Dom Edmilson Amador Caetano, Bispo de Guarulhos, e a ideologia de gênero

RECEBEMOS DO EXMO. e Revmo. Sr. Bispo Diocesano de Guarulhos, Dom Edmilson Amador Caetano, uma missiva com o conteúdo de seu discuso para a Câmara daquele município, com um pedido de divulgação, o qual prontamente atendemos, agradecendo pela confiança em nosso singelíssimo apostolado. O texto de Dom Caetano é um tocante desabafo, cujo objetivo é nos tornar mais atentos, cada um de nós, cristãos e sociedade em geral, à (extremamente) preocupante situação social e política que vivemos hoje em nosso país e no mundo, com enfoque na questão da famigerada ideologia da gênero. Sege abaixo.


† Dom Edmilson
Amador Caetano
Fui convidado para falar na Audiência pública do último dia 20 de maio (015), na Câmara Municipal de Guarulhos. Antes de (começar a) falar e duas vezes, no início da minha fala, fui interrompido por vaias de um pequeno grupo favorável à inserção da chamada 'ideologia de gênero' no Plano de Educação do nosso município.

Acabei comparando o grupo que só gritava a um bando de cachorros. Não os chamei de cachorros. Mas quando você se encontra diante de cachorros que latem e avançam, não adianta falar, os cachorros não se acalmam. Não queriam me ouvir, então não falei. Entretanto, disponho de outros canais para falar para quem quer ouvir, como a nossa Folha Diocesana. Abaixo, então, o texto do que deveria ter pronunciado na Câmara Municipal.


'Senhoras, Senhores, irmãos e irmãs,

Agradeço a oportunidade de poder falar nesta audiência pública.

Não tenho competência para falar de todos os pontos do PNE. Entretanto, aquilo que nos preocupa enquanto Igreja é a questão da chamada educação sexual. Não tive contato com o argumento próprio para o nosso município, mas como o PNE foi passado à responsabilidade dos Estados e municípios já com o conteúdo que vinha sendo proposto a nível federal, achamos por bem abrir um espaço para a reflexão. Esta audiência pública é uma boa oportunidade.

Primeiramente estou aqui por causa da minha fé em Jesus Cristo e a missão que Ele deixou à sua Igreja. A minha fé não está em contraste com a razão e a ciência. Na fé cristã, acreditamos que Deus criou o homem à sua imagem, homem e mulher. O Criador não tem sexo, mas Deus é Comunhão de Pessoas (a Trindade). Assim, a diferenciação dos sexos é para que o ser humano possa perfazer esta sua vocação de ser imagem de Deus: comunhão de amor.

Uma das formas sublimes deste amor se manifestar, amor este que é espiritual, é na união sexual que não está voltada para si mesma, mas aberta à doação para o outro e aberta à vida que pode ser gerada. Na fé também acredito que esta obra maravilhosa de Deus foi danificada pelo pecado que inverte todas as coisas e é contrário ao amor.

Peço desculpas por usar certas categorias filosóficas que não fazem parte do nosso falar cotidiano. Por causa desta fé acredito que a essência precede a existência. Ser masculino ou feminino é algo essencial, seja do ponto de vista fisiológico, bioquímico e psicológico. Não há como ser neutro. Se aparece na existência algum acidente, ele é posterior à essência. Muda, sim, o concreto da existência, mas é posterior. Em alguns pontos da educação sexual, pretende-se mudar esta ordem, de modo que caberia à pessoa escolher a sua orientação sexual. Por detrás desta configuração existe um aspecto da corrente do existencialismo ateu sartriano que propaga que a existência precede a essência.

Ser masculino ou feminino nos dá uma identidade. Ser masculino ou feminino não difere na dignidade. Como vivenciar o ser masculino ou feminino acarreta consequências morais e éticas. – Grande parte da natureza manifesta esta dupla de identidade de gênero, não como pobreza, mas como riqueza.

Ainda que a chamada ideologia de gênero não trate especifica e exclusivamente da questão da homossexualidade, quero inserir aqui uma breve reflexão. Acredito que nenhum de nós, aqui presente, tenha escolhido a própria orientação sexual. Acredito também que, não somente por questões culturais e sociais, as pessoas com orientação homossexual tenham se sentido angustiadas, mas na vivência da própria existência travaram e travam conflitos consigo mesmas. Este conflito existe exatamente porque não se trata de uma escolha pessoal, mas um ou vários acidentes tornaram assim a situação.

Quero também afirmar que a pessoa humana é muito, muito mais que a sua orientação sexual. Neste sentido é importante educar para a grandeza da dignidade da pessoa humana, que encontra sua plena realização no amor. Amor que significa ser para o outro, não buscando simplesmente a si mesmo. Compreender a orientação sexual como uma situação e não como uma opção ajuda e muito a respeitar o outro e desbaratar tantas atitudes chamadas homofóbicas que tem feito muitas pessoas sofrerem. Acredito que todos estamos concordes em não aceitar a violência contra pessoas.

Peço que o PNE em nosso município saiba encontrar estruturas que eduquem não só para o respeito, mas principalmente para amor-doação. A nossa sexualidade é dom de Deus e o sermos seres sexuados é que nos faz capazes de amar. Educar para virtude da castidade também é importante, pois esta virtude libera o amor de manifestações egoístas. Peço que se tenha cuidado para não reduzir a educação sexual a educação genital. A nossa sexualidade é muito mais que genitalidade.

Obrigado pela atenção.

†Edmilson Amador Caetano, O.Cist.
Bispo diocesano de Guarulhos'"
www.ofielcatolico.com.br

11 comentários:

  1. gostei muito. obbrigada

    ResponderExcluir
  2. Depois que a Irlanda, outrora fora uma país católico, aprovou o casamento gay com uma vitória esmagadora, custa acreditar que daqui em diante tudo que é lei que contrarie as leis divinas serão todas adotadas por todos os países e diante do Salmo 32, 12 que diz: "“Feliz a nação que tem o Senhor por seu Deus, e o povo que ele escolheu para sua herança.”, eu me pergunto, qual a nação que tem ainda DEUS como seu Senhor?.

    Sidnei.

    ResponderExcluir
  3. Um excelente discurso, pena que não deixaram ele fazer.

    ResponderExcluir
  4. Qual é a sua, postando esse vídeo do Orlando Fedeli?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso "público-alvo", por aqui, é constituído de pessoas de boa ou pelo menos média formação, anônimo. Trata-se de gente capaz de compreender as coisas e "filtrar" o que é válido e útil do que não é.

      Assim nos exorta São Paulo Apóstolo: "Examinai todas as coisas, ficai com o que é bom" (1Ts 5,21). Não concordo absolutamente com tudo o que o Prof. Fedeli dizia, mas não tenho dúvidas de que muito pode ser aproveitado de suas palestras e aulas. Mais do que isso, tenho convicção de que seus gritos de alerta são necessários em nossos tempos. Precisamos, sim, de gente indignada, gente que não se conforme, que denuncie abusos, sem medo. Gente que diga em alto e bom som: "não aceitamos que corrompam a Igreja!".

      Falei uma vez com o Prof. Fedeli, e tive a melhor das impressões. Encontrei um combatente valoroso, um homem de princípios morais bem definidos. São virtudes raras em nossos tempos. Belicoso em excesso? Sim. Faltava-lhe caridade? Talvez, ou talvez ele entendesse que a forma mais elevada de caridade é proclamar a Verdade a toda criatura.

      Assim, insisto, não compartilho de todas as suas ideias e nem das suas posturas, mas trata-se de um homem que dizia muitas verdades e sem meios termos, sem concessões "politicamente corretas". Seu discurso nos leva a uma reflexão que hoje é mais do que válida: é necessária.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Olá, Henrique!

      Assistindo o vídeo do professor Fedeli a partir do 3:00 min ele começa a falar sobre a graça santificante e a partir do 3:47 min. pergunta como é que o povo tem certeza que está na graça edificante e depois diz que ninguém tem certeza que está na graça de Deus porque não sabemos se fomos perdoados na confissão, se tivemos arrependimento verdadeiro...

      Confesso que fiquei chocado, pois nunca tinha ouvido ninguém falar isso e a Igreja mesmo diz que o sacramento da confissão é para Deus perdoar as penas de nossos pecados, desde que tenhamos o firme propósito de não pecar mais. O que o professor realmente quis dizer, pois eu não entendi o que ele quis dizer...

      Link do vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=16HHCGQVylc


      Sivaldo

      Excluir
    3. Olá, Sivaldo, Salve Maria!

      Como sabemos, o Sacramento da Confissão só é válido se houver a autêntica contrição, isto é, o arrependimento verdadeiro e o sincero desejo de não voltar a pecar. O arrependimento exigido para que o Sacramento da Confissão ou Penitência seja válido implica, necessariamente, no empenho para o futuro com a firme vontade de não cometer jamais o pecado.

      Infelizmente, parece claro que muitas pessoas confessam os seus pecados de modo "automático", sem arrependimento e sem compreender direito o que significa a penitência, tanto que rapidamente voltam a cair nos mesmos pecados. Essas confissões não são válidas.

      Neste sentido, o alerta feito no vídeo é no sentido de que não devemos ser arrogantes, porque não sabemos se nosso arrependimento foi suficiente, se nossa confissão foi feita como deveria. O católico sempre entendeu como soberba aquela postura dos que se vêem a si mesmos como "salvos", e apontam o dedo contra o próximo, julgando-se muito justos ou "ungidos".

      Isso não quer dizer que você deva ficar preocupado além da conta, temeroso, apreensivo, perder a paz e a confiança. Devemos confiar sobretudo na infinita misericórdia de nosso Deus e Pai, – até porque se formos confiar em nossas próprias forças e méritos, ai de nós!

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. Verdade, Henrique. Devemos confessar sempre com alegria e confiança na Infinita Misericórdia de Deus e pedir a graça de um coração humilde e contrito...

      A Paz de Cristo e Salve Maria Santíssima!

      Sivaldo

      Excluir
  5. Hoje todo mundo quer ter razão. O que concluo que vivemos num mundo muito egoísta. As pessoas confundem um abraço naquele que se comporta diferente de você como um aval ao seu comportamento, o que é uma pena!; 2000 anos de cristianismo e poucos são os que entendem o perdão de Jesus à prostituta.
    Eu concordo totalmente com o que foi dito pelo bispo de Guarulhos. Já que se deve educar a criança para escolher sua própria sexualidade, vistam-na de vestidinho rosa, coloquem brinquinho,etc se for menino. Dê uma bola, vista de calça masculino, comprem as roupinhas do bebê azul, se for menina. Perguntando a uma sobrinha, caso ela tenha um menino, qual a cor da roupinha, como irá ornamentar o quartinho dele, e resposta foi: se for menina será tudo cor de rosa, amarei comprar bonecas para ela, se for menino será a cor azul, e o pai certamente lhe dará uma bola. Mas senhor bispo: a planeta já estar respondendo aos abusos cometidos contra ele, se é da natureza a complementariedade homem X mulher, pode esperar que a resposta virá no futuro, olha não estou aqui nem considerando uma divindade, mas a própria mãe natureza. Claro que a promiscuidade homem mulher também tem respostas desagradáveis.

    ResponderExcluir
  6. Partilho com vocês a feliz e triste notícia ao mesmo tempo. O Bispo de minha diocese será transferido para a diocese de Santo André. Peço suas orações por seu apostolado na junto a Arquidiocese de São Paulo e que o Senhor nos abençoe aqui em Amparo com um Santo Pastor, como foi Dom Pedro Carlos Cipollini.

    MENSAGEM DE SAUDAÇÃO À DIOCESE DE SANTO ANDRÉ

    “Em nome de Je­sus” (Cl 3,17), ve­nho até vo­cês ama­dos ir­mãos e ir­mãs da Di­o­cese de Santo An­dré, para sau­dar a to­dos com um abraço fra­terno. Dirijo-me a to­dos vo­cês, mem­bros desta Igreja que está nos mu­ni­cí­pios de Santo An­dré, São Ber­nardo, São Ca­e­tano, Di­a­dema, Mauá, Ri­bei­rão Pi­res e Rio Grande da Serra. Saúdo to­das as au­to­ri­da­des cons­ti­tuí­das no po­der le­gis­la­tivo, ju­di­ciá­rio e exe­cu­tivo. Dirijo-me fra­ter­nal­mente às pes­soas de boa von­tade, que mesmo não co­mun­gando a fé ca­tó­lica, tra­ba­lham pelo bem do pró­ximo e cons­tru­ção de uma so­ci­e­dade justa e fra­terna.

    Deus sem­pre nos sur­pre­ende, como diz o Papa Fran­cisco. Surpreendeu-me com a no­me­a­ção para ser vosso novo Bispo. Com o co­ra­ção nas mãos quero fa­lar de co­ra­ção a co­ra­ção pois, para vós sou bispo mas con­vosco sou cris­tão que busca cum­prir a mis­são.

    A Di­o­cese de Santo An­dré é que­rida e des­ta­cada na Igreja do Bra­sil por sua his­tó­ria e atu­a­ção em fa­vor do Reino de Deus, na Re­gião Me­tro­po­li­tana da Grande São Paulo, a Re­gião do ABC; Neste lo­cal que é por as­sim di­zer o cen­tro in­dus­trial de nosso País. Saúdo o Sr. Car­deal Ar­ce­bispo e os bis­pos da Pro­vín­cia Ecle­siás­tica de São Paulo e Sub-Regional. São meus ir­mãos que­ri­dos.

    Continua...
    http://www.diocesesa.org.br/mensagem-de-dom-pedro-aos-diocesanos/

    ResponderExcluir
  7. Preciso dar minha colaboração e pedir ajuda para que divulgue.

    Uma informação importante. Discussão sobre a ideologia de gênero (do diabo) nas escolas do Estado de Minas Gerais. Os esquerdumes querem ganhar puxando o tapete, já que no plano federal, por enquanto, eles perderam.

    Divulguem nas redes sociais por favor. Ajudem!

    Assistam: Se a página der erro atualizem umas 2 vezes que funciona....

    http://webtv.cmbh.mg.gov.br/video/?m=168&id=5477

    Graciliano

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail