Você não vai ver na Globo: pesquisadores da Associação Americana de Psicologia reconhecem: 'a orientação sexual é fluida e não imutável'


UMA DAS PRINCIPAIS pesquisadoras da Associação Americana de Psicologia (APA, na sigla em inglês), e que é também uma importante ativista lésbica nos EUA  e no mundo, Dra. Lisa Diamond, reconheceu que pessoas gays "não nascem desse jeito".

Dra. Lisa Diamond
Diamond é co-editora-chefe do "The APA Handbook of Sexuality and Psychology" (Manual de Sexualidade e Psicologia da APA) e é considerada um dos mais respeitados membros dessa Associação. Ela define que "a orientação sexual é fluida e não imutável". A mesma doutora declara –, em capítulo do referido Manual (veja), em alguns de seus livros e em conferências publicadas no YouTube –, que o velho argumento "nasci desse jeito e não posso mudar" não tem fundamento. Diamond está pedindo aos ativistas LGBT, em nome da simples verdade dos fatos, que "parem de promover esse mito".

Contrário ao argumento típico de que homossexuais "nascem gay" como "algo que são" e que jamais poderão mudar, a própria APA oficialmente reconhece, desde 2011, que a orientação sexual comprovadamente muda, como se confirma em muitos casos estudados, e que, portanto, pode mudar. De fato, são inúmeros os exemplos de pessoas assumidamente homossexuais que, em algum ponto de suas vidas, tornaram-se heterossexuais, e vice-versa. 

Diamond resumiu descobertas relevantes em uma palestra na Cornell University, em 2013, quando demonstrou que abundantes pesquisas vêm estabelecendo, com sólida precisão científica e clínica, que a orientação sexual – incluindo atração, comportamento e auto-identificação – é fluida tanto para adolescentes quanto para adultos, em ambos os sexos. Logo, pode ser revertida, caso a pessoa queira fazê-lo. Em outras palavras, ninguém deveria ser socialmente obrigado a ser gay para o resto da vida, se não quiser sê-lo, com base apenas na determinação arbitrária de um grupo específico que atualmente domina a mídia e o meio acadêmico.

Tais manifestações da APA e de diversos profissionais de medicina ao redor do mundo (como é o caso da AMD, no Brasil) ganham força em face de recentes leis promovidas quase que diretamente por grupos ativistas –, organizados e financiados por instituições riquíssimas –, que pressionam para a aprovação, em muitos Estados, da proibição e mesmo criminalização de quaisquer terapias que busquem ajudar pacientes que experimentam atração pelo mesmo sexo e queiram mudar a sua orientação (vimos recentemente, aqui no Brasil, a reação absolutamente desproporcional e apaixonada da grande mídia, capitaneada pelas organizações Globo, em face da liminar de um juiz do DF que simplesmente permitia a profissionais de medicina atender pacientes homossexuais que queiram reverter a sua condição).

A justificativa afirmada pelas leis anti-terapia reparadora é que qualquer um que sinta atração pelo mesmo sexo não é apenas gay, mas nasceu gay, sendo que sua homossexualidade é um fator inexorável e indiscutivelmente imutável, perpetuamente. Sendo assim, a "terapia reparadora", argumentam eles, seria não só infrutífera, como cruel. O argumento base é o de que "ninguém pode mudar aquilo que é". Cabe acrescentar, neste ponto, que existem homossexuais assumidos que concordam com esse ponto de vista, mas há igualmente um outro grande grupo que não concorda. A estes últimos, por algum motivo obscuro, ninguém quer ouvir: você nunca verá um deles expondo suas razões em algum programa da rede Globo.

O argumento 'nasci desse jeito' é político, não científico; a orientação sexual está sujeita à mudança, entre outros. (...) A revelação de que a orientação sexual não é imutável tem muitas implicações sérias nas ações políticas dos últimos anos, basicamente invalidando quaisquer apelos à ciência para justificar a legislação recente em áreas de sexualidade, tais como a imposição do acesso a banheiros baseado na auto-identificação dos indivíduos ou em seus sentimentos sobre seu sexo e a restrição da liberdade de escolher opções terapêuticas, especialmente para menores de idade, em áreas de atração indesejada pelo mesmo sexo, confusão sexual ou disforia.
(Hieromonk Mark para o American Orthodox Institute)

_____
Fontes:
• LifeSiteNews, APA researcher explodes myth: Gays aren’t ‘born that way’, disp. em:
https://lifesitenews.com/news/psychology-researcher-lesbian-blows-the-doors-off-born-gay-theory
Acesso 2/10/2017
• American Orthodox Institute, American Psychological Association Course Correction: Sexual Orientation and ‘Gender Identity’ Not Fixed After All, disp. em:
http://aoiusa.org/american-psychological-association-course-correction-sexual-orientation-and-gender-identity-not-fixed-after-all/
Acesso 2/10/2017

www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eles querem provar algo que é improvável. Ridículo. Eles já se perguntaram porque nasceram heterossexuais? Ninguém escolhe ser gay, ninguém escolhe ser hétero, ninguém escolhe ser baixo ou alto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo menos leia aquilo que você vai comentar antes de comentar, anônimo.

      Em primeiro lugar, a principal pesquisadora que está afirmando (baseada em pesquisa médica e amostragem científica) o contrário daquilo que você diz (baseado no seu 'achismo' puramente ideológico), a Dra. Lisa Diamond, é homossexual ela própria.

      Segundo, o homossexualismo se caracteriza fundamentalmente pela prática, portanto nada tem a ver com a sua esdrúxula comparação, já que ninguém "pratica" ser alto ou baixo, mas é preciso que alguém escolha praticar o homossexualismo para ser considerado homossexual.

      Por fim, saiba que existem abundantes registros publicados de pessoas que se declaram ex-gays, assim como também existem inúmeros casos conhecidos de pessoas heterossexuais que em determinado momento da vida escolheram, sim senhor, o caminho da homossexualidade.

      Então, responda: por que eu deveria aceitar como verdade inexorável o que você me diz e fechar os olhos para todas as muitíssimas evidências que apontam no sentido contrário?

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail