Solenidade do Batismo de Nosso Senhor


O TEMPO COMUM é o tempo litúrgico em que os cristãos são chamados a viver o seu Batismo com mais vigor, em meio às "alegrias e esperanças, tristezas e angústias"1 de nossa época, dando um testemunho perene da Providência de Deus. E é por isso que na abertura desse período a Igreja traz o Sacramento do Batismo, porta de entrada para a vida cristã: neste domingo, ao celebrarmos a Solenidade do Batismo de Nosso Senhor, temos também a oportunidade de renovarmos a Graça batismal em nossas vidas.

Como meditamos há poucas semanas, a vinda de Cristo à Terra inaugurou a "Economia Sacramental", isto é, a Ação Salvífica de Deus sobre os homens através dos Sacramentos. Basicamente, essa economia "consiste na comunicação (ou dispensação) dos frutos do Mistério Pascal de Cristo na Celebração da Liturgia 'Sacramental' da Igreja" (Cf. CIC §1076). Nosso bom Jesus nos concede, por mediação de seu Corpo Místico, – a Igreja, – as graças obtidas por sua Paixão, Morte e Ressurreição.

Nos Sacramentos, então, recebemos a Graça santificante. O batismo, por sua vez, age como uma espécie de regeneração. Trata-se de um "nascer de novo" em que o homem morre para o pecado e nasce para a vida eterna. A palavra batismo vem do grego (βαπτισμω) e significa imersão. Desse modo, o batismo é, ao mesmo tempo, um mergulho de morte, – prefigurado no dilúvio, – e um renascer da Água da Vida, no Espírito Santo. Somos trazidos novamente à vida, mas, desta vez, para uma vida centrada no espiritual. É isto que nos deve ser sempre claro.

A vida do homem pode ser dividida em duas: a vida biológica e a vida eterna. A vida eterna deve ser, a partir do Batismo, a que mais nos interessa, exatamente por ser eterna. No Batismo, com efeito, somos regenerados nesta vida; há mais do que um renascimento: há um transbordamento da vida plena e verdadeira.

As Sagradas Escrituras não nos deixam dúvidas acerca desta realidade. O Batismo, de fato, opera um novo nascimento, convidando-nos a viver com Cristo, por Cristo e em Cristo. S. Paulo, em sua Carta aos Colossenses, a esse respeito, diz o seguinte: "Sepultados com Ele no Batismo, com Ele também ressuscitastes por vossa fé no Poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos" (Cf. 2, 12).

Também na Epístola aos Romanos encontra-se um discurso muito semelhante: "Ou ignorais que todos os que fomos batizados em Jesus Cristo, fomos batizados na sua Morte? Fomos, pois, sepultados com Ele na sua Morte pelo Batismo, para que, como Cristo ressurgiu dos mortos pela Glória do Pai, assim nós também vivamos uma vida nova!" (Cf. 6, 3-4). De igual modo, com outras palavras, os santos Padres nos recordam a mesma realidade, comparando a piscina batismal a um sepulcro – onde morre o homem velho – e, ao mesmo tempo, ao útero materno, – de onde nasce o homem novo.

Não seria exagero dizer que a Graça do Batismo é ainda maior que a da própria Criação. Pois se pela criação nascemos para a corrupção, para um dia perecermos, no renascimento do  Batismo nascemos para a incorrupção, para a plenitude no Espírito de Deus, para uma vida que nunca terá fim(!).

Na cena em que o evangelista descreve o Batismo de Jesus, vemos um perfeito reflexo daquele "Espírito de Deus que pairava sobre as águas" (Cf. Gn 1,2). O Espírito Santo desce em forma de Pomba e paira sobre a cabeça do Cristo. – Uma belíssima imagem. – Nela, podemos prefigurar aquela dignidade descrita por Sto. Agostinho em seu comentário sobre o Evangelho de S. João. Diz o santo: "A criação passará, mas a salvação do justo permanecerá para sempre".

O mistério do Batismo, porém, a bem da verdade não pode ser explicado sequer por um grande doutor da Igreja. O que faz Jesus é algo de extremamente admirável, ao qual só podemos contemplar e por Ele dar glórias a Deus Pai, por tamanha generosidade! De meros escravos do diabo, tornamo-nos filhos de Deus, herdeiros de um tesouro nos Céus, templos vivos do Espírito Santo!

Tradicionalmente, a Igreja nos recorda que também nesta data litúrgica podemos renovar nossas promessas batismais, reacendendo em nossas consciências a preciosíssima dignidade de "filhos de Deus" que recebemos. E é espiritualmente edificante refletir sobre o Batismo, que nos dá uma dignidade maior do que qualquer outra: uma criança recém-batizada é como um Sacrário vivo. Exatamente por isso Leônidas, pai de Orígenes, ajoelhou-se perante o próprio filho logo após ser batizado. Estamos falando de uma realidade realmente grande, tremendamente admirável! Nem mesmo o sumo-pontificado deu ao Cardeal Jorge Mario Bergoglio a Graça que ele recebeu no dia de seu Batismo.

Com efeito, diante destes fatos, e tendo em conta o triste contra-testemunho de muitos de nossos irmãos, "quanto nos penaliza que o convite à penitência, à conversão, à oração, não tenha encontrado aquele acolhimento que deveria"2.

É verdade que o Batismo traz também exigências, mas o Prêmio que recebe quem o assume e o vive perfeitamente é infinitamente maior do que qualquer tesouro que possamos ajuntar nesta Terra. Trocá-lo equivaleria a fazer como o Joãozinho da fábula, que diante das seduções do mundo e de uma falsa proposta de liberdade, barganhou sua pepita de ouro por uma pedra de amolar3...

Ora, também nós, se não estivermos atentos, podemos trocar nossa dignidade, nosso verdadeiro Tesouro, pela "pedra de amolar" dos falos prazeres e da falsa liberdade e, finalmente, por um vazio existencial no qual só se pode encontrar o tédio e o desespero. Diante disso, façamos como nos exorta S. Paulo Apóstolo (Cl 3,1): "Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas do Alto, onde Cristo está assentado à Direita de Deus!". Amém!

_______
Referências:
1. Constituição Pastoral Gaudium et Spes, sobre a Igreja no mundo atual, nº 1
2. Ato de confiança e de Consagração à Nossa Senhora de Fátima, nº 2
3. RATZINGER, Joseph. Introdução ao Cristianismo. São Paulo: Editora Herde, 1970, p. 6. Versão Digital

Fonte:
Site Padre Paulo Ricardo, artigo "Solenidade do Batismo de Nosso Senhor Jesus", homilia do 1º Domingo do Tempo Comum, disponível em
http://padrepauloricardo.org/episodios/batismo-do-senhor-mmxiv
Acesso 11/1/014
ofielcatolico.com.br

15 comentários:

  1. Excelente Post!!!

    Tenho uma dúvida, por que batizar as crianças recen-nascidas se Jesus foi batizado aos 30 anos, pois a biblia não nos orienta desta forma.... como foi muito bem apresentado no post, o batismo representa uma decisão do indivíduo para morrer para o pecado e viver para Cristo... do que uma criança pode se arrepender?

    Bem verdade que não somos pecadores depois que pecamos.... nós somente pecamos porque nascemos pecadores, nossa natureza toda (de todos os seres humanos que já pisaram a face da Terra - excessão apenas de Jesus Cristo, gerado não pela semente de Adão, mas pela graça de Deus). O que eu quero dizer com isso? quem já ensinou um filho a mentir? acredito que em sã conciencia ninguem... mas por que eles mentem quando são postos a prova? porque está na natureza do homem (ser humano)...

    Não entendo o sacramento do Batismo para crianças pequenas, meus filhos não foram quando nasceram, desceram sim as águas quando tinham entre 11 e 15 anos cada um, no momento em que haviam decidido realmente viver para Cristo...

    Por que então se tem o costume de batizar os bebes? existe alguma orientação clara na Biblia?

    Abraços,

    Andre Luis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caríssimo Andre Luis, queira acessar o link abaixo para ler o nosso artigo completo sobre o verdadeiro Batismo dos cristãos. Creio que irá dissipar todas as suas dúvidas:

      O Sacramento do Batismo

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Olá,Henrique, boa tarde, muito obrigado pela resposta, gostaria de saber se existe um e-mail no qual eu possa te enviar alguns questionamentos, pois li o post que você sugeriu (quem também não me deixou confortável quanto as argumentações) e gostaria de lhe questionar (ou ao autor do referido post "O Sacramento do Batismo"), mas preferia que não fosse por aqui... como será um debate teológico entre duas visões (Igreja Católica Apostólica Romana e protestante), prefiro faze-lo sem publico...

      Atenciosamente
      Andre Luis

      Excluir
    3. Caro André Luis, desculpe a intervenção, mas, antes de iniciar qualquer debate sobre o nosso Santo Sacramento do Batismo acerca de crianças, o caríssimo deveria expor primeiro (aqui), onde estão as provas bíblicas para os seus questionamentos de que apenas os adultos devem ser batizados.

      Mas antes de qualquer coisa faz-se necessário levar em consideração um trecho bíblico:

      “Jesus fez ainda muitas outras coisas. Se fossem escritas uma por uma, penso que nem o mundo inteiro poderia conter os livros que se deveriam escrever” (São João 21, 25).

      Pax et Bonum!


      Excluir
    4. André Luis, Graça e Paz.

      Bem, a visão protestante do Batismo tem variações. Na minha visão, o batismo infantil é considerado bíblico pois representa a aliança de Deus com o povo, como a circuncisão do antigo testamento. Na circuncisão, as crianças eram incluídas com 8 dias. Além disso, é comum vermos na Bíblia que quando alguém se convertia, todos de sua casa eram batizados, como foi o caso do centurião Cornélio.
      Quanto às formas de batismo, tanto a aspersão quanto a imersão parecem ter respaldo Bíblico, embora a aspersão seja mais coerente. Voltando à antiga aliança, muitos ritos de purificação eram feitos com sangue aspergido, e a própria palavra Batismo tem o sentido de lavar. Além disso, o apóstolo Paulo levantou-se para ser batizado, segundo o texto; batizou-se o carcereiro na prisão ( o que seria muito mais difícil por imersão ) e temos ainda outros exemplos.

      Entendo que não queira ter essas discussões públicas, mas elas são importantes. De qualquer forma, estou aqui para ajudar e crescer em conhecimento junto com todos.

      Obrigado.

      Excluir
    5. Só mais uma coisa, Jesus não foi batizado quando pequeno. É verdade, até porque o batismo não existia! Ele nasceu na antiga aliança, e por isso não foi batizado, mas circuncidado, aos 8 dias de vida.

      Excluir
    6. André Catholicus e Filipe Santos, posso sim colocar minhas argumentações, mas prefiro iniciar o debate sem publico (evita desgastes), caso o Henrique concorde em discutir diretamente comigo...

      Η ειρήνη του Κυρίου για εσάς

      Andre Luis

      Excluir
    7. Andre, você pode escrever para o e-mail ofielcatolico@gmail.com. A resposta pode demorar um pouco.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    8. André Luiz, suas argumentações já foram colocadas e a do Henrique também, se você não as aceita, então porque teimar em querer ir contra?. Só vais fazer perder seu tempo e do Henrique. O Henrique deve estar com muito tempo e paciência para discutir com você a respeito do batismo infantil, já que ele colocou todas as fundamentações bíblicas (Sagradas Escrituras) e tradicionais (Sagrada Tradição) a respeito do batismo infantil, mas se ele quer continuar o debate com você a respeito disto, então ele que faça, eu de minha parte não faria, pois sei que não adiantará de nada, já que ninguém mudará no que você crê e nem você mudará no que nós cremos.

      Anonimo Sidnei.

      Excluir
    9. Caros irmãos fieis católicos, só nos resta rezar e pedir ao Espírito Santo que ilumine como sempre iluminou o nosso querido Henrique, irmão em Cristo Jesus, com sua verve, possa resgatar mais esta alma perdida na sua fé.

      Rezemos!

      Que assim seja!

      Excluir
    10. Caro André Luis, só mais uma intervençãozinha sobre o batismo de crianças.

      Caso lhe interesse, assista ao vídeo aula do curso bíblico ministrado pelo Bispo Auxiliar do Ordinariado Militar do Brasil, Dom José Francisco Falcão de Barros, que consta no link abaixo:

      https://www.youtube.com/watch?v=o0ToxVu7cqQ

      Ou se interessar também, assista um vídeo do programa Em defesa da Fé com o Ex-pastor “evangélico” Paulo Leitão, Dono de uma “igreja evangélica” falida, que fala sobre o Batismo de crianças e por aspersão:

      https://www.youtube.com/watch?v=YHT5ZAccHlc


      Excluir
    11. Digo: Ex-dono de uma "igreja evangélica" falida...

      Excluir
    12. Henrique... perdão pelo tempo que estou te fazendo esperar pelo meu e-mail... estive fora a trabalho e não tive como escrever ainda...Esta semana te coloco minhas argumentações...

      Abraços

      Andre Luis

      Excluir
  2. Qlorias a Deus! excelente post!
    Andre Luis

    ResponderExcluir
  3. É verdade, o batismo nos faz filhos de Deus, moradas de Deus, herdeiros do Céu, membros da igreja, nos dá a graça santificante, etc. Portanto, procuremos viver com amor o nosso santo batismo.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail