Pergunta e resposta: origem da devoção à Santíssima Virgem Maria


UM LEITOR ANÔNIMO enviou-nos a seguinte pergunta:
As ações da Igreja Catolica falam mais do que mil palavras, por favor, coloque aí no blog relatos dos pais da igreja antes de Constantino que fale a favor de Maria como advocatriz e intercessora, que fale que eles pediam a ajuda dos apostolos e dicipulos quando esses já estavam mortos, chega de muitas palavras, você fala, enrola demais e mostra de menos, quem não lê a biblia pode até cair no teu conto, mas quem le a biblia meu amigo não cai mesmo, afinal é facil criar dogmas estranhos a palavra de Deus e fazer leigos que não liam a biblia engolir como lideres católicos já fizeram.Então para um melhor esclarecimento, estou esperando sua postagem com provas reais de que o que a igreja católica prega de diferente do protestantismo seja a correta."

Apesar do tom acusatório e provocativo, ficamos felizes com essa pergunta, porque nos deu a oportunidade de abordar um assunto importante e ainda inédito por aqui. Quando e como começou a devoção à Virgem Maria?

A Igreja sempre viu a mãe de Jesus Cristo como Mãe da própria Igreja, ou foi isso uma invenção posterior? Desde quando Maria é vista como nossa intercessora junto a Deus? Desde quando a Igreja pede proteção à Maria? Para aqueles que leem exclusivamente a Bíblia, estas são perguntas válidas e justas; afinal, as sagradas Escrituras não tratam destas questões explicitamente.


O erro fundamental

Infelizmente, é preciso começar a responder os questionamentos trazidos pelo leitor anônimo com o esclarecimento daquele ponto fundamental que já tivemos que repetir uma dúzia de vezes (ou mais?) por aqui: quando o leitor afirma que "quem lê a Bíblia não cai", isto é, não aceita as explicações contidas neste site, – que não são nossas, mas representam a doutrina da Igreja Católica, – fica claro que as perguntas estão partindo de alguém que segue "a religião do Livro". As dificuldades começam logo de cara pelo fato de nós, católicos, seguirmos a Religião do Espírito Santo, que foi derramado sobre a Igreja por nosso Salvador Jesus Cristo.

Há dois mil anos, o Senhor Jesus, glorificado pelo Espírito Santo, entrou no Cenáculo de Jerusalém e derramou o Espírito da Ressurreição sobre a sua Igreja, na pessoa dos Apóstolos: “A paz esteja convosco! Recebei o Espírito Santo!” (Jo 20,19ss).

No Domingo da Páscoa, os Apóstolos tornaram-se realmente cristãos; receberam a vida nova do Cristo Ressuscitado, foram transfigurados em Cristo! Aí nasceu a Igreja: na Ressurreição! Aí ela foi batizada no Espírito e recebeu o poder de batizar: “Como o Pai me enviou, assim eu vos envio!” (Jo 20,21). – Contemplando esta realidade sagrada é que se torna nítida a enorme diferença entre as pessoas que têm uma fé toda engessada, presa às palavras literais do Livro Sagrado, e os membros do Corpo do Cristo.

Segundo aquela mentalidade limitada, só o que está escrito no livro, literalmente, "pode". O que não estiver escrito no livro, literalmente, "não pode". Isto é querer reduzir o Caminho de salvação e Comunhão (que é o próprio Cristo) a uma triste piada.

O cristianismo nunca foi religião do Livro. Nós, católicos, temos a Bíblia como sagrada e cremos que ela é Palavra de Deus, sim, a Palavra por escrito. Mas cremos sobretudo que a Palavra, o Verbo de Deus, por excelência, é Jesus Cristo, Deus Vivo, Senhor Ressuscitado, que não se limita à letra, assim como as Sagradas Escrituras nos ensinam que "nem o mundo todo poderia conter os livros que teriam que ser escritos para falar sobre Jesus" (Jo 21,25). Amém!

A mesma Verdade o Apóstolo São Paulo esclarece e aprofunda à perfeição, ao dizer: "Deus nos fez ministros de um Novo Testamento, não da letra, mas do Espírito; porque a letra mata e o Espírito vivifica" (2Cor 3,6).

É claro que o Apóstolo não afirma que a Escritura é morta ou que não tem valor. Ao contrário, a Escritura "é útil para ensinar, repreender, corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3,16). O problema começa quando achamos que exclusivamente o que está escrito é que vale. Perdemo-nos no Caminho quando achamos o que está escrito mais importante do que a Igreja, que é dirigida pelo Espírito de Deus e autora da própria Bíblia.

As tradições meramente humanas, como as dos antigos fariseus e doutores da Lei de Moisés, foram substituídas pela Tradição da Igreja: Tradição esta que gerou a própria Bíblia dos cristãos. Portanto, a autoridade de fé sobre a doutrina de Jesus Cristo está fundamentada na Igreja que Ele edificou sobre a Terra, e não somente na Bíblia Sagrada, que foi produzida, preservada e deve ser interpretada segundo a mesma Igreja.

Estando claros esses pontos fundamentais, entremos, afinal, na questão da devoção à Nossa Senhora. Pelo teor da mensagem, pareceu-nos que o leitor anônimo crê que a devoção à Virgem Maria começou depois de Constantino, ou que foi Constantino quem a "inventou"... Por isso, é pedida alguma prova de que a Igreja que existia antes de Constantino já cultivava tal devoção. Muito bem, vejamos...



A origem está nos Evangelhos

A devoção à Santíssima Virgem Maria começou com o próprio cristianismo. Naquela singelíssima casa de Nazaré, há dois milênios, encontramos o Anjo Gabriel, enviado por Deus, saudando Maria! “Salve, ó cheia de graça, o Senhor está contigo!” (Lc 1,28). Com estas palavras, vindas diretamente do Céu, começou a devoção mariana. Quem pode negar a evidência deste fato?

"Desde agora, todas as gerações me proclamarão Bem-aventurada!" (Lc 1,48). No Evangelho, Maria faz uma profecia que a Igreja Católica sempre cumpriu, mas as novas "igrejas evangélicas" fazem muita questão de renegar. Maria, cheia do Espírito Santo e grávida do próprio Jesus Cristo, profetiza que será aclamada bem-aventurada por todas as gerações. Já os "pastores evangélicos" a chamam "uma mulher como outra qualquer".

Quando Maria, única guardiã do anúncio do Anjo, visita Isabel, depois da longa viagem da Galileia até a Judeia, ao ouvir a saudação de Maria, a mãe de João Batista percebe que o menino salta de alegria dentro dela, enquanto o Espírito Santo atravessa sua alma e lhe sugere estas palavras: “Bendita és tu entre as mulheres! Bendito é o fruto do teu ventre! Donde me vem a honra de que venha a mim a mãe do meu Senhor?” (Lc 1,42-45). Quem ousa dizer que isso não é a mais pura devoção mariana, registrada no Evangelho? Pois é exatamente o que nós, católicos, pensamos e dizemos de Maria, até hoje.

Vamos à narração do Natal do Senhor. Diz o Evangelho segundo S. Lucas: “Quando os anjos se afastaram deles em direção ao Céu, os pastores disseram uns aos outros: 'Vamos a Belém ver o que aconteceu e o que o Senhor nos deu a conhecer'. Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura” (Lc 2,15-16). É claro que os pastores, após terem se ajoelhado diante do Menino, devem ter lançado um olhar àquela mãe especialíssima, e podem muito bem ter exclamado: “Bem-aventurada és tu, mãe deste Menino!". Bem, isso seria uma pura expressão de devoção mariana, e que não teria nada absolutamente a ver com idolatria.

Passemos a S. Mateus evangelista, que para narrar a chegada dos Magos a Belém usou estas palavras: “E a estrela que tinham visto no Oriente ia adiante deles, até que, chegando ao lugar onde estava o Menino, parou. Ao ver a estrela, sentiram imensa alegria; e, entrando na casa, viram o Menino com Maria, sua mãe. Prostrando-se, adoraram-no (Mt 2,9-11)”. Podemos imaginar a emoção dos magos, os quais, após uma longa e aventurosa viagem, tiveram a alegria de ver o Salvador tão esperado. Porém, não nos afastamos da verdade dos fatos e nem nos aproximamos da idolatria se imaginarmos que eles, depois da adoração do Menino, tenham olhado Maria cheios de respeito e admiração: a que mulher poderia ser concedida tamanha graça, de gerar e ser mãe do próprio Deus? Simples: assim é a devoção mariana, percebida claramente nas entrelinhas dos Evangelhos de Nosso Senhor.

Nas passagem das bodas de Caná, vemos que o Senhor "adiantou a sua hora", – em suas próprias palavras, – especialmente por um pedido de sua mãe, que intercedeu por aqueles noivos. Depois do primeiro milagre de Jesus, os servos, que acompanharam os fatos, podem muito bem ter pedido à Maria, dizendo-lhe: “Jesus te escuta, e até adiantou a sua hora por um pedido teu! Pede a Ele uma bênção para nossas famílias!”... Seria isto algum absurdo? Não. Mais um exemplo do que é a devoção mariana.

Também aqueles noivos certamente devem ter agradecido à intervenção de Maria, afinal, foi a intervenção (intercessão) dela que salvou a festa deles. Claro que o agradecimento principal seria ao próprio Jesus, afinal foi Ele quem tornou a água em vinho. Mas, se Maria não tivesse pedido pelos noivos, Ele não o teria feito, e o Evangelho é muito claro nesse sentido.

Assim é que começa a devoção mariana. E continua, pelos séculos, sem interrupção. A verdade histórica é: Maria, a partir das palavras pronunciadas pelo Anjo Gabriel (que eram as palavras do próprio Deus para ela, afinal o arcanjo é Mensageiro do Criador), foi imediatamente vista com especial admiração, com grande carinho e reverência. E logo sua intercessão foi invocada, pelo motivo óbvio: seu particularíssimo e incomparável vínculo com o Cristo, – o vínculo da maternidade! – Logo, é evidente que quando recorrermos à Maria para pedir algum favor, não nos encontramos fora do contexto do Evangelho, mas totalmente dentro dele.

Sei que aqui alguns questionarão dizendo que Maria não se encontra mais entre nós, e que isso faz toda a diferença. Segundo estes, não é a mesma coisa pedir a oração de um irmão que está ao nosso lado, aqui e agora, e a um santo que morreu há muito tempo, ainda que esta santa, no caso, seja a própria mãe do Senhor. Bem, nós já tratamos deste assunto específico, e você pode ler e comprovar (também biblicamente) que os santos no Céu estão mais vivos do que nós, aqui na Terra, e permanecem em íntima união com Deus. Leia aqui.


Primeira representação conhecida da Virgem Maria
(Catacumbas de Priscilla - século II)

Outras provas: História e Arqueologia

A partir daqui, passamos da demonstração teológica e da fundamentação bíblica para a apresentação das provas históricas, arqueológicas e documentais. Provas históricas da devoção à Virgem Maria, além da própria Bíblia Sagrada, como acabamos de ver, remontam ao início da Igreja, e são muitas. A Mãe do Senhor foi honrada e venerada como Mãe da Igreja desde o início do cristianismo.

Já nos primeiros séculos, a devoção está presente e pode ser reconhecida, por exemplo, nas evidências arqueológicas das catacumbas, que demonstram a veneração que os primeiros cristãos tinham para com a Santíssima Virgem. Tal é o caso de pinturas marianas das catacumbas de Priscila, do século II, local onde os primeiros cristãos se reuniam, ocultos aos romanos: um deles mostra a Virgem com o Menino Jesus ao peito e um profeta, identificado como Isaías, ao seu lado1. Nas catacumbas de S. Pedro e S. Marcelino também se encontra pintura do século III/IV, que mostra Maria entre Pedro e Paulo, com as mãos estendidas em oração.

Outro magnífico exemplo da devoção à Santíssima Virgem nos primórdios do Cristianismo é a oração "Sub Tuum Praesidium" (Sob Vossa Proteção) do século III, que pede a intercessão de Maria junto a Jesus Cristo:


Sub tuum praesidium confugimus, sancta Dei Genetrix; nostras deprecationes ne despicias in necessitatibus nostris, sed a periculis cunctis libera nos semper, Virgo gloriosa et benedicta. Amen."

Tradução:
À vossa proteção recorremos, Santa Mãe de Deus; não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades; mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. Amém"

Segundo linguistas, esta versão latina, embora comumente usada já no século III, afasta-se um pouco do original. Com efeito, confrontando o papiro encontrado em 1927 no deserto egípcio com o texto da oração em uso na antiquíssima liturgia copta, encontramos a versão cuja tradução literal segue abaixo:

Sob a proteção da tua misericórdia nos refugiamos, Mãe de Deus; não rejeites as súplicas nas dificuldades, mas salva-nos do perigo, única bendita. Amém."2

Os Padres do século IV elogiam de muitos modos a Mãe de Deus. Epifânio refutou o erro de uma seita árabe que tributava idolatria à Maria: depois de rejeitar tal culto, ele escreveu: "Sejam honestos para com Maria! Seja adorado somente o Senhor!". A mesma distinção vemos em Santo Ambrósio, que, depois de exaltar a "Mãe de todas as virgens", esclarece com grande propriedade que "Maria é templo de Deus, e não o Deus do templo"; em outras palavras, para prestar sua legítima devoção mariana, livre de enganos, ele distinguiu o lugar devido ao Deus Altíssimo e o lugar da Virgem Maria.

Na Liturgia Eucarística também constam dados confiáveis que demonstram que a menção à Maria nas Orações remonta ao ano 225, e também nas antiquíssimas festas do Senhor, da Encarnação, da Natividade e da Epifania: todas homenageavam a Mãe do Senhor e da Igreja.


O testemunho dos primeiros presbíteros

Orígenes
O primeiro registro escrito da Patrística de que dispomos sobre Maria é o de Santo Inácio de Antioquia (bispo entre os anos 68 e 107 dC). Combatendo os docetistas, defende a realidade humana de Cristo para dizer que pertence à linhagem de Davi, verdadeiramente nascido da Virgem Maria. Afirmando que Cristo foi "concebido em Maria e nascido de Maria", e que a sua virgindade pertence a "um Mistério escondido no Silêncio de Deus".

São Justino (martirizado no ano 167) refletiu sobre o paralelismo entre Eva e Maria: "Se por uma mulher, Eva, entrou no mundo o pecado, por uma mulher, Maria, veio ao mundo o Salvador". No Diálogo com Trifão, insiste sobre a verdade da maternidade de Maria sobre Jesus e, como Santo Inácio de Antioquia, enfatiza a verdade da concepção virginal e incorpora o paralelo Eva-Maria para a sua argumentação teológica.

A teologia mariana é um tema constante dos primeiros presbíteros da Igreja. Santo Irineu de Lyon (nascido no ano 130), em uma polêmica contra os gnósticos e docetistas, salienta a geração de Cristo no ventre de Maria. Também da maternidade divina lança as bases da sua cristologia: é da natureza humana, assumida pelo Filho de Deus no ventre de Maria, que torna possível a morte redentora de Jesus chegar a toda a humanidade. Também digno de nota é sua abordagem sobre o papel maternal de Maria em relação ao novo Adão, em cooperação com o Redentor.

No Norte de África, Tertuliano (nasc. aprox.: ano 155), em sua controvérsia com o gnóstico Marcião, afirma que Maria é a Mãe de Cristo, – portanto Mãe de Deus, – pois o Senhor foi concebido em seu ventre virginal.

No século III começou a ser usado o título Theotokos (Mãe de Deus). Orígenes (185-254 dC) é a primeira testemunha conhecida deste título. Em seus escritos aparece, pela primeira vez, a sentença Sub tuum praesidium, que, como dito acima, é um apelo à intercessão da Virgem Maria. Órígenes também define Maria como "modelo" e "auxílio dos cristãos". Já no século IV o mesmo título é usado na profissão de fé de Alexandre de Alexandria contra Ário.

A partir daí, muitos e muitos presbíteros explicaram a dimensão teológica desta verdade. - Efrém, Atanásio, Basílio, Gregório Nazianzeno, Gregório de Nissa, Ambrósio, Agostinho, Proclo de Constantinopla, etc... A tal ponto que o título "Mãe de Deus" torna-se o mais utilizado quando se fala da Santíssima Virgem.

Obviamente, "Mãe de Deus" não implica que Maria é "deusa", e sim que Jesus Cristo, seu filho, é a um só tempo plenamente homem e plenamente Deus. Se Jesus é Deus, e Maria sua mãe, ela é e será sempre a mais agraciada entre todas as mulheres, pois foi – e é, na perspectiva da eternidade onde se encontra, – a Mãe de Deus e, portanto, de toda a Igreja de Cristo.

_______
1. LAZAREFF, Victor Nikitich. Studies in the Iconography of the Virgin, The Art Bulletin, London: Pindar Press, pp. 26-65.
2. OSSANNA, Tullio Faustino. A Ave-Maria: História, conteúdo, controvérsias. São Paulo: Loyola, 2006, pp.36.

ofielcatolico.com.br

52 comentários:

  1. Tendo todas essas informações históricas e teológicas sido apresentadas, creio que o anônimo deveria reavaliar sua postura como "dicipulo" (kkkkkk) de Cristo. Parabéns pelo post e a paz de NSJC!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Petrivalianici, duvido que esta anonimo se deixa por convencido. Este sujeito vai arrumar as mais de uma desculpas para dizer que isto não é bem assim, nem assado, muito pelo contrário. O Henrique nos trouxe uma matéria excelente, para nós, mas para este sujeito, que com sua arrogância
      e prepotência irá dizer que a matéria foi fraca, e que em nada o convenceu. Para mim, mesmo que não houvesse testemunho algum dos padres da Igreja e dos primeiros cristãos, a repeito da Veneração de Maria e a busca do auxílio de sua intercessão, somente as passagens da Bíblia citadas pelo Henrique nesta matéria, seria o suficiente, para crer em tudo que a Igreja ensina sobre Maria. Se em um primeiro momento, os cristãos não deram tanta enfase assim a Maria, no entanto, se JESUS disse que enviaria o ESPIRITO SANTO a Igreja para ensinar toda a Verdade, a partir das luzes do ESPIRITO SANTO, das promessas de CRISTO NOSSO SENHOR, que então os cristãos olhando mais atentamente os Evangelhos começaram a ver em Maria não somente uma mulher comum, como pregam os protestantes, mas sim uma grande Mulher, o qual DEUS concedeu todas as graças que pudera conceder a um ser humano, ELE concedeu a Maria. Eis portanto, que para mim, é a chave de se compreender tudo que a Igreja ensina sobre Maria, mas graças a DEUS, ainda temos os testemunhos dos primeiros padres da Igreja que nos mostram como já era grande a devoção a Santa Mãe de DEUS, antes mesmo de Constantino proclamar o edito de Milão que dava ampla liberdade de culto aos cristãos. DEUS seja louvado por isto. Amém.

      Sidnei.

      Excluir
  2. Mais claro do que isso impossível! Ao nosso " irmão revoltado- protestante" tai a resposta ! Ja fui a Roma e essa imagem de Maria do século II mostra claramente a devoção ja nos primórdios da igreja de Maria por parte dos primeiros cristão que a tinham como MÃE! Infelizmente a cegueira dos filhos de Lutero é tão grande que eles não querem ver essa linda realidade. O pior de tudo é que os próprios protestantes desconhece o que acontece no meio deles pois no início dos anos 80, a Igreja luterana da Alemanha reconheceu os milagres que Jesus fez pela intercessão da virgem Maria! Igreja luterana a primeira igreja protestante da história reconheceu o valor da intercessão da Virgem Maria! Demais! Hoje a divisão no meio protestante é tanta que até igreja para gays eles criaram com pastores(as) assumidamente homossexuais meu Deus! Inclusive uma pastora gay que foi da seita assembléia de Deus chamada Lana Holder criou sua própria seita evangélica junto com sua mulher! Essa seita foi criada para evangélicos gays assumidos! Esse é o movimento protestante!

    ResponderExcluir
  3. Daqui a pouco aparece um anônimo, "refutando" com aqueles chavões batidos, mas sem nenhum dado histórico e fundamento.

    Infelizmente eles não conhecem a verdadeira Igreja, e acreditam no espantalho criado por sues "pastores".

    ResponderExcluir
  4. Já que ele pediu esta ai, mais um post esplêndido parabéns !

    ResponderExcluir
  5. Se a terra onde Nosso Senhor Jesus Cristo andou e
    " Santa" imagina aonde ele foi " GERADO"

    ResponderExcluir
  6. Este é o melhor estilo de postagem que eu leio aqui neste site. Pergunte e responderemos em versão e linguagem mais atualizada. Parabéns aos responsáveis!

    Franco

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo excelente texto, Henrique! Maravilhoso!

    Aliás, o próprio Deus pediu o auxílio de Maria para nascer. Afinal, poderia ter se encarnado sem "passar" pelo ventre de uma mulher.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Wagner , me chamou atençao o seu comentario, porque eu sou ( ou eu era ) um protestante que gosta de estudar e procuro a verdade onde ela estiver e sempre aprendi que a igreja não é o mais importante. Tenho estudado muito a doutrina da igreja católica e tenho achado coerente com tudo o qu e eu sempre acreditei e o que a minha consciência diz que é o certo.

      Interessante, esse ponto que voce comentou é um dos que eu sempre tive muita dificuldade. Os católicos sempre falam muito que Deus dependeu do "sim" de Maria, que se não fosse pelo "sim" de Maria n~ao tería Jesus, que Maria precisou "consentir" pra Jesus nascer etc.
      Já li vários textos de teólogos e bispos católicos sempre insistindo nisso. Só que honestamente eu não vejo nada disso no evangelho. eu vejo apenas o anjo AVISANDO E INFORMANDO Maria que ela vai ser a mãe do Salvador.
      Tudo bem, concordo que ela foi a mulher mais santa de todas pra ser a mãe de Deus, e eu já entendi porque os católicos chamam Maria assim que não é b lasfêmia, pq Jesus é mesmo Deus , e Maria é mesmo mãe do SENHOR . até aí tudo bem.
      O problema é que eu não consigo ver Deus "pedindo o auxílio" de Maria. Deus simplesmente escolheu Maria e mandou o anjo avisar que ela tinha sido escolhida, e ela foi muito humilde e disse "Faça-se em mim conforme a tua palavra".
      Não é isso? Entende, naõ vejo Deus dependendo do "sim" de Maria em momento nenhum.

      Por favor, os nervosinhos de plantão eu não estou provocando ninguém, não estou provocando, só quero aprender. Eu só quero aprender o que a igreja católica realmente prega sobre isso. Com toda a minha sinceridade, acho muito exagero dizer que Deus dependeu do sim de Maria, que Deus precisou da colaboração dela, etc. Sim, Deus quis contar com ela, td bem, mas Deus não "pediu permissão", nem perguntou pra ela: VOCÊ QUER SER MÃE DO MEU FILHO? VOCÊ DIZ SIM OU NÃO? SE VOCÊ DISSER NÃO, NÃO VAI TER A SALVAÇÃO DO MUNDO.

      Por favor, com todo respeito, gostaria que alguém me explicasse isso.

      Muito Obrigado - O N M

      Excluir
    2. Anonimo, Santo Agostinho dizia: "DEUS nos fez sem nós, mas não nos salva sem nossa colaboração", sem nosso consentimento, sem nossa resposta pela fé a graça de DEUS, ELE, não poderá fazer nada por nós, e se formos para o inferno, será unica e exclusivamente culpa nossa, pois DEUS quer que todos se salvem e cheguem ao conhecimento da Verdade (1º Tim. 2,4 ). Pois bem, partindo da premissa que DEUS respeita nossa liberdade de O aceitarmos ou não, no contexto da anunciação do Anjo Gabriel a Maria e de ela ter sido escolhida para ser a mãe do SENHOR, se não está totalmente explicito de que DEUS PAI respeitaria a opção de Maria para ser ou não mãe de seu FILHO, mas no que tange a todas as passagens bíblicas que demonstram que DEUS sempre mostra dois caminhos para a humanidade seguir, uma que leva a ELE e outra que leva para longe DELE, fica claro, que nas entre linhas, também esta opção é colocada a Maria. DEUS é soberano, mas não é tirano, ELE não foi até Maria, disse que ela teria que ser obrigada a ser mãe de seu FILHO, e depois disto, como já li alguns protestantes escreverem, foi só uma mulher comum, que fez o que tinha que fazer, e depois, tchau e benção, como se fosse uma laranja que se extrai o suco ficando somente o bagaço e aí depois vai para o lixo. Nos cremos que DEUS não é assim, ELE respeita nossa liberdade, ELE respeitou a liberdade de Maria. embora cremos que DEUS já a preparou desde sua concepção para vir a ser a mãe de seu FILHO, mas mesmo assim, ELE respeitou a decisão de Maria, e até queria saber sobre isto, embora na sua onisciência já soubesse, mas como as coisas devem transcorrer conforme o entendimento humano, DEUS envia então o Anjo Gabriel para não apenas comunicar, mas para ouvir o consentimento ou não de Maria, se não fosse assim, DEUS não teria enviado Anjo algum, e a mensagem do Anjo seria totalmente outra, como do tipo: "Você vai ser mãe do Salvador, queira você ou não, e foi isto que DEUS ordenou, e nem adianta que não quer, porque o que DEUS decretou esta decretado e ponto fina", mais ríspido que isto seria impossível, mas não é isto que vemos no relato da anunciação, o que vemos é um diálogo respeitoso entre Maria e o Anjo o qual inicia-se com o Anjo saudando a Maria, e em seguida vem o anuncio da encarnação, a dúvida de Maria, o esclarecimento de como se dará a concepção de JESUS, sem a participação de um homem, e então se finaliza com o grande FIAT de Maria: "Eis aqui a serva do SENHOR, faça-se em mim segundo a tua vontade" , é aí que ocorrem o desfecho final o qual demonstra o respeito de DEUS pela liberdade de Maria em aceitar ou não ser a mãe de JESUS, pois se fosse apenas uma comunicação, o Anjo não teria trabalho algum em responder a dúvida de Maria, e nem esperaria o FIAT de Maria, mas somente depois de ter respondido a dúvida de Maria e de ter ouvido dela a aceitação de ser a mãe do SENHOR, o Anjo a deixou.

      Quanto aos nervosinhos de plantão, sim, no meu caso eu fico nervoso, quando vejo alguns protestantes vindo a este e a outros blogs católicos entrarem sem nenhum respeito, soltando perguntas de forma indelicada e com uma baita grosseria, já que não vou a sites protestantes alguns, se comportando desta mesma maneira. Respeito a opção e a fé de todos, espero ter o mesmo respeito também, agora, diante de uma questão respeitosa como a trazida por você, aí sim, responderemos no mesmo tom de respeito. Espero que seja sempre assim.

      Sidnei.

      Excluir
    3. Caro ONM,

      Sinceramente, usei a expressão "Deus pediu auxílio de Maria" para nascer como uma imagem piedosa que me parece ter base na realidade descrita nos Evangelhos. Não sei se essa expressão tem fundamento na teologia mariana católica clássica. Mas, parece-me claro que Deus poderia encarnar sem estar no ventre de Maria (ou outra mulher) ou poderia ter Se encarnado já adulto e não depender do cuidado de Maria e José, etc. O que me parece possível dizer é que Deus não precisava do SIM de Maria para se encarnar, mas que QUIS depender dele.

      Desde o início os cristãos viram em Maria a nova Eva. A "Eva" que disse sim aos planos de Deus e permitiu a regeneração (na verdade, a elevação) dos homens ao se submeter ao plano de Deus. Se Deus quis depender do SIM (que, na verdade, se tornou um NÃO) de Adão e Eva para manter Seu plano para o homem, por que se surpreender que Deus tenha querido depender do SIM de Maria para o plano da salvação?

      Veja o que diz Irineu de Leão, do século II:

      ""Por conseguinte (...) encontra-se Maria, Virgem obediente (...) Eva, ainda virgem, fez-se desobediente e tornou-se para si e para todo o gênero causa de morte. Maria, Virgem obediente, tornou-se para si e para todo o gênero humano causa de salvação (...) A partir de Maria até Eva retoma-se o mesmo círculo. Não existe outro modo de desatar o nó a não ser fazendo com que os fios da corda onde se deu o nó percorram o sentido contrário (...) Eis porque Lucas inicia a genealogia de Jesus começando pelo Senhor indo até Adão [Luc. 3,23-38], evidenciando que o verdadeiro movimento da geração não procede dos antepassados até Cristo, mas vai de Cristo a eles segundo o Evangelho da Vida. Assim é que a desobediência de Eva foi resgatada pela obediência de Maria. Com efeito, o nó que a virgem Eva atou com a incredulidade, Maria o desatou com a fé" (Contra as Heresias 3,22,4).
      "Da mesma forma que aquela (Eva) foi seduzida para desobedecer a Deus, esta (Maria) foi persuadida a obedecer a Deus, por ser ela, a Virgem Maria, a advogada de Eva. Assim, o gênero humano, submetido à morte por uma virgem, foi dela libertado por uma Virgem, tornando-se contrabalanceada a desobediência de uma virgem pela obediência de outra" (Contra as Heresias 5,19).
      "Foi por meio de uma virgem (=Eva) desobediente que o homem foi golpeado, caiu e morreu. Da mesma forma, é pela Virgem [Maria], obediente à Palavra de Deus, que o homem (...) encontrou de novo a vida (...) Era justo e necessário que Adão fosse restaurado em Cristo, a fim de que o mortal fosse absorvido e tragado pela imortalidade e Eva fosse reconstruída em Maria. Deste modo, uma Virgem feita advogada de uma virgem, cancelou e anulou a desobediência de uma virgem com a sua obediência de virgem" (Demonstração da Pregação Apostólica 33)."

      Excluir
    4. Caro O.N.M.,

      Parece-me que não é preciso complementar as respostas dadas pelos meus irmãos em Cristo, Sidnei e o próprio Wagner. Apenas reitero que a ênfase do raciocínio teológico em questão reside na pronta disposição da Virgem em aceitar, de imediato e de boa vontade, – com fé e confiança absolutas, – a Palavra de Deus trazida pelo Arcanjo.

      Apesar de todas as pesadíssimas consequências inerentes à missão de dar à luz e criar o Redentor do mundo, ela nem por um instante vacila. Algo muito diferente da reação do profeta Jonas, por exemplo, que tentou fugir do SENHOR e escapar da missão que lhe fora confiada.

      A reação imediata e a atitude de Maria Santíssima tornam-na modelo da perfeição cristã; por essa via é que ela se torna ainda mais digna de ser chamada Mãe da Igreja.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. Se prestarmos atencao da linguagem da biblia, veremos que um pedido nem sempre era direto, Vejamos; Maria nao pediu ao filho diretamente que transformasse a agua em vinha mas informou que o vinho acabou,nisso estava implicito o pedido do milagre, Jesus a entendeu muito bem pois, lhe respondeu que ainda nao era o seu tempo. Maria aceitou a vontade de Deus sem questionar, sem oposicao, mesmo sabendo que poderia ser apedrejada. A unica coisa que perguntou foi como isso se daria.

      Excluir
  8. O problema é que a " cegueira espiritual" desses nossos " irmãs separados e revoltados" ! Os impede de ver a verdade a sua frente! O fanatismo é tamanho que dar pena ver tão belas verdades em relação a santíssima Virgem Maria serem negadas meu Deus! E o pior de tudo é que muitos protestantes desconhecem o próprio meio em que vivem! No início dos anos 80 a igreja Luterana da Alemanha ( a primeira igreja protestante da história) reconheceu os milagres realizados através da intercessão da bem aventurada Virgem Maria e reconheceram a HONRA que Jesus dar a sua Santa Mãe quando a pedido dela Cristo realiza um milagre físico ou espiritual na vida de alguém. Infelizmente muitos protestantes não sabem ou não querem ver isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que me diz, me explique por favor.
      É falso que Maria permaneceu virgem depois do parto porque a Escritura afirma que José "recebeu a sua mulher; e não a conheceu até que deu à luz seu filho, o primogênito; e pôs-lhe por nome Jesus" (Mat. 1:24,25). Isto significa que José, depois que Maria deu à luz Jesus, conheceu sua mulher [4]. Mas não só José a conheceu como também teve filhos dela porque Jesus tinha irmãos e irmãs. Estas Escrituras confirmam que Maria concebeu e deu à luz outros filhos depois de Jesus.

      Ÿ "E deu à luz a seu filho primogénito" (Lucas 2:7), por isso se Jesus tivesse sido o seu único filho teria sido chamado o seu unigénito e não o seu primogénito.

      Ÿ "E, partindo dali, chegou à sua terra, e os seus discípulos o seguiram. E, chegando o sábado, começou a ensinar na sinagoga; e muitos, ouvindo-o, se admiravam, dizendo: De onde lhe vêm estas coisas? e que sabedoria é esta que lhe foi dada? e como se fazem tais maravilhas por suas mãos? Não é este o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago, e de José, e de Judas e de Simão? e não estão aqui conosco as suas irmãs?" (Mar. 6:1-3);

      Ÿ "Chegaram então os seus irmãos e sua mãe; e, estando fora, mandaram-no chamar" (Mar. 3:31);

      Ÿ "Nem mesmo os seus irmãos criam nele" (João 7:5);

      Ÿ "Todos estes perseveravam unanimemente em oração, com as mulheres, e Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos dele" (Actos 1:14);

      Ÿ Paulo aos Coríntios: "Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?" (1 Cor. 9:5);

      Ÿ Paulo aos Gálatas: "Passados três anos, fui a Jerusalém para ver Cefas, e fiquei com ele quinze dias. E não vi a nenhum dos outros apóstolos, senão a Tiago, irmão do Senhor" (Gal. 1:18,19);

      Excluir
    2. Com todo o respeito, Wilson, você não é o primeiro "iluminado" que aparece por aqui com essas mesmas passagens e essas perguntas. Nós já as respondemos, com detalhes, no post que você pode ler acessando o link abaixo:

      A virgindade perpétua de Maria, Mãe de Jesus Cristo

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  9. Caríssimos irmãos fieis católicos, após bela apresentação do maravilhoso post, eis um texto extraído das obras redigidas a partir do ano 388, por Santo Agostinho, Bispo de Hipona, apenas pouco tempo após sua conversão.
    Neste texto, a Virgem Maria vem apresentada em sentido profético: “uma fonte brotava da terra e regava toda face da terra” (Gn 2, 6). A fonte significa o Espírito Santo. A face da terra, isto é, a dignidade da terra, entenda-se da Mãe do Senhor a quem o Espírito Santo regou...

    “Está dito: Jesus Cristo foi formado “da estirpe de Davi segundo a carne”, conforme o Apostolo (Rm 1,3). Isso significa que foi modelado do limo da terra (Gn 2, 7).
    E nesse mesmo livro do Gênesis, está posto: “(Não havia ainda nenhuma arbusto sobre a terra), porque não havia homem para cultivar o solo” (Gn 2, 5). Isto é, nenhum varão tocara a Virgem, da qual nasceria Cristo.
    “E uma fonte brotava da terra e regava toda a sua superfície” (Gn 2, 6). “A superfície da terra”, ou seja: “A face da terra”, ou ainda: “A dignidade da terra”, significa muito justamente, a mãe do Senhor, a Virgem Maria, a quem o Espírito Santo irrigou.
    Com efeito, ao Espírito Santo, o evangelho denomina “fonte” e “água” (Jo 4, 14; Jo 7, 38.39), para que do “limo” fosse formado aquele homem (Jesus Cristo). Foi ele colocado no paraíso, com a finalidade de trabalhá-lo e guardá-lo, isto é, cumprir e observar a vontade do Pai. (De Genesi ad manichaeos II, 24,37).
    (Extraído do Livro A Virgem Maria – Santo Agostinho)

    Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo!

    Salve Maria, “Mãe do meu Senhor” (S. Lucas 1, 43)!

    ResponderExcluir
  10. 12 Salomão, pois, assentou-se no trono de Davi, seu pai; e o seu reino se fortificou sobremaneira.
    13 Então Adonias, filho de Hagite, veio a Bate-Seba, mãe de Salomão; e perguntou ela: De paz é a tua vinda? Respondeu ele: É de paz.
    14 E acrescentou: Uma palavra tenho que dizer-te. Respondeu ela: Fala.
    15 Disse, pois, ele: Bem sabes que o reino era meu, e que todo o Israel tinha posto a vista em mim para que eu viesse a reinar; contudo o reino se transferiu e veio a ser de meu irmão, porque foi feito seu pelo Senhor.
    16 Agora uma só coisa te peço; não ma recuses. Ela lhe disse: Fala.
    17 E ele disse: Peço-te que fales ao rei Salomão (porque ele não to recusará) , que me dê por mulher a Abisague, a sunamita.
    18 Respondeu Bate-Seba: Pois bem; eu falarei por ti ao rei.
    19 Foi, pois, Bate-Seba ter com o rei Salomão, para falar-lhe por Adonias. E o rei se levantou a encontrar-se com ela, e se inclinou diante dela; então, assentando-se no seu trono, mandou que pusessem um trono para a rainha-mãe; e ela se assentou à sua direita.
    20 Então disse ela: Só uma pequena coisa te peço; não ma recuses. Respondeu-lhe o rei: Pede, minha mãe, porque não ta recusarei.
    21 E ela disse: Dê-se Abisague, a sunamita, por mulher a teu irmão Adonias.
    22 Então respo
    Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.29 Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30 O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33 e o seu reino não terá fim. 34 Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35 Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.29 Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30 O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31 Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32 Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33 e o seu reino não terá fim. 34 Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35 Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36 Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice.

    A analogia é essa: Que o FILHO DO ALTÍSSIMO iria herdar o Trono de DAVI e a sua direita a Mãe Rainha.

    ResponderExcluir
  11. Não consigo compreender o Protestantismo; a ideia de um Deus enclausurado em um livro me parece excessivamente legalista e impõe limites intransponíveis para uma autêntica comunhão entre Cristo e a Igreja.

    A Sagrada Escritura é uma das maneiras onde se pode ter acesso à Palavra de Deus... mas dizer que a Bíblia *é* a Palavra de Deus em sentido exclusivista contradiz aquela tradicional concepção de uma Palavra viva e atuante na Igreja, como descreve São João no prólogo de seu evangelho.

    O post é excelente e dispensa qualquer complemento. Mas se me permitem uma pequena contribuição, deixo este pequeno texto em defesa de Nossa Senhora baseado nos evangelhos:

    https://catolicismopuroesimples.wordpress.com/2015/07/05/10-razoes-para-amar-a-mae-de-jesus/

    Pax Christi!

    ResponderExcluir
  12. Olá, boa noite!
    Sou católica praticante e estou amando acompanhar esse site que, não só nos orienta, mas justifica através da Palavra e da Tradição Apostólica toda a veracidade da nossa Igreja. Fico extremante triste de ter que conviver com pessoas desatualizadas, sem fundamentos e ainda querendo ser donos da verdade.Trabalho em meio à muitos evangélicos, e outro dia um que está estudando para ser "pastor", veio me evangelizar e disse que a Igreja Católica nunca foi e nunca será a única deixada por NSJC, disse ainda que essa mesma igreja teve sete papisas, que os apócrifos foi instituído pela mão do homem porque o Senhor ficou 400 anos sem falar com ninguém na Bíblia, tempo suficiente para não existir os livros que Lutero contestou...chegou paciente e tivemos que atendê-los, mas disse que depois continuaremos essa conversa e que vai me explicar tudo.
    Não tenho palavras para argumentar com ele, mas agora posso indicar esse site para ele se deliciar, pois ama evangelizar as pessoas à sua maneira.
    Obrigada a todos e tenham uma excelente noite, na presença de NSJC e de Maria, nossa mãe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssima anônima, diariamente eu deleto comentários de autoproclamados "evangélicos" bem radicais. São dúzias de mensagens cheias de ódio e fanatismo, com todo tipo de calúnias, injúrias, pregações...

      Muitas destas pessoas, por incrível que pareça, são bem intencionadas, embora muitas outras nem façam ideia do que significa a expressão "boa vontade". Alguns nos odeiam, outros querem salvar as nossas almas.

      Destes comentários, os menos absurdos eu publico e respondo, sempre que possível, – mas estes são, infelizmente, uma ínfima minoria.

      Bem, eu agradeço pelas palavras gentis, e os melhores conselhos que posso lhe dar são dois:

      1) Estude, estude e estude. Procure compreender bem cada questão importante sobre a sua fé; tente memorizar as passagens bíblicas relacionadas, compreenda bem os porquês de cada coisa. Procure conhecer as principais falácias que essas pessoas utilizam (são sempre as mesmas, posso lhe garantir, e não chegam a uma dúzia);

      2) Sempre que possível, evite as vãs disputas com pessoas alienadas. – Os famosos "bitolados" que sofreram "lavagem cerebral" e não são mais capazes de enxergar a simples realidade dos fatos. – Esses debates, comumente, não levam a nada a não ser irritação, inimizade e muito stress. Não se pode mostrar a verdade para quem simplesmente não quer enxergar. Se o sujeito vai ser "pastor", você já pode imaginar o quanto ele estará disposto a conhecer os seus argumentos com imparcialidade: nada.

      Nosso Senhor a abençoe e guarde

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. "disse ainda que essa mesma igreja teve sete papisa"

      Tem protestante que adora inflar as coisas, que já não bastasse haver um estória de uma papisa, da onde este sujeito foi buscas mais 6?.

      que os apócrifos foi instituído pela mão do homem porque o Senhor ficou 400 anos sem falar com ninguém na Bíblia, tempo suficiente para não existir os livros que Lutero contestou..."

      Só que este sujeito se esquece que os que eles chamam de apócrifos os quais chamamos de deuterocanônicos, vem da Bíblia traduzida pelos 70, a chamada septuaginta, que foi a utilizada pelos Santos Apóstolos quando estes ao escreverem o N.T. para citar as passagens do A.T., se tal tradução e cânon aberto, usado pelos judeus da diáspora, que falavam grego, o qual continhas os livros excluídos por Lutero, não fosse bem quisto pelos Apóstolos, então eles não teriam escolhido tal cânon, mas o restrito usado pelos judeus da Palestina. E foi seguindo esta Tradição que a Igreja Católica adotou com relação ao A.T. o cânon aberto e não o cânon restrito.

      Mas como bem aconselhou o Henrique, não adianta bater de frente com esta gente, é pura perda de tempo, eles não irão quere ouvir, e muito menos compreender, se eles vem com uma pergunta, e você responde, eles rebatem, aí você dá a réplica, e eles por não satisfeitos vem com mais questões ainda, e se der todas as respostas que eles querem, no final vão te considerar uma perdida, herege, filha do diabo, idolatra, perdida, e tudo que será juízo desfavorável a vocês. Fique em paz com sua fé, continue a conhecer melhor, e deixe os que nos questionam o todo tempo, e não querem nem sabe de nossas respostas. Em quanto a caravana passa, os cães ladram.

      Excluir
    3. Isso e' verdade! nos acusam de idolatria em sua ignorancia, nos pedimod ajuda de santos, que sao pessoas vivas na Comunhao dos santos, nao sao idolos pois idolos se refere as imagems de deuses pagaos, sem vida, de mentirinha. Protestantes sao programados como robot, um disco quebrado, e' muito cansativo discutir com eles. A maneira que interpretam a biblia e' uma piada. Pensam que Deus parou no tempo, abandonou a raca humana ate' lutero blasfemador aparecer, ou melhor, ate' a raca humana aprender a ler. Sera' que os que nao sabem ler estao condenados? Sao de uma ignorancia tamanha! ONDE ESTA' O RACIOCINIO DELES?

      Excluir
  13. Sobre Proto-Evangelho de Tiago, ele é aparentemente muito citado pelos cristãos primitivos, acho se ele tivesse sido incluído no Canon da Bíblia ajudaria a explicar melhor a Mariologia não acham?

    ResponderExcluir
  14. Esse prblema eu infrento quase sempre. Alguns TJ afirmam q a igreja catlica tem ligacao com o diabo,ouve alguem q diz q. Constantino inventou a Santissima Trindade e q nos idolatras de Jose e Maria seremos aniquilados pos Deus n esta contente com a nossa adoracao. Sofro muito cm estas blasfemias. Ate evito dialogo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simao Branca, eu respondo algumas vezes com a ultima bemaventuranca do Sermao da Montanha; Bem aventurados sois vos, quando vos injuriarem, perseguirem e mentirem,, dizendo todo mal contra vos por minha causa. Exultai, alegrai-vos, porque grande e' o vosso galardao nos ceus, porque assim perseguiram os profetas antes de vos. Isso quando estou paciente,se nao estou, eu os mando pastar com rei da Babilonia por 7 anos.

      Excluir
  15. eu gosto muito desse blog

    ResponderExcluir
  16. Que maravilha, tanto o texto quanto os comentários! Parabéns ao autor do site. Salve Maria!

    ResponderExcluir
  17. Vou repetir a pergunta, já da outra vez fui ignorado: Por que o Proto-Evangelho de Tiago que conta a historia da Virgem Maria não está na bíblia, segundo o mesmo Maria também foi fruto de milagre, a inclusão deste livro no Novo Testamento ajudaria a explicar melhor a questão de Maria no Catolicismo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples! Não estar na Bíblia pelo simples fato de não ter sido considerado canônico pela Igreja há época do seu aparecimento nas comunidades. Não é considerado um evangelho de primeira grandeza (categoria), como os Evangelhos Apostólicos de São Mateus, São Marcos, São Lucas (sinóticos) e São João, que foram escritos no 1º Século, conforme a tradição Patrística.
      O Proto-Evangelho de Tiago é uma obra considerada apócrifa, por não ter sida produzida por nenhum dos Apóstolos de Jesus Cristo e não se ter certeza da sua autoria, que só apareceu provavelmente no II século da era cristã.
      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!
      Salve Maria!

      Excluir
    2. Não há necessidade, o pouco que os evangelhos falam de Maria já é o suficiente. O motivo que a Igreja deixou de fora o proto evangelho de Tiago, não saberia explicar, mas deve ser o mesmo dos demais evangelhos apócrifos, ou seja, autor desconhecido, e que há mais alguma coisa neste evangelho que não bate com a Sagrada Tradição, não excetuando as passagens sobre Maria, mas não dá para aceitar como canônico algo que traz ao mesmo tempo Verdades e equívocos sobre a fé. Repito, que nunca li o proto evangelho de São Tiago, mas acredito que se ele não foi colocado na lista do cânon dado pela Igreja, por certo não foi de esclarecer algo sobre Maria, mas, deve ter tido mais alguma coisa, que a Igreja viu, não concordou, pois não batia com o que sempre foi ensinado oralmente, via Sagrada Tradição, e hajou prudente em deixar a parte tal texto.

      Sidnei.

      Excluir
    3. Segundo algumas fontes que li a virgem Maria é citada mais vezes no alcorão que na bíblia, logo as citações que existem a ela no novo testamento parecem não ser suficientes, se fosse os protestantes teriam adotado o culto a ela; Uma ultima pergunta o culto a virgem Maria no cristianismo ortodoxo é igual o da igreja católica? Gostaria de sugerir um artigo explicando as diferenças (incluindo teológicas) entre o cristianismo católico e cristianismo ortodoxo...
      Grato.

      Excluir
    4. Os protestantes não adotaram nenhum tipo de culto a Maria, por acreditarem, que qualquer: honra, respeito e reverência a alguém, tende a cair na idolatria. Eles não sabem separar as coisas, e por isto, ficam com este preconceito, de que toda homenagem que se faz a alguém, sob forma de culto, já constitui idolatria. As poucas passagens bíblica de Maria na Bíblia são sim, suficientes para termos um grande apreço a ela, e mesmo que faltasse tais passagens, ainda continuaríamos ter este mesmo apreço, pois o que faz ela ser grande, não são as poucas, ou talvez, se houvessem mais passagens bíblicas que falassem dela, mas o que ela faz ser grande é se filho JESUS. Ela não é mãe de uma pessoa qualquer, ela é mãe de ninguém menos de que o próprio DEUS feito homem, e isto não é pouca coisa, nem aqui nem eternidade. Quando os protestantes dizem que Maria foi uma mulher qualquer, eles não percebem, mas indiretamente estão dizendo que JESUS foi também uma pessoa qualquer. Somente somos o que somos, por JESUS NOSSO SENHOR, Maria é o que é, da mesma forma.

      Excluir
  18. Paz e bem!
    É uma pena que poucos evangélicos busquem conhecer a verdade. Vejo aqui ao longo destes posts que os evangélicos que a procuraram com imparcialidade encontraram e ela os libertou. Frequentemente tenho que ouvir os tipos de comentário mencionados sobre a Mãe da nossa Santa Igreja, pela minha irmã que se diz 'convertida' ao protestantismo. Espero que ela também possa conhecer a verdade e ser libertada desta mentira que o seu "pastorzinho" a impõe.

    Thiago

    ResponderExcluir
  19. Prezado

    Fiel católico,

    Fico lendo os comentários de alguns católicos e fico preocupado com a falta de conhecimento em relação ao tratamento dirigido a Virgem Maria pela a maioria das denominações Protestantes sérias.
    A mãe do nosso Salvador é sim respeitada e referenciada,
    como a mulher mais Bem Aventurada do Universo,santa e exemplo de testemunho do verdadeiro Cristianismo.
    esta idéia absurda que nós protestantes ficamos xingando e mal dizendo a Virgem Maria em nossos cultos não procede.
    Infelizmente devido as nossas divergências doutrinárias a respeito de Maria surgiu uma falsa guerra principalmente na cabeça de muitos católicos que o protestantismo vive e se sustenta apenas para defamar a Virgem Maria.

    Que a Graça e Abençã do Senhor esteja com Voçê.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eduardo, nós católicos sabemos que há igrejas protestantes sérias (luteranos, anglicanos, metodistas, presbiterianos), que respeitam a Maria, mas não dá para tampar o sol com a peneira. Há sim, igrejas protestantes pentecostais e neopentecostais, que rebaixam Maria como um mulher qualquer, que foi somente usada como uma chocadeira, ou seja, apenas para gestar a JESUS, que cuidou DELE até a idade adulta, que tinha que fazer o que tinha que fazer, e depois, deveria recolher-se a sua insignificância, permanecer calada e nunca mais deveria aparecer na história do cristianismo, que é impossível. Estas pessoas, estes ditos "evangélicos", não estão sabendo, mas involuntariamente ao rebaixar a Maria, dizendo que ela é uma mulher qualquer, estão automaticamente rebaixando a JESUS, pois Maria seria uma mulher qualquer, se ela tivesse sido mãe de qualquer um, mas não ela foi mãe de JESUS, nosso Salvador, Verdadeiro DEUS, e Verdadeiro homem, diante disto, não podemos deixar de admirar a grandeza de Maria, pois foi por ela ser a Mãe de JESUS, que ela se tornou grande, e mesmo assim, ela continuou em sua humildade, dizendo: "Eis aqui a serva do SENHOR, faça-se em mim segundo a tua vontade", diante disto é que sua pequenez, tonou ela ainda mais grande. Então não dá para desdizer que há grupos protestantes, que não gostam de Maria, pois hajam que qualquer honra, respeito e reverencia que damos a ela já constitui idolatria, quando que ignora-la completamente, estará rebaixando a JESUS CRISTO, pois se Maria é uma qualquer, seu filho também o é, ao passo que ao dizermos o contrário não está se exaltando a Maria mais seu FILHO JESUS, que dela nasceu, e que JESUS foi sempre seu filho e continua sendo no céu, e Maria se tronou sua mãe continua sendo sua mãe no céu. Isto, não tem como negar.

      Sidnei.

      Excluir
    2. Caro Eduardo,

      Quando você afirma "falsa guerra principalmente na cabeça de muitos católicos", isso não condiz com a verdade. É só você dar uma olhada no Facebook, nas páginas católicas e verá o ódio que muitos protestantes tem da Virgem Maria.

      Cito como exemplo, dia desses, o Prof. Olavo de Carvalho fez uma saudação a Virgem Maria, e isso bastou para choverem insultos, protestos como não poderia faltar, ao longo dos séculos, os protestantes, protestam! Virou o maior caos a página dele. E não foi de parte dos católicos. Os católicos estavam na discussão em posição de quem defende sua Mãe.

      Se nos cultos que você vai não é assim, graças a Deus! Mas não faltam relatos, e até vídeos mostrando que vários pastores ofendem sim Nossa Senhora em seus cultos. Minha noiva é ex-protestante e testemunha disso.

      Então não tem como dizer que isso partiu dos católicos. Isso vem de séculos atrás, culpa da Sola Escriptura, e da cabeça dos protestantes que criaram lendas, e jogaram a Tradição de séculos da Igreja no lixo.

      Não todos como você afirma, é claro. Temos membros ignorantes em ambos os lados, mas não há relativismo na Igreja, a Verdade é uma só, e só existe uma Igreja de Verdade.

      Sei que existem protestantes, leigos e pastores, de bom senso e respeitosos. Mas muitas denominações capilazam em cima dessas lendas e desse fantoche de Igreja Católica, e infelizmente os mais simples e de coração mais duro, tem este ódio enorme da Igreja e de Nossa Senhora, um ódio vazio, pois eles sequer conhecem a verdadeira Igreja Católica, conhecem apenas este fantoche criado por pastores e ateus inimigos da Igreja inescrupulosos.

      Não me estenderei, pois este apostolado já abordou com muito mais conhecimento do que eu estes assuntos, apenas respondi de maneira rasa o que eu acredito que você pode comprovar por si só, basta dedicar mais tempo estudando e analisando a realidade dos fatos, de forma imparcial, e com fontes confiáveis, como é esta, O Fiel Católico.

      Paz e Bem!

      Excluir
    3. Meu caro irmão separado, de cada dez amigos meus que são protestantes 9 tratam maria como se fosse uma mulher qualquer, minha sogra é protestante não pode nem ouvir falar no nome de Maria que já fala que é o Diabo, queria muito que o que você falou fosse realidade que maria tivesse o respeito que ela merece por ser a mãe do meu senhor mais infelizmente não tem por grande parte dos protestantes !

      Paz e bem

      Excluir
    4. ''(...) A mãe do nosso Salvador é sim respeitada e referenciada, como a mulher mais Bem Aventurada do Universo,santa e exemplo de testemunho do verdadeiro Cristianismo. *esta idéia absurda que nós protestantes ficamos xingando e mal dizendo a Virgem Maria em nossos cultos não procede*.''

      Resposta: Vale ressalvar que nem todos [os protestantes] agem assim, ofendendo ou diminuindo o papel da Virgem Maria , mas há sim muitos que são escrupulosos em simplesmente reconhecer ou pregar sobre a Virgem Santa, até para não parecerem muito católicos. A teóloga luterana Elizabeth Parmentier, catedrática da universidade de Estrasburgo, diz o seguinte: ''Muitos protestantes reconhecem que a ocultação total da mãe de Cristo não está conforme a Sagrada Escritura, nem com as confissões da antiga igreja, nem com a opinião dos reformadores.''

      Ademais, transcrevo um excerto de um sincero testemunho de conversão à Fé Católica, de Érick Augusto Gomes, e que tem a ver com a Virgem Maria:

      (...) ''Era um domingo de manhã, dia internacional da mulher, oito de Março de 2009. Um dos diáconos havia preparado uma homenagem para as mulheres da igreja [presbiteriana]. Lembro que fiquei apreensivo naquela manhã, pois ele havia dito que passaria por todas as mulheres das sagradas escrituras enumerando seus exemplos e assim, exaltaria a mulher presbiteriana. Naquela manhã, o diácono presbiteriano falou de quase todas as servas de Deus, porém, esqueceu-se de uma, esqueceu-se da principal. Aquilo foi um baque para mim. Lembro-me que tinha em minha memória as claras palavras de Maria no evangelho de Lucas: ''Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada (Lc 1,48)''. Naquele momento eu me perguntei qual o motivo de esquecerem a Mãe de Deus? Por que se esqueceram de Maria? Se todas as gerações a proclamariam, por que eu, como protestante, não fazia isso? Por que eles não faziam isso? Naquele momento, eu percebi que havia algo de errado com a ''geração de Lutero''. Se, profeticamente, a geração de Maria esmagaria a cabeça da serpente (Gn 3,15), me perguntei: a qual geração pertence a este povo? A qual geração eu pertenço? Naquele dia, eu decidi me afastar definitivamente do protestantismo e embora posteriormente tivesse ido a alguns outros encontros, passei a me dedicar a Igreja Católica que possuía como centro Jesus Cristo e a certeza disso encontrava-se no mistério do sacramento da eucaristia que a tanto me encantava por sua pureza.'' (...)

      In Corde Jesu et Mariae.
      _____________

      http://baixadacatolica.blogspot.com.br/2015/06/como-me-tornei-catolico-e-deixei-o.html

      Excluir
  20. Olá amigos, de fato, em toda igreja protestante séria que conheço são exaltadas as virtudes de Maria, assim como a de todos os apóstolos e santos mencionados na Bíblia. São tidos como exemplo a ser seguidos. Ousaria dizer que tal postura se aproxima de uma veneração, no sentido de admirar, reconhecer os méritos, ter como modelo e exemplo. A única diferença radical que encontro é que no caso do protestantismo, essa veneração não incluiria a crença na intercessão, na possibilidade de dirigirmos nossas orações a Maria ou a outros santos. Mas isso não quer dizer que não a temos como modelo, como bem aventurada, como a única mulher em toda a humanidade considerada digna de conceber nosso senhor, como exemplo de humildade, fé, virtude é amor. Cremos apenas que se dirigirmos nossas orações somente a Jesus, ele é suficiente para nos atender. Mas não que Maria foi uma mulher qualquer. Lamento por qualquer outro cristão que não reconheça estes méritos de Maria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro anônimo, antes de mais nada, poderia definir o que é uma 'igreja protestante séria'?
      Na verdade, a única diferença entre as duas doutrinas não é a intercessão. Vocês protestantes acreditam na Imaculada Conceição e Perpétua virgindade de Nossa Senhora?
      Quanto a ela ser uma mulher qualquer, VOCÊ pode até não acreditar, mas há muitos protestantes que o fazem e ainda usam isso para desmerecer a fé católica. A paz de NSJC!

      Excluir
  21. Acredito que uma boa parte dos protestantes não sabem, mas, recorrer a pedidos de intercessão de Maria, dos Anjos e dos Santos na Igreja Católica é optativo, ou seja, não é obrigatório, recorrem quem quer. O que é obrigatório entre nós católicos é crermos na Comunhão dos Santos, o que constitui um dogma, ou seja, cremos que todos nós na terra estamos unidos junto aos irmãos que já se encontram nos céus, e os que ainda se padecem no purgatório, embora de forma espiritual, sem o corpo, pois ainda não ressuscitaram, apenas Maria e JESUS cremos que estão em corpo e alma nos céus, mas os demais ainda não, mas mesmo assim, cremos que eles estejam vivos de forma espiritual e unidos junto a nós dentro da Comunhão dos Santos, o qual quem integra a todos nesta comunhão é o próprio CRISTO, então por meio desta comunhão é que podemos recorrer, quando quisermos, a intercessão de nossos irmãos e de Maria nossa mãe, que já se encontram nos céus, como nós podermos recorrer a intercessão de uns pelos outros aqui na terra. Cremos também que a intercessão de JESUS já é suficiente, mas como DEUS permite que intercedemos uns pelos outro na terra, assim acontece também nos céus o qual Maria, os Anjos e os Santos nos céus também continuem a interceder por nós, tendo em vista, uma maior colaboração dos membros que já estão na glória dos céus aos membros que ainda peregrinam na terra, dentro do exercício da caridade o qual São Paulo em 1º Cor. 13 já diz que nunca acabará. Os Santos e Maria e os Anjos nos céus como nos aqui na terra exercemos o papel de intercessores, não paralelos a CRISTO mas subordinados a ELE, já que ELE é nosso intercessor eminente, principal, o qual todas as demais intercessões e orações que fizemos a nosso favor ou a favor de outra pessoa, em forma de intercessão deverá ser feita em nome de JESUS. Assim como fazemos na terra em que pedimos a nosso favor ou de outras pessoas em nossas orações o qual fazemos em nome de JESUS, assim nos céus Maria, os Anjos e os Santos também intercederão por nós me nome de JESUS. Portanto, os pedidos que fazemos a Maria aos Anjos e aos Santos d intercessão de forma opcional não é porque acreditamos que a intercessão de CRISTO não seja suficiente, mas porque cremos que tais ofícios ocorrem nos céus, pois DEUS permite e JESUS quer, pois é a forma de aqueles que estão nos céus de exercerem a caridade para com seus irmãos que se encontram na terra e em peregrinação para o céu, caridade esta que como disse São Paulo jamais terminará e ainda disse em outro lugar:
    "20.Há, pois, muitos membros, mas um só corpo.

    21.O olho não pode dizer à mão: Eu não preciso de ti; nem a cabeça aos pés: Não necessito de vós.

    22.Antes, pelo contrário, os membros do corpo que parecem os mais fracos, são os mais necessários.

    23.E os membros do corpo que temos por menos honrosos, a esses cobrimos com mais decoro. Os que em nós são menos decentes, recatamo-los com maior empenho,

    24.ao passo que os membros decentes não reclamam tal cuidado. Deus dispôs o corpo de tal modo que deu maior honra aos membros que não a têm,

    25.para que não haja dissensões no corpo e que os membros tenham o mesmo cuidado uns para com os outros."

    (1º Cor. 12, 20-25)

    Sidnei

    ResponderExcluir
  22. Caro, Petrivalianici, obrigado pelo comentário e pelos apontamentos. Creio que a minha definição de igreja protestante séria seja a mesma do Sidnei (e dos católicos que ele menciona em um dos comentários acima).
    Sei que existem outras diferenças entre católicos e protestantes no que diz respeito à Maria; assinalei a intercessão não como a única diferença, mas como a mais radical. Do meu ponto de vista, creio que esta é a diferença de maior expressividade, e que as demais são de importância mais ponderada.
    Muitos protestantes compartilham a mesma idéia sobre Maria que assinalei acima, reconhecendo-a como bem aventurada, como modelo a ser seguido, como escolhida por Deus, dentre outros méritos e atributos que citei acima. Não posso responder por todos, mas posso dizer que aqueles que eu conheço e com quem compartilho o fé, crêem desse modo.
    Mas sei que muitas igrejas, por simples oposição ao catolicismo, tendem a cometer os erros apontados. Sobre isso, realmente lamento, e não sou o único protestante, acreditem, a lamentar.
    Sidnei, obrigado pelos seus esclarecimentos. Gostei da forma como expôs, pois foi muito claro e preciso. Sei que muitas vezes o tom nos sites acaba sendo de discussão, mas agradeço por ter conduzido o assunto com amor fraternal, o que em nada diminui a sua fé, e agradeço também pelos preciosos esclarecimentos, que me fizeram compreender mais a fé professada pelos católicos. Paz de Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro anônimo, acabei de reler o comentário de Sidnei anterior a esse seu e confesso que não encontrei em lugar nenhum uma definição de "igreja protestante séria". Pode me dizer aonde você leu essa definição? Obrigado. Quanto ao resto do seu comentário, concordo. Você é um dos únicos e pouquíssimos protestantes que vêm a este site dizendo que não querem atacar a nossa fé e realmente não ataca, diferente dos hipócritas que falam que não querem nos atacar mas sim "expressar seu ponto de vista" e em seguida nos "presenteiam" com uma série de sofismas e acusações batidas, como se um ataque não fosse resultado de uma opinião (o problema não é nem criticar, mas sim ser contraditório fazendo isso e dizendo que não quer fazer).

      Excluir
    2. Petrivalianici, ele deve está falando do meu comentário que fiz no dia 17 de setembro de 2015 08:27, o qual coloquei que existem algumas igrejas protestantes sérias, sobre tudo, as ditas históricas, como os anglicanos, luteranos, metodistas e presbiterianos.

      Sidnei

      Excluir
    3. Ok, Sidnei. Só não entendi o porquê de certas denominações serem consideradas "sérias", apenas porque respeitam Nossa Senhora. Não vejo seriedade nos luteranos quando seu fundador, no meio de suas bebedeiras, dizia que "papistas e excremento são a mesma coisa", além, é claro, de seus famigerados comentários sobre a santidade de NSJC.
      Também não vejo muita seriedade em seitas como os calvinistas, que acham que Deus é mau a ponto de escolher uns para a vida eterna e outros para a perdição eterna, a famosa predestinação.
      Quanto aos anglicanos, aí é que eu não sei quais os critérios que você utilizou para definir seriedade mesmo! De uma seita daquelas, que começou no pecado, continuou no pecado e vai acabar no pecado, eu nem falo mais. São tantas as abominações que a igreja da Inglaterra aprovou para agradar ao Mundo, do qual ela faz parte, que eu honestamente não sei como o suposto respeito que os anglicanos têm pela Virgem os torna uma denominação séria. A paz de NSJC!

      Excluir
    4. Petrivalianici, eu coloquei estas igrejas protestantes como sérias, no sentido de que pelo menos elas tem um corpo doutrinal elaborado, imperfeito, mas tem, fora que eles também guardam algum senso de liturgia, ou seja, não é aquela bagunça que se vê nas igrejas pentecostais e neo pentecostais, e que se desgraça pouca é bobagem, a RCC Católica tenta imitar. Também digo que são sérias porque pelo menos podemos sentar e conversar com eles em um tom de respeito, como este nosso amigo protestante, que veio com toda educação apresentar como eles tratam Maria na igreja deles e a parte que toca a intercessão dela e dos anjos e dos santos, o qual esclareci no comentário a seguir o do porque recorremos a intercessão de Maria, dos Anjos e dos Santo o qual não é pelo motivo de acharmos a intercessão de JESUS insuficiente, mas pelo motivo do exercício da caridade que não sessa mesmo para aqueles que partem deste mundo e estão em DEUS, mas unidos a nós na Comunhão dos Santo, e ele após ter lido meu comentário, agradeceu pelo esclarecimento, e foi embora, assim como tinha do Felipe que também é protestante, vinha aqui fazer seus comentário de forma educada e assim o respeitávamos. Portanto, quando digo de igrejas protestantes sérias, não estou falando de seus fundadores, estou falando dos membros destas igrejas, o qual podemos dialogar, sem nos ofender e assim esclarecendo a nossa fé católica, os protestantes poderão verificar que nem tudo aquilo que eles acreditavam o que seria Igreja Católica era o que eles aprenderam.

      Sidnei

      Excluir
    5. Entendo. Nesse caso, a seriedade a qual você se referiu não é doutrinária, mas diz respeito ao tratamento desses protestantes para conosco. A paz de NSJC!

      Excluir
    6. Exatamente Petrivalianici. E a paz de NSJC a você também.

      Sidnei

      Excluir
  23. Penso o seguinte:

    Deus nos deu livre arbítrio e ama à todos igualmente, mas não interfere em nossas decisões, Ele não age de ofício, então recorro à Maria para interceder, pois Ele a ouve e a súplica dela é a súplica de sua animadíssima filha, esposa e mãe -Filha de Deus, esposa do Espírito Santo e mãe de nosso Senhor Jesus Cristo. Seria blasfêmia pensar assim? Ou está certo?

    BiaRM

    ResponderExcluir
  24. Eu creio que é quase inútil explicar a nossa crença como Católicos aos Rebeldes (Protestantes), eles raramente aceitarão ou estarão convencidos, tudo porque o radicalismo contra a Igreja Católica está enraizado em suas mentes e a cegueira não permite que eles vêm a realidade.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail