A Igreja Católica aceita a 'mediunidade' e/ou invocação dos mortos?

É COMUM NOS DEPARARMOS, em publicações espíritas diversas, impressas ou virtuais, com a divulgação de "noticias" dando conta de que a Igreja Católica teria de algum modo reconhecido e/ou aceitado a prática da invocação dos espíritos dos mortos, reconhecendo assim a veracidade da doutrina espírita. Tais notícias são sempre inconsistentes e confusas –, simplesmente por serem sempre totalmente falsas –, trazem fontes duvidosas, quando não simplesmente falsificadas. Recentemente, um padre da herética "Igreja Católica Brasileira" foi citado, desonestamente, como se fosse um sacerdote da Igreja Católica Apostólica Romana. A verdade é que não existe a menor possibilidade de que tal coisa venha um dia a acontecer, já que estamos falando de uma prática proibida categoricamente pelas Escrituras, pela Tradição, pela Teologia e por toda a doutrina cristã e católica desde sempre.

O máximo que a Igreja pode pretender, com relação ao espiritismo, é a coexistência cordial e pacífica, na medida do possível, e isso já se tem buscado há um bom tempo. Todavia, conviver pacífica e respeitosamente com o diferente não é a mesma coisa que aceitar ou assumir os seus erros doutrinais. Quando uma pessoa declaradamente "católica" diz que também crê em reencarnação, ou quando procura um "médium" para evocar "espíritos" –, supostas "entidades" das quais ela, além de tudo, não tem como conhecer a origem –, comete grave pecado que precisará ser confessado. E se tal prática se torna habitual, esta pessoa cai no desvio ainda mais grave da contumácia, deixando mesmo de ser membro da Igreja Católica, excluindo-se automaticamente da Comunhão com o Corpo de Cristo.



Diretamente relacionada a estas realidades é a seguinte mensagem, que recebemos do leitor Valdemir Faleiros, comentando nossa postagem sobre a vida de Chico Xavier:

Henrique, espero que meu comentário não seja ironizado por vc respeite as pessoas que aqui chegam amigo... Espero também, não ser chamado de sem educação, pois em nenhum momento fui... Quero ver agora, se vc tem peito de mostrar a verdade.

Logo em seguida, Valdemir acrescenta ao seu comentário o link para uma página espírita-esotérica  (que por motivos óbvios não divulgaremos) que apresenta uma matéria ida ao ar há alguns anos pelo programa "Fantástico" da rede Globo de televisão (que notoriamente sempre promoveu o espiritismo – mais informações neste link), intitulada "Museu das Almas do Purgatório" (veja do que se trata).

Antes de entrar na questão do referido museu e do que ele significa, gostaríamos de reafirmar o que é evidente, ao Sr. Valdemir e a todos os nossos leitores: entre os mais de duzentos comentários que aquela postagem sobre Chico Xavier recebeu, em nenhuma das nossas respostas fomos desrespeitosos. Fomos nós, isto sim, muito desrespeitados, sendo que diversas mensagens foram pessoalmente ofensivas (boa parte sequer pôde ser publicada). Todos os participantes, entretanto, receberam respostas puramente informativas. Portanto, não entendemos a preocupação de Valdemir quanto a ter o seu comentário "ironizado".

Entrando no assunto proposto, o chamado "museu" de fato existe, numa igreja em Roma, e foi idealizado com o intuito de demonstrar a real existência do lugar ou estado das almas que permanecem em purificação até que possam ser admitidas ao Paraíso Celeste: o Purgatório, tema sobre o qual já tratamos aqui

Esse curioso "museu" contém relíquias que seriam testemunhos da comunicação de certas almas padecentes no Purgatório. A referida matéria televisiva fala de um pesquisador brasileiro de parapsicologia, chamado Clóvis Nunes, que entrou no local e filmou as peças ali conservadas. Foi entrevistado também o Padre Gino Concetti, teólogo franciscano que declaradamente não atribui grande importância às peças do museu, dizendo:

Eu penso que a materialização da religião e das verdades é sempre uma expressão ligada a uma determinada época, a uma cultura e sensibilidade. Eu acredito mais numa verdade sobrenatural espiritual. Não podemos saber nada do purgatório, apenas isto: é um lugar, como disse Dante, onde os espíritos vivem até serem dignos do Reino dos Céus. Sabemos que o inferno é um lugar de tormento, como disse Jesus no Evangelho, onde há pranto e lamento. Mais do que isso não podemos saber.

Curiosamente, o próprio Padre Gino chega a dizer que, pessoalmente, não acredita naquelas relíquias: “Não é possível materializar uma coisa espiritual. Nós imaginamos as almas entre chamas para exprimir a ideia de que essas almas sofrem tormentos e precisam de ajuda. Mas na verdade não é (exatamente ou literalmente) assim”. A reportagem ouviu também o padre capuchinho Vittorio Traini, exorcista do Vaticano, que disse o seguinte:

As almas não manifestam a sua presença com essas coisas, a menos que tenham sido graças muito especiais ou extraordinárias, concedidas a pessoas [e em casos] especiais. Assim como existem essas manifestações, há também manifestações de caráter infernal, do diabo.

Como vemos, a verdade está bem longe do que alguns espíritas foram rápidos em afirmar, isto é, que a Igreja estaria "aceitando" as práticas espíritas ou coisa parecida... Mesmo assim, insistentemente, diversos veículos espíritas continuam divulgando a existência do museu como uma espécie de "prova" de que a Igreja Católica admitiria a comunicação com os espíritos dos mortos, conforme defende a doutrina espírita. Uma atitude puramente desonesta e lamentável. Deixemos então o disse-que-disse, e vamos ao que afinal interessa: a verdade dos fatos.


1. Inconsistência da notícia

Não é a primeira vez que o espiritismo procura atrair para si o abono da Igreja Católica. Pelo contrário, basta lembrar por exemplo que, num recente filme (fictício e totalmente apologético) sobre  a vida de Chico Xavier, além de incluírem um padre católico como o principal amigo do "médium", os espíritas ainda insistiram em citar como "muito católico" o  ator Tony Ramos, que atuou na produção. Ora, um padre como ombro amigo de Chico Xavier e mais a presença de um artista de renome supostamente "muito católico" atuando no filme espírita: eis a combinação pensada para transmitir aos católicos (menos esclarecidos) uma mensagem bem clara: o espiritismo é compatível e conciliável com o catolicismo. Desonesto e lamentável, mais uma vez.

Afinal de contas, a Igreja aceita a comunicação com espíritos? A simples verdade

a) Como dissemos no começo, vez em quando surgem "notícias" dando conta de que padre fulano teria declarado que acredita na comunicação com os espíritos, ou que o padre ciclano "concorda" com a doutrina espírita... No vídeo do Youtube em que um padre de uma seita é descaradamente apresentado como "padre católico", defendendo o espiritismo e renegando a doutrina católica mais elementar, vemos a clara e criminosa desonestidade intelectual. Mas – e isto é muito importante – ainda que algum autêntico padre católico, por qualquer motivo, realmente aprovasse as práticas espíritas, isso não significaria que a Igreja Católica confirma ou aceita o espiritismo. Aliás, tal padre seria imediatamente afastado das suas funções assim que seus procedimentos chegassem ao conhecimento do seu bispo.

Toda decisão doutrinária da Santa Sé é publicada em documento assinado pelo Papa ou colaboradores imediatos. A coleção chamada "Acta Apostolicae Sedis" é o órgão através do qual são divulgados os atos oficiais da Santa Sé. Nenhum teólogo, padre ou bispo, e em última análise nem mesmo o Papa, falando isoladamente, pode ser tido como representante da fé da Igreja, se não estiver em concordância com a Sã Doutrina de sempre e a Tradição bimilenar desta mesma Igreja.

b) O Catecismo da Igreja Católica (CIC) é uma fonte segura para nos informarmos a respeito das questões fundamentais da autêntica doutrina católica. Qualquer pessoa pode e deve procurar no seu índice e informar-se a respeito de todo assunto relacionado. Quanto ao espiritismo, o texto do CIC é claro, no seu parágrafo 2117: "a Igreja adverte seus fiéis a evitá-lo"; e quem recorre o Catecismo só encontra ali a clássica doutrina da Comunhão dos Santos, sem nenhuma referência a evocação ou comunicação com falecidos. Vejam-se os parágrafos seguintes:

A comunhão com os falecidos – Reconhecendo cabalmente a Comunhão de todo o Corpo Místico de Jesus Cristo, a Igreja terrestre, desde os tempos primeiros da religião cristã venerou com grande piedade a memória dos defuntos. (…) Já que é um pensamento santo e salutar rezar pelos defuntos para que sejam perdoados dos seus pecados (2Mc 12, 46), também ofereceu sufrágios em favor deles. A nossa oração por eles pode não somente ajudá-los, mas também tornar eficaz a sua intercessão por nós." (CIC §958)

As testemunhas que nos precederem no Reino, especialmente as que a Igreja reconhece como santos, participam da tradição viva da oração, pelo exemplo modelar de sua vida, pela transmissão dos seus escritos e pela sua oração hoje. Contemplam a Deus, louvam-no e não deixam de velar por aqueles que deixaram na Terra. Entrando na Alegria do Mestre, eles foram postos à frente de muitos. A sua intercessão é o mais alto serviço que prestam ao plano de Deus. Podemos e devemos pedir-lhes que intercedam por nós e pelo mundo inteiro. (§959)

A Igreja aceita a oração aos santos (pedidos humildes dirigidos aos justos, já no Céu, para que intercedam por nós), mas não aceita a invocação dos mortos (prática ritual que pretende obter mensagens dos mortos). São coisas completamente diferentes.

c) Cabe observar, por fim, que a Igreja aceita tranquilamente o estudo da paranormalidade, coisa bem diferente de necromancia. Sensitivo é o indivíduo dotado de paranormalidade aguçada; este não é o que chamam "médium" espírita; só o será se pregar que os fenômenos psíquicos sejam produzidos por espíritos do além que lhe comunicam mensagens contrárias à fé cristã de sempre.


2. O testemunho bíblico

Para o católico, é fundamental o testemunho das Sagradas Escrituras. O mesmo Deus que, segundo seus inescrutáveis Desígnios, permite as vezes a aparição de santos ou mesmo de defuntos, proibiu terminantemente a evocação dos mortos, e foi sempre claríssimo neste sentido:

Se alguém se dirige aos que invocam os espíritos e aos adivinhos, para se entregar às suas práticas, voltarei minha Face contra esse homem e o afastarei do meu povo. (Lv 20, 6)
Todo homem ou toda mulher que evocar os espíritos ou se der à adivinhação, será punido de morte. Lapidá-lo-ão; seu sangue recairá so­bre ele. (Lv 20,27 - ver ainda Lv 19,31 / Dt 18,11)

Não obstante estas severíssimas proibições veterotestamentárias, conta a Escritura que o rei Saul, atribulado numa campanha bélica, foi ter com a pitonisa e necromante ou "médium" de Endor, pedindo-lhe que o pusesse em comunicação com a alma de Samuel, seu mentor de outrora (cf. ISm 28, 7-14). Tal coisa parece que de fato ocorre, porém (muito importante) a Bíblia Sagrada acentua com toda a clareza que esse feito foi ilícito:

Saul se tornara culpado diante do SENHOR porque interrogara e consultara os que invocam os mortos.” (1Cr 10, 13)

Ainda assim, segundo a Escritura (que nem sempre deve ser tomada ao pé da letra) dá a entender que Deus permitiu que o espírito de Samuel, evocado, respondesse, não por causa dos ritos da pitonisa, mas para que através das suas palavras o rei se arrependesse e fizesse penitência, ao menos no fim de sua vida (Saul morreria no dia seguinte); a exortação dirigida a Saul em circunstâncias tão especiais e extraordinárias poderia ter sido particularmente eficaz. Isto, porém, não quer dizer que Deus se dirija aos homens por via tão incomum todas as vezes que os chamados "médiuns" o desejem.



3. E as visões dos santos?

Não existe absolutamente nenhuma relação entre os alegados fenômenos espíritas e as visões dos santos. Em primeiro lugar, os santos de Deus são servos do SENHOR e modelos de cristãos que estão no Céu, em Deus, e não espíritos "desencarnados" ou almas de pessoas mortas esperando para reencarnar e que vêm à Terra trazer mensagens quando chamamos por eles.

As visões e aparições da Virgem Maria e dos santos católicos são espontâneas, não resultam de invocações de "médiuns" ou algo que as provoquem. Tais visões podem ser a resposta do SENHOR às preces das almas justas; contudo, assim como Deus pode atender a essas súplicas (caso isso ocorra para o bem dos fiéis), pode também não fazê-lo: nunca será lícito ao cristão crer que dispõe de algum meio para se comunicar com as almas dos defuntos ou chamá-las quando quiser, em rituais ou reuniões específicas para este fim.

Todo o nosso possível intercâmbio com os santos se realiza mediante a insondável e soberana permissão de Deus. Tanto assim que, mesmo quando uma pessoa piedosa e devota julga estar sendo agraciada por visões, os mestres da vida espiritual sempre lhe aconselham toda a cautela na interpretação de tais fenômenos, e a Igreja custa muito a reconhecê-los; só os admite mediante rigorosa investigação e mesmo assim não impõe o seu conteúdo como verdade absoluta, regra de fé ou dogma para toda a Igreja.

Todo este rigor existe porque a Igreja sabe que Satanás não raro se dissimula em “anjo de luz”, como novamente advertem as Sagradas Escrituras (cf. 2Cor 11,14). De fato, as autênticas aparições de santos neste mundo (que não são provocadas nem controladas por nós) são fenômenos raros.

Como se vê, também neste último quesito, nada daquilo que a Igreja crê se identifica com a posição dos espíritas. Como cristãos católicos, não desejamos nem pregamos o conflito entre pessoas de diferentes religiões; apenas exigimos a honestidade necessária para que se reconheça que "uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa".
http://www.ofielcatolico.com.br/p/assine-nossa-revista.html

53 comentários:

  1. Certa vez disse um grande escritor brasileiro: “O espiritismo é uma fábrica de idiotas e não pode subsistir”.
    Machado de Assis (1839-1908)
    “Quanto aos feiticeiros, idólatras e todos os mentirosos, o lugar deles é o lago de fogo ardente e enxofre, ou seja, a segunda morte” (Ap 21,8).

    Dei gratia sumus quod sumus! CATÓLICOS

    ResponderExcluir
  2. Mais uma matéria incrível e de grande sabedoria e informação.
    Parabéns.

    Uma boa semana.

    ResponderExcluir
  3. isso sem contar que chico xavier recebe a benção do padre para começar "sua carreira espirita" conhecendo a nossa Igreja Catolica como eu conheco duvido que tal benção tenha sido dada como mostra no filme....

    ResponderExcluir
  4. Os "evangélicos", que eu conheço, já me disseram que nós, Católicos, evocamos os mortos, quando pedimos a intercessão dos santos. Não entendem mesmo nada. É uma tristeza!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Henrique, a paz de Cristo.

    Gostaria que você me tirasse uma dúvida. Qual a diferença entre "invocar" e "evocar"? Na Bíblia de Jerusalém, em Dt 18,11-12 diz "...ou INVOQUE os mortos; pois quem pratica essas coisas é abominável a Iahweh...". No livro O Purgatório, do prof Felipe Aquino, diz que "Os santos, especialmente os místicos, INVOCAVAM as almas do purgatório". Isso sinceramente me deixou confuso, pois na em Dt 18,11 diz que é proibido invocar os mortos e o prof Felipe Aquino diz que os santos invocavam as almas do purgatório. No seu artigo você usou a palavra "evocar". Tem diferença de significado? Por favor, me tire essa dúvida.

    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Claúdio,

      Em primeiro lugar, agradeço pela confiança depositada em nosso apostolado. A questão que você traz, na realidade, não passa de um problema semântico. – Isto é, trata-se apenas de uma questão de sentidos diversos de uma mesma palavra. Como você sabe, nossa língua é uma das mais complexas do mundo.

      Na tradução da Bíblia de Jerusalém, o sentido de "invocar" é o de chamar os espíritos dos mortos, tentar manter contato com eles, fazê-los se manifestar, tentar consultá-los para saber coisas a respeito da vida depois da morte ou obter favores e conselhos, exatamente como fazem os ditos "médiuns" espíritas de hoje.

      Já o sentido de "invocar" as almas do purgatório, conforme certamente atribui o livro que você menciona, é o de rezar por essas almas, interceder por elas, "invocando" seus nomes para que suas penas lhes sejam aliviadas. – Na língua portuguesa, "invocar" pode ter também o sentido de "citar a favor", como quando "invocamos" os méritos de uma pessoa num tribunal, durante um julgamento, em seu favor, seja com a intenção de inocentá-la ou de suavizar a sua pena.

      Assim, eu mesmo poderia dizer que quase todos os dias "invoco" a alma de meu falecido pai, diante do Santíssimo Sacramento, porque rezo pela sua alma, "invoco" (neste sentido) o seu nome, ofereço orações por ele.

      Agora, veja bem que eu não li este livro, apesar de ter lido alguns outros do Prof. Felipe Aquino. Pelo que conheço dele, não creio que esteja ensinando que os santos invocavam as almas do purgatório no sentido de chamá-las, de tentar entrar em contato "mediúnico" com elas. Se for isso, é um despautério completo. E se for o caso, jogue fora o livro, porque então está indo totalmente contra a autêntica doutrina da Igreja!

      Quanto ao termo "evocar", que optei por usar em meu artigo, tem exatamente este sentido, de chamar a alma do morto, de tentar estabelecer contato com ele. Neste sentido, é sinônimo de "invocar", como você pode ver no Michaelis:

      http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=evocar

      Espero ter ajudado. Se ainda ficou dúvida, não se acanhe em perguntar.

      Abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Obg Henrique pela resposta. Todo o problema foi que eu não me detive nesta questão de que uma palavra na nossa língua pode ter diversos significados, muitas vezes até, diferentes entre si. O sentido de INVOCAR que o prof. Felipe Aquino utlizou foi o de que as almas do purgatório podem, também, interceder por nós. Tanto é que ele citou o Catecismo da Igreja Católica no §958 "A nossa oração por eles (no purgatório) pode não somente ajuda-los, mas também torna eficaz a sua intercessão por nós."

      Um Abraço e a Paz de Cristo

      Excluir
    3. Uma curiosidade minha, o texto de Apocalipse Onde fala das almas orando debaixo do altar é fato ou simbólico e se a parábola do rico e o mendigo é fato ou simbólico e pois lá Abraão afirma que os parentes do rico tinham Moisés e Elias pra falar com eles, o texto parece ser simbólico pois parece que Moisés ali falava da lei e elias representava os profetas, esse texto é base pra intercessão ou não?e se o texto de Apocalipse sobre as almas, deve se levar o contexto anterior, os cavalos que antecedem essa fala das almas? Havia almas lá de fato ou não? E no caso de saul,foi Samuel ou não? Um abraço

      Excluir
    4. Simei, quem visa que estas passagens seja simbólicas são os protestantes que negam a imortalidade da alma, mais particularmente, adventistas e testemunhas de Jeová. Mas simbólico ou não, o fato é que encerra uma verdade revelada pelas Sagradas Escrituras de que uma parte do ser humano, que é constituída de uma substância simples chamada alma, ela não morre, e continua após a morte do corpo, tanto que JESUS mesmo disse em Mateus 10, 28: "Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena.". Não é porque tais passagens podem ser simbólicas que não exista a imortalidade da alma, pois uma pergunta que não quer calar é: porque JESUS iria citar uma crença pagã (imortalidade da alma) em um parábola?, seria um contra censo muito grande JESUS fazer isto, como ele fez na parábola descrita em Lucas 16, 19-31, veja bem, JESUS sempre falou em parábolas trazendo elementos que o povo viesse a entender, pois o povo entendia de: criação de ovelhas; de cultivo de vinhas; de festas; de pescarias e também, e também aquilo que o povo acreditava como: a ressurreição do último dia; o juízo final; de anjos e do que acontecia no além túmulo antes da ressurreição no final dos tempos e do juízo final. A parábola de Lucas 16, 19-31 traz justamente este elemento que o povo acredita que as almas dos mortos iriam para o Seio de Abraão, pelo menos os bons, como o pobre Lazaro, ao contrário do rico avarento que foi para o inferno, veja que o Seio de Abraão não era o céu em definitivo, pois para o céu só iriam os que estavam no Seio de Abraão e todos nós somente após a morte e ressurreição de JESUS que nos abriu as porta do céu, pois estavam fechadas por causa do pecado de Adão, portanto, antes disto todos os bons iam a este lugar que os judeus acreditavam que era a parte no mundo inferior aonde iam as almas dos justo, haja vista que aqui houve uma grande evolução na revelação do a A.T. o qual muitas vezes se dizia que tantos os bons quanto os maus iriam todos a um mesmo local e que ali iriam ter uma sobre via, vivendo quase como sobras apagadas e que portanto não teriam mais motivos de louvar a adorar o SENHOR e que nem esperança teriam de algum dia sair daí como atestam algumas passagens bíblicas do A.T. ( Sl 6,6; Is 14,9-15; Is 38,18-19). Portanto mesmo que a parábola do Rico Avarento e do pobre Lazaro seja simbólico, porém, JESUS buscou junto a uma Verdade crida por todos naquele tempo para transmitir uma outra verdade que é: Não precisa vir ninguém do além para nos ensinar com devemos agir, o que devemos fazer segundo a vontade de DEUS, pois naquele tempo havia Moisés e os Profetas, hoje temos a Igreja, e como o povo naquela época ouvia Moisés e os Profetas por aqueles a quem forma incumbidos em passar adiante o ensinamento deles, hoje temos a Igreja que tem a incumbência de passar adiante os ensinamentos de JESUS, como bem disse ELE mesmo em Lucas 10, 16: "Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou."". Outra coisa a ser dita desta passagem, o qual o mortalistas alegam que toda passagem gira em torno da geena que era o local em Jerusalém que eram queimados diariamente o lixo e cadáveres dos condenados, para isto devemos lembrar, que JESUS colocou muito bem que tanto Lázaro quanto o rico epulão morreram e foram levados a um local em separado, um para o Seio de Abraão e outro para um local de sofrimentos e agustias, JESUS pode até ter citado este lugar em que foi o rico epulão de Geena fazendo alusão ao lixão de Jerusalém, mas dizer que a partir disto JESUS fez uma parábola simbólica negando aquilo que os judeus acreditavam aí é forçar aquilo que o texto não condiz, que é, JESUS não iria reforçar uma crença pagã, misturando elementos que visavam o lixão de Jerusalém e uma crença que o povo não acreditava.

      Continuar

      Sidnei

      Excluir
    5. Continuação

      Quanto a passagem do Apocalipse, o qual os mortalista também alegam ser simbólica seria outro contra-senso o escritor sagrado inclui aqui elementos pagão que eram contrário ao que supostamente os judeus acreditavam naquele tempo. Alguns mortalista veem aí, que tais almas não são pessoas, mas ao exemplo do que se diz em outras passagens das escrituras como em Gen. 4,10 que diz: "O Senhor disse-lhe: “Que fizeste! Eis que a voz do sangue do teu irmão clama por mim desde a terra.", ou seja, os mortalistas veem aí o sangue dos mártires que aclamam por vingança como o sangue de Abel, porém, o texto fala de pessoas que pedem vingança pelo seus sangue derramado: "9.Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários.

      10.E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra?

      11.Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos.", veja, que não se esta falando em sangue, mas de pessoas mesmo, haja vista, que a eles foram dadas veste para serem usadas e que esperassem mais algum tempo até que o número de companheiros viria a se completar no martírio, e aí eu pergunto, tem cabimento sangue aclamar ao próprio sangue: "E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra?", tem cabimento sangue recebe vestes a serem usadas?: "Foi então dada a cada um deles uma veste branca," tem cabimento dizer a sangue de esperar um pouco de tempo até que o número de companheiros se completem no martírio? " foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos.". Então todo elemento simbólico nesta passagem é nula, pois se visa realmente de pessoas, em estado espiritual, pois foram mortas e se encontram nos céus, e além do mais, nem carne nem o sangue podem herdar o reino dos céus, não antes de serem revestidos de imortalidade, coisa que só acontecerá, no final dos tempos com a ressurreição da carne como atesta São Paulo em 1º Cor. 15, 50-55, e além do mais como está em Hebreus 12, 24, JESUS é que esta com sangue nos céus, pois ELE já passou por aquilo que São Paulo diz em 1º Cor. 15, 50-55, ou seja, a morte e ressurreição, portanto, dizer que seja simbólica aquelas almas de Apocalipse 6, é totalmente descabida.

      Continuar

      Sidnei

      Excluir
    6. Continução

      Quanto a passagem de 1º Samuel 28, em que há a aparição de Samuel a Saul, o próprio texto diz que foi Samuel mesmo quem apareceu, tanto que o nome de Samuel é tocado por duas vezes durante o diálogo entre ambos, nos versículos 15 e 16, se não fosse Samuel, o escritor sagrado teria colocado que seria: um espírito disfarçado de Samuel disse:; ou; a alucinação de Saul que via Samuel disse:, mas não o autor sagrado diz realmente que foi Samuel mesmo quem apareceu, portanto, não a discussão aqui, não há simbologia e muito menos, alguma alucinação por parte de Saul. E obvio que tal aparição não se deu por conta da força da pitonisa, mas por vontade de DEUS, pois somente DEUS, é que tem o poder de levar alguém desde mundo para o além, como trazer alguém de lá para ká, como atestou a própria mães de Samuel que disse: "O Senhor dá a morte e a vida, faz descer à habitação dos mortos e de lá voltar." (1º Sam. 2, 6), portanto na passagem de 1º Samuel 28, Samuel apareceu por vontade divina e não pela força da evocação da pitonisa, que aliás, se revelou uma verdadeira charlatã, pois se ela esta acostumada a evocar espírito porque ele se assustou quando viu Samuel?. Mas mesmo que DEUS tenha permitido a aparição de Samuel para dizer de uma vez a Saul a rejeição a ele, tal ação por parte de Saul foi por procurar a vidente, foi um pecado muito grave, o qual só agravou sua situação perante ao SENHOR, o qual levou a morte quando venho a guerrear com os filisteus como está em 1º Cro. 10, 13: "Saul morreu por causa da infidelidade, pela qual se tornara culpado contra o Senhor, não observando a palavra do Senhor e por ter consultado necromantes."

      Sidnei.

      Excluir
  6. O Purgatório é um estado de purificação das almas que estão em pecado venial no momento da morte ou que ainda não tenham reparado os danos causados pelos pecados já perdoados. Como nada de impuro entrará na Jerusalém Celeste(Ap 21,27), não é justo que aqueles que morreram em pecado venial ou ainda trazem consigo as marcas dos pecados já perdoados, sejam condenados ao fogo do inferno. Depois de purificados pela água do Batismo no inicio de nossa vida terrena, o purgatório ao fim de nossa vida terrena é o fogo que nos purifica, para apresentarmos diante de Deus sem mácula, sem ruga, nem qualquer outro defeito semelhante, mas santo e irrepreensível(Ef 5,26-27).
    Bendito seja Deus por sua infinita misericórdia.

    ResponderExcluir
  7. Paz e Bem!
    Irmã Maria Sima, responde muito bem essa questão em seu livro.
    Deus proíbe a evocação dos mortos. Proíbe que os invoquemos.
    Mas sabemos que as almas no purgatório já não podem mais rezar e depedem de nossas orações. Por isso Deus permite que algumas almas, peçam orações. São Padre Pio recebeu a visita de uma alma (um Sacristão) que pedia que ele celebrasse uma Missa pela sua alma.

    ResponderExcluir

  8. A minha opinião é de que não devemos criticar nenhuma religião, fui católico e continuo a respeitando muito. Ela já promoveu muitas mudanças e espero que outras estão a caminho em benefício de seus fieis. Grande abraço aos Católicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliciano, o fato não é de criticar nenhuma religião, o fato, é de nos defender das acusações que muitas pessoas de outras religiões fazem contra nós católicos, ou então, apontar as diferenças em que há entre nossa fé católica e as confissões de outras denominações religiosas.

      Sidnei

      Excluir
    2. E mesmo que nós criticássemos, Sidnei, dependendo do contexto não haveria problema algum, pois é nossa obrigação enquanto católicos denunciar as doutrinas falsas das outras religiões à luz da Verdade. Nem toda crítica é desrespeitosa, Feliciano, independente da religião. A paz de NSJC!

      Excluir
  9. Alguém pode me responder se existe alguma pratica dos cristãos no novo testamento buscando seus familiares, mortos que foram santos em Jesus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Buscando em que sentido, Erivelton? Se for invocando, eu desconheço, até porque essa prática é proibida pelas Sagradas Escrituras. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Mas uma pergunta que tem no fundo algo de dizer que a pratica católica de pedir a intercessão dos Santos é pecaminoso pois a Bíblia proíbe. Pelo que eu seu a Bíblia proíbe a evocação dos mortos, isto é, de pedir que os que já não estão neste mundo, venham a até nós para trazer alguma mensagem do além, porém, não há lugar nenhum na Bíblia que esteja proibida de pedirmos aos que já se encontram nos céus em JESUS, de pedirmos a eles que intercedam por nós ao PAI em nome de JESUS. Se não há nada explicito que possa haver tal intercambio entre os que já estão na terra e os que já se encontram nos céus, há porém diversas passagens que demonstram que mesmo com a morte a comunhão entre todos os cristãos, e aqui inclui os que já se encontram nos céus, não se interrompe nem mesmo com a morte, porque se todos estamos em comunhão um com os outros em CRISTO JESUS, os que estão nos céus também estarão, isto é uma lógica pura e simples, basta lermos 1º Cor. 12 para chegarmos a tal conclusão.

      Sidnei.

      Excluir
    3. Então por que os católicos buscam aos santos que morreram?

      Excluir
    4. Sua pergunta já foi respondida em forma de post, leia com atenção e para de falar bobagem meu caro.
      segue abaixo os links

      http://www.ofielcatolico.com.br/2004/09/os-santos-podem-interceder-por-nos-ou.html

      http://www.ofielcatolico.com.br/2001/04/os-santos-e-os-sofrimentos-humanos.html?showComment=1433949108391#c8326833744397179418

      http://www.ofielcatolico.com.br/2010/01/imagem-na-igreja-e-idolatria.html

      Paz e bem !

      Excluir
    5. Volto a perguntar: Buscam em que sentido? Invocação aos mortos, algo que a Sã Doutrina condena, nenhum católico faz. O que nós fazemos é pedir aos santos que intercedam por nós junto a NSJC, o que é obviamente BEEEEM diferente de invocá-los. Não perceber a diferença entre as duas coisas é algo que somente um ignorante com sérios problemas mentais, o que eu tenho certeza que o caro Erivelton não é, faria, até porque esse assunto já foi explicado incontáveis vezes aqui. A paz de NSJC!

      Excluir
    6. Sem querer polemizar, mas um cara que chama a si mesmo de "Erisvelton o profeta" (oi?), já não deveria nem merecer resposta num site sério como esse daqui.
      Abç

      Luis Antonio

      Excluir
    7. Amigos eu sou um pesquisador da doutrina cristã e irei verificar se existe algum erro em consultar aos santos como intermediário entre nós e NSJC. Eu gostaria de me dessem um exemplo dentro das escrituras que possam fortalecer esta interpretação católica. Conforme o Bruno disse vou dar uma lida nos links que passou. Fiquemos na paz.

      Excluir
    8. Pelo menos agora o "profeta" não pode reclamar que não sabe da doutrina católica, Luis. Se ele por acaso vier com essa de que nós invocamos os mortos e estamos em pecado ( o que eu espero não acontecer) será a sua própria consciência que o acusará, e isso se aplica a todos os inimigos da Igreja que ficam repetindo as mesmas mentiras mesmo depois de refutados. São as respostas que demos a ele que evidenciam que ignorante ele não é. A paz de NSJC!

      Excluir
    9. Parece que este Erivelton não quer resposta, ele quer é polemizar, as respostas estão sendo dadas com clareza e objetividade, fora os posts que já foram feito aqui neste blog esclarecendo o assunto, mas volta e meia vir com as mesmas perguntas de sempre, aí é querer fazer perder os nosso tempo e o dele também.
      Mas só respondendo pela última vez ao dito cujo aí em cima que parece que qualquer resposta ou matéria deste blog nunca é suficiente para ele, buscamos a intercessão dos Santos pois eles são nosso irmãos em CRISTO, e mesmo que eles não esteja entre nós devido a morte física, porem, permanecem unidos a nós por meio de CRISTO JESUS, pelo qual formamos um só corpo. Portanto, estes nosso irmãos que estão nos céus poderão orar por nós, interceder por nós a DEUS em nome de JESUS, ao contrário dos que muitos afirma que eles nada podem faze por nós, nós católicos acreditamos o contrário pois bem disse São Paulo com relação aqueles cujos membros do corpo de CRISTO que é a Igreja o qual hajamos que nada podem fazer por nós, justamente estes é que poderão fazer muito mais por nós:
      !21. O olho não pode dizer à mão: Eu não preciso de ti; nem a cabeça aos pés: Não necessito de vós.
      22. Antes, pelo contrário, os membros do corpo que parecem os mais fracos, são os mais necessários.
      23. E os membros do corpo que temos por menos honrosos, a esses cobrimos com mais decoro. Os que em nós são menos decentes, recatamo-los com maior empenho,
      24. ao passo que os membros decentes não reclamam tal cuidado. Deus dispôs o corpo de tal modo que deu maior honra aos membros que não a têm,
      25. para que não haja dissensões no corpo e que os membros tenham o mesmo cuidado uns para com os outros." (I Cor. 12, 21-25)

      Sidnei

      Excluir
    10. Vocês acreditam que eu já fui ateu? Hoje ainda tenho uma certa desconfiança de 1% de que Deus não existe, mas sempre procurei saber das verdades sem nenhuma intenção a parte. Estudo catolicismo, espiritismo, judaísmo e outras religiões. Foi através da ciência que encontrei Deus e hoje procuro entender quem está próximo a verdade. Eu tenho a minha base para buscar minhas pesquisas dentro daquilo que penso. Sou livre para isto e não sou obrigado a aceitar tudo o que os outros falam. Eu só não entendo por que Deus não revelou este doutrina de fé que seria de muita importância para todos aqueles que perderam seus entes queridos. Pelo menos esta doutrina não é uma prática religiosa praticada entre os seguidores de Jesus. Voces me condenam por isto?

      Excluir
    11. Deixa eu ver se eu entendi: Você não entende porque Deus não revelou como invocar os mortos? Você considera a Invocação aos mortos uma doutrina de fé com base em que? Em várias passagens da Bíblia, como por exemplo a do rei Saul, NSJC condena todo o tipo de necromancia.
      Enquanto cristãos, temos que ter o dom da fé e da esperança de encontrar nossos entes queridos no Céu, não invocá-los aqui na terra. Deus não pode revelar algo que não tem o que ser revelado.
      Agora, se você está se referindo ao dogma da Intercessão dos santos, tenha santa paciência, Erivelton! Você não entende porque não quer! É só ler o comentário de Sidnei e o post do primeiro link deixado por Bruno que você vai entender que Deus revelou a doutrina da intercessão dos santos, aqui na terra ou lá no Céu, sim senhor. Agora, mesmo com todas essas informações que lhe passamos, como você consegue dizer que a intercessão não é uma prática dos seguidores de Jesus???? Se você estiver se referindo à invocação dos mortos que você nos acusou ou à intercessão dos santos que nós explicamos, nos dois casos eu infelizmente tenho que lhe condenar por isto, Erivelton. Me desculpe. A paz de NSJC!

      Excluir
    12. Claro que acreditei que se tratava de um ateu, ou melhor: que se trata de um ateu. Deves ter encontrado Deus, mas, creio que ainda não credes Nele. Ora, quem crer em Deus, jamais ousa procurar entendê-Lo. Se quiseres saber por quer Deus não revelou tal doutrina, leias todo o Antigo Testamento (meditando).
      Caro, se queres procurar a verdade, começa estudando e meditando o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, pois, só Nele é que encontrarás toda a verdade da Salvação, se é isto que procuras.
      Creia, Jesus Cristo é a verdade e o caminho a seguir!
      Creias nisto e jamais serás condenado...
      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!
      Para sempre seja louvado!
      E Salve Maria!

      Excluir
    13. Não senhor Erivelton, não condenamos porque você acredita que entre os seguidores de JESUS não havia a pratica de pedir a intercessão dos Santos, mas não concordamos com sai ignorância em teimar que só porque há de maneira explicita tal doutrina, isto não quer dizer que não haveria o entendimento de que há sim uma comunhão entre todos os membros do corpo de CRISTO que é a Igreja, quer os que se encontram neste mundo, quer os que já se encontram nos céus, e entre os que estão neste mundo com os que já se encontram nos céus. Você é mais um que quer tudo mastigadinho, que quer que tudo esteja na Bíblia, se não está, não vale, assim meu amigo, fica difícil conversar contigo. Pega teu rumo, siga teu caminho, que nós estamos no nosso e somo muito felizes, só pare de encher o saco e torrar a paciência, porque de gente que só vive aporrinhando os católicos o mundo esta cheio, e você só será mais um a procurar tirar a nós do sério diante de tantas perguntas em que há tantas respostas mas você não aceita nenhuma, só porque fica com este mi mi mi, de que não está na Bíblia ou porque não esta de maneira explicita. Então vai te catar, passe bem, e inté,

      Sidnei.

      Excluir
    14. Senhor Feliep Pedrosa, seu rancor e sua ignorância é tanta, mas tanta, que eu não sei como o Henrique passou este seu comentário e nem saberia se eu vou te responder ou não, mas mesmo assim vou te dar umas respostas:

      1º) Você quer comparar nossa fé católica com a dos espiritas, meu amigo, vai pastar que pasto é o alimento prferido de uns burros como você. Queres baixar lenha nos espíritas procure sites e blog deles, mas não venha querer baixar lenha nos espiritas em blog católico como se doutrinas católicas e espiritas fossem tudo a mesma coisa. Há diversas diferenças, caro o o senhor não saiba, a começar pelo entendimento de quem é DEUS, pois eles não aceitam a SANTISSIMA TRINDADE, não aceitam a divindade de JESUS e não aceitam o ESPIRITO SANTO como uma das três pessoas da SANTISSIMA TRINDADE. Outra diferença está no que acontece depois da morte o qual para os espiritas acontece que a alma volta neste mundo em seguida reencarnações e não cremos na que a alam após partida deste mundo, entra em seu juízo particular e receberá a sentença da Vida Eterna e ou condenção eterna, e no final dos tempos, a alma votará ao seu corpo que será restituído em um corpo glorioso e assim haverá a ressureição da carne. Outra diferença esta na evocação dos mortos que é o chamado que os espiritas fazem as almas dos mortos para que se apresentem diante deles e tragam notícias do além, nós católicos não evocamos a nenhuma alma nem mesmo dos Santos que estão na glória de DEUS, mas pedimos a intercessão destes por meio da Comunhão dos Santos em que eles unidos a nós por meio de JESUS CRISTO, ouvem nossas preces a intercedem por nós diante de DEUS PAI em nome de JEUS. Só isto para demonstrar quanta diferença há entre nós e os espiritas, para demonstrar quanto bobagem sua em querer comparar nossa fé católica com a dos espíritas.

      2º) Você colocou: "Tanto que a Igreja já voltou atrás em posicionamentos tempos depois de os ter sancionado [por assembléia anterior]."

      Pois bem, agora me traga um dogma, mas um se quer, que alguma dia a Igreja declarou como dogma de fé e depois voltou atrás. Estou falando de dogmas, e não qualquer coisa que seja de ordem administrativa ou temporariamente esclarecedora mas que nunca foi declarada como dogma (exemplo o limbo dos infantes).

      Só nestas duas breves colocações dou a devida resposta a este seu coice, pois suas colocações não passaram de um coice de um asno que escuta o galo cantar mais não sabe aonde.

      Sidnei

      Excluir
    15. Concordo, Sidnei! O problema é que vivemos numa época em que a falta de roupa pra lavar e o semianalfabetismo reinam.
      Digo SEMIanalfabetismo porque esse Felipe aí sabe muito bem ler "a palavra" (só que do "pastô", já que a de Deus não se lê mas se adora), mas quando é para ler comentários anteriores aos dele, o moleque finge que não sabe e ainda quer dar coice com sua arrogância asinina. Ou seja: só sabe ler o que lhe convém.
      Também falo da falta de roupa para lavar porque é a única explicação para o fato de esse ignorante dizer que a Igreja e/ou o Papa são a favor da necromancia. Aqui também entra o analfabetismo, por não conseguir ler o comentário e as respostas ao "profeta" Erivelton.
      Honestamente, eu só responderia com argumentos a um comentário desse se fosse diretamente direcionado a mim e eu estivesse de bom humor. Caso contrário, faria verbalmente com ele o que Nosso Senhor fez literalmente com os vendilhões do Templo! Não dou pérolas mais pérolas aos porcos, mas sim as porcarias que eles merecem!
      São Nicolau, rogai por nós! A paz de NSJC!

      Excluir
    16. **Não dou MAIS PÉROLAS...

      Excluir
    17. Senhor Sidnei e Petrivalianici, qual a razão para esses ataques gratuitos? Os senhores debates e dialogam desta maneira fora da internet ou agiram desta maneira por se encontrarem protegidos pelo anonimato? (Anonimato ainda que sejam frequentes as suas participações aqui e no Catequista sob as mesmas tags.) Peço a gentileza de manter um diálogo cristão e com civilidade. Caso me respondam com mais agressidade, não tornarei a respondê-los. Gostaria de, educadamente, lhes sugerir a leitura de um dos muitos guias de Comunicação Não Violenta disponíveis web afora. Quem sabe esse sr. Henrique (que suponho ser o moderador) não aceita a sugestão de publicar aqui um manual deste tipo? Certamente que seria deveras construtivo [e necessário] para as conversas e apologética nos comentários.

      Quanto às agressões feitas, respectivamente:

      Caro Sidnei, o senhor foi claramente agressivo ao responder alguns comentários anteriores a outra pessoa. Isso ficou claro nos excertos que destaquei. Como Batista tradicional que sou, senti-me pessoalmente atingido pelas suas colocações na resposta ao tal de Erivelton o Profeta (que concordo ser absurdo alguém se auto-intitular desta maneira, mas ele manteve um tom de absoluta cordialidade e educação todo o tempo e, acredito, merecia o mesmo) que me pareceram abranger todo e qualquer cristão protestante. Por isso, respondi-lhe. Ao que já me arrependo.
      Ainda assim, devo esclarecer que: 1- Não comparei de maneira nenhuma a "Fé" dos Católicos com a "fé" dos espíritas. Mas de modo algum mesmo! E se o senhor ou alguém entendeu assim, peço encarecidamente que leia de novo. Eu comparei a SUA "escolha argumentativa" do "contexto" como defesa aos pontos doutrinários da querela mais acima, com a mesma "escolha argumentativa" do "contexto" que é usada por outras pessoas para justificar o injustificável. (E com isso, quero deixa muito claro, não estou dizendo que a SUA tese é injustificável, ainda que não concorde com essa tese. Somente a maneira pela qual você a "defendeu". Ok?) Para exemplificar isso, escolhi nomear os espíritas que usam dessa mesma escolha argumentativa para justificar o racismo inerente à sua crença. Espero ter sido mais claro agora. Talvez não o tenha sido antes, admito, ainda que minha semântica não tenha deixado margem para interpretações diversas quaisquer.
      Estou plenamente ciente da maior parte dos sofismas defendidos por verdade pelos espíritas e não quero, tampouco o fiz, "baixar lenha nos espiritas". Sinto por essa percepção sua. Peço que leia novamente o que escrevi. E agradeço pelo benefício da dúvida sobre saber ou não sobre as diferenças. Conheço-nas algumas. Sei que os espíritas apesar de dizerem cristãos, não o são. Eles apostatam de Jesus Cristo como nosso salvador e de muito mais. São apóstatas da Fé Cristã (e de outras também).
      2- Escolhi não trazer exemplos para não levantar polêmica e debates os quais não tenho interesse em debater. Perguntei somente o que aconteceria, em seu entendimento, num caso desses. O senhor mesmo forneceu um exemplo. Infelizmente não disponho de conhecimentos elevados em Direito Canônico ou História da Igreja Católica para trazer exemplos mais precisos. Posso dizer, com algum grau de segurança, que a Igreja de Roma já mudou diversas vezes seu posicionamento oficial (que é o único que conta) em interpretações doutrinárias das mais diversas. Os que me leêm que possuem maior conhecimento podem corroborar neste ponto.

      Excluir
    18. Caro Petrivalianici, muito me surpreendi pelo nível de sua resposta, tendo visto que o senhor manteve debate em altíssimo nível e qualidade em outro artigo com um protestante. Quanto a sua alegação de semi-analfabetismo de minha parte, pergunto-me a qual idioma o senhor se refere. Esclareço-vos que havia lido todos os comentários desta página antes de comentar. Tenho prazer em ler comentários construtivos de alguns blogs. Não todos. Em muitos as discussões são de baixo calão e chulas demais para meu gosto. Pergunta: o senhor debateria assim com um desconhecido dentro da Igreja? Respeito é bom, e eu gosto. Seja moderado e tenha respeito, por gentileza.
      Quanto ao comentário, o próprio senhor Sidnei compreendeu que meu exemplo É "esdrúxulo", que é uma coisa "fora dos padrões comuns e que causa espanto ou riso; esquisito, extravagante, excêntrico", conf. Dic. Antônio Houaiss. Podes buscar o significado de hipótese também. E me referi claramente a "uma situação hipotética e esdrúxula". Serviu apenas para facilitar a exposição de uma questão, à qual ele respondeu. Portanto, ficou muito claro que eu NUNCA DISSE que "a Igreja Católica se posiciona favoravelmente à necromancia".
      Acredito que exemplos de comentários como esse seu deveriam ser excluídos pela moderação do blog, por serem pura e simples agressão.

      No fim das contas, está me parecendo que o meu comentário anterior é que foi alvo de moderação. Talvez tenha sido excluído pois não consigo vê-lo.

      Excluir
    19. "Senhor Sidnei e Petrivalianici, qual a razão para esses ataques gratuitos?" Resposta: Gratuitos não! Apenas respondemos às acusações completamente ignorantes do senhor a Igreja e a sua confusão com o espiritismo.
      "Os senhores debates e dialogam desta maneira fora da internet ou agiram desta maneira por se encontrarem protegidos pelo anonimato? (Anonimato ainda que sejam frequentes as suas participações aqui e no Catequista sob as mesmas tags.)" Resposta: Que eu me lembre, nunca comentei no anonimato, mas sim como Petrivalianici (um pseudônimo, é claro). Também não me lembro de ter comentado no blog O Catequista, você deve estar me confundindo com outra pessoa. Não costumo debater assuntos ligados à Igreja fora da internet. De qualquer forma, a minha resposta se baseia no nível e na forma dos argumentos daqueles com os quais eu debato. Assim como Nosso Senhor, não dou pérolas aos porcos, mas aos que debatem de forma educada e em alto nível.
      "Peço a gentileza de manter um diálogo cristão e com civilidade. Caso me respondam com mais agressidade, não tornarei a respondê-los. Gostaria de, educadamente, lhes sugerir a leitura de um dos muitos guias de Comunicação Não Violenta disponíveis web afora. Quem sabe esse sr. Henrique (que suponho ser o moderador) não aceita a sugestão de publicar aqui um manual deste tipo? Certamente que seria deveras construtivo [e necessário] para as conversas e apologética nos comentários." Resposta: Se você quer manter um diálogo cristão e com civilidade, faça por onde. Só o fato de repetir argumentos já refutados já demonstra uma tremenda falta de respeito com os debatedores, pois assim você está nos chamando de otários. Veja os outros posts deste site nos quais eu comentei e compare as minhas diferentes respostas a diferentes debatedores, para ver se eu respondi a educados e mal educados do mesmo jeito. Como diz o frei Clemente Rojão: "Aqui o ombro é amigo, mas o coice é certeiro" (se eu não me engano). Caso você responda do mesmo jeito que o seu primeiro comentário, eu é que não vou mais lhe responder, por ter mais o que fazer. Não sei de qual manual você está falando e por isso não posso dizer se é construtivo, mas por mim pode apresentá-lo (se Henrique permitir, é claro).
      Agora, vou responder á parte do seu comentário direcionada a mim, esperando que Sidnei responda a dele.
      " Caro Petrivalianici, muito me surpreendi pelo nível de sua resposta, tendo visto que o senhor manteve debate em altíssimo nível e qualidade em outro artigo com um protestante." Resposta: Exato, mas tenho certeza que o outro protestante não debateu da mesma forma que você, nem usou os mesmos argumentos (como expliquei antes). "Quanto a sua alegação de semi-analfabetismo de minha parte, pergunto-me a qual idioma o senhor se refere. Esclareço-vos que havia lido todos os comentários desta página antes de comentar." Resposta: que bom, porque não foi o que você deixou transparecer ao repetir certos argumentos. "Tenho prazer em ler comentários construtivos de alguns blogs. Não todos. Em muitos as discussões são de baixo calão e chulas demais para meu gosto. Pergunta: o senhor debateria assim com um desconhecido dentro da Igreja? Respeito é bom, e eu gosto. Seja moderado e tenha respeito, por gentileza." Resposta: SE O DESCONHECIDO FIZESSE O MESMO QUE VOCÊ SIM, na igreja (ou seja, templo) ou em qualquer outro lugar. Respeite-nos você primeiro, baseado no que eu falei antes, e aí sim poderá exigir respeito de alguém. Se fui mais grosseiro ou agressivo com vossa senhoria do que deveria, peço desculpas. Mas deixo claro que o seu comentário mereceu uma resposta dura sim.
      Continua...

      Excluir

    20. "Quanto ao comentário, o próprio senhor Sidnei compreendeu que meu exemplo É "esdrúxulo", que é uma coisa "fora dos padrões comuns e que causa espanto ou riso; esquisito, extravagante, excêntrico", conf. Dic. Antônio Houaiss. Podes buscar o significado de hipótese também. E me referi claramente a "uma situação hipotética e esdrúxula". Serviu apenas para facilitar a exposição de uma questão, à qual ele respondeu. Portanto, ficou muito claro que eu NUNCA DISSE que "a Igreja Católica se posiciona favoravelmente à necromancia". Resposta: Pode até ser, Felipe, mas creio que seria melhor que Henrique republicasse o seu comentário anterior para que possamos analisá-lo. De qualquer forma, você comparou nós católicos aos espíritas e, usando a HERÉTICA doutrina do Sola Scriptura, disse que ambos os grupos estão errados por estudar o contexto das passagens bíblicas (!!!). Então, na sua opinião, nós católicos deveríamos fazer a leitura SUPERFICIAL da Bíblia que a Igreja criou, canonizou e preservou como a sua seita? COMIGO NÃO, VIOLÃO! Continua...

      Excluir
    21. Por fim, se o meu comentário foi pura agressão e deveria ser excluído, o seu não deveria nem ter existido. Talvez você também deva excluir (rasgar) da sua bíblia a passagem na qual São João Batista chamou de víboras aqueles que não lhe ofenderam, mas cuja cara de pau mereceu a repreensão do primo de NSJC.
      Também acho que ele foi excluído, mas sobre os critérios para a exclusão dele e possível retorno por parte da moderação do blog só Henrique poderá responder. A paz de NSJC!

      Excluir
  10. Ola pessoal do Apostolado O fiel católico, SALVE MARIA!
    Gostaria de primeiramente elogiar e agradecer o trabalho de vocês, já aprendi muitas coisas neste site e continuo aprendendo, muito obrigado mesmo!
    Eu gostaria de saber o que a igreja diz sobre lugares supostamente "mal assombrados"? Por exemplo, lugares onde morreram pessoas de forma muito violenta, ou que sofreram muito antes de morrer, é possível que os espíritos dessas pessoas ainda estejam neste lugares?Muitas pessoas que se dizem médium ou sensitivas afirmam que vêm espíritos em alguns locais,(por exemplo, cemitérios, hospitais abandonados, boate Kiss, e muitos outros) todas as pessoas que afirmam que vêm tais coisas são charlatonas? Outra coisa que também é muito comum é pessoas afirmarem que neste locais acontecem coisas sobrenaturais que não conseguem explicar...E também tem aquelas pessoas que não tem nenhum dom para ver espíritos (se é que esse dom existe) e vão para alguma casa ou algum lugar em que aconteceu algum assassinado ou algo ruim e essas pessoas dizem que começam a ver e a ouvir coisas estranhas (por mais que essas pessoas não saibam do antepassado destes locais). Gostaria muito que vocês me ajudassem a entender a essas questões, desde já agradeço. A paz de NSJC!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo Vitor, em complemento ao post que não deixa dúvidas, veja o que diz ainda o nosso Catecismo:
      §2115 ADIVINHAÇÃO E MAGIA
      Deus pode revelar o futuro a seus profetas ou a outros santos. Todavia, a atitude cristã correta consiste em entregar-se com confiança nas mãos da providência no que tange ao futuro, e em abandonar toda curiosidade doentia a este respeito. A imprevidência pode ser uma falta de responsabilidade.
      §2116 Todas as formas de adivinhação hão de ser rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demônios, evocação dos mortos ou outras práticas que erroneamente se supõe "descobrir" o futuro. A consulta aos horóscopos, a astrologia, a quiromancia, a interpretação de presságios e da sorte, os fenômenos de visão, o recurso a médiuns escondem uma vontade de poder sobre o tempo, sobre a história e, finalmente, sobre os homens, ao mesmo tempo que um desejo de ganhar para si os poderes ocultos. Essas práticas contradizem a honra e o respeito que, unidos ao amoroso temor, devemos exclusivamente a Deus.
      §2117 Todas as práticas de magia ou de feitiçaria com as quais a pessoa pretende domesticar os poderes ocultos, para colocá-los a seu serviço e obter um poder sobrenatural sobre o próximo - mesmo que seja para proporcionar a este a saúde - são gravemente contrárias à virtude da religião. Essas práticas são ainda mais condenáveis quando acompanhadas de uma intenção de prejudicar a outrem, ou quando recorrem ou não à intervenção dos demônios. O uso de amuletos também é repreensível. O espiritismo implica freqüentemente práticas de adivinhação ou de magia. Por isso a Igreja adverte os fiéis a evitá-lo. O recurso aos assim chamados remédios tradicionais não legitima nem a invocação dos poderes maléficos nem a exploração da credulidade alheia.
      §2138 A superstição é um desvio do culto que rendemos ao verdadeiro Deus. Ela se mostra particularmente na idolatria, assim como nas diferentes formas de adivinhação e de magia.
      §1013 A morte é o fim da peregrinação terrestre do homem, do tempo de graça e de misericórdia que Deus lhe oferece para realizar sua vida terrestre segundo o projeto divino e para decidir seu destino último. Quando tiver terminado "o único curso de nossa vida terrestre", não voltaremos mais a outras vidas terrestres. "Os homens devem morrer uma só vez" (Hb 9,27). Não existe "reencarnação" depois da morte.
      §367 Por vezes ocorre que a alma aparece distinta do espírito. Assim, São Paulo ora para que nosso "ser inteiro, o espírito, a alma e o corpo", seja guardado irrepreensível na Vinda do Senhor (1 Ts 5,23). A Igreja ensina que esta distinção não introduz uma dualidade na alma. "Espírito" significa que o homem está ordenado desde a sua criação para seu fim sobrenatural, e que sua alma é capaz de ser elevada gratuitamente à comunhão com Deus.
      §1998 Esta vocação para a vida eterna é sobrenatural. Depende integralmente da iniciativa gratuita de Deus, pois apenas Ele pode se revelar e dar-se a si mesmo. Esta vocação ultrapassa as capacidades da inteligência e as forças da vontade do homem, como também de qualquer criatura.
      E finalmente:
      §2466 Em Jesus Cristo, a verdade de Deus se manifestou plenamente. "Cheio de graça e verdade, Ele é a "luz do mundo" (Jo 8,12), é a Verdade.".. para que aquele que crê em mim não permaneça nas trevas." O discípulo de Jesus "permanece em sua palavra" para conhecer "a verdade que liberta" (Jo 8,32) e santifica. Seguir a Jesus é viver do "Espírito da verdade" que o Pai envia em seu nome e conduz "à verdade plena" (Jo 16,13). Jesus ensina a seus discípulos o amor incondicional da verdade: "Seja o vosso 'sim', sim, e o vosso 'não', não" (Mt 5,37).

      Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
    2. Caríssimo Vitor, lembre-me de voltar a falar sobre este assunto, porque agora não me será possível aprofundar, mas gostaria de antemão de lhe recomendar a leitura de um belíssimo livro escrito pelo Cardeal Alexis Lépicier, intitulado "O Mundo Invisível" e republicado recentemente pela editora Molokai, à qual presto serviços como revisor. Se você se interessar em adquirir esta obra, talvez eu até obtenha algum desconto para você.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo e uma abençoada passagem de ano

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    3. Oi, Henrique. Mesmo não sendo Vítor, gostaria de lembrar-lhe, como você pediu, de aprofundar sobre o assunto por ele apresentado (até porque também tenho minhas dúvidas sobre ele).
      Sei que por enquanto você deve estar atarefado, mas estou comentando para que, quando puder, você possa nos esclarecer quanto aos ensinamentos da nossa Santa Madre Igreja sobre os lugares 'mal-assombrados'. A paz de NSJC!

      Excluir
    4. Caro Petrivalianici, no meu entender, os ensinamentos da Santa Madre Igreja acerca desses assuntos citados no meu comentário a luz do Catecismo, não deixam dúvidas. Agora, sobre os lugares ditos “mal assombrados”, a ciência explica que:
      “Está averiguado que os fenômenos de casas mal-assombradas não se devem a fatores transcendentais, mas, sim, ao psiquismo de uma ou mais pessoas que moram em tais casas ou as freqüentam. Tais pessoas trazem dentro de si um problema que as agita interiormente: são adolescentes ou jovens rejeitados por seus pais ou mal-sucedidos em seus estudos, em seu namoro, em seu trabalho... Tal situação gera em seu íntimo uma tempestade de sentimentos e afetos, tempestade que se exterioriza mediante a telergia, provocando a tempestade do respectivo ambiente (móveis que se deslocam, quadros que caem, lâmpadas que estouram...)”.

      Explica o Pe. Edvino Friederichs:

      "A telergia é, como todo fenômeno parapsicológico, um efeito de psicorragia. Quando há uma dissociação dos tecidos, o corpo começa a sangrar. Temos então a hemorragia. Quando há uma dissociação psíquica e escapam indevidamente nossas forças psíquicas, dizemos por analogia que há uma psicorragia. A telergia é um fenômeno de desagregação e liberação de forças motoras, plásticas... dirigidas pelo psiquismo" (Livro Casas Mal-Assombradas, p. 15).

      Uma vez retiradas da casa "infestada" essas pessoas angustiadas, a paz volta ao ambiente e cessa a "assombração". Esta explicação resulta da observação de numerosos casos que, entre outros, o parapsicólogo Pe. Edvino Friederichs colecionou em seu livro "Casas Mal-Assombradas. Fenômenos de Telergia" (Ed. Loyola)

      Para saber mais:
      http://www.pr.gonet.biz/index-read.php?num=451

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
    5. Obrigado, André. A paz de NSJC!

      Excluir
  11. Vou tentar ser menos explosivo como em meu último comentário, mas quando vejo um protestante vir a um site católico usando luvas de pelicas dizendo ser todo amável e pedindo respeito, mas, que em suas colocações já demonstra a mesma agressividade que vejo em sites e blogs protestantes, e ditos evangélicos que adoram baixar sarrafo na Igreja Católica e nos chamar a nós católicos de idolatras, o Papa de besta e a Igreja Católica de prostituta o tempo inteiro, não dá como aguentar e não perder a paciência.

    De tudo que você colocou Felipe só vou me até a penúltima frase:

    "Posso dizer, com algum grau de segurança, que a Igreja de Roma já mudou diversas vezes seu posicionamento oficial (que é o único que conta) em interpretações doutrinárias das mais diversas."

    Pois bem, o ônus da prova é de quem acusa, enquanto o senhor não trouxer um exemplo de um dogma que foi aprovado pela Igreja e depois a Igreja venho desaprova-la posteriormente, não escreverei mais nada.

    Mas repito novamente, tem que ser um dogma, não vale atos administrativos ou explicações teológicas temporárias ou até mesmo artigos do código de direito acanônico, que isto faz parte do governo ordinário da Igreja, extraordinário, somente com relação aos dogmas, e é com relação aos dogmas que tem que ser trazido um exemplo de que a Igreja algum dia proclamou um determinado dogma e depois voltou atrás.

    Fui claro?

    Sidnei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom Sidnei...
      Gostaria de que fosse citado um dogma ao qual a Igreja Católica tenha, depois, dele declinado!

      Excluir
  12. Chico Xavier era um SATANISTA DA PESADA, autêntico PAI-DE-SANTO, vozinha de anjo, porém, comportamento de dragão, disfarçando-se em cristão e enganou a muitos incautos católicos fazendo obras exteriores de caridade, que nada têm a ver como procedentes da verdadeira caridade ensinada por S Paulo, agapé, por ser espírita, portanto radical anti cristão, fora do Corpo de Cristo, O Qual é a sua Igreja, mas se passaria por católico!
    Aliás, não existe espírita católico, mas espírita que se diz católico!
    O espiritismo é uma doutrina relativista e rigidamente condenada pela Igreja, por invalidar o Sacrificio Único de Jesus Cristo na cruz por o espiritismo admitir a teoria do reencarnacionismo, auto-purificação, portanto invalida a plena salvação pelos méritos salvíficos de Jesus para seus discípulos, de uma vez por todas!
    Aqui a Igreja condena a reencarnação, dentre mais:
    "Está escrito que todos hão de morrer uma só vez depois de que segue-se o juízo Hb 9,27.
    Jesus disse na cruz a um dos ladrões que com ele estava sendo idem crucificado: hoje estarás comigo no paraíso!
    Sob o espiritismo está comprometida a existencia do inferno, que é dogma de fé, portanto com varias mais radicais diferenças, é impossível se conciliarem as 2 doutrinas!
    As vozes de falecidos que os médiuns invocam para se apresentarem e se ouviriam em centros espíritas de diversas facções espíritas afirmativamente são do diabo que fala como se fosse a pessoa, e sempre diz que "está bem"...
    O diabo é muito mais esperto que se imagina e sabe enganar as pessoas, de acordo com cada uma, pois é um espírito muito inteligente, conhece nossas inclinações e pontos fracos e sabe de como tapear a cada um em sua particularidade, apenas não ama!
    Umbanda, candomblé, tarô, quiromancia, kardecismo seitas orientais e mais ocultismos, e varios nomes de esoterismos são dos mesmos tipos de diabolismo, cada um de uma forma!
    Procurar supostas ajudas nesses locais satanistas, além de gravíssimo pecado, é comprovar sua falta de fé nos poderes de Jesus e de sua Igreja, sendo pedir ajuda e conselhos ao diabo em seus locais prediletos!

    ResponderExcluir
  13. E como a igreja católica responde a questão de alguns santos terem visões,que as outras pessoas não têm?Não é pela mediunidade que elas tiveram essas visões?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simplesmente leia o texto, Willian, item 3, que responde exatamente esta sua pergunta.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  14. Paz e bem! Uma pergunta: Sou Católico, professo minha fé e tenho uma página de evangelização,porém me surgiu uma dúvida.Li em um site Católico, que São Pio de Pietrelcina viu algumas vezes almas que seriam do purgatório pedindo oração, vinham em sua procura,e as vezes ele só percebia que eram almas depois delas terem ido embora. Li também que certa feita uma alma apareceu pedindo oração e no outro dia ele rezou por ela e a mesma foi liberta do purgatório. Não procede?

    ResponderExcluir
  15. Olá, meus irmãos! Gostaria de tirar uma dúvida e ficaria muito agradecido se alguém pudesse me responder. Tenho um amigo espírita que me enviou um texto afirmando que a Igreja Católica Apostólica Romana aceitava a reencarnação até o ano 553 da nossa era e cita como referência o livro "ANALISANDO AS TRADUÇÕES BÍBLICAS" de Celestino Severino da Silva. Minha dúvida é saber o por que disso, se é que é verdade.Desde já agradeço.
    Paz, bênção e proteção Divina a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É claro que se trata de uma ridícula mentira, Daniel. Esses tais "autores" espíritas são incrivelmente desonestos. Para que um sujeito supostamente culto chegue ao ponto de elaborar um "artigo" defendendo que a Igreja Católica algum dia "aceitou a reencarnação", é preciso uma dose de falsidade intelectual realmente cavalar. São falsários e, coloquialmente falando, grandes caras de pau.

      Bem, esta é daquelas tolices que, de tão absurdas, fica difícil saber por onde começar a destruí-la. Vamos lá...

      Em primeiro lugar, cabe a quem afirma alguma coisa provar o que está dizendo, não é verdade? É o que se chama, em Direito, "ônus da prova": a pessoa responsável por uma determinada afirmação é aquela que deve oferecer as provas necessárias para sustentá-la. O seu amigo mal informado poderia começar mostrando onde é que as Sagradas Escrituras, ou mesmo qualquer livro cristão apócrifo da antiguidade, ou qualquer documento antigo do Magistério da Igreja, faz qualquer menção à ideia da reencarnação.

      Claro que essa suposta lei espiritual, que para os espíritas é a lei divina magna, a maneira pela qual se exerce a Justiça divina e a mais importante das regras, deveria estar bem clara na mensagem do Evangelho e nas cartas dos Apóstolos. Mas está lá? Não. Nada, nem uma linha sobre isso, ao contrário. O que a Bíblia diz, com toda clareza, é: "Aos homens está destinado a morrer uma vez, vindo depois disso o Juízo" (Hb 9,27).

      Mais do que isso, se fosse verdade que, em algum momento da História, o reencarnacionismo tivesse integrado a Doutrina cristã, e que depois tivesse sido banido por questões políticas (pelo que sei, a lorota é essa), onde estão as evidências documentais históricas?

      Ora, todas as teorias que um dia estiveram presentes na Igreja, todas as ideias que foram, em algum momento, propostas no seio da Igreja, estão devidamente documentadas; todas chegaram ao nosso conhecimento. A Igreja nunca tenteou ocultar, "varrer" as falsas interpretações para "baixo do tapete". Ao contrário, sempre fez questão de proclamá-las para explicá-las, justamente para denunciar o erro e como e porque são falsas. Esta é própria a história dos dogmas; é por causa das heresias que os dogmas são necessários.

      Entre muitas outras doutrinas heréticas no seio da Igreja houve o arianismo, o montanismo, o donatismo, o catarismo, depois a sola fide, sola Scriptura... Todas estas foram devidamente discutidas e depois descartadas pelo sagrado Magistério. Todas foram registradas, todas constam de documentos eclesiais.

      Será mesmo que somente a heresia do reencarnacionismo passaria assim, totalmente em branco, sem deixar nenhum vestígio, nenhum rastro, nenhuma menção na história da Igreja? Será que somente esses autores contemporâneos são os únicos "gênios" que descobriram tal bombástica realidade?

      Ou será que essa grande conspiração existiu apenas na imaginação de meia dúzia de celerados, que querem legitimar o espiritismo a todo custo? Se era mesmo tão vasta a crença e a aceitação da reencarnação, como passou tão desapercebida na História, já que todas as outras heresias, cada qual, marcou a sua época?

      Por outro lado, poderia se dizer que o reencarnacionismo nunca foi considerado uma heresia a ser combatida. Pois bem. Nesse caso, por que simplesmente não sobreviveu, em absolutamente nenhum autor, nenhuma ordem, nenhuma congregação católica genuína? Por que não compõe a nossa doutrina, hoje?

      É claro e evidente que o reencarnacionismo nunca, jamais pertenceu ao núcleo da fé cristã, que sempre foi, desde sempre, fundamentado na Ressurreição de Nosso Senhor.

      Publicamos alguns artigos sobre espiritismo por aqui. Eu sugeriria a leitura de um específico, que você pode encontrar no endereço abaixo:

      http://ofielcatolico.com.br/2006/06/historia-e-implicacoes-da-teoria-da.html


      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Muito obrigado pela atenção, resposta e referência, Henrique. Que o Divino Espírito Santo continue lhe guiando.

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail