Cristianismo, capitalismo e comunismo – conclusão

SEGUE A CONTINUAÇÃO de nosso artigo em resposta à mensagem que recebemos de um leitor sobre a relação, – possível ou não, – entre a fraternidade e comum unidade entre os primeiros cristãos, conforme descrita no Livro de Atos, e as ideias socialistas/comunistas...




A utopia da igualdade

Neste ponto faz-se necessário esclarecer um outro aspecto da questão toda: porque é que afirmamos, ao longo de toda esta nossa explanação, que a proposta de igualdade do comunismo é utópica, isto é, fantasiosa, ilusória, algo que jamais foi realizado no passado (como sabemos) e que nunca será no futuro?

A pergunta pode parecer complexa, mas a resposta é simples: as coisas são assim porque os homens jamais serão iguais, simplesmente porque esta não é a Vontade de Deus.

Muitos encontram dificuldades nesta questão. Mas, sim, é a mais pura verdade teológica apresentada nos Evangelhos e na Sã Doutrina cristã da Igreja de Cristo, desde sempre. O Criador nos fez diferentes, desde o início. Somos diferentes uns dos outros desde o nascimento, e a diversidade talvez seja a maior maravilha da Criação! Não somos fabricados "em série", não somos moldados em fôrmas e nem sequer somos feitos de material genético 100% idêntico. Após décadas de incansável doutrinação marxista, as pessoas de nossos dias andam tão obcecadas pela ideia de "igualdade" que chegam ao ponto de querer igualar a dignidade e os direitos dos seres humanos com os dos animais! Nunca se ouviu tanto dizer que os cachorros são "membros da família", e o pior, não se está afirmando isso figuradamente: muita gente anda realmente igualando seus próprios filhos a cães, em todos os sentidos!

As diferenças na criação são mais do que evidentes, e as diferenças entre pessoas e pessoas são grandes, podendo ser vistas a todo momento e em toda parte. No fundo, todos sabemos e percebemos este fato inquestionável. É o cúmulo da hipocrisia “politicamente correta”, por exemplo, negar que diferentes raças humanas possuem traços genéticos característicos que as definem, e que essas características transcendem os construtos sociais ou a mera cultura adquirida. Poderíamos usar as modalidades esportivas para exemplificar esta óbvia realidade: pessoas negras têm grande e inata facilidade para toda uma gama de esportes, como o atletismo, as corridas e outras. Mas têm dificuldade para a natação (fato estudado por geneticistas respeitados: é por isso que vemos tantos atletas negros em competições de velocidade e resistência, mas praticamente nenhum nas piscinas). Estudos demonstram que o biotipo afro tem o quadril mais proeminente e, geralmente, maior força glútea do que as outras raças (o que facilita em muitos esportes), sendo que, por outro lado, por essa carga, o atleta tem mais atrito e menos flutuabilidade: mais esforço, menos rendimento.

Qualquer um que mencionar o simples fato biológico descrito acima, porém, correrá o risco de ser taxado de "preconceituoso" pela patrulha politicamente correta de plantão.

Já os asiáticos são exímios ginastas olímpicos e, via de regra, possuem aptidão para as lutas, mas não costumam se dar bem em competições de força, que, por sua vez, é uma especialidade dos europeus, e por aí se vai... Mais do que habilidade adquirida, existe uma propensão natural para tanto, uma facilidade física, uma tendência natural, uma aptidão que vem da própria genética, do biotipo, – que por sua vez é dado por Deus a cada um. – E não há nada de ruim nisso, assim como não há nada de errado ou de racista ao reconhecê-lo; pelo contrário, é uma linda arte saber usar e aprimorar ainda mais os nossos talentos individuais, com os quais nascemos.

É claro que poderíamos facilmente extrapolar a dimensão meramente física. Alguns são mais aptos para os estudos e a intelectualidade, outros para a música, outros ainda para outras artes; algumas classes de seres humanos são mais contemplativas, dadas ao silêncio e à quietude, sendo naturalmente disciplinadas, outras são mais expansivas, possuem maior tendência para as relações sociais, etc, etc, etc...

Toda a realidade que mencionamos acima, porém, vai bem além da mera questão racial. Como dissemos, todo e cada ser humano é único, e que tremenda maravilha é isto! Este que vos escreve mesmo, sempre teve facilidade para escrever, desde criança. Mesmo antes de aprender a ler, eu me entretinha por horas a fio com livros e revistas, que preferia aos brinquedos. Aprendi a falar com poucos meses, e a escrever anos antes de ir para a escola; sempre tive habilidade com as palavras. Por outro lado, sempre fui péssimo com a organização; tenho grande dificuldade em administrar o meu tempo, as minhas gavetas, a minha lista de tarefas diárias... Se não fosse minha esposa, não sei o que seria de mim!

Já meu irmão mais velho é completamente diferente: trata-se da pessoa mais organizada e disciplinada que já conheci. E ele sempre foi assim, desde criança. Observe-se bem que, aqui, a diferença não tem tanto a ver com genética, já que somos filhos da mesma mãe e do mesmo pai. Ocorre que nós, seres humanos, somos verdadeiras maravilhas da natureza, individualmente. Cada um de nós é um milagre irrepetível, constituído de um imenso universo de características únicas. Graças a Deus por isso!

Se uns têm talento para as artes, outros para as atividades físicas e outros nascem para exercer a intelectualidade, a sociedade humana precisa de todos nós, cada um com suas habilidades específicas. Alguns de nós são mais fortes, outros mais velozes, outros mais inteligentes, – observando-se neste tópico que existe toda uma gama de inteligências diferentes (lógico-matemática, musical, espacial, emocional, linguística, corporal, interpessoal, intrapessoal, etc) e todas são importantes para o indivíduo e para a coletividade. Sim, é uma verdade inegável: alguns nascem mais aptos intelectualmente, outros fisicamente, e tudo faz parte da maravilha da vida conforme criada por Deus. Não há ofensa em dizer que João é mais inteligente do que José, até porque ser mais inteligente nem sempre é ser melhor. O que diferencia os homens perante Deus é o caráter, a boa vontade, a pureza da alma.



A necessidade da hierarquia

Sempre houve hierarquia no mundo, desde o tempo das tribos errantes, e sempre haverá, porque sem isto reinaria o caos, voltaríamos à pré-Pré-História (embora os homens das cavernas já seguissem um líder); tornaríamo-nos menos até que animais irracionais, já que os bichos também têm as suas hierarquias próprias: o leão mais forte e hábil comanda o bando, o cervo mais rápido conduz os demais, o lobo mais esperto comanda a matilha. Até as formigas, abelhas e vespas têm sua rainha. – Logo, é antes de tudo uma estupidez absoluta e primária pregar a luta de classes, como se a hierarquia fosse algo ruim, como se os mais ricos fossem sempre, necessariamente, os malvados opressores, e os mais pobres fossem sempre os "coitadinhos", as eternas vítimas.

Jesus falava igualmente a todos, ricos e pobres, e tinha bons e próximos amigos ricos. Assentava-se à mesa com justos e pecadores, e também com ricos e pobres. Seu corpo santo, após o Sacrifício salvador, foi resgatado e sepultado dignamente por um homem rico e devoto.

O cristianismo não se opõe à hierarquia nem à existência das classes sociais, muito menos à propriedade privada, muito pelo contrário. No sentido contrário, é a luta contra estas coisas que define o comunismo. Quando perguntaram a Jesus se era justo pagar impostos, deram-lhe a oportunidade perfeita para esclarecer o assunto, de uma vez por todas. Se o cristianismo tivesse alguma coisa a ver com a ideologia comunista, o Senhor teria dito algo como: "Esses impostos são injustos... Vocês estão sendo explorados... Lutem por uma sociedade igualitária... Os romanos são opressores... Vós, da classe trabalhadora, são explorados..."...

Mas o que o Cristo realmente disse? “Dai a César o que é de César” (Mc 12,17). Ele não improvisou um discurso de "libertação" contra a tirania romana nem incentivou a luta armada contra os poderes temporais. Ele fez o oposto disso tudo, e disse também: "e "O meu Reino não é deste mundo" (Jo 18,36), e ainda mais: "Pobres, sempre os tereis" (Jo 12,8). Não há como negar que a pregação de Cristo é o exato oposto de tudo o que propõe o ideário marxista, e para não enxergá-lo é preciso um altíssimo grau de cegueira voluntária!

Além de tudo isto, Jesus Cristo nunca disse que no Reino de Deus todos são ou serão iguais. Ao contrário, Ele nos diz que (atenção) no Céu também há e haverá hierarquia: alguns são maiores e outros menores, assim como João Batista é "o maior entre os nascidos de mulher", porém é "menor que o menor dos habitantes do Céu" (Mt 11,11).

A Sagrada Escritura atesta também que o Arcanjo Miguel é o príncipe das milícias celestes, isto é, ele comanda outros anjos, ocupando um posto hierárquico superior ao de outros anjos ou outras classes de anjos. Neste sentido, a Teologia cristã trata não só da hierarquia dos coros dos anjos como também dos diferentes níveis do próprio Céu (biblicamente são, pelo menos, três Céus). Na parábola do banquete de casamento (Lc 14), o Senhor nos revela que alguns se assentarão mais à frente e mais próximos de Deus, e outros mais atrás, pois a cada um o Criador recompensará segundo suas obras (Rm 2 6).

Em tudo isso vemos que o próprio conceito do comunismo, – a sua ideia central, de igualdade absoluta entre todos os homens, – é contrária ao Plano divino para a sua Criação. Deus não nos fez iguais, e cabe a cada um sua dignidade própria. E ser cristão é, antes de tudo, aceitar a Vontade de Deus. De fato, a negação deste princípio básico constitui, exatamente, a essência do pecado original. Mais do que isso, podemos afirmar sem medo de errar que a essência mesma do comunismo é nada menos que diabólica, e assim o faz a santa Igreja:

Por toda a parte se faz hoje um angustioso apelo às forças morais e espirituais; e com toda a razão, porque o mal que se deve combater é antes de tudo, considerado em sua primeira origem, um mal de natureza espiritual, e desta fonte é que brotam, por uma lógica diabólica, todas as monstruosidades do comunismo.
(Divinis Redemptoris, 77)

Exagero, dirão alguns. Por que tanta cisma, porque tanta aversão ao comunismo? A resposta é elementar: renegar a Vontade de Deus e querer a igualdade foi a primeira tentação de Satanás ao homem: “Sereis iguais a Deus!”. Está aí a tentação primária, original, a quintessência do mal, que nos afasta de Deus. É por isso que todas as vezes em que o regime comunista foi implantado, como resultado, religiosos foram perseguidos, templos foram destruídos, sacerdotes foram massacrados.

O eco da voz da antiga serpente continua ecoando ainda hoje no mundo, com força sempre renovada, pois somos fracos. Queremos ser iguais, não admitimos as diferenças que Deus criou, muito menos as hierárquicas. Não admitimos que alguém saiba mais, possa mais, seja mais ou importe mais do que nós, em qualquer nível. Por isso Caim matou Abel. E quanto mais nos empenhamos em diminuir toda diferença, toda desigualdade, mais próximos estamos do sonho de Satanás de ser igual a Deus, porque no supremo delírio esta é a barreira final a ser derrubada.

Sonhamos com um mundo em que não seremos menores do que ninguém, onde poderemos olhar a todos como iguais. Um mundo onde não haverá pais e filhos, mestres e aprendizes, Criador e criaturas. Um mundo onde não há lugar para Deus. "Imagine que não há Paraíso; é fácil se você tentar; nenhum inferno abaixo de nós e acima de nós apenas o céu", cantou John Lennon. Que não exista nada maior do que eu mesmo, nada acima de mim. Recusamo-nos a reverenciar qualquer um como maior do que nós próprios, porque queremos ser os nossos próprios deuses. Mas esta não é a realidade criada por Deus, esta não é a Vontade divina. Este é o desejo primal do demônio.

Evidentemente, não estamos falando aqui sobre igualdade de oportunidades que a sociedade tem obrigação de dar, aí sim, igualmente, a todo cidadão, sem discriminação de espécie alguma. Não estamos dizendo que uns são superiores e outros inferiores em dignidade. Todo os seres humanos são igualmente dignos e amados por Deus, que saberá julgar a cada um com justiça, não por sua condição social, financeira, racial. Sem dúvida que todos merecem os mesmos direitos, o mesmo respeito e as mesmas oportunidades. Estamos falando, isto sim, de aceitar o óbvio: não somos iguais em sentido absoluto, nunca fomos e não seremos. Graças a Deus por isso!



Sobre o capitalismo, a pobreza e a prosperidade

O post sobre a declaração do cantor “Bono Vox” não elabora (e nem nós o fazemos) uma relação totalmente dependente entre religião e política. O texto não diz (e nem nós dizemos) que o cristianismo não poderia se desenvolver num regime político "A", "B" ou "C", – ainda que a História tenha deixado mais do que claro, como já vimos, que comunismo e cristianismo não se coadunam de maneira nenhuma. O que o texto diz (e aqui sim, concordamos 100% com ele) é que o dito capitalismo (um termo de cunho pejorativo criado por Karl Marx), se humanizado, ainda é o sistema que mais pode fazer pela dignidade do ser humano, pelo fim da pobreza crônica, pela amenização das desigualdades sociais. Tão doutrinados estamos pelo marxismo cultural, nas escolas e pelos veículos de comunicação de massa, que para alguns essa afirmação parece contraditória, mesmo que reflita a mais pura e simples realidade.

Eu e minha esposa trabalhamos por longa data para a Caritas Arquidiocesana de São Paulo, um organismo da Igreja responsável por captar e distribuir recursos, a nível internacional, às populações sofredoras em qualquer parte do mundo. Trabalhamos especificamente no centro de acolhida para refugiados, e pudemos compreender muito bem o caso de alguns dos países mais miseráveis do mundo, como Serra Leoa, Eritreia, Guiné Bissau, etc. Acontece que essas nações recebem todos os anos, sistematicamente, altíssimos volumes em dinheiro (estou falando de muitas centenas de milhões de dólares) dos países mais desenvolvidos, na forma de doações e ajuda humanitária, e esse tipo de ajuda vem aumentando tremendamente na última década (veja aqui).

Qual o resultado desses verdadeiros rios de dinheiro doados? Respondo: concretamente, o fato é que a miséria só aumenta. Observe-se bem que não se trata de opinião pessoal, aqui; estamos citando dados concretos e bem conhecidos (uma breve pesquisa na internet será suficiente para comprová-lo). Dado oficial: nas últimas décadas, aproximadamente 1 trilhão de dólares(!) foram transferidos de países ricos para a África, com resultados concretos iguais a zero1.

Diante de uma realidade tão clara, ver que tanta gente custa a entender o óbvio me leva a crer que há um motivo maior, um propósito divino inexorável que leva o mundo a caminhar para o abismo, porque é assim que tem que ser, ou porque ao príncipe deste mundo foi dado grande poder para produzir o caos. A verdade simples, – óbvia e auto-evidente, – é que o que aquelas pessoas, que vivem em situação de constante sofrimento e humilhação precisam é de desenvolvimento, e não de esmola; sem isso, de nada adiantará repartir as riquezas, porque isso nunca resolverá o problema.

Ainda que todos os países mais desenvolvidos do mundo abrissem mão da metade de tudo o que possuem e doassem o montante para essas nações miseráveis, em pouco tempo, os pobres estariam pobres de novo, e no mesmo intervalo as nações que antes eram mais ricas estariam novamente mais ricas. O que aconteceria é que meia dúzia de ditadores de ideologia socialista iriam se deliciar com a renda extra por alguns anos, até a fonte secar novamente. Nada mais.

Agora citamos, por exemplo (para citar um exemplo bem conhecido), o caso do empresário e apresentador de TV Sílvio Santos (Senor Abravanel): um homem que claramente recebeu um dom muito especial para produzir e administrar altos recursos, alguém que construiu um grande império praticamente a partir do nada, um empresário talentoso que iniciou sua fulgurante carreira como camelô ilegal, vendendo canetas e capinhas de plástico para título de eleitor nas ruas do centro velho de São Paulo (fugindo da fiscalização, muitas vezes perdendo todo seu investimento e recomeçando seu ‘micronegócio’ do zero). Eu estudei a vida deste verdadeiro gênio do empreendedorismo através de entrevistas e do livro de Arlindo Silva (fora de catálogo, pode ser adquirido na Estante Virtual) e posso afirmar que ainda que tirássemos deste homem, – no auge da sua forma, – tudo o que tinha, em pouquíssimo tempo ele estaria rico de novo.

Da mesma maneira, posso dizer que conheço muita gente que caminha no sentido oposto: pessoas pobres as quais, ainda que recebessem uma fortuna, em poucos anos estariam novamente falidas, dependendo da ajuda alheia. Há uma série de estudos, alguns relativamente bem conhecidos (veja aqui), que apontam que pessoas pobres que ganharam fortunas em loterias, ao redor do mundo, depois de algum tempo caíram na miséria de novo.

Não, a solução para a miséria no mundo não tem nada a ver com luta de classes, nem depende de se dividir a riqueza, como muitos ingenuamente ainda acreditam. O velhíssimo ditado continua válido, porque sempre foi verdadeiro: "Ajuda bem mais aquele que ensina a pescar do que aquele que divide o peixe".

_______________
1. GIANINI, Tatiana, "África: a ajuda não ajuda?", Website Planeta Sustentável, seção "Desenvolvimento", Editora Abril, disponível em:
http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/desenvolvimento/filantropia-ajuda-africa-doacao-onu-520647.shtml
Acesso 7/5/014
ofielcatolico.com.br

7 comentários:

  1. A Paz de Jesus e o Amor de Maria!

    No finalzinho do post me lembrei da passagem de Mateus 26,11: "Pobres vós tereis sempre convosco....."

    Abraço! Parabéns pelo Artigo

    ResponderExcluir
  2. muito bom o seu texto parabens irmao um abraço de portugal onde infelizmente a muitos catolicos a votar em partidos marxistas

    ResponderExcluir
  3. Graça e Paz!

    Henrique, foram comentários pertinentes, sem dúvida.
    Creio que o Reino de Cristo não é terreno, mas celestial. E dele somos. O Erro, com 'E' maiúsculo, do Comunismo é ser ateu e crer que pode ser perfeito sem o Altíssimo.
    Um assunto anda me intrigando ultimamente e também tem muito a ver com o Marxismo cultural. É o feminismo, movimento anti-cristão que tem influenciado muito a nossa sociedade. Não me lembro de ter visto um post sobre isso, mas seria interessante.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  4. Artigo lucido, inspirado pelo Divino Espirito Santo! Espero que catolicos leigos e muitos membros do clero reflitam e retirem a trava comunista dos seus olhos.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns! Rico texto, sem dúvida esclarecedor. Mas assim como Cristo disse que "pobres sempre tereis", cegos propositais, também. Que a paz do Senhor esteja conosco.

    ResponderExcluir
  6. Um sacerdote me disse uma vez: "Sabe por que Deus fez as pessoas diferentes? Para que todos precisem de todos."

    ResponderExcluir
  7. "O Erro do comunismo é ser ateu" Ai meu Deus! Leia outra vez o artigo pelo AMOR de Deus!! É por isso q meu filho estuda em colegio católico!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail