Meditação sobre o Domingo de Ramos

Por Ricardo Krobel



Quem é este homem?
(Mt 21, 10)

Ele é o profeta Jesus, de Nazaré da Galiléia.
(Mt 21, 11)

‘Tu és o Rei dos Judeus?’ – ‘Tu o dizes.’
(Mt 27, 11)

DURANTE A LEITURA dos Evangelhos do Domingo de Ramos, o que mais me levou à reflexão foram os questionamentos sobre quem é Jesus. E isso me remeteu a uma reflexão sobre "Quem sou eu"?

Quem sou eu para que eu ouse assumir o papel de Cristo?

Quem sou eu para que eu ouse tomar as palavras de meu Salvador como minhas?

Quem sou eu para que eu tenha a temeridade de "ser Cristo" diante dos outros?

É uma questão impressionante, e que talvez estranhamente, não tinha realmente me ocorrido antes de uma forma tão significativa. Talvez seja essa pergunta, "Quem sou eu?", que toda a Semana Santa e as grandes liturgias do Tríduo Pascal busquem responder, pois é questão que, em certo sentido, sustenta toda a nossa fé.

Quem sou eu realmente, para que meu Deus se torne carne para mim e venha viver comigo?

Quem sou eu, para que meu Deus me ame tanto e que sofra e morra por mim?

Quem sou eu diante do Mistério da Cruz?

Quem sou eu à luz da Ressurreição?

Quem sou eu, para que Cristo faça tudo isso por mim?

Eu sou um na multidão que o aclama em sua entrada em Jerusalém, em meu primeiro contato com Jesus, acenando entre palmas e aplausos, extático porque Ele veio para a cidade? Ainda estou no primeiro amor, ansioso para ver e ouvir o Senhor, ansioso para ver Seus milagres, mesmo que ainda não tenha certeza do meu relacionamento com Ele?

Ou sou Simão Pedro, em todas as minhas palavras e ações externas, o "melhor amigo" do Senhor – e ainda assim incomodado por não entender completamente Jesus, não ver Seus caminhos claramente, não poder controlá-Lo?

Mas, no íntimo de meu coração ainda estou apavorado, com medo do desafio que vem quando releio a pergunta "Quem é este Jesus para mim"? 

Sou uma das mulheres de Jerusalém, aquelas que choram pela futilidade e crueldade das ações dos homens, mas parecem impotentes para mudar alguma coisa?

Talvez eu seja o ladrão que zomba de Jesus, aquele que vê a celebridade pendurada ao seu lado em seu sofrimento, mas só pode pensar em si mesmo e em sua fuga - "Vá, faça o seu próximo truque, salve a si mesmo e a mim também".

É isso que eu quero?

Eu quero aquele Jesus que rapidamente vai tirar todos os problemas e a dor, mas de quem eu não quero mais nada?

Ou sou eu o bom ladrão, que reconhece que nada lhe resta, nada além de seu pecado e condenação justa e que ainda tem a coragem de pedir a este Jesus inocente apenas para lembrá-lo, e assim ganha a amizade de Cristo e sua própria salvação?

Ou eu sou Maria, sem palavras e perplexa aos pés da Cruz, perguntando-me onde está a mão de Deus nesta Vida que ela deu ao mundo, perguntando-se se isso é tudo que existe, como se a vida fosse apagada?

Ainda estou procurando descobrir onde Deus está na minha vida? Aquele Deus que antes parecia tão próximo, cujo toque trouxe tal alegria, mas que agora parece muito, muito distante?

Ou talvez, de alguma maneira, eu esteja com Cristo mesmo. Com Cristo no jardim, lutando em minhas orações e ações para deixar a vontade de Deus ser minha vontade também. Com Cristo pregado na Cruz, oferecendo perdão àqueles que – sem prestar atenção ao que fazem – parecem destruir tudo o que é bom. Com Cristo em seu último suspiro, quando Ele se entrega totalmente nas mãos do Pai.

Para cada um de nós, nestes dias da Semana Santa, a resposta à pergunta "Quem sou eu?" será diferente. E será diferente este ano do ano passado e dos anos anteriores, pois quando caminhamos com Jesus, quando chegamos a estar com Ele, quando O conhecemos como Ele é, em todo o Seu amor e sofrimento por nós, em todo o Mistério da Paixão, é então que nos veremos mais claramente e nos conheceremos como Deus nos conhece – como aqueles que Ele ama e salva.

E assim, ao participarmos de cada Liturgia da Semana Santa, obedecendo ao próprio mandamento de Cristo: "Fazei isto em memória de mim", não o faremos meramente para lembrá-Lo de algum modo intelectual, mas para descobrir o nosso verdadeiro eu n’Ele, e para sermos transformados por sua Graça em sua semelhança.

Peçamos então ao Cristo que derrame a Sua graça e o Seu Espírito abundantemente sobre nós nestes dias da Semana Santa, para que partilhando com Ele a vida e morte que Ele compartilhou conosco, possamos um dia vir a compartilhar em Sua glória. Amém!
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Cristo realmente nos dá sentido à vida!

    ResponderExcluir
  2. Enquanto isso um bispo do interior de Goiás,crítica padres e até outros bispos pelas vestimentas litúrgicas que usaram no Domingo de Ramos! Segundo esse senhor , viu pelas redes sociais padres jovens e também padres mais velhos, " ostentando " com suas vestes o que era " indigno" com a simplicidade de Cristo... Um amigo meu adepto da teologia da libertação e simpatizante do herege Leonardo Boff me mandou um texto com palavras desse bispo. Eu mesmo não vi nada demais nas vestimentas dos sacerdotes.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail