CNBB a favor da ordenação de mulheres – e de mais e mais 'inculturação' na Liturgia, nos Sacramentos e na própria Teologia...

O beijo de Judas por Caravaggio

ALGUNS CATÓLICOS MAL formados e/ou mal informados – infelizmente não poucos – veem "exagero" ou "alarmismo" em tudo aquilo que vêm se denunciando há tempos, por meio de diversas mídias, contra a CNBB: heresias, apoio a crimes e criminosos, posicionamentos arbitrários contra os anseios dos fiéis e, especialmente, sua adesão claramente política-ideológica e mesmo partidária.

Outros, ainda, acreditam piamente que seria completamente vedado aos leigos criticar a conferência de bispos, imaginando o respeito à hierarquia eclesiástica como uma espécie de dever absoluto – de certo modo maior que todos os outros deveres do cristão – e como se a obediência cega fosse imposta a todos os católicos, não importando o que aconteça[1].

Quando se fala em marxismo cultural dominando a Conferência Nacional dos Bispos, ainda temos a oposição e até o deboche da parte de muitos católicos legalistas, como se tudo não passasse de "teoria da conspiração" ou coisa do tipo.

Pois bem, a CNBB, mãe e eterna aliada do PT – e do PC do B, PSOL e outros partidos que por coerência nem sequer deveriam existir (assim como, por motivos óbvios, também não pode haver partido nazista) – posiciona-se mais uma vez contra os anseios da população em geral e especialmente do povo cristão, renegando a sagrada Tradição da Igreja de Cristo: a Regional Norte 1 está trabalhando ativamente para que no já polêmico Sínodo da Amazônia se aprove a "ordenação" de "diaconisas" e até de "sacerdotisas" ['ministério da presidência eucarística para homens e mulheres'], conforme mostra a reprodução digitalizada do documento recentemente tornado público, que disponibilizamos ao final deste artigo. 

A carta, um verdadeiro panfleto socialista, é resultado da "assembleia territorial pré-sinodal" realizada entre 30 de novembro e 2 de dezembro de 2018, em Manaus, com o objetivo de "sintetizar todas as escutas realizadas com os mais diversos grupos das nove (arqui)dioceses e prelazias do Amazonas e de Roraima," [...] "síntese realizada a partir dos 34 relatórios de escutas enviados à equipe de trabalho"[2]. Os blogs e sites "sujos", patrocinados por entidades de esquerda para disseminar diuturnamente matérias inverídicas contra o Governo (como é o caso do 'Brasil 247', Diário do centro do mundo' e 'Catraca livre', por exemplo), claro, já comemoram o acontecimento.

Observe-se que a carta faz questão de reproduzir uma coletânea dos famigerados termos típicos das ideologias anticristãs que, infiltradas na Igreja, têm provocado tanto mal e a confusão generalizada, dividindo o Corpo de Cristo em grupos ideológicos. Fala sobre "liturgia e sacramentos inculturados", "diálogo inter-religioso" e "intercultural", "teologia indígena", etc.

Como seria de se esperar, Dom Mario Antonio da Silva, bispo de Roraima e presidente do mesma Regional Norte I da CNBB, não deixou passar a oportunidade de criticar o atual Governo democraticamente eleito: "Sabemos que o caminho é a comunidade (...). Vivemos em tempos difíceis de muitos desafios e também de possíveis ameaças a nível nacional (sic)..."[3]. Este senhor faz questão de se posicionar ao lado de criminosos, inimigos da família e de todos os valores cristãos mais sagrados, como um membro da patética "resistência" esquerdista, ao lado de militantes feministas, LGBTQs, abortistas, etc, etc.

Não só o Governo tem legítimas razões para acompanhar as temerárias "pautas" do Sínodo da Amazônia; todo fiel católico leigo também as têm, na medida em que já podemos ter certeza de que essa será mais uma ocasião em que a Santa Igreja estará sob intenso ataque do "apostolado da revolução" e da horda dos incansáveis herdeiros de Judas que, travestidos de bispos, instalaram-se na cátedra dos Apóstolos e trabalham para corroer, por dentro, os alicerces da Casa de Deus. Ressoa pelos ares, mais uma vez, o o eco angustiado das amargas palavras de Nosso Senhor: "Esta é a vossa hora e o poder das trevas" (Lc 22,53).

Miserere, Domini!


Clique sobre a imagem para vê-la ampliada
Notas:

[1] O que não é verdade e não corresponde à Doutrina cristã católica, e nem ao dever dos leigos, conforme garante o Código de Direito Canônico em seu cân 212 (§§ 2-3) (saiba mais lendo este artigo).

[2] Conf. website da Reg. Norte da CNBB, vide:
cnbbnorte1.blogspot.com/2018/12/regional-finaliza-processo-de-sintese.html?fbclid=IwAR1-8j9rNDfFrJ7Wit0HU4I8xcKCoJo4T8lFp-ohk2TmGYh3qjPMhlX4ll4
Acesso 15/2/2019

[3] Idem.
www.ofielcatolico.com.br

11 comentários:

  1. A impressão é de que o crescimento (ou autoreconhecimento) do conservadorismo no país levou a esquerda em geral ao modo "desespero". Aí, o que era meio camuflado passou a se fazer escancarado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho a mesma impressão. Me dá a impressão q esse pessoal progressista está tentando desesperadamente um último suspiro

      Excluir
    2. Não é impressão não, é isso mesmo.É que quando satanás é exposto ele esperneia ainda mais. Os tempos que se aproximam serão difíceis para os fiéis da Igreja de Cristo, mas também serão os últimos tempos desses descendentes de judas infiltrados na Igreja. O clero mais jovem, os seminaristas em sua maioria, vão trabalhar com toda força pelo triunfo do Imaculado Coração de Maria.

      Excluir
  2. O Papa Francisco disse que "esta porta permanece fechada", quanto a "ordenação de mulheres". Não creio que ele aprove isto. Sem querer ser alarmista, vejo com maus olhos, há muito tempo, a CNBB, mas, o fato de falarem, falarem e falarem, não vai fazer a Igreja mudar de posição e esse sínodo não vai dar em absolutamente nada, uma vez que a verdade sempre prevalece e os índios, com essas terras enormes, passam fome, distantes da civilização, porque não tem meio de subsistir tão isolados, afinal, quase todos, são inculturados ou semi-inculturados.A desculpa para essa demarcação enorme, desproporcional ao número de índios de hoje, é a "preservação da cultura indíogena", mas sabemos que essa preservação só se dará pela inculturação dos índios. Em pequeno número, manter a cultura, só se os índios se instruírem, se aprimorarem, do contrário morrerão de fome e desaparecerão por completo. Eles querem isso, se aculturar e não podemos nem temos o direito de negar.Na realidade, os grupos de esquerda querem ter domínio sobre as numerosas riquezas de subsolo dessas regiões demarcadas para os índios. É isso que querem. Preservar, politicamente, uma grande reserva de poder...

    ResponderExcluir
  3. É um tempo delicado e extremamente desconfortável, esse, que a Igreja atravessa. Parece me aquela situação de grave traição no lar, e sem perdão, se mantém uma convivência forçada, indesejada, as pessoas ao redor começam a tomar partido, os rancores vão crescendo e crescendo até a convivência se tornar insuportável. Creio que desde o Concílio a Igreja vive um momento de transição, a transição sempre vem acompanhada da dúvida, da incerteza. E isso está deixando muita gente apavorada, acuada. Qual caminho a Igreja deve seguir? Cada vez mais moderna e atualizada. Ou, as mudanças foram longe demais, necessitamos de um retorno a um estado de coisas anterior. Talvez a grande maioria esteja alheia a grave crise, mas ela existe e é uma grande ameaça. Acho que a Igreja deve sair dessa transição, ou se neo-pentecostalisa como querem os modernistas, ou retroage ao período pré conciliar, a Igreja de sempre, como dizem os conservadores. Porque a pior coisa que existe é o médio, o morno, um meio termo que tenta agradar a todos, mas no fim das contas não agrada a ninguém, e voltam as intrigas, disputas e brigas. Só peço a Deus que dê um caminho definitivo a Igreja, acho que é isso que estamos precisando.

    A paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito de acessar vosso site, bebo em sua fonte, tenho um jornalzinho chamado A Sagrada Família e busco alguns temas aqui, mas pelo amor de Deus, não se preocupem com essa coisa de mulher ser ordenada porque isso não acontecerá nunca, vejam o documento de Don Luiz F Ladaria, S.I - Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, onde ele diz claramente e em bom tom que isso está descartado. - CARTA APOSTÓLICA SACERDOTALIS ... outra coisa, o apoio da CNBB ao PT e etc é condenável no sentido de que, neste caso, a Igreja toma partido, se mete , apoia alguns pensamentos anticatólicos, da mesma forma não devemos dar apoio a um governo de EXTREMA DIREITA, como é o atual, eleito democraticamente, mas de intenções nefastas para os católicos, pois que a Igreja Universal do Reino de Deus e todas as evangélicas que odeiam a Igreja e nossos santos, nossa fé e religiosidade, estão por trás e por dentro para minar a nossa Igreja, então, nem tanto ao céu , nem tanto ao mar,vamos ter cuidado para também não tentar fazer do seu leitor um instrumento contra ou a favor de qualquer partido, de qualquer político, de qualquer pensamento, nossa função é informar, ensinar, aprender juntos e não direcionar o pensamento das pessoas. A função do site assim como o do meu jornalzinho deve ser mostrar a verdade da Igreja descrita nos documentos apostólicos, no CIC , no Direito Canônico e nas determinações do Papa Francisco. Não misturemos as bolas como fazem alguns bispos e padres, que mescla pensamento cristão com pensamento marxista, socialista, comunista
    e nem se lembram que esse povo nem mesmo acredita em Deus, muito menos em qualquer religião. Espero ter contribuído para sermos cada vez melhores católicos; sem julgamentos para não sermos julgados...Profa. Alba.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, professora Alba.

      Há equívocos no seu comentário, vamos ver:

      1) Não estamos "preocupados" com a possibilidade da ordenação de mulheres. Sabemos que isso nunca vai acontecer na Igreja de Cristo, porque feriria o Sacramento instituído pelo mesmo Cristo em sua própria essência.

      Nossa preocupação é que a CNBB, uma conferência de bispos – que deveriam ser os primeiros a defender a ortodoxia da fé e da doutrina – estejam defendendo abertamente tal descalabro. Isto sim é um crime contra a fé, um completo absurdo que demonstra a situação lamentável da Igreja em nossos tempos.

      2) Não entendo como pode a Sra. vir dizer assim, tão segura de si e tão cheia de razão, que o governo Bolsonaro é de "extrema direita". Já que a Sra. é professora, seria interessante definir o significado de "extrema direita" segundo a sua concepção particular.

      Ora, isso é uma falácia sem nenhum sentido que só os mais irracionais defensores da quadrilha do PT e da sua agenda anticristã têm coragem de defender – muitas vezes, lá no fundo, nem eles acreditam nisso.

      Rotular de "extrema direita" tudo o que se opõe à agenda da esquerda globalista anticristã e anti-família é agora a arma desesperada dessas pobres criaturas que acreditam que a luta de classes será capaz de, algum dia, gerar algo de bom e de produtivo para qualquer nação.

      Se crer em Deus e defender os valores da família, um Estado sustentável, escola sem doutrinação política e/ou partidária, penas mais severas para os criminosos, a diminuição do Estado e da burocracia estatal, o combate efetivo à corrupção, combater a ideologia de gênero, que pobreza se combate com mais instrução e não mais dependência do Estado, a imigração com regras, etc... Se essas e outras são características do "extremismo", então ou eu estou louco ou a Sra.: um de nós está completamente desconectado da realidade.

      Segundo o portal Infoescola, a "extrema direita" se caracteriza por indivíduos que possuam "orientação considerada exageradamente conservadora, elitista, exclusivista e que alimente noções preconceituosas contra indivíduos e culturas diferentes das de seu próprio grupo”.

      Com toda a honestidade diante de Deus, não consigo rotular o Bolsonaro – com todos os seus defeitos, alguns graves – com essa pecha.

      3) Sim, os nossos leitores precisam entender que partidos como PT, PC do B, PSOL e outros da mesma linha são verdadeiros instrumentos de Satanás no mundo; representam um verdadeiro câncer que deve ser extirpado a todo custo. E isso não tem absolutamente nada a ver com "julgar"; é fazer uso do mais elementar discernimento que Deus nos dá para escolher entre o bem e o mal. É obrigação de todo cristão. "Julgamento" é uma outra coisa muito, mas muito diferente. Tem a ver, por exemplo, com sair por aí gritando "fascista" para todos aqueles que não rezem a falida cartilha socialista.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Assino embaixo em tudo que colocou, caro irmão Henrique Sebastião. A paz de Cristo!

      Excluir
  5. Triste e assustador quando lembro das palavras do papa Paulo VI, ao termino do concilio Vaticano II: " Sinto o cheiro da fumaça de satanás entrando pelas frestas da Igreja". Observem que o concilio realizou-se sob seu papado. Oremos!

    ResponderExcluir
  6. Eu estava com algo pronto para responder a esta senhora professora, mas, na mesma linha de raciocínio do nosso irmão Henrique Sebastião, portanto, faço minha as suas palavras!
    Parabéns pela bela resposta!

    Seja Louvado Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  7. A CNBB pode estar para a Igreja assim como a Babilónia esteve para os judeus. Quem se propõe a ir para a Amazônia?

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$13,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail