'Joana, Relapsa e Santa' – uma breve análise ou 'A igreja dos fariseus contra a Igreja dos santos'

Por Igor Andrade – Fraternidade São Próspero

Um dos livros que mais me impressionou nos últimos tempos.



EM 25 PÁGINAS dessa breve estória, que daria uma excelente peça, Georges Bernanos consegue, como de costume, fazer o leitor experimentar todos os sentimentos da protagonista. Joana está angustiada? O leitor se compadece desta jovem de menos de 20 anos.

Em "Joana, relapsa e santa"*, Bernanos conta um pouco do julgamento inquisitório pelo qual passou a jovem camponesa e guerreira, descrevendo parte da história e parte dos sentimentos que preenchiam aquelas almas. São omitidos alguns detalhes, como a recusa da apelação ao Papa, à qual Santa Joana tinha direito, mas isso é o de menos.

A narrativa está mais voltada a uma crítica à "Igreja dos clérigos e magistrados" e uma verdadeira apologia à "Igreja dos Santos".

Capa do livro (clique)
Bernanos, com invejável maestria, aponta os culpados pelo assassinato da jovem virgem: os membros do alto clero que se venderam aos poderes temporais em troca de honrarias, os covardes que tinham poder e os membros da academia (os professores universitários), em suma, aqueles fariseus que não defendiam o espírito da Lei, mas unicamente sua letra, "o princípio de submissão ao poder estabelecido", diz Georges, "nunca foi devidamente discutido pelos proprietários de benefícios".

Sua crítica, ou melhor, sua denúncia dos culpados que fizeram aquela condenação injusta, reflete a realidade com a qual o próprio autor teve contato, e que existe até os dias de hoje.

Com admirável coragem, Joana estava pronta a "que se fizesse a paz, e, caso não se quisesse fazer a paz, ela estava pronta para o combate". Mas quantos dos cristãos de hoje em dia se negam ao combate e se submetem ao império da mentira? Como é possível que se tenha a audácia de preferir manter um cargo em detrimento da verdade e da luta pela mesma? A injustiça contra uma donzela de 19 anos não foi o suficiente? Que mais querem estes que se dizem cristãos?

A Santa Joaninha dá o exemplo da verdadeira coragem a ser imitada pelos cristãos. Ela confunde seus inimigos com seu espírito pueril. Eles se calam: "Joana acaba de colocar-se em suas mãos e eles não sabem o que fazer. A máquina que foi montada com excesso de zêlo escapa ao controle dos engenheiros".

Aqueles gordos covardes não conseguem fazer outra coisa além de continuar usando seu rubricismo pra condenar Joana por cada movimento, pra condenar Joana por sua simples presença naquele tribunal, digo, teatro.

Muitos daqueles que estão em altos postos na Igreja (me refiro a clérigos e leigos conceituados) "são velhotes apegados às suas casas, a suas mesas, aos seus criados, impacientes para retomar o curso de uma vida pacífica".

Julgam, ainda, que "o Reino do Céu é conquistado como um assento na Academia, tentando não ferir o orgulho de ninguém" e, por isso, condenam a moça que, sozinha, colocara a França nos eixos; a jovem que, sob os nomes de Jesus e Maria, tinha mais peito e mais coragem que aquele covarde com sangue real, que tinha mais audácia que os generais, que conhecia mais as realidades celestes que o próprio clero ou os catedráticos da Sorbonne.

Sim, uma pobre jovem camponesa, com sua armadura, cavalo, bandeira e espada, fez mais por um país que o herdeiro de direito do trono (qualquer semelhança com a família imperial do Brasil não émera coincidência).

Bernanos termina repetindo incansavelmente esta verdade: NOSSA IGREJA É A IGREJA DOS SANTOS. Quem entende isso, entra no coração da Fé Católica!

Que outra igreja mostre seus santos!

Os santos viveram e sofreram como nós, eram tentados como nós! Mas eles amaram a Deus, e nós? "Rito nenhum dispensa de amar".

Um verdadeiro soco no estômago dos "radtrad's", um chute no saco dos acadêmicos "cristãos" (muitos que lideram certos grupos), uma voadora de dois pés nos covardes e um tapa na cara dos clérigos que se valem do poder instituído pra perseguir aqueles que só querem seguir a Cristo e lutar por Ele. É assim que defini este livreto.

Se você estiver em algum dos grupos supracitados, advirto que se sentirá mal lendo isso. Mas se tiver amor a Cristo e à Sua Igreja, provavelmente gostará muito.

______
* BERNANOS, Georges. Joana, relapsa e santa. São Paulo: É Realizações, 2013.
www.ofielcatolico.com.br

4 comentários:

  1. Oh,que bom Leia livro deve ser! Será que é possível te-lo na Internet?

    Alcídio António Tsenane de Africa,Moçambique,Maputo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seria ótimo tê-lo, realmente. Infelizmente, eu não sei se há uma boa tradução na Internet. Obrigado pelo comentário e por sempre nos acompanhar

      Excluir
  2. QUE ARTIGO LINDO. É ASSIM QUE OS NOSSOS CORAÇÕES SÃO CONVERTIDOS! OBRIGADO, IRMÃO! QUE NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS LHE PROTEJA.
    OSCULUM PACIS
    URBANO MEDEIROS - músico/ator em MG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irmão, muito obrigado por sempre estar conosco e pelos comentários. Deus te abençoe e Nossa Senhora cuide de ti sempre! Reze por nós, por favor

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail