Jesus Cristo, Unigênito e Primogênito


RECENTEMENTE, ALGUNS leitores nos propuseram uma análise sobre os termos "unigênito" e "primogênito", atribuídos ao Cristo nas Sagradas Escrituras. Uma breve pesquisa na rede demonstra que tais termos vêm gerando alguma confusão, e parece-nos que certas "explicações" de alguns "professores" e "pastores" tendem a confundir mais do que esclarecer. Buscando atender a esta necessidade, disponibilizamos o presente estudo, rogando a Nosso Senhor que seja útil.


Unigênito

Cristo é o Unigênito, Aquele a quem o Pai enviou ao mundo por causa do seu grande Amor, "porque Deus amou de tal modo o mundo que lhe deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que n'Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna" (Jo 3,16).

Este título de Filho Unigênito (Único) revela aspectos importantes da identidade do Cristo:

  • Primeiro, Ele é O Filho desde toda a eternidade, consubstancial ao Pai, procedendo d'Ele em Geração eterna, o que, por isso mesmo, torna-o distinto do Pai (divina e misteriosamente igual e distinto a um só tempo).
  • É o Filho Encarnado, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, que assume natureza humana com vistas à salvação do mundo, por um ato de perfeito e obediente Amor .
  • Em nosso amor a Cristo nós temos o único acesso ao Amor do Pai, de modo que Cristo se torna, assim, o Primeiro de muitos irmãos.

Este título de Filho Unigênito (Único), portanto, está reservado apenas e exclusivamente ao Filho de Deus, e significa a sua relação de obediência e missão como o único Redentor, Messias e Sacerdote eterno, revelado ao homem pelo próprio Deus (Mc 1,11).

O Cristo é a Palavra de Deus: "Ninguém jamais viu a Deus: o Filho Único que está no seio do Pai é que o deu a conhecer." (Jo 1,18)

A Glória de Jesus não é nada menos que a Glória celestial de Deus Pai do Universo: "Glorifiquei-te na Terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer. Agora glorifica-me Tu, ó Pai, junto de Ti mesmo, com aquela Glória que tinha contigo antes que o mundo existisse." (Jo 17,4-5)

Cristo é realmente o único (unigênito) gerado por Deus: "Sabemos que aquele que nasceu de Deus não peca; o que é gerado de Deus se guarda, e o Maligno não o toca." (1Jo 5,18)

No Antigo Testamento, "Filho de Deus" é um título dado aos anjos, ao povo eleito, aos filhos de Israel e aos seus reis. No Novo Testamento, é o título do verdadeiro Messias, O Filho de Deus: "Tomando a palavra, Simão Pedro respondeu: 'Tu és o Cristo, Filho do Deus Vivo!" (Mt l6,16).


Primogênito

O Antigo Testamento fala muitas vezes da condição especial do filho que literalmente "abre o útero" de sua mãe, o primeiro a nascer, portanto geralmente o mais velho, quando vêm outros irmãos. A palavra primogênito, entretanto, tem sentido e valor mais especiais no contexto bíblico.

O primeiro filho, no antigo Israel, gozava de privilégios exclusivos: era ele o principal herdeiro da família. Assim, Jacó pretendeu que seu irmão Esaú lhe vendesse seu direito de primogenitura porque, embora fossem gêmeos, Esaú nasceu primeiro e por isso tinha direitos sobre o irmão (Gn 25,31-32). Ao direito de primogenitura correspondia uma bênção especial que Jacó usurpou a seu irmão, que diz: "Apoderou-se do meu direito de primogenitura, e agora apodera-se da minha bênção" (Gn 27,36).

O Livro dos Salmos fala do rei David como primogênito de Deus, como possuidor de proteção divina especial: "Eu o constituirei meu primogênito, o mais excelso entre os reis da Terra" (Sl 89,28).

Quando Moisés foi encarregado de conduzir o povo de Israel, Deus mandou-lhe dizer ao faraó:

"Assim fala o SENHOR: Israel é o meu filho primogênito. Digo-te: deixa ir o meu povo para que me sirva; se recusares deixá-lo ir, Eu matarei o teu filho primogênito". (Ex 4,22-23).

À meia-noite, Deus cumpriu a sua promessa (Ex 12,29), poupando os primogênitos de Israel pela imolação do cordeiro pascal com cujo sangue pintaram a verga e as ombreiras de suas casas (Ex l2,23-24). Deste fato nasceu, pois, a chamada "Lei sobre os primogênitos", a respeito da qual o Senhor disse a Moisés: "Consagrar-me-ás todo o primogênito, dentre os filhos de Israel; seja homem ou animal, ele me pertence" (Ex 13,1-2).

No Novo Testamento, Jesus é o Primogênito por excelência. Em sua infância, é chamado por S. Lucas como o Primogênito de Maria: "Teve o seu Filho primogênito, que envolveu em panos e o recostou numa manjedoura, por não haver para eles lugar na hospedaria (Lc 2,7)." – Mas ao ser apresentado no Templo, Jesus toma o seu lugar de acordo com a consagração do Primogênito:

"Quando se cumpriu o tempo da sua purificação, segundo a Lei de Moisés, levaram-no a Jerusalém para o apresentarem ao SENHOR, conforme está escrito na lei de Deus: todo o primogênito varão será consagrado ao Senhor'." (Lc 2,22-23)

S. Paulo diz: "Porque os que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de Seu Filho, a fim de que Este fosse o Primogênito de muitos irmãos" (Rm 8,29 – o mesmo em Cl 1,15); e ainda mais: "Ele é também a cabeça do Corpo, a Igreja; Ele é o princípio, o Primogênito dos mortos, pois devia ter em tudo a primazia" (Cl 1,18).

Como Primogênito, Jesus é o Filho por excelência, neste sentido o único participante do Amor do Pai. Mas, por meio do Espírito Santo, todos somos filhos de Deus, irmãos de Cristo, "herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Rm 8,16-17).



Esclarecendo as controvérsias

"Primogênito" é também um termo jurídico que na Bíblia tem significado específico e bem determinado: refere-se ao primeiro filho, quer venha outro, quer não.

Aos que pretendem ver neste título atribuído a Jesus uma "prova" de que a Virgem Maria teve outros filhos, lembramos o simples fato de que, entre os judeus do primeiro século, não se esperava o nascimento de outro filho para que o primeiro fosse tratado como "primogênito", – e assim era tido e chamado pela vida toda. Tal fato foi, inclusive, definitivamente comprovado com a descoberta do túmulo de uma judia chamada Arsinoé, do 1º século, que contém a inscrição: "Aqui jaz Arsinoé, morta ao dar à luz o seu primogênito"1.

Ora, se morreu ao dar à luz o primeiro filho, evidentemente não teve outros. Mesmo assim, este menino é chamado primogênito de sua mãe, – ainda que tenha sido seu único filho.

A questão é bem simples e já se dá por encerrada, por aqui mesmo. Ainda assim, para que os seus estudos sejam mais completos e a sua formação mais sólida, prezado leitor, prosseguiremos um pouco mais na análise da questão.

Vamos à etimologia: a palavra “primogênito” deriva do latim “primogenitis” ou “primogenitum” (primo = primeiro; genitus/genitum = gerado ou nascido). Dessa forma, um filho único não deixa de ser primogênito por não possuir irmãos. Alguns debatedores fundamentalistas frequentemente pretendem aplicar uma dependência ao significado da palavra que simplesmente não existe, nem em sua etimologia nem em seu sentido bíblico.

"Tu lhe dirás: 'assim fala o SENHOR: Israel é meu filho primogênito!'." (Ex 4,22)

As sentença acima é parte do conjunto de orientações de Deus a Moisés para serem transmitidas ao Faraó do Egito, a fim de libertar o povo de Israel do cativeiro. Segundo as Sagradas Escrituras havia, naquele tempo, alguma outra nação ou povo na Terra chamado e escolhido por Deus como um filho? A resposta é não. Entretanto, mesmo Israel sendo, neste sentido, "filho único" de Deus, é chamado também "primogênito".

Poderia-se argumentar dizendo que Deus estava considerando a futura conversão dos povos pagãos, que seriam então filhos subsequentes. Entretanto, com o advento do cristianismo não há nenhum fundamento para a ideia de Israel e da Igreja como filhos diferentes de Deus. No contexto da Nova e Eterna Aliança, todos os que creem no Evangelho, sejam judeus ou gentios, são chamados a constituir um único povo santo (cf. Rm 10,12; Gl 3,28; Cl 3,11). Não há nenhum cabimento na ideia de Israel e a Igreja serem filhos distintos de Deus, o primeiro como "filho unigênito" e a segunda como uma segunda filha: esta seria uma concepção completamente absurda.

Como já vimos, o próprio Cristo, o Filho Único de Deus, também é chamado Primogênito:

"E novamente, ao introduzir Deus o seu Primogênito na Terra, diz: 'Todos os anjos de Deus o adorem'." (Hb 1,6; – ver Sl 96,7)

O que a passagem acima está afirmando, e com muita clareza, é que Cristo é O Primogênito de Deus. Diferente de outras passagens do NT (cf. Rm 8,9; Cl 1,18; Ap 1,5), aqui não se trata do primogênito de Maria virgem, isto é, não se refere à condição carnal de Jesus, mas sim à condição divina, do Deus Filho do Deus Altíssimo, Pai de tudo e todos. Pois bem, Deus Pai não tem outros filhos a não ser Jesus, e disto absolutamente ninguém que se pretenda "cristão" discorda.  Mesmo assim, mesmo Jesus sendo o único Filho, a Sagrada Escritura o chama, também neste sentido, de Primogênito.

Alguma reflexão mais será necessária? Não. Temos provas mais do que suficientes de que a palavra “primogênito” não se aplica somente ao primeiro filho entre  outros, mas também ao filho único (o qu se confirma também em Nm 3,40; Ex 11,5; 12,29-30). Desta forma, de modo algum o uso do termo poderia servir como evidência da existência de irmãos de sangue de Jesus. – Para aprofundar mais este tema, leia este nosso outro estudo: "Virgindade perpétua de Maria, Mãe de Jesus".

Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho Único, Unigênito e Primogênito!

_______________
1. MOURA. Jaime Francisco. Católicos X Protestantes 9ª ed., Joinville: Clube dos Autores, 1999, p. 63.
___
Ref.:
Artigo "Maria Sempre Virgem, de Alessandro Lima, disp. em:
http://www.veritatis.com.br/apologetica/maria-santissima/531-santa-maria-sempre-virgem
Acesso 22/1/015
______
N. do A.:
Alguns protestantes históricos, entre eles luteranos, sustentam, ao lado dos católicos e cristãos ortodoxos, que Maria não teve outros filhos depois do nascimento do Cristo, e que não teve quaisquer relações conjugais com José, afirmando que os irmãos mencionados nos Evangelhos eram parentes próximos, certamente primos. Isto é consistente com a aceitação de Lutero, ao longo de toda a sua vida, da ideia da virgindade perpétua da mãe do Senhor. O célebre Prof. Jaroslav Pelikan [(1923-2006), autor de mais de trinta livros, erudito em História do Cristianismo e Teologia Cristã, professor de história em Yale University] observou tal fato, e juntamente com Harmann Grisar [biógrafo de Lutero], concordam que "Lutero sempre creu na virgindade perpétua de Maria mesmo após o parto, como afirmou no 'Credo dos Apóstolos', embora negasse seu poder de intercessão. Por esta razão, até mesmo um rigorosamente conservador estudioso protestante como Franz Pieper (1852-1931) recusou-se a seguir a tendência entre muitos de seus pares de insistir que Maria e José tiveram relações conjugais após o nascimento do Cristo. Está implícita em sua dogmática a aceitação de que a fé na virgindade perpétua da mãe do Senhor é a visão mais antiga e tradicional dos protestantes, bem como a mais evidentemente alinhada com a estrutura da narrativa bíblica como um todo. Maria, tendo sido escolhida para novo tabernáculo do próprio Deus Todo-Poderoso, não poderia de modo algum, uma vez cumprida sua missão, ter conhecido qualquer tipo de impureza. – OLIVEIRA, Prof. Dr. Adilson L. P. Teologia Dogmática, Joinville: Clube dos Autores, 2012, p.13
www.ofielcatolico.com.br

23 comentários:

  1. Segundo o livro de Isaías 7,14:
    "Portanto o mesmo Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, e chamará o seu nome Emanuel". Portanto, daí temos uma noção do porquê Maria deve ser tratada como a Virgem Perpétua. Mas a ignorância e, principalmente, o orgulho ofuscam a visão dos protestantes, que se negam razões tão óbvias como esta. Preferem dar credibilidade aos faladores fúteis (os pastores) a guiar pelas verdades reveladas pelo Criador.

    ResponderExcluir
  2. A última parte, "Esclarecendo as controvérsias", ao meu ver, é a melhor e a mais importante deste belo estudo. Deveria aparecer logo no começo do texto, porque o começo está um pouco enfadonho para muitas pessoas, ou então essa parte deveria ser separada e postada como um estudo a parte. No mais, parabéns pelo excelente trabalho.

    Prof. Plinio

    ResponderExcluir
  3. Realmente é MUITO ESCLARECEDOR, principalmente a última parte!!!! Mas se ela ficar antes do começo, vai perder o sentido, professor Plínio.

    ResponderExcluir
  4. Irrefutável! o Fiel Católico é uma das melhores páginas católicas sem dúvida.

    ResponderExcluir
  5. Mesmo que nossa Santíssima Mãe Virgem Maria tivesse outros filhos, mesmo que fossem até mais de dez, não por isso, ela teria menos importância. Continuaria sendo nossa Santíssima Mãe e Mãe de Deus. O que esses protestante querem é uma maneira para injustiça-la.
    Mas tá ai, mais um ótimo texto, que só não entende,quem não quer.
    Muito esclarecedor.

    "Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo, Filho Único, Unigênito e Primogênito!"
    Louvado seja.

    Viva Nossa Senhora Mãe de Deus.

    ResponderExcluir
  6. Parabens prof. Henrique,

    A facilidade com as palavras nao eh so capacidade. Acredito que eh um dom.

    De Deus. Amem! Que assim seja!

    Joao

    ResponderExcluir
  7. Quando alguém sugere que o outro estude determinado assunto, fica claro que esse alguém pressupõe conhecer melhor o assunto do que o outro. Quem sugeriu que o blog abordasse essas questões, de certo, acreditava ter uma grande novidade, um argumento fatal que apontasse a fragilidade de nossas crenças. Mais uma vez, a fragilidade que se evidencia é a dos argumentos que são construídos a partir daqueles que pretendem interpretar as Sagradas Escrituras longe da Igreja e a partir daí, ataca-La. Rezo para que, com o coração um pouco mais manso e humilde, nossos irmãos afastados procurem conhecer o que a Igreja tem a dizer a respeito desses inúmeros mitos fantasiosos que são insistentemente propagados por aí.

    Salve Maria Santíssima!

    ResponderExcluir
  8. Prezado Fiel católico,

    Sou protestante e ficou pensando o porque desta discursão sobre a Virgindade perpétua de Maria,Isto não muda em nada a missão e propósito porque Jesus Cristo veio ao mundo.

    O Senhor lhe abençoe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luiz, o fato de cremos que Maria foi sempre Virgem, que não teve relações com São José e que não teve outros irmãos, etc., etc., etc. isto não é para exaltar a Maria, mas sim a JESUS CRISTO. JESUS foi único, foi Verdadeiro DEUS, e Verdadeiros homem, foi a revelação plena do PAI, Senhor da Vida, da Igreja, de nós todos, você haja que sua existência neste mundo seria comum como a de todos nós?. De fato ELE foi tudo igual a nós menos no pecado, mas que muito de sua existência, como homem e neste mundo, foi de uma singularidade impar com relação nós, que entram vários aspectos que não são só pecado que distingue de nós, e uma delas é de ELE ter nascido de uma Virgem, e esta Virgem ter permanecido assim a vida inteira, de ela antes disto ainda ter sido isenta do pecado original, de ter sido arrebatada para o céu e por ser mãe do Rei ter se tornado rainha do céu e da terra, além de ter se tornado nossa mãe, pois se fomos revestido de CRISTO, e somos um com ELE, sendo Maria sua mãe, automaticamente ela se torna nossa mãe e nós filhos dela, em JESUS NOSSO SENHOR.

      Anonimo Sidnei.

      Excluir
    2. Caríssimo Luiz, sua resposta rendeu um post. Por fravor, acesse o link abaixo para ler:

      Por que a virgindade perpétua de Maria é importante?

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  9. Caríssimo Prof Henrique Sebastião, irmão em Jesus Cristo!
    Belíssimo e irrefutável texto.
    Na questão da primogenitura de Nosso Senhor Jesus Cristo, filho primeiro e único da Sempre Virgem Maria, há outra celeuma “evangélica” sobre se o glorioso São José, seu esposo, teria existido relações sexuais com a sua esposa, após o nascimento do seu filho Jesus, baseada no texto de São Mateus 1, 25, que diz: “e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe o nome de JESUS”. (Almeida corrigida).
    No post sobre “Virgindade perpétua de Maria, Mãe de Jesus”, acima indicado pelo nosso querido professor Henrique, dirime muito bem a questão.
    Que Deus, nosso bondoso Pai, vos dê sempre sabedoria para bem refutar todas as heresias “evangélicas”!
    Ora pro nobis, sancta Dei Genitrix.
    Ut digni efficiamur promissionibus Christi. Amen!

    ResponderExcluir
  10. Com certeza Jesus Cristo é o filho unigênito e primogênito do Pai. Esse post me fez lembrar o profeta João Batista que sendo filho unigênito de Zacarias e Isabel foi consagrado a Deus no templo para purificação, assim como eram os primogênitos varões.

    ResponderExcluir
  11. UNIGÊNITO E PRIMOGÊNITO

    Unigênito = Único Filho Gerado

    Primogênito = Primeiro Filho Gerado Entre Outros.

    Jo 1:14 = "E O Verbo Se Fez Carne, E Habitou Entre Nós, E Vimos A Sua Glória, Como A Glória Do Unigênito Do Pai, Cheio De Graça E De Verdade". Jesus, Quando Entrou Aqui Na Terra, Na Forma Humana (Fl 2.5-8) , Era O Único Filho De Deus Aqui, Portanto O Filho Unigênito.

    Lc 2:6,7 = "Enquanto Estavam Ali, Chegou O Tempo Em Que Ela Havia De Dar À Luz, E Teve A Seu Filho Primogênito; Envolveu-O Em Faixas E O Deitou Em Uma Manjedoura, Porque Não Havia Lugar Para Eles Na Estalagem."

    Jesus Teria Que Nascer De Uma Virgem (Lc 1.26-27), Sem O Ato Físico De Um Homem, Para Não Herdar A Semente Maligna De Satanás Que Foi Implantada Em Todos Os Seres Humanos Desde Adão (O Pecado Entrou No Mundo Por Um Homem, Adão - Rm 5.12), Passando De Pai Para Filho Em Todas As Gerações Futuras (Todos Pecaram - Rm 3.23); Jesus Foi Concebido Pelo Espírito Santo No Útero Virgem De Maria ( Lc 1.34,35).

    É Evidente Que Deus Não Impediria Maria E José De Terem Seus Próprios Filhos E Terem Um Casamento Feliz, Pois Foi Deus Mesmo Quem Instituiu O Casamento E A Geração De Filhos.(Gn 1.27,28); Assim Maria Pode Ter Seus Outros Filhos Como Vemos No Versículo Seguinte: Mt 13:55 = "Não É Este O Filho Do Carpinteiro? E Não Se Chama Sua Mãe Maria, E Seus Irmãos Tiago, José, Simão, E Judas?"

    Os Irmãos De Jesus, A Princípio Não Creram Nele, Mas Depois Se Tornaram Colunas Do Cristianismo:

    *Tiago Foi Líder Da Igreja Em Jerusalém No Tempo De Paulo.( At 15.13), Lembrando Que O Outro Tiago Que Era Apóstolo Já Tinha Sido Degolado Por Herodes.

    *Judas Escreveu Uma Epístola(Carta) Aos Irmãos Na Fé Que Estavam Dispersos Por Toda Parte. (Jd 1.1)

    *Os Outros Irmãos De Jesus Não Temos Notícias Deles Na Bíblia, Talvez Ajudassem Na Obra Como Vemos Em 1 Co 9.5.



    Vamos Ver Que Após A Ressurreição De Jesus, Ele Sobe Para O Pai (Jo 20.17) E Acontece Então O Que Está Registrado Em Sl 24.7-10. Jesus É Recebido Como Filho De Deus, Mas Num Corpo De Homem (Glorificado) - É Deus Mesmo, Mas É Também Homem Mesmo; É O Primeiro Filho De Deus Num Corpo Humano. Agora Ele É Enviado De Volta À Terra:

    Hb 1:6 = "E Outra Vez, Ao Introduzir No Mundo O Primogênito, Diz: E Todos Os Anjos De Deus O Adorem."

    Veja Que Agora Ele Não É Mais O Unigênito, E Sim O Primogênito.

    Ele Veio Gerar Para Deus Muitos Filhos.

    Jo 1.12,13 = Deu-Lhes O Poder De Serem Feitos Filhos De Deus, Gerados Pela Graça De Deus, Por Meio Da Fé No Filho De Deus E Seu Sacrifício Na Cruz Do Calvário. (Rm 5.15; Ef 2.8).

    Rm 8:16 = "O Espírito Mesmo Testifica Com O Nosso Espírito Que Somos Filhos De Deus".

    Agora, Somos Filhos De Deus, Irmãos De Jesus Cristo, Nosso Salvador , Ele Vem Nos Buscar Para Estarmos Para Sempre Junto Com O Pai. Aleluia! Glória A Deus! (Hb 2.9-15; Jo 14.1-3)

    *Para Se Tornar Filho De Deus É Preciso Crer E Confessar Que Jesus Morreu Por Nós, Na Cruz Do Calvário E Que Ressuscitou Ao Terceiro Dia; Aceitando-O Também Como Senhor (Dono De Sua Nova Vida). (Mt 10.32; Rm 10.9; Jo 3.3)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thiago, veja que a sua mensagem parte de uma série de premissas para as quais você não apresenta fundamento algum. Por exemplo, qual é a sua base para afirmar que o termo "primogênito", no contexto bíblico, significa "primeiro filho entre outros"??

      Isto é um sofisma da mais pura espécie, e nada mais. Aliás, este mesmo estudo que você está comentando (e que, baseado no seu comentário, tenho a nítida impressão de que você não leu), demonstra, – com embasamento, – porque não há sentido algum no que você afirma.

      Sobre o problema dos "irmãos de Jesus", já o esclarecemos num artigo específico, que você pode ler no endereço abaixo:

      http://www.ofielcatolico.com.br/2014/02/virgindade-perpetua-de-maria-mae-de.html

      (Por favor, leia-o com atenção antes de tentar refutá-lo)

      Por fim, com todo o respeito, mas também com toda a honestidade, suas outras proposições são tão absurdas que sequer merecem resposta. É uma mera questão de lhe pedir que estude com seriedade e desapego, que suplique a inspiração do Espírito Santo antes de tentar interpretar a Bíblia por conta própria, algo que a própria Bíblia condena em 2Pd 1,20.

      Ora, é clara e evidente a sua bibliolatria, tanto que você chega ao ponto de reproduzir as passagens bíblicas digitando cada palavra com inicial maiúscula!!

      Ao mesmo tempo, você despreza a Igreja que produziu, canonizou e preservou a Bíblia! Absurdo dos absurdos...

      Desejo, do mais profundo de minha alma, que a Luz divina ilumine seu espírito e o liberte das pavorosas trevas da sola scriptura.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. "*Tiago Foi Líder Da Igreja Em Jerusalém No Tempo De Paulo.( At 15.13), Lembrando Que O Outro Tiago Que Era Apóstolo Já Tinha Sido Degolado Por Herodes."

      A é, e outro Tiago Menor, que escrevera a epistola de São Tiago, que era filho de Alfeu (Mat. 10,3), e que São Paulo disse em sua carta aos Gálatas que não vira mais nenhum outro apóstolo quando foi para Jerusalém, a não ser Tiago o irmão do SENHOR, (Gal. 1,19). Aqui por acaso a dois Tiagos um menor apóstolo e o outro o irmãos do SENHOR, que segundo as Sagradas Escrituras, não pertenceu aos 12 apóstolos, mas sabe-se lá como, pois as Sagradas Escrituras não indicam, este Tiago irmão de sangue de JESUS, chegou a ser líder da Igreja de Jerusalém, demonstrando que o nepotismo já vinha desde aquela data. Não meu amigo, não tem como dizer que o Tiago de Gal. 1, 19 não seja não seja o mesmo de Mat. 10, 3, vocês protestante vão ter que se estrebuchar para afirmar isto, pois se para vocês tudo deve estar na Bíblia, então demonstre aonde esta nas Sagradas Escrituras que o Tiago irmão de sangue de JESUS tomou posse como líder da Igreja de Jerusalém, se nem mesmo ele pertencia ao grupo dos 12 Apóstolos e que até mesmo as Sagradas Escrituras diz que os irmãos de JESUS não acreditavam NELE e o consideravam como um louco. Portanto, tenho que para mim, como a muitos cristãos, que o Tiago de Gal. 1, 19 é o mesmo Tiago de Mat. 10, 3, mas aí vemos que em Mat. 10,3 Tiago é filho de Alfeu, e em Gal. 1, 19 ele é irmãos de JESUS, seguindo a lógica de que Mat. 10, 3 e Gal. 1, 19 se tratam do mesmo Tiago, chega-se a conclusão de que quando São Paulo em Gal. 1, 19 diz que Tiago é o irmão do SENHOR, ele esta dizendo que Tiago é um parente de JESUS, provavelmente seu primo, o que corrobora com a fé católica que ensina que JESUS nunca teve irmãos de sangue e que Maria permaneceu virgem durante toda sua vida.

      "Para Se Tornar Filho De Deus É Preciso Crer E Confessar Que Jesus Morreu Por Nós, Na Cruz Do Calvário E Que Ressuscitou Ao Terceiro Dia; Aceitando-O Também Como Senhor (Dono De Sua Nova Vida). (Mt 10.32; Rm 10.9; Jo 3.3)"

      Este é o primeiro passo para nossa salvação, porém, após aceitar JESUS CRISTO como SENHOR e Salvador, devemos permanecer obedientes a ELE em tudo o que ELE ensinou, se fosse só em crer proferindo um profissão de fé com palavras para se salvar, então, seria a coisa mais fácil do mundo para se salvar, porém, crer não é só com a boca, e com pensamentos, palavras e ações, pois não adianta dizer que é salvo em JESUS CRISTO, quando não pratica aquilo que ELE mandou e ensinou, não são os que dizem: SENHOR, SENHOR, que entrarão no Reino dos Céus, mas quem faz a vontade do PAI como mesmo disse JESUS: (Mat. 7, 21)

      Sidnei.


      Excluir
    3. Caro Henrique Sebastião, irmão em Cristo Jesus!
      Admiro sua paciência com certas pessoas que postam suas aberrações neste Apostolado fiel às verdades cristãs.

      O “teólogo” Tiago C, se esqueceu de apresentar a fonte de onde ele copiou o “SEU” trabalho, por isto, não apresentou fundamento algum. Nem ele e, tão pouco o autor do texto. Nestes casos nos orienta o Mestre Jesus: “Deixai-os. São cegos e guias de cegos. Ora, se um cego conduz a outro, tombarão ambos na mesma vala” (São Mateus 15, 14).

      Eis a fonte do “trabalho” do “teólogo” Tiago C
      http://www.apazdosenhor.org.br/profhenrique/unigenito.htm

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!
      Salve Maria!

      Excluir
    4. André Catolicus, pode dizer que aberraçoes seriam essas? Obrigado, Pastô nelso- igreja bailarinas da valsa divina.

      Excluir
    5. Caro Pa$tô nerso da capitinga da “igreja bailarina da valsa divina, de acordo com os prescritos nas minudências dos Tributos religiosos da Ordem Amuliana da Antiga Observância, este post para os meus bate-barbas, caducou, felizmente!

      Excluir
    6. Ainda tô tentando entender umas palavras mas brigado por responder. Ah, E eu sou de piratininga, nao de capitinga. Pasto nelso- igreja bailarinas da valsa divina.

      Excluir
    7. Bem! De qualquer forma piratininga e capitinga rima com “valsa divina” Ah! Já ia cair no esquecimento, assista ao vídeo abaixo, que poderá clarear um pouco sobre as palavras não entendidas, explicadas por um dos seus discípulos da “igreja criacionista da terra quadrada”:

      https://www.youtube.com/watch?v=sXankgl9IJo

      Excluir
    8. N vi nada no video que tem haver com o que você falou, mas esse homem ai do vídeo né meu discipulo não. Pastô nelso.

      Excluir
  12. Sou católico. Ainda não compreendo porque Jesus é filho Unigênito de Deus Pai. Entendi que Jesus foi gerado co-substancialmente por Deus Pai, mas porque não haveria outros também assim gerados, que não se fizeram humanos, e não vieram ao mundo, como Jesus fez? Alguém poderia me dar uma luz?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não haveria outros o que, Zeus? Não entendo a sua dúvida. Ora, NSJC é o Verbo divino, a Palavra do Pai, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. Não é uma palavra, nem uma pessoa em uma trindade infinita. Portanto, não poderia haver quem quer que fosse que fosse gerado pelo Pai além do Filho. A paz de NSJC!

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail