Saborear já na Terra as coisas do Céu


Por Ir. Mariana de Oliveira, EP

O QUE SERIA DA ALMA católica se fizesse parte de uma Igreja carente de Liturgia? É através da pompa dos ritos sagrados que a Voz da Graça se faz ouvir, suave e materna, como a dizer: “Meu filho, vem degustar um pouco do que é o Céu”…

Durante os dois mil anos de sua militante, vitoriosa e imortal existência, a Santa Igreja sempre foi e será um vivíssimo reflexo do Esplendor de Deus. Fecundada pelo precioso Sangue do Redentor, Ela foi fundada com vistas a fazer com que Céus e terra, em uníssono, rendessem ao Criador um único cântico de louvor.

Ciente deste papel de mãe, educadora e rainha das nações, a Esposa de Cristo se esmerou em manifestar sua pulcra grandeza nas catedrais ('Se estes se calarem, as pedras clamarão', conf. Lc 19,40); sua atraente piedade nas imagens e pinturas sacras; sua majestade luminosa e multiforme nos vitrais. No entanto, tudo isso externa uma beleza estática. Tais elementos cativam, sem dúvida, o espírito do fiel que deles se aproxima, mas são apenas figuras e predicados que apontam uma Realidade muito mais alta.

Que realidade é esta?

Para explicá-la, imaginemos que fosse dado a alguém a dádiva de uma visita ao Paraíso Celeste. Lá chegando, poderia encontrar os palácios esplendorosos dos Santos, os jardins dotados de singularíssima variedade de flores e perfumes, superando tudo quanto a Terra já deu na sua plenitude. Ou, então, se depararia com mares calmos e límpidos, mais parecidos com safiras derretidas. Contudo, se esse extasiante conjunto de sublimidades estivesse deserto, isento de qualquer vida, movimento e som, acaso estaria completa a alegria daquele visitante?

Assim também seria a alma católica se fizesse parte de uma Igreja desprovida de Liturgia, pois é através da pompa própria aos ritos sagrados que a Voz da Graça se faz ouvir suave e materna como a dizer: “Meu filho, vem degustar um pouco do que é o Céu...”.

Seja na harmonia, ora suave, ora grave, ora gloriosa das músicas; seja na sacralidade compassada dos movimentos do celebrante e dos que servem ao Altar; seja na fumaça perfumada do incenso que se eleva, cheia de nobreza, como a oração do justo a Deus; seja, enfim, na beleza tantas vezes arrebatadora dos objetos sagrados, a Liturgia é feita para o homem se esquecer momentaneamente da pequenez da vida cotidiana e imergir na atmosfera celeste para a qual foi criado.

“Ao Senhor triunfante convém toda a glória”[1], rezamos no Ofício Divino. A dignidade e riqueza dos ritos e alfaias litúrgicos não reflete opulência ou ostentação, mas sim o desejo de glorificarmos nosso Pai e Criador. Este anseio deve estar presente, tanto numa cerimônia pontifícia quanto na mais modesta das Celebrações Eucarísticas, pois todas elas constituem, para o católico, alento para a alma, segurança para seus passos e vigor para sua vida.

A Liturgia poderia ser vista também, de modo análogo, como uma repetição daquelas inefáveis conversas que Deus mantinha com o homem no Paraíso “à hora da brisa da tarde” (Gn 3, 8), antes de sua horrível queda. É participando dela que o fiel pode provar e ver a suavidade do Senhor, conhecer de alguma forma o Deus sumamente belo, a quem serve, e conviver com o Pai indescritivelmente Bom que, já na Terra, nos dá a saborear as coisas do Céu.

______
1. 4ª SEMANA DO SALTÉRIO. Hino do Ofício das Leituras. In: COMISSÃO EPISCOPAL DE TEXTOS LITÚRGICOS. Liturgia das Horas. Petrópolis: Vozes; Paulinas; Paulus; Ave-Maria, 2000, v.III, p.1033.
____
Fonte:
Arautos do Evangelho, Set/2007, n. 69, p. 18 à 21
Imagem: celebração da Missa na catedral de Notre-Dame, Paris

www.ofielcatolico.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail