Teoria de gênero? – ou – A sociedade ocidental enlouqueceu de vez?


Pelo Prof. Joathas Belo*, especialmente para O Fiel Católico


A TESE PRINCIPAL da "teoria de gênero" diz: "o gênero é um construto cultural, logo, ele independe do sexo biológico". O que isso quer dizer? "Gênero" é uma palavrinha "mágica" que encobre mais do que revela alguma coisa; significa o papel social masculino ou feminino.

Evidentemente que esse papel é construído, em boa medida, na sociedade, pois ele não vem "pronto", por assim dizer, junto com o sexo biológico. Mas a inferência que se faz a partir do dado verdadeiro da construção cultural dos papéis sociais da masculinidade e da feminilidade, de que tais papéis não têm relação com o sexo biológico, não procede. Isto porque as ideias sobre os papéis sociais dos sexos masculino e feminino nascem precisamente da diferença que, fenomenologicamente, se expressa na fisiologia e na anatomia do varão e da mulher. Tais ideias respondem à pergunta: "como estas diferença e complementaridade biológicas se projetam na vida social?".

Trata-se, portanto, de interpretar o que é ser varão ou mulher, e não de que cada um "decida" se é homem ou mulher (ou, ainda, um terceiro 'gênero' nem masculino, nem feminino, mas “neutro”). Não se "constrói" a masculinidade ou a feminilidade, simplesmente, mas sim o sentido social desta diferença. A perspectiva de gênero sofisma, – ao tomar uma parte (o papel social do sexo) como o todo (o sexo mesmo), – a ponto de alguns teóricos chegarem a negar a própria realidade do sexo biológico (até esta já seria uma interpretação)!

Uma real preocupação com as injustiças ou opressões concretas que se cometem em nome de uma concepção rígida dos papéis sociais masculino e feminino deveria apelar à igual dignidade ontológica das pessoas feminina e masculina, mas nunca a uma condição sexual amorfa, que poderia ser modelada arbitrariamente. Não existe "pessoa humana" em abstrato: toda pessoa é pessoa feminina ou masculina; a condição sexuada é fato inerente ao ser humano.

Negar essa diferença é, sem percebê-lo, recair numa [falsa] postura "espiritualista", segundo a qual o ser humano é sua "alma", como diriam os antigos, ou sua "mente", como se diz hodiernamente. O corpo não teria nada a ver com a identidade da pessoa, mas seria um mero "acidente" ou "instrumento" que o sujeito –cartesiano – poderia usar ao seu bel prazer. A Filosofia clássica afirma que as diferenças psíquicas nascem precisamente das diferenças corpóreas; nesse sentido, a sexualidade não é um atributo meramente corpóreo, mas pessoal (do ser humano inteiro), portanto, também psíquico ou espiritual.



Se a questão fosse meramente teórica, os parágrafos acima encerrariam o assunto. Porém, os “teóricos” do gênero são, na realidade, ideólogos, e a questão não é científica, mas política: é parte de um programa político mais amplo cuja pretensão é destruir a imagem cristã da família, a beleza da complementariedade entre os sexos, a profundidade do amor humano entre homem e mulher, para erigir, em seu lugar, uma “família” fundada exclusivamente no que a teologia cristã chama “concupiscência”, o desejo irracional propalado por Nietzsche e Freud.

Uma ideologia assim deve ser vencida pela força do testemunho de amor das famílias, conjugado à firmeza na recusa de toda e qualquer influência dessas ideias sobre os filhos. Tais ideias são erradas do ponto de vista lógico e são nocivas do ponto de vista moral.

______
* O Prof. JOATHAS BELLO é Mestre em Filosofia pela PUC-RJ e Doutor em Filosofia pela Universidade de Navarra (Espanha), atualmente professor No Seminário da Diocese de Niterói, na faculdade de São Bento e na FAETEC-RJ.
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Isso é um absurdo, é uma afronta à família e aos princípios Cristãos, mês passado fui em uma reunião de pais e professores no colégio do meu filho, e a diretora disse a todos que não teria nenhuma atividade nos dias dos pais e nem das mães devido a ideologia do gênero, disse que hoje as famílias estão modernas e que precisamos nos adaptar as mudanças, porque tinha alunos que tinham dois pais e outro duas mães, falou que o estado e a secretaria de educação foi quem orientou para que assim fosse, meu filho não pode homenagear nem a mim nem a sua mãe por conta dos que são ao contrário, hoje em dia os valores se inverteram ser normal se tornou anormal e ser anormal se tornou normal, eles tem mais direitos do que nós, como disse Arnaldo Jabor Antigamente o homossexualismo era proibido no Brasil. Depois passou a ser tolerado. Hoje é aceito como coisa normal. Eu vou-me embora antes que passe a ser obrigatório. E é verdade estão tentando nos obrigar a aceitar tudo isso, como se eles estivessem certos e nós errados, estão tentando impor isso as nossas crianças e filhos. Lembro que no meu temo sempre havia um bilhete ou um desenho alguma atividade que fazia para levar para a minha mãe, e nos dia dos Pais eu nunca tive um pai presente visto que o meu se mudou para o exterior quando eu nasci, mas isso não me impedia de fazer a atividade e levar a um tio mais próximo para lhe homenagear, isso nunca me atrapalhou. E ela disse mais festa junina não teria mas Pascoa não pode mas, falou que eram festas católicas e que o estado é laico, olha confesso que tenho medo do futuro que não me parece estar muito longe. Que Nosso Jesus Cristo nos proteja nossas famílias e que nossa Senhora as cubra com seu manto sagrado.

    Paz e Bem !

    ResponderExcluir
  2. Caros irmãos fieis católicos
    Assistam a este belo vídeo de um jovem parlamentar gaúcho:
    VITÓRIA!!!! IDEOLOGIA DE GÊNERO É DERRUBADA POR DEPUTADOS!!!

    https://www.youtube.com/watch?v=k6U3saGGRsw&feature=youtu.be

    Paz e bem!

    ResponderExcluir
  3. Texto muito bem escrito. Muito esclarecedor. Parabéns!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail