O Sacramento do Batismo

Foto tirada durante o Batismo de Valentino Mora, filho de Erica Mora. Aconteceu na Paróquia da Assunção de N. Sª em Córdoba, Espanha. No momento em que Valentino chegou à pia batismal para receber o Sacramento, Erica pediu à fotógrafa Maria Silvana Salles, contratada por outros pais, que tirasse uma foto de seu filho como um favor, já que ela não tinha como pagar (clique sobre a imagem para ampliar).


É FUNDAMENTAL QUE TODO cristão compreenda bem a importância da graça do Batismo em sua vida. Este artigo, claro, não é suficiente para esclarecer completamente toda a riqueza e o valor do maravilhoso Sacramento do Batismo. Serve mais como um convite à reflexão.


O batismo de João e o Batismo cristão


Ninguém pode compreender o Batismo sem pensar na Ressurreição de Jesus. Na madrugada daquele domingo glorioso, o Pai derramou o Espírito Santo, Espírito de Ressurreição, sobre o Filho: seu Corpo e Alma foram ressuscitados. Jesus ficou pleno do Espírito Santo, de modo que sua natureza humana tornou-se gloriosa: Jesus foi manifestado na carne (natureza humana) e justificado (e ressuscitado) pelo Espírito (1Tm 3, 16).

Jesus Cristo, glorificado pelo Espírito Santo, entrou no Cenáculo de Jerusalém e derramou o Espírito da Ressurreição sobre os Apóstolos: “A paz esteja convosco! Recebei o Espírito Santo (Jo 20, 19-22)!” Jesus recebeu do Pai o Espírito Santo prometido, batizou nEle a Igreja e derramou sobre nós este mesmo Espírito (At 2, 32)!

João Batista já havia profetizado: “Eu batizo com água, mas vem aquele que batizará com o Espírito e com Fogo” (Jo 1, 33; Lc 3, 16). O batismo de João, na água, era preparatório para a vinda do Messias: ainda não era o Sacramento do Batismo, não era o Batismo cristão. É o Messias, isto é, o Ungido no Espírito de Ressurreição, quem batizará no Espírito. Cristo mesmo diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim, o Senhor me ungiu” (Lc 4, 18). Os cristãos, portanto, nunca tiveram “batismo nas águas”: o nosso Batismo é no Espírito Santo! Falar em “batismo nas águas” é voltar ao Antigo Testamento; é parar em João Batista e desprezar o Sacramento do Batismo trazido por Cristo!

Foi no Domingo da Páscoa que os Apóstolos tornaram-se realmente cristãos; receberam a vida nova do Ressuscitado, foram transfigurados em Cristo! Aí nasceu a Igreja: na Ressurreição! Aí ela foi batizada e recebeu o poder de batizar: “Como o Pai me enviou, assim eu vos envio (Jo 20, 21)!” Assim, a Igreja deve batizar todo aquele que crê. Isto significa acolher Jesus Ressuscitado nas águas do Batismo. A palavra “batizar” vem do grego e significa, literalmente, mergulhar, imergir. Mas não significa mergulhar na água, e sim a imersão no Espírito Santo de Deus, o Espírito prometido que ressuscitou Jesus! É isso que o Evangelho afirma: “Quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus (Jo 3, 5)”. Observe bem: da água, símbolo e sinal do Espírito, renascer do próprio Espírito!

O mesmo Evangelho confirma: “Jesus, de pé, diz em alta voz: ‘Se alguém tem sede, venha a mim e beba!’ (...) Ele falava do Espírito que deviam receber os que creram nEle...” (Jo 7, 37-39). São Paulo explicou: “De fato, todos nós, judeus ou gregos, escravos ou livres, fomos batizados num único Espírito, para formarmos um único Corpo (1Cor 12, 13).” Os cristãos não batizam somente na água que purifica o corpo, e sim no Espírito que Jesus dá por sua Ressurreição!

Efeitos do Batismo - Primeiro, o Espírito dado no Batismo é para o perdão dos pecados: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome do Senhor Jesus Cristo, para a remissão dos pecados; e recebereis o Dom do Espírito Santo.” (At 2, 38) Aquele que é batizado, recebendo o Espírito, recebe o perdão dos pecados. O Espírito do Ressuscitado é Fogo que queima todo pecado e Água que faz brotar uma vida nova.

O Espírito nos livra, primeiramente, do Pecado Original. Todos nós, desde a nossa concepção, somos membros de uma humanidade pecadora e desarrumada; uma humanidade que, desde o início, teima em fechar-se para Deus. O resultado é o desequilíbrio, o egoísmo, a falta de rumo.

Pelo simples fato de sermos humanos já fazemos parte deste fechamento em relação a Deus. Somos membros da humanidade, partilhamos do seu passado, que condiciona o nosso presente, o que somos, pensamos e fazemos, assim como o nosso presente condiciona o futuro dos nossos filhos. São Paulo diz: “Todos pecaram e estão privados da Glória de Deus” (Rm 3,23). O salmista canta: “Minha mãe já me concebeu pecador” (Sl 51, 5). É este o sentido do Pecado Original: ninguém nasce justo ou santo diante de Deus. Mesmo a criança, ainda sem pecado pessoal, já traz a marca do fechamento para Deus, do egoísmo, e o manifesta nas suas malcriações, no egocentrismo, nas chantagens infantis... É este estado que chamamos de Pecado Original.

É essa força do pecado que o Batismo, na potência do Espírito Santo, apaga em nós: “Não existe mais condenação alguma para os que estão em Cristo Jesus.” (Rm 8, 1) E aos adultos, também os pecados pessoais são perdoados: “Se Cristo está em vós, o corpo está morto pelo pecado, mas o Espírito é vida, pela justiça (Rm 8, 2.10)”. O Batismo torna-nos realmente santos; somos santificados pelo Espírito daquele que destruiu o pecado: Cristo Jesus.

Aí surge uma questão importante: se é assim, por que continuamos caindo em tentação? Por que continuamos pecando, mesmo depois do Batismo? Para entender esta questão, é necessário saber distinguir o que é pecado e o que é a concupiscência.

Sim, mesmo aquele que crê em Jesus, e vive no seu Espírito, ainda experimenta a fraqueza. Isso acontece porque permanece uma tendência, uma inclinação para o pecado. Essa inclinação, segundo a Escritura e o Catecismo da Igreja, é a concupiscência. “O Batismo confere àquele que o recebe a graça da purificação dos pecados. Mas o batizado deve continuar a lutar contra a concupiscência da carne e as cobiças desordenadas (CIC §2520)”. A concupiscência não é pecado em si, desde que o cristão a combata: a doutrina da Igreja esclarece que a concupiscência foi-nos deixada para que possamos “combater o bom combate (2Tm 4, 7)”. Um mal desejo é concupiscência para o pecado, mas o pecado só se concretiza se alimentamos esse desejo ou se o satisfazemos. Por isso Jesus ensina a pedir ao Pai Celestial: “Não nos deixeis cair em tentação”.

E além do perdão dos pecados, o Espírito que recebemos no Batismo nos une, incorporando-nos em Cristo como membros de um só Corpo. Se temos o Espírito de Cristo, somos uma só coisa com Ele: “Aquele que se une ao Senhor, constitui com ele um só Espírito (1 Cor 6, 17)”! Maravilha das maravilhas! Pelo Batismo, a Vida do Ressuscitado, que é o Santo Espírito, habita em nós! Cristo está em nós e nós vivemos dEle e nEle! Assim, podemos dizer que o Batismo nos “cristifica”. Como São Paulo, podemos dizer: “Já não sou eu que vivo, mas Cristo vive em mim.” (Gl 2, 20)


Batismo das crianças na Bíblia?

A Sagrada Escritura cita vários exemplos de pagãos que professaram a fé cristã e que foram batizados "com toda a sua casa". A palavra "casa" ('oikos', no texto original em grego) designava o chefe de família com todos os seus domésticos, inclusive, sem nenhuma dúvida, as crianças:

"Disse-lhes Pedro: 'Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo. A promessa diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos que estão longe: a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar'." (At 2,38-39)
"E uma certa mulher chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia. E, depois que foi batizada, ela e a sua casa, rogou-nos dizendo: 'Se haveis julgado que eu seja fiel ao Senhor, entrai em minha casa, e ficai ali'. E nos constrangeu a isso." (At 16,14-15)
"Tomando-os o carcereiro consigo naquela mesma noite, lavou-lhes os vergões; então logo foi batizado, ele e todos os seus." (At 16,33)
"Crispo, principal da sinagoga, creu no Senhor, com toda a sua casa; e muitos dos coríntios, ouvindo-o, creram e foram batizados." (At 18,8)
"Batizei também a família de Estéfanas; além destes, não sei se batizei algum outro." (1Cor 1,16)

No lugar e período histórico a que os textos sagrados se referem, simplesmente não existiam famílias sem crianças.


Argumentos protestantes e "evangélicos"

Membros de algumas comunidades protestantes (não todas), e "evangélicos" em geral (isto é, pentecostais e neopentecostais) costumam argumentar dizendo que Jesus foi apresentado no Templo quando criança e somente foi batizado na idade adulta, - e que por isso também os cristãos deveriam ser batizados somente quando adultos. - Trata-se de um argumento tão absurdo que é difícil crer que alguém minimamente consciente, de limpa consciência, possa aceitá-lo! Tais pessoas se esquecem de muitas realidades simplesmente óbvias, auto-evidentes.

Em primeiro lugar, o Batismo cristão faz parte do Ministério do próprio Jesus Cristo, que se iniciou aos seus 30 anos. Como é que Jesus poderia ter sido batizado quando criança se o Sacramento do Batismo, naquela ocasião, ainda não havia sido instituído, por Ele mesmo? Ora, o seu Ministério nem havia se iniciado ainda! Quando Jesus veio ao mundo, o cristianismo, - é claro, - ainda não existia. Logo, Ele não foi batizado segundo o costume cristão, simplesmente, porque esse costume ainda não existia.

Os ritos da lei mosaica só deixariam de valer após a Ressurreição do Cristo (cf. Mt 26,61). Por isso é que Jesus foi apresentado no Templo quando criança, pois a lei mosaica ainda valia e o Batismo cristão ainda não existia. Se fôssemos seguir o mesmo raciocínio, de batizar somente na idade adulta porque o Senhor foi batizado adulto, precisaríamos também circuncidar os nossos filhos e observar todos os preceitos da antiga Lei mosaica. Mas o fato é que a circuncisão, que era o sinal da iniciação do judeu na vida religiosa, era praticada nas crianças. - No cristianismo, a circuncisão (sinal da Antiga Aliança), foi substituída pelo Batismo (sinal da Nova e Eterna Aliança). Desta forma, o Batismo também pode e deve ser ministrado às crianças:

"NEle também fostes circuncidados com a circuncisão não feita por mãos no despojar do corpo da carne, a saber, a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados com Ele no Batismo, nEle também ressurgistes pela fé no Poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos." (Col 2,11-12)

Através do Batismo, o Espírito Santo nos dá um novo nascimento, nos regenerando. Por isso as crianças também devem ser batizadas, pois todos nós já nascemos pecadores. Todos são pecadores e carecem da Graça de Deus, em razão do pecado de Adão, inclusive as crianças: "Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram" (Rm 5,12). - "Certamente em iniquidade fui formado, e em pecado me concebeu a minha mãe" (Sl 51,5).

Ainda mais importante, óbvio e claramente dito nas Escrituras: o batismo de João, na água, como já vimos não é o Sacramento do Batismo, e João mesmo reconheceu que o seu batismo era completamente diferente do Batismo que nos daria o Messias, no Espírito Santo. Além de tudo, batizando crianças, a Igreja obedece ao Senhor, que diz: “Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais” (Mt 19, 14).

Outro argumento protestante é que as crianças não podem crer, e que o Batismo deve ser um ato consciente de quem está sendo batizado. Como vimos, porém, o Batismo regenera o homem. Por acaso se um filho de um protestante estiver doente, seu pai vai esperar que ele cresça para escolher se quer ou não tomar o remédio, ou vai lhe dar esse remédio, pelo seu bem, como responsável que é pela criança? Todo bom pai daria logo o remédio, é claro. O mesmo acontece com o Batismo.

"Tu me tiraste do ventre; Tu me preservaste, estando eu ainda aos seios de minha mãe. Sobre Ti fui lançado desde a madre; Tu és o meu Deus desde o ventre de minha mãe." (Sl 22,9-10)

A prática de batizar os filhos vem desde o princípio do cristianismo. Padres da Igreja primitiva, como Santo Irineu (século II), também atestam que desde o tempo dos Apóstolos a Igreja batiza os pequeninos. Se as crianças ainda não têm fé e não podem escolher por si próprias, são batizadas na fé da Igreja, representadas por seus pais e padrinhos.

Como ensina o Apóstolo Paulo, o Batismo é, na Nova e Eterna Aliança, o que foi a circuncisão na Antiga Aliança: ritual de entrada para o Povo de Deus (Cl 2, 11-12). Os judeus eram circuncidados e admitidos como membros do povo de Israel aos oito dias de vida, e ninguém perguntava se eles queriam ou não. Seus pais, por crerem em Deus e amar seus filhos, davam-lhes o maior presente que podiam: a fé! Exatamente o mesmo se dá no Batismo.


Sacramento do Batismo: a Prática

Quem pode ser padrinho ou madrinha do Batismo? Qualquer católico(a) que possa educar na fé aquele que vai ser batizado.

E os que morrem sem Batismo? Deus “quer que todos os homens sejam salvos (1Tm 2, 4).” A Igreja crê que aqueles que, sem culpa, não chegaram a abraçar a fé cristã nem a receber o Batismo, mas tenham vivido retamente de acordo com a sua consciência, podem receber a salvação de Cristo por meios que somente Deus conhece. Quanto às crianças que morrem sem o Batismo, se por um lado já nascem feridas pelo Pecado Original, também já nascem marcadas pela mesma salvação, que Cristo trouxe para todos.

Quem é o ministro do Batismo? É o bispo, padre ou diácono. Em caso de real necessidade, qualquer pessoa, mesmo não batizada, pode batizar, utilizando a fórmula: “Eu te batizo em Nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”. Logo que possível, porém, deve-se levar o batizando à igreja para que um sacerdote celebre os ritos complementares e anote seu nome no livro dos batizados.

O que é necessário para o rito do Batismo? Fundamentalmente, a água. O Batismo pode ser feito por tríplice imersão ou infusão, isto é, derramando-se três vezes água na cabeça da criança e pronunciando-se as palavras rituais. São ritos complementares: o Sinal da Cruz (o batizado pertence a Cristo), a leitura da Palavra, a imposição da mão e a unção do peito (a Força de Cristo toma conta da pessoa, expulsando todo influxo maligno), a renúncia a Satanás, a confissão da fé católica, a unção com o Santo Crisma (o batizado foi ungido, como Cristo, pelo Espírito Santo), a veste branca (glória e imortalidade), a vela acesa (o novo cristão foi iluminado pelo Ressuscitado) e a oração do Pai Nosso, que recorda que o novo cristão agora é filho de Deus e pode, como Jesus, chamá-lo de Pai.

A preparação para o Batismo1 - Os pais cristãos têm obrigação de cuidar para que as crianças sejam batizadas nas primeiras semanas de vida, e toda a comunidade deve oferecer aos pais a oportunidade da preparação para o Batismo dos seus filhos. Essa preparação é um conjunto de iniciativas para oferecer aos pais e padrinhos a correta orientação e a inserção na vida da Igreja. O Batismo incorpora o batizando à comunidade, por isso o ideal é que a preparação e a celebração sejam feitos na paróquia onde os pais ou o próprio batizando (caso adulto) moram ou frequentem.

Os encontros com a comunidade devem ser participativos, fraternos e coerentes com a realidade da pessoa. É importante usar a sensibilidade e adequar o conteúdo aos participantes. A comunidade deve mostrar, através de gestos concretos, a vivência da fé e do amor fraterno. Crianças até sete anos de idade não precisam de preparação, mas acima disso devem ser inseridas na comunidade, assim como os adultos, para que aprendam a importância dos Sacramentos e possam vivenciar Deus de fato.

Em sua vida, até hoje, existiram diversos momentos decisivos e importantes, que são comemorados por você, por sua família e amigos todos os anos: o dia em que você nasceu, o dia em que se casou... São comemorações válidas, sem dúvida. E se essas coisas temporárias, que um dia perderão a importância e o significado, pois pertencem a este mundo passageiro, merecem ser celebradas, imagine então o dia do seu Batismo, dia em que você nasceu para a vida eterna, a vida na Graça Divina, que dura para sempre? O dia em que você foi integrado ao Corpo de Cristo?

Responda rápido: qual a data do seu Batismo? Você procura ir à Missa, ou pelo menos rezar de modo especial, nesse dia? Você reflete sobre o grande dom que Deus lhe ofereceu? Pois é... 

_________________________
Fontes e referência bibliográfica:
1. ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Diretório dos Sacramentos. São Paulo: Paulinas, 1982.

• COSTA, Henrique Soares, Pe. O Sacramento do Batismo, disponível em:
http://www.padrehenrique.com/index.php/sacramentos/batismo. Acesso em: 17 abr. 2012.
• HORTAL, Jesus. Sacramentos da Igreja na sua Dimensão Canônico-Pastoral. São Paulo: Loyola, 2000, pp. 51-80.
ofielcatolico.blogspot.com

62 comentários:

  1. Graça e Paz!

    Apenas algumas contribuições para este tema tão belo.
    Igrejas Protestantes, como a Presbiteriana, batizam sim crianças. Os argumentos para isto são semelhantes aos defendidos neste artigo.
    A palavra em grego para batismo também pode ser usada significando lavar, não apenas mergulhar; o batismo presbiteriano também é por aspersão.
    Teologicamente, claro que há visões diferentes sobre o significado do batismo, mas eu quis ressaltar as semelhanças entre as formas de realização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há uma lista no código canônico da igreja católica com várias igrejas que o batismo é mesmo semelhante ao nosso católico , ortodoxos, anglicanos, presbiterianos , enfim, várias.

      Excluir
  2. Uma dúvida, por favor. Sou católica, graças a Deus, mas preciso de uma ajuda, pois estou tentando me aprofundar um pouco no conhecimento. Na Didaqué, em relação ao Batismo, a instrução diz que o batizado deverá fazer um jejum de dois dias. Isso não contraria o batismo de crianças pequenas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marilei,

      Como você deve saber, a Didaqué é um documento antiquíssimo, que foi produzido ainda no tempo dos Apóstolos (possivelmente pelos próprios), sendo anterior inclusive a alguns livros do Novo Testamento da Bíblia.

      Sendo assim, estamos falando da época da expansão inicial da Igreja, que era pequeníssima mas começava a atrair adeptos de todas as partes do mundo mediterrâneo. Evidentemente, estes primeiros convertidos eram pessoas adultas que aderiam ao Evangelho: a estes é que se prescrevia o jejum.

      Do nascimento da Igreja até a sua consolidação é óbvio que houve um período intermediário, em que não haviam ainda as famílias cristãs, – que por confissão já batizam seus filhos logo ao nascer. – É claro que para haver o batismo de crianças é preciso haver famílias cristãs. Percebe isto?

      O conjunto dos usos e costumes da Igreja foi se estabelecendo aos poucos, no correr da História, pela Igreja que é conduzida pelo Espírito Santo, Igreja que é Casa do Deus Vivo e que é a coluna e o sustentáculo da verdade (1Tm 3,15). O católico que realmente crê nisto não se preocupa em "vigiar" as ações da Igreja, porque sabe que ela é realmente a continuidade da encarnação de Cristo no mundo, e como tal não pode ensinar o erro. Seus filhos erram, porque são humanos: existem traidores no seio da Igreja, sim. Mas a Igreja, propriamente dita, a Noiva de Cristo, esta não se desvia do Caminho e nem ensina nada de errado. Por isso, quando estamos buscando orientações aprofundadas a respeito da fé, muitas vezes melhor do que pedir a opinião do padre "a", "b" ou "c" é recorrer ao Catecismo da Igreja Católica e aos seus documentos oficiais.

      Para concluir, Marilei, acrescento que nós podemos saber com certeza que a Igreja já batizava crianças antes da definição do cânon da Bíblia, isto é, antes de a mesma Igreja definir quais livros haviam sido inspirados pelo Espírito Santo, para servirem como instrução da Igreja, e quais não. Você pode aprender mais a respeito assistindo o vídeo abaixo:

      https://padrepauloricardo.org/episodios/por-que-preciso-batizar-o-meu-filho-quando-crianca

      Abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. O documento conhecido como Didaqué ou Instrução dos Doze Apostolos, foi encontrado no século XVII.
      No primeiros séculos da era cristã, alcançou grande sucesso especialmente no Oriente, onde era tido por alguns como inspirado. Por esta razão, o historiador Euzébio de Cesaréia colocou-o entre os apócrifos. De fato, a obra não contém nada de pregação evangélica ou que lembre a pregação dos apóstolos. É, antes, um compêndio de preceitos morais, de instrução sobre a organização das comunidades, sobre a oração, o jejum, a administração do batismo e a celebração da Eucaristia. A Didaqué não trás nenhuma preocupação com o Credo Universal, nenhuma referencia aos livros do Novo Testamento. Portanto, não revoga o que está escrito nas Sagradas Escrituras, pois, em At 16,15 São Paulo batiza toda a família de Lídia, em At 16,33 São Paulo batiza todos os familiares do carcereiro e em 1Co 1, 16 São Paulo batiza a família de Estéfanes.
      A circuncisão da Antiga Aliança era no oitavo dia do nascido e o Batismo é a circuncisão da Nova e Eterna Aliança.
      Salve Maria!

      Excluir
    3. Graça e Paz.

      Igrejas Evangélicas, como a Presbiteriana, tem o mesmo entendimento sobre o batismo infantil, inclusive utilizando os mesmos argumentos. A maioria, no entanto, pratica o batismo apenas em adultos. Se eu tivesse filho, batizaria recém nascido, consciente da responsabilidade que é criar uma criança no evangelho de Cristo!

      Excluir
    4. Sim, Filipe, por isso eu fiz questão de frisar, no post:

      "Membros de algumas comunidades protestantes (não todas), e "evangélicos" em geral (isto é, pentecostais e neopentecostais)"...

      Abraço fraterno e a Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. Graça e paz!
      Obrigada irmãos! É por isso que sou feliz de pertencer à verdadeira Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

      Excluir
  3. No curso de teologia para leigos foi divulgado que é no batismo que nos tornamos aptos a exercer o sacerdócio comum, quando proferimos orações, bem como nos tornamos aptos a reinar, quando exercemos cargos de liderança nas paroquias, e ainda nos tornamos aptos a profetizar quando damos testemunho e divulgamos a palavra. Jorge werner - Bento Gonçalves - RS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está corretíssimo, Jorge Werner. – Leve um pouco das minhas gigantescas saudades desta belíssima região Sul do Brasil, onde com a Graça de Deus eu vim ao mundo. Sofro agora nesta cruel selva de pedras que leva o nome do Santo Apóstolo Paulo, onde agora falta até a água vital... Se Deus quiser, não por muito tempo.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Abraços de SC pra vc, Henrique.

      Excluir
    3. Suspiro de amores por ti, todos os dias, bela e Santa Catarina... :)

      Excluir
  4. Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro;
    E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.
    Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém. Ora vem, Senhor Jesus.

    Apocalipse 22:18-20

    Neste texto, no 3º parágrafo do ìtem "EFEITOS DO BATISMO" está escrito que todos nascemos no pecado (JUNTAMENTE COM AS REFERÊNCIAS BÍBLICAS PARA TAL FATO): "Pelo simples fato de sermos humanos já fazemos parte deste fechamento em relação a Deus. Somos membros da humanidade, partilhamos do seu passado, que condiciona o nosso presente, o que somos, pensamos e fazemos, assim como o nosso presente condiciona o futuro dos nossos filhos. São Paulo diz: “Todos pecaram e estão privados da Glória de Deus” (Rm 3,23). O salmista canta: “Minha mãe já me concebeu pecador” (Sl 51, 5). É este o sentido do Pecado Original: ninguém nasce justo ou santo diante de Deus. Mesmo a criança, ainda sem pecado pessoal, já traz a marca do fechamento para Deus, do egoísmo, e o manifesta nas suas malcriações, no egocentrismo, nas chantagens infantis... É este estado que chamamos de Pecado Original."

    Mas nesta mesma página, no lado direito, em forma de uma oração, está escrito: "Ó, Maria Santíssima, concebida sem pecado, rogai por nós, que recorremos a vós!"

    Onde está escrito na Bíblia que Maria foi concebida sem pecado?

    Existem religiões para todo tipo de gosto e gênero... mas precisamos estar dispostos a conhecer o Deus da Bíblia através da Bíblia! Jó conhecia Deus de ouvir falar, mas depois de ser provado, ele pôde conhecer Deus por andar com Ele. Ele não conheceu Deus por intermédio, ele provou a comunhão. Quando alguém fala de mim para outra pessoa, ela vai me expor conforme seu ponto de vista, mas quem prefere me conhecer pessoalmente, sem a opinião alheia, vai me conhecer muito melhor, porque vai formar sua opinião direto da fonte. Todos têm Bíblia, mas são poucos que querem conhecer o que está escrito. Muitos se intitulam cristãos, mas desejam passar num concurso público sem estudar... querem agradar a Deus sem saber o que realmente agrada a Deus... todos pensam estar agradando a Deus, sejam católicos, espíritas, evangélicos ou o que quer que seja... mas realmente, como Jesus disse em Mateus 7:21 ¶ Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Todos desejam estar certos, mas sejamos sinceros: o Deus que fez a água e o óleo não se misturarem, que separa o joio do trigo, realmente aceita todas as coisas que ofertamos à Ele?! Lembremos das ofertas de Caim e Abel, os dois queriam ser aceitos, entretanto, apenas um foi aprovado. Pra sabermos se estamos oferecendo de forma certa, somente conhecendo a pessoa que vai receber esta oferta.

    A igreja em Beréia foi exaltada por Paulo, porque eles não só recebiam a Palavra, como examinavam se era verdade mesmo o que estava sendo dito:

    "Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim."

    Atos 17:11

    Deixo essa reflexão, para quem tem fome e sede de Deus, e não de religião. No céu somos todos filhos, e filhos são todos aqueles que fazem a vontade do Pai, independente de rótulo de igrejas. Que o Espírito Santo te motive a ler a Bíblia, pq Ele vai revelar Jesus e gerar Jesus em seu interior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caramba, mais uma chata vindo aqui com luvas de pelica, querendo que nos levar a refletir ao mesmo tempo que quer nos tirar de nossa fé e dizer que a Igreja católica não presta (e não adianta dizer que não é isto que quer dizer, porque nas entre linhas disto tudo que você colocou é isto mesmo). O minha amiga, conhecer DEUS todos conhecemos, não precisa vir aqui dizer um monte de coisas para nós católicos renegarmos a nossa fé que isto não cola. Na verdade queres é que conheçamos a DEUS ao seu modo, ao modo dos protestantes, já que nesta sua cabecinha e de tantos protestante nós católicos não conhecemos a DEUS, mas para sua pretensão ir ao chão, conhecemos sim e muito bem pois não seguimos somente as Sagradas Escrituras para saber quem é DEUS, mas além das Sagradas Escrituras, seguimos também os outros dois pilares deixados por CRISTO e os Santos Apóstolos para conhece-lo, amá-lo, e assim nos salvarmos que são a Sagrada Tradição e o Sagrado Magistério da Igreja, são por estes três pilares: As Sagradas Escrituras, a Sagrada Tradição e o sagrado Magistério da Igrejas que chegamos ao conhecimento de DEUS, é por isto que os o pessoal de Bereia foi ler nas Sagradas Escrituras que o que os Santos Apóstolos falaram estava de acordo com o que estava escrito nas Sagradas Escrituras do A.T., porém se eles não tivessem ido, e tivessem acreditado nas palavras dos Santos Apóstolos, assim como outros que não tiveram a mesma atitude mas mesmo assim confiaram neles, tiveram tanta fé quando o pessoal de Beréia. E quanto a imaculada conceição de Maria, só para deixar uma pouco a par, mesmo não sendo de modo explicito mas explicito Gen. 3,15: "Porei ódio entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a dela. Esta te ferirá a cabeça, e tu ferirás o calcanhar.”"/; Lucas 1, 28: " Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo"

      Anonimo Sidnei.

      Excluir
    2. Juliana, o texto da Sagrada Revelação que você citou apenas diz que não podemos acrescentar ou retirar nada DO QUE ESTÁ ESCRITO NO APOCALIPSE, MAS O TEXTO NÃO FALA DA BÍBLIA E, MESMO QUE FALASSE, ELE NÃO TEM NADA A VER COM OBSERVAR SOMENTE O QUE ESTÁ ESCRITO NAS ESCRITURAS.

      Onde está escrito na Bíblia que NSVM foi concebida sem pecado? Eu é que lhe pergunto: Onde está escrito na Bíblia que só devemos crer no que está escrito nela? Você pode até achar passagens que falem BEM DAS SAGRADAS ESCRITURAS OU QUE NOS MANDEM LÊ-LAS, MAS NÃO QUE DIGAM QUE ELAS SÃO A NOSSA ÚNICA FONTE DE FÉ E PRÁTICA. A doutrina que você está defendendo chama-se Sola Scriptura e surgiu no século XVI, com um herege chamado Martinho Lutero.

      Todos os seres humanos nascem pecadores, mas a Santíssima Virgem, encarregada de receber DEUS EM SEU VENTRE, é imaculada, justamente por causa de sua magnífica missão. E quem disse que só podemos conhecer o Senhor através da Bíblia? Nós temos que conhecer o Deus Verdadeiro através das Sagradas Escrituras, da Sagrada Tradição e do Sagrado Magistério, guardando tudo o que Ele falou seja por escrito, seja pela fala, como nos mandam os apóstolos.

      E nós católicos conhecemos Deus pessoalmente sim senhora, podemos vê-Lo e falar com Ele toda semana (ou mesmo todo dia) na Santa Missa, comungando do Seu Corpo e Sangue como Ele mesmo nos pediu NA BÍBLIA, QUE VOCÊS PROTESTANTES DIZEM SEGUIR.

      Quem disse que nós cremos que Deus aceita qualquer coisa que ofertamos a Ele? Realmente, muitos, como você, dizem estar agradando a Deus, mas estão perdidos na mentira.

      Não há problema nenhum em ler as Escrituras, como os de Bereia faziam. O problema está em ler por si próprio, interpretando-as sem a ajuda da Igreja, que ESCREVEU E CANONIZOU A BÍBLIA e rejeitando a Tradição Apostólica como fonte de fé.

      Quanto às religiões, saiba que Deus deixou uma Religião, que é um conjunto de ritos, crenças e valores em torno da Divindade, para nós seres humanos: o Cristianismo. Quem tem fome e sede de Deus segue a Religião que Ele deixou e a Igreja que Ele criou: a Católica Apostólica Romana. Quem faz a vontade do Pai ama o Corpo de Cristo, que é a Igreja, e não sai em busca de seitas enganadoras. Que o Espírito Santo te motive a ler a Bíblia, a Tradição e o Magistério e receber NSJC em seu interior, na Sagrada Eucaristia, presente na Única Igreja dEle. A paz de NSJC!

      Excluir
    3. Juliana,

      Obrigado pelo interesse e participação. E obrigado por vir aqui tentar salvar as nossas almas do inferno. Tenho que dizer que você está bem equivocada, mas as suas questões implicam numa série de esclarecimentos e explicações, que não caberão adequadamente neste espaço. Sua resposta está sendo elaborada, pois, em forma de post. Por favor, aguarde mais um ou dois dias.

      Agradeço também, de coração, pela colaboração e pelo interesse, prezadíssimos Sidnei e Petrivalianici. Não por acaso, estou exatamente nestes últimos dias produzindo um estudo aprofundado sobre a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, para a próxima edição da revista impressa "O Fiel Católico", pesquisando e escrevendo em detalhes, há três dias, sobre este mesmíssimo assunto que Juliana F coloca.

      Além da heresia da Sola Scriptura, que eu preciso refutar quase todos os dias por aqui, há a questão da Imaculada Conceição da mãe de Nosso Senhor em si, que tem, sim, total embasamento bíblico, embora não se trate de uma verdade de fé explícita, e sim implícita em todo o contexto das Sagradas Escrituras.

      Assim é com toda a doutrina católica, do começo ao fim, que jamais contraria a Escritura, que é um dos seus pilares fundamentais. Apenas não se resume à interpretação humana da Escritura, – que por sua própria natureza é sempre essencialmente subjetiva, imprecisa, temerária.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. O fato de estar pesquisando e produzindo um estudo aprofundado sobre esta mesma disciplina me parece ação da Providência Divina.

      Excluir
    5. Podes elucidar oque falastes no teu comentário, Petrivalianici ? 'Quanto às religiões, saiba que Deus deixou uma Religião, que é um conjunto de ritos, crenças e valores em torno da Divindade,', obrigado. José henrique- Campo Grande (MS)

      Excluir
    6. Mil desculpas, José! O que eu quis dizer foi 'Quanto às religiões, saiba que Deus deixou uma Religião, que é um conjunto de ritos, crenças e valores em torno de uma ou mais divindades', até porque não faria sentido dizer que qualquer religião adora uma única divindade, muito menos "a Divindade" e com d maiúsculo.
      Aliás, eu não me lembro de ter usado as palavras que eu usei naquele comentário, justamente por jamais ter a intenção de escrever algo assim. Obrigado pela observação e a paz de NSJC!

      Excluir
  5. Sinceramente acho que não precisavam responder com tanta agressividade para a Juliana F. que veio participar do site com respeito e dando a opinião dela. Sou católica mas acho que falta muita caridade em muitos sites católicos. O Fiel católico é excelente mas os participantes pecam na parte do diálogo. Não da parte do Henrique, que é acolhedor quase sempre e as vezes também até admiro a paciência dele pq também tem crente que "torra"! kk

    Gi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gi, por torrar tanto é que as vezes perco a paciência, eu sei que a paciência é uma das virtudes dos santo, então como não sou muito paciente, então me falta muito em chegar a santidade, se for admitido no céu, vou ter que ficar um bom tempo no purgatório para me purificar desta falta de paciência com os que nos aporrinham, sobre tudo, destes protestantes que adoram tocar pedras na Igreja Católica e nos ter a todos nós católicos por imbecis.

      Anonimo Sidnei.

      Excluir
    2. Graça e Paz.

      Entendo a irritação de todos por aqui, pelo fato das discussões, aparentemente, ficarem voltando ao ponto de partida vez após vez. Até eu acho isso chato.
      Mas confesso que estou ansioso pelo post. Fui conversar com meu pastor esses dias e citei alguns assuntos, entre eles o nascimento de Maria. Me parece que segundo a Igreja Católica, ela foi plasmada por Deus; gostaria de saber o que isso significa.

      Estou no aguardo!

      Excluir
    3. Eu não respondi com agressividade para ela, apenas refutei os argumentos apresentados com respeito. Perceba, anônima, que eu não a xinguei, julguei, nem nada do tipo. Apenas disse que ela, pregando contra a Igreja, estava na mentira. Como você falou no plural ao citar as respostas, tive que defender a minha forma de responder a Juliana, mas falo por mim. A paz de NSJC!

      Excluir
    4. Sim, Gi, sua pergunta mesmo já contém a resposta... Mal acabamos de encerrar (a custo!) um longo (e infrutífero, como de costume) debate sobre a questão da Sola Scriptura, e logo no dia seguinte já aparece outra pessoa dizendo "Onde é que tá na Bíblia?"...

      Somos imperfeitos, enquanto seres humanos que somos, e a paciência às vezes não dá conta, mesmo. Procuro ser moderado nas palavras e no trato com essas pessoas, que sei que têm quase sempre a melhor das intenções: simplesmente querem salvar-nos do fogo do inferno. Mas não posso controlar tudo o que todos os nossos leitores dizem, nem ser um moderador tão radical a ponto de deletar tudo o que não se enquadre naquelas normas de conduta que consideraria ideais.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. Outro ponto importante e que precisa ser notado é que, nesses debates, muitas vezes o respeito humano precisa ser deixado para segundo plano, em prol da defesa da Verdade, que é e será sempre o mais importante. Assim é que certas respostas e réplicas podem soar um pouco ásperas...

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  6. Filipe nunca ouvi nada da Igreja Católica de que Maria foi plasmada por DEUS, se você ou algum pastor conhecido seu nos trouxesse qual teólogo, padre, santo ou santa da Igreja, e algum Papa que colocaram isto, ficaremos agradecidos.

    Anonimo Sidnei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim podemos notar o quanto há de desinformação sobre a Igreja Católica fora da própria Igreja. Fico feliz que Filipe esteja procurando conhecer a Igreja a partir da própria Igreja, e não do que outros dizem sobre ela, porque, – este é um fato incontestável, – quanta bobagem se diz por aí!

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Como dizia um professor meu: Tá lá!

      §493 Os Padres da tradição oriental chamam a Mãe de Deus "a toda santa" ("Pan-hagia"; pronuncie "pan-haguía"), celebram-na como "imune de toda mancha de pecado, tendo sido plasmada pelo Espírito Santo, e formada como uma nova criatura[a32]". Pela graça de Deus, Maria permaneceu pura de todo pecado pessoal ao longo de toda a sua vida.

      tirei desse site: http://catecismo-az.tripod.com/conteudo/a-z/Maria/mes.html

      Creio ser do catecismo da Igreja Católica.

      Excluir
    3. Pois é, Filipe, você me surpreendeu nesta. Confesso que não decorei ainda as 934 páginas do Catecismo da Igreja Católica, e não me lembrava desta palavra específica, – "plasmada", – que consta no §493; até porque ela realmente não é utilizada comumente na Teologia católica, nem nas pregações e nem nos livros, sejam acadêmicos ou populares.

      Sim, essa palavrinha "plasmar" me intrigou, em princípio, pois pode induzir à ideia de algo como um "ser" diferente em essência, o que contraria a doutrina católica, que diz que Maria é criatura humana.

      Mas, assim como no caso da análise das Sagradas Escrituras, – e assim como em todo e qualquer estudo, – também no estudo do Catecismo é preciso diligência e interesse em avançar além das aparências e das primeiras impressões.

      Neste processo, o primeiríssimo passo é, sempre, procurar compreender bem o significado das palavras. Depois de uma breve pesquisa (pequena porque o tema, evidentemente, não me é estranho), para que não restasse sombra de dúvida, recorri ao meu professor de Teologia particular, que para meu gáudio compartilha do meu local de trabalho, e apenas confirmei o que já sabia, de meus estudos anteriores: o verbo "plasmar", neste caso, significa simplesmente "formar", no sentido de "capacitar" ou, mais propriamente, "preparar". Na realidade, todos nós somos plasmados por Deus, fato este que não constitui novidade alguma. A Virgem, porém, foi preparada de modo especialíssimo para a sua tremenda missão.

      Mas eu não vou estragar a surpresa daquele post grande que está sendo preparado (plasmado) para ser publicado entre hoje e amanhã, exatamente com esta temática específica.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. Fiquei curioso também e fui ver no dicionário o que significa a palavras: plasmar e está lá: "plasmar
      plas.mar
      (baixo-lat plasmare) vtd 1 Modelar em barro, gesso, plastalina etc.: Plasmar um ídolo. vtd 2 Preparar para a modelagem: Plasmar o barro. vpr 3 Formar-se, modelar-se, organizar-se: "...essa privilegiada bacia do Mediterrâneo, onde se plasmou a civilização latina e cristã" (Afrânio Peixoto). http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=plasmar

      Se a palavras plasmar quer dizer, ser modelado em barro (foi isto que entendi do dicionário), devemos lembrar então que todos nós fomos plasmados, haja vista, que como esta escrito no livro de Genesis 2,7: "O Senhor Deus formou, pois, o homem do barro da terra, e inspirou-lhe nas narinas um sopro de vida e o homem se tornou um ser vivente." Portanto, e concordando com o Henrique, não há nada de sobre natural a mais que foi realizado em Maria do que ela ter sido modelada (plasmada) de modo diferente de nós, por ela vir a ser a mãe do Redentor, por DEUS, pela força do ESPIIRITO SANTO, pelos méritos de JESUS CRISTO, antecipados e aplicados nela, para que o pecado não atingisse desde sua concepção e assim ela vir a ser Imaculada desde sua concepção (Imaculada Conceição).

      Anonimo Sidnei.

      Excluir
    5. Henrique, será que alguém decorou 934 páginas?
      Gostaria de ter tanta memória!
      Obrigado pela pesquisa em relação ao tema.
      Se você fala que o post será grande, só imagino... Vou tirar um tempo pra ler com calma.
      Que Deus nos abençoe!

      Excluir
    6. Quando disse "ainda não decorei", claro, foi um eufemismo para dizer que absolutamente não me lembrava desta expressão no Catecismo, embora eu já o tenha estudado longamente.

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    7. Henrique poderia me esclarecer um duvida, a palavra diz que .Jesus disse onde houver dois ou tres reunidos em meu nome ali eu estarei presente, é possível afirmar que jesus esta presente também nos cultos protestantes ou não ?

      Excluir
    8. Salve Maria, Bruno Queiroz!

      Sua resposta ficou longa para este espaço e foi publicada em forma de post. Leia no link abaixo:

      "Onde estiverem dois ou três reunidos em meu Nome"

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    9. Muito obrigado pela resposta que Deus lhe abençoe, a paz de nosso senhor jesus cristo e o amor de maria !

      Excluir
  7. Gostaria apenas de relatar dois casos que ouvi, minha tia sempre contou que meu primo nasceu bem doentinho e os medicos nao descobriram o que ele tinha, começou a receber conselhos para batiza minha tia disse que no mesmo dia mostrou sinais de melhora se tornou um bebê saudável da noite para o dia, uma colega de trabalho me contou algo parecido seu afilhado que também já nasceu bem doentinho sorriu pela primeira vez enquanto era batizado após também se curou totalmente.

    ResponderExcluir
  8. Prezados, bom dia!
    Recentemente venho sendo questionado por pessoas de outras crenças sobre a trindade e o nosso batismo, então gostaria de entender algumas coisas.
    Se o conceito da trindade foi estabelecido somente em 382 d.C no concílio de Constantinopla, como é que Jesus nos orientou a batizar em nome do Pai, Filho e Espírito Santo?
    Alguns estudiosos das escrituras originais afirmam que o texto descrito em Mateus 28, 19, que é a fórmula para o nosso batismo, foi alterada após a introdução da trindade que inclusive é questionada por muitos por não ser algo instituído por Jesus e sim por Tertuliano. Segundo esses estudiosos, os cristãos da Igreja primitiva (primeiros séculos) não batizavam em nome da trindade, mas somente em nome de Jesus Cristo, como consta em algumas passagens, principalmente em Atos. Consideram que o batismo em nome da trindade desconsidera a tradição original.
    Quando busco informação sobre o batismo cristão em sites e livros católicos, a informação que consigo só faz menção a passagem em Mateus, mas não esclarece essas questões.
    Se esse trecho foi realmente alterado como alguns garantes, por que é que batizamos em nome da trindade e não em nome de Jesus Cristo somente? Segundo, por que essa modificação do texto original teria sido feita? Qual era a intenção?
    Busquei informações sobre a definição da trindade e sobre o batismo e encontrei dois sites que me chamaram a atenção:
    http://www.doutrinasbiblicas.com/formulabatismal_t/formulabatismal.htm
    http://www.unitarismobiblico.com/1/?p=383

    Espero que eu consiga mais informações com vocês, até mesmo para poder argumentar com os que vem me questionando.

    Abraço


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tbm tenho essa duvida sobre a fórmula do batismo original, Fernando, inclusive se alguém pudesse explicar essa questão ficaria muito grato...

      Excluir
    2. Fernando se Mateus 28, 19 foi uma adulteração colocada aí para evidenciar a crença na SANTISSIMA TRINDADE, estes "estudiosos", deverão esclarecer: quem, como, quando, porque e aonde que isto aconteceu, ficar somente com suposições de que esta passagem foi uma adulteração somente porque em outras passagens bíblicas se diz que deverá ser batizado em nome de JESUS e não em nome da SANTÍSSIMA TRINDADE, é um argumento muito pobre. Se esta sendo batizado em nome do PAI, do FILHO e do ESPIRITO SANTO, esta sendo batizado em nome de JESUS, segundo a ordem que ELE nos deixou de como sermos batizados. É engraçado como esta gente que não crê na SANTÍSSIMA TRINDADE, vem com estes argumentos pífios que de Mateus 28, 19 foi adulterado, se foi, como pode acontecer isto?, entre tantas traduções que já houveram da Bíblia como a do novo mundo dos Testemunhas de Jeová, que são anti trinitários, porque até eles não retiraram esta passagem então, será que até eles não viram que aí havia uma adulteração ou acrescemo que confirma a fé na SANTÍSSIMA TRINDADE?. E o conceito da SANTÍSSIMA TRINDADE, não foi estabelecido somente em 382 pelo concílio de Constantinopla e nem por Tertuliano, pois a fé neste mistério já vinha desde os cristãos primitivos, provam as outras passagens bíblicas que apontam a divindade de JESUS e do ESPÍRITO SANTO, provam os escritos patrísticos, portanto, estes "estudiosos bíblicos", parecem não estudar nada, e só querem mesmo é criar polemicas em cima da fé alheia tal como Dan Bronw e seu código davince.

      Sidnei.

      Excluir
    3. Ora, só existe uma explicação para tal: As seitas evangélicas adaptam as Sagradas Escrituras aos seus modos, para melhor tirar proveito. Em nada altera a Doutrina da Santa Igreja de Cristo, que é “a coluna e o fundamento da verdade” (1Timóteo 3, 15), sobre a Santíssima Trindade, haja vista, ser amplamente atestada pelas Sagradas Escrituras, pelos primitivos Padres da Igreja (Sagrada Tradição). Logo, se a fórmula usada por Nosso Senhor Jesus Cristo em São Mateus 28, 19, não fez “parte” dos escritos de São Lucas e outros sagrados escritores, nada altera a verdade.

      Agora, só nos resta a pergunta aos “evangélicos”: Quem adulterou Mateus 28, 19?

      Já ouvi absurdos ditos por “evangélicos”, que o capítulo 1º do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo, escrito por São Lucas, teria sido adulterado pela Igreja Católica, no Concilio de Nicéia. Da mesma forma São Mateus 16, 18-19.

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo, que nos diz: “Ide, pois, e ensinai a todas as nações; batizai-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”!
      Amém!

      Excluir
    4. Não há dúvida nenhuma de que a fórmula do Batismo sempre foi esta, Fernando, em Nome da Santíssima Trindade. Não caia nesta esparrela de "acréscimo posterior", nem nas falácias das pessoas que "garantem" isto ou aquilo em termos de reinterpretação escriturística.

      Todos os dias surgem novas teorias e supostas "grandes novidades" que prometem abalar a doutrina de sempre da Igreja de Cristo... Isso já dura dois mil anos e até hoje ninguém conseguiu contrariar absolutamente nada do que a doutrina diz sobre os Livros canônicos.

      Realmente não estou como tempo para aprofundar esta questão, mas o caminho mais simples e mais óbvio para você comprovar que não se trata de acréscimo nenhum é apenas observar o contexto das Sagradas Escrituras como um todo: todo o corpo neotestamentário é claríssimo em demonstrar que Deus é Uno e Trino: que o Pai é Deus, o Filho é Deus e o Santo Espírito é Deus, – um e o mesmo Deus em três Pessoas.

      Por fim, uma advertência: não se entregue a estas elucubrações infrutíferas que lhe põem em risco de perder a fé. Se você crê em Nosso Senhor e na sua Igreja, guarde a fé. Duvidar voluntariamente é pecado grave.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. Quero estudar com vcs sobre a igreja catolica ela me salvar

      Excluir
    6. Fernando, eu tenho algo a acrescentar sobre a Trindade.

      As pessoas neste país têm a péssima mania de raciocinar apenas pelo NOME DOS EVENTOS, sem estudar mais nada do que aconteceu neles.

      O caso da Trindade serve de exemplo. As pessoas que te indagaram pensam assim: "Ah! No Concílio enunciaram o dogma da Trindade. Logo TODO O CONCEITO DE TRINDADE surgiu ali, naquele ano, do nada!"

      Nem preciso dizer que esse tipo de "racioSÍMIO" é absurdo, né?

      Procure estudar (ou indique a quem pensa desse modo) como acontece o DESENVOLVIMENTO DA DOUTRINA. O melhor autor sobre esse assunto é o Cardeal JOHN HENRY NEWMAN em seu Ensaio Sobre o Desenvolvimento da Doutrina.

      O Dave Armstrong é um dos apologistas católicos que mais usam a Bíblia para provar as posições da Igreja. Ele tem VÁRIOS artigos (e um livro que custa apenas DOIS dólares) sobre Desenvolvimento da Doutrina. Confira aqui: http://goo.gl/EOh67T

      Por fim, estude Patrística. Você vai ver que logo nos primeiros séculos depois dos apóstolos já existia o conceito de Trindade. No site Apologistas Católicos (um dos melhores sobre Patrística em português) tem um artigo onde são citados vários cristãos dessa época que já defendiam essa doutrina: http://goo.gl/oefcnv

      Por fim, você tem que entender que uma doutrina legítima não é simplesmente aquela que é mais antiga. Heresias também são antiquíssimas. A doutrina legítima é aquela que não contraria, mas que EXPLICA MELHOR a doutrina deixada por Cristo aos Apóstolos. E isso você só encontra na Igreja Católica.

      Espero que você estude o material que eu te passei.

      Em Cristo, Nosso Senhor.

      Excluir
  9. Creio que o batismo de crianças é e deve ser praticado, mas para evitar o erro da inconsciência deve ser reforçado com outro batismo em idade consciente, até mesmo após os seis anos, dependendo do desenvolvimento da consciência e da razão da criança. shalom Pr. ayrton

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre esta questão de se batizar novamente um cristão, vejamos o que diz a Santa Doutrina da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é Católica, Apostólica e Romana:
      “Havendo dúvida se alguém foi batizado ou se o batismo foi conferido validamente, e a dúvida permanece depois de séria investigação, o batismo lhe seja conferido sob condição” de acordo com o § 1 do Can. 869, do Código de Direito Canônico.
      O católico, uma vez batizado validamente, eternamente batizado permanecerá.
      "Ide, portanto, e fazei que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei" (Mt 28,19-20).
      Para saber mais:
      “Na linha de São Paulo (Apóstolo), a Igreja sempre ensinou que a imensa miséria que oprime os homens e sua inclinação para o mal e para a morte são incompreensíveis, a não ser referindo-se ao pecado de Adão e sem o fato de que este nos transmitiu um pecado que por nascença nos afeta a todos e é "morte da alma". Em razão desta certeza de fé, a Igreja ministra o batismo para a remissão dos pecados mesmo às crianças que não cometeram pecado pessoal”. (CIC § 403)
      “Quando o Batismo das crianças se tornou amplamente a forma habitual da celebração deste sacramento, esta passou a ser um único ato que integra de maneira muito resumida as etapas prévias à iniciação cristã. Por sua própria natureza, o Batismo das crianças exige um catecumenato pós-batismal. Não se trata somente da necessidade de uma instrução posterior ao Batismo, mas do desabrochar necessário da graça batismal no crescimento da pessoa. E o lugar próprio do catecismo”. (CIC § 1231)
      “Hoje em dia, portanto, em todos os ritos latinos e orientais, a iniciação cristã dos adultos começa desde a entrada deles no catecumenato, para atingir seu ponto culminante em “UMA ÚNICA” celebração dos três sacramentos: Batismo, Confirmação e Eucaristia. Nos ritos orientais a iniciação cristã das crianças começa no Batismo, seguido imediatamente pela Confirmação e pela Eucaristia, ao passo que no rito romano ela prossegue durante os anos de catequese, para terminar mais tarde com a Confirmação e a Eucaristia, ápice de sua iniciação cristã”. (CIC § 1233)
      CIC: Catecismo da Igreja Católica

      Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

      Salve Maria, “Mãe do Meu Senhor”! (São Lucas 1, 43)

      Excluir
  10. Muito boa explicação. Gostei muito. Um verdadeiro fiel católico. Precisamos de pessoas assm para q nao entre heresias na nossa santa igreja. Deus abençoe a todos vocês

    ResponderExcluir
  11. Eu descobri este texto depois de ser perguntado por um evangélico sobre o batismo.

    Sobre a questão de aguardar a criança ter discernimento para ESCOLHER A FÉ, um padre que é muito amigo meu disse o seguinte na homilia do dia 27/12/2015: "Qual pai espera o filho decidir se QUER ir à escola? Se QUER ir ao médico? Se não esperamos a criança decidir nessas situações, que tratam do corpo que morre, imagine então quando se trata da alma eterna?"

    Achei genial.

    ResponderExcluir
  12. Não sei nada sobre batismo, vou batizar pela primeira vez, fiquei sabendo que é preciso fazer um curso, gostaria de saber mais informações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ANONIMO (coloca um nome aí!),

      Você nunca foi batizado em nenhuma outra igreja? Pergunto isso porque o batismo de algumas igrejas é reconhecido pela Igreja Católica. Neste caso não é necessário ser batizado de novo.

      O batismo é o sacramento (sinal visível da ação de Deus) do nascimento do cristão. No caso dos adultos, deve-se passar por uma PREPARAÇÃO antes de receber o batismo, a fim de ensiná-lo o básico da nossa fé. Como diz o parágrafo 1248 do Catecismo:

      "1248. O catecumenato, ou formação dos catecúmenos, tem por finalidade permitir a estes, em resposta à iniciativa divina e em união com uma comunidade eclesial, conduzir à maturidade a sua conversão e a sua fé. Trata-se duma «formação e de uma aprendizagem de toda a vida cristã», mediante a qual os discípulos se unem com Cristo seu mestre. Por conseguinte, sejam os catecúmenos convenientemente iniciados no mistério da salvação, na prática dos costumes evangélicos, e, com ritos sagrados a celebrar em tempos sucessivos, sejam introduzidos na vida da fé, da Liturgia e da caridade do povo de Deus»"

      Geralmente os adultos não-batizados recebem os 3 sacramentos da iniciação cristã na mesma ocasião: batismo, Eucaristia e Confirmação (Crisma).

      Cada paróquia tem seu calendário, por isso você precisa entrar em contato com o escritório paroquial e agendar um dia para conversar sobre sua situação.

      Excluir
    2. O caminho para adultos é o Catecumenato. O ideal é procurar a paróquia mais próxima de sua casa e informar-se.

      Normalmente a formação começa nesta época, e termina no Tríduo de Páscoa do próximo ano, com uma bela cerimônia de Batismo e Crisma.

      Excluir
  13. Só uma dúvida:Qual seria o chamado pecado original.

    ResponderExcluir
  14. DORIEDSON,

    Sugiro vc pesquisar suas dúvidas sobre a fé católica no COMPÊNDIO DO CATECISMO, encontrado aqui: http://www.vatican.va/archive/compendium_ccc/documents/archive_2005_compendium-ccc_po.html

    76. O que é o pecado original?

    404
    419

    O pecado original, no qual todos os homens nascem, é o estado de privação da santidade e da justiça originais. É um pecado por nós «contraído» e não «cometido»; é uma condição de nascimento e não um acto pessoal. Por causa da unidade de origem de todos os homens, ele transmite-se aos descendentes de Adão com a natureza humana, «não por imitação mas por propagação». Esta transmissão permanece um mistério que não podemos compreender plenamente.

    ResponderExcluir
  15. Só uma dúvida, por que os católicos fazem uso de bebida alcoólica ? E dizem conhecer Jesus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você conhece Jesus? Que Jesus lhe apresentaram?

      O primeiro milagre do Jesus que eu, católico, conheço, foi tornar água em vinho – uma bebida alcoólica. Além disso, Ele ia a festas, onde havia bebida alcoólica, e se assentava à mesa com os pecadores. Mais ainda, no Sacramento da Eucaristia Ele fez de uma bebida alcoólica seu próprio Sangue, para a nossa salvação.

      Beber uma ou duas taças de vinho, um copo de uísque ou um bom conhaque, ou então uma boa caneca de chope, isso é uma coisa. Embriagar-se e perder a plena consciência da realidade é outra coisa, bem diferente.

      Que Jesus você imagina que conhece?

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  16. Bom dia Henrique, gostaria de esclarecer uma dúvida. No caso das objeções levantadas pelos protestantes em relação ao batismo, como você mencionou, há a necessidade de crer para ser batizado. Uma passagem que elucida essa aparente exigência é Mc 16, 16 onde diz: "Quem crer e for batizado será salvo". Isso não contraria realmente o batismo de crianças?

    A paz de NSJC!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próprio texto já explica isso, anônimo. As crianças são batizadas na fé dos pais, e esta prática já era adotada pelos próprios Apóstolos. Basta que os pais creiam, e por isso mesmo a Bíblia diz que os convertidos eram batizados "com toda a sua casa". A palavra "casa" ('oikos', no texto original em grego) designava o chefe de família com todos os seus domésticos, inclusive, sem nenhuma dúvida, as crianças.

      Mas fique tranquilo: assim que você explicar isso, os protestantes terão novas objeções. Esses debates, em 99,9% dos casos, são totalmente improdutivos, porque não há a humildade nem o desejo sincero de aprender; o que se busca é apenas "ter razão" e "vencer debates". Por isso mesmo o Apóstolo nos advertiu para que evitássemos as vãs disputas.

      “Evita as questões tolas, contendas e debates acerca da Lei, porque são coisas inúteis e vãs.” (Tito 3,9 )

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Henrique sou o Adilson e gostaria de perguntar, com base em sua afirmação, eu sendo chefe da minha familia, decido batizer meus filhos ainda bebês, por acaso eu não estaria tirando o direito de escolha deles, visto que nem o próprio Deus interfere no livre arbitrio, livre escolha das pessoas?

      Excluir
    3. O texto deste artigo já responde à sua pergunta, Adilson. Esta questão é, no nível espiritual, semelhante ao caso do bebê que nasce com uma doença grave. Que pai esperaria até a criança crescer para decidir se quer tomar o remédio ou não? De modo semelhante, todos nós nascemos "doentes" do Pecado original, e o Batismo é o Sacramento que nos confere o Perdão e abre as portas do Céu aos seres humanos.

      Além disso o Batismo, para o cristão, é o sinal da iniciação na vida de Fé, assim como era a circuncisão para os judeus. Ninguém perguntou ao bebê Jesus se ele queria ser circuncidado. Ele foi levado ao Templo, apresentado e circuncidado, assim como todo bebê judeu, porque seus pais queriam compartilhar com seus filhos a maior de todas as dádivas: a Graça divina e a Comunhão com Deus.

      A circuncisão (sinal da Antiga Aliança), foi substituída pelo Batismo (sinal da Nova e Eterna Aliança). Desta forma, o Batismo também pode e deve ser ministrado às crianças.

      Isso é tão claro, teologicamente falando, que a Igreja sempre agiu dessa forma, desde o tempo dos Apóstolos, e o testemunho bíblico o confirma, como mostra o nosso estudo.

      Por outro lado, é claro que a cada um cabe o direito de decidir se vai perseverar na fé dos pais por toda a vida ou escolher um outro caminho. Não é pelo fato de ter sido batizado que aquele ser humano será obrigado a ser cristão pela vida inteira.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  17. ANONIMO (custa colocar qualquer nome, apenas pra ficar mais fácil de responder?),

    Você disse: "Mc 16, 16 onde diz: 'Quem crer e for batizado será salvo'. Isso não contraria realmente o batismo de crianças?"

    Sua pergunta é um exemplo do problema protestante de ler a Bíblia por recortes. Assim, pode-se "provar" qualquer coisa pela Bíblia. É por esse motivo que existem protestantes que não comem carne de porco e guardam o sábado, enquanto outros não fazem isso.

    Veja bem, em **** Jesus diz "deixai vir a mim as criancinhas". Então, usando o método protestante de usar recortes para "provar" doutrina, temos aqui que as crianças podem sim ser salvas por Cristo.

    E agora? A Bíblia entrou em contradição? Qual versículo está certo?

    Os dois, claro! Deus, o autor da Bíblia, não se contradiz. Nós é que erramos, por burrice ou orgulho.

    O único jeito de saber a resposta é encarar a Bíblia por inteiro, à luz da interpretação daqueles primeiros cristãos e de todos os que têm autoridade para interpretar. Essa autoridade é fruto da promessa de Cristo feita em ***: "".

    Leia o que ensina aqueles que têm autoridade para ensinar: Catecismo da Igreja, parágrafos 1213-1284. Em especial este daqui:

    "1254. Em todos os baptizados, crianças ou adultos, a fé deve crescer DEPOIS do Baptismo. É
    por isso que a Igreja celebra todos os anos, na Vigília Pascal, a renovação das promessas do
    Baptismo. A preparação para o Baptismo conduz apenas ao umbral da vida nova. O Baptismo
    é a fonte da vida nova em Cristo, donde jorra toda a vida cristã."

    Assim, podemos comparar o batismo a uma ida ao médico. Seu filho, bebê, odeia ir ao médico. Ele chora, esperneia, não gosta. Mas ele está doente. Você, como pai, prefere fazer a vontade do seu filho (uma criança, que não sabe de nada) ou levá-la ao médico para ser curada?

    ResponderExcluir
  18. Só para complementar, esqueci de colocar as referências bíblicas: é Mateus 19,14 (Jesus e as crianças) e Mateus 18,18 (Jesus dá autoridade aos apóstolos).

    ResponderExcluir
  19. Fui batizada com 28 dias de vida. Graças a Deus! Embora meus pais talvez só o tivessem feito devido a morte prematura de minha primeira irmã ( sou a segunda) e esta não ter sido agraciada com o batismo. Mesmo assim, foi este batismo que me permitiu, cair e levantar muitas vezes, me permitiu se assistida pelo Espírito Santo, me permitiu ouvir a doce voz de Jesus, e me permite conhecer cada vez mais a história da salvação. Parabéns pelo excelente blog.

    ResponderExcluir
  20. Henrique, li o artigo e procurei nos comentários algo que pudesse me ajudar com uma dúvida que tenho a respeito do Batismo mas não encontrei.

    Sei que o Batismo de João e de Nosso Senhor se diferenciam pelo fogo e o Espírito, ou seja, pelo Espírito Santo, mas não compreendo Atos 8,14-17. Poderia me ajudar meu irmão ?

    Um abraço,
    Max

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail