O problema da Igreja Católica são os próprios católicos

Por Felipe Marques – Fraternidade São Próspero


[Se você tem certeza de que já é santo e vive perfeitamente a vida cristã, se considera que está 'salvo' ou se pensa que, por ser Deus amor, então não é preciso aperfeiçoar-se e nem buscar o crescimento espiritual, não leia este artigo: ele contém exortações que não servem para você]

TALVEZ O TÍTULO desse artigo escandalize alguns dos leitores; talvez alguns queiram lê-lo somente por curiosidade; enfim, esse artigo é direcionado às pessoas de boa vontade, católicos acomodados ou que pensam estar em um alto grau de santidade e que por nutrir pensamentos como este, não se dão conta dos perigos do orgulho e da vaidade.

Afirma-se, acertadamente, que aquele que diz: “Eu sou humilde”, já demonstrou, da forma mais clara e direta possível, que não é o que diz ser! Como ensina São Paulo: “Portanto, quem pensa estar de pé veja que não caia” (I Cor 10, 12).

Você católico, nunca perca de vista que todos nós somos pó e que ao pó voltaremos (Gn 3, 19). Essas afirmações são feitas logo de início, porque hodiernamente uma das coisas mais fáceis de encontrar – principalmente nas redes sociais – é o julgamento desmedido e injusto [que fique bem claro aqui: não sou o que chamam “católico jujuba” e não defendo a postura "politicamente correta"; visto que se eu o fosse, nem esse texto seria escrito e nem eu seria católico].

Retomando: o julgamento injusto lançado aos quatro ventos sem objetivo de frutificação nem intenção de ganhar o irmão para Cristo (Mt 18, 15) é uma das infelizes realidades que devemos combater, e resulta muitas vezes do orgulho. Hoje, talvez muito mais do que antigamente, é preciso ser humilde.

Não é minha intenção censurar a correção fraterna, muito menos a divulgação de notícias verdadeiras e que podem ajudar muitos fieis a não serem enganados. A intenção aqui é que você, católico, deixe de ser um hipócrita sem-vergonha, ou que pelo menos lute contra isso! Não quero que você feche os olhos para os problemas no mundo, mas que abra-os com mais vigor para os problemas dentro de você. Pois, é muito fácil levantar bandeiras contra o aborto, e no fim de semana continuar dormindo com a namorada; ou continuar assistindo pornografia; continuar com a masturbação e a impureza; continuar com as fofocas... Concluindo: é fácil se preocupar somente com as atitudes externas e esquecer-se da vida interior! Esquecer-se que antes de converter alguém, você precisa se converter.

Lutar contra o aborto, por exemplo, é algo bom e um dever do católico, assim como lutar contra a injustiça e contra as drogas; essas atitudes devem ser motivadas – essas atitudes são boas e eu as apoio – entretanto, de nada vale preocupar-se somente com aquilo que é externo (por mais importante que seja) e deixar a própria alma perder-se e/ou tornar-se embotada pelo pecado. Você tem dúvida disso? Ora, veja o que o próprio Cristo ensina: “Pois que aproveitará ao homem ganhar o mundo inteiro, se vier a perder a sua vida (alma)? ” (Mc 8, 36)

Não adianta, em sua presunção e vaidade, pensar que você vai conquistar o mundo inteiro para Cristo, se você é incapaz de lutar para conquistar a si mesmo. É óbvio que ninguém pode dar a outrem aquilo que não possui. Logo, como você quer dar-se ao Senhor Jesus, que ensina que devemos amá-Lo de todo coração, com toda alma, com todo entendimento e com todas as forças (Lc 10, 27) se você não é, sequer, senhor de si?

Você é escravo dos mais absurdos pecados e mesmo assim ousa ainda levantar-se contra a Igreja Católica, contra os seus santos ensinamentos e contra aqueles que lutam para ter uma vida santa? Realmente, o padre Francisco Faus estava mais que correto quando afirmou: "Nenhum de nós comete a tolice de dizer com a boca: 'Eu sou Deus', mas muitos de nós o dizemos com a vida…".

O problema da Igreja é você, que pensa da seguinte forma ou diz frases como as que seguem: “Sou católico, mas não concordo com tal coisa que a Igreja ensina...”; “Sou católico, mas não vivo a castidade...”; “Sou católico, mas continuo com os mesmos pecados de 'estimação'...”. Será que muitos não percebem que, justamente, o fato de não avançarem na vida em Cristo se deve aos “mas” que acrescentam logo depois de dizer: “Sou católico ”?

Pretendo que você, caro leitor, não pense que será fácil o caminho de santidade, pois lutar contra o pecado – contra o “homem velho” – é algo que deveremos fazer até a morte! Quero justamente que você saiba que deve lutar externamente e também interiormente sem “mas” e sem reservas. Ademais, para os católicos não há dicotomia nessas duas realidades. Você não é católico apenas no domingo; é necessário ter uma Unidade de vida que, por refletir Cristo que habita em cada cristão, deverá iluminar o seu trabalho, os seus estudos e a sua família.

Não desanime! Nunca desista de lutar contra os inimigos do mundo e nunca desista de lutar contra aquilo de mundano que há em você! Aprofunde-se na Doutrina católica, reze mais, busque intimidade com Deus, clame pela ajuda da Santíssima Virgem, lute para ser obediente ao que a Madre Igreja ensina, vá se confessar com mais frequência... É certo que nem todas batalhas serão vencidas, mas, diante de Deus, seremos cobrados pelas cicatrizes da luta! Devemos fazer violência, sim! Porém, violência contra nós mesmos, pois “desde a época de João Batista até o presente, o Reino dos Céus é arrebatado à força, e são os violentos que o conquistam” (Mt 11,12).

É muito fácil falar que a catequese é uma porcaria, que a liturgia é pessimamente celebrada, que muitos se perdem por falta de conhecimento... Fazendo isso do conforto do seu sofá! Quando o Papa Bento XVI reinava, muitos tentavam apontar diversos problemas em seu pontificado e na forma como ele conduzia o Rebanho; hoje, o Papa Francisco também recebe esses apontamentos e a pergunta que me faço é: será que todos os que acusam os erros alheios estão também acusando os próprios erros? Estão acusando-se a si mesmos? Óbvio que é muito cômodo vigiar os demais, quando na realidade deveríamos estar vigiando a nós mesmos. Apontar para si mesmo e para os próprios erros deve provocar em cada pessoa uma mudança para melhor, uma correção, e isso dói. Não querer mudar é a razão de muitos evitarem o autoconhecimento.

Não tenha medo de clamar a Deus o perdão, não tenha vergonha de humilhar-se diante d’Aquele que É (Ex 3, 14), e pedir ajuda para mudar, pois você é um miserável e a justiça começa quando o homem se reconhece miserável e acusa-se a si mesmo. Todas as ameaças que a Igreja sofre por parte dos muçulmanos, dos comunistas e dos globalistas não prevalecerão se os católicos sempre lutarem por santidade; como consequência dessa luta interior, esses mesmos católicos irão naturalmente lutar contra as ameaças exteriores. Porém, se os católicos continuam obstinados no pecado, a vitória tardará cada vez mais! Mesmo com os pecados dos fiéis, jamais perca a esperança na Igreja De Cristo, e nisso o papa Bento XVI nos ajuda e muito com a seguinte frase: “O mal fará sempre parte da Igreja. Aliás, se se considera tudo o que os homens – e o clero – fizeram na Igreja, isso se transforma numa prova a mais de que é Cristo que sustenta e que fundou a Igreja. Se dependesse somente dos homens, ela já teria afundado há muito tempo!”[1].

Que sua confiança não esteja nos homens; muito menos em si mesmo! Confie em Jesus Cristo, ora et labora, lute sempre por santidade e você estará verdadeiramente ajudando a Igreja Católica. Que seu exterior seja um resultado da sua vida interior com Cristo, e não o contrário! Que você possa amar o Senhor de fato, rasgando seu coração e não as suas vestes (Jl 2, 13) e que ao cair e distanciar-se devido ao pecado, volte todas as vezes para casa, como fez o filho pródigo!

Munda cor meum ac lábia mea, omnípotens Deus!

_____
1. Em entrevista concedida ao jornalista Peter Seewald no livro 'Luce del mondo. Il Papa, la Chiesa e i segni dei tempi', em 2010.

www.ofielcatolico.com.br

31 comentários:

  1. Esse texto é um verdadeiro "tapa na MINHA cara" de católico. Todo(a) católico(a) deveria ler. Parabéns, pelas colocações do autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sílvio, muito obrigado MESMO pelas palavras. Isso nos ajuda muito no nosso apostolado, visto que tudo é feito por Cristo, em prol da salvação das almas.

      Excluir
    2. Igualmente Sílvio, bom para nossa reflexão.
      Fique com DEUS

      Excluir
  2. Todos os adjetivos de qualidades a este artigo. Parabéns...! Quando olhei a advertência aceitei como se fosse para mim. Pois sou apenas pó, de minha natureza não sai nada de bom. Quando faço alguma coisa louvável é somente pela graça de Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa frase é uma das minhas preferidas: sou bom apenas em fazer aquilo que é contrário a Deus. Se algo de bom saiu de mim, com certeza foi o próprio Deus que o fez independente da incapacidade de Sua ferramenta (no caso, nós). O Senhor nos capacita! Sejamos Santos.

      Excluir
  3. Exortações mais que necessárias. Há milhões de católicos do IBGE que estão realmente longe do Senhor, pois como bem disse, "me honram com os lábios" (Mt 15, 8). Devemos nos esforçar ao máximo para cumprir os mandamentos de Cristo e de Sua santa Igreja, pois não passamos de servos inúteis; fazemos o que devíamos fazer (Lc 17, 10).

    Esio Firmino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belas colocações. De fato, muitos (inclusive nós, diversas vezes) infelizmente só honramos a Deus com os lábios. Sejamos Santos de verdade, louvando a Deus com cada ação, pensamento e retificando as intenções. Obrigado pelo comentário

      Excluir
  4. "Não adianta, em sua presunção e vaidade, pensar que você vai conquistar o mundo inteiro para Cristo, se você é incapaz de lutar para conquistar a si mesmo. É óbvio que ninguém pode dar a outrem aquilo que não possui. Logo, como você quer dar-se ao Senhor Jesus, que ensina que devemos amá-Lo de todo coração, com toda alma, com todo entendimento e com todas as forças (Lc 10, 27) se você não é, sequer, senhor de si?"
    Esse trecho me tocou muito, e realmente era a resposta que eu estava precisando do Senhor. Sempre me perguntei sobre como converter minha família sendo que eu nem havia tido uma conversão completa! E embora sempre tivesse a consciência de que não sou nada, sempre me intrigava sobre como conseguir levar a Deus aos outros, até que percebi que não o tinha no meu coração de verdade. Não me considero santo, nem muito menos salvo (pois ainda não morri nem sou protestante calvinista), e nunca critiquei os fiéis santos que vivem perfeitamente a castidade e a Santa Madre Igreja, não sendo o que o post chama de 'o problema da Igreja', mas sou sim um mísero pecador que necessita de uma verdadeira conversão interior, e perante Deus não sou nada. Obrigado por me fazerem acordar para o que falei antes e que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, louvado seja Deus por você não ser calvinista! Que alegria ler esse comentário, pois, a intenção é justamente essa! Que possamos morrer para o pecado e viver com Cristo, viver uma vida nova. Sem Ele é impossível converter-se ou converter alguém. Obrigado pelo comentário e reze por nós, por favor.

      Excluir
  5. Nossa! esse texto foi um verdadeiro despertar para me. Parabéns pela postagem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonio, muito obrigado! Peço que reze por nós, precisamos de muitas orações. Que o bom Deus tenha misericórdia de nós, míseros pecadores, indignos de tantas mercês que Ele nos confere. Continue nos acompanhando, por favor!

      Excluir
  6. O que dizer... A Cada texto publicado você se aperfeiçoa mais!
    Sempre com as palavras certas mas horas certas. Esse texto deveria ser lido por todos os católicos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yasmin, minha irmã... Nem tenho palavras para expressar a gratidão pelo seu comentário. Eu sou bom somente em fazer aquilo que é contrário ao que Deus quer. Se fiz algo de bom, na realidade, foi Deus quem fez por mim; entretanto, se fiz algo de ruim, isso sim foi culpa minha. De Deus vem somente nossa salvação! Obrigado.

      Excluir
  7. Muito bom o texto parece ter sido escrito para mim, fico feliz em ter conhecido Cristo,
    deus abençoe irmãos cada vez mais em sabedoria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Willyam, meu irmão em Cristo, a felicidade de ver um trabalho resultando em bom fruto na vida de alguém é algo inexplicável. Agradeço de coração pela atenção e pelo carinho, peço suas orações e peço que todos continuem acompanhando esse apostolado. Nós trabalhamos por Cristo para que mais pessoas, como você, possam conhecer Jesus de verdade.

      Excluir
  8. Este texto é uma sabre, uma espada que trespassa até a alma. Sacudiu-me e creio que sacudira mais gente que o ler.Faz-nos entrar dentro de nós e nos inquirirmos, contrariamente ao que somos, sempre vendo o exterior(pecados dos outros) e esquecendo o nosso interior.

    Peço a cada irmão aqui, a divulgar Este texto em todos os grupos das suas redes sociais. Eu já fiz a minha parte, divulguei o quanto pude.

    Pessoa que o escreveu fe-lo com a inspiracao do Santo Espírito para nos ajudar na nossa salvação. Obrigado meu Deus por colocares Homens e Mulheres que nos recordam os caminhos da salvação quando é necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alcidio, todos os comentários dessa publicação estão me fazendo ver, cada vez mais, que tudo é possível para Deus. Veja, miserável que sou, como poderia sair algo de bom de minha pessoa? Somente Deus mesmo para fazer grandes obras utilizando-se de instrumentos 'rotos', quebrados, defeituosos como eu. Obrigado pelo seu comentário, por favor, continue acompanhando nosso apostolado e rezando por esse miserável que vos escreve agora.

      Excluir
  9. Absolutamente magnífico. Obrigado por tão sublime texto. Glorificado seja o nome do Senhor por esse apostolado. Ser católico deve ser uma luta diária contra si mesmo, uma batalha que envolve renúncia, oblação, obediência e oração. Algo extremamente difícil...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Duddu, muito obrigado! Realmente, você lembrou bem que 'a vida do homem sobre a terra é uma milícia, uma luta' como ensina Jó. Mas é uma luta que, como ensinava o venerável Fulton Sheen: vale a pena ser vivida. Glorificado seja Deus também pela sua vida! Sempre tenha em mente que somos um campo de batalha, se acordarmos algum dia sem isso em mente, já estaremos perdendo. Renúncia, oblacao, obediência e oração! Ótimas afirmações, obrigado novamente e continue nos acompanhando. Reze por nós!

      Excluir
  10. PARABÉNS PELA LUCIDEZ!!! UMA DAS MELHORES COISAS QUE JÁ LI.
    ÓSCULO DA PAZ
    URBANO MEDEIROS, maestro sacro em MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Urbano, muito obrigado. Tenho ótimos amigos em MG.

      Excluir
  11. Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Sou Alcídio António Tsenane de Moçambique. Trago pedido de ideias dos irmãos.

    Um baptizado e crismando,agora com 35 anos de idade vive um dilema e precisa de ajuda.

    Infelizmente em certo momento levou vida de pecado, juntou-se com uma moça e juntos tem 5 filhos. O jovem acordou, agora vive intensamente a fé há 3 anos, entregou -se e é catequista. Digamos,um renascido na fé. Sente muita falta do alimento espiritual, a eucaristia. Deseja contrair o sacramento do matrimônio para regularização da situação, mas agora nao pode porque está arrastando a relação com esta mulher. Se ainda estão juntos é por causa dos filhos,isto há 3 anos.
    Qual é problema? A mulher, segundo ele tem falta de respeito. Não reconhece quando erra, nunca se desculpa por nada, é muito teimosa, sempre discute com o marido mesmo sem razão. Para ela sempre a culpa é dos outros e em tudo o que faz não quer aceitar opinião do marido, suas advertências, regras nem gostos. Não sabe obedecer mesmo quando deve, tudo terminando em briga.

    O jovem entende o que é matrimônio, que é um sacramento para toda a vida a dois. Agora refere que não sabe se ainda ama a ela ou não porque há uma mistura de sentimentos, de arrependimento por se ter juntado com ela. Como podera jurar amar alguém com aquelas atitudes? Não sente alegria em ir ao altar com ela, mas também sente o peso da responsabilidade de abandona-la por causa dos folhos e escândalo que isso poderia causar. Sente-se meio preso.

    Refere reiteradamente que sente falta dos sacramentos, teme morrer sem arrependimento na confissão, sente falta de Cristo na eucaristia e há tarefas que na Igreja nao pode participar porque vive em estado de pecado grave, União ilegítima.

    Irmãos, quais seriam nossas palavras para este homem?

    Se alguém poder ajudar, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão, obrigado por recorrer a nós. Reze muito e veja os artigos que vou enviar aqui. Talvez ajude

      Excluir
    2. https://padrepauloricardo.org/episodios/estou-condenado-a-viver-sozinho

      Excluir
    3. https://padrepauloricardo.org/blog/para-receber-a-comunhao-meus-pais-viveram-como-irmaos-por-25-anos

      Excluir
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  12. sinceramente parece estou em uma guerra, vou a missa todos os domingos leio vários artigos católicos, compro livros para aprender cada vez mais a doutrina defendo a igreja exortando algumas pessoas faço parte de pastoral,mas sempre estou caindo em pecado. uma coisa eu tenho certeza jamais vou deixar a igreja.

    ResponderExcluir
  13. É o que mais se vê e ouve: ir à missa por obrigação; até que parte da missa se pode chegar; vestimentas indignas; reclamações de tudo e de todos na Igreja; até onde se pode "ir no namoro", isso por que esse "IR" já está avançado há tempo; que não foi à missa no Domingo, por isso vai em qualquer outro dia; que foi no Grupo de Oração, por isso não vai na Missa; ou aquele padre não é ungido; que as crianças devem se sentir livres para bagunçar à vontade; que não comunga da mão de ministros Leigos; se a Missa da TV vale, se na verdade tá é acomodado/a pra ver seu outro programa favorito, menos missa; que não foi à missa porque foi passear, e não sabia onde era a Igreja. Tudo isso são escapatórias para justificar seu "catolicismo" água-com-açúcar, exigindo um Deus à sua imagem e semelhança, que faça suas vontades. E ainda, quando levam um tropeção na vida, ou morre um "santo" católico desse, quer uma missa especial, em horário especial, se o tal defunto nem sabia pra onde era virada a Igreja. São esses resquícios que temos até hoje, e cada vez de forma pior.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns!!
    Lidas palavras!
    Foi um verdadeiro "ACORDA PESSOAL"!!

    ResponderExcluir
  15. Alguma pessoa que infelismente não lembro o nome, escreveu: vc pode ser o único evangelho que os seus irmãos possam ler. Esta frase expressa bem a posição que o cristão deve assumir no cristianismo. Não podemos mais viver de qualquer jeito. Cristãos só de nome, acabam por comprometer seriamente a sua salvação e a dos outros, uma vez qua tornam-se com frequência pedras de tropeços. Não tenho nenhuma dúvida, que a falta de fé das pessoas, é por ver tantos cristãos que vivem mal a sua fé e adesão a igreja de Jesus Cristo. Temos que decidir de que lado vamos está, ou sejamos frios ou quentes, porque cristãos mornos, Jesus vomita. Que Deus nos abençoe. Parabéns pelo artigo!

    ResponderExcluir
  16. Como um católico que quero ser buscar o Sehor em todo momento de minha vida foi ótimo esse alerta, como Igreja que somos devemos agir como tal!!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail