Terrorismo islâmico – com atentado a bomba – atinge São Paulo


VEZ EM QUANDO alguém nos manda um comentário ou mensagem por e-mail dizendo que não deveríamos atacar a esquerda e/ou nem mesmo usar os termos "direita" e "esquerda" para falar de política neste espaço. Muitos acham inadmissível que, enquanto apostolado católico, nos identifiquemos com a direita em qualquer nível. Para eles, o fiel católico não poderia de modo algum diferenciar esquerda e direita, porque ambas teriam – igualmente – suas qualidades e defeitos, contribuições positivas e prejuízos dados à Pátria.

Em primeiro lugar, é preciso saber que os próprios termos "direita" e "esquerda" são invenção da própria chamada esquerda, com origem na revolução francesa e popularização pelos marxistas. O ideal, portanto, seria não utilizá-los. Além disso, sem dúvida  é preciso sair dessa dicotomia limitante (e lobotimizante) "direita vs. esquerda", que vê o mundo em preto e branco e gera os mais ridículos debates entre antagonistas incapazes de enxergar um palmo adiante do nariz. Ainda além disso, reconhecemos que em diversos momentos as iniciativas da chamada esquerda trouxeram avanços para a sociedade.

Ainda assim, não se pode fechar os olhos ao fato de que os termos "direita" e "esquerda" geralmente se popularizaram e solidificaram, sendo comumente usados pela maioria dos grandes pensadores contemporâneos. Assim sendo, não nos furtamos de usá-los e denunciar aquilo que contraria a fé da Igreja. Quase sempre, tais críticas recaem sobre os adeptos da chamada esquerda – dentro e fora da Igreja. Por conta disto, acontecem questionamentos. Pois bem, via de regra, quando sou questionado por conta desse posicionamento, respondo com perguntas diretas e bem objetivas, tais como:

• Que partidos têm a legalização do aborto no nosso país como meta de governo? Os de direita ou os de esquerda, com o PT à frente?

• São militantes da esquerda ou da direita que promovem o feminismo, mas ao mesmo tempo apoiam irrestritamente ditadores islâmicos machistas, estupradores e espancadores de mulheres, com a desculpa de que "é a cultura deles"?

• A apologia do homossexualismo, e mais recentemente do "pansexualismo", com a promoção de todo tipo de deturpação da sexualidade humana segundo a doutrina da Igreja, é uma prática comum (e característica) da esquerda ou da direita?

• Qual tendência política promove, publicamente e com afinco, deturpações sociais como o femismo (disfarçado ou não de feminismo) e outras semelhantes, em nome da "tolerância" e do respeito à "diversidade"? A direita ou a esquerda?

• Qual tendência política afina-se declaradamente com o ateísmo materialista? A direita ou a esquerda? 

• Qual tendência política é favorável à liberação das drogas? A direita ou a esquerda? 

• Qual partido político vem relativizando a gravidade da própria pedofilia? O PT (saiba mais) e aliados da esquerda ou algum outro alinhado à direita? 

• Políticos progressistas declaradamente anticristãos como Jean Willys, Jandira Fegnali, Lindbergh Farias, Glauber Braga e  muitíssimos outros, integram majoritariamente partidos de direita ou de esquerda?

• O movimento "marcha das vadias" –, cujos adeptos há poucos anos profanaram, acintosamente e das maneiras mais baixas, em praça pública, símbolos religiosos em quantidade, como imagens de Nossa Senhora e crucifixos, que introduziram em seus ânus –, são relacionados com a direita ou a esquerda?

São apenas algumas perguntas. Eu poderia fazer muitíssimas outras, semelhantes. Não há como um verdadeiro cristão não se alinhar mais à direita, politicamente, ainda que a experiência e a História nos mostrem que os extremos devam ser sempre evitados. A verdade é que, mesmo com todos os seus problemas e precisando – ainda e sempre – ser dilapidada pela Sã doutrina de Cristo, a direita respeita o direito à propriedade, às liberdades individuais, à família tradicional e aos próprios valores judaico cristãos. 

Não, a Igreja não tem partido político nem adota ou se coaduna com ideologia de espécie alguma, e nem o nosso apostolado. Todavia sabemos identificar os piores inimigos de Cristo e já conhecemos bem os seus métodos de dissimulação. 

Mais um caso clamoroso, ocorrido ainda antes de ontem, expõe inapelavelmente qual linha de pensamento é verdadeiramente incompatível com o cristianismo. Responda-me o leitor se os autores deste atentado são aliados de algum político ou partido considerado de "direita" ou do socialista PSOL, esquerdista até a medula...

Henrique Sebastião



Ataque terrorista na Avenida Paulista

Por Rose Limeira



SE HÁ UM PAÍS aberto a estrangeiros, esse país é o Brasil! Nossa história é construída a partir de vários povos e várias culturas, dos mais diversos países. Sempre recebemos (muito bem) imigrantes, sendo muitos deles refugiados de países em guerra, haja vista a cidade de São Paulo, cuja população é a mais cosmopolita da América Latina, havendo bairros bem conhecidos por serem povoados, predominantemente, por determinado povo, como é o caso dos italianos do Bexiga, os japoneses da Liberdade, os libaneses, sírios e judeus do Bom retiro, etc, etc.

O Projeto de Lei 2.516/15, aprovado pela Câmara dos deputados e pelo Senado Federal na última quarta-feira (3/5/2017), denominado Lei de Migração, do senador Aloysio Nunes –, conhecido por ter sido motorista do famoso terrorista Carlos Marighella e por sua ligação direta com atentados terroristas e assaltos no período do regime militar –, a partir dessa análise muito objetiva dos fatos simplesmente não faz sentido, uma vez que estrangeiros não são proibidos de virem para o Brasil (bem pelo contrário, quem quer vir para cá já desfruta de toda sorte de facilidades e mesmo incentivos governamentais, como no caso dos haitianos). Por que razão criar tal lei, então? A aprovação se deu às pressas, sem chances de pressão popular, porque trata de escancarar as portas para todos e quaisquer povos (e indivíduos), sem critério algum, e dando-lhes realmente direitos e privilégios que nem os cidadãos nativos possuem. 

No que isso implica? Imagine refugiados vindo da Síria sem nenhuma restrição. Pensou? Sabe aqueles radicais islâmicos que odeiam o Ocidente? Não importará, por exemplo, se cometeram crimes contra a humanidade, pois a lei de migração os protegerá e lhes dará não só o direito de entrarem e permanecerem aqui, mas poderão trazer também suas famílias e amigos, sejam parentes de sangue ou não. No final das contas, nossos governos esquerdistas (falidos em todos os sentidos), que já não contam com a simpatia do eleitorado nativo há tempos, precisarão de eleitores cheios de gratidão para permanecerem no poder, pois os partidários da nova lei querem que todos os estrangeiros tenham também o direito de votar e escolher os nossos governantes (terão iguais direitos aos brasileiros em tudo), fora benefícios que receberão que os próprios brasileiros não têm.

Com o perigo iminente, o movimento "Direita São Paulo", na terça-feira (2/5/2017), foi, exercendo seu direito de livre expressão e com petição protocolada, para a Avenida Paulista cobrar do presidente em exercício que vetasse o projeto aprovado pelo senado. A marcha saiu do prédio da Gazeta e caminhou ao longo da Paulista, até que, na altura da estação Consolação, os manifestantes foram surpreendidos por uma bomba caseira(!) e atacados com socos e pontapés de um grupo de sírios e comparsas. Não fossem a Graça de Deus e a polícia militar, nem se sabe o que seria dos cidadãos brasileiros que integravam essa manifestação. Cerca de seis pessoas se feriram, dentre mulheres, adolescentes e idosos. Chegando a polícia na delegacia, em menos de dez minutos já chegaram pelo menos dez advogados, representantes dos direitos humanos, e, pasmem, intérprete para um dos terroristas que não fala português.

A mídia está tratando o caso como um simples "confronto entre manifestantes", e vitimizando os sírios com o discurso de que a Direita São Paulo é contra os imigrantes. Não se deixe enganar! O chefe do grupinho terrorista é líder do movimento "Palestina para Todos" e sabia exatamente o que estava fazendo. Hasan Zarif é dono do restaurante Al Janiah, no centro de São Paulo, e recebe refugiados (muitos ilegais). Seu restaurante é ponto de encontro para ativistas de esquerda e ele tem ligação com o partido PSOL.



Este é Hassan Zarif, preso portando soco inglês e flagrado em vídeo atirando artefato explosivo. Ele é dono do bar Al Janiah (Rua Rui Barbosa, 269, na Bela Vista). Mais acima, armas brancas que ele portava.

Os terroristas foram enquadrados em doze crimes, mas a defesa deles diz que estavam transitando normalmente na avenida quando os manifestantes radicais os atacaram. É claro que cidadãos caminham amistosamente pelas ruas portando bombas, socos ingleses e martelos, não é? Mas, segundo eles, o DSP (que não portava nenhum tipo de arma) atacou os "pobres transeuntes", porque é uma "extrema direita raivosa". No fim, os agressores foram tratados como vítimas. No Brasil de hoje, ser visto como sendo de “direita” é um crime sem perdão. Os militantes da tolerância e do respeito à diversidade querem ver o mundo inteiro pintado de vermelho.

Um dia anterior à lei ser sancionada, o Brasil teve o primeiro registro de ataque terrorista islâmico. O que acha que virá pela frente, já que o presidente Temer nomeou o muçulmano Hussein Kalout para a secretaria de Assuntos Estratégicos? Pense nisso!


* * *


Os brasileiros dormem em berço esplêndido com relação a essa imediata, concreta e pavorosa ameaça, mas aqueles que querem transformar o Brasil numa sucursal de califado árabe estão bem acordados. Na mesma Avenida Paulista, poucos dias após o ocorrido, houve uma marcha de apoiadores da Lei de Imigração, com manifestantes portando a bandeira do sanguinário Estado Islâmico(!).

Parece mentira, mas infelizmente não é. A ousadia desse pessoal não tem limites. Por fim, nunca é demais lembrar que o Brasil tem hoje 14 milhões de desempregados, e ainda assim quer abrir suas portas para imigrantes virem disputar os raros empregos com os brasileiros. Outro candidato a entrar em massa no país são os venezuelanos, fugindo da catástrofe do chavismo. Em Boa Vista, capital de Roraima, milhares de venezuelanos estão entrando no Brasil. Inclusive centenas de mulheres que estão sendo exploradas e levadas a prostituição para sobreviver. Não se trata de falta de solidariedade com quem precisa, mas de dar prioridade aos problemas do Brasil, que são muitos e urgentes. Brasil em primeiro lugar.


* * *

Abaixo, o vídeo que mostra como o grupo do movimento "Direita São Paulo" se portava com total tranquilidade e absoluta civilidade no momento do atentado, sem nenhuma provocação ou afronta a quem quer que seja; mais abaixo, outro vídeo com os comentários da equipe do canal "Terça Livre".



www.ofielcatolico.com.br

4 comentários:

  1. Meu Deus! Será que ainda dá pra piorar?
    Agora só nos resta rogar a Intervenção Divina, pois
    estamos cercados de servidores de satanás.

    Ó Rainha do Céu e Soberana dos anjos, enviai-nos o exército celeste, para que ao Teu comando, persigam os demônios, combatam todos eles, reprimindo-os de toda audácia, precipitando-os no abismo para sempre.
    Amém!

    ResponderExcluir
  2. O Brasil precisa importar o escol, e não a escória. Nenhum país sério permite a entrada de gente desqualificada em seu território. Os refugiados europeus (e de outros lugares, como também Oriente Médio e Ásia) que foram recebidos no Novo Mundo eram compostos de operários, agricultores, e o mais importante, de intelectuais, doutores, cientistas e afins. Hoje os melhores brasileiros vão para o exterior, enquanto os traidores da pátria escancaram o país para os bárbaros muçulmanos. Nem mesmo a Arábia MALDITA, Qatar, Bharein, Emirados Árabes e nações circunvizinhas que compartem da mesma língua e fé religiosa (a islâmica) recebem esses rapefugees - que são manietados por essas nações que financiam o terrorismo islâmico. Muito pelo contrário, os sheiks importam o escol da Europa, como médicos, engenheiros etc, e não a escória terrorista do Afeganistão, Paquistão, Líbia, Síria, Palestina, Iraque, Irã... Tem até veterinário ocidental que recebe uma fortuna para cuidar dos falcões dos sheiks. O Ocidente está sendo invadido pelos bárbaros da hégira insidiosa, e os políticos que deverim nos representar e proteger, inclusive o nosso clero apostatado, se prostituíram com essas nações pagãs. O Brasil, que já teve degredados qualificados, e que ajudaram o país, hoje recebe muçulmanos terroristas (sic)! É PRECISO RESISTIR CONTRA ESSA ÍMPIA LEI DE IMIGRAÇÃO!

    Que DEUS abençoe e guarde o seu povo da Terra de Santa Cruz! Que Deus nos livre dos pagãos inimigos da Cruz!

    ResponderExcluir
  3. Um dos pilares de sustentação de uma nação é a defesa e sua soberania, mas tal atitude depende de pessoas que amam seu país, o que não se verifica nos dias atuais do nosso Brasil, pelos legisladores que tomados pela ganância, direcionando políticas apenas para se beneficiarem, e não pensando no seu povo, trazem muito sofrimento, NOSSA SENHORA APARECIDA ROGAI POR NÓS!

    ResponderExcluir
  4. Muito triste, mas a nossa soberania está ameaçada, e com apoio de nossos legisladores.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail