Amor-caridade: o vínculo da perfeição cristã


“É este o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros, como Eu vos amei” (Jo 15,12)

O CATECISMO DA IGREJA Católica (CIC) diz, entre outras coisas, que “a caridade é a virtude pela qual amamos a Deus sobre todas as coisas por Ele mesmo, e ao próximo como a nós mesmos, por amor de Deus” (§1822). É uma belíssima e própria definição, além de bastante completa.

Antes de tudo, é preciso definir o que significa a caridade no contexto genuinamente cristão. Esta caridade, da qual pretendemos tratar aqui, é a mesma coisa que Amor, – grafado assim, com inicial maiúscula, porque designa a forma mais alta de amor, justamente o Amor/caridade, – Amor com o qual o próprio Deus é identificado nas Sagradas Escrituras, como veremos mais adiante.

Ocorre, porém, que ao vocábulo "amor" se atribuem múltiplos significados na língua portuguesa. – Diga-se de passagem, é esta uma das palavras mais “maltratadas” de nossa língua pátria, usada muitas vezes para dizer daquilo que o Amor não é, e às vezes até para significar o seu oposto. – Amor, em português, pode significar afeição, compaixão, misericórdia, inclinação, atração, apetite, paixão, bem-querer, satisfação, desejo (sexual ou não) e até, muito indevidamente, o ato sexual em si.

O conceito mais popular de amor envolve, geralmente, o vínculo emocional com alguém ou com algum objeto. Fala-se em amor físico, platônico, materno/paterno, filial, à pátria, à casa, ao carro, à vida, a Deus. As dificuldades trazidas por essa diversidade de sentidos estão não só nos idiomas modernos, mas também no grego e no latim, que possuem outras palavras para amor, cada qual denotando um sentido específico (não nos aprofundaremos aqui nestes termos, suas raízes e seus significados, o que demandaria um estudo próprio).

Fato é que a linguagem humana não é capaz de exprimir integralmente a riqueza imensa que esta pequena palavra tenta significar. Santo Agostinho diz, a propósito, que precisamos saber decifrar a diferença entre amor e luxúria. Luxúria é vício e pecado; amar e ser amado é a busca essencial do ser humano. Diz ainda o Doutor da Igreja que a única Pessoa capaz de amar plenamente é Deus, pois o amor dos homens é falho, sujeito ao ciúme, desconfiança, medo, raiva.


A Igreja ensina que o Amor/caridade é uma Virtude Teologal. Segundo as Sagradas Escrituras, Virtudes Teologais são as que nos ligam diretamente a Deus, e são fundamentalmente três: a Fé, a Esperança e a Caridade; porém a maior é justamente a Caridade (1Cor 13,13). Quem ama se doa a si mesmo, gratuitamente; é incapaz de usar o próximo e de se autoafirmar. É manso, humilde, sereno, receptivo. No texto que é possivelmente o mais belo já escrito sobre o Amor/caridade, em sua primeira carta aos coríntios, S. Paulo Apóstolo diz:

Ainda que eu distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, se não tiver Amor, de nada valeria.
O Amor é paciente, o Amor é bondoso. Não tem inveja. O Amor não é orgulhoso. Não é arrogante nem escandaloso. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará; o Amor jamais acabará. (1Cor 16,3-8)

Também S. João Evangelista, – não sem razão “o discípulo a quem o Senhor amava”, – inspirado pelo Espírito Santo produziu linhas de incomparável beleza, nas Sagradas Escrituras, sobre o Amor; chegou, por fim, a identificar esta virtude, – a Virtude das virtudes, – ao próprio Deus (Jo 4,16). Jesus Cristo, Deus Filho, Verbo de Deus encarnado, é também o Amor de Deus encarnado; Amor em forma humana.

Por isso é que o Amor verdadeiro, aplicado nas relações conjugais, torna-as comunhão de entrega e de receptividade, de dádiva mútua do ser e de afirmação mútua da dignidade de cada parceiro. Esta comunhão homem-mulher, unidos sacramentalmente e por laços de Amor autêntico, é ícone da Vida do próprio Deus, e leva não apenas à satisfação, mas à santidade e a um sentimento de profunda realização.

Assim, a sexualidade, que é fonte de prazer, segundo a Doutrina católica não serve exclusivamente à função de procriar (como teimam em dizer certos inimigos da Igreja), mas também tem um papel importante na vida íntima conjugal. A relação sexual conjugal é expressão do Amor da Igreja, na qual homem e mulher se unem e se complementam reciprocamente.

Para diferenciar o Amor que é sinônimo de caridade dos outros sentidos que se emprestam à palavra, bastaria dizer que o Amor/caridade é a virtude cristã por excelência, porque Jesus Cristo fez da caridade seu novo e supremo Mandamento, amando-nos até o fim (Jo 13,1) e manifestando o Amor do Pai, que Ele próprio recebe: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e nele faremos nossa morada. (...) Assim como o Pai me amou, também Eu vos amei. Permanecei no meu amor” (Jo 14,23;15, 9).

Fruto do Espírito e plenitude da Lei: para o cristão, simplesmente praticar a caridade, por si só, já garante o cumprimento de todos os Mandamentos divinos. Ora, é claro e evidente que aquele que ama acaba por cumprir, – naturalmente, – a Vontade de Deus: quem ama a seu pai e sua mãe vai honrá-los, não porque lhe é ordenado, mas por consequência natural e inevitável do amor que possui e cultiva dentro de si. Do mesmo modo, ninguém em sã consciência vai assassinar a pessoa que ama (se for verdadeiro amor), nem roubá-la, nem prestar falso testemunho contra ela, nem cobiçar seu cônjuge, nem os seus bens, etc. Assim é que a caridade é o ‘vínculo da perfeição’ (Cl 3, 14) e a base das virtudes: é a fonte e o termo da prática cristã.

Agora que sabemos o que é o Amor/caridade, resta lembrar que o Cristo morreu por amor a cada um de nós, e o fez quando éramos ainda seus “inimigos” (Rm 5,10). Do mesmo modo, o Senhor espera que, como Ele, amemos incondicionalmente, a Deus e a todos, mesmo aos nossos inimigos. Ensinou que o nosso próximo pode ser qualquer um, especialmente aquele que menos esperamos, na parábola do bom samaritano (Lc 10,29ss). E diz que devemos nos fazer mais próximos dos mais afastados, e que amemos especialmente os sofredores e desamparados.

Por fim, fortalece nossa esperança saber que a caridade purifica a nossa capacidade humana natural de amar, elevando-a à perfeição sobrenatural do Amor divino. A caridade exige a prática do bem e a correção fraterna; é benevolente; é desinteressada e liberal. A consumação de todas as nossas obras é o Amor/caridade. É a origem e o fim, pois Deus mesmo é Amor/caridade: é para a conquista dEle que corremos; somente nEle descansaremos, como exclamou Sto. Agostinho: “Fizeste-nos para Ti, e nosso coração está inquieto e não descansará enquanto não repousar somente em Ti”.
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Essa frase de Santo Agostinho é perfeita. nós realmente fomos feitos para Deus e só encontramos a verdadeira paz, quando estamos com Deus nos nossos corações.

    ResponderExcluir
  2. Sou Catequista na minha paróquia para crianças que irão receber a Eucaristia e, procurando na internet artigos que continham os milagres eucarísticos me deparei com este lindo site!! Parabéns ao criador deste site! O mundo precisa de pessoas que revelem a verdadeira face da nossa Igreja tão criticada injustamente nos dias de hoje!!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail