São Cosme e Damião não são 'orixás', 'ibejis' ou 'erês' – a armadilha do sincretismo religioso

São Cosme e São Damião, festejados
pela Igreja em 26 de setembro

NÓS, CATÓLICOS, devemos cultivar gratidão e veneração pelos nossos santos, pelo exemplo de vida e de amor a Cristo que foram e são para nós (conf. Hb 6,12; 1Cor 13,1; João 8,39), e por continuarem a interceder por nós no Céu, elevando suas orações ao único Mediador da nossa Salvação, Jesus Cristo, Senhor nosso (conf. Ap 5,8. 6,9-10. 7,9-10. 8,4. 13-15; Hb 12,1; 1Tm 2,5).

Os verdadeiros São Cosme e São Damião foram cristãos mártires pela fé, e permanecem cultuados há muitos séculos (desde 300/400 d.C.). Até hoje, seus nomes são lembrados na Liturgia da Santa Missa, e são venerados também na Igreja Ortodoxa, que os homenageia em novembro. Seus restos mortais e suas relíquias estão distribuídos em Roma e em algumas igrejas e mosteiros da Alemanha, católicos e ortodoxos.

Trataremos neste estudo da ação do sincretismo religioso, que se reflete nas lendas e mitologias que cercam o culto a estes e a outros autênticos mártires da fé cristã. Ocorre que, lamentavelmente, no Brasil, o culto destes santos benfeitores foi bastante deturpado através da História, neste sincretismo típico do paganismo[1] e bastante presente nos cultos africanos trazidos pelos escravos a partir do século  XVI.

Sincretismo religioso é a prática de se misturar elementos de religiões diferentes, na tentativa de se estabelecer uma similaridade ou paridade que, de fato, não existe. No caso em questão, reflete-se na pretensão de se dar "aparência católica" a um sistema de crenças completamente diferente ou oposto àquilo que prega o catolicismo. Lamentamos especialmente o fato de que, em nossos dias, tanto a mídia secular quanto parte das próprias instituições católicas ajudam a promover o sincretismo como se fosse coisa muito boa, louvável, digna e justa – como se fosse coisa cristã. Lamentamos porque, segundo a fé cristã de sempre, é algo nocivo para as almas. Respeitar a liberdade religiosa de cada um e saber conviver, pacífica e respeitosamente, com as diferentes crenças, é uma algo que incentivamos. Assumir e promover o sincretismo religioso é outra coisa, completamente diferente.

Ocorre que, na triste época da escravatura, os cativos africanos, impedidos de exercer a sua própria religiosidade, criaram uma maneira engenhosa de ludibriar os senhores de engenho: invocavam seus deuses da natureza ou entidades espirituais – os "orixás", como "Oxalá", "Ogum", "Iemanjá" e muitos outros – simulando que rezavam para Jesus, Maria ou alguns dos santos mais reverenciados na época, como São Sebastião, São Jorge, Santa Bárbara, São Cosme e São Damião, etc. Tinham os escravos seus justos motivos? Parece que sim, porém é um fato inquestionável, que podemos ver claramente, que o sincretismo religioso, já em sua origem, foi pensado para enganar.

Tal situação viria a causar, posteriormente, muita confusão entre o povo católico brasileiro, especialmente entre as pessoas mais simples; situação esta que permanece, em maior ou menor grau, até hoje. No dia da celebração de S. Cosme e S. Damião, costumam-se distribuir doces às crianças, usando os nomes dos santos católicos para homenagear  determinadas "entidades" espirituais infantis que compõem o panteão umbandista. No catolicismo, Cosme e Damião não são crianças: são irmãos gêmeos, médicos, que entregaram suas vidas como mártires. Abaixo, um resumo da sua verdadeira história.


São Cosme e Damião são mais autenticamente
representados, na liturgia oriental, como adultos

A verdadeira história de São Cosme e São Damião

Os gêmeos árabes Cosme e Damião eram filhos de uma nobre família de cristãos. Nasceram por volta do ano 260 d.C. na região da Arábia, e viveram na Ásia Menor. Desde muito jovens, ambos manifestaram um grande talento para a medicina, profissão à qual se dedicaram após estudarem na Síria.

Tornaram-se profissionais competentes e dignos, e foram trabalhar como médicos e missionários na Egéia. Amavam a Cristo com fervor, e decidiram atrair pessoas ao Senhor através dos seus serviços. Por isso, não cobravam pelas consultas e atendimentos que prestavam, e por esse motivo eram chamados de "anárgiros", que significa algo como “inimigos do dinheiro" ou quem "não pode ser comprado pelo dinheiro".

A riqueza que almejavam era fazer de sua arte médica também o seu apostolado para a conversão dos povos: uma missão que, a cada dia, cumpriam cada vez melhor. Seus corações ardiam por salvar as almas, e nisto se envolveram através da prática da medicina. Inspirados por Deus, usavam a fé aliada aos conhecimentos científicos, confiando sempre no poder da oração, e assim operaram verdadeiros milagres, Curaram muitos doentes em nome do Cristo Jesus, vários destes já à beira da morte.

Consta, inclusive, que também preocupavam-se em tratar animais, já que “toda a criação aguarda, com ardente expectativa, pela manifestação da Glória de Deus” (Rm 8,18-19).

Manifestaram autoridade do Alto, pregando o Evangelho inclusive com sinais e prodígios. Sua linguagem e sua pregação, conformes às Escrituras, “não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria, mas em demonstração do Espírito de Poder” (ICo 2.4). De tal forma, conseguiram plantar a semente da Salvação em muitos corações, colhendo inúmeras conversões ao Senhor Jesus. Cosme e Damião possuíam uma Revelação clara do chamado que tinham como ministros do Evangelho, chamado que cumpriam no cotidiano de sua rotina profissional, ministrando Cristo através de seu trabalho.

As atividades cristãs dos médicos gêmeos, porém, chamaram a atenção das autoridades locais da época, quando o Imperador romano Diocleciano autorizava a perseguição aos cristãos. Diocleciano odiava os cristãos porque, fiéis a Cristo, não lhe prestavam culto divino, nem adoravam ídolos ou estátuas de deuses pagãos, consideradas sagradas pelo Império Romano.

E assim, por serem cristãos, Cosme e Damião foram presos, levados a tribunal e acusados de se entregarem à prática de feitiçarias e de usar meios diabólicos para disfarçar as curas que realizavam. Ao serem questionados quanto às suas atividades, eles responderam: "Nós curamos as doenças em nome de Jesus Cristo, pela força do seu Poder". Apesar de todas as graves ameaças de terríveis castigos, diante do governador Lísias ousaram declarar que aqueles falsos deuses não tinham poder algum sobre eles, e que só adorariam ao Deus Único, Criador do Céu e da Terra. Mantiveram o testemunho de Cristo, impressionando a todos por seu amor e sua entrega.

Por não renunciarem aos Mandamentos de Deus, sofreram tenebrosas torturas. E mesmo cruelmente maltratados, não se deixaram abalar em sua convicção e jamais negaram a fé. No ano 303, o Imperador decretou que fossem condenados à morte, na Egeia. Os dois irmãos foram postos, então, diante de uma sólida parede, para que quatro soldados os atravessassem com flechas, mas consta que resistiram às flechadas e também pedradas. Os militares foram assim obrigados a recorrer à espada para a decapitação, considerada uma honra reservada somente aos cidadãos romanos. Dessa maneira é que Cosme e Damião foram martirizados.


* * *

Dois séculos após as mortes de Cosme e Damião, por volta do ano 530, o Imperador Justiniano deu ordens para que se construísse, em Constantinopla, uma bela igreja em honra deles. A fama dos gêmeos também correu no Ocidente, a partir de Roma, e uma basílica lhes foi dedicada, construída a pedido do Papa Félix IV, entre os anos 526 e 530. A solenidade de consagração desta basílica ocorreu num dia 26 de setembro, data em que os santos gêmeos são celebrados pela Igreja.

Até hoje, S. Cosme e S. Damião são venerados em toda a Europa, especialmente na Itália, França, Espanha e Portugal. Além disso, são padroeiros dos médicos e farmacêuticos. Devido à sua simplicidade e inocência, também são invocados como protetores das crianças, e por isso é que, algumas vezes, foram retratados como infantes.

Aqui no Brasil, como vimos, lamentavelmente a veneração autêntica foi confundida com práticas estranhas ao cristianismo. A devoção trazida pelos portugueses misturou-se com o culto aos "orixás-meninos" (ditos 'ibejis' ou 'erês') da tradição africana yorubá. Cosme e Damião, santos "mabaças" ou gêmeos, muito populares, são amplamente festejados na Bahia e no Rio de Janeiro, onde sua festa ganha as ruas e adentra aos barracões de candomblé e terreiros de umbanda, no dia 27 de setembro, quando crianças saem em grupos pedindo doces e esmolas em nome dos santos.

Mais acima, imagem de escultura da umbanda que representa 'Erê' e 'Curumim', invocados sob os nomes de Cosme e Damião, juntamente com o 'Doum', com o qual formam um trio. Acima, a imagem tradicional dos santos católicos grosseiramente adulterada para se adequar às entidades da umbanda. De fato, vê-se que a imagem do santo da esquerda foi apenas recortada, reduzida e colada entre os dois santos.

Uma característica marcante na Umbanda e no Candomblé, em relação às representações de Cosme e Damião, é que junto aos dois santos católicos aparece uma criança pequena vestida com trajes iguais aos deles. Essa criança é chamada "Doúm" ou "Idowu" e personifica as crianças de até sete anos de idade, sendo, segundo a crença, o seu protetor. Nas festas de tradição afro, enquanto as crianças se deliciam com a iguaria consagrada, os adultos, em volta, entoam cânticos (oríns) aos orixás. No sincretismo, Cosme e Damião são os orixás "ibeji", filhos gêmeos de Xangô e Iansã, entidades espirituais que se creem protetoras do parto duplo, amigos das crianças e responsáveis por atender pedidos em troca de doces (daí o costume de se distribuir doces). Sinal evidente, as imagens que apresentam três figuras não são católicas, já que S. Cosme e S. Damião, evidentemente, são apenas dois. O dia de S. Cosme e S. Damião é celebrado também pelas linhas candomblé, batuque, xangô do nordeste, xambá e pelos centros de umbanda, sendo que em todos estes são associados aos "ibejis".

O que nos entristece, em toda essa história, é ver a profanação, precisamente, dos princípios eternos pelos quais os gêmeos árabes morreram. Suprema contradição: justamente Cosme e Damião, que tanto lutaram contra o sincretismo –, de fato, exatamente por essa razão foram executados –, são hoje verdadeiros símbolos de tal prática!

Os verdadeiros S. Cosme e S. Damião foram cristãos santos e fiéis até o fim; amaram o Senhor sem medida e sem restrições manifestaram Jesus em suas vidas. Assim, ganharam inúmeras almas através do amor e da pregação do Evangelho. É neste testemunho que devemos nos inspirar.


É lícito que um católico distribua ou aceite doces em honra de São Cosme e São Damião?

Evidentemente, os católicos não devem participar do sincretismo, que é de fato um desvirtuamento da autêntica veneração a esses e outros santos. Em certas situações, no entanto, torna-se difícil saber quem adota esse costume por verdadeira devoção ou para homenagear os orixás. Essa prática só poderia ser permitida aos cristãos católicos se feita por pura caridade, sem qualquer ligação com devoções e/ou ritos estranhos à nossa fé. S. Cosme e S. Damião podem somente ser cultuados na fé da Igreja, nas Missas, novenas e orações particulares.
Cabe salientar –, mais uma vez –, que nós, católicos, podemos e devemos saber conviver pacificamente com as diversas opções religiosas das pessoas que nos cercam, na medida do possível, desde que para isso não deixemos de afirmar a nossa fé cristã, católica e apostólica. É preciso sempre deixar muito claro que S. Cosme e S. Damião são nossos irmãos na fé, que pedem por nós no Céu, e não entidades espirituais da umbanda.

Atualmente, na Igreja Católica, o dia de Cosme e Damião é 26 de setembro, por conta do dia de São Vicente de Paulo, que morreu no dia 27 e passou a ser festejado nessa data – pois a morte de um santo é o dia em que ele nasce no Céu e para a Igreja. Como não se sabe com exatidão o dia da morte de Cosme e Damião, sua festa foi transferida para o dia 26.

Na Bahia, região onde a cultura africana é mais presente e o sincretismo também é maior, certos grupos de professos católicos comemoram o dia de S. Cosme e S. Damião juntamente com representantes de outras vertentes religiosas, oferecendo o caruru, comida típica das religiões que cultuam os orixás. Quando se faz o “caruru de santo”, é costume convidar sete crianças normalmente desconhecidas e convidadas na rua, de última hora, para serem servidos antes de todos. A Igreja Católica não aprova ou apoia esse tipo de costume, por favorecer o sincretismo e a confusão de conceitos entre religiões diferentes, mas por ser uma prática profundamente enraizada na cultura popular, acaba sendo tolerada como costume cultural ou folclórico típico.

_________
1. Paganismo entendido como o conjunto das religiões que adotam o politeísmo ou o culto a vários deuses, espíritos, seres espirituais superiores ou entidades da natureza, etc. (conf. MICHAELIS, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa online / CALDAS AULETE dicionário online).


Fontes e referência:
QUEVEDO, Oscar Gonzales. Milagres: A ciência confirma a fé, 2ª ed. São Paulo: Loyola, 2000, pp.18-21.
AQUINO, Felipe. Artigo "Cosme e Damião são santos mesmo?", disponível em
http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?id=&e=4217
Acesso 2/12/013.
ofielcatolico.blogspot.com

39 comentários:

  1. O Texto é muito esclarecedor, me informou de fatos que eu desconhecia. Parabéns. Ainda sim, acredito que haja uma contradição no texto quando se trata do sincretismo (tema este que não conheço profundamente) quando diz no início que "harmonia que de fato não existe", e depois diz: "podemos e devemos saber conviver pacificamente com as diferentes opções religiosas". Pergunto: Isto não é harmonia e harmonia não é algo bom, sabendo identificar, como no final do texto: "desde que para isso não deixemos de afirmar a nossa verdadeira fé cristã, católica e apostólica.". Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está confundindo as coisas, Sidnei. Não há e nunca poderá haver harmonia entre o cristianismo e uma religião que prega o culto a entidades da natureza e práticas de magia. Não há harmonia, no sentido de que não há convergência, – nem teológica, nem moral, nem prática. – São caminhos e propostas completamente diferentes. Isto é uma coisa.

      Por outra, aceitar a liberdade de consciência religiosa, e procurar uma convivência pacífica com pessoas de outros credos é uma outra coisa, absolutamente diferente. Não entendo a sua questão.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  2. Parabéns pelo esclarecimento com muita propriedade sobre o assunto.

    Está semana fiquei decepcionado com um site católico (prefiro não citar o mesmo) que tratou deste mesmo assunto, "catequizando" e induzindo ao erro, relativizando com interpretações equivocadas, inclusive das escrituras. Acredito que não tenha sido intencional, mas espero que corrijam em favor de muitos!

    A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    Carlos Jr.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola..Aproveitando pegando um gancho nesse tema, gostaria de um esclarecimento...Pq algumas oraçoes de Renuncia que estao em livros de Oraçoes, ainda conservam a mençao.." renciaa espiritos de Cosme e Damiao " e certamente em off tb a Sao Jorge que hoje em su dia e cultuado, venerado nas igrejas catolicas no Brasil? Pq ha um contradito, se ainda constam nessas oraçoes ,como renunciaveis e noutras oraçoes, em louvor aos Santos e Martires, os mesmos sao honrados.Grata

      Excluir
  3. Sou evangélico e o texto é muito bem feito. Parabéns, a entrega de doces faz parte de um ritual diferente do cristao e não deve ser praticado por cristaos

    ResponderExcluir
  4. Amei o texto, muito esclarecedor e prático. Adorei conhecer o site e vou seguir sempre.
    Eu não sabia que essa prática era dessas outras religiões, acho que isso deveria ser ensinado e explicado nas igrejas, na catequese para que não levasse tanto tempo para os cristãos aprenderem. Pelo menos eu aprendi a tempo de não deixar meu filho participar dessa prática.
    Acho que se a igreja conhece todos esses desvios causados pelo sincretismo, deveriam mais do que pronto ensinar aos cristãos para que não participemos disso e possamos ir diminuindo essas praticas.

    ResponderExcluir
  5. Achei muito legal a forma de expressão do seu texto, uma bela explicação da real historia de Cosme e Damião, esta de parabéns. Uma dica Crie um botão de compartilhar os texto pois vai ser bacana.

    Graça e paz

    ResponderExcluir
  6. Não é verdade que a data do dia 26 que foi mudada por Paulo VI , vem sendo acatada por TODOS os católicos! Os tradicionalistas como eu , continuam a festejar a data em 27 de setembro, mantendo assim a data pré conciliar ( Vaticano II ). Entendemos que deve-se manter a mesma data , já existente há mais 4 séculos , muito antes de São Vicente de paula ser considerado santo! Não julgamos lícito , "deslocar-se um santo para outra data por julgá-lo quiçá , duvidoso de sua sua santidade ou talvez por não serem eles pertencentes ao clero como São vicente! Este tipo de atitude , e outras que foram praticadas pelo Concílio Vaticano II, não foram absorvidas pelos setores mais tradicionais da Igreja! Que procuram se manter fiéis à tradição da Igreja pré conciliar e em união com os santos padres , santos papas da Igreja e entendemos que tudo o que NÂO estiver de acordo com o magistério da Igreja , que existe há 2000 anos , muitíssimo antes do referido concílio , não tem a obrigação de ser acatado! E isto é DOGMA NA IGREJA!

    ResponderExcluir
  7. Olha o sincretismo religioso existe e sempre existiu queiram ou não. E outra o dia de São Cosme e Damião sempre foi dua 27 de setembro, data este que hoje é comemorada somente pelos católicos dia 26.
    #Ibejis!!!!
    #as minhas crianças

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fato de ter sempre existido, na sua opinião, autoriza a prática? Sim, o sincretismo sempre existiu, assim como a mentira, a falsidade, a enganação e toda sorte de desonestidades.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. O mais engraçado são pessoas que reclamam de apropriação cultural, mas praticam o sincretismo religioso...

      Excluir
    3. S. Cosme e S. Damião nasceram e morreram antes de começar a confusão aqui no Brasil.
      Antes da mistura acontecer no Brasil, S. Cosme e S. Damião sempre foram e continuarão sendo mártires Cristãos!

      Quem chegou depois, não tem moral para passar por cima da história deles.

      Além disso, as datas "comemorativas" diferentes só prova a apropriação e a desonestidade.

      Excluir
  8. O sincretismo sempre será uma armadilha perigosíssima a fim de corromper os claros valores da palavra de Deus. Vermos o exemplo tenebroso do sincretismo existente nas igrejas de viés pentecostal na Coreia do Sul, onde aliado ao ensino tipicamente emocional desta ramo do protestantismo, infelizmente, o sincretismo ali lançou ramos vários, onde a designação para o nome de Deus no idioma coreano é idêntico a um nome pagão de um dos deuses do panteão desta nação asiática, deuses estes adorados antes do estabelecimento da fé cristã naquela nação.

    ResponderExcluir
  9. Infelizmente o sincretismo no Brasil e a nossa profunda ignorância da doutrina causam muita confusão. Distribui doces por algum tempo, até descobrir que não era uma tradição católica. Quando eu era criança saiamos para pegar doces pois não tínhamos muito dinheiro para gastar comprando essas guloseimas, quando cresci quis retribuir e considerava o ato caridoso. Com o acesso à internet e da verdadeira doutrina percebi que era um triste engôdo. Tenho o coração tranquilo porque não fiz ato algum para qualquer orixá e mas uma pontinha de tristeza de não ter sabido antes.

    ResponderExcluir
  10. Muito legal esse site, sou evangélica batista e conheço católicos praticantes q distribuem doces, mas não por mal, sem dedica- los a orixas, mas por não saberem mesmo.

    ResponderExcluir
  11. Ola Henrique.
    Só estou passando pra te agradecer por ter me convertido. E dizer que ontem participei da minha primeira Missa.
    Sou grato pelo seu apistolado. E rezo por vc meu irmão!.
    Um grande abraço. Que nosso Deus o abençoe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que notícia boa Rodrigo! Estou começando a ser CATÓLICO também , tudo começou ao EJC ( Encontro de Jovens com Cristo e lá cheguei nesse site e outros amigos, tudo é muito coerente e bem explicado . Se eu tivesse condições eu ajudava muito essa turma do Apostolado diante da sua grande importância para a defesa da fé .

      Excluir
    2. Eu é que agradeço emocionado, Rodrigo. Vale a pena continuar trabalhando apenas para ser agraciado com testemunhos como o seu. Nosso Senhor o abençoe e guarde, e Maria Santíssima interceda em seu favor, agora e no último dia!

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  12. É se não houvessem leis que proíbem atos de violência contra as pessoas por diferenças que naturalmente existem entre todos, a maioria dos fanáticos deste mundo estariam proibindo as pessoas de praticarem a sua fé conforme a sua cultura.
    A cultura de um povo se mistura a de outro a partir da convivência entre eles.
    As cultura afro está em tudo no Brasil.
    Nega-la significa pensar como Hitler e se adotado, fará o mesmo que fez com os Judeus.
    Dizer que a religião é a mais certa é a pior forma de egoísmo.
    Sigam os passos de um Cristo que ama a todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cuidado com a comparação com Hitler porque nazismo é crime e calúnia também, viu?
      Jesus disse que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida e que ninguém vai ao Pai senão por Ele. Se é assim então outras religiões não levam ao Pai. E também Ele expulsou mercadores do Templo porque o lugar era para adoração de Deus; então cristãos de verdade devem afastar coisas que não são de Deus das que são. Amar não é fazer o que os outros querem, aí já é ser trouxa. ACEITE A VERDADE.

      Excluir
    2. PS: parece que pra voce vou ter que desenhar. Ser contra o sincretismo não é incitar preconceito ou violência contra a umbanda/candomblé. Realmente o Catolicismo e essas religiões são incompatíveis. O que custa pra voce separar orixás dos santos? Aposto que nada. E nem venha com essa falacia fuleira de amar os outros que amar não é se curvar às ideias e crenças dos praticantes de umbanda/candomblé.

      Excluir
  13. O catolicismo nem a fé "cristã" não são melhores ou superiores a nenhuma outra religião ou doutrina.
    Você fala em respeito à diversidade, mas implicitamente é preconceituoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, onde vc viu alguém dizendo que o catolicismo é melhor ou superior do que a outra religião? Os fanátgicos são vocês que gostam de falar muito em diversidade mas odeiam todo mundo que não pensa igual a vocês. Isso sim é um verdadeiro fanatismo

      Excluir
  14. Muito agressivo e desrespeituoso o texto, que pena, poderia ter sido altamente informativo. A cultura do Brasil é sim cheia de misturas e sincretismos e tradições das inúmeras etnias que vieram, respeito a todas é mais legal que ataque ao que é diferente a gente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queridíssimo anônimo,

      Escolhemos a sua mensagem entre dúzias e dúzias de outras semelhantes – algumas até nos ameaçando de processo(!) – que esse nosso texto tão simples e meramente informativo recebeu.

      Confesso que foi difícil escolher uma só entre tantas mensagens com este mesmo teor, porque haviam verdadeiras "pérolas" entre esses comentários revoltados, desde acusações de racismo (?) até de supostos "católicos" que frequentam terreiros de umbanda e acreditam nos "orixás".

      Pela reação dessas pessoas e o teor dos comentários, fica muito claro que nenhuma delas chegou a ler o nosso texto, além de algumas poucas linhas. Rápidos como raios, concluíram que somos "preconceituosos", "intolerantes", "fanáticos", "semeadores da discórdia", "pregadores do ódio", "ignorantes que não aceitam a diversidade", que "não sabem respeitar a cultura das pessoas" etc, etc, etc... Alguém chegou a dizer que reclamaria ao papa Francisco...

      Correndo o risco de ser repetitivo, não me atrevo a responder nada além de um singelo apelo para que ao menos leiam o texto e que, então sim, se puderem, mostrem em que afirmação ou em que linha estão o ódio, o preconceito, a intolerância, o crime de racismo ou outra coisa semelhante. Mostre-nos, anônimo, exatamente em que parte fomos "agressivos" e "desrespeitosos", para que possamos nos retratar.

      Entretanto, devido a tamanha e tão inesperada reação, quero lembrar apenas o seguinte: não sei se está bem claro, mas este aqui é um espaço católico, desenvolvido por católicos principalmente para católicos, que visa o esclarecimento da fé católica. O texto não avança nem um centímetro além do esclarecimento de quem são S. Cosme e S. Damião –, santos católicos –, qual a sua história, o que eles representam para a Igreja e porque não são (como o próprio título diz), "orixás", nem "ibejis" e nem "erês", mas sim cristãos exemplares na fé.

      Cristãos católicos que, ironicamente, morreram mártires justamente por não aceitarem o sincretismo religioso no seu tempo.

      Por outra, no dia em que formos formalmente proibidos de simplesmente esclarecer o que ensina a nossa fé, estaremos oficialmente numa ditadura relativista, em que os supostos grandes defensores das liberdades individuais serão os primeiros a cercear a nossa liberdade de sermos, simplesmente, cristãos. Rezamos para que este dia não venha, mas, se vier, estaremos bem preparados. Não será a primeira vez em que simplesmente declarar a verdadeira fé em Jesus Cristo, da maneira como a recebemos, será um crime passível de pena legal.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Afff... Absurdo. Teve uma vez aqui que um padre botou os adoradores de orixás pra correr e virou até notícia, acusando o padre de não respeitar a tradição deles de lavar as escadarias da igreja. Então católicos são obrigados a ceder o local para culto a orixás? Inaceitável. Católico não vai a terreiro cultuar Jesus e essa atitude deve ser recíproca. Já vi gente do candomblé que é contra o sincretismo e eu apóio eles. E não existe católico que acredita em orixá. Não passa de um doido que quer misturar as coisas. A Bíblia condena a crença em outros deuses.

      Excluir
  15. Não considero o texto agressivo e muito menos desrespeitoso, o que nos falta enquanto irmãos e seres humanos e conhecermos a história verdadeira. Eu também não a conhecia tão minuciosa assim, sempre comi os doces na minha infância sem entender e meus filhos também o fizeram, a maldade não está nos doces e sim no coração de certos seres ditos humanos. Eram pessoas pagando promessas aos santos por uma graça alcançada, disso eu sei, o mal está aí... só nos resta saber separar isso. Muito bom o texto e parabéns ao autor do mesmo.

    ResponderExcluir
  16. Bela explicação, para muitos que se dizem ser católicos mas que não procuram saber o significado de cada coisa que os traga confusões psicológicas. Eu como um católico nascido e criado na igreja, peço perdão a Deus hoje por esta sendo mundano, mas sempre tive o entender e o conhecimento disso. Parabéns pela bela explicação, e aos nossos irmãos que ae dizem ser católicos e praticam esses costumes, digo a vocês, por favor vamos nos aprofundar mais nos ensinamentos de nossa igreja .. A paz de cristo ..

    ResponderExcluir
  17. Em pleno século XXI e ainda podemos ver católicos impondo sua religião como uma verdade absoluta, e desprezando todo tipo de crença que não seja a sua... Não existe certo ou errado, CADA UM ACREDITA NO QUE QUISER.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem certeza, Vi Sgarbi? Sim, você pode acreditar no que quiser. Você pode acreditar que é uma borboleta, uma fada ou o super-homem. Pode até acreditar que é um passarinho e se atirar do prédio mais alto e morrer estabacado no asfalto, lá embaixo, se quiser. Você tem toda a liberdade para fazer isso. Mas isso quer dizer que não existe certo e errado? Claro que existe o certo e o errado, e mesmo se todo mundo disser que o errado é certo, ele continuará sendo errado. Matar alguém sem motivo, por exemplo, é sempre errado, mesmo que todos acreditem no contrário.

      Vamos ver... Vou fazer algumas afirmações para tentar explicar melhor. Nós estamos, aqui, trocando mensagens em português; certo ou errado? Certo. Você tem dois olhos, uma boca, dois ouvidos e um nariz; certo ou errado? Certo. Você é filho de mãe coreana e pai extraterrestre, marciano; certo ou errado? Errado. Você é um cavalo de quatro patas; certo ou errado? Errado.

      Mesmo que eu acredite que você é um cavalo, você continuará sendo um ser humano. E se eu tenho o direito de achar que você é um cavalo, você também tem todo o direito de vir a público e dizer: "Eu não sou cavalo, sou um ser humano". Muito bem... A realidade objetiva das coisas não muda, mesmo se eu não aceitá-la como é.

      Do mesmo modo: São Cosme e São Damião são dois santos da Igreja Católica; certo ou errado? Certo. Pessoas de religiões de origem africana usaram a imagem destes santos católicos para disfarçar o culto às entidades em que eles creem, numa época em que não tinham liberdade de culto; certo ou errado? Certo. Qualquer pessoa tem o direito de crer naquilo que quiser; certo ou errado? Certo. Nós, católicos, temos o direito de esclarecer qual é a nossa fé, e esclarecer quem são os verdadeiros Cosme e Damião, Certo ou errado? Certo.

      Pronto. Viu como existe o certo e o errado? Reconheça que nem é algo assim tão difícil de entender...

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. "Não existe certo ou errado"

      Só uma dúvida, Vi Sgarbi, você acha que essa afirmação é certa ou é errada ou muito pelo contrário?

      Excluir
    3. Deus abençoe o Henrique, você tem o dom da paciência.

      Excluir
    4. Católicos são católicos,espiritismo,mesa branca,camdomble é outra coisa.
      Não misture alho com bugalhos.
      Apenas viva a sua religião e crença sem mistura.

      Excluir
  18. OS CULTOS DE UMBANDA, CANDOMBLÉ, KARDECISMO, QUIMBANDA, VODU(HAITI), CULTOS ANIMISTAS, RELIGIÕES ORIENTAIS REENCARNACIONISTAS, (ISLAMISMO) ETC., MESMO SEITAS PROTESTANTES PENTECOSTALISTAS NÃO SE DIFEREM: TODOS SÃO SATANISTAS POIS HÁ INVOCAÇÕES, BAIXAS DE ESPÍRITOS E OUTRAS MANIFESTAÇÕES ESOTERISTAS NOS CULTOS - TUDO DIABOLISMO!
    É fato que muitos supostos católicos são superticiosos, sincréticos e frequentam terreiros e/ou centros espíritas estilo kardecistas, assim como a Igreja, comungam, embora sacrilegamente e frequentam também certos terreiros e/ou seitas protestantes, das de modelo pentecostalistas - essas em que fazem "expulsões do demonio e aparecerem espíritos "angélicos" fazendo revelações"" - todos esses são o mais baixo diabolismo!
    Aliás, não existe católico espírita, mas espírita que se diz católico e só de o católico admitir reencarnação de espírito, já se desliga automaticamente da Igreja por negar o Sacrificio Único de Jesus na cruz, resgatando o gênero humano do pecado de uma vez por todas!
    No entanto, a doutrina espírita do reencarnacismo apregoa que a pessoa "purifica-se por si mesma em seguidas reencarnações".
    "Está escrito que todos hão de morrer uma só vez, depois de que segue-se o juízo Hb 9,27.













    .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Isac, e ainda tem inúmeras outras práticas ocultistas "aparentemente inocentes" e outras perversões que abrem a porta e o demônio toma conta...

      Yoga
      ler horóscopos
      "jogos" do copo ou compasso (invocação de espíritos malígnos)
      reiki
      tratamentos "terapêuticos e alternativos", acupuntura e outras espécies
      acender incensos de cheiro
      assistir pornografia
      usar amuletos da "sorte", pentagramas e outros símbolos de "pagão"
      todas as formas de adivinhação, astrologia,
      tarô
      ouvir músicas como rock, (muitas invocam o demônio)
      a "aparente inocente" HOMEOPATIA (cuidado! um famoso exorcista desaconselha)

      Mais uma série de práticas supersticiosas..

      Tudo é obra e engodo de satanás, podendo acarretar infestações, possessões...

      Tem um bom livro do Pe Duarte Sousa Lara (famoso exorcista português), chamado "demônio, exorcismo e oração de cura e libertação em 40 questões que trata de forma resumida sobre esse tema, não é nenhum tratado de "demonologia" mas aborda muito bem o necessário para ajudar na prevenção contra o inimigo, inclusive com uma excelente oração de cura e libertação COM APROVAÇÃO ECLESIÁSTICA, que o padre aconselha rezar após o Santo Terço.

      Infelizmente muitos Católicos não sabem, e praticam algumas dessas coisas, trazendo grandes prejuízos pra alma.

      Salve Maria Imaculada!

      A Paz de Cristo!

      André



      Excluir
    2. Os tais endemoniados que aparecem em cultos evangélicos , médiuns espiratas , e outras manifestações aparentemente sobrenatural explica o Dr.António carreiro ser apenas transe hipnótico o mesmo tem vários vídeos no YouTube demonstrando a enganação protestante .

      Excluir
  19. Caro Autor,
    Li o texto atentamente e se ao mesmo tempo ele é esclarecedor acerca do surgimento dos santos católicos, o mesmo é desinformador acerca das religiões de matriz africana, além de manejar de forma limitada e redutora com os conceitos de Cultura e História, ao tratar de sincretismo religioso e cultural.
    Desinformador acerca das religiões de matriz africana por que o caruru de Cosme e Damião na Bahia é um elemento da cultura popular ao invés propriamente de um elemento religioso do Candomblé como erroneamente o seu texto informa. Há um pequeno texto da ialorixá Mãe Stela de Oxossi “ Tem Caruru na Bahia” que explica essa diferença entre a cultura popular e a dimensão religiosa. Ver o link http://mundoafro.atarde.uol.com.br/balaio-de-ideias-tem-caruru-na-bahia/
    De outro modo, se o caruru e os doces de Cosme e Damião não são “genuinamente católicos”, também não são genuinamente do Candomblé. Logo, não são elementos das liturgias religiosas, mas de uma crença popular que se amalgamou no nosso país misturando elementos religiosos diversos.
    Essa crença popular é baseada em referenciais religiosos diversos, o que se denomina sincretismo religioso e cultural, que é um fato complexo culturalmente e historicamente, que misturou espaço, tempo, referenciais distintos, que desafia os estudos acadêmicos dos historiadores e antropólogos. Logo, é errôneo e simplista dizer que o sincretismo é “ pretender dar a aparência católica a um sistema de crença completamente diferente”.
    De outro,é explicito que o autor atribui uma carga pejorativa “ o sincretismo como desonesto em si mesmo”, como responsável pela “ profanação dos princípios eternos “. Penso que antes de julgar o sincretismo, como bom ou mau para essa ou aquela religião, faz-se preciso entendê-lo em sua complexidade, como seus elementos históricos e culturais, sob pena de reforçarmos preconceitos e falsas ideais.
    Academicamente é questionável a ideia de “pureza” e “verdade” em face dos conceitos de dispersão, difusão e diáspora culturais e bem como da própria teoria da história, mas apesar de discordar da pureza, acho legitimo o autor defender um purismo para o catolicismo. Contudo, é preciso também reconhecer que na história brasileira , o poder do catolicismo e sua capacidade de reprodução social esteve relacionando com sua capacidade de lidar e absorver elementos da cultura popular. O sincretismo ajudou muito a Igreja católica a ser o que é no Brasil hoje, em que pese o autor o julgá-lo como pejorativo.
    A título de sugestão para os próximos textos, penso que faz-se preciso um cuidado do autor ao manejar e mencionar práticas culturais distintas( denominações como feitiçaria, paganismo são questionáveis), bem como, uma atenção com a precisão de conceitos em face aos campos de conhecimentos que o mesmo mobiliza( o conceito de sincretismo em face da História e Antropologia). Acredito que assim, caminharemos para a informação e agregação.
    Um forte abraço,Gilsely Barreto ( barretogilsely@gmail.com)
    OBS Autorizo a reprodução do comentário apenas em sua integralidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uma diferença importante entre os questionamentos de alguém que não concorda com tudo o que leu e os daqueles que simplesmente "se ofenderam" com o que não leram.

      Caríssima Gilsely, o nosso artigo não pretende informar a respeito de religiões de "matiz africana", até porque não somos um espaço para o estudo de ciência das religiões, de sociologia ou coisa que o valha. Nosso intuito – declarado – é a apologética e a catequese católica.

      Simples, mas parece que a razão de toda dificuldade é não considerar isto em primeiro lugar.

      Assim, a partir da perspectiva teológica cristã, o sincretismo é e sempre será negativo em si mesmo. Já por "paganismo" entende-se, além do grupo dos não batizados, as religiões politeístas ou que cultuam muitos deuses, "entidades" ou seres espirituais superiores (inclusive 'academicamente'). Logo, não há desrespeito nem desinformação alguma em se usar do termo neste caso.

      Já os "conceitos de pureza e verdade", para o cristão, jamais poderão aparecer entre aspas. Cremos na Verdade, simples e objetivamente, e uma coisa é reconhecer que a cultura, os usos e costumes dos povos sofrem influências recíprocas; outra, completamente diferente, é pretender aplicar esta mesma lógica para a Religião, e cobrar-nos que o aceitemos tranquilamente. Isso não é possível nem razoável.

      Se a Sra. estudar os escritos dos primeiríssimos séculos – começando pela própria Bíblia e avançando para Justino, Tertuliano, Arnóbio, "Mathetes", Clemente de Alexandria, etc. – verá que o cuidado com a pureza da doutrina existiu desde o início, desde a fundação da Igreja – e é preciso que seja assim, simplesmente para que a Igreja continue sendo o que é. Quem não gosta disso, é livre para ser espírita, umbandista, hinduísta, budista ou o que quer que queira, e não os criticaremos, desde que sejam honestos e assumam suas escolhas.

      Não temos nada contra quem crê diferente. Apenas não podemos admitir tranquilamente que se apropriem de pessoas ou elementos da nossa Doutrina e lhes confiram outros significados – no caso em questão, significados opostos aos originais.

      Imagine a Sra. que alguém começasse a usar a sua foto de perfil e o seu nome no Facebook, por exemplo, porém declarando coisas e assumindo posturas –, em seu nome, como se fosse a Sra. –, as quais a Sra. repudia. Seria justo? É mais ou menos o que ocorre no caso do sincretismo.

      P. S.: Fique tranquila, jamais publicamos comentários pela metade ou editados, por aqui.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  20. Ao abençoar os alimentos, sabendo ou não que os mesmos foram consagrados a alguma entidade, isso não "anularia" a consagração?

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail