiram falta em seus orçamentos: ao contrário, muitos dizimistas dão o seu testemunho: depois que passaram a contribuir com a Igreja e a comunidade dessa maneira, passaram a se sentir especialmente abençoados: Deus não desampara os que nele confiam.

Mas isso não quer dizer que devemos dar o dízimo esperando "ganhar em dobro", nem receber algo em troca, como se pudéssemos barganhar com Deus. Aqueles que ensinam tais coisas nada entendem de cristianismo, não compreendem o contexto bíblico e menos ainda o significado de partilha, tão presente na Igreja primitiva. 

Jesus Cristo diz que há mais bem-aventurança em dar do que em receber (At 20, 35). Dar pensando no que se receberá de volta, portanto, não é dar, é negociar, é trocar, é barganhar. Só é possível dar, no sentido cristão, quando não se espera nada em troca.

A entrega do dízimo normalmente é mensal, porque a maioria das pessoas recebe salário todo mês. Já os que recebem semanalmente
, por exemplo, podem combinar de entregá-lo uma vez por semana. O importante é saber que o dízimo deve ser entregue na comunidade com a mesma regularidade com que se recebem os ganhos regulares.

Já as ofertas são doações espontâneas, com as quais o fiel também pode e deve participar da vida em comunidade, mas nesse caso não existe a regularidade, como no caso do dízimo. - Você pode e deve doar na hora do ofertório, durante as Missas, ou fazer depósitos nas caixas de coleta, mas não se trata de um compromisso fixo assumido com Deus, e sim de uma manifestação de amor e de confiança.

Cada vez mais católicos se conscientizam da importância do dízimo e das ofertas. É bom encontrar as igrejas limpas, bem equipadas, com tudo funcionando bem... Mas, infelizmente, muitos se esquecem de que, para isso, todos precisam colaborar! Somos a Família do Senhor, e cada templo da Igreja é uma casa de todos nós. A Igreja conta com o seu desejo de viver em Cristo, de assumir de fato o papel e a missão de ser, junto com seus irmãos de fé, membro de um mesmo Corpo: aceite o chamado de nosso Pai Eterno e diga sim ao compromisso de levar adiante os trabalhos evangelizadores da sua paróquia. Informe-se sobre como se tornar um dizimista e faça bem a sua parte.


Dê cada um conforme o impulso do seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria.
(2Cor 9,7)


______
Assessoria:
• Prof. Dr. Pe. Vicente de Melo, CSsR (Par. Nossa Senhora do Bom Sucesso, Guaratuba - PR, e comunidades diversas / janeiro de 2013);
• Pe. Luiz Paulo de Souza (atual pároco de São José de Vila Zelina, São Paulo - SP / janeiro 2013).
_________
Ref. bibliográfica:
TATTO, Antoninho. Dízimo, Expressão Forte da Comunidade, 10ª ed. São Paulo: O Recado, s/d.
www.ofielcatolico.com.br

42 comentários:

  1. Quando damos por amor, nosso coração agradece. Não perder a chance jamais, de fazer alguém feliz. A ingratidão é a arte da dor.Me sinto leve quando ajudo à outrem. me arrependo de muitas vezes que não o fiz, ainda me dói.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me sinto muito bem e dar o meu dizimo devolvo um pouco de muito que Deus me da dou com alegria os 10%do que recebo sou católica

      Excluir
    2. sou católica, meu Deus! não sei porque motivo,eu nunca consegui ser uma dizimista, já tentei várias vezes e sempre paro em algum momento, Deus tem me abençoado tanto, estou mesmo gastando tudo o que não é meu, pois o dízimo é de Deus,então estou eu roubando Deus?! roubando o criador ! preciso de orientação neste sentido...

      Excluir
    3. Caríssima Alcelany, irmã em Cristo Jesus

      Leia o texto constante do link abaixo e tire suas próprias conclusões:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2001/01/o-dizimo-na-igreja-catolica.html

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
    4. Olá, Padre. Pessoal, bom dia!

      Estava à procura sobre assuntos ligados ao dízimo e juntando palavras para explicar melhor para uma pessoa. Encontrei em site de um pastor e aqui no site de vocês.
      Sou evangélico desde berço, mas achei muito interessante a sua explicação sobre o dízimo.
      Eu também estava curioso em saber como os Católicos pensavam sobre o dízimo, e ví que vocês seguem o mesmo pensamento.
      Quando se fala em dízimo só lembram de pastores e tal, não sei se é porque muitos se expôem ou vacilam por aí... É isso mesmo, sou evangélico, jamais deixarei de ser, mas reconheço que tem muitos entre nós que não nos representam, e sei que um dia eles serão julgados por Deus por todos os seus atos.
      Enfim, gostei da explicação de vocês sobre o dízimo, e é isso aí... não se prendam ao dinheiro, pois o dízimo é uma demonstração de amor e que as coisas materiais não nos prendem, pois não levaremos conosco nada desta Terra caso morramos.
      Acima de tudo, tenham fé em DEUS e jamais nos homens.
      Na própria Bíblia diz: Maldito é o homem que confia no homem... (Jeremias 17.5).
      Padres e Pastores estão sujeitos a errarem. O único perfeito a pisar nesta Terra foi o filho de DEUS, nosso Senhor Jesus Cristo.
      Qualquer outro humano que existiu neste mundo, jamais chegará aos pés de Jesus.
      Portanto, dedique sua adoração totalmente para Deus.

      Abraços e fiquem na paz!

      Excluir
  2. Tenho dúvidas em relação a porcentagem de 10% por causa das seguintes passagens:

    a) "Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim abolir, mas dar-lhes pleno cumprimento. 18. Eu garanto a vocês: antes que o céu e a terra deixem de existir, nem sequer uma letra ou vírgula serão tiradas da Lei, sem que tudo aconteça. - Mateus 5:17-18"

    b) "Ai de vocês, doutores da Lei e fariseus hipócritas! Vocês pagam o dízimo da hortelã, da erva-doce e do cominho, e deixam de lado os ensinamentos mais importantes da Lei, como a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Vocês deveriam praticar isso, sem deixar aquilo."- Mateus 23:23

    c) "Julguei, portanto, necessário pedir aos irmãos que fossem até vocês à nossa frente e organizassem as ofertas já prometidas; uma vez recolhidas tais ofertas seriam sinal de autêntica generosidade, e não demonstração de avareza. (...) Cada um dê conforme decidir em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama quem dá com alegria." - Mateus 9, 5 e 7.

    Assim, temos em "a' afirmação de Jesus que ele não veio abolir a lei; em 'b' Jesus exorta para que se cumprisse o pagamento do dízimo; e em 'c' a fala de Paula nos remete ao pagamento da oferta e não do dízimo.

    Peço sua ajuda para a correta interpretação destas passagens.


    Fonte: .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Elaine Aparecida,

      Antes de tudo, agradeço pelo interesse e pela confiança em nosso apostolado.

      Sobre suas perguntas, em primeiro lugar, a orientação mais importante que eu tenho para lhe transmitir é a seguinte: como cristãos católicos, não nos orientamos exclusivamente pelo texto literal da Bíblia. Este é um costume protestante que não tem nada a ver com a Igreja Católica, que sempre entendeu por Palavra de Deus, antes de tudo, o próprio Senhor Jesus Cristo (Jo 1,1-5), que se manifesta a nós também na Sagrada Tradição dos Apóstolos (2Ts 2,15 e 3,6) e na condução do Magistério da Igreja (que segundo a mesma Bíblia é a coluna e o sustentáculo da Verdade - 1Tm 3,15) e não apenas na Sagrada Escritura, isoladamente.

      Estes três pontos de apoio, juntos, formam o "tripé" da fé católica.

      Veja: a Bíblia cristã foi escrita pela Igreja, na pessoa dos Apóstolos;

      Foi zelosamente preservada pela Igreja, na época das terríveis perseguições, que tantos mártires fizeram;

      Foi traduzida pela Igreja;

      Foi canonizada pela Igreja, isto é, foi a Igreja que canonizou a Bíblia, definindo quais livros foram inspirados pelo Espírito Santo e deveriam ser considerados Escritura Sagrada, e quais eram apócrifos, ou seja, não inspirados.

      Portanto, só há uma única maneira de aprender corretamente com a Bíblia: estudando-a dentro do contexto da Igreja, que é sua mãe, e não sua filha. A Bíblia deve ser lida a partir da Igreja, e não a Igreja compreendida a partir da Bíblia, e a própria Bíblia o afirma, como veremos.

      Este princípio é realmente fundamental para todo católico. E a partir daí fica fácil compreender que , em Mt 23,23, que você citou, Jesus está falando aos fariseus, no contexto judaico da época, antes de existir a Igreja.

      No Novo Testamento, no qual vivemos, Jesus Cristo deu autoridade à Igreja, na pessoa de Pedro e dos demais Apóstolos, e, evidentemente, dos seus sucessores. Por isso é que Paulo é tão taxativo quando diz: "Com efeito, mudado o sacerdócio, é necessário que se mude também a Lei" (Hb 7, 12), e mais ainda quando confirma: "Com isso, está abolida a antiga legislação, por causa de sua ineficácia e inutilidade" (Hb 7,18).

      O santo Apóstolo da Igreja estava tão certo do que dizia que não teve receio de ser extremamente enfático e taxativo: a antiga Lei, com seus usos e costumes, era ineficaz e inútil!

      O propósito do dízimo era a manutenção do Templo com os seus sacerdotes. - Templo cujo véu se rasgou ao meio com o Sacrifício de Cristo, e que hoje não existe mais. - O próprio Senhor Jesus Cristo diz: "Eis que faço novas todas as coisas" (Ap 21,5).

      Por fim, lembre-se sempre disso: se você é membro do Corpo do Senhor, que é a Igreja, cuja Cabeça é o próprio Jesus, persevere na Comunhão da Eucaristia, no Sacramento da Confissão (Jo 20,22-23) e na oração, e NÃO no exame particular da Bíblia, que a própria Bíblia condena:

      "Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal.”
      (2 Pd 1,20)

      Um abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que Ele lhe dê a Luz

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Obrigada pela atenção Henrique.

      Sou católica e entendo bem o que você diz sobre a tradição e a interpretação da bíblia em harmonia com a Igreja.

      Citei somente os textos bíblicos porque tenho muitos amigos evangélicos e para eles as premissas válidas são apenas as existentes na Sagrada Escritura. Assim, considero importante saber como refutar seus argumentos também com textos bíblicos.

      Sua perspectiva do texto de Mt. 23,23 ser dirigido ao povo judaico, antes da existência da Igreja, ajudou-me na correta compreensão do versículo.

      Aproveito para parabenizá-los sobre a Revista Fiel Católico. Recebi os dois primeiros volumes recentemente e fiquei favoravelmente surpresa pela qualidade do material, tanto na questão do conteúdo, quanto no papel da revista. Estudar a Igreja Católica é viciante!!!

      Também estou lendo o livro indicado no seu site "O Banquete do Cordeiro - Scott Hahn" - ótima leitura. O autor é muito didático.
      Recomendo também o livro que ele escreveu em coautoria com sua esposa sobre seu processo de conversão: "Todos os caminhos levam a Roma". É ótimo para nós católicos valorizarmos a riqueza de nossa Igreja.

      Não conheço pessoas a quem posso dirigir minhas dúvidas sobre a doutrina da Igreja, por isso a enviei ao site.

      Reforço o agradecimento e rezo para a fortificação do seu trabalho.

      Excluir
    3. Nós é que agradecemos e, por favor, continue enviando suas dúvidas!

      A Graça e a Paz de Nosso Senhor sejam sobre a sua vida

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  3. No ultimo final de semana ocorreu a Assembléia Paroquial em minha paróquia e o tema abordado foi o dízimo. Entre as solicitações de abordagens para que se aumente os dizimistas foram, formações, viabilização de resultados, testemunhos e estruturação dos serviços realizados; dentre eles a mudança de carnês para envelopes e recadastramento dos colaboradores. Foi proposto até débito online que causou muita desconforto em muitos, inclusive em mim.
    Henrique você ou alguém conhece algum material bom que ajude a melhorar a sistemática de arrecadação, que seja eficiente, para que possamos propor na minha paróquia. Infelizmente, hoje, apenas 30% dos que participam ativamente na comunidade contribuem. Precisamos encontrar alguma dinâmica para isso.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado José Antônio, conheço um pesquisador e palestrante que é especialista em dízimo, por assim dizer. Há algum tempo que não tenho contato com ele, mas vou tentar encontrá-lo, e assim que conseguir eu o aviso. Acredito que ele deva ter boas ideias, pelos anos que estuda o assunto.

      Abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Olá!
      Obrigado pelo retorno. Aguardo as informações que conseguir.
      Abraço fraterno.

      Excluir
    3. Queridos, aproveito para participar da conversa. Sou missionário leigo e há 24 anos atuo na Igreja como animador da pastoral do dízimo. Sou membro do MEAC (Missionários para Evangelização e Animação de Comunidades). Fico à disposição. Contatos pelo fone 42 9947 7212 ou email odilmarfranco@gmail.com. Abraço

      Excluir
    4. Ola, sou missionário leigo e há 24 anos atuo na Igreja com a implantação e animação da pastoral do dízimo. Fico à disposição para ajudar. Contato: 42 9947 72312 - odilmarfranco@gmail.com

      Excluir
  4. Henrique Sebastião, obrigado por suas palavras e parabéns pelo otimo trabalho. Confesso que andei perdendo o sono por causa desse assunto, e aqui encontrei apoio. Que Deus lhe abençoe nessa caminhada!

    ResponderExcluir
  5. No comentário inicial, foi abordado o texto de 2 co 9v7, todo o comentário não teve nenhuma base contextualizada, neste texto trata-se de ofertas e não de dízimos.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia! O dízimo deve ser entregue em minha paróquia ou posso entrega-lo a uma capela que não tem tantos recursos, porém localizada em outra cidade? Lá eles são muito simples e os fiéis de lá não são tão fiéis assim em relação ao dízimo e as vezes falta dinheiro até pra pagar despesas básicas como energia elétrica.
    Paz e bem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho essa dúvida também, você encontrou a resposta?

      Excluir
    2. tbm tenho essa duvida.

      Excluir
  7. Boa noite,
    gostaria de saber se uma pessoa que se encontra doente é isenta de pagar o dizimo.
    grata

    ResponderExcluir
  8. Gostaria de saber se a porcentagem do dízimo deve ser calculada sobre o valor que recebemos, já com descontos (como, por exemplo, convênio médico, empréstimo, INSS), ou sobre o valor total. .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O dízimo é sobre os seus ganhos, anônimo, então não tem sentido descontar primeiro os gastos e tirar o dízimo do que sobrar. Mas a decisão sobre quanto dar é sua, não há uma regra assim tão rígida. Sugiro que releia o texto com atenção.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Olá! Minha mãe sempre devolveu o dízimo e eu nunca entendi o verdadeiro significado do porquê?. Hoje, casada e com filho, passei recentemente por dificuldades no casamento, e por isso, eu e meu marido nos refugiamos na igreja com o padre. A partir daí, passamos a frequentar essa igreja que fica em um bairro distante do nosso e além disso sentimos a necessidade de devolver o Dízimo. Hoje estamos bem com a graça de Deus e Santa Rosa e feliz em conhecer a história do dízimo e de iniciar o devolvimento do mesmo.

      DEUS SEJA LOUVADO

      Excluir
  9. Gostaria de saber, sou costureira compro malha e costuro e vendo, o meu dízimo é do valor do meu lucro, ou do valor total da peça ou seja inclui o tecido.grata

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pelo post! O Dízimo é a contribuição que devemos doar para que novas oportunidades surjam, tanto na vida de outros, como nas nossas próprias. Caso necessite de material de apoio para esta grande tarefa, visite o site: www.solarisag.com.br
    Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Gostaria de tirar uma dúvida. Sou dizimista, mas não aceito ser reconhecido ou colocar meu nome no envelope. Sei que isso é um controle e registro que a igreja faz pra evitar quaisquer desvio e garantir que o dizimo seja regular e correto. Mas não quero que a igreja tenha meu nome como dizimista, até porque não concordo com a questão de sorteios de prêmios (objetos, utensílios etc) que a igreja faz como um motivo pra que outros deem o dizimo. Quero somente dar o dizimo sem que outros saibam e anunciem meu nome como um (Deus sabe quem é verdadeiro dizimista não precisaria de outro pra sabem quem é). Sei que é um assunto complicado, mas não estou disposto a dar o dizimo colocando meu nome (e não vou colocar) quero somente dar o dizimo sem a igreja saber quem foi, mas sendo possível somente saber que é o dizimo que estou dando. Quero ser fiel ao dizimo em que somente Deus saiba que sou. Gostaria de saber as opiniões de vocês. Obrigado.

    ResponderExcluir
  12. Tenho um dúvida, se o propósito do dízimo e apenas para a manutenção do templo. Porque a Bíblia nos relata um Sena em marcos, de ricos e uma viúva colocando dinheiro, se é somente para a manutenção do templo com já disse, porque o senhor Jesus faz questão de dizer que aquela mulher colocou mais que os ricos, se ela colocou apenas uma moedinha (uma tracma)?
    Lucas 21:1-4

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de saber, se ao invés de dar o dízimo para a igreja católica, se eu poderia entregar a uma pessoa que muito necessitasse?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aí não seria dízimo, anônimo, porque você não estaria dando à Igreja. De qualquer forma, uma coisa não impede a outra. Leia o post novamente e você entenderá. A paz de NSJC!

      Excluir
  14. Gostei muito do esclarecimentos sou evangélico e da assembléia de Deus
    Sempre usam a famosa passagem de Malaquias a qual ele repreende o povo por falta de fidelidade
    No post q ai publicaram eu gostei muito Henrique obrigado por esclarecer vcs não são q nem os outros (evangélicos) q nos seus sites cristãos enfatizam tanto a questão do dizimo como uma ordenaca de Cristo ou uma obrigação do cristão para q seja abençoado.
    Henrique no seu esclarecimentos deixou bem claro que e uma decisão mas do membros em se torna dizimista ou não e nem por isso Deus deixara de amar mas quem da e quem não da como você disse acima de tudo prevalece o amor
    Q sejamos dizimistas espontâneos sem pressão ou culpa de ta roubando a Deus.
    Um abraço Henrique e q Deus te abençoe.

    ResponderExcluir
  15. Gostaria de saber se não existe na igreja católica uma orientação oficial sobre o dizimo,como existe por exemplo sobre o uso de contraceptivos.

    ResponderExcluir
  16. boa noite a todos que estão em contato com este assunto tão importante para o catolicismo, todos os cristãos católicos o não, deve devolver o dízimo, do primeiro ao ultimo livro da bíblia falasse do dízimo, eu gosto muito de Malaquias, quando Deus diz: dê o dízimo completo e veres se não derramo bênças muito além do necessário fazei a experiência comigo.

    ResponderExcluir
  17. É pecado grave não dar o dízimo? Isso impede de comungar? Porque no mandamento da igreja não está explícito que tem que ser dízimo. No meu caso, sempre contribuo durante o ofertório na missa, e gosto de contribuir, mas nunca me preocupei com o dízimo...

    ResponderExcluir
  18. Ola!Gostaria de saber se posso dividir o dízimo para duas paróquias? a que faço parte e outra ou se ele precisa dar inteiramente para a paróquia que faço parte?

    ResponderExcluir
  19. Posso pedir recibo da doação do dízimo para fins de I.R.?

    ResponderExcluir
  20. As igrejas são instituições sem fins lucrativos e isentas de pagamento de tributos governamentais,por isso não se pode pedir restituição no Imposto de renda.

    ResponderExcluir
  21. As igrejas são instituições sem fins lucrativos e isentas de pagamento de tributos governamentais,por isso não se pode pedir restituição no Imposto de renda.

    ResponderExcluir
  22. Preciso urgentemente de respostas quanto dízimo:
    Posso devolvê-lo em qualquer Igreja, como foi dito anteriormente não gostaria de identificação. Participo de outra comunidade, longe de minha casa, poderia deixar o dízimo Lá?
    Entrei numa situação de dívida e estou sendo amparada por familiares, ou seja, até para o supermercado meu dinheiro não dá. Os empréstimos
    tomaram conta do meu contra-cheque. Assim, fico na dúvida, se estou sendo sustentada, mesmo assim posso retirar do que estou recebendo para o dízimo? Seria correto? Ou devo separar o dízimo quando não depender da ajuda dos parentes. Por favor me respondam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima anônima, por favor fique tranquila. Se você está sem rendimentos próprios neste momento e precisando do auxílio da sua família para honrar as suas dívidas e necessidades básicas, não tem obrigação nenhuma de pagar dízimo e nem de fazer ofertas. O dízimo, evidentemente, deve ser tirado daquilo que você mesma ganha, do produto do seu trabalho, e não das doações esteja recebendo. De fato, isto seria uma doação de outra doação, de um valor que não é seu, um auxílio que alguém deu a você, para ajudá-la em suas necessidades, e não à Igreja.

      Respondendo à outra pergunta, o dízimo, apesar de regular e percentual, é uma doação espontânea e não uma obrigação. Por isso, você pode doar a quem quiser, onde quiser e como quiser; isto é, a quem considerar que realmente precisa ou que fará o melhor usa da sua colaboração. Eu particularmente, nos últimos anos não tenho doado para certas campanhas de conferências episcopais, porque não concordo com a finalidade dada a essas doações, então prefiro doar àquelas causas em que realmente acredito.

      A Didaqué ou Instrução dos Apóstolos, que é o mais antigo livro de doutrina cristã da História (escrito no tempo dos Apóstolos), diz o seguinte:

      "Mas é verdade que a este propósito também foi dito: 'Que tua esmola sue em tuas mãos, até souberes a quem dar' [Cf Eclo 12,1]." (Didaqué 1,6)

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  23. Prezado,
    Agradeço muito pela resposta. Me deu paz.! Que o Senhor o abençoe! Obrigada!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail