Origem do mal (enquanto prática e vício) por John Henry Newman

Ó meus irmãos, não confessais que quando vossa mente começou a se abrir1, na proporção em que foi aberta, por essa mesma abertura se tornou rebelde contra o que reconhecia como dever? Na verdade, o vosso intelecto não estava já em conluio com a desobediência? Em vez de unir conhecimento e Religião, como poderias ter feito, não colocastes um contra o outro?

Por exemplo, não foi um dos primeiros exercícios voluntários de vossa mente saciar uma curiosidade condenável? Curiosidade a qual confessastes estar errada, que estava contra a vossa consciência satisfazê-la. Desejáveis conhecer uma série de coisas que não trariam bem algum conhecer. É assim que os meninos começam; assim que sua mente começa a se agitar, eles olham na direção errada, e dedicam-se ao que é mau. Esse é o seu primeiro passo no erro; o próximo uso de seu intelecto é colocar o que é mau em palavras: esse é o seu segundo passo no erro. Eles formam imagens e acolhem pensamentos que deveriam ser afastados, de si e dos outros, expressando-os. E então, o mau desvio que fazem, os outros pagam na mesma moeda. Um discurso errado provoca outro; e assim cresce entre eles, desde a infância, aquele miserável tom de conversa insinuando e sugerindo o mal, brincando, gracejando a respeito do pecado, fornecendo combustível para a imaginação inflamável e que dura por toda a vida, que está onde o mundo está, que é a própria 'fragrância' do mundo. Disto o mundo não pode prescindir, pois o mundo 'fala do que lhe transborda do coração' (Mt 12,34) e isto vai prevalecer em toda assembleia ordinária dos homens tão logo sintam-se à vontade e comecem a falar livremente – é uma espécie de culto vocal do Maligno, a que o Maligno escuta com especial satisfação, porque ele o considera a preparação para o pior pecado; pois maus pensamentos e más palavras precedem más ações.

John Henry Cardeal Newman ('Intellect, the
Instrument of Religious Training', em 'Sermons
Preached on Various Occasions'
), sermão pregado
na igreja da Universidade de Dublin, no ano 1856

____
1. Isto é, a fase – seja qual for, aqui as teorias pedagógicas não vêm ao caso – em que o ser humano começa a experimentar cognitivamente a noção de si mesmo e das suas relações com o outro e com o mundo que o cerca, resultando nos primeiros estabelecimentos da noção do certo e do errado. (N. do T.)
www.ofielcatolico.com.br

2 comentários:

  1. Concordo! Reconhecer isto é uma grande e possivelmente a primeira lição de humildade que todos deveríamos fazer. Nossa "soberba original" é explorada pelo "mal" para que simplesmente não tomemos conhecimento disso ou mesmo conhecedores resistamos à atitude de humildade necessária à superação dos passos nesse "caminho viciado" que se coloca disponível para cada um de nós no cotidiano de nossas vidas. Que N.S. da Humildade nos ajude e que nosso coração se abra cada vez mais para a ação do Espírito Santo em nós. Amém!

    ResponderExcluir
  2. Acredito que está havendo nos dias atuais uma vocação para esse mal. A nossa sociedade está sendo educada para aceitar esse "anjo"revestido de luz. Quem não concorda e educa os seus filhos na retidão do Senhor está enfrentando um conflito de gerações.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail