A morte, o Juízo Particular e o Juízo Final


UM LEITOR anônimo enviou-nos, no post "Catequese fundamental: os vivos e os mortos, o Céu e a Terra, a Imaculada Conceição", esta muito singela mensagem: "Se os santos estão vivos então pra que a Biblia fala na ressureição?".

Esta é, sem dúvida, uma questão que confunde muita gente. Vamos tentar, então, esclarecê-la, partindo de uma breve reflexão sobre a finitude desta vida.

Para refletir sobre o fim da nossa vida neste mundo é conveniente lembrar primeiro da sua origem. “Deus criou o homem imortal, o fez à sua imagem e semelhança. Por inveja do demônio entrou no mundo a morte” (Sb 2, 23-24). Nós não fomos criados para a morte. Haviam no Paraíso duas árvores: a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e a Árvore da Vida. A única proibição de Deus a Adão e Eva foi comer do fruto da primeira, e mesmo assim eles pecaram, afastando-se da Graça, perdendo sua condição especial de criaturas amadas e próximas de Deus. Foram, então, expulsos do Paraíso. Um dos significados mais profundos dessa narrativa é bem claro: a causa da morte é o pecado, que separa de Deus.

A morte é castigo, porém um castigo de Pai. Deus sendo infinitamente Bom e Misericordioso, fez até da justa punição um meio de nos reconduzir ao Caminho da vida. Mesmo hoje, no estágio atual da história da humanidade, nem mesmo aos que foram restaurados pelo Sacrifício de Cristo convém, ainda, a imortalidade. – Morreremos todos para este mundo, para alcançarmos um destino muitíssimo melhor do que esta vida repleta de limitações, decepções, misérias e dores.

É interessante notar que a morte, mesmo sendo o fim natural de todos os seres vivos, sempre nos causa estranhamento e sofrimento. Ficamos inconformados quando ela chega. Por quê? Se, como diz o provérbio popular, “a morte é a única certeza desta vida”, por que não somos capazes de encará-la com naturalidade e tranquilidade?

A resposta católica é: nós não nos conformamos com a morte porque fomos feitos para a imortalidade. Foi para a vida eterna que Deus nos fez, por isso não aceitamos o fim de tudo.



Exatamente por isso a fé é necessária. Precisamos da fé para ganhar a vida plena e eterna após a morte. O mais grave é que a maioria de nós prefere simplesmente deixar este assunto para depois, não pensar nisso agora: é como fingir que a realidade inevitável da morte não existe. Muito mais prudente  e sensato seria pensar no assunto, e muito, desde agora, porque nossa alma é imortal, e quando deixarmos este mundo, nossa história estará apenas começando...

O pó voltará a ser pó, mas a alma é incorruptível. E cada um de nós será julgado conforme suas obras. “A árvore para no lugar onde caiu” (Ecl 11,3). Por isso, é fundamental morrer em estado de Graça, morrer “revestido de Cristo”, em Comunhão com Deus. Tudo o mais é secundário. “Que adianta ao homem possuir o mundo inteiro e perder a própria alma?” (Mc 8, 36). Como não sabemos nem o dia nem a hora de nossa morte, o cristão está sempre preparado para ela.


Juízo Particular

“Está destinado aos homens morrer uma só vez, e depois disso vem o julgamento” (Hb 9, 27).

"É por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-Lhe. Porque teremos de comparecer diante do Tribunal de Cristo. Ali, cada um receberá o que mereceu, conforme o bem ou o mal que tiver feito enquanto estava no corpo" (2Cor 5,9-10).

Todos serão julgados logo após a morte: este é o Juízo Particular, o julgamento individual de cada um. Entrando na Eternidade, todos se apresentarão diante do Rei dos reis, e nossas vestes deverão ser brancas (Mt 22,1s): em outras palavras, devemos nos purificar espiritualmente, viver bem, praticar a Vontade de Deus na caridade, para um dia morrer bem. Quem vive dessa maneira, e conscientemente, não se apavora com a ideia da morte. Em vez de tristeza ou medo, há confiança e amor. Mesmo nos piores sofrimentos, no fundo da alma do que crê permanece a esperança, que dá paz e alegria.

Já ao pecador inveterado, podemos perceber claramente que o inverso acontece: mesmo na saúde e na riqueza, gozando os prazeres do mundo, quando ele para de se entorpecer nas muitas sensações, sente o vazio profundo da sua vida, a ausência de Deus. Só há tédio, insatisfação, desespero, desânimo, depressão...

A felicidade, em plenitude, só se encontra no Céu, em Deus: está na contemplação e “posse” de Deus; contemplação e posse da Verdade, da Beleza e do Amor. Só em Deus seremos plenamente felizes e realizados. E para chegar ao Céu é preciso levar Deus dentro de si, desde agora, desde já.


O Juízo Universal

Além do juízo particular, que ocorre logo após a morte de cada um, há o Juízo Universal, que é o julgamento coletivo, que ocorrerá no fim dos tempos. O Antigo e o Novo Testamento falam do assunto. O capítulo 5 do Livro da Sabedoria é inteiramente dedicado ao Juízo Final.

Já o livro do Profeta Isaías (66, 18) diz:

“Virei recolher as tuas obras e os teus pensamentos e irei reuni-los com os de todas as gentes e línguas; e eles comparecerão, todos, e verão a minha Glória”.

Nos Atos dos Apóstolos (1,11) vê-se que, logo após a Ascensão, a volta de Jesus como Juiz foi anunciada por dois anjos. Os Apóstolos S. Mateus (cap. 24) e S. Lucas (cap. 21) falam longamente sobre o assunto.



No Juízo Final, o julgamento será definitivo. Depois, haverá o Céu ou o Inferno. Este mundo físico acabará. Quando e como, exatamente, será o fim do mundo, não sabemos. Jesus diz que nem os anjos o sabem. No último dia, haverá a ressurreição da carne: os justos ressuscitarão gloriosos, semelhantes ao Cristo ressuscitado. Para estes, a morte será o encontro com o melhor de todos os pais: o Pai do Céu. E tudo o que foi encoberto será conhecido; a verdade será revelada a todos. Será a hora da perfeita reabilitação dos caluniados, dos difamados, dos injustiçados, dos sofredores. Os que tem fome e sede de Justiça serão saciados.

Muitos teólogos entendem que o desdobramento do Julgamento divino em Juízo Particular e Juízo Final ou Universal deve-se ao fato de nós, seres humanos, pensarmos em termos de sucessão cronológica: um morre hoje, outro amanhã... Mas para Deus, da perspectiva do Eterno, existe um só momento: a Eternidade. Sendo Deus eterno, para Ele não há hoje e amanhã; Deus é o eterno Eu Sou: tudo o que realmente existe é um só momento, que não tem princípio nem terá fim.

O Juízo Particular e o Universal, a partir desta perspectiva, seriam, de um modo que não podemos agora compreender, uma só coisa: uma mesma realidade vista a partir da eternidade, e não a partir da sucessão cronológica das vidas humanas à qual estamos habituados e  presos.
ofielcatolico.com.br

21 comentários:

  1. O ultimo paragrafo podemos entender a partir do sentido de DEUS, que para ELE sim, há um só juízo, mas para nós que somos criaturas, teremos dois juízos, um particular, após a alma se retirar do corpo (a morte física) e aí então ser recolhida para apresentar-se diante do divino juiz e aí receber a vida eterna ou a morte enterna ou se tiver que reparar as consequências do pecado o qual não foram reparadas neste mundo, o purgatório até a reparação total e daí entrar no céu. E no final dos tempos o juízo final, quando as almas dos justos falecidos que estão nos céus e também dos condenados que estão no infernos retornarão aos seus corpos que estão nas sepulturas o qual serão restituídos, porém em um corpo glorioso para os santos e um tenebroso para os réprobos, e aí então acontecera a ressurreição geral e aí acontecerá também o juízo final, o qual será lida a sentença de cada um o qual fora decretada no juízo particular e saberá então, de modo universal o qual o porque alguns receberão o céu e outros o inferno, e aí então será o fim, o qual os justos agora retornarão ao céu, não somente em espirito, mas agora também com seus corpos glorificados e os condenados retornarão ao inferno com seus corpos decadentes. Este é meu entendimentos de como a Igreja sempre ensinou do porque haver dois juízos, um particular e outro universal, embora, isto partindo de nossa perspectiva humana, como criaturas, mas partindo da perspectiva divina o qual para DEUS não há tempo, não há passado e nem futuro, o qual é sempre um presente, é claro que para ELE só haverá um único juízo.

    Anonimo Sidnei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito, Anonimo Sidnei. Você compreendeu bem. Quanto ao último parágrafo, afinal de contas, são apenas conjecturas. Sabemos, pela Revelação, que o tempo de Deus não é o nosso tempo; logo, a reflexão é válida.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Sidnei,
      Muito bem explicado e compreendido. Esse passo inevitável são os nossos novíssimos (morte, juízo, céu e inferno). Dizem os Santos: se o compreendêssemos, o conhecêssemos, levássemos a serio a brevidade dessa vida, que é o tempo que o Senhor nos concede para entrarmos em comunhão com ele, jamais pecaríamos.

      Excluir
    3. Impossivel nao pecarmos. Impossivel a qualquer homem ou mulher nao pecar jamais enquanto viventes nesse mundo. Se isso fosse possivel, de jamais pecarmos, nao tinha a necessidade de Jesus vir ate nós, morrido e ressuscitado, pois Deus sabe que o homem jamais conseguiria em cumprir toda lei.
      Nao falo aqui que nao devemos nos esforçar em nao pecar. O que estou dizendo q nao é o cumprimento das leis que nos salva, porque pra nós humanos isso é impossivel. Pois se assim nao fosse nao teria a razão da Vinda de Cristo, como ja disse. O que nos salva é aceitar Jesus Cristo como nosso unico Salvador e a Ele nos entregar de corpo e alma. Claro que com essa atitude há uma mudança de vida pra melhor daquele q assim o faz. Mas continuaremos pecadores e assim morreremos, mas com a confiança na Misericordia de Deus. Aquele que prega que a salvaçao esta no cumprimento das leis, NEGA A SALVAÇÃO QUE ESTÁ EM JESUS CRISTO.

      Excluir
    4. Glauco, quem prega que a salvação vem pela observância da lei?. Como você mesmo colocou, a salvação vem em aceitar JESUS como nosso Salvador e entregar a ELE de corpo e alma, e é aqui que entra, neste entregar a CRISTO de corpo e alma, a observância de tudo que ELE ensinou e mandou que praticássemos, entre eles, a observância dos dez mandamentos e da realização das boas obras, pois somente seremos salvos se crermos em JESUS e traduzirmos este fé em JESUS em gestos concretos de amor a DEUS e aos irmãos, e isto se faz na observância dos dez mandamentos e das boas obras, caso contrário, não será só a fé que nos garantirá a salvação e nem as obras, isoladamente da fé, somente a fé + as obras, é que nos garantirá a salvação. De fato, seremos todos pecadores, porém, DEUS não leva se seremos todos santos no final de nossa vida, ELE leva em consideração se lutamos ou não para nossa santificação e avaliará o quanto lutamos mediante a tradução de nossa fé em JESUS em gestos concretos de amor a DEUS e aos irmãos pelo que já citei acima.

      Sidnei.

      Excluir
  2. O texto é bem esclarecedor, como todos os artigos deste blog. Parabéns pelo excelente trabalho.

    Porém, gostaria que, se possível, uma dúvida minha fosse sanada, relacionada à uma objeção apresentada ontem por um protestante.

    Em diversos artigos postados em sites católicos, notei que o relato do "bom ladrão", situado em Lucas 23,39-43, é utilizado como prova de que a alma permanece inconsciente após a morte.

    Porém, me foram apresentadas três objeções:

    * A Bíblia diz que Jesus estabelecerá o seu Reino no fim dos tempos. Portanto, o relato é uma promessa futura, e não imediata.

    * O Evangelho narra que os soldados quebraram as pernas dos malfeitores, mas não as de Jesus, pois ele já estava morto. Portanto, o ladrão estava ainda vivo, o que atesta que tal promessa ocorrerá no futuro somente.

    * Jesus ressuscitou ao terceiro dia, e diz que não havia subido ao Pai. Portanto, seria impossível que o termo "hoje" fosse empregado no sentido defendido pelos católicos.

    Gostaria de uma resposta. Obrigado!

    Tenho também outras dúvidas, mas creio que seria melhor enviá-las por e-mail: estão relacionadas à próxima Assembleia Geral Extraordinária do Sínodo dos Bispos, indicações de livros, entre outros.

    Pela limitação do espaço, deixo estas questões para uma outra ocasião.

    Grato pela atenção dispensada. Que Deus abençoe este apostolado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei responder e também gostaria de respostas para a primeira e a terceira objeção, Anônimo, mas creio que a resposta para a segunda é que NSJC prometeu que ainda naquele dia Ele estaria com o bom ladrão no Paraíso, e não ainda naquele momento, como se os dois fôssem para o Céu no mesmo instante. Assim, Cristo não precisaria morrer na mesma hora que o ladrão. Apesar disso, confio na Santa Madre Igreja e creio que as respostas e interpretações dela são melhores que as minhas sobre o assunto. A paz de NSJC!

      Excluir
    2. Talvez ajude:

      http://www.catolicoporque.com.br/index.php/colaboradores/convidados-nacionais/d-estevao-tavares-bettencourt-osb/3877-estudos-biblicos-se-cristo-desceu-aos-infernos-o-bom-ladrao-precedeu-jesus-no-ceu

      Excluir
    3. Olá, anônimo. Agradecemos pelas suas gentis palavras, que muito nos motivam. Será que você poderia, por uma gentileza, se identificar? Na caixa de comentários em que você digita sua mensagem, logo abaixo está a opção "Comentar como", com um menu de opções. Se você não tem conta no Google nem no Wordpress, pode escolher a opção "Nome/Url", que vai lhe permitir digitar seu nome ou um apelido qualquer que queira usar. É mais reconfortante saber com quem estamos falando, alguém que tenha nome, mesmo que não seja um nome real.

      Bem, estamos elaborando um post com as respostas para suas questões, a ser publicado ainda hoje. Queira aguardar.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    4. Por gentileza, anônimo, leia sua resposta acessando o link abaixo:

      "Ainda hoje estarás comigo no Paraíso" – Um estudo sobre Lucas 23,43


      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    5. oi referente ao terceiro paragrafo
      diz que jesus ressuscitou ao terceiro dia
      pelo que eu posso entender diz respeito ao seu corpo (em carne e osso) e não seu espirito
      pois e não acredito que nosso senhor ficou inerte por tres dias .pois neste intervalo ele levou aquele que ele prometera ao ceu e provavelmente fez muitas outras coisas.

      peço-lhes desculpas se não sobe me expressar pois não tenho o conhecimento que voces tem .

      Excluir
    6. Seu pensamento ficou bem claro, Roberto. Aliás, nós recitamos no Credo:

      "...Padeceu sob Pôncio Pilatos; desceu à mansão dos mortos; ressuscitou ao terceiro dia..."

      É nosso artigo de fé : Jesus, em Alma, enquanto o Corpo estava no túmulo, "desceu à mansão dos mortos" ou "desceu aos Infernos" para subjugar os demônios.

      Na primeira Carta de S.Pedro lemos que Jesus, "efetivamente morto segundo a carne, mas vivificado pelo Espírito (...) foi pregar aos
      espíritos que estavam no cárcere (limbo), os quais tinham sido incrédulos nos dias de Noé..." (3,19-20).

      Logo, inerte o Senhor não ficou, de modo algum.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    7. Caro Roberto Martins Guerreiro, paz e graça!
      Veja o que diz o nosso Catecismo:
      624. «Pela graça de Deus, ele experimentou a morte, para proveito de todos» (Heb 2, 9). No seu plano de salvação, Deus dispôs que o seu Filho, não só «morresse pelos nossos pecados» (1 Cor 15, 3), mas também «saboreasse a morte», isto é, conhecesse o estado de morte, o estado de separação entre a sua alma e o seu corpo, durante o tempo compreendido entre o momento em que expirou na cruz e o momento em que ressuscitou. Este estado de Cristo morto é o mistério do sepulcro e da descida à mansão dos mortos. É o mistério do Sábado Santo, em que Cristo, depositado no túmulo (513), manifesta o repouso sabático de Deus (514) depois da realização (515) da salvação dos homens, que pacifica todo o universo (516).
      E mais:
      625. A permanência do corpo de Cristo no túmulo constitui o laço real entre o estado passível de Cristo antes da Páscoa e o seu estado glorioso actual de ressuscitado. É a mesma pessoa do «Vivente» que pode dizer: «Estive morto e eis-Me vivo pelos séculos dos séculos» (Ap 1, 18):
      «É este o mistério do desígnio de Deus àcerca da morte e da ressurreição dos mortos: se Ele não impediu que a morte separasse a alma do corpo, segundo a ordem necessária da natureza: mas juntou-os de novo um ao outro pela ressurreição, a fim de ser Ele próprio na sua pessoa o ponto de encontro da morte e da vida, suspendendo em Si a decomposição da natureza produzida pela morte e tornando-Se, Ele próprio, princípio de reunião para as partes separadas» (517).
      Quer saber mais? Leia-o na internet: http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p1s2cap2_422-682_po.html
      Paz e bem!

      Excluir
  3. Muito esclarecedor o post, tinha muitas duvidas a respeito desse assunto obrigado mais uma vez!

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Excelente post, porque esta fiel a palavra de Deus e a catequese da Santa Igreja Católica. Que o bom Deus nos ajude.

    ResponderExcluir
  5. Texto riquíssimo de esclarecimentos parabéns a todos deste bendito blog.

    ResponderExcluir
  6. Texto riquíssimo de esclarecimentos parabéns a todos deste bendito blog.

    ResponderExcluir
  7. O mundo fisico será transformado e não destruido. Pois esepramso tambme uma nova Terra. Santo Tomás e os santos padres ensinraam esta verdade hoje esquecida. E o catecismo reafrimam esta verdade.

    ResponderExcluir
  8. Esse texto está muito bom e serve para crescermos espiritualmente.
    Mas penso que você falou muito pouco sobre a árvore do conhecimento do bem e do mal...
    O que você entende por essa árvore?

    shalom
    Renato

    ResponderExcluir
  9. Alguns versículos que, em minha singela opinião, PARECEM CURIOSAMENTE (ou superficialmente] fazer menção ao Juízo Particular e Juízo Final:

    ''Os anjos que não tinham guardado a dignidade de sua classe, mas abandonado os seus tronos, Ele os guardou com laços eternos nas trevas [juízo particular?] para o julgamento [final] do Grande Dia.'' (Judas 1,6)

    ''Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram, mas os precipitou nos abismos tenebrosos do inferno [juízo particular?] onde os reserva para o julgamento [final].'' (2 Pedro 2,4)

    O artigo é muito bom. Pax et Bonum.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia a Todos,

    algum irmão em Cristo poderia me indicar bibliografia (exceto catecismo e Bíblia) exatamente sobre este tema: Juizo Particular e Juizo Final ??

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail