Católica e protestante: por que existem Bíblias diferentes?

O ESTUDO QUE ORA apresentamos vem sendo solicitado desde o início deste nosso trabalho: traz respostas para perguntas que, de tempos em tempos, sempre nos fazem, e que já foram dadas em outras páginas católicas competentes, mas que faltavam aqui. Procuramos condensar e aprofundar estas respostas. Que sejam úteis a todos aqueles que, de boa vontade, procuram a Verdade.




Qual a diferença entre a Bíblia católica e a protestante?

A diferença entre a Bíblia católica e a protestante está no Antigo Testamento (AT). O Novo Testamento (NT), que constitui o eixo e o cumprimento de toda a fé cristã, é exatamente igual, tanto para católicos quanto para protestantes, contendo os mesmos 27 livros, que vão do Evangelho de Mateus até o Livro do Apocalipse. – A diferença, então, está no cânon dos livros do AT. Em outras palavras, a diferença está na lista dos livros que compõem o AT: para os católicos, são 46 livros; na Bíblia protestante, são 39, sendo que faltam os livros de Tobias, Judite, Sabedoria, Eclesiástico, Baruc, Carta de Jeremias e os livros dos Macabeus, além de partes de Daniel e Ester. Estes livros são os chamados "deuterocanônicos", e veremos o que isso significa mais adiante. Veja a lista completa dos livros da Bíblia católica neste link.

A diferença vem de longe e tem uma longa história. Como foi acontecer, quando e por quê? É o que veremos a seguir.


Qual a origem da diferença? O começo da história...

O povo católico, ao longo do tempo, sempre observou a orientação do Magistério da Igreja, isto é, a orientação dos Apóstolos escolhidos diretamente por Jesus e seus sucessores, que dão testemunho de que o Evangelho transmitido e a fé confessada são os mesmos ensinados pelo Cristo. Somente no século XVI é que surgiu o grupo denominado protestante, que renegou a autoridade do Magistério da Igreja. Esse grupo acreditava, entre outras coisas, que a Igreja Católica havia se corrompido e que eles deveriam retomar os costumes da "igreja primitiva"; – evidentemente, conforme eles imaginavam que seriam esses costumes.

Nesse processo, os protestantes acabaram descobrindo que os judeus tinham uma lista diferente de livros sagrados. Depois de Lutero, o pai do protestantismo, sobreveio um período de intensas disputas, de uma rivalidade que crescia, e tudo servia como pretexto para aprofundar ainda mais o abismo da separação entre os que confessavam a fé em Jesus Cristo. Era uma questão de tempo até que os protestantes deduzissem que a "terrível" Igreja Católica tinha acrescentado livros à Bíblia.

Muitos pensam que foi Lutero quem retirou os sete livros da Bíblia cristã, o que é um engano bem primário. Na realidade, a mudança foi um processo lento, e foi somente no século XIX que os protestantes decidiram abolir de vez os sete livros chamados deuterocanônicos de sua lista.

O AT foi escrito originalmente em hebraico e aramaico: seus livros compõem a Bíblia judaica, chamada Mikrá ou, mais popularmente, Tanakh. Esta é constituída dos livros da Lei (Torá ou Chumash, os cinco primeiro livros da Bíblia cristã, o Pentateuco), os livros dos Profetas (Neviim) e os livros chamados Escritos (Ketuvim). Interessante notar que o processo de canonização desses livros, pelos judeus, também foi muito lento. Primeiro foram canonizados os livros da Torá, depois os dos Profetas e, somente muito tempo depois os dos Escritos. Para que se tenha uma ideia, na época de Jesus o cânon (a lista 'oficial') da Bíblia judaica ainda não estava fechado: os judeus contemporâneos de Jesus ainda debatiam sobre quais seriam os verdadeiros livros sagrados(!). Os saduceus, por exemplo, só aceitavam os livros da Torá; os fariseus aceitavam também os Profetas e os Escritos, mas não totalmente, entendendo que a inspiração dos Escritos ainda não estava concluída.

Nosso Senhor Jesus Cristo deu a ordem que todo cristão conhece bem: os Apóstolos deveriam ir pelo mundo a evangelizar todos os povos. Ocorre que a língua mais falada no mundo daquela época era o grego. Logo, os Apóstolos começaram a pregar o Evangelho em grego, e passaram a utilizar a tradução das Escrituras denominada Septuaginta ou Tradução dos Setenta, que havia sido elaborada em Alexandria antes do tempo de Cristo (no séc. III aC).

A Septuaginta contém os sete livros que permanecem até hoje na Bíblia Sagrada católica, e todo biblista competente (inclusive muitos conhecidos doutores protestantes) é capaz de perceber que, em diversas citações que o NT faz do AT, a tradução utilizada é a da Septuaginta. Esse era, portanto, o conjunto dos livros sagrados utilizado pelos Apóstolos. A Igreja Católica, como única Igreja que procede diretamente de Jesus Cristo e dos Apóstolos, adotou essa mesma versão da Bíblia, e não haveria como ser diferente.

Ocorre que nos primeiros tempos da Igreja, quando os judeus perceberam que os Apóstolos pregavam o Evangelho, expulsaram-nos das sinagogas. Esse fato contribuiu para que os judeus fechassem de uma vez o cânon dos seus livros sagrados, rejeitando tudo o que era cristão. Assim, no final do século I, decidiram pela exclusão definitiva dos sete livros que constavam da Septuaginta.

Resumindo a história, portanto, vemos que o AT da Bíblia católica, com a lista completa, da Septuaginta, foi adotado e canonizado pelos Apóstolos de Cristo e seus sucessores, desde o início da Igreja; o AT da Bíblia protestante foi canonizado pelos rabinos judeus, cerca de um século depois de Cristo.

Antes e além de qualquer debate, a mais simples realidade dos fatos é esta: os protestantes, ao aceitarem o cânon da Bíblia judaica, estão aceitando a autoridade dos rabinos judeus depois de Cristo, e negando a autoridade dos Apóstolos, a quem o próprio Cristo deu autoridade sobre a Igreja.

Lembramos, por fim, que os 27 livros do NT, que os protestantes aceitam e adotam normalmente, foram definidos e canonizados pela mesma Igreja Católica que definiu e canonizou os livros do AT. Aceitam, portanto, a autoridade da Igreja para definir os livros do NT, mas não a aceitam quanto à definição dos 46 livros do AT.



Informações muito importantes

Até o terceiro século de nossa era, o cânon do NT não estava ainda definido. Haviam muitas listas de livros, entre canônicos e apócrifos (não autênticos/não inspirados). E havia muita discussão sobre quais livros deveriam integrar as Sagradas Escrituras. Assim, vemos facilmente que não há fundamento algum na  "espinha dorsal" da doutrina protestante da sola Scriptura, que afirma que "a Bíblia é a única regra de fé e prática do cristão", simplesmente porque a Igreja, nos seus primeiros quatrocentos anos (no mínimo), simplesmente não tinha a Bíblia que nós temos hoje para observar, sendo sua principal regra de fé e prática a condução do Magistério da Igreja e a observância da Tradição dos Apóstolos.

Dentro dessa realidade histórica, devemos compreender bem: a Bíblia é a Tradição dos Apóstolos por escrito, e é nesse sentido que se constitui num dos fundamentos da fé cristã, ao mesmo tempo em que depende da Igreja para ser corretamente compreendida. Como diz sempre meu colega e irmão em Cristo Lucas Henrique (Firmat Fides): "Ler as Escrituras sim, em sintonia com o pensamento do sujeito que a confeccionou: a Igreja Católica", inspirada pelo Espírito Santo.

O primeiro documento da Igreja que fez referência ao cânon da Bíblia Católica atual (46 livros do AT e 27 livros do NT) foi o do Concílio de Hipona, da época de Santo Agostinho (354-430). O Decretum Damasi, publicado no ano 382, diz: "Agora tratemos das Escrituras divinas, do que a Igreja Católica universal deve acolher e o que deve evitar". E o Catecismo da Igreja Católica (§120) atesta:

Foi a Tradição apostólica que fez a Igreja discernir quais escritos deveriam ser enumerados na lista dos Livros Sagrados. Esta lista completa é denominada 'cânon' das Escrituras". Como disse Santo Agostinho: "Ego vero Evangelio nos crederem, nisi me catholicae Ecclesiae commoveret auctoritas" – "Eu não creria no Evangelho, se a isto não me levasse a autoridade da Igreja Católica."


Por que "Deuterocanônicos"?

Em cerca de 300 ou 400 anos antes do nascimento de Jesus, muita gente imigrou da Palestina para o Egito. A primeira geração desses imigrantes falava o hebraico e o aramaico, que são línguas semelhantes. Seus filhos, porém, começaram a falar o idioma usado na terra em que viviam, e os seus netos já não entendiam mais a língua dos seus antepassados. – Algo muito parecido como o que vemos acontecer hoje com os netos de imigrantes italianos, por exemplo, que chegaram à cidade de São Paulo em inícios do séc. 20, que hoje já não falam mais a língua de seus avós.

Então sentiram a necessidade de uma tradução das Escrituras. Essa tradução foi feita aos poucos, e foi muito demorada: começou em torno do ano 250 antes de Cristo e levou quase 100 anos até ficar pronta. Foi assim que se formaram duas versões da Bíblia: uma em língua hebraica, para os judeus da Palestina, e outra em língua grega, para os judeus que viviam no Egito. Durante esse tempo, os judeus do Egito escreveram mais alguns livros em grego, e por isso a Bíblia deles ficou maior. – Num certo momento, os judeus da Palestina confrontaram as duas Bíblias e fizeram uma lista dos livros que para eles eram sagrados. Deixaram fora da lista os livros que os judeus do Egito haviam escrito, em grego. Os do Egito souberam disso, mas continuaram usando sua lista maior.

Também os cristãos adotaram a Bíblia (AT) que segue a lista dos judeus do Egito, que se espalhou por todo o mundo desde aquele tempo, pois a língua mais falada era o grego. – Por volta do ano 400 dC, o Papa Dâmaso pediu a S. Jerônimo que traduzisse a Bíblia para o latim, pois naquele tempo era a língua mais usada, e era preciso uma nova tradução que todos pudessem entender. S. Jerônimo concordou, mas não conhecia hebraico. Procurou um velho rabino judeu de Belém para ter aulas, e os dois acabaram se tornando muito amigos. Trocaram ideias sobre a Bíblia, e Jerônimo parece ter sido influenciado pelo rabino quanto às ideias dos judeus ortodoxos.

Jerônimo então denominou os 7 livros que não constavam da Bíblia hebraica como “deuterocanônicos”: deutero significa segundo; cânon significa lista. Até hoje a Igreja define com esse termo esses livros, porque foram escritos numa segunda fase da história sagrada do AT.

Durante o Concílio Ecumênico de Florença, no ano de 1439, os bispos se pronunciaram oficialmente e atestaram por documento oficial que a Igreja Católica reconhece como Escritura Sagrada todos os livros da lista usada pelos Apóstolos e adotados pela Igreja primitiva: a versão completa que temos hoje, com 46 livros do AT e 27 do NT.

________
Fontes e referência:

• Pe. Paulo Ricardo de Azevedo Jr., em
http://padrepauloricardo.org/episodios/qual-e-a-diferenca-entre-a-biblia-catolica-e-a-biblia-protestante
Acesso 12/8/013 (Contém trechos do artigo do site).
• Pe. Lucas de Paul Almeida, CM (Diocese de Bauru), em
Acesso 12/5/013.
• LIMA, Alessandro Ricardo. O Cânon Bíblico, 
Brasília: DeGarcia, 2007.
ofielcatolico.com.br

37 comentários:

  1. Recomendo o livro "Manual de defesa dos livros deuterocanônicos" de Rafael Rodrigues - disponível no site: Clube dos autores. Traz um estudo para leigos onde são apresentados argumentos para combater a não aceitação dos denominados "apócrifos" da nossa bíblia católica.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do post e concordo plenamente com a mensagem, quando diz que a bíblia católica esta sendo igual a bíblia usada pelos apóstolos.

    ResponderExcluir
  3. E ainda tirando esta diferença temos as diferenças nas traduções, como por exemplo em João 5, 39-40:

    Bíblia da Ave Maria Editora Ave Maria 93 Edição:

    João 5,39: Vós perscrutais as Escrituras, julgando encontrar nelas a vida eterna. Pois Bem! São elas mesmo que dão testemunho de mim.40. E vós não quereis vir a mim para que tenhais vida...

    Bíblia Almeida Revista e Corrigida Editora Sociedade Bíblica do Brasil 1995. (Bíblia da minha esposa)

    João 5,39: Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam. 40 E não quereis vir a mim para terdes vida.

    Vejo que a tradução "evangélica' tende a afirmar que a Bíblia é onde está a única fonte de vida eterna e na nossa tradução católica o que lemos é que a Bíblia não é a única fonte de chegar ao Pai e entendo que é uma fonte importante mas não a única. Graça e Paz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, ambos os textos falam exatamente a MESMA coisa, e é questão de você observar o contexto também.

      Ele, Jesus está falando com os líderes judeus, e dizendo que eles estudam as Escrituras, e que elas testificam sobre Ele, e mesmo assim eles não buscam a Ele.

      Excluir
    2. exatamente, eu li e reli,e entendi o mesmo conceito nas duas versões!!! lembrando que não existe tradução perfeita sempre será um aproximado, do que significava na língua original.

      Excluir
  4. O que você me diz do Prologus Galeatus de São Jerônimo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Prologus Galeatus é dogma da Igreja? Não. Representa a doutrina da Igreja? Não. Representa apenas um conjunto de opiniões de Jerônimo, que, – importante dizer, – em tudo submetia-se à autoridade da Igreja, autora da Bíblia Sagrada sob a inspiração do Espírito Santo. Logo, não há nada a se dizer sobre isto, a não ser o que o post já diz: S. Jerônimo, influenciado por uma determinada linha de pensamento rabínico, mencionou a procedência própria dos textos que denominou "deuterocanônicos". Nada mais.

      Agora, aproveitando a oportunidade: o que você me diz do fato de que os Apóstolos e a Igreja primitiva usavam a versão dos Setenta, a Septuaginta, isto é, a mesma versão da Bíblia que a Igreja Católica observa até hoje? O que você me diz do fato de os protestantes adotarem uma canonização rabínica e não a dos Apóstolos do Senhor e da Igreja primitiva?

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  5. Como os católicos interpretam o primeiro dos 10 mandamentos? Êxodo 20:3-5
    1. Não terás outros deuses diante de mim.
    2. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
    3. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nós católicos interpretamos que não devemos adorar outros deuses além de NSJC, fazer imagens deles ou adorá-los, porque isso é idolatria e o Senhor pune os idólatras. Ou seja, exatamente o que está escrito na passagem... A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Graças a Deus, como católicos, não temos imagem alguma de "deuses" estranhos, e também não "servimos" à imagem de espécie alguma.

      É preciso uma mente muito, mas muito estreita, para confundir uma imagem de Nosso Senhor, ou da Mãe do Senhor, ou de um anjo ou servo de Deus, com um ídolo, que é a imagem de um deus pagão...

      Uma última observação: a Igreja, como própria autora da Bíblia cristã, não "interpreta" a Bíblia, como fazem as seitas ditas "evangélicas". A Igreja de Cristo, como coluna e sustentáculo da Verdade que é, esclarece os seus reais significados.

      Infelizmente, por causa de anônimos fanáticos e desprovidos de qualquer boa vontade para aprender, não podemos manter livre por muito tempo este canal de comentários.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    3. Como interpretamos Ex. 20, 1-3?.

      Bem, como o Henrique explicou, não interpretamos nada é a Igreja quem dá o real entendimento das Sagradas Escrituras, porém, se a pergunta que você faz é: porque a Igreja Católica faz imagens e as adora, já que Ex. 20, 1-3 as proíbe?. A Resposta esta na própria passagem, pois se você e todos que tiverem boa vontade lerão o ver. 2, atrelado ao vers. 1 e 3 e terão a resposta de que imagens aí é que estão proibidas. ou seja, o que esta proibidos aí são imagens de falsos deuses, de ídolos. Se todo e qualquer imagens tivesse sido proibida, então como se explica que DEUS ordenou a confecções de algumas imagens para a arca da aliança e mais tarde no templo de Salomão?. Como se explica que os primeiros cristãos faziam imagens, através de pinturas e esculturas nas catacumbas de Roma, o qual se abrigava justamente porque eram perseguidos por não adorarem os deuses pagãos e assim virem a cair em idolatria?. Muitos podem objetar que estas imagens que estavam no templo de Salomão, quanto aqueles que os cristãos faziam nas catacumbas, eram para ornamentar e instruir e não para serem adoradas como fazem os católicos nos dias de hoje. Ótimo, vamos por parte, se algum protestante chega a conclusão de que as imagens são permitidas para ornamentar e instruir, então cai por terra que a proibição de Ex. 20, 1-3 seja absolutas, mas que ela é relativa a imagens dos falsos deuses de ídolos, pelo menos chegaram a esta conclusão, mas fica ainda a questão de que os católicos não fazem imagens apenas para ornamentar e instruir mas para adorar as imagens. Para esta indagação respondemos que diante de qualquer imagem que seja, para que finalidade seja, seja para ornamentar ou instruir ou ambas as finalidades, sempre demonstraremos amor e respeito, não para imagem em si, mas para quem a imagem representa, por exemplo, digamos que em um livro protestante, esteja na capa ou entre as paginas do livro, figuras que demonstram ser JESUS CRISTO, Maria, algum Santo Anjo ou algum Santo Apóstolo e outro Santo Personagem das Sagradas Escrituras, se alguém vem e rasura estas figuras, ou as rasgam, o detentor deste livro ficará meio chateado não porque fora somente rasurado as figuras daqueles personagens, mas também sentirá um sentimento de que fora desrespeitados as pessoas cuja figuras representavam, e isto é normal, pois as imagens, mesmo que não seja fiel ao original, porém, somente por representar tais pessoas, qualquer forma de afronta que se fará as imagens, estará se fazendo a aquele cuja imagem representa. Quer maior ofensa do que rasgar em público a figura de uma pessoa conhecida, uma foto, um cartas ou banner que traga a foto de alguém?, ou enaltecer uma pessoa elevando e levando em público em forma de homenagem a foto, um cartas ou banner de uma pessoa pública e notória conhecida?. Os hebreus e os primeiros cristãos deveriam ter o mesmo sentimento de respeito e reverência diante de tais imagens, mesmo que estas imagens fossem para ornamentar ou para instrução, pois mesmo com este objetivos, o respeito e a reverência pelas pessoas aí representadas sempre existirá, mesmo para aqueles que juram quem qualquer ato que se preste diante de uma imagem, seja quer seja estas imagens, quer seja uma estatua, pintura ou até fotografia, já seja idolatria, mas vai rasgar, queimar ou rasurar uma fotografia, cartas ou banner que apresenta JESUS CRISTO, ou até mesmo algum pastor de renome, para ver se não haverão evangélicos que irão protestar .

      Sidnei.

      Excluir
    4. Em momento algum quis desrespeitar ninguém, como fez o Henrique Sebastião. Apenas fica a questão da contradição que existe no que foi dito por vcs. A palavra diz para não fazer imagem e escultura para nada, nem de Jesus Cristo, nem de anjos ou qualquer outra pessoa ou animal. Como tens certeza de que Jesus ou os anjos são como as imagens? Não podemos fazer imagens para lembrar de quem não conhecemos a fisionomia. E Jesus está vivo, ele ressuscitou, não vive na cruz. Quanto a idolatria, existe sim. Ao se ajoelhar e orar para alguém que não o Criador e Senhor de nossas vidas, Deus, estarás adorando a outros deuses. Enfim, a opinião cada um tem a sua e isso não é proibido. Cada um segue a religião que bem entender. Religião não salva ninguém. Nossa salvação está em Deus que criou o céu e a terra e tudo que existe. Se os católicos acreditam que estão certos na sua crença, ótimo. Se os evangélicos acreditam na crença deles, ótimo. Deus é amor e não a guerra. A paz do Senhor.

      Excluir
    5. Prezado anônimo,

      Dizer o que pensamos é "desrespeito"? Defender a nossa opinião é "desrespeito"? Falar a verdade é "desrespeito"?

      O Sr. fez uma pergunta, obteve respostas. Particularmente, sempre cuido para que minhas respostas sejam dadas de acordo com a ortodoxia da doutrina católica. Onde o Sr. viu ofensa? Falei de fanáticos, mas não disse que estava me referindo ao Sr. Ocorre que quase todos os dias surgem comentários ofensivos neste site de gente raivosa criticando a Igreja por conta das imagens, com muitas ofensas e por vezes até palavrões.

      O Sr. não acha que entrar numa página da internet para trocar mensagens num grupo, sem se identificar, é mais desrespeitoso?

      Ocorre que o mundo de hoje tem costumes muito estranhos. Não estou necessariamente falando do Sr., mas vejo que os homens cada vez menos se parecem com homens: agora são delicados como libélulas. Se falamos de modo um pouco mais direto, com um mínimo de rigidez, já se melindram.

      Quando lemos os Evangelhos, e vemos a maneira como Nosso Senhor evangelizava, falando a verdade de modo claro, chamando as coisas pelos seus devidos nomes, fico imaginando qual seria a reação das pessoas de hoje às suas palavras e posturas. Penso que teriam desejado crucificá-lo logo depois de seus primeiros discursos.

      E não só Nosso Senhor, como também São João Batista e todos os Apóstolos, – e depois deles, também os chamados Pais da Igreja, e todos os grandes santos, inclusive São Francisco, cuja memória e imagem é hoje tão violentada, – diziam as coisas às claras, sem meios termos, sem melindres ou (perdoe-me a expressão) "frescuras".

      [Continua...]

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    6. [...Conclusão do comentário anterior]

      Esclarecido este ponto, e estabelecido que podemos conversar abertamente por aqui, – desde que não se parta para a agressão pessoal, – entro na sua questão: mostre-me, por favor, aonde a Bíblia "diz para não fazer imagem e escultura para nada, nem de Jesus Cristo, nem de anjos ou qualquer outra pessoa ou animal", como você disse.

      Você não vai encontrar essa passagem, porque isso simplesmente não existe, posso lhe garantir. Você está defendendo uma doutrina pura e meramente humana, inventada por falsos pastores e falsos profetas, como se fosse "bíblica".

      Se Jesus não era como está representado nas imagens, isso não importa absolutamente nada. As imagens são símbolos, têm apenas função litúrgica e devocional. Nos primórdios do cristianismo, quando a maioria da população não sabia ler (e mesmo que soubessem não adiantaria de nada, porque as cópias dos livros da Bíblia eram raras e caríssimas), as imagens representavam passagens bíblicas e auxiliavam sumamente a fé do povo. As imagens sacras, portanto, têm papel fundamental na história da evangelização no mundo. Existem imagens antiquíssimas, em muitos séculos anteriores a Lutero, que atestam que a Igreja sempre usou delas no culto a Deus.

      O problema é que vocês, "evangélicos", confundem muito o mau testemunho de pessoas supersticiosas, que fazem uso totalmente indevido e não autorizado de certas imagens católicas, com a verdadeira doutrina católica sobre as imagens.

      Você tem razão quando diz que Jesus reina em Glória nos Céus, mas parece se esquecer que Ele nos resgatou e salvou para a vida eterna por meio da sagrada cruz. Para jamais nos esquecermos de tão grande Sacrifício é que usamos o crucifixo, que pela sua morte o Senhor mudou, de símbolo de vergonha e morte para o maior símbolo da Graça e da nossa salvação.

      Quem renega a Cruz do Senhor renega a Palavra de Deus escrita, que diz:

      "Longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo." (Gl 6,14)

      O próprio Cristo ordenou a cada um de nós:

      "E quem não toma a sua cruz, e não segue após Mim, não é digno de Mim." (Mt 10,38)

      Por isso é que a cruz foi sempre, desde os primeiros inícios da Igreja, o maior dos símbolos cristãos. Nos lugares de escavações arqueológicas, um dos principais modos de se definir onde ocorriam as reuniões dos primeiros cristãos, que se ocultavam, perseguidos pelo Império Romano, são as cruzes entalhadas em rochas e paredes.

      Por fim, gostaria de instá-lo a que se comporte como verdadeiro cristão e deixe de repetir essa horrenda heresia que diz que "religião não salva ninguém". O Sr. parece não compreender o significado da palavra "religião", porque se o compreendesse, tenho certeza de que não diria isso.

      Ora, religião quer dizer "religação" com Deus. Logo, praticar aquilo que Jesus ensinou é a verdadeira Religião. Seguir Jesus é praticar a Religião, cumprir os Mandamentos é praticar a Religião, aceitar Jesus como Senhor e Salvador (como vocês gostam de dizer) é adotar a Religião. Ser cristão, por fim, é aderir à verdadeira Religião, no sentido próprio.

      Portanto, dizer que a Religião não salva é heresia pura.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    7. Caríssimo anônimo, se você não é um completo analfabeto (o que eu tenho certeza) leia o comentário de Sidnei, que explica muito bem se todo o tipo de imagem é proibido ou não. Se você não gosta das imagens do templo de Salomão ou da serpente de bronze o problema é todo seu, não culpe NSJC por suas heresias. "A palavra", seja ela qual for, pode até dizer para não confeccionar nada, mas a Palavra de Deus, que é NSJC, através das Escrituras permitiu várias imagens sim.
      "E Jesus está vivo, não vive na cruz...". Agora é uma questão de ter honra e vergonha na cara: Quem de nós disse que ele está morto e na Cruz? Ninguém! Você deveria parar de inventar coisas e colocar palavras na boca dos outros. Caro Henrique, nem perca seu tempo explicando a importância da Sagrada Cruz para o anônimo. Só a mentira que ele inventou por pura ignorância já mostra que ele quer atrapalhar, não aprender sobre esse assunto.
      "Deus é amor e não a guerra". Primeiro que amor não é necessariamente o oposto de guerra, tanto que o próprio Deus já convocou várias. Segundo que ninguém está declarando guerra a ninguém por manifestar a sua opinião e defender a Verdade, como pede a Bíblia.
      Emgraçado que o anônimo nos acusa de contraditórios, mas ele mesmo é contraditório ao dizer que religião não salva e querer criticar o catolicismo.
      Já que religião não salva ninguém, senhor anônimo, e tanto faz a religião que cada um escolher, convido você e todos os protestantes relativistas a participarem do culto a Moloc, sacrificando as suas crianças, ou talvez até das seitas satânicas. Aí vocês, adorando ao diabo, vão ver se religião salva ou não e se Deus aceita todas as religiões. A paz de NSJC!

      Excluir
    8. Diante da resposta do Henrique a este anônimo gostaria de pincelar algumas coisas escritas por ele, e dar a minha devida opinião. Vejamos:

      “A palavra diz para não fazer imagem e escultura para nada, nem de Jesus Cristo, nem de anjos ou qualquer outra pessoa ou animal.”

      Como havia comentado anteriormente, se a proibição de Ex. 20, 1-3 é absoluta então não se poderia fazer qualquer imagem de espécie alguma, então porque DEUS ordenou em outras passagens bíblicas como em Ex. 25 e 1º Reis 6, para fazerem imagens de Querubins para ornamentar o templo e a arca da aliança?. Horas, se DEUS permitiu e até ordenou que se fizessem imagens para ornamentar o templo e a arca da aliança então a proibição de Ex. 20, 1-3 é relativa e não absoluta, e se é relativa é relativa a que?, a própria passagem de Ex. 20, 1-3 da a resposta, é relativa a imagens de falsos deuses, pois a própria passagem no vers. 1 já diz: “Não terás outros deuses diante de mim” e logo em seguida vem a proibição da confecções das imagens, mas estas imagens se referem aos deuses que não deverão existir diante do DEUS Único e Verdadeiro, portanto se todos lessem com muita atenção esta passagem saberiam de que imagens são aqui proibidas e não generalizar a tudo e a todos, sendo com isto, estará colocando a própria Bíblia em contradição, fora também o costume que vem desde os primeiros cristãos o qual desde as catacumbas de Roma já utilizavam as Sagradas Imagens para ornamentar e instruir, e nutriam um sentimento de respeito e reverência a estas imagens, não pelas imagens e si, mas por aqueles a quem elas representavam.

      Continuação

      Sidnei

      Excluir
    9. Continuando

      “. Ao se ajoelhar e orar para alguém que não o Criador e Senhor de nossas vidas, Deus, estarás adorando a outros deuses.”
      Não se a quem esta dirigindo a oração é para pedir a intercessão, pois dito feito, quando se pede a intercessão de alguém, é de supor que esta pessoa a quem dirigimos para pedir a intercessão dela, ela se dirigirá em nosso favor a alguém que é superior a ela, e é a este alguém superior a quem pedimos que nos intercede por nós é que adoramos, e não a via pela qual chegamos. Sendo assim, quando pedimos a intercessão de Maria, de algum Anjo ou Santo, eles pedirão por nós a DEUS em nome de JESUS, que é superior a eles. Nunca ouvi dizer que quem pedisse por alguém seria superior a aquele que viria pedir para atender tal favor, sendo assim, nenhum Anjo ou Santo e nem Maria é superior a DEUS PAI, FILHO E ESPIRITO SANTO. E a palavra oração em português tem muitos significados, entre eles esta de prece, de suplica, de pedido, horas, quantas vezes nos vemos nas Sagradas Escrituras pedidos de preces, de suplicas as pessoas Santas como os Santos Apóstolos, basta lermos os Evangelhos como os Atos dos Apóstolos para verificar que todas as vezes que se pediam para os Santos Apóstolos como o próprio São Paulo pedia muitas vezes que orasse por ele, pedindo assim que intercedesse por ele, estes pedidos tinha uma conotação de prece, de oração, lembrando das bodas de Caná, o qual se Maria foi pedir a JESUS CRISTO, para que realizasse o milagre de transformar água em vinho, muito provavelmente foi a pedido dos noivos a ela, que ela intercedesse junto a seu FILHO. Tudo isto pode se dizer que tais pedidos de intercessão foram feitas através de pedidos, preces, súplicas, orações, e portanto, se tudo isto indicasse que seria idolatria já que devemos pedir tudo diretamente a DEUS, então tais passagens são verdadeiros convites a idolatria.

      “Deus é amor e não a guerra”

      DEUS é amor aonde as pessoas se entendem e procuram conhecer o que os outros pensam e crê e não que venham com julgamentos pré concebidos como se aquilo que vem falando já é o que nós católico cremos. Se não conhece a doutrina católica por inteiro, antes de vir proferir algo que nós não cremos, que venha perguntar primeiro, e não venha com julgamentos de que somos idolatras porque estamos contrariando Ex. 20, 1-3, ao fazermos imagens dos Anjos, dos Santos de Maria e de JESUS NOSSO SENHOR, e o qual dirigimos aos Anjos, aos Santos e a Maria para que intercedam por nós a DEUS PAI em nome de JEUS.

      Sidnei

      Excluir
    10. Além disso, Sidnei, a mais alta forma de amor-caridade é a proclamação da Verdade, e não há amor-caridade sem a Verdade, como disse de modo brilhante o Papa Bento XVI:

      "Só na verdade é que a caridade [amor] refulge e pode ser autenticamente vivida. A verdade é luz que dá sentido e valor à caridade. Esta luz é simultaneamente a luz da razão e a da fé, através das quais a inteligência chega à verdade natural e sobrenatural da caridade: identifica o seu significado de doação, acolhimento e comunhão. Sem verdade, a caridade cai no sentimentalismo. O amor torna-se um invólucro vazio, que se pode encher arbitrariamente. É o risco fatal do amor numa cultura sem verdade; acaba prisioneiro das emoções e opiniões contingentes dos indivíduos, uma palavra abusada e adulterada chegando a significar o oposto do que é realmente. A verdade liberta a caridade dos estrangulamentos do emotivismo, que a despoja de conteúdos relacionais e sociais, e do fideísmo, que a priva de amplitude humana e universal. Na verdade, a caridade reflete a dimensão simultaneamente pessoal e pública da fé no Deus bíblico, que é conjuntamente 'Agápe' e 'Lógos': Caridade e Verdade, Amor e Palavra” (Bento XVI, Caritas in Veritate, n. 3).

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    11. Concluindo, sobre a questão de se ajoelhar (prostrar-se) diante de alguém ou de algum símbolo e o problema da "adoração", já falamos num post específico, que pode ser lido no endereço abaixo:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2001/09/prostrar-se-ou-ajoelhar-se-e-adorar.html

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  6. Não entendo como protestantes depois de lerem artigos como esse, continuam protestantes, é tudo muito claro e não nos deixa duvidas.Que nosso senhor Jesus Cristo possa iluminar o caminho deles para que encontrem a verdade !

    ResponderExcluir
  7. Honrar primeiro a Deus e a Nossa Senhora que foi serva e obedeceu os preceitos de Deus.
    Uma religião que confunde Nossa Senhora com idolos e falsas imagens nem merece discussão.

    Renata Aragão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu amo Jesus, eu amo Maria e todos os santos que Jesus nos deu como apóstolos. Antes de Constantino e Lutero, existiu JESUS, rei e juiz universal.

      Excluir
  8. aprendo mt com vc henrique

    ResponderExcluir
  9. há entretanto duas escolas judaicas, dois talmudes. O talmude da Babilonia e o Talmude da Palestina. Há tambem os judeus que nunca aceitaram o talmude e se limitaram à torah escrita...
    Aprendi algo interessante a respeito dos Canons do Antigo Testamento. E isto foi importante para que eu começasse meu projeto de ruptura com o protestantismo:
    Estudando teologia na Escola Superior de Teologia do Estado do Espírito Santo. Vi a entender que há dois canons judaicos. O que deu origem a Septuaginta, usado pelos judeus da diáspora e que foi muito importante para o primeiro século da cristandade... Este Canon, chamado de grego, era usado sem cerimonias pelos judeus independente se fossem palestinos ou gregos. Este tambem era usado pelos cristãos para em debates com os judaizantes e judeus, defenderem as teses que Jesus era o Messias prometido. Então os fariseus, judeus ortodoxos que ainda estavam na Palestina, convocaram um concilio, e neste concilio, com o intuito de combater a "heresia" dos cristãos, resolveram estabelecer um novo Canon, Isto aconteceu na cidade de Jomnia (já se faziam 30 anos que Jerusalem sucumbira ) foi neste tempo que retiraram estes deuterocanonicos da Bíblia. A ideia era enfraquecer os argumentos dos cristãos. Com o passar do tempo, protestantes adotaram exatamente o canon dos judeus, inimigos do cristianismo. afirmam que são livros apócrifos. Pior que aceitam a organização dos livros como foram organizados em Alexandria (LXX) mas excluem os deurterocanonicos como os judeus. Bom caro Henrique é o que sei a respeito. Espero que seus leitores possam contrabalancear o entendimento.

    ResponderExcluir
  10. NÃO FOSSE A IGREJA, QUE MANTEVE A TRADIÇÃO DOS ENSINAMENTOS DOS APÓSTOLOS, NINGUÉM SABERIA QUE JESUS CRISTO EXISTIU. E TEM GENTE QUE ACHA QUE IGREJA NÃO DEVERIA EXISTIR... E TAMBÉM, NÃO FOSSE A IGREJA CATOLICA, O MUNDO SERIA MUÇULMANO, OU ALGUÉM DUVIDA?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu acredito q tenha catolicos verdadeiros q so seguem a jesus e q tbm tenha evangelicos safados q c escondem atraz da biblia... mas a questao das imagens eu vejo muita idolatria por parte das pessoas pessoas chorando c rasgando para conseguir tocar em uma dessas imagens como c elas focem DIVINAS Jesus disse todos sao pecadores até aquele q diz n pecar ja ta pecando o maior erro q eu vejo referente as imagens é que chamam elas de SANTOS sendo q o unico q foi santo foi Jesus e ngm mais outro fato é a idolatria por PAPAS q sao apenas homens mas tratam eles como pessoas superiores... sobre a imagem da cruz n vejo problema nenhum na imagem apenas da cruz mas n concordo com a imagem q tenha Jesus crucificado a imagem q traz isso e que Jesus ainda esta crucificado sendo q ele vive
      entao existe o erro em ambos os lados
      evangelicos q usam igrejas como comencio q sei q isso existe tbm nos catolicos tem roubo em ambas as partes, como tem pastores adulteros e padres pedofilos ou homexuais e pastores tbm
      mas Jesus disse para n olharmos para os homens e sim para o autor da nossa fé
      e tbm diz em Efesios 6;12 "Porquanto, nossa luta não é contra seres humanos, e sim contra principados e potestades, contra os dominadores deste sistema mundial em trevas, contra as forças espirituais do mal nas regiões celestiais."

      bom é isso Deus abencoe a salvacao é individual e nao é obras nem fé q nos salvara e sim aceitar Jesus Cristo como nosso unico e suficiente salvador e nos submetermos a dependencia de Deus...

      Ta como anonimo mas meu nome é Marcus Vinicius Martins sou de São Vicente - SP

      Excluir
    2. "e nao é obras nem fé q nos salvara e sim aceitar Jesus Cristo como nosso unico e suficiente salvador e nos submetermos a dependencia de Deus..."

      Esta frase é meio contraditória, pois aceitar JESUS é um ato de fé, assim como seguir a tudo o que JESUS ensinou, traduzidos em obras, pois a fé sem obras é morta.

      Vinicius Martins, vejo que você não é uma pessoa mau intencionada, mas um pouco confusa, aconselho a estudar um pouco melhor sobre a Igreja Católica e sua doutrina, e pode começar aqui pelo Voz da Igreja pois há diversas matérias que esclarecem sobre as questões das imagens, dos santos, da salvação, enfim, se não encontrares alguma coisa aqui no voz da Igreja, há diversos sites e blogs católicos que esclarece a tudo que você colocou aqui.

      E só para constar, realmente somente JESUS é Santos pois ELE é a Santidade e pessoa, agora, todos nós também devemos ser santos, não que nascemos santos, mas devemos lutar pela nossa santificação pois esta é a vontade de DEUS: "Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação; que eviteis a impureza;" (I Tessalonicenses 4, 3), pois JESUS nos ensinou que devemos ser perfeitos (Santos) como o PAI é perfeito (Santo): "Portanto, sede perfeitos, assim como vosso Pai celeste é perfeito." (São Mateus 5, 48), isto tudo porque sem a santidade ninguém poderá ver a DEUS: "Procurai a paz com todos e ao mesmo tempo a santidade, sem a qual ninguém pode ver o Senhor. "(Hebreus 12, 14). Já a própria Sagradas Escrituras, já traziam os Anjos, os Profetas e Apóstolos como Santos: Porque, se nesta geração adúltera e pecadora alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os seus santos anjos. (São Marcos 8, 38); (como havia anunciado, desde os primeiros tempos, mediante os seus santos profetas), (São Lucas 1, 70); É necessário, porém, que o céu o receba até os tempos da restauração universal, da qual falou Deus outrora pela boca dos seus santos profetas. (Atos dos Apóstolos 3, 21); que em outras gerações não foi manifestado aos homens da maneira como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas. (Efésios 3, 5).

      Sidnei

      Excluir
    3. Marcus, boa tarde.

      Você alguma vez procurou saber DE FONTES PRIMÁRIAS o que ensina a Igreja Católica sobre adoração, ídolos, santos e o Papa?

      Quais são fontes primárias? A primeira delas é o próprio Catecismo da Igreja Católica, encontrado de graça na internet.

      Olha os parágrafos 2112-2114 e 2129-2132 do Catecismo, encontrado aqui: http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap1_2083-2195_po.html

      Idolatria é COLOCAR ALGO OU ALGUÉM NO LUGAR DE DEUS. Nenhum católico, nem mesmo os menos informados, colocam Maria ou os santos ou o Papa no lugar de Deus. Só a Deus rendemos culto, que como nos ensina a Bíblia, deve ter oferta de sacrifício. O católico só oferece sacrifícios a Deus.

      Você confunde respeito e honra com adoração. Então você idolatra seus pais, seus cantores favoritos, seu pastor (quando pede pra ele orar por vc), etc. Viu como seu preconceito não faz sentido nenhum?

      Quanto à Salvação da Alma, você está contrariando a Bíblia. A salvação não é um evento único ("aceitei Jesus" e pronto), é um processo que dura a vida toda, iniciado e sustentado pela graça de Deus.

      E não estamos sozinhos. Na Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação, feita pela Igreja Católica e a LUTERANA (veja ela aqui: http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/chrstuni/documents/rc_pc_chrstuni_doc_31101999_cath-luth-joint-declaration_po.html), concordamos que a Salvação depende completamente da Graça de Deus (parágrafos 15 e 19). A diferença entre nós é que o católico acredita que podemos COOPERAR com a graça de Deus (parágrafos 20 e 21), assim o ser humano é capaz de concordar em ser salvo ou não (assentimento), e esse mesmo assentimento depende da graça de Deus.

      Enfim, estude antes de publicar suas opiniões. Opinião sem conhecimento não vale nada. É puro preconceito.

      Excluir
    4. Caro Marcus, se a preguiça não lhe impedir, leia os comentários anteriores aos seu e o índice de respostas católicas para acusações protestantes deste site, que respondem a ABSOLUTAMENTE TUDO o que você falou.
      Não vou nem mandar o link que eu e muitos irmãos católicos que frequentam este site já estamos cansados de responder sempre a mesma coisa e citar o mesmo índice em resposta aos argumentos batidos e mil vezes refutados dos protestantes que vêm nos atasanar.
      Portanto, se você quiser realmente aprender algo ao invés de papagaiar o que o "pastô" disse, comece a se esforçar e procurar as respostas, pois não serei eu a ter que responder sempre a mesma coisa àqueles cujo coração foi endurecido por NSJC como o do faraó do Êxodo. A paz de NSJC!

      Excluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Bem, João Victor, se você quer mesmo "saber", com honestidade e sem apego a nada que não seja a verdade, precisamos começar esclarecendo que você está partindo de uma série de pressupostos 100% falsos. Vou tentar ajudá-lo, enumerando essas gafes abaixo:

      1) "'Sabemos' que a reforma protestante surgiu devido à corrupção católica"(?!).

      Bem, nem eu e nem historiador isento algum "sabe" disso. Por favor, cite as fontes históricas que você tem para afirmá-lo dessa maneira. Que livros você estudou sobre o assunto?

      2) "Vender vaga no céu"(?!).

      Explique melhor o que está querendo dizer com isso, porque falar assim genericamente é muito desonesto. Se estiver se referindo às indulgências, por favor, explique o que entende por indulgências.

      3) "Apoiar guerras"(?!).

      Do mesmo modo que o item anterior, não se pode citar algo assim tão sério genericamente, sem esclarecer do que está dizendo. Quais guerras a Igreja apoiou? Se o fez, por que fez?

      4) Sobre as imagens, já tratamos exaustivamente deste tema por aqui. Dê uma olhadinha em nosso "Índice de respostas católicas para acusações protestantes e 'evangélicas'" e terá sua resposta:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2000/01/indice-de-respostas-catolicas-para.html

      5) "Adoração devocional"?! Você mesmo criou essa expressão? Bem, isso é o mesmo que falar em "zebra voadora". Se é zebra, não voa. "Adoração" é uma coisa que devemos somente e exclusivamente a Deus; "devoção" é coisa diferente, que podemos (e devemos) ter pela nossa mãe, por um grande amigo, um professor que admiramos e pelos santos e anjos de Deus. Neste último caso, evidentemente há uma série de implicações bem específicas.

      6) Sobre o poder de intercessão de Maria e dos santos, você vai encontrar a sua resposta no mesmo índice que acabei de lhe indicar.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  12. Boa noite, muito bom os esclarecimento sobre os "Canôns Bíblicos" Parabéns por explicarem tão bem a história que nos revela o princípio e que muito contribui para a não alienação ideológica das diversas seitas protestantes. Mudando aqui o assunto (mas continuando nele), o post pode ser sobre qualquer outro assunto, mas o protestante gostam é do assunto das "IMAGENS" adoração de ídolos (acho incrível, nada haver o post), só reforça a máxima de que foram treinados para o ataque, as táticas todos ja conhecem, é sempre a mesma. A história nos faz compreender muita coisa mesmo. Paz e bem a todos.

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito .mais ainda estou buscando mais aprendizado sobre as escrituras sagradas me aprofundar nos conhecimentos bíblicos e verdadeiros . as vezes fico confusa com essa história toda de católicos e protestantes mais busco falar com Deus em minhas orações até em pensamentos e através disso Deus sempre me conduz ao caminho da verdade ..amém irmãos vida eterna a todos nois em nome de Jesus .fiquem com Deus

    ResponderExcluir
  14. Esse blog e maravilhoso, que Deus abençoe a todos.
    Efésios 3.10
    [10]Assim, de ora em diante, as dominações e as potestades celestes podem conhecer, pela Igreja, a infinita diversidade da sabedoria divina,

    ResponderExcluir
  15. Esse blog é maravilhoso, continuem exercendo a fé de vocês, parabéns pela iniciativa, Deus os abençoe.

    ResponderExcluir
  16. Oi Henrique, bom dia a todos os irmãos católicos!!!
    Como já disse em um outro comentário comecei a procurar na internet respostas e encontrei o site o fiel católico, e estou gostando muito dos posts que estou lendo. Bem, gostaria de saber o que é a Carta de Jeremias que é considerada como deuterocanônico ou apócrifo pelos protestantes? Os outros livros eu já sei que os "evangélicos" consideram apócrifos. Se puder me responder, desde já agradeço de coração!!!
    Robson.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail