Comportamento na Santa Missa

Sim, igreja é lugar para nos sentirmos bem e em profunda paz. Mas isto não significa perder de vista a reverência pelo Sagrado.



HOJE EM DIA, infelizmente, muitos não se importam com as maneiras de se vestir e de agir no Santo Sacrifício da Missa. Alguns afirmam que “tanto faz, o que importa é o coração”. Mas o que realmente diz a santa Igreja de Cristo, em seus documentos, a este respeito?

O Catecismo diz que, no momento da Sagrada Comunhão, a atitude corporal, – gestos, roupa, – há de traduzir o respeito, a solenidade, a alegria deste momento em que Cristo se torna nosso hóspede"(§1387). Por que o Catecismo mencionaria algo aparentemente tão secundário quanto o modo de vestir? Por que a Santa Missa é a renovação do Sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus, que nos resgatou dos nossos pecados e da morte na Cruz; tal Sacrifício se torna verdadeiramente presente na Santa Missa, no momento em que pão e vinho se tornam, verdadeiramente, Corpo e Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor (CIC §1373 - §1381).

Sendo assim, a orientação é para que as pessoas não usem, nesse momento tão sagrado, roupas exageradamente informais, ou que mostrem demais o corpo, que marquem os seus contornos de forma provocativa, como decotes profundos, shorts, miniblusas, etc. Afinal, vamos à igreja para encontrar Deus ou para seduzir as pessoas do sexo oposto? Por acaso é a Missa uma ocasião para desfilar sensualidade, para atrair olhares cobiçosos? Evidente que não. – Ocorre que, às vezes, até sem perceber uma mulher é capaz de desviar a atenção de um homem (ou de diversos homens), que compareceram àquele lugar com intenções de santidade. Convém evitar tudo o que contrarie a alegria pura, a solenidade e o respeito da Celebração.

Outro ponto muito interessante a se observar é que o mais elementar bom senso, partindo do princípio de solenidade que o Catecismo menciona, avisa que é muito melhor usar calça do que bermuda ou shorts. Não se vai a uma entrevista de emprego, por exemplo, usando bermuda. Não se entra num tribunal usando shorts. Então, por que tantos acham muito "normal" ir à Casa de Deus vestidos assim? – Partindo do princípio do respeito pelo Sagrado e da não banalização da celebração sagrada, é muito simples entender porque é melhor que uma mulher use uma saia abaixo do joelho ou vestido sóbrio, – ou pelo menos uma calça discreta, – do que uma calça colante, apertadíssima. E porque é melhor que um homem use camisa ou camiseta tipo polo do que uma camiseta modelo regata.

Obviamente, essas orientações devem ser levadas ainda mais a sério por aqueles que exercem funções litúrgicas, como leitores, músicos e, especialmente, os ministros extraordinários da Comunhão Eucarística. Estes acabam servindo como modelo de comportamento para toda a assembleia.



Até há pouco tempo era comum a expressão popular “roupa de Missa”. Em algumas cidades do interior ainda se chama assim à melhor roupa que uma pessoa tem. Como seria bom se todos os católicos recuperassem essa consciência, de que é preciso se apresentar da melhor maneira diante da Casa de Deus!

Vale lembrar, ainda, que o modo de se vestir e de se comportar na igreja deve ser integrado às normas e símbolos litúrgicos, como os paramentos, as velas, o incenso, o gestual... Tudo é parte da necessidade de manifestar, com sinais externos, à fé no que acontece no Santo Sacrifício da Missa, bem como de manifestar externamente a honra devida a Deus. A atitude interna é fundamental e mais importante, isto é indiscutível, mas desprezar as atitudes externas é um erro. Essa atenção e esse carinho também são necessários ao entrar na Igreja.

Neste ponto faz-se necessário um esclarecimento: aqui não se está afirmando, absolutamente, que é preciso estar soberbamente trajado para adentrar um templo católico: é evidente que não. A Celebração Eucarística, se não é ocasião para seduções sensuais e para a descontração inadequada, também não é desfile de moda. Existe uma diferença imensa entre usar roupas caras e chiques, com as grifes do momento, e se vestir com a dignidade que é possível a cada um.

Algumas outras admoestações importantes, que de tão óbvias parecem ridículas, de detalhes que se andam esquecendo por aí: se você estiver comendo algo ao entrar na igreja, guarde para comer depois, por uma simples questão de respeito. Temos ouvido o testemunho de padres sobre pessoas que entram na fila da Eucaristia e se aproximam para comungar, – a hora mais sagrada de toda a Celebração, – mascando chicletes! Nunca, jamais faça isso! A Eucaristia não é apenas um símbolo, é Deus (verdadeiramente) Conosco; a igreja não é playground; a Missa é infinitamente mais do que uma reunião festiva entre bons amigos: é a maior ocasião de adoração e de comunhão com o Sagrado que nos foi concedida, e exige reverência.

O telefone celular daria um capítulo à parte. Em nome de todos os que querem rezar, suplicamos: desligue-o ao entrar na igreja! – A humanidade sobreviveu milhares de anos sem este abençoado aparelhinho, e você não vai morrer se ficar sem ele uma por hora, aos domingos. – Mas, se desligar for um sacrifício assim tão insuportável para você, pelo menos mude a chamada para o modo vibracall. Faça-o, por favor, logo ao entrar na igreja, este é o melhor jeito de não esquecer depois, para que não toque durante a Celebração; sacerdote nenhum merece ter a Homilia interrompida por uma chamada.

Também devemos prestar atenção ao levar crianças muito pequenas à igreja. Os pequeninos são sempre muito bem vindos ao encontro com Nosso Senhor, mas se o bebê chora ou grita demais, talvez não seja conveniente ir sentar nos primeiros bancos, à frente de todos, de onde o barulho vai incomodar muito mais do que se você estivesse mais atrás. É muito importante levar nossos filhos o mais cedo para a igreja, mas também é fundamental explicar, o quanto antes, o que é a Missa. Assim, daqui há alguns anos, ele estará pronto para desfrutar as maravilhas que Cristo nos preparou.

Devemos lembrar sempre que a Missa é sagrada. Temos momentos de alegria nas celebrações, mas alegria não é sinônimo de bagunça. Celebrar o Sacrifício da nossa salvação é coisa muito séria, e ultimamente têm-se perdido o senso crítico ao entrar na Casa do Senhor, e talvez a consciência de que a Missa é importante em todas as suas partes. Lembremos que é Nosso Senhor Jesus Cristo sendo oferecido pela nossa salvação, – que nós vemos, tocamos e provamos.



"Lembro-me de como as pessoas se preparavam para comungar: havia esmero em arrumar bem a alma e o corpo. As melhores roupas, o cabelo bem penteado, o corpo fisicamente limpo, talvez até com um pouco de perfume. Eram delicadezas próprias de gente enamorada, de almas finas e retas, que sabiam pagar Amor com amor. (...) Quando na terra se recebem autoridades, preparam-se luzes, música e vestes de gala. Para hospedarmos Jesus Cristo em nossa alma, de que maneira não devemos nos preparar?” (São José Maria Escrivá – “Homilias sobre a Eucaristia”, Ed. Quadrante)
www.ofielcatolico.com.br

9 comentários:

  1. Na paróquia da minha cidade(Ibiassucê-Ba) acontece quase td o que relata nesse texto acima, são situações mt constrangedoras. Mas....

    ResponderExcluir
  2. Caro Henrique, irmão em Cristo Jesus

    Belíssimo e educativo post.

    Que sirva de ensinamento para todos nós fieis e infiéis católicos.

    Só por curiosidade, aonde o irmão encontrou a foto com figuras incorruptas da oligarquia política potiguar, entre elas, o seu xará?

    Dar até para arriscar uma frase: “A monarquia degenera em tirania, a aristocracia em oligarquia e a democracia em anarquia”. Políbio

    Muita paz!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezadíssimo André,

      A foto surgiu numa simples pesquisa na internet. Achei interessante porque parece mostrar bem aquilo de que tratamos: além de uma certa postura, vemos que nem todos usam terno, mas também não há ninguém vestido como se estivesse num clube ou numa praia.

      Em tempo: a frase famosa soa cruel aos ouvidos, mas como é difícil ignorar o lastro que ela tem na realidade objetiva!

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Gente eu amei tudo o que está escrito aqui, esse pequeno manual de comportamento na Santa Missa é maravilhoso. Eu gostaria de distribuir na minha paróquia pois vejo muito desrespeito no modo de se vestir, principalmente no verão e também no comportamento na Santa Missa. Por favor me digam como posso adquirir esse manual impresso ? Existe para vender impresso por gráfica? Seria maravilhoso fazer isso, me ajudem quero muito fazer isso! Porque não adianta a gente ler e não colaborar para que as pessoas ignorantes no assunto também conheçam e aprendam com este manual. Meu email é librmesa@gmail.com

      Excluir
  3. “Repetidas vezes percorro para frente e para trás direcionando as Minhas crianças a permanecerem junto à Eucaristia, o Pão da Vida. Porém, não sejam desencaminhadas: não aceitem o Corpo de Meu Filho nas suas mãos. Satanás, o Lúcifer, veio como um anjo da luz e colocou os seus agentes entre a Hierarquia da Igreja do Meu Filho enganando-os. Toda espécie de abominações são praticadas sobre o Corpo de Meu Filho agora.( 21 de Agosto 1974, de Nossa Senhora a Veronica Leuken)

    A hóstia deve ser dada somente pelo Sacerdote na boca dos fiéis.
    Esta é a orientação de nossa Mãe. Além de todas comentadas aqui, nos leva a ter o devido respeito para com o Altíssimo.
    Antonio Carlos.

    ResponderExcluir
  4. aqui em casa sempre que compro uma roupa nova eu estreio indo na Santa Missa

    ResponderExcluir
  5. Adélia Prado, escritora brasileira defendeu há um bom tempo, o resgate da beleza na celebração litúrgica, disse entre outras declarações, que:
    - “Missa é como um poema, não suporta enfeite nenhum”
    - “A missa é a coisa mais absurdamente poética que existe. É o absolutamente novo sempre. É Cristo se encarnando, tendo a sua Paixão, morrendo e ressuscitando. Nós não temos de botar mais nada em cima disso, é só isso”
    - “Olha, gente, têm algumas celebrações que a gente sai da igreja com vontade de procurar um lugar para rezar”.
    - “Nós não encontramos mais em nossas igrejas o espaço do silêncio. Eu estou falando da minha experiência, queira Deus que não seja essa a experiência aqui”.
    - “Parece que há um horror ao vazio. Não se pode parar um minuto». Não há silêncio. Não havendo silêncio, não há audição. Eu não ouço a palavra, porque eu não ouço o mistério, e eu estou celebrando o mistério”.
    - “Não é o fato de ter passado do latim para a língua vernácula, no nosso caso o português, não é isso. Mas é que nessa passagem houve um barateamento. Nós barateamos a linguagem e o culto ficou empobrecido daquilo que é a sua própria natureza, que é a beleza” (críticas a interpretações equivocadas que se fizeram do Concílio Vaticano II na questão da reforma litúrgica).
    Segundo a escritora brasileira, barateou-se o espaço do sagrado e da liturgia “com letras feias, com músicas feias, comportamentos vulgares na igreja”

    - “E está tão banalizado isso tudo nas nossas igrejas que até o modo de falar de Deus a gente mudou. Fala-se o “Chefão”, “Aquele lá de cima”, o “Paizão”, o “Companheirão”.
    “Deus não é um “Companheirão”, ele não é um “Paizão”, ele não é um “Chefão”. Eu estou falando de outra coisa. Então há a necessidade de uma linguagem diferente, para que o povo de Deus possa realmente experimentar ou buscar aquilo que a Palavra está anunciando”. Afirmou.

    Fonte: http://www.zenit.org/pt/articles/missa-e-como-um-poema-nao-suporta-enfeite-nenhum-diz-adelia-prado


    ResponderExcluir
  6. Seria tão bom também que as pessoas se ajoelhassem diante do santíssimo sacramento, para pedir perdão, agradecer, adorá-lo e fazer tambéms suas preces. Jesus merece o nosso amor e a nossa atenção. Pra isso é necessário chegar na igreja antes do começo da missa.

    ResponderExcluir
  7. CONCORDO HOJE EM DIA POUCA GENTE RESPEITAR A SANTA MISSA.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail