Sobre o respeito devido aos bispos e a necessidade do leigo manifestar seus anseios


ACABEI DE LER o artigo da Ir. Theresa Noble, que tem uma bela história de conversão, no bom site católico "Aleteia", intitulado "Por que é importante respeitar a autoridade do papa e dos bispos?". O texto tem valor, e eu diria até que é necessário, mas infelizmente também é bastante tendencioso; pondera só um lado da questão, que é bastante delicada e complexa nos nossos tempos.

Em dado momento do seu texto, a religiosa diz que 

Na história da Igreja, houve muitas vezes em que tudo parecia estar perdido. Durante o Trinitarianismo (por exemplo), reinava a heresia mesmo entre os bispos. São João Fisher foi o único bispo da Inglaterra a se opor ao rei Henrique VIII; todos os outros cederam. Mas, repetidas vezes, contra todas as probabilidades, o Espírito Santo prevaleceu (e ele nunca precisou da ajuda de blogueiros e ativistas de mídia social).

O que ela se esqueceu de dizer, no meu entendimento, é que não só no caso desse belíssimo exemplo de S. João Fisher, como em muitas outras ocasiões, a presença e atuação dos leigos foi fundamental. Estudando a vida de Sto. Atanásio, por exemplo, vemos como a participação ativa dos leigos foi importante no processo de deposição dos bispos hereges – que na época desse corajoso Santo chegaram a ser maioria absoluta.

E como participavam os leigos nesse processo de purificação da Igreja? Boicotando os bispos hereges, conforme podemos auferir nos registros históricos (como é o caso do Panegírico de Santo Atanásio, por São Gregório Nazianzeno). Isto é um direito e um dever de todo cristão, e é importante lembrar que, nos nossos dias, sempre foram justamente esses bispos "polêmicos" (para dizer o mínimo) que pregaram o protagonismo dos leigos na Igreja. Neste sentido, somos obedientes a eles próprios quando manifestamos a nossa confusão, a nossa angústia e o nosso escândalo.

Outro excelente exemplo é o de nosso patrono S. Próspero de Aquitânia, que, sendo leigo, foi um mestre do clero no seu tempo, especialmente contra a heresia pelagiana. Chegou a ditar ao papa São Leão Magno as cartas contra Euthyches.

Agora imaginemos se esses grandes e corajosos leigos tivessem se limitado a se manter escondidinhos, só sofrendo e "respeitando" os bispos, por causa da sua autoridade na Igreja... A autoridade, por si só, não torna os membros do Corpo de Cristo isentos de responder ao povo de Deus; pelo contrário, nós temos o direito e até o dever de cobrar deles satisfações em casos graves como os que temos testemunhado ultimamente. Lembremos que o próprio Judas Iscariotes também era um Apóstolo, escolhido diretamente por Nosso Senhor, e portanto gozava de autoridade máxima.

Ora, Deus não usou de "blogueiros e ativistas de mídias sociais", em épocas passadas, simplesmente porque essas mídias, é óbvio, ainda não existiam. Hoje temos, sim, os chamados "youtubers" e "blogueiros" denunciando gravíssimos escândalos e mesmo heresias da parte de alguns dos nossos bipos. Eles estão errados? Deveriam ficar calados, em nome de um "respeito" à autoridade eclesiástica? O que fazer diante de uma comissão de bispos que, por exemplo, põem em dúvida a fé na Presença Real de Nosso Senhor na Eucaristia, em nome do "respeito" pelas outras religiões, como ocorreu no documento do CONIC intitulado "Hospitalidade eucarística", assinado pela CNBB, que afirma que a Transubstanciação (Presença Real de Nosso Senhor na Eucaristia) é apenas:

...uma fórmula filosófica[!?] adequada para determinado tempo e lugar(...). Dada a precariedade das formulações teológicas[!] e do mistério da presença real, é legítima a diversidade de expressões do mesmo mistério[!!]”

Sim! Estamos nós, clara e inescapavelmente, diante de uma comissão de bispos que endossa uma heresia. Simplesmente põem em cheque e em dúvida a Presença Real de Nosso Senhor na Hóstia Consagrada. Dizem que tal não passa de "fórmula filosófica" presa "a um determinado tempo e lugar", isto é, temporal e não absoluta e imutável, como desde sempre afirmou o dogma da Igreja, e devida apenas à "precariedade das formulações teológicas". Sendo assim, a Teologia de Sto. Tomás, por exemplo, que afirma a Presença Substancial de Cristo na Eucaristia (justamente para evitar a confusão e as interpretações dúbias), seria "precária".

Será, então, pecado ou rebelião indevida contra a hierarquia da Igreja denunciar estes simples fatos? Fatos que são públicos? Até que ponto devemos "respeitar" a autoridade eclesiástica quando ela claramente se coloca contra a verdadeira Sã Doutrina de Nosso Senhor? Contra as próprias bases e fundamentos do que sempre ensinou a Tradição Apostólica? Contra as Sagradas Escrituras? Contra o Magistério da Igreja?

E o que dizer da Cáritas Brasileira, importante organismo da CNBB, e seus muitos braços diocesanos, que vêm publicando e distribuindo numerosos boletins e impressos, além de postagens online em suas páginas digitais nas quais afirma, com todas as letras, que a deposição de Dilma Roussef e todas as investigações contra o ex-presidente Lula são parte de um "golpe" contra a democracia e contra os pobres, aderindo a um jargão claramente ideológico e partidário específico – quando a própria Gaudium et Spes declara que a Igreja não pode estar "ligada a qualquer sistema político determinado, pois é ao mesmo tempo sinal e salvaguarda da transcendência da pessoa humana” (n.76)?

De fato, não é difícil perceber que o entrave para a compreensão – e consequente elucidação – desses gravíssimos problemas internos no Corpo de Cristo, e que vêm gerando tanta discussão, debates inúteis e confusão em redes sociais, é que temos um grupo de católicos(?) absolutamente arrogantes que se atribuem a si mesmos uma autoridade que não têm e se põe a "excomungar", por conta própria, bispos e o próprio Papa, com total desrespeito e sem nenhuma caridade cristã. Tal atitude, claro, é condenável e profundamente equivocada.

Uma coisa, porém, é uma coisa, e outra coisa é outra coisa. Na realidade, definir se o papel de manifestar opinião quanto às atuações e posturas de padres e bispos –, que deveriam ser nossos pastores sagrados –, e dar a conhecer suas opiniões (no caso, indignação e escândalo) cabe ou não aos leigos, está bem definido pela Igreja, oficialmente falando. Para tirar qualquer dúvida, basta procurar no Código de Direito Canônico da Igreja Católica Apostólica Romana o seu Cânone 212:

§2. Os fiéis, conscientes da sua responsabilidade, têm o direito de manifestar aos pastores da igreja as próprias necessidades, principalmente espirituais, e os próprios anseios.
§3. De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm os leigos o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, deem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis.
(CDC Cân 212, §§ 2-3) 

Como já observado e dito, a parte sobre ressalvar a reverência para com os pastores e a utilidade comum dessa manifestação de necessidades, opiniões e anseios, vêm sendo imprudentemente posta de lado por muitos, e isso desgraçadamente só faz tirar o foco do problema e da urgência em si, isto é, do conteúdo da coisa – que é a obrigação que tais bispos têm de prestar esclarecimentos ao povo de Deus – para a forma (a irreverência de alguns leigos), que deveria ser, em casos tão graves, encarado como o que é: questão secundária, ainda que importante.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

10 comentários:

  1. Perfeita reflexão, Henrique Sebastião!
    Expor a podridão da CNBB, por exemplo, jamais seria falta de respeito com os prelados, muito pelo contrário, no meu ponto de vista é uma atitude louvável, visto que a fazemos apenas porque amamos a nossa Santa Igreja.
    Nossa situação é delicada.
    Expor nossos Bispos desta forma não é o mais interessante, logo eles que deveriam zelar pelo seu rebanho... No entanto no momento atual é o que podemos fazer. Talvez eles acordem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço, Thiago. Nesses momentos difíceis, os ânimos se exaltam e a coisa mais difícil é manter o equilíbrio, a coerência, o bom senso. Mas cabe a cada verdadeiro fiel católico dar o exemplo.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  2. Realmente é um momento delicado que passamos na nossa Igreja Católica. Devemos rezar muito pela Igreja e pedir ao Espirito Santo orientação do que fazer com equilíbrio, sem ódio ou paixões. Mas defender principalmente a Eucaristia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, F. Prado. Talvez o mais difícil seja mesmo manter o equilíbrio e escapar desse forte apelo das paixões.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  3. Prof. Rodrigo Pedroso18 de março de 2018 13:26

    Posso dizer que esse foi o artigo mais equilibrado e mais em consonância com doutrina da Igreja que eu já li sobre essa grande confusão. Confusão causada pela infidelidade dos bispos Concordo 100 % com você, Henrique. Enquanto a gente fica discutindo a falta de caridade de alguns católicos que se comportam mal e não respeitam os bispos, não estamos discutindo e cobrando sobre essas traições dos bispos. E nós temos o direito e até obrigação de cobrar, como diz o Código Canônico.

    `Por isso é que eu não passo uma semana sem ler esse o fiel Católico. Excelente e continuem assim!

    Prof. Rodrigo Pedroso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelas palavras de incentivo. Realmente, em casos assim tão graves, é nosso direito e até nosso dever manifestar o nosso escândalo, e isso é bem definido pela normativa da Igreja.

      Não é só mau comportamento ou mau exemplo de um ou de alguns bispos. Trata-se, no mínimo, de insinuação de heresia ou conivência com a heresia (com relação à Eucaristia) e de um claro desrespeito ao papel e à identidade própria da Igreja (no caso desse absurdo apoio a criminosos condenados e corrupção da Casa de Deus em palanque político).

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  4. Boa Tarde
    Nesse momento tão dificílimo, unidos na ortodoxia e na oração.
    Dr. Inácio do Vale

    ResponderExcluir
  5. Isso mesmo. Nós temos o dever de dizer o que há de erado.

    ResponderExcluir
  6. Eu fico estarrecida que o caso daquele bispo da diocese de Formosa, que foi preso por se apropriar do dinheiro do povo, causa mais escândalo nos fiéis que essas heresias da CNBB.

    ResponderExcluir
  7. Os leigos tem o direto de se escandalizar e protestar contra os erros dos nossos sacerdotes, tudo porém, deve ser feito com ordem e decência!
    Gostaria de indicar ao blog um assunto que tem confundido muita gente (inclusive eu) as aparições da Virgem Santa em Medjugorje e também no Brasil (Rosa Mística).

    Que o Senhor abençoe grandemente esse blog, que é um verdadeiro oásis para os Cristãos, nesse deserto perigoso que é a Internet.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail