Devemos nos dar as mãos na oração do Pai-Nosso, durante a Missa?

Artigo baseado em explicação do Revmo. Pe. Henry Vargas Holguín




RECEBEMOS DE UM LEITOR que se identifica com o nickname "Sociocaritativo Afonsoeiro" a pergunta que reproduzimos abaixo, seguida de nossa resposta. O Bom Deus nos auxilie para que seja útil para muitas almas.

Dar as mãos no pai nosso- esta é a minha duvida devemos ou não fazer? este gesto esta instituído pela Santa Igreja? ou é um besto que vem do protestantismo? alguém me podia esclarecer?

A prática de dar as mãos na hora de rezar o Pai-Nosso vem do mundo protestante. Infelizmente, nos últimos tempos, cada vez mais práticas dos protestantes vêm sendo usadas na Igreja Católica, ao mesmo tempo em que práticas genuinamente católicas vêm caindo em desuso.

Como os protestantes não têm em seu culto a Presença Real de Nosso Senhor Jesus Cristo, isto é, não têm uma comunhão real que os una entre si e com Deus, fazem de gestos simbólicos como o dar as mãos uns aos outros um momento de comunhão na oração comunitária.

Nós, católicos, na santa Missa temos dois momentos de maior importância: a Consagração e a Comunhão. É na Missa que temos a nossa unidade; nela nos unimos a Cristo e em Cristo, por meio do sacerdócio comum dos fiéis. Dar as mãos, no nosso caso, serve apenas para nos distrair dessa comunhão real e infinitamente mais profunda. Católicos unem-se íntima, profunda e espiritualmente na Comunhão, e não dando as mãos.

Não há nada na Instrução Geral do Missal Romano que indique que a prática de dar as mãos deva ser adotada. Na Missa, cada gesto é regulado pela Igreja, e é por isso que existem partes nas quais nos ajoelhamos, outras nas quais nos levantamos, partes nas quais nos sentamos; e não há menção alguma nos documentos que diga que precisamos dar as mãos para rezar o Pai-Nosso.

Portanto, essa prática deveria ser evitada durante a celebração da Missa. Todavia, se alguém quiser fazê-lo, que faça, como exceção à regra, com alguém de sua convivência ou confiança, sem forçar ou constranger ninguém, sem incomodar o outro e sem a intenção de que isso se transforme em uma nova norma litúrgica para todos.

É preciso levar em consideração que nem todo mundo quer segurar a mão do vizinho ou se sinta à vontade com isso, e tentar impor esse gesto, mesmo com toda a boa vontade, pode acabar sendo incômodo e perturbar a concentração necessária à oração, à piedade e ao recolhimento dos quais precisamos para falar com Deus. A santa Missa é, por excelência, a prática de entrar em intimidade com Deus, de ouvir o que Deus nos quer falar e ensinar, e comungar intimamente com Ele de um modo que não é possível por meio de nenhuma outra piedade ou devoção.

Confraternizar com os irmãos pode ser muito bom e agradável, mas isso pode ser feito em inúmeros outros momentos mais próprios. Desperdiçar a chance de viver alguns instantes de profunda Comunhão com Deus para concentrar a nossa atenção no irmão ou irmã ao nosso lado é, no mínimo, um grande desperdício e a perda de uma oportunidade incomensurável em nossa vida de piedade.

* * *

Outra coisa diferente é a oração comunitária fora da Missa. Quando se reza fora da Missa, não há problema algum em segurar a mão de alguém, pelo contrário, isso pode ser um gesto de caridade e carinho fraterno muito belo e até recomendável. Um gesto emotivo e simbólico que pode servir para unir e solidificar a relação de irmãos que devemos ter uns com os outros.

Esta, assim como outras atitudes, é a exaltação de um sentimento de amor, de ternura. Já a nossa participação na santa Missa, como vimos, é algo infinitamente maior e mais elevado, que vai muito além das sensações e sentimentos. O estar em Comunhão com Deus e com os irmãos, na santa Missa, para o fiel católico não consiste tanto em gestos externos, e sim no fato de se estar com o sacramento da Confissão em dia, estar em em estado de Graça e estar, portanto, preparado para a Eucaristia.

Se o gesto de dar as mãos fosse necessário, importante ou conveniente para toda a Igreja, os bispos ou as conferências episcopais já teriam enviado uma petição a Roma, há muito tempo, para que tal prática fosse implantada.



Para finalizar esta reflexão, cabe ainda uma outra observação: algo que também se vê muito quando se reza o Pai-Nosso, na chamada "missa nova", é que as pessoas levantam as mãos, assim como o padre faz (ou deve fazer), e isso tampouco é correto, pois não cabe aos leigos, durante a Missa, fazer as orações ou os gestos reservados ao sacerdote, confundindo o sacerdócio comum dos fiéis com o sacerdócio ministerial.

Só os padres estendem as mãos; é melhor que os fiéis permaneçam como estão ou rezem com as mãos unidas, pois a fé interior é o que Deus vê. Os gestos externos do padre na santa Missa existem para que os fiéis vejam que o sacerdote é o homem designado do meio da comunidade, que intercede de modo especial por eles.

Estender os braços na oração já era habitual na Igreja primitiva, mas no contexto de um círculo de oração, na oração privada ou em outro encontro não litúrgico. Os gestos na Missa são precisos, tanto para o padre quanto para os fiéis; cada um faz a sua parte e os fiéis não devem copiar os gestos do sacerdote. Os gestos dos fiéis na Missa são suas respostas e suas posturas.

Se alguém perguntar se fazer isso é pecado, a resposta é não: certamente não há pecado em segurar a mão de alguém ao rezar ou erguer as mãos durante a oração. Apenas não é a postura ideal nem a mais correta dos fiéis na sagrada liturgia. Fiéis católicos, como filhos amados de Deus, procuram sempre ser bons filhos, o melhor que puderem e tanto quanto puderem, em todos os detalhes: seja na liturgia, nas devoções particulares ou no cotidiano de suas vidas.

___
Ref.:
HOLGUIN, Henry Vargas. Pai-Nosso na missa: de mãos dadas?, disp. em:

https://pt.aleteia.org/2014/12/29/pai-nosso-na-missa-de-maos-dadas/
Acesso 30/9/2017
www.ofielcatolico.com.br

8 comentários:

  1. Eu entendo que não se deva dar as mãos durante o pai nosso (inclusive me sinto incomodado qdo tentam me dar a mão).

    Mas e a questão do costume local? Não seria o suficiente para que tal prática fosse aceita como normal?

    ResponderExcluir
  2. Na minha igreja eles faziam isso.
    Agora já não fazem mais.
    Igualmente na hora da Oração da Paz, antes nos dávamos as mãos em confraternização,mas agora isso foi abolido.
    Antes também,na hora da oração Por Cristo,Com Cristo E Em Cristo... os fiéis rezavam juntamente com o padre, agora de uns tempos pra cá, tiraram isso também.
    Sinceramente eu achei bem melhor.
    Eu não gostava muito de dar as mãos na hora da missa mesmo rsrs

    ResponderExcluir
  3. Aqui na Paróquia da minha cidade, o gesto de dar as mãos é muito incentivado pelos membros da RCC. Com a chegada dos padres novos perdeu-se um pouco do costume, mas quase todos levantam as mãos para a oração do Pai Nosso. Não levanto minhas mãos. Quando o diácono nos incentiva a dar as mãos, pra não ofender ninguém com recusas, me ajoelho rapidamente e rezo. A oração da paz, aqui foi proibida pelo bispo de ser rezada em voz alta pelos fiéis, no entanto um antigo padre nos incentivava a fazer o contrário... agora isso acabou... Graças a Deus!

    ResponderExcluir
  4. Tudo o que se deve fazer esta prescrito no igmr e nada mais do que isso.

    ResponderExcluir
  5. Sinceramente acredito que há assuntos muito mais revelantes a serem debatidos, vivemos em mundo cada vez mais secular e utilitarista, há uma clara degradação de valores. Acredito que rezar o Pai de Nosso de mãos dadas ou não é uma idiossincrasia de cada comunidade, creio que essa questão não passa de platitude, excesso de formalismo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito pelo contrário, esse momento sublime da missa onde você se declara fiel, a Glória do Deus Vivo, você está dizendo isso diretamente a Ele no altar

      Excluir
  6. Diz Bento XVI em recente texto:

    " Benedicto asegura que un malentendido generalizado de la reforma litúrgica llevó al hombre a colocar «su propia actividad y creatividad en el centro del culto».

    Añade que la Iglesia vive de la «correcta celebración de la liturgia», porque si la preeminencia de Dios ya no es evidente en la liturgia y en la vida, entonces la misma Iglesia «está en peligro»."

    http://infocatolica.com/?t=noticia&cod=30602

    ResponderExcluir
  7. SINCERAMENTE EU ACHO UM HORROR ESTE MODISMO PROTESTANTE SE INFILTRANDO CADA VEZ MAIS NO SEIO DO CATOLICISMO!!!!!!!!!
    DEMÉRITOS.
    Ass.: Maestro Urbano Medeiros - Minas Gerais

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail