Depressão e Fé


Por Patrícia Mattos

UMA PESQUISA DA UNIVERSIDADE Columbia, nos Estados Unidos, demonstrou que a espiritualidade pode ser uma poderosa arma contra a depressão. O que não significa que a depressão seja falta de fé, mas sim que a fé pode contribuir na cura da doença. Isso porque a confiança em Deus ajuda os seres humanos a terem esperança, coisa que falta na vida de uma pessoa afetada pela depressão.

Padre Ricardo Araújo
Além de tristeza profunda, desmotivação para o trabalho e pensamentos negativos sobre a vida, uma das consequências da depressão é o afastamento da pessoa a Deus, aos outros e uma sensação de abandono. A vivência religiosa pode ajudar a pessoa a se situar no mundo novamente, uma vez que pode retomar o sentido da vida através da convivência com outras pessoas e da vida em comunidade. O Padre Ricardo Araújo (foto), responsável pela Paróquia São Benedito e capelão do Hospital Beneficente Santa Gertrudes na cidade de Cosmópolis - SP, lembra que uma pessoa religiosa não é somente aquela que reza em sua individualidade, mas também a que vive sua espiritualidade dentro de uma comunidade de pessoas que possuem o mesmo objetivo: buscar a salvação e construir o Reino de Deus.


Ao contrário do que muitos dizem por aí, a depressão não é um castigo de Deus. Ricardo acrescenta que ao longo de nossas vidas construímos coisas que nem sempre são boas, mas não sabemos lidar com elas. “A misericórdia de Deus e seu amor são infinitos, Ele sempre nos dá a chance de voltarmos e refazermos a vida. Por isso, a vivência da fé dentro de uma comunidade é importante para quem está com depressão, pois ela vai encontrar o consolo de Deus através das pessoas e também vai poder compreender que pode fazer de sua vida uma vida diferente através do seu próprio agir. Além de preencher o vazio que a depressão causa”.



Pe. Márcio A. Krefer
O Padre Márcio Adriano Krefer (foto), da Paróquia Nossa Senhora da Glória – Vila Bela - SP, acrescenta que o cristão tem as ferramentas essenciais para sair do estado depressivo. “Em primeiro lugar, crendo em Deus com muita confiança, e estabelecendo uma comunhão com Deus por meio da oração pessoal e comunitária, aceitando a Palavra de Deus e o conselho dos membros da comunidade. Aquele que acredita em Deus e tem uma vida de oração e fé, tem um instrumento precioso de superação da enfermidade”


Para exemplificar com uma história bíblica, Pe. Ricardo usa o livro do profeta Isaías, onde um relato nos ajuda a entender melhor tal situação. Isaías é chamado para anunciar a esperança aos povos, uma vez que se vive num momento em que as pessoas estão no exílio e são oprimidas pelas lideranças políticas e sociais. “Ele traz em seu anúncio a confiança no ‘Servo Sofredor’, que é o Messias, aquele que virá para libertar o povo da escravidão e da opressão. O ‘Servo Sofredor’ relata a vida de muitas pessoas que vivem na angústia, na desolação, na depressão por muitos motivos, mas que não se deixam abater porque sabem que podem encontrar consolo, cura e libertação através da fé. Também nos ajuda a compreender que por mais difícil que seja o momento de nossa vida, ele não passa de um momento e que, muitos outros virão. É preciso ter esperança e não deixar de lutar por uma vida e por um mundo melhor”. Essa é a esperança alimentada pela confiança em Deus.


Pe. Ricardo aconselha que, aqueles que estão passando por um momento como esse sejam perseverantes. Que usem o momento para crescerem e amadurecerem. Que não se afastem da vivência religiosa e rezem, mesmo sem vontade, pois a oração é uma forma de desabafo e de entrega dos problemas a Deus. “Em vários casos as pessoas precisam também de ajuda profissional, pois a depressão é uma doença e precisa ser tratada em um conjunto de fé e ciência, que não podem andar separadas”, lembra.


Já o Padre Márcio Adriano gosta de relembrar a vida de Jó. Um homem piedoso, íntegro e reto, que temia a Deus e mantinha-se sempre afastado do mal. Tinha uma família linda, muitas posses e, apesar de ser rico tinha um respeito profundo a Deus. “Em um certo momento de sua vida, quando tudo parecia estar na paz e na abundancia de felicidade, começam as provações. Jó começa a perder os seus bens, suas ovelhas e sua família toda. Tudo isto acontece de uma hora para outra. Em pouco tempo, Jó havia perdido tudo. E apesar de tudo, não blasfemou contra Deus. Viveu muitas aflições, agonia e tristeza na alma. Jó declara: ‘a minha alma está desgostosa da vida’ (Jó 10,1). Sente a amargura no seu coração e só pensa no sepulcro. Jó estava vivendo uma tremenda tristeza na alma: ‘Meus olhos se escurecem de tristeza e todo o meu corpo não é mais que uma sombra’ (Jó 17,7). Onde está a felicidade? E a esperança? Para Jó não havia mais saída. Muita tribulação e desconsolo. Viveu uma verdadeira depressão profunda. A angustia o aniquilava. Depois de muito tempo de luta, conversa com Deus, oração constante, Jó recebeu a graça da superação. O Senhor o abençoou muito mais do que quando vivia na felicidade com sua família e seus bens. Recebeu muito mais bens e felicidades porque confiou em Deus, não desistiu de lutar, não se entregou ao escarnio. Esse é um exemplo bíblico de fé e coragem, de provação e superação”, comenta.

Ele complementa que é importante procurar estar com as pessoas, com a família, procurar bons relacionamentos, sair do hábito cotidiano para redescobrir o valor das coisas, das pessoas e do mundo que o cerca; procurar não se entregar ao desanimo; e buscar na oração a força para superar a cada momento as situações de desconforto e cansaço. “Temos que ter em mente que o tratamento para a depressão requer cuidar do corpo e da alma. A medicina cuida do corpo. Porém, só Deus pode curar a alma. A pessoa não pode apenas tratar da alma se muitas vezes o corpo está fragilizado e acaba não colaborando para a restauração total da pessoa. Para isto é fundamental procurar um médico psiquiatra e um psicólogo para que o diagnostico seja dado e para saber como se comportar diante das situações”, finaliza.

O Cristão tem uma ferramenta muito importante na superação das dificuldades: a fé e a luta constante. É preciso acreditar de verdade em um Deus que cura, e, sobretudo, que salva. Crer em Deus ajuda consideravelmente a pessoa na resposta ao tratamento médico. Mas não podemos nos esquecer de que a depressão é uma doença assim como muitas outras em nossa sociedade e exige um tratamento em conjunto. A medicina e a fé precisam andar juntas.
www.ofielcatolico.com.br

2 comentários:

  1. A depressao vem insistindo entrar na minha vida e eu vou insistindo em clamar a Deus. As vezes me sinto completamento sozinha. Busco os sites catolicos e muito tem me ajudado. DEUS ABENÇOE VOCES.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada, caso não conheça, neste programa do Pe. Paulo Ricardo tem bons conhecimentos para ajudar a livrar-se da depressão, que em muitos casos pode ser um problema espiritual:

      https://padrepauloricardo.org/programas/direcao-espiritual

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail