A Igreja santa e o pedido de perdão do Papa


ESTE ARTIGO surgiu da recorrência das mensagens de muitos leitores que mencionam o pedido de perdão do Papa João Paulo II, entendendo que teria sido feito pelos "grandes crimes da Igreja". Destas, a maior parte cita a Inquisição, outros o comportamento durante a segunda guerra mundial. A situação de ignorância (e, em muitos casos, de má vontade e/ou malícia) chega a tal ponto que hoje, diante das atrocidades cometidas pelo grupo Estado Islâmico, certos indivíduos que nunca leram sequer a orelha de um bom livro de História, chegam a dizer que a Igreja cometeu atrocidades ainda piores no passado, e que por isso não teria moral para se pronunciar a respeito...

Ainda mais triste e lamentável é ver certos católicos acreditando nesse tipo de mentira diabólica, e até ajudando a difundir essas gravíssimas calúnias. Mesmo com a boa quantidade de estudos de que dispomos hoje, via internet, que demonstram e comprovam que essa linha de raciocínio é completamente equivocada (em vídeo-aulas ou artigos com referências, farta indicação bibliográfica, disponibilização de livros para download ou online, etc.), continuam surgindo comentários que insistem na mesma questão: "a Igreja cometeu atrocidades no passado, tanto é verdade que o Papa João Paulo II precisou pedir perdão". Sendo assim, por consequência, não poderíamos confiar na Igreja. Assim é que surge aquela triste figura do sujeito que diz: "Sou católico, mas...".

Bem, é preciso dividir a questão em duas partes distintas, e, como ambas são de trato delicado, trataremos cada uma em um artigo separado. A primeira está relacionada à santidade da Igreja. Como podemos crer que a Igreja é santa e imaculada, diante de tantos escândalos do presente e do passado? Diante de tantos membros indignos do clero, entre padres pedófilos, devassos, hereges? Diante de tantos católicos que são contumazes pecadores?


"Igreja santa e pecadora"?

Em primeiríssimo lugar, precisamos entender do que estamos falando quando usamos a palavra "Igreja". Isto é fundamental.

Todos os domingos, o católico professa sua fé diante de Deus e em comunhão com seus irmãos, afirmando crer na Igreja una, santa, católica e apostólica: o Catecismo diz que “esses quatro atributos, inseparavelmente ligados entre si, indicam traços essenciais da Igreja", que "não os confere a si mesma; é Cristo que, pelo Espírito Santo, concede à sua Igreja que seja una, santa, católica e apostólica, e é ainda Ele Quem a chama a realizar cada uma destas qualidades” (CIC §811). – Nem o Credo ancestral e nem o Catecismo dizem "creio na igreja santa e pecadora": essa construção, embora tenha um sentido muito específico, como veremos abaixo, em sentido absoluto e teologicamente falando, é absurda. Cremos, isto sim, na Igreja de Jesus Cristo, que é e será sempre santa.

Vós (Igreja) sois a raça escolhida, o sacerdócio do Reino, a Nação santa, o povo que Ele conquistou para proclamar as obras admiráveis daqu'Ele que vos chamou das trevas para sua Luz maravilhosa”. (1Pd 2,9) 

As Sagradas Escrituras afirmam que a Igreja é santa, assim como afirmam que é una (um só Senhor, uma só fé e um só Batismo, cf. Ef 4,5); fundada por Jesus Cristo sobre o Apóstolo Pedro, constituído seu fundamento visível (Mt 16,18) e formada pelo povo santo de Deus (1Pd 2,9).

A Igreja é santa porque Deus Santíssimo e Perfeitíssimo é o seu Autor; Cristo, o seu Esposo, a santificou e santifica; o próprio Espírito de Santidade a vivifica.

Embora seja composta também por membros fiéis, – cristãos católicos verdadeiramente merecedores deste nome, – e conte com muitos milhares de sacerdotes dignos e santos, que vivem o seu sacerdócio com empenho e servem ao povo de Deus com zelo e santidade, realizando magnífico trabalho pastoral, a Igreja também congrega pecadores, o que por sua vez não faz com que deixe de ser santa e imaculada em seu núcleo, em seu âmago, em seu ser mais profundo.

O Papa Paulo VI publicou, no ano 1968, a seguinte explicação, contida no Catecismo:

A Igreja é santa, não obstante compreender no seu seio pecadores, porque ela não possui em si outra vida senão a da Graça: é vivendo da sua vida que os seus membros se santificam; e é subtraindo-se à sua vida que eles caem em pecado e nas desordens que impedem a irradiação da sua santidade. É por isso que ela sofre e faz penitência por estas faltas, tendo o poder de curar delas os seus filhos, pelo Sangue de Cristo e pelo Dom do Espírito Santo.” (CIC §827)

Diante desta luz, esta pérola de esclarecimento, compreendemos que a Igreja é como um núcleo santo e santificador pelo Poder de Deus; cada católico é um membro, que pode aproximar-se ou afastar-se deste núcleo. Ao aproximar-se da Igreja, o católico é cada vez mais santificado pela Graça que dela emana. Da mesma forma, se livremente o católico decide afastar-se dela, por sua própria responsabilidade afasta-se da Comunhão com o Corpo de Cristo.

A santidade da Igreja é uma realidade que pode ser observada também em outros aspectos, como na sua infalibilidade em matéria de fé, pois o próprio Cristo cuidou que assim fosse:

Para manter a Igreja na pureza da fé transmitida pelos apóstolos, Cristo quis conferir à sua Igreja uma participação na sua própria infalibilidade, Ele que é a Verdade. Pelo 'sentido sobrenatural da fé', o povo de Deus 'adere de modo indefectível à fé', sob a conduta do Magistério vivo da Igreja.” (CIC §889) 

Trata-se, portanto, de um "rebanho", um grupo que há de permanecer fiel à Igreja mesmo sob as piores tribulações. Não se trata de quantidade, mas de qualidade. De pessoas comprometidas com a fé, unidas à vida da Graça, àquela santidade e santificação promovida pela união com o Corpo de Cristo. Estes são indefectíveis na fé.

Aspecto importante a destacar é que, quando falamos em infalibilidade, estamos falando de uma característica da Igreja, que é infalível em matéria de fé. O Papa, os Concílios, o Magistério, constituem um ministério a serviço da infalibilidade. Quem é infalível, de fato, é a própria Igreja, que não irá jamais perder a fé.

Para manter a Igreja na pureza da fé transmitida pelos Apóstolos, Cristo quis conferir à sua Igreja uma participação em sua própria infalibilidade, Ele que é a Verdade. Pelo 'sentido sobrenatural da fé', o Povo de Deus 'se atém indefectivelmente à fé', sob a guia do Magistério vivo da Igreja." (CIC §889) 


Vemos então que a Igreja participa da infalibilidade do próprio Cristo porque é seu Corpo; são seus membros. Há uma participação, que é possível pelo sentido sobrenatural da fé, pela qual o povo de Deus se atém indefectivelmente (infalivelmente) à fé sob a guia do Magistério vivo da Igreja. Podemos assim antecipar à pergunta que fez Nosso Senhor (Lc 18,8) quando caminhava entre nós: “Quando vier o Filho do Homem, acaso achará fé sobre a Terra?”. A resposta é sim. Mesmo que encontre fé sobre a Terra somente naquele pequeno rebanho, num pequeno grupo que permaneceu fiel. Mas haverá sempre uma Igreja fiel, um grupo com fé indefectível, que é a verdadeira Igreja.

Onde reconhecer esta Igreja? como saber onde está? Poderemos reconhecer esta Igreja naquela que continua a fé dos apóstolos ao longo dos séculos. Não se trata de uma questão de quantidade, de maioria, mas de qualidade. A fé da Igreja não é composta pela maioria dos que se dizem católicos. Muitas vezes, a fé da Igreja esteve e está no pequeno rebanho. Muitas vezes, a oficialidade da Igreja aparece inchada e cheia de membros que com seus pecados e em sua apostasia vão deixando a vida da Graça, permanecendo aquele pequeno grupo que se mantém fiel, que persevera na santidade promovida pelo Corpo de Cristo. São estes os indefectíveis católicos, a indefectível Igreja.


O papel do Magistério da Igreja

O Magistério da Igreja, com o papa e os bispos, garante que o Povo de Deus continue em Aliança com Deus em Cristo. Embora membros possam livremente sair dessa Aliança, o Magistério garante que o Povo não se perca, não confunda os caminhos.

Quando o pronunciamento é feito de forma oficial, não resta dúvida de que se trata de um Magistério infalível. Contudo, no dia-a-dia fica mais difícil perceber essa infalibilidade. O primeiro critério é observar se o pronunciamento ou o documento contém o que a Igreja prega semper, ubique et ab omnibus, ou seja, se está de acordo com a Tradição, o que sempre foi crido e pregado, em todos os tempos, em todos os lugares.

Qualquer documento da Igreja só tem valor se estiver em sintonia com a Igreja de sempre, com a fé de dois mil anos. Assim, o Magistério infalível nunca erra. Aquele que está unido continuamente à fé dos apóstolos não erra, contudo, podem ocorrer escorregões ou palavras mal empregadas, que precisam de adequação, revisão ou esclarecimento. Pior, existem membros do Magistério que podem pecar, caindo na heresia, na apostasia ou no cisma. A História da Igreja está recheada desses exemplos e essa é grande dificuldade na aceitação da infalibilidade do Magistério.

Como vimos, todos os homens, inclusive os membros do clero, são pecadores, e é preciso um esforço conjunto para que cada um mantenha-se em comunhão com a fé de sempre, com os santos, com a Tradição. E todos os fiéis estão obrigados a obedecer aos Sagrados Pastores, conforme diz o Código de Direito Canônico:

Cân. 212 § 1. Os fiéis, conscientes da própria responsabilidade, estão obrigados a aceitar com obediência cristã o que os sagrados Pastores, como representantes de Cristo, declaram como mestres da fé ou determinam como guias da Igreja.

Contudo, sabendo que nem sempre os prelados são infalíveis em suas decisões, o próprio cânon diz que:

§ 2. Os fiéis têm o direito de manifestar aos Pastores da Igreja as próprias necessidades, principalmente espirituais, e os próprios anseios.

§ 3. De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, tem o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos Pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os Pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, dêem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis.

A nós, cristãos, cabe sermos fiéis a Igreja de Cristo, respeitando e colaborando com nossos sacerdotes, humanos como nós, que dedicam as suas vidas ao trabalho religioso em total renúncia do mundo material, salvo os casos das “tentações” aos quais todos os humanos estão sujeitos. A nós, cristãos, cabe o compromisso de tudo fazermos pelo nosso próximo. De transformarmos nosso lar em igreja viva, cumprindo nossos votos de amor e fidelidade e assim levarmos nossos exemplos a todos de nossa comunidade, bem como as Boas Novas do Reino de Deus através das nossas atitudes de solidariedade e harmonia com Deus em nossa vida quotidiana.

Rezemos muito para que os sacerdotes tenham convicção de sua vocação, sejam fiéis aos seus votos e não caiam em tentações. Que os Papas sejam verdadeiros sucessores de Pedro na sustentação da Igreja de Cristo.

** Continua...
www.ofielcatolico.com.br

4 comentários:

  1. Falou tudo! O pior não é nem ver os inimigos declarados da Igreja dizendo que ela é "santa e pecadora", mas sim os que se dizem católicos e têm a obrigação de defendê-la, como certos padres que gostam de aparecer na mídia e falar de coisas que agradam ao Mundo, mas não querem saber de Deus nem da Verdade. A paz de NSJC!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da explicação do post, porque está fiel a palavra de Deus, principalmente nos dias de hoje com tantas heresias fora e dentro da igreja. Que o bom Deus nos dê sabedoria para seguirmos o melhor caminho

    ResponderExcluir
  3. Já estou cheio desta pessoal que vive malhando a Igreja Católica por tudo de ruim neste mundo. Neste final de semana o Papa Francisco elevou sua voz para relembrar os cem anos do genocídio praticado contra os armênios da Turqui, e a Turquia já de piti, e até já chamou seu embaixador de volta, porque não reconhece a culpabilidade da Turqui ter sido responsável por tal genocídio. Como não bastasse, vem uns idiotas falando m*** em cima de m***, dizendo que quem é a Igreja para falar em genocídio se ela foi responsável por isto, por aquilo, por mais alguma coisa, e não faltam pedras para lançar contra a Igreja. O que estes idiotas não percebem é que a Igreja Católica reconhece sim, os erros de seus filhos no passado, embora não na proporcionalidade que seus inimigos apontam, mas mesmo assim, reconhece, porém, os seus inimigos reconhecem?, os turcos reconhecem as atrocidades contra os armênios? os comunistas reconhecem as atrocidades que cometeram contra a humanidade como no Cambona, na Russia na época de Stalin, e na China na época de Mao Tse Tung; os protestantes reconhecem que muito de seus filhos também cometeram erros no passado, como no exageros na perseguição aos anabatistas, no genocídio indigina nos E.U.A ou o tratamento inglês aos irlandeses e depois indianos os quais pisavam com suas botas estas povos. Então o caso não é que quem tem culpa não pode apontar o erro dos outros, o caso é reconhecer que errou, e também chamar atenção aos outros que também erraram e que todos devemos nos corrigir e acertar daqui em diante, mas do jeito que esta, em que ninguém reconhece erro algum, somente a Igreja e ainda utilizam isto para bater ainda mais na Igreja, aí fica difícil, pois aí acredito que dialogo com este pessoal é infrutífero, pois será sempre um dialogo de uma via só, aí é mandar este gente as favas, e seguimos a sós.

    Sidnei.

    ResponderExcluir
  4. qual era trabalho de paulo e a que igreja ele pertencia antes de se converter para quem ele trabalhava quando jesus o chamou

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail