'Ainda hoje estarás comigo no Paraíso' – Um estudo sobre Lucas 23,43


UM LEITOR ANÔNIMO enviou-nos algumas questões interessantes, no seguinte comentário ao post "A morte, o Juízo Particular e o Juízo Final":

O texto é bem esclarecedor, como todos os artigos deste blog. Parabéns pelo excelente trabalho. Porém, gostaria que, se possível, uma dúvida minha fosse sanada, relacionada à uma objeção apresentada ontem por um protestante. Em diversos artigos postados em sites católicos, notei que o relato do "bom ladrão", situado em Lucas 23,39-43, é utilizado como prova de que a alma permanece inconsciente após a morte. Porém, me foram apresentadas três objeções:

1- A Bíblia diz que Jesus estabelecerá o seu Reino no fim dos tempos. Portanto, o relato é uma promessa futura, e não imediata.

2- O Evangelho narra que os soldados quebraram as pernas dos malfeitores, mas não as de Jesus, pois ele já estava morto. Portanto, o ladrão estava ainda vivo, o que atesta que tal promessa ocorrerá no futuro somente.

3- Jesus ressuscitou ao terceiro dia, e diz que não havia subido ao Pai. Portanto, seria impossível que o termo "hoje" fosse empregado no sentido defendido pelos católicos.
Gostaria de uma resposta. Obrigado!"

Em primeiro lugar, agradecemos ao leitor pelas gentis e encorajadoras palavras. Nosso único objetivo com este trabalho é o de contribuir, – não na medida de nossas estreitas capacidades, mas pela Graça do Bom Deus, – no esclarecimento da fé católica aos que a buscam.

A tradição deu ao "bom
ladrão" o nome Dimas
Entrando nas questões que você propõe, é no mínimo curioso, e certamente é mais do que questionável, que essas objeções tenham partido de um protestante. Ora, são eles que fundamentam todo o conjunto de sua fé e práticas na literalidade do Texto Sagrado, e não nós, católicos. Se uma passagem bíblica trouxesse algum embaraço, alguma contradição com outras passagens bíblicas, isto seria um entrave muito maior para a crença deles do que para a nossa fé. O católico não se deixa perturbar com passagens bíblicas difíceis, porque sua fé não se fundamenta exclusivamente na interpretação particular das Escrituras, mas sim naqueles três pilares fundamentais: Magistério, Tradição e Escritura. Sendo assim, temos sempre a que recorrer quando encontramos dúvidas e obstáculos no prosseguimento do Caminho (que é o Cristo), e não ficamos reféns da nossa própria compreensão das letras. – Nós, que somos tão fracos e falhos. – Temos, antes de tudo, a orientação da Igreja, que é o Corpo de Cristo e a Coluna e o Sustentáculo da Verdade.

Isto posto, devo dizer que não estudei nada diretamente relacionado a estes temas muito específicos que você propõe. Em todo caso, preciso dizer que não vejo aí dificuldade alguma, pois o que estudei e aprendi é mais que suficiente para dissolver os aparentes problemas. Vejamos então as suas questões, uma por vez.


A Bíblia diz que Jesus estabelecerá o seu Reino no fim dos tempos; logo, o relato é uma promessa futura e não imediata

Como eu sempre digo por aqui, e como todo católico deve saber (e ter sempre essa resposta 'na ponta da língua', para dá-la a quem questioná-lo), as Sagradas Escrituras precisam ser compreendidas no todo, no seu conjunto, e este conjunto precisa convergir, tem que ser coeso. Se assim não fosse, não poderíamos crer nelas como divinamente inspiradas, pois o Espírito de Deus não poderia dizer algo numa passagem e contrariá-lo em alguma outra.

Muito bem. A partir daí, é sempre muito fácil responder ao protestante que acena com uma passagem bíblica que lhe parece dizer determinada coisa, usando uma outra passagem bíblica que demonstra uma realidade diferente. Por isso é que devemos, enquanto católicos, "criarmos vergonha na cara" e começarmos a estudar mais as Sagradas Escrituras, e com mais empenho e interesse. O católico comum, via de regra, parece ter pouco interesse na compreensão da própria fé, atendo-se a uma religiosidade mais prática e afetiva, ligada ao sentimento mas não à razão. A razão, entretanto, não é estranha à fé, porque procede da mesma Verdade Eterna (Deus), como ensinou o titã da fé Santo Tomás de Aquino. Fé e razão, portanto, não devem andar separadas: são como que as duas "pernas" da alma no Caminho da salvação. Se usarmos apenas uma perna, vamos mancando neste longo Caminho, e o nosso avanço será lento... Certamente nos atrasaremos, se é que conseguiremos chegar ao final.

Estudemos mais a Bíblia, meus irmãos católicos! Se os "cursos livres" oferecidos pelas nossas paróquias e mesmo boa parte das publicações populares atuais são fracos e até inconsistentes com a autêntica fé católica, pesquisem por si mesmos, procurem ajuda, esforcem-se! Um primeiro bom passo na direção certa, que eu aconselho, é adquirir um exemplar da Bíblia de Jerusalém e ler um capítulo por dia (ou um a cada dois ou três dias, ou pelo menos um por semana, conforme a disponibilidade de cada um), lendo também e com muita atenção as introduções e as notas de rodapé; compre um caderno, faça anotações, consulte o dicionário, aprofunde a pesquisa na internet... E reze! Suplique a Luz do Espírito Santo, com fé, amor e confiança antes de cada sessão de estudos. – Garanto que isto será de mais valia do que a conclusão de muitos "cursos" que hoje se oferecem por aí. Acredite: com boa vontade se progride muito!

Retomando a linha de raciocínio nesta resposta, eu desafiaria este protestante que o questiona, anônimo, a mostrar onde e quando é que Jesus falou, assim tão categoricamente, do Reino dos Céus como um evento futuro. Esta é uma interpretação particular dada como certa, já que os Evangelhos dizem muito claramente:

Interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o Reino de Deus, (Jesus) respondeu-lhes, e disse: O Reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: 'Ei-lo aqui', ou: 'Ei-lo ali'; porque eis que o Reino de Deus está entre vós'." (Lc 17, 20-21)

O Senhor não diz que o Reino de Deus virá num futuro distante, mas sim que já está presente, como uma realidade já atuante. Ainda mais interessante é lembrar que outra tradução perfeitamente possível (usada em algumas versões) para o texto original em grego (ἐντὸς  ὑμῶν) é: "O Reino de Deus está dentro de vós".

Vemos então que esta primeira contestação parte de uma confusão entre o Reino de Deus ou Reino dos Céus, propriamente dito, e o advento do Dia do Juízo, quando o Reino de Deus será definitivamente consumado e consolidado, para todas as almas e definitivamente. O Reino de Deus é uma realidade; o dia do Juízo Final, no qual o mesmo Reino se tornará tudo em todos, é outra.


O Evangelho narra que os soldados quebraram as pernas dos malfeitores, mas não as de Jesus, pois ele já estava morto. Portanto, o ladrão estava ainda vivo, o que atesta que tal promessa ocorrerá no futuro somente

Quanto a esta segunda objeção, com toda a honestidade e humildade, devo dizer que não merece sequer ser considerada, porque é totalmente desprovida de sentido. Quem foi que disse que, para que a promessa de Cristo fosse cumprida, os dois (o Senhor e o ladrão) teriam que morrer juntos, no mesmo instante? Ou que o Senhor precisaria morrer depois? O fato de Jesus ter morrido primeiro invalidaria a sua promessa? Por quê? Tolice pura e mais nada, passemos a próxima questão porque não temos tempo a perder.


Jesus ressuscitou ao terceiro dia, e diz que não havia subido ao Pai. Portanto, seria impossível que o termo 'hoje' fosse empregado no sentido defendido pelos católicos

Quanto a esta terceira objeção, creio que já está bem respondida nesta mesma postagem ('A morte, o Juízo Particular e o Juízo Final'). Ora, como visto ali, o tempo de Deus não é o nosso tempo e, como dissemos no seu último parágrafo, a partir da perspectiva da eternidade não existe ondem nem amanhã, mas apenas o eterno "hoje", o eterno "agora".

Aliás, é exatamente esta perspectiva que explica e torna possível uma outra questão teológica considerada das mais difíceis para a nossa razão: a existência do Inferno. Por não haver "amanhã" é que aquelas almas jamais alcançarão o perdão. Não é que sofrerão "para sempre", numa sucessão de dias e noites, sem jamais obter a misericórdia divina. É que por terem adentrado a eternidade como inimigas de Deus, por sua decisão consciente, aquelas almas permanecerão nesta mesma condição no infinito "hoje" que é a eternidade, num lugar ou realidade onde não há tempo e, por isso mesmo, para elas não haverá a esperança de um amanhã melhor. Não há tempo, não haverá amanhã.

Ao contrário, mas da mesma maneira, para os que merecerem o Céu não haverá a possibilidade de novas tentações e quedas num "amanhã" incerto. Viveremos (valha-nos Deus!) numa realidade perene de bem-aventurança sem fim, na plenitude do Amor divino.

Assim, o "ainda hoje" de Jesus Cristo demonstra com clareza que, logo após a morte física, o "bom ladrão" e Jesus estão juntos, sim, de um modo que não somos capazes de compreender a partir do intelecto meramente humano, em um nível e numa existência que agora não podemos inteligir. Após esta vida, não estaremos mais limitados pela nossa atual experiência e noção do tempo (passado, presente, futuro), mas viveremos sempre no agora sem fim.

Rezamos para que esta reposta possa ajudar, a tantos quantos queira Deus, a compreender algo de sua Glória infinita
http://www.ofielcatolico.com.br/p/assine-nossa-revista.html

38 comentários:

  1. Prezado Henrique Sebastião, Salve Maria.

    Seguindo as suas recomendações, utilizo a minha conta do Google, embora utilizando o pseudônimo "Católico Romano".

    Espero que entenda a minha postura, embora, confesso, ela pareça um pouco exagerada.

    Seu "puxão de orelha" foi útil, Henrique, pois confesso que estou engatinhando quando o assunto é Bíblia. Costumo estudá-la tendo o Catecismo como referência.

    Porém, como ele expõe a fé católica de um modo bastante objetivo, sem dar grande ênfase a estes detalhes secundários, de vez em quando as objeções surgem, e não tenho conhecimentos profundos o bastante para respondê-las.

    Isso, claro, sem levar em consideração as obras suspeitas que circulam pelas editoras ditas "católicas": tenho a Bíblia de Jerusalém desde que iniciei há dois anos - já concluídos - a catequese para adultos, embora ainda não tenha aproveitado tanto quanto gostaria.

    Muito obrigado pela resposta, e que Deus o recompense por sua disposição em me ajudar.

    ResponderExcluir
  2. Prezado,
    Henrique Sebastião

    Infelizmente quem faz um questionamento absurdo como este,não pertence a uma denominação protestante séria.
    É bom lembrar que a mesma Teologia Cristã que é ensinada na Igreja Católica Romana é pregada pelas as Igrejas Reformadas

    Um Abraço.

    Que o Senhor Jesus Cristo abençoe a voçê e sua família

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, há diferenças, sim, entre a teologia católica e a protestante, pois se não houvesse diferença não haveriam cismas e separações e os primeiros protestantes continuariam católicos. Há semelhanças , no entanto, entre a teologia das denominações mais sérias e a católica, como você afirmou, mas não podemos dizer que a teologia é a mesma. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Prezado Luiz, faço duas observações rápidas, apenas para esclarecer o mal-entendido:

      1. Não sou protestante, sou católico apostólico romano, e as objeções do meu comentário foram apresentadas por um protestante.

      Julguei útil recorrer ao auxílio deste apostolado para a minha edificação pessoal e para utilizar este post como base em questionamentos futuros.

      2. Dizer que as igrejas reformadas ensinam a "mesma" teologia que fundamenta a doutrina católica é, me desculpe, uma leitura um tanto relativista e equivocada do cristianismo.

      Se, de fato, houvesse uma mesma teologia, se o que é ensinado na Igreja Católica fosse ensinado pelos luteranos e calvinistas, estas nomenclaturas não seriam necessárias, pois haveria uma só fé e uma só Igreja.

      Espero ter esclarecido estes pontos.

      A paz.

      Excluir
    3. Católico Romano, acho que Luiz estava se referindo ao protestante que fez o questionamento, não a você (a menos que ele não tenha lido o início do post). Visto isso, o resto do seu comentário confirma o que eu disse e fico feliz que você concorde comigo. A paz de NSJC!

      Excluir
    4. Petrivalianici, concordo com você. Apenas esclareci a fim de evitar qualquer mal-entendido: costumava postar como "anônimo", o que poderia levantar alguma suspeita.

      Que Deus o abençoe.

      Excluir
    5. Graça e Paz!

      A teologia Reformada é muito diferente da Católica. Mas na questão das almas dos mortos, ambas concordam que os mortos não ficam adormecidos. Talvez seja isso que o Luiz se referiu.

      Excluir
  3. A meu ver, Jesus respondeu ao ladrão "ainda hoje estarás comigo no Paraíso", porque além de ser a segunda pessoa da Trindade, é também a primeira e a terceira. A primeira pessoa da Trindade, Deus justiça, sempre esteve no Paraíso.
    Jesus respondeu como sendo a primeira pessoa, isto nos faz crer que de fato a Trindade é uma só.
    A saber:
    -a primeira pessoa- Deus Justiça.
    -a segunda pessoa- Deus misericórdia-Jesus.
    -a terceira pessoa- Espírito Santo-Fogo de amor, fonte das Graças.
    Jesus é a Trindade.
    Antonio Carlos
    Araras-SP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só não entendi uma coisa,Anônimo : Porque o Pai é Justiça e o Filho é Misericórdia? Não seriam os dois tanto Justiça como Misericórdia, assim como o Espírito Santo? A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Antonio Carlos, me parece que vc embaraçou tudo aí. Vamos consertar!
      Primeiro é importante deixar bem claro que as pessoas da SS. Trindade são diferentes entre si, embora iguais em sua essência. O Pai não é o Filho e nem o Espírito Santo. O Filho não é o Pai e nem o Espírito Santo. O Espírito Santo não é o Pai e nem o Filho. Não há confusão entre as pessoas da SS. Trindade.

      Excluir
  4. Jesus subiu ao céu ( em Espírito e não em Corpo). Ele disse ao pai: em vossas mãos entrego meu espírito!
    No encontro com Madalena, estava se referindo que ainda não tinha subido de corpo e espírito ao céu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vinícius não confunda a entrega do espírito de Jesus ao Pai com sua subida ao Céu. Após a morte Cristo "desceu à mansão dos mortos" e só subiu ao Céu em corpo e alma, provavelmente no dia de sua ressurreição, após a aparição às mulheres e aos apóstolos.

      Excluir
    2. “Oito dias depois, estavam os seus discípulos outra vez no mesmo lugar e Tomé com eles. Estando trancadas as portas, veio Jesus, pôs-se no meio deles e disse: A paz esteja convosco!” (S. João 20, 26).

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
    3. Me desculpem se eu estou errado mais eu acho que religião as vezes só quer dizer quem sabe mais,nós não podemos ter duvida, quem tem medo da morte não acredita nas palavras de Jesus quando ele disse que quem vive as minhas palavras não morrera, já pensou quando Abraão sonhou que tinha que levar seu filho para ser sacrificado e oferecido a Deus em sacrifício e ele fez, será que alguém hoje faria isso,nos não podemos viver na duvida e temos que tomar uma de inanição em quanto vivemos porque depois que fechar os olhos nada mais poderá ser feito,o respeito a dignidade do seu próximo significa amor e isso que Jesus quer de nós ele e a ciência nos somos só os instrumentos

      Excluir
  5. Eu usei estes dois termos que estão identificados na Bíblia, Deus Justiça é referente ao Antigo Testamento e Deus misericórdia no Novo Testamento. No Antigo Testamento não tínhamos o sorriso de Deus, o que ocorreu no Novo Testamento com a vinda de Seu Filho Jesus,
    Espero ter esclarecido Petrivalianici.
    A paz de Nosso Pai.
    Antonio Carlos. Araras-SP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem disse que nós não tínhamos o sorriso de Deus no Antigo Testamento, Anônimo? Você está insinuando que Deus não era feliz, ou que não mostrava a sua felicidade? E de onde você tirou essa ideia de que, na Antiga Aliança, Deus não era misericordioso? E quem disse que a Misericórdia é oposta á Justiça? Deus é e sempre foi Justo e Misericordioso, independente da época na qual nós vivemos. Leia, na Sagrada Gênese, a história que relata a conversa de Abraão, nosso pai, com o Altíssimo sobre quantas pessoas justas seriam necessárias para que Ele destruísse a cidade iníqua, e você verá que no Antigo Testamento Ele era, sim, muito misericordioso. Todo pai misericordioso é justo para com seus filhos, e a Bíblia diz que Deus é fonte de misericórdia. Logo, Ele também é fonte de justiça. Tenha muito cuidado com a expressão "Deus Justiça do Antigo Testamento e Deus Misericórdia do novo", pois você está se aproximando dos hereges gnósticos e marcionitas, que acreditavam num deus mal da Antiga Aliança e num bom da nova. Tanto o Pai quanto o Filho são um só Deus, fonte de justiça e misericórdia, que não muda de uma época pra outra. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Eu não quis dizer com a frase " não tinha o sorriso de Deus" como não tinha a misericórdia e o perdão, e sim que Deus agiu mais com a justiça sem deixar de ser misericordioso.
      Com relação a sua indignação referente as épocas em que Deus foi mais severo, eu reafirmo o meu pensamento. Em nenhuma outra época a misericórdia foi tão generosa com o homem como no início do cristianismo. Uma grande onda de amor jamais vista em tempo algum tomou conta de milhares e milhares de homens até os dias de hoje com a "Boa Nova".
      Nós estamos falando da justiça Divina que nada mais é do que a vontade de Deus, assim como é a misericórdia e o perdão. Sendo a vontade de Deus é sempre uma coisa boa. Devemos amar a vontade de Deus seja ela qual for independentemente se foi mais severa em algumas épocas ou não.
      Concluindo, tanto na minha como na sua opinião Deus é AMOR.
      Antonio Carlos-Araras-SP.

      Excluir
    3. Nesse caso, Antonio, NSJC foi mais misericordioso com os homens no Novo Testamento por causa da sua Vinda para nos salvar, o que não ocorreu no Antigo Testamento porque Ele ainda não havia vindo. Nesse ponto, realmente, podemos dizer que Sua misericórdia foi mas generosa conosco. O problema é que a expressão "sorriso de Deus" pode dar a entender que Ele não ficava ou estava feliz, e nesse aspecto eu não interpretei corretamente o que você disse. Também creio que devemos amar a vontade de Deus em qualquer época, porque ela não muda. A paz de NSJC

      Excluir
  6. Jesus depois da Ascensão e Maria depois da Assunção, estão em corpo e espírito no céu? Moisés, Elias, João Batista, o "bom ladrão" e alma das pessoas que morreram e não estão no purgatório, estão no céu. Como entender onde estão?
    Algumas pessoas dizem que quando morremos, simplesmente tudo se termina, ou ficam "dormindo". E também quando não acreditam na Assunção de Maria; os Santos no céu, então está somente Jesus Cristo no céu.
    Gostaria de esclarecimentos sobre as minhas dúvidas acima.
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No post que fala sobre a morte, o Juízo Particular e o Juízo Final se encontra a resposta para essas questões, Anônimo. Lemos na Carta aos Hebreus que depois da morte, somos julgados e recebemos a recompensa ou a punição por nossos atos, passando a Eternidade com Deus ou não. Na parábola de Lázaro e o homem rico, NSJC explica o que acontece conosco após nossa vida terrena, derrubando qualquer crença de que nosso corpo fica "dormindo" depois da morte. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Olá, anônimo, Salve Maria!

      Na realidade, sua pergunta me fez notar que um assunto tão fundamental da nossa fé ainda não foi abordado com a devida profundidade por aqui. Já o havíamos tratado em nossa antiga página "Voz da Igreja".

      Estamos preparando, pois, um estudo profundo em forma de post, a ser publicada até a próxima terça-feira. Agradecemos pela participação.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    3. O post com os esclarecimentos sobre a doutrina que diz que os santos permanecem como que "dormindo" até o dia do Juízo já foi publicado. Leia no endereço abaixo:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2004/09/os-santos-podem-interceder-por-nos-ou.html

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. Mas Jesus de morrer Jesus foi para a mansão dos mortos como diz que credo ou foi em espírito para o pai?

      Excluir
  7. Olá Henrique, gostaria de uma opinião sua. Você falou aí sobre os cursos que muitas paróquias oferecem não serem tão bons. Eu achei um site na internet que oferece cursos católicos online como História da Igreja, Doutrina Social da Igreja, Latim, Catecismo da Igreja Católica, Mariologia, Curso Bíblico e entre outros. O nome do site é "Cursos Católicos". Gstaria de saber se você conhece o trabalho deles e nos indica. Forte Abraço. A paz de Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cláudio, Salve Maria!

      Infelizmente ainda não conheço a fundo este curso, a não ser de ouvir falar, mas creio firmemente que seja confiável e de grande valor catequético, já que tem o apoio da Diocese de Frederico Westphalen, na pessoa de Dom Antônio Carlos Rossi Keller, Bispo exemplar e fiel à Sagrada Tradição da Igreja.

      Outro curso livre de Teologia para leigos que eu posso lhe indicar com tranquilidade é o oferecido pela Escola Mater Eclesiae (RJ), também pelo método EAD, inclusive com acompanhamento pessoal do desenvolvimento do aluno e exames regulares; este é todo apostilado com lições de Dom Estevão Bettencourt. Mais informações nos endereços abaixo:

      http://www.materecclesiae.com.br/

      http://www.materecclesiae.com.br/cursos.htm

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  8. Prezado,

    Henrique Sebastrião

    Agradeço pela atenção ao meu comentário, e aproveitando a oportunidade queria esclarecer que quando usei a expressãoTelogia Cristã deveria ter escrito que me referia ao Credo de Nicéia que é aceito pela a Igreja Católica Romana, Igrejas Ortodoxas e muitas Denominações protestantes.(Excluindo a Sucessão Apostólica).


    O Senhor e Salvador Jesus Cristo lhe Abençoe a voçê e sua família.

    ResponderExcluir
  9. Vale a pena ler a explicação de Santo Tomás de Aquino para essa questão:

    "[ A este respeito, escreve Santo Tomás:] “Na morte de Cristo, embora a alma estivesse separada do corpo, nem este nem aquela estavam separados da pessoa do Filho de Deus. Por isso, durante o tríduo da morte de Cristo, deve-se dizer que Cristo esteve todo inteiro no sepulcro; pois a sua pessoa aí esteve toda, mediante o corpo que lhe estava unido. E semelhantemente esteve todo no inferno [limbo -mansão dos mortos], porque nele esteve toda a pessoa de Cristo, em razão de sua alma que lhe está unida. E também Cristo estava então todo em toda parte, em razão da natureza divina” (Suma Teológica, q. 52, a. III, solução).

    [Em seguida, Santo Tomás responde às diversas objeções, em particular a esta:] “Algo de Cristo estava fora do inferno [limbo], porque o corpo estava no sepulcro e a divindade em toda parte. Logo, Cristo não esteve todo no inferno [limbo]”.[ Replica Santo Tomás:] “A pessoa de Cristo está toda em qualquer lugar, porém não totalmente, por não ser circunscrita por nenhum lugar. Mas nem todos os lugares tomados simultaneamente podem compreender-Lhe a imensidade; ao contrário, é a sua imensidade que os abrange a todos. [...] De onde dizer Santo Agostinho: ‘Não afirmamos que Cristo está todo nos diversos tempos e lugares, de maneira que esteja todo num lugar, e todo em outro, noutro tempo; mas está sempre todo em toda parte’” [(ibidem, resposta à terceira objeção). Por isso, estava todo no sepulcro (com seu corpo e divindade) e todo no limbo (com sua alma e divindade), conforme explicado.]

    [Sobre o tempo que Jesus permaneceu no limbo

    Diz Santo Tomás:] “Assim como Cristo, para tomar sobre si as nossas penas, quis que seu corpo fosse depositado no sepulcro, assim também quis que sua alma descesse ao inferno [limbo]. Ora, o seu corpo permaneceu no sepulcro por um dia inteiro e duas noites, para comprovar a realidade de sua morte. Por isso também deve-se crer que sua alma se demorou no inferno [limbo] um tempo igual, de modo a saírem simultaneamente — a alma do inferno [limbo], e o corpo do sepulcro” (Suma Teológica, q. 52, a. IV, solução).

    [Ao introduzir essa questão, Santo Tomás apresentara três objeções, das quais cabe destacar a terceira, que tem relação com a pergunta da missivista:] “O Evangelho refere que Cristo, pendente da Cruz, disse ao ladrão: ‘Hoje estarás comigo no Paraíso’ — e isso mostra que no mesmo dia Cristo esteve no Paraíso. Ora, não pelo corpo, que estava depositado no sepulcro. Logo pela alma, que descera ao inferno [limbo - mansão dos mortos]. E, portanto, parece que nenhum tempo se demorou no inferno [limbo]”.

    [Santo Tomás responde a essa objeção]: “Essas palavras do Senhor devem entender-se, não do paraíso terrestre material, mas do paraíso espiritual, onde dizemos que estão todos os que gozam da glória divina. Por isso, o ladrão desceu com Cristo ao inferno [limbo - mansão dos mortos], conforme lhe tinha sido dito — ‘hoje estarás comigo no Paraíso’. Mas, por prêmio, estando ali, gozava da divindade de Cristo, como os outros Santos” (Suma Teológica, q. 52, a. IV, ad 3).[ Nosso Céu será, como o de todas as almas que se salvarem, gozar da presença eterna de Deus!]

    in: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:uCoJO1qZIQ8J:www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm%3FIDmat%3DB66BEBFC-E357-A635-D5B984637F8EBD03%26mes%3DOutubro2012+&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

    ResponderExcluir
  10. O LADRÃO NA CRUZ

    Jesus Cristo disse ao ladrão que ainda hoje, o mesmo estaria com ele no paraíso (II Cor 12,2-3): Lc 23,43 – Ele (Jesus) respondeu: “Em verdade, eu te digo, hoje estarás comigo no paraíso”. Não bastaria muitas linhas para termos a certeza que aqui existe mais uma prova de que na morte, gozaremos da companhia de Deus, entretanto, os defensores do sono ou da aniquilação da alma, costumam mencionar que determinada esta passagem de Lucas foi "adulterada" e que na verdade, Nosso Senhor teria dito para o ladrão que sua promessa era dita hoje, mas, que só se concretizaria no futuro. Pois bem, como já mencionei em outro artigo, não sou perito na língua, porém, tenho algumas noções. Primordialmente, o que define a interpretação dessa passagem, de fato, é a questão simples de uma "vírgula". É interessante mencionar que embora, atualmente alguns protestante defendam tal doutrina (morte da alma), o único lugar onde encontramos afirmação semelhante é na tradução "Torre de Vigia" das testemunhas de Jeová, onde se lê: Lc 23,43 (Torre de Vigia) – E ele lhe disse: “Deveras, eu te digo hoje: Estarás comigo no Paraíso”. [1]

    Mc 14,30 – E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje, nesta noite, antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. Aqui vemos claramente que Jesus diz, “Em verdade te digo hoje”, porém o fato manifestado pelo Senhor, se concretizaria naquela mesma noite, no tempo presente. Outro argumento fortemente usado é o fato de Cristo ter prometido que estaria com o ladrão naquele dia, porém, após a morte as escrituras atestam que o mesmo esteve nas profundezas do Hades (Ef 4,9-10), sendo assim, como devemos pensar a respeito da promessa? Bom, a própria escritura deixa claro que para Deus, “Um dia é como mil anos e mil anos como um dia (II Pe 3,8)”. Desta forma, entendemos o “hoje” como função do agora, porém, sem necessidade de pensar que o ladrão deveria estar com Jesus nas próximas horas, já que o nosso tempo não é o do Senhor. Aguardamos a Jerusalém celeste (Ap 21,10) onde nossos corpos estarão glorificados e incorruptíveis, porém, cremos no paraíso (II Cor 12,2-5) do qual faremos parte após a morte, aguardaremos na graça com a Igreja Celeste, enquanto esperamos a plenitude da nossa esperança: a ressurreição. Dessa forma, entendemos que o ladrão esteve e está com Jesus no paraíso celeste, aguardando a imortalidade dos corpos. [2]

    Os que são contrários à imortalidade da alma dizem - sem provas concretas, só com meras teorizações no pior estilo ocultista zeitgeist, e nada elementares - que o Cristianismo absorveu as doutrinas do paganismo, que isso é coisa de platonismo etc e tal. Ora, esses mesmos deveriam então arrancar de seu cânon já mutilado o Evangelho de São Lucas (e consequentemente os Atos dos Apóstolos), já que ele era um grego, isto é, um pagão, e em cujo Evangelho encontramos a citação do ladrão arrependido (Lc 23,43), muito bem estudada e esclarecida aqui. Como sabemos, infelizmente foram esses mesmos que abriram caminhos para a incredulidade. Eles rejeitam a Igreja (1 Tm 3,15/ 2 Ts 3,6) e vivem seus loucos planos (Pr 1,29-32). O cálice deles é amargo.

    † A Paz do Nosso Senhor Jesus Cristo (Jo 14,27) †
    ______________________

    [1] http://accapologeticacristacatolica.blogspot.com.br/2013/10/a-imortalidade-da-alma-genesis-4.html.

    [2] Ibidem.

    ResponderExcluir
  11. Meus amigos,eu para ser sincero nem protestante, nem católico apostólico romano sou.
    Eu não sou nada.Nem sei o que sou!
    Sou um miserável cheio de pecados.
    Vim ao mundo católico,mas já não frequento a igreja porque na verdade não acredito nos santos católicos nem acredito que a senhora aparecida
    seja a verdadeira Maria mãe de nosso Senhor.
    Me perdoe Deus meu por o tratar por Senhor!Me perdoe este meu abuso.
    Agora vou dar aqui a minha opinião sobre o ladrão na cruz:Eu acredito que ele está com Jesus Cristo no paraíso.Só poderemos compreender isso claramente quando deixarmos de estar presos neste nosso tempo que Deus criou para o homem poder viver a sua vida como ser humano.
    Obrigado
    Renato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo Renato,

      Obrigado por vir compartilhar o seu pensamento conosco. Entretanto, tente compreender o quanto está equivocado: se você se reconhece como "nada", e admite que nem sabe o que é, então deveria, por pura coerência, reconhecer que a sua opinião, isto é, suas impressões pessoais a respeito das coisas, não deveriam também lhe servir como medida.

      Ora, o que você "acha" simplesmente não interessa, assim como não importa aquilo que eu "acho", ou o que qualquer outra pessoa, sem procurar aprofundar com desapego os seus conhecimentos, "acha".

      Consegue entender isto?

      "Agora vou dar aqui a minha opinião sobre o ladrão na cruz", você diz. Muito bem. Qual a sua base para afirmar qualquer coisa?

      Bem, você está falando com uma pessoa que começou do zero, aqui, assim como você propôs ao final da sua mensagem. Eu, em certo momento de minha vida, tinha apenas e tão somente a fé, que graças a Deus sempre me foi intrínseca, mas nenhuma convicção. Decepcionara-me (por ignorância, má vontade e arrogância minhas) com a religião de meus pais (o catolicismo) e também com o protestantismo. Depois de muito errar por um sem número de filosofias e religiões de diversas orientações, especialmente as da tradição oriental, com muito estudo e oração frequente, adquiri finalmente a humildade necessária para enxergar o óbvio: que Cristo é mesmo o Caminho, a Verdade e a Vida, e que a verdadeira Igreja de Cristo (que é o seu Corpo) só podia ser a mais antiga, a primeira, a única instituída pelo próprio Cristo, e não aquelas inventadas por homens arrogantes que tentam fundamentar suas doutrinas particulares na Bíblia que nos foi dada e canonizada pela mesma Igreja Católica.

      A Verdade estava bem diante do meu nariz todo o tempo. O tesouro que eu tanto procurava estava bem ali no meu quintal, na primeira Igreja que conheci: a Católica Apostólica Romana.

      Foi um longo processo, que levou muitos anos e através do qual sofri muitas decepções. Mas, insisto: a Verdade começou a se descortinar diante de meus olhos a partir do momento em que deixei de ser arrogante e parei de ter as minhas próprias opiniões como fundamento de tudo. Quando compreendi que uma instituição com dois mil anos de história, que gerou tantos santos, – entre gloriosos mártires, admiráveis doutores e exemplares heróis da fé, – deveria ter algo para me ensinar. Mais do que isso, entendi que o peso destes ensinamentos deveria ser maior maior que o de minhas próprias impressões particulares sobre a vida.

      Quando deixei de girar em torno do meu próprio umbigo, afinal, pude partir do lugar de onde estava em direção ao meu objetivo. E assim retornei à Casa do Pai. Tente fazer o mesmo, é o melhor conselho que posso lhe dar.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  12. Vc tem razão em muita coisa.Orgulho e vaidade foram mais fortes que eu.
    Mas agora estou a retornar a casa do Pai!
    Mas essa casa não é a que você está pensando.
    Para mim e alguns como eu,a travessia pelo mar dentro ainda não acabou...
    O Senhor Jesus Cristo (o verdadeiro)conhece as minhas fraquezas,mas conforme Sua vontade me dá sabedoria suficiente para não me deixar enganar,nem encantar.
    Para mim nem tudo que reluz significa ouro.
    Obrigado pelo conselho,mas eu prefiro seguir em frente com fé.

    Shalom
    Renato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus o ilumine, para que você perceba que continua tão orgulhoso quanto antes, dizendo que "o verdadeiro Senhor" vai lhe dar sabedoria... O meu Senhor é falso, então? Você prefere "seguir em frente com fé"? Foi exatamente o que eu lhe propus, mas você parece não enxergar, já que prefere continuar se deixando enganar pelos seus "achismos". Dificilmente chegará a algum lugar, assim.

      Conte com nossas orações

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Caro Renato,
      Graça e paz!
      Desculpe a minha insignificante intromissão, mas, considero muitíssimo importante nestes momentos de incertezas e fraquezas, procurar um bom sacerdote para uma verdadeira confissão e orientação espiritual, acreditando ser o melhor itinerário a caminho de retorno a casa do Pai.
      E muito cuidado com estas comunidades ditas de renovação católicas, geralmente, são mais perigosas que as seitas “evangélicas”.

      Que Jesus seja para você o caminho a verdade e a vida!

      Seja sempre Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Salve Maria Imaculada!

      Excluir
    3. Desculpem também a minha intromissão, mas eu não entendo o que os protestantes querem dizer quando falam " não acredito nos santos, não acredito em Maria"!
      Mas não acredita no quê? Que eles não existiram?
      Ou não acreditam que eles estão no céu e podem interceder por nós?
      Se for a segunda opção, baseado em que se afirma que não acredita? Na Bíblia? Usam um livro criado pela Igreja Católica pra dizer que não acreditam em que a Igreja Católica prega! Tem coerência isso?

      Excluir
    4. Desculpe mais um vez, mas também foi dito que não crê que N.Senhora Aparecida seja a mesma mae de Jesus?
      Por que não?
      Nossa Senhora, mae de Jesus tem vários títulos, alguns referentes a momentos da vida de Maria, ex: Bom Parto, das Dores, Imaculada Conceiçao! E outras aos lugares onde ela apareceu ao longo da história, ex: Fatima, Guadalupe, Lourdes!
      Ou seja, todos eles se referem a Maria!
      Independente também de como ela é representada, pois em slgumas culturas como a oriental ela pode ser representada de olhos puxados, característica dos povos dessa região!
      No México, Nossa Senhora de Guadalupe é também chamada carinhosamente de "La morenita".
      Então independente do titulo ou a forma que esteja representada nas pinturas, todos se referem a Maria mae de Jesus!

      Não sou tão boa nas explicações como Henrique e outros que comentam no Blog, então deixo uma do para todos que tenham dúvidas: procurem a aprender com a Igreja que chegou primeiro, fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo! A Santa Igreja Católica!

      Excluir
  13. sabe qual é o lado bom de ser ex-protestante? vc tem grande conhecimento da bíblia... eu no momento estou usando meus conhecimentos bíblicos para trazer um grande amigo para verdadeira igreja, usando a verdadeira interpretação, e o engraçado é q eu sou discípulo dele na igreja protestante(sou católico, mas ainda frequento a igreja protestante, e ele sabe disso, ja deixei ele na intriga, e sim, pode demorar, mas vai acontecer, espero q ele conheça a verdadeira e unica igreja católica, graças a sua ajuda, dono do blog e de Deus :D )

    ResponderExcluir
  14. Uma vez, durante um debate com um protestante, eu utilizei o exemplo do Bom Ladrão para mostrar que os mortos já estão no Paraíso, porém, ele disse-me que isto era apenas uma confirmação de uma passagem bíblica, que diz que "o corpo volta para o pó, de onde ele veio, e o espírito volte a Deus que o deu", ou algo assim, se não me engano essa passagem é do livro de Isaías, mas não vem ao caso. Gostaria de saber qual a explicação que vocês poderiam mostrar-me, pois sou católico e gostaria de saber refutar esta afirmação que ele me deu. Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não entendi (acho que não ficou clara) a suposta "refutação" do seu amigo protestante, anônimo. De todo modo, ela não passa, como sempre, de interpretação particular da Sagrada Escritura, o que a Bíblia condena. Mas se você leu o nosso artigo, viu que ele contém uma série de passagens que confirmam a doutrina da Igreja, além dessa do Bom Ladrão.

      Agora, um conselho: algo que aprendi na minha experiência com catequese e apologia foi a desistir de debater com fanáticos. Eles não querem encontrar a verdade, só querem ter razão e vencer disputas. Reze por eles e ganhará muito mais.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail