Por que ir à Missa (pelo menos) todos os domingos?


QUANDO, NO CAIR DA TARDE de um domingo, as vias de acesso a uma de nossas grandes cidades congestionam-se com milhares de carros que retornam de um fim de semana no litoral ou no campo, uma pergunta me ocorre, e já nasce triste no meu coração: quantos desses homens e mulheres,sejam maduros, jovens ou crianças, terão ido à Missa, hoje ou ontem à tarde?

E a tristeza se acentua quando vou ao shopping e vejo a imensidão de pessoas que se entregam com tanta voracidade ao consumismo desenfreado. São grandes filas para comer um sanduíche numa lanchonete, para entrar nas salas de cinema, e/ou para aproveitar alguma liquidação na loja da moda...

Também me surpreendo quando passeio por certos pontos da cidade e vejo as enormes filas que dão voltas nos quarteirões, milhares e milhares de pessoas à espera da sua vez para entrar num estádio de futebol: multidões que parecem pensar que o destino do Universo depende unicamente das peripécias de uma bola e da emoção de um gol... Claro que eu não condeno o lazer ou o prazer de um bom passeio, nem sou contra quem vai assistir a um bom filme no cinema, e muito menos poderia ser contra o esporte ou a prática de atividades esportivas. Tudo isso pode ser muito bom e muito saudável. Mas... quantas dessas pessoas, que superlotam os parques e shoppings, terão se lembrado de Deus nas suas horas de folga e de lazer?

Quantos, no dia seguinte, voltarão ao trabalho realmente refeitos, não só de corpo como também de alma? Quantos destes poderiam se enquadrar na famosa frase de Santo Agostinho: “Meu coração está inquieto,e não descansará enquanto não repousar somente em Ti”?

Perdeu-se a noção da dignidade e da importância diferenciada do domingo, como o momento insubstituível de culto ao Divino, e também de descanso espiritual, tanto para o indivíduo quanto para a família. Em nossas consciências está se esvaziando do seu real conteúdo o Dia do Senhor. E com esse esvaziamento compromete-se um importantíssimo valor cristão.

Essa é a origem etimológica da palavra domingo: Dies Domini. Não está em jogo aqui uma questão desnecessária, de menor importância. A participação atenta, profunda e proveitosa na Santa Missa é uma condição indispensável para a autêntica vida cristã! Assim o lembrou o Papa João Paulo II: “Tomem a sério o convite que a Igreja lhes dirige, com caráter obrigatório, para participar todos os domingos da Santa Missa”...

Que todo domingo seja configurado por essa nossa Fonte de Energia, como dia consagrado ao Senhor. A Ele pertence nossa vida, e somente a Ele se deve a nossa adoração. Todo domingo é uma maravilhosa oportunidade que nos é dada, de beber dessa Fonte, nesse processo de “recarregar baterias” espirituais no dia consagrado ao Senhor. Um momento para refazer as forças do corpo e do espírito, mudando as nossas atividades habituais, deixando a rotina (muitas vezes massacrante) de lado.


Desculpas para o não cumprimento do preceito dominical

Já ouvi dizer que o comparecimento à Missa pode atrapalhar a necessidade de descanso, lazer e/ou integração social. Colocam-se à frente de Deus: a festinha de aniversário, o churrasco, o futebol, o lazer, as atividades sociais... Alguém que realmente pensa assim simplesmente não compreende que as duas coisas, Missa e descanso, não são opostas, mas devem se completar!

O passeio, o esporte, o lazer e o repouso são oportunidades para o ser humano serenar corpo e espírito, e se colocar, assim, em condições ideais para entrar em Comunhão com o Criador. E ir à santa Missa, colher os frutos maravilhosos que só a Celebração Eucarística e a Comunhão com Deus pode nos oferecer.

___
Fonte:
CINTRA, Luiz Fernando. Por que ir à Missa aos Domingos? São Paulo: Quadrante, 1989, pp. 3, 4.
www.ofielcatolico.com.br

17 comentários:

  1. "Ouve, meu filho, recebe minhas palavras e se multiplicarão os anos de tua vida.
    É o caminho da retidão que te mostro, é pelo caminho estreito da retidão que eu te guiarei". Provérbios 4,10,11.
    Ótimo tema abordado nesse artigo: por que ir a missa. hoje em dia infelizmente e por falta de conhecimento do verdadeiro significado da missa quando se fala de ir a missa o primeiro pensamento de muitos "católicos" é não, vamos procurar outro lugar, mas isso em sua grande maioria são católicos muito despreparados e por falta de uma boa orientação espiritual acabam procurando outros caminhos, ai eu fico pensando o que leva a esse efeito que instiga as pessoas a procurarem a satisfação carnal e deixarem o espirito de lado, tendo em vista a rica e belíssima doutrina católica, um ótimo ponto do artigo:Quantos destes poderiam se enquadrar na famosa frase de Santo Agostinho: “Meu coração está inquieto, E não descansará enquanto não repousar somente em Ti”?
    Mas tendo conversado com muitos irmãos católicos tenho visto uma grande ausência de doutrina e muitos desses irmãos são pessoas que realmente frequentam a igreja regularmente mas que a frente de suas comunidades, muitas vezes não possuem um líder espiritual realmente convertido um padre que ensine toda a riqueza "doutrina" da igreja, que ensine o por que e o significado da missa. Tenho ouvido pessoas que dizem a o padre da minha comunidade não é um líder espiritual ele não sabe me orientar. Eu em pessoa já ouvi um padre dizer que a eu não visito ninguém só em caso de doença. Assim não julgando ninguém mas eu penso que essa falta de acolhimento dentro da igreja pode levar a esse fenômeno que é citado no artigo, onde pessoas esquecem o grande bem espiritual e se enganam com os prazeres da carne.
    A paz de Nosso Senhor Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, meu irmão! A falta de líderes espirituais vem contribuindo para o desinteresse na vida da Igreja. Muitos padres acham que seu papel é só celebrar a Missa, cujo ritual a maioria dos católicos sequer entendem. Jesus disse a Pedro: Agora convertido, confirma teus irmãos na fé. E Pedro levou o pedido até às últimas consequências, pagando com a vida. Falta catequese, falta quem catequise o povo de Deus; falta quem os confirme na fé. É por isso que qualquer protestante convence os que se acham católicos a mudarem de religião. Já perguntei a muitos por que deixaram a Igreja. A resposta é sempre a mesma: "foi a adoração de imagens". Isso prova a falta de catequese. Poderíamos indicar muitos outros exemplos, mas basta por aqui.

      Meu abraço em Cristo e que Ele suscite fiéis pastores para Seu rebanho.

      Excluir
  2. Não devemos ter a participação a Santa Missa como uma obrigação. É possível conciliar o lazer, a prática esportiva e tudo mais com a Santa Missa. Hoje, domingo, consegui almoçar e tomar o café da tarde com minha mãe, assisti a final do Campeonato Paulista e depois fui a missa.
    Sou cristão católico, cumpro meus deveres e sou feliz!

    Thiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é possivel conciliar. Mas porque não fazer todas essas coisas DEPOIS de ir à Missa, de manhã. Longe de querer te julgar, mas você colocou a sua satisfação em primeiro lugar, que é o lugar de Deus. Ou seja, voce deu a Deus as sobras do seu tempo, como os rico, na passagem do evangelho de Lucas, que deitavam no cesto as sobras do dinheiro, enquanto que a viuva deitou tudo que tinha. Novamente, não estou te julgando, mas é bom refletir. Isso que te digo faz parte do primeiro mandamento, que é materia grave.
      Paz e bem.

      Excluir
    2. Olá, Anônimo!
      Você tem razão.
      O meu pároco em uma homília no ano passado falava disso: "muitos vão na missa de manhã cedo, na primeira hora, para terem o dia todo livre, ao passo de que alguns deixam para ir na última hora do dia, a fim de aproveitar todo o dia e só participar da missa a noite".

      Fraterno abraço!

      Thiago

      Excluir
  3. Quando saio, é justament assim que fico pensando. "Sera que essas pessoas lembram de Deus?".

    ResponderExcluir
  4. Sou Jandira Barbosa, e concordo que essa a reflexão de Santo Agostinho serve como um remédio às necessidades e preocupações do homem moderno e porquê não dizer, de toda a humanidade. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Eu que sou, graças a Deus, um perene fumante católico e nas minhas charlas fumando um e outro cigarrinho ao conversar com várias pessoas sempre muito ocupadas e apressadas no dia a dia e mesmo nos domingos, com a graça de Deus, procuro fazê-las notar que se tirarem Deus de suas vidas o que só restarão, ao fim e ao cabo, são coisas que não são Deus, coisas que falam só às camadas mais baixas de suas almas como os instintos, afetos e à volição, deixando a parte suprema da inteligência e a razão para depois. Ou seja, sem Deus e sem a Santa Missa aos domingos, e se possível for frequentada mais dias na semana ou até todos os dias, a enviar-nos em missão, porque alimentados pela proclamação da Palavra de Deus e pelos pão e vinho eucarísticos, sem essas coisas o reino das trevas e a percepção do que seja a verdade que seria o próprio Deus que é somente Ele Aquele que é, tal percepção se confunde com coisas fugazes, meras sombras da caverna platônica, como o lazer e a comida que não são.

    Talvez se as pessoas voltassem a fumar uns cigarrinhos parariam mais para pensar nas coisas do Alto, cultivariam mais do que nunca algo que lhes não será tirado que é suas almas, seriam filósofas. Dar-se-iam conta que passaram muito tempo no piloto automático em suas vidas, quase apodreceram no sono dogmático de quem não sabe quem é, que é aquele que como um morto-vivo macunaímico adora dizer, "deixa a vida me levar".


    Unum est necessarium!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, hoje eu tenho a consciência da importância da Santa Missa, mas me pego pensando em quantos anos eu passei ignorando esse dia, ignorando a data do Senhor. Esse ano faltei 2 missas e me senti péssimo, minha semana não foi a mesma, mas Deus na sua infinita misericórdia não deixou de derramar bênçãos na minha vida.
    Não acho que isso seja pela falta de líderes religiosos, mas sim da consciência humana, precisamos mais de Deus... é por isso que valores morais estão se perdendo neste país, onde o lazer carnal, mundano se sobrepõe a Deus, não achem que as desgraças no nosso país são apenas de governantes, mas de nós, que nos esquecemos dia após dia das graças e da bondade do nosso Deus e de nossa Mãe.
    Que Deus tenha piedade e que possamos voltar nossos olhos para nosso Salvador Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  7. Fiel Católico,

    Talves voçê não compreenda e não queira concorda comigo, mas para mim atualmente o maior
    adiversário da Igreja Católica, naõ somos nós prostestantes, e sim este movimento denominado Renovação carismática Católica.
    na opinião ele vem gerando transtormos e confusão no seio da Igreja Católica,hoje o que mais se vê,é católico enchendo as reuniões de oração da RCC durante a semana e fujindo do Culto principal aos domingos.



    O SENHOR TE ABENÇOE

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Luiz,
      vc anda frequentando as missas de alguma paróquia católica ou está somente afirmando o que ouviu dizer ? Como católico participó das missas todos os domingos e demais dias obrigatórios dentro do calendário litúrgico e dentro do possível de outros eventos em minha paróquia ao longo da semana. Sua afirmação passa muito distante da verdade.

      Excluir
    2. Caro Luiz, primeiramente, vocês protestantes não são inimigos de nós católicos. Vocês protestantes é que nos veem como inimigos, pois nossas ideias com paradas com as suas, são fumaça que logo desaparece, são cera no fogo que logo derrete. Vocês são ovelhas sem pastor que se julgam os "verdadeiros cristãos". Lhe aconselho a apurar mais as questões sobre a Renovação Carismática Católica. Deus abençoe.
      A paz de N.S.J.C.

      - H.N.R.

      Excluir
    3. O Luiz protestante está lá com alguma razão, pois o movimento carismático eis que é um fenômeno que ultrapassa as facções do Cristianismo ocidental como a católica e a protestante e no caso da facção protestante vemos essa corrupção avassaladora de pastores suspeitíssimos de estatem envolvidos em corrupção. Vejam o caso do Silas Malafaia que em seus pronunciamentos sempre tempestuosos e ultra-fervorosos bem ao estilo protestante e carismático, sempre explode como um vulcão mencionando que sua classe de líderes pastorais é acusada de ser bandida!

      Então, esse negócio de movimento carismático é sempre polêmico e tudo começou nos arraiais protestantes com David Wilkerson e seu livro "A cruz e o punhal". Então, a culpa é de vocês protestantes, nós católicos só os imitamos desde a nossa decadência com o Vaticano II que nos enfraqueceu moralnente e espiritualmente.

      Excluir
    4. Prezado Anônimo
      Como observador apenas expus minha opinião dentro da realidade que eu vivo.
      Tenho uma convivência grande com muitos Católicos Carismáticos,que a prática da maioria deles é essa.
      Participam ativamente das reuniões de Oração da RCC durante a semana e no
      Domingo não estam presentes na Missa.
      Peço desculpas por esta me envolvendo em uma questão únicamente católica,mas como já disse: O maior inimigo da Igreja Católica está dentro dela e se chama RCC.
      Quem é Católico fiel e conhece profudamente a doutrina da Igreja Católica entende o que eu quero dizer.

      O Senhor lhe abençoe

      Excluir
    5. Luiz, acho que estés integrantes da RCC a qual vc se refere são meros espectadores e não católicos ativos da dinâmica paroquial aonde congregam. Não participo da R CC, mas reconheço o quanto eles reforçam a necessidade de adoração ao Santíssimo Sacramento e a oração, bem como reconhecimento de Nossa Senhora e da vida e obra de demais Santos. Também tenho convivência com muitos carismáticos, muitos deles integrantes da comunidade Shalom e eles são exemplares na participação da celebrar eucarística. Acho que vc está expressando uma mera opinião sua como se uma verdade fosse. Costume esse normal dos protestantes.
      Denilson

      Excluir
    6. Prezado
      João Emiliano

      O movimento Pentecostal Protestante começou com o Chamado movimento de Avivamento da rua Azuza na cidade de Los Angeles- EUA no ano de 1906.
      O pregador era o pastor Willian Seymour,Afro-Americano.
      O livro A Cruz e o Punhal do Pastor David Wilkerson foi um dos principais escolhidos pela RCC para a implantação do Movimento Carismático na Igreja Católica em inciado nos EUA no ano de 1966.


      O Senhor lhe abençoe



      Excluir
  8. Não faço parte da RCC e não os vejo como adversários da Santa Igreja. Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, mas todos os membros do corpo, apesar de serem muitos, formam um só corpo, assim também ocorre com Cristo. Há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo. Há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo(ICor12). Todos nós bebemos do mesmo Espírito.
    Todos, seja da RCC ou não, receberam o mesmo batismo e professam uma só verdade, a qual está sustentada pela mesma coluna, diferente dos protestantes que pregam um evangelho distinto do evangelho pregado pelo Cristo.

    A graça de nosso Senhor, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo estejam convosco.
    Max

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail