Os 'podres' da Igreja


RECEBEMOS DE UM (ou de alguns) leitor(es) anônimo(s) algumas mensagens breves e repetidas, ligeiramente diferentes entre si mas com idêntico teor e conteúdo. Todas trazem as mesmas afirmações, que de fato já foram indiretamente respondidas por aqui, em diversas de nossas postagens. Em todo caso, reproduzimos abaixo uma destas mensagens, seguida de nossa resposta. Esperamos que nossas reflexões sejam de proveito para quem vier a lê-las.

Você vive dizendo que a igreja romana é a certa, mas tem muitos podres na sua igreja romana , na história da sua igreja nem se fala. Vc me diz que não tem podres na história da igreja romana? Não tem padre pedófilo, padre fornicador ? Entao Quem é vc pra falar alguma coisa? sigo evangélico com muito orgulho

Bem, anônimo, para começar esta conversa, devo dizer que logo de início talvez eu não seja a pessoa mais indicada para responder às suas perguntas, porque eu não conheço "igreja romana". Conheço e integro, com a Graça de Deus, a Igreja Católica Apostólica Romana. Na história desta, sim, posso afirmar que houve páginas e/ou atos "podres" – para usar a sua expressão – começando pelo de Judas, que traiu o Senhor, o de Pedro, que o negou por três vezes, e o de Tomé, que depois de conviver longo tempo com o Cristo, mesmo assim não pôde crer na sua Ressurreição antes de tocar as suas santas chagas. Poderia somar a estes exemplos o de todos os outros Apóstolos, exceto João, que fugiram para salvar as próprias peles quando Jesus foi preso. Então, os homens que integram a Igreja, desde o começo, sempre foram imperfeitos, falhos, fracos, pecadores. Nenhum problema em admitir isso.

Nada disso, porém, afeta a santidade e a pureza da imaculada Esposa de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a mesma Igreja. "Podres" no correr de sua história, sim, sempre existiram e continuam existindo, partindo de alguns de seus filhos ingratos e traidores. Podres ou manchas na própria Igreja, em sentido absoluto, não. Nenhum sequer.

Ocorre que "a Igreja é, aos olhos da fé, indefectivelmente (infalivelmente) santa. Unida a Cristo, é santificada por Ele e nEle se torna também santificante” (conf. const. Lumen Gentium n.39 / CIC §823-824).

E aqui você provavelmente estará se perguntando se esses tais olhos da fé precisam de óculos, ou se estarão totalmente cegos... Se a Igreja é santa, porque então ouvimos dizer de tantos escândalos e graves pecados envolvendo padres e bispos? Entenderá você que, se aos olhos da fé a Igreja não falha, então esses olhos devem estar precisando urgentemente de um oftalmologista! A verdade, porém, é o exato oposto desta impressão superficial. Não é que os olhos da fé não vejam bem; de fato, os olhos da fé vêem muito além das aparências, e enxergam que a Igreja é a continuidade da Encarnação do Cristo neste mundo. É por isso que ela não se desvia do seu Caminho, não naufraga, não se perde, ainda que muitos dos seus membros se desviem e se percam. O Espírito Santo a assiste, e mesmo com tantos pecados de filhos traidores, ela permanece fiel à sua missão e cumprindo plenamente o seu propósito.

É por meio da Igreja que nós chegamos à salvação, já que é por meio dela que temos acesso a todos os Sacramentos, desde o Batismo (porta de entrada para a vida cristã), a Comunhão no Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo (na sagrada e preciosa Eucaristia) e o perdão dos nossos pecados (pela Confissão, Penitência e Reconciliação), como Ele também determinou, dizendo aos primeiros pastores desta mesma Igreja una e indivisível: "Os pecados que perdoardes serão perdoados, e os que retiverdes serão retidos" (Jo 20,22-23).

É somente na Igreja –, sendo membros da Igreja –, que podemos ser cristãos de fato. A Igreja, então, continua cumprindo fielmente a sua missão, continua sendo fiel Esposa de Cristo, nos santos da Terra e nos do Céu, em perfeita Comunhão com Deus Pai, Filho e Espírito Santo.

Assim, por mais bobagens ou mesmo barbaridades que alguns filhos da Igreja cometam, por mais pecados que acumulem, a autêntica Igreja continua pura e sendo divinamente conduzida. Ora, a Igreja não pode ser julgada a partir dos seus traidores, e sim a partir daqueles que lhe são fiéis. Isso não é óbvio? 

Vou deixar aqui uma comparação muito simples, para facilitar a compreensão: imagine um time de futebol do qual um dos jogadores aceitou suborno para entregar a final do campeonato à equipe rival. Seja este jogador o goleiro ou o atacante principal, o responsável pela armação das jogadas ou um zagueiro, de qualquer jeito ele vai ter muitas oportunidades, durante a partida, para facilitar a vitória do time adversário. Certo. O seu time perde, e depois se descobre a falcatrua e a traição deste jogador vendido. Pois bem: será que este jogador infiel, vendido e traidor, representa aquele time? Poderia ele servir como exemplo daquela equipe de atletas? Se pedissem ao treinador que apontasse um jogador para simbolizar aquela equipe, será que ele escolheria o traidor? E se perguntassem ao patrocinador do time, ao diretor ou a algum membro da torcida? Será que alguém escolheria o traidor para ser o símbolo da equipe, o atleta que representaria "o espírito" dessa agremiação esportiva?

Claro que não. Só poderia representar o time um atleta que fosse dedicado, comprometido, um que tenha honrado sua camisa, que tenha sido fiel ao escudo no seu peito. Do mesmo modo, se você quer saber o que é a Igreja, não pode olhar para o padre acusado de pedofilia. Você deve olhar para Francisco de Assis, Vicente de Paulo, João Maria Vianney, Maximiliano Maria Kolbe, Filipe Neri, Pio de Pietrelcina, Gianna Beretta Molla, Madre Teresa de Calcutá, Irmã Dulce dos Pobres, etc, etc, etc... Você deve olhar para o exemplo de Pedro e de todos os Apóstolos (atenção) depois de Pentecostes, quando foram batizados no Espírito Santo e se tornaram de fato santos. Você deve olhar para São Paulo Apóstolo, para a Santíssima Virgem Maria, etc, etc, etc... São estes que representam a Igreja Católica Apostólica Romana.

São os milhões de santos da Igreja, canonizados ou anônimos, os do Céu e os da Terra, que a representam, simplesmente porque são estes que fizeram e fazem o que a Igreja manda fazer. São estes que a honram e lhe são fiéis. Os que a desobedecem, os que a traem, não podem de modo algum representá-la. Simples, não é?

Encerro deixando meus agradecimentos a todos os leitores anônimos que procuram me fazer perguntas embaraçosas e me dão a oportunidade para esclarecer as dúvidas daqueles que realmente querem aprender as coisas da fé. Todos vocês têm as minhas frequentes orações.

Henrique Sebastião
ofielcatolico.com.br

16 comentários:

  1. Adorei sua resposta. Faço minhas as suas palavras. Deus o abençoe sempre.

    ResponderExcluir
  2. Como diz Paulo na carta aos Filipenses:"...muitos buscam seus próprios interesses e não os de Jesus Cristo"(Fl 2, 21). Um bom exemplos disso, são os fundadores de "igrejas evangélicas". Se esses homens buscassem os interesses de Jesus Cristo e não os seus próprios, cumpririam a vontade de Jesus que orou pela UNIDADE PERFEITA dos discípulos(Jo 17,21-23). Ao invés disso, agem como verdadeiros lobos que "atacam o rebanho e dispersam as ovelhas"(Jo 10,12). A Igreja una e indivisível é o campo de Deus no mundo. Infelizmente o inimigo tem semeado em meio ao trigo alguns joios, como declara Jesus na parábola do joio e do trigo(Mt 13,24-30).

    PAZ E BEM!!!

    ResponderExcluir
  3. Excelente!!!

    Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.
    ¶ Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo.
    Mas faço-vos saber, irmãos, que o evangelho que por mim foi anunciado não é segundo os homens.
    Porque não o recebi, nem aprendi de homem algum, mas pela revelação de Jesus Cristo.

    Gálatas 1:9-12

    ResponderExcluir
  4. Desculpe a expressão, mas nao encontro outra para comentar: "matou a pau", a sua resposta é indiscutível.
    Parabéns!!!!
    Marcelo

    ResponderExcluir
  5. Excelente resposta!!!
    Agradeço a Deus por ter nascido em berço catolico, cuja fe quero viver eternamente...
    Parabenizo ao blog, do qual sou leitora assidua, por valiosas informaçoes e artigos.
    Que o Senhor vos abençoe sempre para q continuem na missao de evangelizar.
    Andressa

    ResponderExcluir
  6. Que o Espirito Santo lhe ilumine sempre e coloque em sua mente a sabedoria e a motivacao continua para contribuir com promulgacao da verdade da igreja de Cristo.

    ResponderExcluir
  7. Excelente resposta.Protestantes tentaram várias vezes me desviar da verdadeira Igreja de Cristo.Continuo nela não pelo exemplo dos impostores que querem destruí-la através de seu péssimo exemplo.Estou unicamente por CRISTO e sua revelação.Sou católico apostólico romano e nenhum demônio com sua astúcia e sutileza irá conseguir me arrastar para a perdição eterna nas profundezas do inferno.Não pode haver esse entendimento relativista:EMBLEMA DE IGREJA.Isso é uma cilada.
    Jesus te abençoe e o Espírito Santo te inspire. O Deus todo poderoso te recompensará na glória eterna com os santos e anjos e a nossa co - redentora a virgem Maria Santíssima. AMÉM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc já está na perdição eterna ao aceitar e praticar os dogmas antiristãos que o concílio de Trento impõe aos seus fiéis sob pena de 125 maldições!

      Excluir
    2. Anticristão é tentar adivinhar quem está ou não na perdição eterna antes da morte dessa pessoa, Moysés. Anticristão é o "deus" protestante de Lutero, que chama Cristo de adúltero e estúpido, como revelado no livro "Conversas à Mesa". Esse falso deus, que não é um só senhor de uma só fé com um só batismo e, portanto,estimula a divisão, foi combatido no Concílio de Trento. Espero que você não mais sirva a esse deus e adore o Único e Verdadeiro, Nosso Senhor Jesus Cristo, na Sua Santa Igreja, Coluna e Sustentáculo da Verdade (1Tm 3,15). A paz de NSJC!

      Excluir
  8. Sempre farei parte da verdadeira Igreja de Jesus Cristo.Nunca tive dúvidas acerca desta escolha.Deus não se interessa por números.ele nos criou a sua imagem e semelhança por amor e não porque se sentia sozinho.São poucas as pessoas verdadeiramente católicas.Mas o importante é que fazemos parte de um seleto grupo que conseguimos entender e acolher esta maravilhosa verdade.Jesus o abençoe.

    Washington.

    ResponderExcluir
  9. É maravilhoso fazer parte da única Igreja que Jesus deixou. E é gratificante poder receber instruções tão sábias.

    ResponderExcluir
  10. Fico muito feliz de ver que existem católicos tão fervorosos ainda, quando vivemos numa sociedade tão estúpida,ignorante e soberba, características típicas de protestantes, e que não tem a capacidade de entender como contamos o tempo ainda, negam a história e os fatos, como querem saber ou interpretar alguma coisa se não sabem que Jesus Cristo nasceu à 2015 anos atrás. Pelo menos é o que eu vejo na minha cidade.

    ResponderExcluir
  11. A santidade da Igreja Católica Apostólica Romana, não está em função da moral de nenhum de seus filhos e sim em Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  12. Gostei imenso. Glórias sejam dadas à Deus por este blog que inclusive mudou minha vida. Há 18 meses que frequento este blog quase diariamente. Que o Senhor aumente mais e mais as graças para continuidade e expansão destes blogs em todo o mundo.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail