Cristianismo e felicidade


O PROBLEMA CENTRAL da existência humana é ser feliz. E não é difícil compreender que o grande “segredo” para se atingir uma vida verdadeiramente feliz começa pelo conhecimento de que essa felicidade não pode depender de qualquer coisa externa ao próprio ser; não deve ser criada por circunstâncias, e sim brotar da profundeza interna da própria pessoa. É assim porque a pseudofelicidade, criada por circunstâncias externas, também está sujeita, claro, a ser destruída pelas mesmas circunstâncias; é precária, incerta, fugaz. Por isso mesmo não é a verdadeira, duradoura e plena felicidade.

    Alguém, por exemplo, que goste muito de praia, sol e mar, vai se sentir feliz quando estiver em uma destas, admirando a enormidade do oceano e experimentando o calor do sol em sua pele; mas, se logo vem uma frente fria e chuva persistente, essa "felicidade" acaba. Ora, assim percebe-se que aquele bem estar que tal pessoa experimentava em desfrutar a praia não era verdadeira felicidade, mas apenas uma sensação agradável totalmente efêmera e circunstancial.

    Para o Cristianismo, a única possibilidade de ser verdadeiramente feliz está em Deus, porque só Deus é eterno, imutável e permanente, além de ser a própria Fonte da vida e o Doador de todos os bens, além de único Possibilitador de toda realização humana possível.

    Pois para se estar e permanecer em Deus é preciso ser santo (conf. Lv 11, 44; 19, 2; 20, 7; 1Pd 1,16).

    Existem dois modos principais de ser santo: pode o ser humano ser sacrificialmente santo e pode ser jubilosamente santo.

    É preciso reconhecer que este segundo tipo é ainda muito mais raro – dentro de um universo já restrito – e também mais difícil de se obter, sim. Mas também é preciso reconhecer que somente este segundo tipo de santidade poderá resolver, definitivamente, o problema central da felicidade humana. Porque enquanto ser santo ainda for difícil, algo como uma busca angustiosa e sofrida, ou como aceitar tomar um remédio muito amargo pensando apenas no bem que fará; enquanto ser santo for um ato exclusivamente sacrificial, então estará o ser humano a caminho da felicidade, mas não será plenamente feliz.

    Enquanto o homem sobre a Terra não fizer a Vontade de Deus assim como o fazem os homens nos Céus (os Santos), isto é, espontânea e jubilosamente, não estará garantida a sua felicidade. Ele poderá – e deverá – empurrar o pesado arado que preparará a terra de sua alma para o florescimento de uma vida nova e realmente feliz (Lc 9,62), mas ainda se sentirá constantemente tentado a olhar para trás, para a sua antiga vida e costumes. E, como diz Nosso Senhor, “quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus” (Lc 9,62). Sentirá saudades de sua vida antiga, do falso prazer que propiciavam os seus antigos "pecados de estimação" os quais precisou deixar para trás quando resolveu se converter.

    O cumprimento feliz e pleno da Vontade de Deus é impossível ao homem que não tenha vivido a experiência íntima e direta de Deus. E essa experiência de Deus coincide com a experiência do verdadeiro “eu” do próprio homem, se é verdade que é nesse eu central que “o Espírito de Deus habita o homem” (1Cor 3,16-23), no dizer de São Paulo, como disse também o Cristo que “o Reino de Deus dentro do homem” (Lc 17, 21): a experiência do nosso interior, do nosso verdadeiro "eu", é necessária à experiência do próprio Deus.

    Santa Teresa de Jesus advertiu-nos, em sua obra clássica "O Castelo da Alma" da importância de o ser humano conhecer-se a si mesmo, no que ficou conhecido como "socratismo teresiano". Nos segundo capítulo de suas "Primeiras Moradas" (§8-9), ela diz:

Oh, e como é absolutamente necessário o conhecimento de si mesmo! Vejam se me entendem. Por mais que a alma tenha se elevado (refiro-me inclusive àquela que o Senhor já acolheu na morada onde Ele está), não lhe cumpre fazer outra coisa senão buscar conhecer-se a si mesma. Nem poderia deixar de fazê-lo, se quisesse, porque a humildade sempre fabrica o seu mel, como a abelha na colmeia. Sem isso, está tudo perdido. Tal como a abelha, que não deixa de sair para colher o néctar das flores, assim é a alma, no que se refere ao conhecimento de si mesma. O conhecimento de si mesmo é tão importante que não queria que vocês se descuidassem dele, por mais adiantadas [fala às suas irmãs de hábito] que estejam no caminho dos Céus. (...)  Procurem empenhar-se ao máximo no conhecimento de si mesmas.1

    O ênfase de Santa Teresa está na comparação que, diante de Deus, inevitavelmente faremos por meio da contemplação de nossa realidade mais íntima e profunda: a Plenitude de Deus e as nossas limitações; a Perfeição de Deus e as nossas fraquezas; a Fidelidade de Deus e as nossas constantes traições; a extrema humildade de Deus (Jesus no Getsêmani, por exemplo) e o quanto estamos longe de ser realmente humildes... Isso nos levará a ver o quanto somos agraciados e quão grande é o Amor de Deus por cada um de nós. Aquele que chega a essa experiência vital, quase que como uma espécie de efeito colateral chega ao conhecimento da Verdade – que liberta. Finalmente livre e independente de todos os fatores externos, somente tal pessoa é, sólida e irrevogavelmente, feliz.

    Sem essa profunda experiência do conhecimento de si mesmo, o ser humano será infeliz mesmo em meio a todos os prazeres e confortos que este mundo é – ou será um dia – capaz de oferecer. Ao contrário, com essa experiência e consciência, a felicidade se mantém, mesmo em meio às maiores provações e aparentes sofrimentos deste mundo.

    Felicidade ou infelicidade são estados do nosso espírito. Felicidade ou infelicidade são coisas que os seres humanos são/estão, e não estão relacionadas a algo que possuam. Ninguém “tem” felicidade ou tristeza. Uma pessoa é feliz ou infeliz. Ser feliz não está absolutamente relacionado ao ter, mas sim ao ser.

    A perfeita harmonia do espírito, do “eu” humano, com a Realidade divina: eis a plena felicidade. Isto é moldar-se à Vontade de Deus, que –, quer tenhamos consciência disto quer não –, é sempre o melhor para nós mesmos. O misticismo judaico diz que cada ser humano é, em última análise, aquilo que deseja. O desejo é a força que move e define os seres humanos: somos feitos dos nossos desejos.

    Pare e pense um pouco sobre estas duas questões:

    1) Qual o seu maior desejo?

    2) De que maneiras você poderia definir o seu viver neste mundo?

   As duas respostas estão intimamente relacionadas? O ter ou não o que você deseja define o estado geral de sua vida? Pois bem. Esse experimento simples demonstra que a verdadeira e perene felicidade só pode ser possível a partir do momento em que você alinhar a sua vontade com a Vontade Perfeita da Consciência Suprema que é Deus, porque somente esta é o nosso verdadeiro bem, porque esta se concretizará infalivelmente e porque esta permanecerá para sempre. Este é o meio cristão de ser feliz. É o único meio. Outros tipos de felicidade podem existir, mas não representam a felicidade plena/integral, pois são naturalmente efêmeros, temporários, incertos. Quem deposita a sua felicidade em posses ou pessoas não poderá nunca se considerar realmente feliz, mas alguém que vive momentos de alegria.

    Por felicidade não entendemos alguma sensação passageira, mas um estado de realização integral, que se reflete concretamente na vida do indivíduo.



    Concluímos, a partir daí – porque a verdadeira felicidade reside verdadeiramente em Deus – que o segredo da felicidade é, então, o Amor, se é que cremos e sabemos que Deus é Amor. Foi isso o que afirmaram todos os Santos, e esta é uma maneira de resumir e simplificar a resposta. Santa Teresa do Menino Jesus e da Sagrada Face (nossa 'Santa Terezinha') parece ter chegado a estas conclusões, quando disse:

Ó Farol Luminoso do Amor, eu sei como chegar a Ti; encontrei o segredo de me apropriar da Tua Chama! (...) Compreendi que o Amor engloba todas as vocações, que o Amor é tudo! (...) Como estou longe de ser conduzida pela via do temor, sei sempre encontrar o meio de ser feliz e aproveitar de minhas misérias...
(História de uma Alma, n.s 255 e 256)

    A vida interior magistralmente resumida por esta doce menina santa. Se aceitamos que a condição mínima de Jesus para quem deseja segui-lo é renunciar a si mesmo e incondicionalmente dedicar-se a segui-lo, e se compreendemos e assumimos que Deus é Amor, de fato entendemos que o caminho para a felicidade é também o caminho do Amor, o único que leva a Deus.

    Sim, o ser humano nasceu para ser feliz, embora o mundo não entenda nada de felicidade, na medida que a confunda com riquezas e posses. Deus é a Fonte da felicidade. Por isso, dizemos também que o segredo da felicidade está em “deixar” Deus ser Deus em nossas vidas, não somente aceitando, mas modelando-nos e alinhando-nos, dia a dia, passo a passo, à sua santa Vontade. Assim seja para cada um de nós.

____
1. Santa Teresa prega o constante e perpétuo aperfeiçoamento do ser humano no conhecimento de si mesmo como meio de busca da profundíssima humildade que é fundamental ao cristão: 'A meu ver', diz ela, 'jamais nos conheceremos realmente sem antes conhecer a Deus: contemplando a sua Grandeza, enxergamos a nossa baixeza; mirando a sua Pureza, reconhecemos a nossa impureza; refletindo sobre a sua Humildade, entendemos como estamos longe de ser humildes'.

Um comentário:

  1. Muito legal.
    Estava criando um esquema. Acho que será útil.

    Obrigado e bom trabalho.

    ResponderExcluir

** Inscreva-se para o Curso Livre de Teologia da Frat. Laical São Próspero e receba livros digitais de altíssima qualidade todos os meses, além de áudio-aulas exclusivas e canal para tirar suas dúvidas, tudo por R$29,00/mês. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Subir