Sola Scriptura e as imagens no culto


O TEMA ESTÁ mais do que batido, mas fizemos questão de republicar este artigo que completa a nossa antiga trilogia sobre a questão das imagens na Igreja, conforme havia sido postada em nosso antigo blog "Voz da Igreja". Segue.

Só para (não) variar, o assunto "imagens na Igreja" continua criando confusão na cabeça dos nossos irmãos separados, os ditos "evangélicos". – Neste ponto abrimos parênteses para esclarecer que usamos a palavra entre aspas porque "evangélicos", na realidade, sempre fomos e continuaremos sendo nós, os cristãos católicos. Afinal, o termo evidentemente deriva de "Evangelho", e foi a Igreja Católica que nos legou, através dos Apóstolos, os santos Evangelhos. Ou será que não devemos à Igreja Católica a canonização dos Evangelhos, que revelou a todos os cristãos quais livros, dentre os muitos venerados pelas primeiras comunidades, eram autenticamente inspirados por Deus e deveriam ser considerados "Palavra de Deus" por escrito, e quais não? Acaso não foi a Igreja Católica que preservou os Evangelhos dos nossos inimigos, durante tantas e tão cruéis perseguições no decorrer dos séculos? Como poderia um grupo nascido da desobediência de um monge rebelado, mais de um milênio e meio depois de Jesus Cristo, ser a "igreja evangélica"? A Igreja Evangélica de ontem, hoje e sempre é a Igreja Católica Apostólica Romana: este é um fato insofismável, tanto histórica quanto teologicamente falando.

Adentremos, por fim, ao tema deste artigo, na resposta à contestação abaixo, que nos foi enviada anonimamente:

'Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça'. Vocês tem razão, a Bíblia fala das imagens, realmente as pessoas rezavam pros querubins e pra serpente =], mas vocês não leram tb aquela parte da Biblia que diz que Jesus é o supremo sacerdote?? Devemos pedir a ele."

Sim, Jesus é o Supremo Sacerdote, leitor anônimo. É exatamente nisso que nós, católicos, cremos. E não cremos nisto exclusivamente porque está escrito, porque crer só no que está escrito literalmente na Bíblia seria contrariar a própria Bíblia. Sabe por quê? Porque a Bíblia mesmo diz que é a Igreja a coluna e o sustentáculo da Verdade para todo cristão, e não apenas as Escrituras, lidas isoladamente (1Tm 3,15).

Analise esta passagem e observe que nela a Escritura diz de si, textualmente, que estava sendo escrita para que soubéssemos como nos portar na Igreja! A Igreja é a coluna e sustentáculo (outras traduções dizem "coluna e fundamento"). A base da nossa fé é a Igreja instituída por Jesus Cristo, e não a Bíblia sozinha. 

As Escrituras são sagradas para nós, sim, são a Palavra de Deus escrita, e são muitíssimo "úteis para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça" (2Tm 3,16), mas não são e nem jamais foram a única base, o exclusivo fundamento dos cristãos. Nos primeiros séculos do cristianismo, na Igreja primitiva, a Bíblia simplesmente ainda não existia. Como se guiavam estes primeiríssimos seguidores de Cristo? Guiavam-se através da instrução da Igreja, a única Igreja que Cristo deixou e que tem dois mil anos de idade: a Igreja Católica (Universal).

Agora observemos este ponto fundamental: o trecho da Segunda Carta a Timóteo, citado acima (cap. 3, vs. 16), segundo a interpretação mais precisa, diz textualmente isto:

Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para instruir, para refutar, para corrigir, para instruir em justiça."
(Bíblia de Jerusalém, católica)

Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça."
(Almeida corrigida e revisada fiel, protestante)

Observe-se bem que o Apóstolo não diz que toda a Escritura divinamente inspirada é útil... Ele diz que "toda a Escritura é inspirada". Pode parecer um detalhe, mas este detalhe faz toda a diferença. Ocorre que a afirmação do autor sagrado parte da premissa de que todos os que forem lê-lo já sabem de quais Escrituras ele está falando. E (pasmem, talvez, muitos dos nossos leitores) estas Escrituras não são as nossas! Ora, que sagradas Escrituras haviam no tempo de S. Paulo? Sabemos que ele morreu em aproximadamente 67 dC, assim, esta sua epístola a Timóteo é, evidentemente, anterior a esta data. É claro, então, que o Novo Testamento, – que é a consumação e a chave de toda a Bíblia Sagrada cristã, – não existia no tempo em que o Apóstolo escreveu "toda a Escritura é inspirada".

Mais do que isso, sabemos que não existiu o Novo Testamento por séculos após a redação da 2ª Carta a Timóteo. As únicas Escrituras sagradas disponíveis para Paulo eram os livros que compõem o Antigo Testamento. Portanto, não se pode usar este versículo para justificar a Sola Scriptura, a não ser rejeitando todo o Novo Testamento.

"Toda a Escritura é inspirada por Deus", disse S. Paulo Apóstolo. Mas a qual "Escritura" ele se refere? A única Escritura disponível naquele tempo era o Antigo Testamento hebraico, bem como sua tradução grega, a Septuaginta. Isto põe nossos irmãos separados na difícil situação de ter que aceitar os livros "deuterocanônicos", que estavam na Septuaginta grega, usada pelos judeus de língua grega inclusive Paulo. Foram estes os sete livros rejeitados por Lutero, 1500 anos depois (Sabedoria, Eclesiástico, Judite, Tobias, 1Macabeus, 2Macabeus e Baruque).

Uma vez que essas duas traduções eram as únicas disponíveis para Paulo e ele disse que toda Escritura era inspirada por Deus, então também estes sete livros foram inspirados por Deus. Ou não? Se não, quem teria a autoridade para removê-los? Ora, a própria Bíblia proíbe que se acrescente ou retire algo da Palavra de Deus e adverte quanto ao que acontecerá para aquele que o fizer (Ap 22,18-19).


No alto, o "pastor Lucinho" cheira a Bíblia como se estivesse aspirando cocaína; abaixo, o "pastor Elvis Breves" literalmente põe a Bíblia  no prato e a come, de garfo e faca (vídeo aqui).

O maior erro dos que se chamam a si mesmos "evangélicos" é pensar que a Bíblia é mais importante do que a Igreja, porque não é. Não adianta discutir sobre imagens, sobre o culto, sobre Maria, os santos, os Sacramentos ou qualquer outro assunto se não retirarmos da frente este engano fundamental. Jesus não escreveu livro algum. Sendo Deus, Ele sabia que seus seguidores precisariam de um guia no Caminho que ele nos deu (que é Ele próprio, conf. Jo 14,6), uma rocha sólida para se apoiarem no mar incerto de doutrinas que sempre agitaram o mundo. Por que então não escreveu suas regras, detalhadamente, dizendo o que esperava de nós e como deveríamos proceder para alcançarmos a salvação?

Talvez porque isso não tivesse dado certo na Antiga Aliança. O povo eleito se perdeu em mil interpretações da Lei (Torá ou Chumash, os cinco primeiro livros da Bíblia cristã, o Pentateuco), dos oito livros dos Profetas (Neviim) e dos onze livros chamados "Escritos" (os Ketuvim), e seu coração se endureceu. Assim, o Senhor preferiu fundar, diretamente, sua Igreja neste mundo, e garantiu que as portas do inferno não prevaleceriam contra ela (veja Mateus 16, 18). Fundou sua Igreja sobre o Apóstolo Pedro, e ainda confirmou esta missão quando lhe apareceu, após a Ressurreição, e lhe ordenou que apascentasse seus cordeiros e suas ovelhas (Jo 21,15-17).

Acaso a Bíblia mostra, em algum versículo, Jesus ensinando aos seus seguidores que deveriam se orientar, exclusivamente, pelas Escrituras, como "única regra de fé e prática"? Não. Mas a Bíblia mostra, insistentemente, a importância fundamental da única e una Igreja de Cristo para a nossa salvação.

Acontece que a Bíblia é um livro, e mesmo sendo o Livro Sagrado dos cristãos, divinamente inspirado, está sujeita a interpretação particular de dada pessoa que a lê. Por isso a própria Bíblia adverte, com grande ênfase: "Antes de tudo, sabei que nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal (2Pd 1,20)".

Existem hoje milhares de "igrejas" que ensinam coisas diferentes, crendo firmemente que sua interpretação da Bíblia é a correta, que estão sendo assistidos por Deus. Agora pense: se fosse para cada um ler a Bíblia, interpretar "do seu jeito" e sair por aí fundando novas "igrejas", por que Jesus Cristo deu autoridade sobre sua Doutrina aos Apóstolos? Ora, assim que instituiu sua Igreja sobre Pedro, Jesus disse a este mesmo Pedro que tudo o que ele ligasse na Terra seria ligado no Céu, e o que ele desligasse na Terra seria desligado no Céu (Mt 16,18). Posteriormente transmitiu esta mesma autoridade à sua Igreja, na pessoa dos Apóstolos, os primeiros presbíteros (Mt 18,18) e ainda lhes assegurou que os pecados que eles perdoassem seriam perdoados, e os que eles não perdoassem seriam retidos (Jo 20, 23).

Esta é a autoridade que a Igreja possui neste mundo, dada diretamente pelo Cristo.

Por isso, mais uma vez a Bíblia confirma a Doutrina católica ao advertir: "Irmãos, estai firmes e guardai a Tradição que vos foi ensinada, seja por palavras, seja por epístola nossa" (2Ts 2,15); e ainda: "Mandamo-vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segundo a Tradição que de nós recebeu." (2 Ts 3,6). As epístolas dos Apóstolos formam a maior parte do Novo Testamento da Bíblia. Vemos aí a própria Bíblia afirmando categoricamente que devemos observar e guardar não só as Escrituras, mas também a Tradição da Igreja. Claro como água!

As tradições dos homens, a tradição dos antigos fariseus, foi substituída pela Tradição Cristã: Tradição esta que inclui a própria Bíblia Sagrada cristã. A autoridade de fé sobre a doutrina de Jesus Cristo está fundamentada na Igreja que Ele edificou sobre a Terra, e não somente na Bíblia Sagrada, que foi produzida, preservada e deve ser interpretada pela própria Igreja. Estando claros esses pontos fundamentais, abordemos, enfim, a questão das imagens.


"Pastores evangélicos" prostrados diante de uma réplica da Arca da antiga Aliança. Note-se que a Arca era utilizada como Canal de comunicação com Deus antes da vinda de Cristo, quando Deus ainda não havia estabelecido sua Nova e Eterna Aliança com a humanidade. Qual o sentido de se fazer uma réplica da Arca da antiga Aliança, agora que temos Jesus Cristo em Pessoa, que se doa no Pão e no Vinho (conf. Jo 6,27; 51; 55-57. Mt 26,26-28. 1Cor 10,16; 11,28-30)?

A Bíblia não diz que as pessoas "rezavam para os querubins", como diz o nosso consulente. Os querubins eram símbolos do Sagrado; as pessoas não deveriam rezar para eles, mas com certeza rezavam diante deles. São coisas completamente diferentes. Assim também era com a serpente de bronze e/ou os bois e leões entalhados no Templo do SENHOR. Mas a partir do momento em que os hebreus passaram a adorar a serpente, aí sim ela precisou ser destruída (conf. Nm 21).

Foi Deus mesmo Quem ordenou a Moisés que fizesse a serpente. Sendo assim, por que ela teve que ser destruída? O que isso significa? É simples notar que o problema não está na imagem em si, mas no uso que se faz da imagem. Sem dúvida, acreditar que Deus é uma imagem de bronze, pedra, gesso ou qualquer outro material seria um grave pecado, além de uma absurda estupidez que não deveria caber em nossos dias. Será que ainda existe alguém assim, tão estúpido, em pleno século 21, salvo exceções realmente raras? Será que nós, católicos, somos tão estúpidos a ponto de pensarmos que Deus é estátua?

Muito nos questionam quanto aos maus testemunhos, e não podemos negar que muitos dentre os que se dizem católicos, prostrados diante de imagens, parecem pedir coisas às imagens em si, e não a Deus. Outros tantos se entregam às práticas mágicas das chamadas "simpatias", pondo imagens de cabeça para baixo, em recipientes com sal ou mergulhadas em copos com água. Lamentável, mas a resposta é sim: existem seres humanos extremamente ignorantes neste mundo. A questão aqui é entender que esta não é nem nunca foi a função das imagens para os verdadeiros católicos.

Colocar-se diante de uma imagem, consciente de que se trata de um símbolo sagrado, que serve para elevar nossas almas a Deus, é idolatria? É pecado? Mais uma vez, a Bíblia, sempre útil para ensinar, instruir e corrigir, trata deste assunto: no livro de Josué, vemos como “Josué rasgou suas vestes e prostrou-se com a face por terra até a tarde, diante da Arca do Senhor‚ tanto ele como os anciãos de Israel‚ e cobriram de pó as suas cabeças” (Js 7‚6).

Josué e os anciãos se prostraram diante da Arca do Senhor, – com as imagens dos querubins sobre ela, – até a tarde (provavelmente é este gesto que os 'pastores evangélicos' da imagem acima estavam querendo imitar). Estavam os chefes de Israel adorando as esculturas de anjos sobre a Arca? Ou adorando a própria Arca? Seria a Arca um "ídolo"? Seria este um ato de "idolatria"?

A resposta a todas as perguntas propostas acima é não‚ pois a Arca não tem vida própria e nem está no lugar de Deus. A Arca era usada como sinal visível da Presença de Deus na Terra, e‚ pelo seu significado, Josué e os anciãos passaram horas prostrados diante dela, pedindo ao SENHOR.

Com as imagens católicas é exatamente a mesma coisa. "Idolatrar" é pretender transferir a divindade de Deus para uma imagem, como faziam os pagãos. É crer que pela imagem (ídolo) seremos salvos, e tratar essa imagem como um ser divino e vivo: esse comportamento, – é óbvio, – sempre foi condenado pela Igreja Católica. Nunca um teólogo católico ensinou que uma imagem ou algum santo fosse Deus, para ser adorado.

Católicos malformados existem, e infelizmente são muitos. Pessoas que creem em magias e as praticam, e se declaram católicas, também, sem dúvida. Agora, vejamos: quantos escândalos temos visto envolvendo "pastores evangélicos" e charlatanismo, lavagem de dinheiro, desvio de doações, formação de quadrilha, tráfico de drogas e de armas, abuso sexual de fiéis, etc, etc? Está nos jornais e noticiários, está na internet, diariamente. Mas seria justo julgar todos os membros de comunidades "evangélicas" com base nesses péssimos exemplos? Não? Bem, tudo o que pedimos, por favor, é que parem de fazer exatamente isto conosco: julgar a Igreja com base naqueles que não podem representá-la, porque praticam o que ela condena.

Rezamos para que a Luz do SENHOR ilumine este nosso leitor anônimo e clareie o seu discernimento.
ofielcatolico.com.br

30 comentários:

  1. Que texto esplêndido, parabéns, que nosso senhor Jesus possa abençoar cada vez mais este apostolado.

    ResponderExcluir
  2. Página no Facebook: A Vida em Cristo
    https://www.facebook.com/AVidaemCristoSiga

    ResponderExcluir
  3. "Irmãos, estai firmes e guardai a Tradição que vos foi ensinada, seja por palavras, seja por epístola nossa" (2Ts 2,15)
    Sabemos que as Epistolas aos Tessalonicenses escritas por São Paulo, são os documentos literários cristãos mais antigos conhecidos e comprovados. O intervalo entre as duas Epistolas é comprovadamente muito breve, portanto, uma foi escrita logo após da outra. E isto nos leva a crer, que ainda não existia nenhum ensinamento do Salvador escrito (Evangelho).
    Seria fundamental para não se crer na Santa Tradição ensinada por palavras, se o Apóstolo Paulo primeiramente antes de falar do Salvador nas suas cartas, estivera estudado a finco os ensinamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo escritos, ou seja: Estudado os Evangelhos escritos pelos Apóstolos que viveram e ouviram Seus Santos Ensinamentos.

    Pergunto: Qual a fonte São Paulo se utilizou para escrever sobre o Salvador?

    Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como explicado acima, entendi que a Bíblia foi inspirada e escrita. E de onde veio a inspiração? Do espírito Santo de Deus.

      Excluir
  4. Em uma audiência geral, papa Bento XVI trata deste assunto e é muito elucidativo. O Santo Padre recorda João Damasceno, Doutor da Igreja: João Damasceno foi um dos primeiros a distinguir, no culto público e privado dos cristãos, entre adoração (latreia) e veneração (proskynesis): a primeira só pode dirigir-se a Deus, sumamente espiritual; a segunda, no entanto, pode utilizar uma imagem para se dirigir àquele que é representado na própria imagem. Obviamente, em nenhum caso o Santo pode ser identificado com a matéria que compõe o ícone. Esta distinção revelou-se depressa muito importante para responder de modo cristão àqueles que pretendiam como universal e perene a observância da severa proibição do Antigo Testamento sobre a utilização cultual das imagens. Este era o grande debate também no mundo islâmico, que aceita esta tradição judaica da exclusão total de imagens no culto. Quanto aos cristãos, neste contexto, debateram o problema e encontraram a justificação para a veneração das imagens. Damasceno escreve: "Outrora, Deus nunca fora representado em imagens, uma vez que era incorpóreo e sem rosto. Mas dado que agora Deus foi visto na carne e viveu no meio dos homens, eu represento aquilo que é visível em Deus. Não venero a matéria, mas o criador da matéria, que por mim se fez matéria e se dignou habitar na matéria e realizar a minha salvação através da matéria. Por isso, não cessarei de venerar a matéria através da qual chegou a minha salvação. Mas não a venero de modo algum como Deus! Como poderia ser Deus, aquilo que recebeu a existência a partir do não-ser? ... Mas venero e respeito também todo o resto da matéria que me propiciou a salvação, enquanto plena de energias e de graças santas. Não é por acaso matéria o madeiro da cruz três vezes santa? ... E a tinta e o livro santíssimo dos Evangelhos não são matéria?

    O altar salvífico que nos dispensa o pão de vida não é matéria? ... E, antes de tudo, não são matéria a carne e o sangue do meu Senhor? Deves suprimir o cariz sagrado de tudo isto, ou deves conceder à tradição da Igreja a veneração das imagens de Deus e a dos amigos de Deus, que são santificados pelo nome que têm, e por esta razão são habitados pela graça do Espírito Santo. Portanto, não ofendas a matéria: ela não é desprezível, porque nada do que Deus fez é desprezível" (Contra imaginum calumniatores, I, 16, ed. Kotter, págs. 89-90). (http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/pt/audiences/2009/documents/hf_ben-xvi_aud_20090506.html)

    ResponderExcluir
  5. Paz de Jesus,
    Certa vez me pediram para resumir a Biblia, e depois de pensar um pouco, consegui em três afirmações:

    1º - Deus cria um lugar maravilhoso, completo e perfeito, neste lugar (que Ele chamou de paraiso) ele colocou o Homem, única criação feita a sua imagem e conforme sua semelhança.... Genises Cap 1 e 2

    2º Este homem decide que Deus não seria mais seu referencial de certo ou errado e decide deliberadamente virar as costas para Deus pecando (comeu o fruto que havia sido proibido), sendo condenado neste instante a uma vida afastada de Deus, Genises Cap 3

    3º Por amor a criação ele envia Jesus para que todo aquele que quizer, possa voltar a viver com Deus no paraíso. O resto da Biblia...

    Andre Gouvea - Protestante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro André, a meu ver, o resumo não está errado, mas sim incompleto. Você resumiu o início do Antigo e do Novo Testamento, mas não o resto. Não falou do plano de Deus para criar e salvar o Seu Povo, dos meios pelos quais o homem pode ser salvo, dos sacramentos, da Igreja, etc. Esse é mais um resumo da origem do pecado e vinda da Graça de Deus do que da Bíblia propriamente dita. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Pronto!
      Dentre as mais de 40 mil placas, acaba de surgir (fundada) a “igreja evangélica da bíblia resumida em três afirmações”.

      Excluir
    3. Olá André Catholicus,
      fico triste com sua postura... o que você espera com isso? ganhar ibope do grupo catolico? provavelmente vai ganhar sim... e isso é uma pena, pois você é muito, mas muito melhor do que isso... Achei que posts que não discutissem idéias seriam censurados mas acho que não vale quando as idéias vem de protestantes, ainda que não tenha havido nenhuma crítica a fé católica...

      Petrivalianici, muito obrigado pelo comentário, mas eu estava me referindo apenas a graça mesmo, estava lembrando do ladrão crucificado ao lado de Cristo, quando fiz o resumo.... Vale lembrar que qualquer indivíduo que se tornar Cristão, vai precisar entender inicialmente os dois primeiros pontos, agora o ponto que eu mensionei como terceiro, da graça salvadora, vai depender de aprender como chegar a esta graça... e o que vai ser necessário ter uma vida cristã, a ideia não era omitir nenhuma parte do processo cristão...

      e André Catholicus, apenas para lembrar: o código penal brasileiro tem em seu caput do Art. 208. Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso:
      Pena – detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.

      Como eu disse, você é melhor do que isso...

      Andre Gouvea - Protestante

      Excluir
    4. Veja, não sou eu quem as colocou seus próprios nomes, mas, seus próprios “fundadores”, ou melhor, os próprios donos de igrejas ditas "evangélicas":
      Assembléia De Deus Do Pai, Do Filho E Do Espírito Santo, Assembléia De Deus Pávio Que Fumega, Associação Evangélica Fiel Até Debaixo d’água, Bola De Neve Church, Comunidade Arqueiros De Cristo, Comunidade Evangélica Não Há Deus Maior, Comunidade Evangélica Shalom Adonai, Cristo!, Comunidade Porta Das Ovelhas, Confrades Batista Da Biblia, Congregação Antiblasfêmias, Congregação Cruzada De Milagres, Congregação Passo Para O Futuro, Cruzada De Emoções, Cruzada Do Poder Pleno E Misterioso, Cruzada Evangélica Do Ministério De Jeová, Deus Do Fogo, Cruzada Evangélica Do Pastor Waldevino Coelho, A Sumidade, Igreja “A” De Amor, Igreja “Eu Sou A Porta”, Igreja Abastecedora De Água Abençoada, Igreja Adventista Da Sétima Reforma Divina, Igreja Atual Dos Últimos Dias, Igreja Automotiva Do Fogo Sagrado, Igreja Barco Da Salvação, Igreja Batista Da Pomba Sacrificada, Igreja Batista Da Velhice Tranqüila, Igreja Batista Dedo De Deus, Igreja Batista Moça Bonita, Igreja Batista Nero Se Arrependeu, E Você?, Igreja Batista Ô Glória!, Igreja Batista Ponte Para O Céu, Igreja Congregacional Boca Do Peixe, Igreja Cristo É Show, Igreja Da Água Abençoada, Igreja Da Cruz Erguida Para O Bem Das Almas, Igreja Da Oração Eficiente, Igreja Da Pomba Branca, Igreja Das Sete Trombetas Do Apocalipse, Igreja Das Bailarinas Da Valsa Divina, Igreja De Deus Assembléia Dos Anciãos, Igreja De Deus Da Profecia No Brasil E América Do Sul, Igreja De Jesus Cristo Dos Santos Dos Últimos Dias, Igreja Dekanthalabassi, Igreja Do Amor Maior Que Outra Força, Igreja Do Sétimo Gole!, Igreja Do Trance Divino, Igreja Evangélica Pentecostal Ceio Eu Na Bíblia, Igreja Evangélica Abominação À Vida Torta, Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe De Cristo, Igreja Jesus tá aqui o diabo mete o pé, Igreja Menina Dos Olhos De Deus, Igreja Jesus tá aqui o diabo mete o pé, Igreja Pentecostal Do Pastor Sassá, Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica, Igreja Quadrangular O Mundo É Redondo e (esta é maravilhosa) Igreja Batista A Paz Do Senhor E Antiglobo. E mais de 40 mil denominações ditas “evangélicas”.

      Salve Maria, Mãe do meu Senhor!

      Excluir
    5. EM TEMPO:
      Para nós fieis católicos, reza que:
      “De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, tem o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos Pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os Pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, dêem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis”. (§ 3, do Cân 212 do Código de Direitos Canônicos).

      Excluir
    6. André Catholicus: Sempre acesso o site da minha Igreja, de outras denominações e este. Isto com a finalidade de aprender e verificar o que está sendo ensinado nos cultos que assisto, como humilde cristão. Também não quero acessar só o que já sei, mas também o que às vezes nem me agrada, para "peneirar". Vejo muita ironia, ranço e falta de respeito fraternal nas suas respostas e manifestações, razão porque deixo de acessar este site. Não julgueis!!! Abraço Amoroso em Cristo! Alcino Roehrs - S.S.Caí - RS (em tempo: Sou evangélico luterano e me alegro que na minha cidade temos um padre nota 10)

      Excluir
    7. “Pode acaso um cego guiar outro cego? Não cairão ambos na cova?” (São Lucas 6, 39)
      Nosso Senhor Jesus Cristo deseja que os que não veem (cegos) sejam ajudados (pelos guias hábeis) a encontrarem o verdadeiro caminho da Salvação.

      E a Verdadeira Salvação encontra-se na Santa Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo!

      E os guias inabilitados cá não se encontram...

      Seja louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Excluir
  6. Olá André Catholicus, obrigado pela resposta, apenas gostaria de ressaltar... também não concordo com o trajeto que a igreja protestante tem tomado, especialmente neste último século... que saudade de um tempo que não vivi, onde pregadores como Charles Spungeon, Jonathan Edwards, Paul Washer e tantas outros lutavam pela igreja de Jesus Cristo, mas a sede por poder (poder político e de propriedade) fizeram com que pessoas imaturas deixassem as suas origens e "fundassem" seus próprios ministérios com os mais diversos nomes, buscando estar sentados em um trono que sabemos ser apenas de Cristo... igrejas doentes, formando crentes doentes...

    Mas minha crítica para você foi sobre o sarcasmo... por que você não agiu como o Petrivalianici? ele colocou seu ponto de vista, não ofendeu ninguém através de sua fé...Bom, é notório que temos divergencias religiosas, você é católico apostólico romano e eu sou protestante, "evangelico", separado, etc... Mas sinceramente não acredito que devamos brigar... pelo ao menos não creio que seria este o melhor método de evangelismo...

    Conheço o CDC, entendo que você na posição de defesa da fé e dos dogmas da igreja católica apostólica romana, mas da foma que você "apresentou" sua impressão a tal igreja que você afirmou ter sido fundada por mim, é ofensivo e um tanto quanto inadequado, acho que está mais próximo do CP art., 208.

    Mas bola para frente,

    Andre Gouvea - Protestante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que o nome é sugestivo, isto é!
      Com certeza, não demorará muito surgirá algum “evangélico” visitante deste apostolado, que usará o nome para fundação de mais uma “igreja”, até porque, ser dificílimo ou até mesmo impossível, compuser uma placa denominacional nos dias de hoje. Agora, se vier tornar-se realidade, aí sim, requer-se enquadramento quanto aos direitos autorais.

      Oremos!
      “Fazei-me justiça, ó Deus, e defendei minha causa contra uma nação ímpia. Livrai-me do homem doloso e perverso, pois vós, ó meu Deus, sois a minha fortaleza; por que me repelis? Por que devo andar triste sob a opressão do inimigo? Lançai sobre mim a vossa luz e fidelidade; que elas me guiem, e me conduzam ao vosso monte santo, aos vossos tabernáculos. E me aproximarei do altar de Deus, do Deus de minha alegria e exultação. E vos louvarei com a cítara, ó Senhor, meu Deus! Por que te deprimes, ó minha alma, e te inquietas dentro de mim? Espera em Deus, porque ainda hei de louvá-lo: ele é minha salvação e meu Deus”. (Salmo 42)

      Excluir
  7. Gosto muito desse blog , me inspiro em vcs para defender a unica e verdadeira Igreja de Cristo pricisamos de pessoas iguais a vcs Henrique Sidnei e os outros que defende a Igreja De Jesus

    ResponderExcluir
  8. Vou desenhar de novo, bem devagarzinho, para a criança entender: Sola Scriptura não é o princípio segundo o qual a Bíblia afirma que só devemos crer no que está escrito nela. Sola Scriptura é o princípio segundo o qual o único modo de sabermos HOJE o conteúdo da pregação apostólica do século I é através daquilo que foi escrito, a não ser que você prove que existe uma tradição oral infalível extra-bíblica, que foi conservada incorruptivelmente só por uma igreja em particular (Roma) sem passar por nenhum acréscimo ou modificação, e que não foi passada por escrito em lugar nenhum, mas que mesmo assim serve para fundamentar doutrinas que não existem em parte nenhuma da Bíblia. Se você for capaz de fazer isso, QUALQUER PROTESTANTE DO MUNDO terá o maior prazer em crer nesta "tradição". Mas se você não tem, coloque o rabo entre as pernas de novo e não volte aqui até passar a tal tradição oral infalível conservada exclusivamente pela igreja de Roma, junto com a suposta doutrina que vocês nem precisaram da Bíblia para descobrir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, anônimo,

      Por que será que não me surpreende o fato de que todos os leitores que vêm aqui postar comentários parecidos com o seu nunca se identificam? São sempre anônimos, – homens e mulheres sem nome e sem rosto que fazem questão de se esconder atrás de falácias ridículas como as suas. – É como se de algum modo adivinhassem (talvez instintivamente, talvez por efeito da misericórdia divina) que serão facilmente desmascarados, e já sentem vergonha por antecipação.

      Você nos aparece com essa pose arrogante, – quase podemos ver o narizinho empinado de quem leu a Bíblia, interpretou por conta própria e agora acha que é igual a Deus, porque conhece toda verdade que há para se conhecer, que dominou toda a ciência do bem e do mal e todo o conhecimento já descoberto ou ainda por se descobrir. – Você o faz como se estivesse a dizer uma tão grande verdade, – tão irresistível e insofismável verdade, – que fosse capaz de nos envergonhar a todos nós, pobres, cegos e ignorantes católicos, enganados e iludidos pela "besta do apocalipse", o Papa...

      Sinto ter que dizer que desmanchar a sua "grande verdade" é tão simples quanto tirar um pirulito das mãos de uma criança. Mas não uma criança de 5 anos (isso seria mais difícil), e sim um bebezinho de alguns meses.

      Perdoe minha irreverência e impaciência, mas eu tenho dificuldades para tolerar quem joga pedras ou atira estrume às portas da Casa de meu Pai, a santa e imaculada Igreja de Cristo, que é católica, apostólica e hoje romana.

      Você diz que nós estamos cometendo um grande equívoco, ao dizer que Sola Scriptura quer dizer crer somente na Bíblia. Estaríamos muito enganados, interpretando errado o próprio nome da sua doutrina: Sola Scriptura, então, não quereria mais dizer, literalmente, "Só a Escritura".

      Não, não é nada disso. Como somos tolos! O grande profeta anônimo vem nos ensinar que Sola Scriptura quer dizer uma outra coisa. O mais engraçado é que essa outra coisa, que ele pretende explicar, quer dizer... Exatamente a mesmíssima coisa, com outras palavras!

      Ora, qual a diferença entre dizer que seguir a Sola Scriptura é crer somente na Bíblia e que "é o princípio segundo o qual o único modo de sabermos hoje o conteúdo da pregação apostólica" é ler a Bíblia?!?

      Vou dizer, eu realmente gostaria de saber qual é a grande diferença que você vê entre uma afirmação e outra! Quer dizer então que não é crer só na Bíblia, e sim crer que a Bíblia é a única fonte confiável de que dispomos... Hmm... Oi?

      (Pausa para rir um pouco)

      Isso é mais ou menos a mesma coisa que dizer que aquele bicho esguio e matreiro que desliza agilmente sobre o muro "não é um gato, e sim o menor membro da família dos felídeos, um animal doméstico que faz 'miau', tem orelhas pontudas e gosta de caçar ratos, sempre cai de pé e popularmente tem sete vidas, sendo carinhosamente chamado de 'bichano'".

      Veja bem, não é um gato, é uma outra coisa que mia como gato, anda como gato, dorme como gato, salta como gato... Mas eu sou um pobre ignorante se chamar de gato. Certo, certo.

      Além de tudo, e tentando falar um pouco mais sério (o que honestamente está difícil), se você tivesse simplesmente lido o artigo que está comentando, teria percebido que ele apresenta a definição protestante "clássica" da "Sola Scriptura", isto é, "a Bíblia é a única regra de fé e prática do cristão".

      Ou isso também está errado, e você vai precisar desenhar para as crianças entenderem? Se for o caso, então você vai ter que fazer muitos milhares de desenhos, porque todas as comunidades protestantes/"evangélicas" que existem declaram crer exatamente nisto, e parece que só você descobriu um outro jeito mais correto de... dizer a mesma coisa.

      A Luz de Nosso Senhor Jesus Cristo o ilumine e resgate para a Verdade

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Henrique, você foi até, muito paciente com este estúpido, olha a que ponto chega a arrogância dele. querendo mandar em você, no seu próprio blog:

      "Mas se você não tem, coloque o rabo entre as pernas de novo e não volte aqui até passar a tal tradição oral infalível conservada exclusivamente pela igreja de Roma, junto com a suposta doutrina que vocês nem precisaram da Bíblia para descobrir."

      Foi até bom você ter liberado este último comentário dele, isto só demonstrou o quanto o sujeito é um mau educado, que não respeita a fé alheia e nem a casa alheia, porém, uma criatura dessas é digna de compaixão e piedade, o qual devemos reforçar nossas orações, para que o SENHOR, o ilumine e o coloque no bom caminho, a fim de remover de uma vez por todas, esta vizeira que teima em querer seguir com ela.

      Sidnei

      Excluir
    3. Caro Anônimo,

      Aparentemente, mais do que sua provável incapacidade de desenhar bem, o problema de suas intervenções nesse espaço é que elas pecam pela pouca lógica no conteúdo, pela arrogância na forma e pela fuga dos questionamentos que lhe são dirigidos.

      Se as Escrituras contivessem a lista dos livros inspirados seria, já, um problema para a sua definição de Sola Scriptura, pois implicaria em um conceito auto-referenciado, mas cabível dentro do fideísmo característico de muitas correntes protestantes.
      Mas, a falta da auto-referência (a lista dos livros sagrados na própria Escritura, segundo você, a única fonte segura dos ensinamentos apostólicos) leva, necessariamente, à necessidade de uma referência ou fundamentação exterior e transcendente. À sua falta, o conceito fica ininteligível, irracional e incongruente. Percebe isso? Fica baseado no "porque sim"...

      Por que os protestantes aceitam (e imagino que sua seita também) a lista definida por Atanásio e pelo Decretum Gelasianum que relata a lista aprovada pelo Papa Dâmaso em 382? Não seria esse um cânon definido por Constantino como os demais pontos da doutrina católica que vocês não aceitam?

      Por que os protestantes não aderem ao Código Muratori, com seus 22 livos inspirados, do ano 200? Ao menos esse teria o "mérito" de ser pré-Constantino, não? Como explicar essa "evolução" da lista de livros inspirados (espero que nesse momento você comece a compreender o sentido de Tradição na doutrina católica)? Por que não aceitar, por exemplo, como parece fazer a Igreja Copta (uns 1400 anos mais próxima dos Apóstolos do que Lutero ou Calvino) e considerar o livro "Pastor de Hermas" como inspirado? Como explicar que certas comunidades da Igreja primitiva parecem aceitar livros como o Proto-Evangelho de Tiago ou o Evangelho de Tomé e hoje sabemos que não são inspirados?

      Excluir
  9. Ótima postagem e esclarecedora, estão de parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Muito oportuna a explicação, parabéns. Tenho uma dúvida quanto aos livros deuterocânonicos, que eh a diferença entre a biblia católica e a protestante. Se eles realmente apresentam erros, sejam eles históricos, teológicos, porque são mantidos? Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro anônimo, desde quando a Igreja disse que os deuterocanônicos apresentam erros? Eles são inspirados como quaisquer outros livros da Sagrada Escritura. Foram os protestantes que, por achar que eles têm erros, não os mantiveram em suas bíblias. A paz de NSJC!

      Excluir
  11. Boa tarde Petrivalianici, sou católico e em primeiro lugar gostaria de agradecê-lo pelos esclarecimentos claros na defesa da fé católica. Nesse sentido ainda a respeito dos deuterocanônicos, não sei se o blog possui algum estudo específico a respeito deste tema, mas fui questionado a respeito deles, e as justificativas levantadas para a inconfiabilidade desses livros são o contexto onde os deuterocanônicos foram aprovados, como se fosse uma resposta da Igreja Católica para a reforma protestante, em um contexto de conflito, onde há a citação até de uma luta corporal entre os bispos no Concílio de Trento: "O biblista católico John L. Mackenzie em seu "Dicionário Bíblico" sob o verbete, Cânone, comenta que no Concílio de Trento houve várias "controvérsias notadamente candentes" sobre a aprovação dos apócrifos. Mas o cardeal Pallavacini, em sua "História Eclesiástica" declara mais nitidamente que em pleno Concílio, 40 bispos dos 49 presentes travaram luta corporal, agarrado às barbas e batinas uns dos outros". Além disso, há a alegação de que com o livro de Malaquias o cânon biblico do antigo testamento havia se encerrado; a inclusão dos deuterocanônicos foi acidental; a presença de testemunhas históricas contra os deuterocanônicos, citando inclusive São Jerônimo: " Jerônimo (340-420.dc.) propugnou, no Prologus Galeatus. A citação pertinente de Prologus Galeatus é a seguinte: "Este prólogo, como vanguarda (principium) com capacete das Escrituras, pode ser aplicado a todos os Livros que traduzimos do Hebraico para o Latim, de tal maneira que possamos saber que tudo quanto é separado destes deve ser colocado entre os Apócrifos". Finalmente, eles citam heresias cometidas pelos deuterocanônicos como Tobias, onde um anjo o engana e o ensina a mentir (Tb 5, 16-19) entre os inúmeros exemplos mostrados, além da alegação da existência de histórias fictícias, lendárias e absurdas; erros históricos e geográficos, além de refutar a existência do purgatório com base em diversas passagens bíblicas I Jo 1.7; Hb 9.22; Lc 23.40-43; I6: 19-31; I Co 15:55-58; I Ts 4:12-17; Ap 14:13; Ec 12:7; Fp 1:23; Sl 49:7-8; II Tm 2:11-13; At 10:43. Também foi alegado que a igreja católica tenta defender a IMACULADA CONCEIÇÃO baseando em uma deturpação dos deuterocanônicos (Sabedoria 8:9,20) - Contradizendo: Lc. 1.30-35; Sl 51:5; Rm 3:23). Abaixo colocarei esse link foram encontradas justificativas para a refutação dos deuterocanônicos. Desde já, muito obrigado e paz de NSJC!!!

    http://solascriptura-tt.org/Bibliologia-InspiracApologetCriacionis/PqRecusaApocrifos-DefesaFeICP.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, Luis. Essa questão dos deuterocanônicos, que você está em dúvida, já foi abordada nos seguintes posts do blog: http://www.ofielcatolico.com.br/2005/10/sociedade-biblica-do-brasil-publica.html.
      http://www.ofielcatolico.com.br/2001/05/catolica-e-protestante-por-que-existem.html.
      A paz de NSJC!

      Excluir
  12. Li o texto sobre as imagens, e me surgiu uma dúvida. Caso possa esclarecer, fico muito agradecido: se ter imagens, por um lado, conduz alguns menos esclarecidos à idolatria; e se os mais esclarecidos que não as idolatram, apenas veneram, têm consciência de que para dirigir uma prece aquele santo não precisam sequer de ter em mente a imagem dele, então qual a relevância de se ter uma imagem? Não traria mais malefícios (por conduzir alguns ao erro da idolatria) do que benefícios (de conduzir outros a veneração, que pode ser feita sem suporte físico, no caso, o da imagem)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em que parte deste artigo você leu que uma imagem pode "conduzir à idolatria", anônimo?

      As imagens católicas não são, de modo nenhum, ídolos. Elas representam os anjos, os santos servos de Deus, com especial destaque para a Virgem Maria, e o próprio Senhor Jesus Cristo. Como poderiam conduzir alguém à "idolatria"?

      Ora, idolatrar, como o próprio nome deixa claro, é adorar um ídolo no lugar de Deus. Como nenhum santo é ídolo, então simplesmente não existe esta possibilidade.

      Agora, qual a utilidade da imagem, no culto a Deus? É grande, é imensa! Uma bela imagem sacra conduz os espíritos à oração, eleva os pensamentos a Deus.

      Por outro lado, se existir algum católico assim tão ignorante a ponto de confundir uma estátua com Deus, então, meu amigo, aí já não estamos mais falando de ignorância pura e simples, mas de debilidade mental (não o digo com ironia): é caso de tratamento médico-psiquiátrico.

      Todo e qualquer objeto físico pode ser utilizado de modo equivocado, ou mesmo para fins perversos. Por exemplo, tenho visto certos pregadores sacando volumes das Sagradas Escrituras de suas cinturas como se fossem revólveres, ou cheirando-as como se fosse cocaína, ou ainda comendo, literalmente, de garfo e faca, suas páginas. Deturpação completa.

      Que fazer, então? Suprimir a Bíblia? Por certo que não. De fato, o ser humano tem a capacidade de deturpar o sentido de praticamente qualquer coisa, mas nem por isso deveremos abolir aquilo que é intrinsecamente bom, mesmo que seja com a intenção de praticar um bem.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  13. Desculpe pela dúvida, mas creio que seja pertinente ao texto. Leio os seus artigos e considero muitos deles esclarecedores e edificantes. Alguns me deixam dúvidas, por isso o questionamento nesse caso. Concordo que todo objeto pode ser "divinizado" ou transformado em ídolo por alguém. Nesse sentido, uma imagem também pode. Esse seria um mau uso dela, tendo em vista que a idéia não é adorar, mas venerar. Porém, como o seu texto afirma, há pessoas que podem fazer mal uso dessas imagens. Inclusive este, que seria um exemplo de mau uso, o de atribuir a ela o que se deveria atribuir a Deus. É nesse sentido que se insere a minha dúvida acima. E, de acordo com a sua resposta, a dúvida que permanece é: quanto ao uso de imagens, há portanto utilidade, mas não necessidade? Seria isso? Por óbvio, seria um erro suprimir tudo o que possa ser passível de apropriação equivocada, e nesse sentido, a Bíblia não poderia ser suprimida pelo mau uso que se faz dela. Porém a Bíblia, enquanto livro que contém as instruções de Cristo e dos apóstolos, é imprescindível. Mas é as imagens? Embora úteis, são também imprescindíveis para a fé?

    ResponderExcluir
  14. Esse site é muito interessante para nós católicos aprendermos sobre a doutrina cristã. E para nos esclarecer as acusações e falácias dos nosos irmãos separados. O protestantismo nasceu da desobediência, assim como Adão e Eva desobedeceram achando q seriam iguais a Deus.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail