O verdadeiro ecumenismo: urgências e desafios numa via de mão dupla


Os Papas Bento XVI e Francisco vêm mantendo frutuoso diálogo com o Patriarca Bartolomeu I de Constantinopla (Igreja Ortodoxa)

A PALAVRA "ECUMENISMO" sempre foi usada pela Igreja Católica com o sentido de uma reunião do conjunto dos bispos. Assim, um Concílio que reúna os bispos católicos do mundo todo é um concílio ecumênico, mesmo que seja uma reunião só de católicos.

Foi somente no final do século passado que a palavra "ecumenismo" passou a ser utilizada para definir um movimento surgido nos meios protestantes, buscando a reunião de todas as comunidades protestantes.

A Igreja Católica, há muito, deseja a unidade cristã, crendo que promover a reintegração de todos os cristãos na Unidade do Pai, do Filho e do Espírito Santo é de fato a Vontade de Nosso Senhor Jesus Cristo. A Igreja expressou essa vontade através do Concílio Vaticano II, no Decreto Unitatis Redintegratio (Roma, 1964), do qual consta o seguinte trecho:

"Todo aquele que crê em Cristo, mesmo que não pertença à Igreja Católica, encontra-se em algum tipo de Comunhão com a verdadeira Igreja. Não existe ecumenismo verdadeiro sem uma conversão interior, e a Igreja Católica é a plena depositária da Palavra e das graças divinas. As demais igrejas devem dela aproximar-se na Comunhão da graça."

Assim, embora a Igreja Católica tenha sido a única fundada por Cristo, e essa Igreja de Cristo tenha que ser Una ('Se um reino se dividir contra si mesmo, tal reino não pode subsistir', cf. Mc 3,24), é fato que existem hoje diversas denominações ditas cristãs, que professam a fé em Jesus Cristo como Deus, Senhor e Salvador, e a Igreja Católica busca, como sempre buscou, acolher e re-unir a todos. Ecumenismo é aproximação, cooperação, busca fraterna da superação das divisões entre católicos, ortodoxos e protestantes históricos (evidentemente, aqui dificilmente se incluem as seitas estapafúrdias que, embora pretendam professar a fé em Cristo, claramente renegam as bases mais elementares de sua doutrina). E a questão que fica, o problema a ser solucionado, sem dúvida é: como superar as (muitas vezes grandes e importantes) divisões?

O Concílio Vaticano II deseja que as iniciativas dos filhos da Igreja Católica progridam em conjunto com as iniciativas dos nossos irmãos separados. Todos nós somos chamados a viver a proposta do ecumenismo: todos juntos, ao menos nesse sentido um só povo, no Amor de Cristo. O Ecumenismo é um convite ao diálogo entre as Igrejas Cristãs, e a uma evangelização renovada.

As divisões contrariam a vontade de Cristo e sem nenhuma dúvida dificultam a cumprir o Mandamento pregação do Senhor, de levar o Evangelho a toda criatura (Mc 16,15). Eis aí apenas um dos motivos pelos quais a unidade cristã se faz urgente. Todavia, as dificuldades já começam acerca da própria palavra ecumenismo, gera confusão acerca do seu real significado. Eis o motivo pelo qual, muitas vezes, talvez seja preferível e certamente mais apropriado falar em "unidade cristã", do que falar em ecumenismo.

Ocorre que, popularmente (e equivocadamente) convencionou-se entender a palavra ecumenismo com o sentido de uma espécie de religião universal, global. Dá-se a entender que não importa em que se crê, desde que haja respeito mútuo. O ecumenismo religioso seria a reunião de todas as religiões, seitas e crenças, cristãs ou não. É por esse motivo que, embora o verdadeiro significado da palavra não seja este, convém evitar a confusão, optando pelo termo unidade cristã.

O outro aspecto importante a ser observado é que a Santa Igreja Católica, como vimos, sempre orientou à superação das divisões para a União em Cristo, nela mesma, a Santa Igreja diretamente instituída pelo Senhor e preservada na Tradição dos Apóstolos, e não haveria como ser diferente. Enquanto católicos, dizemos um sonoro e claro "não" à confusa ideia de união entre todas as crenças, à criação de uma nova religião supostamente universal, de uma "nova era" e uma nova "religião universal", mais parecida com uma seita holística. E nesse sentido estamos, ironicamente, bem próximos do pensamento dos líderes de outras grandes religiões, como por exemplo o Dalai Lama, autoridade máxima do budismo mundial, que em sua quarta visita ao Brasil (veja aqui) se declarou chocado por ver como tantos ocidentais se declaravam budistas apenas por "moda" (palavras dele), por considerarem uma religião exótica, de belos e misteriosos rituais, o que supostamente conferiria um "charme" diferenciado aos seus praticantes.

A Igreja Católica é, como diz o seu nome, universal, e desde sempre una, pois os cristãos desde a origem aderiram a uma só fé, num só SENHOR, um só batismo e uma só doutrina, para integrar um só Corpo, – o de Nosso Salvador Jesus, o Cristo. Em sentido absoluto e próprio, torna-se inegável que é a única Igreja realmente ecumênica, no sentido puro da palavra, pois permanece aberta a todos os homens e mulheres, de qualquer idade, de todos os povos, de todas as culturas e línguas, de todos os tempos, presente em todos os continentes, entre todas as nações. É a única Igreja autêntica, por sua origem Divina; por tudo isso é que nós, católicos, jamais devemos temer "ofender" alguém ao proclamar estas simples verdades. Entre manter (forçadas) boas relações sociais com todos e confessar a Verdade, todo cristão precisa saber fazer, sem medo, a segunda opção.

Além de tudo, lamentavelmente, existe a necessidade urgente de se superarem as divisões dentro da própria Igreja Católica, e este talvez seja o maior dos desafios: A falta de união entre católicos parece ser o fator que mais enfraquece a Igreja e fomenta a apostasia em nossos tempos. A esse propósito, declara o Secretário da Conferência Episcopal Espanhola, Pe. Juan Antonio Martinez Camiño:

"A comunhão na Igreja tem hoje dois desafios: viver um ecumenismo intra-católico e uma comunhão nos seus conteúdos. Necessitamos de um ecumenismo intra-católico e uma aceitação cordial de todos naquilo que é fundamental à nossa fé, pois é nossa União a Deus em Cristo, por meio do seu Espírito, que nos anima e põe a todos e a cada um, segundo nosso estado, em pé de evangelização. Necessitamos realmente da comunhão na caridade entre os distintos grupos eclesiais. Sem esse testemunho de Unidade é difícil a evangelização e o testemunho cristão. O segundo nível da comunhão de que necessita a Igreja é a comunhão nos conteúdos, na Mensagem, na Doutrina. Esta comunhão é fundamental, e continuará avançando na medida em que avancemos na comunhão da caridade. São coisas distintas, mas vão absolutamente unidas."

Não se pode negar que disse muito bem o Revmo. Padre Camiño. Rezemos por essas intenções e esforcemo-nos em fazer muito bem a nossa parte, cada um de nós.
ofielcatolico.com.br

4 comentários:

  1. Caro Henrique Sebastião, irmão em Cristo Jesus!
    Seria, portanto um ecumenismo verdadeiro a matéria publicado no site de um padre amigo?
    Veja: http://www.padremarcelotenorio.com/2014/06/foto-o-papa-inclinado.html
    Ou seria apenas uma unidade cristã?
    Rezemos, pois, pelo Santo Padre o Papa Francisco, Pontífice na nossa Santa Igreja Católica Apostólica Romana, fora da qual, não há salvação!
    Ad Iesum per Mariam

    ResponderExcluir
  2. Eu acho que os padres precisavam dizer para as pessoas nas homilias, que a verdadeira Igreja de Jesus Cristo é a Igreja Católica Apostólica Romana. Isso não é ofender as outras religiões, é simplesmente dizer a verdade. E a verdade precisa ser dita para o bem do povo de Deus.

    ResponderExcluir
  3. Dez meses antes de morrer, o Papa Paulo VI denunciou: “... O fumo de Satanás entrou na Igreja Católica e se expande cada vez mais até o vértice” (13/10/77). Recentemente tivemos a confirmação com Douglas Hyde, ex-comunista revelando que nos anos 30 os chefes comunistas enviaram uma diretiva à escalada mundial sobre a infiltração na Igreja Católica. No início dos anos 50 a Dra. Bella Dodd, advogada, funcionária de destaque do Partido Comunista Americano, deu informações pormenorizadas sobre esta infiltração. Ouçamos suas próprias palavras: “Nos anos 30 pusemos mil e cem homens no sacerdócio para destruir a Igreja a partir do seu interior”. Dez anos antes do Vaticano II ela declarou: “Nesse momento estão nos cargos mais altos da Igreja”. Afirmou ainda que aqueles infiltrados iriam provocar mudanças tão radicais que “não reconhecerão a Igreja Católica”. Por isso não devemos perder de vista a Tradição, a Doutrina e a Fé da Igreja Católica, tal como o Senhor ensinou, tal como os Apóstolos pregaram e os Santos Padres transmitiram. De fato, a Tradição constitui o alicerce da Igreja, e todo aquele que dela se afasta deixa de ser Cristão e não merece mais usar este nome.""Mesmo que os católicos fiéis à Tradição estejam reduzidos a um punhado, são eles que são a verdadeira Igreja de Jesus Cristo.”

    ResponderExcluir
  4. Ecumenismo religioso e moral, grande problema do homem - Plínio Corrêa de Oliveira
    https://youtu.be/_jKTe8fgzq0
    Contra o movimento ecumênico pós-conciliar - Plínio Corrêa de Oliveira
    https://youtu.be/rvkGP2ijskQ
    O erro do ecumenismo é negar a Igreja Militante - Plínio Corrêa de Oliveira
    https://youtu.be/U2rvIC5DPwI
    A ação da TFP no Concílio Vaticano II - Plínio Corrêa de Oliveira
    https://youtu.be/IQvo1mKfM1U
    Gosto de muitos artigos deste site, que defendem a Santa Igreja Católica Apostólica Romana, mas recomendo que assistam a esses vídeos, não podemos ser adeptos aos erros do ecumenismo e do Concílio Vaticano II.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail