Por que a ideologia de luta de classes é anticristã


Por Vitor Erni Matias Figueiró

LUTA DE CLASSES; um conceito muito difundido, talvez banalizado, mas inegavelmente popular, mesmo que subjetivamente. É comum que seja assim, não só com este, mas com vários outros conceitos, que ganham conotações diferentes, como uma palavra que ganha diferentes sentidos conforme os anos passam.

Mas não é disso que esse texto irá tratar: aqui veremos como tal conceito é altamente anticristão, e porquê. Não podemos iniciar um texto sobre luta de classes sem antes falar do termo anterior: a ideologia. Por ser um termo deveras espinhoso, explicarei rapidamente as duas definições pos-síveis, coligando-as de modo a facilitar o entendimento.

Primeiro, pode-se defini-la como um conjunto de ideias e doutrinas individuais ou de grupo, algo como uma subcultura; segundo, pode-se defini-la como meio de dominação por meio do convencimento. Arranjando os termos, temos uma subcultura ilusória. Russel Kirk (1918 - 1994) define a ideologia como a secularização da religião, com seus próprios santos, dogmas e rituais, prometendo um paraíso terrestre contanto que se siga sua sistemática doutrina; por tais características, ela atrapalha o juízo humano, direcionando-o a um ponto, mascarando seus defeitos por meio de sofismas; e por manter tal fidelidade ao seu dogma, causa a divergência entre homens. Assim, a ideologia cria o caos.



Posto tal ponto, é possível falar da luta de classes. Tal conceito é cunhado por Karl Marx (1818 - 1883) para nomear o confronto entre “classes” de pessoas, definidas pelo seu “capital acumulado”: há a "burguesia" (dona dos meios de produção) e o "proletariado" (o trabalhador braçal). Para Marx, os trabalhadores estariam influenciados pe-la ideologia burguesa e, para fugir desta alienação, deveriam concorrer na luta ideológica, e então cunhar a revolução.

O próximo passo, então, é responder à pergunta essencial deste artigo: porque a ideologia de luta de classes, ou, porque a ideologia e a luta de classes são anticristãs?

Richard M. Weaver (1910-1963) nos diz que a harmonia entre nações que estão divididas em grupos maiores ou menores não depende da quimérica ideia de igualdade, mas de fraternidade, um conceito muito anterior e que está fortemente arraigado no sentimento dos homens. Não é difícil ver que tal ideia é perfeitamente aplicável, visto que a fraternidade demanda respeito e proteção, como em uma família, onde o irmão mais novo pode exigir que o irmão mais velho cumpra seu dever, através de uma rede de sentimentos. – Muito semelhante à famosa frase de Jesus, “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”; em que amar não é concordar com tudo o que o próximo diz ou faz, pois não implica amar ações, aplica amar o indivíduo substantivamente; e isso não exige qualquer igualdade fora a substância. Ou seja, humano, e nada mais que isso.

Logo de início, vemos que o ensinamento de Cristo atrita com Marx, mas, antes disto, há o atrito com a ideologia; o catolicismo é Religião, não secularização, e não quer ocultar a verdade, mas revelá-la, pregar a igualdade substantiva e não material, o amor fraterno e mútuo entre as pessoas humanas. Um pouco de leitura cristã mostra que o homem possui uma imperfeição intrínseca ao ser; pois, se fosse perfeito, seria Deus, o único Perfeito. Mas, por ser feito à imagem de Deus, ou seja, à imagem do Intelecto infinito, o homem possui intelecto, ou a virtude da razão, o que o diferencia dos animais. Por tais características, o homem pôde desenvolver a Filosofia para buscar a verdade. Por ser imperfeito, porém, o homem não pode conceber um sistema perfeito, e não pode conhecer todas as verdades. Mostrar verdades fundamentais e evitar erros é a função da Revelação, esta que é estudada e corroborada pela Teologia, com o auxílio da Filosofia: a união da ciência de Deus e a ciência do homem.

Querer por meio da ideologia oferecer um sistema que promete a verdade absoluta, pressuposta pela imperfeita razão humana, é em si automaticamente anticristão, com o agravante de causar atrito entre os homens, em oposição à fraternidade proposta pelo cristianismo. Postas as cartas na mesa, a luta de classes é essencialmente anticristã. Mais que tudo, o objetivo deste, além de explicar a divergência entre os termos de forma enxuta, é o convite à leitura. Há muitas ideologias no mundo, e há ideias que são consideradas como se fossem mas não são, outras mascaradas de cristianismo, outras não, outras que o apoiam, outras que querem destruí-lo.
www.ofielcatolico.com.br

5 comentários:

  1. Prezados(as)!

    Encaminho a Campanha da Citizengo para que participem ajudando a cidade de São Paulo para que retire a Ideologia de Gênero de seu PME.
    Deus nos proteja e nos guarde!
    Abraço Fraterno.

    http://www.citizengo.org/pt-pt/24343-vereadores-sao-paulo-digam-nao-ideologia-genero-no-pme?m=5&tcid=13255315

    ResponderExcluir
  2. Não posso concordar que a luta de classe é anticristã, pois como concordar coma exploração do homem pelo homem?
    Quer dizer que Jesus AMAR o ser HUMANO não quer dizer aceitar seu modo de vida, portanto existe claramente duas CLASSES, por isso só já há um corte, são interesses antagônicos!
    Quem quiser ser grande entre vocês, seja o servo de todos. E
    quem quiser ser o primeiro, seja o servo de vocês. O Filho do Homem não veio para ser servido, mas
    para servir e dar a vida pelo resgate de muitos.” (Mt 20,20-28).
    De fato, meus irmãos e irmãs, não existe Jesus sem a cruz. Nem cristão sem Paixão... Jesus teve que
    usar de uma pedagogia muito especial que preparasse os discípulos para o escândalo da cruz!...
    Portanto duas classes aí estão claras uma explorando e outra sendo explorada e infelizmente muitos desses exploradores que usufruem das riquezas que produzimos como classe operária ainda nos chamam de "irmãos"!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miranda, o seu comentário é contraditório, e com respeito permita-me dizer que você parece não compreender bem o que está dizendo.

      Dizer que existem classes no mundo, em todas as sociedades, é uma coisa. Existem, sim, classes de seres humanos, nos grupos que integram as diferentes esferas sociais, culturais e econômicas, e que precisam de algum modo conviver.

      Lembre-se que no regime comunista a diferença entre as classes é ainda mais radical, com os líderes e homens do governo de um lado (dominando o povo e mantendo 'a ordem' com mão de ferro) e o próprio povo, mais oprimido e escravizado do que nunca, de outro.

      Existem diferentes classes em todas as sociedades e culturas, sim. Agora, dizer que luta de classes tem alguma coisa a ver com os Evangelhos, isto é um completo absurdo, que o seu próprio comentário demonstra. Vejamos:

      Você mesmo chama a atenção para o fato de que nos tempos de Cristo haviam senhores e servos, – cuja relação, diga-se de passagem, era muitíssimo mais complicada do que a que existe hoje entre patrões e empregados. – O escravo era visto, simplesmente, como propriedade de outra pessoa, uma realidade que para nós é difícil de compreender em todas as suas implicações.

      Existia, então, a realidade das diferentes classes sociais, de modo muitíssimo mais radical do que aquela que conhecemos. Agora aponte-me, nos Evangelhos ou em qualquer Carta dos Apóstolos, pelo menos uma única passagem que mostre Nosso Senhor incitando a luta entre as classes.

      Mostre-me onde Jesus Cristo disse alguma coisa parecida com isto: "Escravos, levantem-se e lutem contra esse sistema injusto! Revoltem-se contra os exploradores!", ou então: "Companheiros pobres e da classe escrava, ergam-se e confrontem a classe dominante opressora!". Você vê isso nas Escrituras?

      Onde você viu o Salvador do mundo ou qualquer Apóstolo insuflando a revolução?

      Ora, o que Cristo realmente diz é: "Dai a César o que é de César", e "O meu Reino não é deste mundo", e ainda: "Pobres, sempre os tereis".

      Jesus não veio pregar a luta de classes, nem a construção do Reino de Deus neste mundo. Não! A Mensagem de perdão e amor incondicional do Cristo é a própria antítese do discurso cheio de ódio de Karl Marx.

      Essa afinidade que você imagina entre uma coisa e outra simplesmente não existe, e pior do que isso: querer forçar essa interpretação é heresia, porque é a traição do Evangelho.

      Cristianismo e socialismo marxista são ideias e ideais completamente antagônicos, contrários, opostos. Até porque todo o discurso comunista/socialista é intrinsecamente materialista e ateu, limitado às mazelas deste mundo, enquanto que a Palavra do Cristo é transcendente, sublime, divina.

      Por fim, tenha muito cuidado com essa história de "patrões malvados" explorando "coitadinhos" que produzem toda a riqueza. O que existem são pessoas diferentes que recebem (de Deus) dons diferentes. Alguns têm talento e capacidade natural para comandar, gerenciar, gerar riqueza. Outros são talhados para executar. É e sempre foi esta a natureza das coisas; é assim que o mundo funciona. Alguns lideram, outros são liderados, alguns têm certas capacidades, outros não. Uns dão oportunidades a outros, e grandes coisas são feitas em conjunto.

      Existem patrões ruins, injustos, canalhas? Sem dúvida. Existem empregados ruins, preguiçosos, mal agradecidos, que lesam seus empregadores? Sim, sem dúvida. O que podemos e devemos fazer, isto sim, é reivindicar relações humanas mais justas e fraternas, uma partilha mais equilibrada dos bens.

      A melhoria do sistema social não se obtém com luta de classes. Observe a História do mundo e veja que todas as vezes em que essa ideia foi posta em prática os resultados foram trágicos, com assassinatos em massa, fome e sofrimento para todos, menos para os homens do governo, que se tornam rapidamente, – eles próprios, – a classe dominante. Veja o que houve na União Soviética, na República Popular da China, no Vietnã, na Coreia do norte, no Camboja, etc.

      Excluir
    2. Por fim, concluindo meu longo comentário anterior, para sair dessa armadilha herética que a diabólica "'teologia' da libertação" parece ter incutido em sua mente, recomendo a leitura do livro "A Revolução dos Bichos", de George Orwell, que apresenta a mais perfeita descrição do regime socialista/comunista, – e dos frutos da luta de classes, – que um ser humano já foi capaz de elaborar. Você pode baixar o livro gratuitamente no endereço abaixo:

      http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/animaisf.pdf

      Creio que seria proveitoso também assistir com atenção à série de palestras do padre Paulo Ricardo de Azevedo Jr., intitulada "Revolução e Marxismo Cultural", disponível no endereço abaixo:

      https://padrepauloricardo.org/cursos/revolucao-e-marxismo-cultural

      Nosso Senhor o ilumine e guarde

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail