Frei Daniele Natale e os tormentos do Purgatório

Depois deste episódio, Frei Daniele retomou sua vida de apostolado, como fiel discípulo de São Pio

Por Pe. Ramón Ángel Pereira Veiga, EP


No alto, Fr. Daniele Natale com o santo Padre Pio e, logo acima, ele mesmo anos depois do episódio aqui narrado

TAREFA NADA FÁCIL a de descrever o estado de alvoroço em que se encontrava a clínica Regina em Roma, naquele dia de 1952. Lá se internara Frei Daniele Natale, religioso capuchinho de trinta e três anos de idade, para a extirpação de um tumor canceroso no baço. O Dr. Riccardo Moretti recusava-se em realizar a delicada operação por estar a doença muito avançada, mas a insistência do paciente levou-o a fazer uma tentativa in extremis.

Infelizmente, os temores do médico foram confirmados: Frei Daniele entrou em coma logo após a cirurgia e faleceu três dias depois. Emitida a certidão de óbito, parentes e conhecidos acorreram junto ao corpo sem vida do capuchinho para rezar por ele. Até aqui, nada de anormal. Tudo se passou dentro da rotina de qualquer estabelecimento hospitalar.

O alvoroço começou, ou melhor, explodiu, três horas depois de declarada a morte do religioso. Subitamente, o cadáver se desvencilhou do lençol que o cobria, levantou-se com decisão e pôs-se a falar!… Todos correram apavorados para fora da sala, gritando pelos corredores. Uma polvorosa sem par tomou conta do hospital. E não era para menos!

O próprio Frei Daniele narra, com a simplicidade dos relatos evangélicos, o que aconteceu nesse intervalo de três horas:

Apresentei-me ante o Trono de Deus. Eu via Deus, não como um severo Juiz, mas como um Pai afetuoso e cheio de amor. Compreendi então tudo quanto Ele havia feito por amor a mim, como cuidara de mim desde o primeiro até o último instante de minha vida, amando-me como se eu fosse a única criatura existente na Terra.

Dei-me conta, porém, de que eu não só não havia correspondido a esse imenso amor divino, mas o tinha recebido com inteira indiferença. Fui condenado a passar duas ou três horas no Purgatório. Mas então, pensei, só duas ou três horas e depois permanecerei para sempre junto de Deus, eterno Amor?! Saltei de alegria, sentindo-me como um filho predileto.[1]

O júbilo de Frei Daniele, entretanto, não foi duradouro…

A visão desapareceu e me encontrei no Purgatório. A pena de duas ou três horas foi-me imposta, sobretudo, por faltas contra o voto de pobreza. As dores lá eram terríveis. As almas as sentiam intensamente sem saber de onde provinham. Os sentidos que mais haviam ofendido a Deus neste mundo sofriam maiores tormentos.

Era algo incrível, porque ali a pessoa se sente como se tivesse corpo, conhece e reconhece os outros, como acontece no mundo. Entretanto, os poucos instantes de pena transcorridos me pareciam uma eternidade. O que mais atormenta no Purgatório não é o fogo, por mais intenso que seja, mas o sentir-se afastado de Deus. E o que mais aflige é o fato de ter tido à disposição todos os meios para se salvar e não ter sabido aproveitá-los.

Procurei então um frade do meu convento para lhe pedir que rezasse por mim. Admirado porque ouvia minha voz, mas não me via, ele perguntou: ‘Onde estás? Por que não te vejo?’. Eu insistia e, sem outro meio para conseguir meu objetivo, procurei tocá-lo, e só então me dei conta de que estava sem corpo. Contentei-me, pois, de insistir que rezasse muito por mim e saí.

A situação em que o capuchinho se encontrava parecia não corresponder com o veredito recebido durante o juízo particular. “Perguntava a mim mesmo: já transcorreram trezentos anos, e eu deveria passar apenas duas ou três horas no Purgatório… Como é isto?”

Apareceu-me de repente a Bem-Aventurada Virgem Maria e eu lhe implorei: ‘Ó Virgem Santíssima, Mãe de Deus, obtende-me a graça de retornar à Terra para viver e agir só pelo amor a Deus!’. Notei também a presença do Padre Pio e lhe supliquei: ‘Ó Padre Pio, pelos teus atrozes sofrimentos, pelos teus benditos estigmas da Paixão de Cristo, roga por mim a Deus que Ele me livre destas chamas e me deixe passar na Terra o restante do meu tempo de Purgatório!’.

Em seguida, não vi mais nada. Observei que o Padre Pio falava a Nossa Senhora. Poucos instantes depois, apareceu-me de novo a Virgem Maria. Ela inclinou a cabeça e me sorriu… Naquele preciso momento retomei posse de meu corpo, abri os olhos e estendi os braços; depois, com um movimento brusco, desembaracei-me do lençol que me cobria. Tinha sido atendido. Recebera a graça!

E não foi imaginação…

As pessoas que rezavam e me velavam precipitaram-se espantadíssimas para fora da sala, à procura dos médicos e enfermeiros. Em poucos minutos a confusão tomou conta da clínica. Todos julgavam que eu era um fantasma. O médico que havia atestado meu falecimento entrou precipitadamente no aposento e disse, com lágrimas nos olhos: ‘Sim, agora creio. Creio em Deus, creio na Igreja, creio no Padre Pio!’.

Depois deste episódio, Frei Daniele retomou sua vida de apostolado, como fiel discípulo de São Pio de Pietrelcina, que lhe havia feito esta categórica promessa: “Onde estiveres tu, estarei também eu. […] O que dizes tu, digo-o também eu”[2]. Viveu mais quarenta e dois anos (até o ano 1994) e sintetizou nesta curta prece seu ardente desejo de salvar almas: “Enviai-me, Senhor, todos os sofrimentos que Vos aprouver, mas fazei que um dia eu encontre no Paraíso todas as pessoas das quais me aproximei!”.

Quando alguém lhe manifestasse qualquer dúvida a respeito do Purgatório, ele saberia expor com clareza a doutrina da Igreja, mas, sobretudo, poderia acrescentar seu testemunho pessoal: “Eu vi aquele fogo! Senti o terrível ardor daquelas chamas! Muito pior do que o fogo, sofri o pavoroso tormento de estar separado de Deus!”.

Diante dos castigos do Purgatório, os sofrimentos do Servo de Deus Frei Daniele Natale nesta Terra tornaram- se toleráveis e até doces[3].

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

_________
1. As palavras de Frei Daniele foram retiradas do livro: FIORE, Remigio. Fra Daniele Natale racconta… le sue esperienze con Padre Pio. San Giovanni Rotondo:
Frati Cappuccini, 2001.

2. LEONE, Roberta. Fra Daniele Natale, il 'riconquistatore di anime' prediletto da Padre Pio. In: Vatican Insider News: www.lastampa.it.

3. A fase diocesana da causa de beatificação de Frei Daniele Natale foi iniciada no dia 5 de novembro de 2016, com uma cerimônia na Igreja de Santa Maria das Graças, em São Giovanni Rotondo.

____
Fonte:
Revista Arautos do Evangelho, n.187
www.ofielcatolico.com.br

5 comentários:

  1. Fernando Siqueira7 de maio de 2018 12:22

    O VIRGEM MARIA dai-me a graça de eu aceitar todos os sofrimentos terrenos sem esmorecer e sem blasfemar contra o PAI CRIADOR, dai-me a graca para que eu saiba tirar proveito dos sofrimentos presentes, e assim diminuir minha pena no purgatorio.

    ResponderExcluir
  2. Apesar de todos os meus pecados obrigado Mãe Santíssima por resgatar minha família

    ResponderExcluir
  3. Eu já vi esse testemunho, mas fico com uma duvidú, se puderem me ajudar. Na nossa doutrina não fala que as almas do purgatório são incapazes de rezarem por si mesmas, então como ele pôde rezar por si mesmo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na realidade o texto diz que ele não rezava por si mesmo a Deus, mas pedia intercessão de outros pela sua alma.

      Além disso, as almas no purgatório não podem pedir por si mesmas a não ser no caso de uma concessão divina especial, como parece ter acontecido com Frei Daniele.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail