Os Bispos, a CNBB e os fiéis leigos – Um debate sobre pastores e lobos


UM RECENTE DEBATE entre leigos católicos, ocorrido numa rede social, resumiu bastante bem, ao meu ver, a situação atual da Igreja, o estado de confusão e constante conflito em que vivemos agora.

Há dois grupos claramente distintos e antagônicos que se confrontam: de um lado, o primeiro grupo é o daqueles que. com clara imprudência, "excomungam" por conta própria os bispos envolvidos em escândalos (negação de dogmas, apoio a criminosos condenados pela Justiça, adesão política partidária, etc.). De outro, há aqueles que, também imprudentemente, não se escandalizam com esses crimes contra a Fé e apenas condenam a postura dos que estão no primeiro grupo, unicamente com base na questão do respeito devido à hierarquia eclesiástica.

Na reprodução dos diálogos abaixo, omitimos nomes, editamos alguns trechos, acrescentamos pequenos excertos e corrigimos erros de ortografia e digitação, para facilitar a compreensão de nossos leitores. Os nomes dos debatedores foram omitidos e substituídos por alcunhas. Quem têm razão? Responda o leitor fiel católico.


No dia 20 de março deste 2018, às 19h33, postou o "Católico Legalista" em sua página do Facebook o seguinte:

Ano do Laicato
Expectativa: Leigos conscientes de seu papel na sociedade e na politica.
Realidade: Leigo fazendo cosplay de Bispo.

Respondeu o "Católico Escandalizado" da seguinte maneira:

Ano do Laicato
Expectativa: Leigos discutindo o que fazer e como agir quando seus pastores tomam o partido dos lobos.
Realidade: Católicos esforçando-se para mostrar que está todo mundo errado, menos os traidores no clero.

Vemos aqui, logo de cara, a apresentação das duas claras posturas opostas que encontramos na Igreja de hoje, antagônicas em relação ao que vem ocorrendo e às denúncias aos bispos. O debate entre "Católico Legalista" e "Católico Escandalizado" prosseguiu nos seguintes termos:


Católico Legalista
– Isso mesmo, Escandalizado. Continue deste jeito. O que fazer com a palavra dos legítimos guias da Igreja caberá a cada um. Eu, particularmente, fico com eles.

Católico Escandalizado – Só uma pergunta: o padre que disse que o Catecismo é da década de 80 e por isso já não deve ser aplicado; o bispo que troca o Evangelho pela agenda do "Partidão" e ensina o povo que é preciso que todos sejam socialistas, dizendo que essa sim é a verdadeira mensagem do Evangelho... Eu digo que já não são "guias da Igreja" e sim lobos traidores. Quem está errado: eles ou eu?

Católico Legalista – Até que se prove uma pertinácia, A PARTIR DO MOMENTO QUE FOR COMPROVADO que são culpados, como aconteceu com Dom Duarte[1], ai você está certíssimo

Católico Escandalizado – Do que você está falando, exatamente? Se está falando do bispo e padres acusados de roubar dinheiro (refere-se ao caso de Formosa, GO), bem, isso é entre eles e Deus; um desvio desse tipo não traz risco á Fé; nesse sentido não significa rigorosamente nada. Estou falando dos bispos e padres que trocaram a Igreja pelo socialismo e ensinam socialismo nas Missas, nas homilias, dizendo que aquela ideologia é a verdadeira doutrina da Igreja. Aí sim, é algo gravíssimo!

Católico Legalista – Estude o que é Contumácia e pertinácia.

[Neste ponto, lamentavelmente, somos postos diante de uma triste arrogância. Numa discussão desse tipo, é profundamente desrespeitoso e, de fato, um sinal de covardia simplesmente mandar que seu antagonista 'estude'. Tal reação é típica da parte de quem se julga intelectualmente superior ou mais sábio que o outro; alguém que se vê como 'dono da razão' e imagina que, para que seu interlocutor entenda o que ele diz, precisa estudar mais... Certamente não é a postura de um católico que se apresenta como muito preocupado com o desrespeito dos leigos e lhes cobra uma postura mais caridosa e humilde.]

Católico Escandalizado – Ah, claro, o meu problema é falta de estudo. Se eu estudar mais, vou descobrir que todo esse socialismo pregado como se fosse catolicismo é uma coisa salutar.
Bem, só o fato de misturar as duas coisas –, a perversão da fé e um simples roubo –, mostra que você está tomando como semelhantes coisas de escala de valor infinitamente distantes. O simples desvio de dinheiro, se houve, não é nada comparado ao sequestro da fé que vem acontecendo.

Católico Legalista – Não, pertinácia e contumácia não é isto... Você continua precisando entender os dois termos usados no Direito Canônico e na Teologia Católica, para explicar quando alguém comete um crime canônico ou quando alguém está apenas completamente errado.

[Aqui, vemos uma persistência em mudar o foco do debate: saber o significado dos termos 'pertinácia' e 'contumácia', evidentemente, não vai mudar e nem mesmo minimizar a gravidade do que está sendo exposto pelo 'Católico Escandalizado', mas ao invés de responder sobre isso, ele persiste na tentativa de desqualificar o seu opositor; o que tenta provar, nas entrelinhas, parece ser algo como: 'Eu sei mais do que você; portanto, você não tem qualificação para debater comigo'.]

Católico Escandalizado – Eu não disse que o significado das palavras é esse. Não estou aqui discutindo significados e interpretações de regras, estou apontando um escândalo gravíssimo, como é da minha obrigação! Mas o resumo de tudo o que você está dizendo é o seguinte: está todo mundo errado, todos os que estão confusos e escandalizados estão errados, porque são leigos e têm que ficar imóveis no cantinho deles, só rezando. Deixem o clero vermelho agir à vontade.

Católico Legalista – Corrigir corretamente e seguindo o que diz a Igreja não é o mesmo que se omitir.

Católico Escandalizado 2 [entrando na conversa] – Como se pode corrigir a um clero que, ao ser confrontado em seus erros, responde dizendo que você, por não ser comunista como Dom Hélder, Dom Paulo Arns ou Dom Pedro Casaldáliga, está excomungado?[2] Um clero que aprendeu da praxis marxista que aquilo que eu quero é o certo e que todo resto está errado; que sua vontade é soberana, acima da Tradição, da Bíblia Sagrada e da simples realidade? Achar que padre comunista está realmente aberto para o debate ou desconsiderar o opositor com rococós jurídicos-teologócicos é uma tolice. Mas tem gosto para tudo. Tem gente que prefere seguir um ex presidente criminoso; eu prefiro ficar com os Santos.

Católico Escandalizado – Em suma, eu devo negar a realidade, os simples fatos e aquilo que acontece diante dos meus olhos, porque essa realidade fere a autoridade do clero. Eles mandam abertamente votar no PT de Lula. Você vai votar no PT ou partidos aliados?

Católico Legalista – Leonardo, em suma é assim. Eu não vou votar no PT por 'N' motivos; mas eu devo dizer aos padres e bispos que fazem essas pregações: 'senhores, vocês estão errados, isso é um completo equívoco, até porque não é o papel de vossas excelências indicar partidos e candidatos. Eu penso que os senhores não deveriam fazer isso, e os senhores estão errados ao fazê-lo'.
Mas até que se prove que ele é socialista, até que se prove que ele defende o comunismo, até se provar que há contumácia no seu ato... Eu não devo ir além disso.

Católico Escandalizado 2 – Eles defendem o Frei Betto, chamam a Gleise Hoffmann de 'cria da casa', orgulham-se de apoiar o MST com todos os seus crimes! Nos núcleos da PJ, dirigidos por padres, usam pôsteres do Che Guevara! Dom Pedro Casaldáliga disse publicamente, em um programa de TV, que queria que TODOS OS POLÍTICOS DO BRASIL FOSSEM IGUAIS AO LULA! Pelo amor de Nosso Senhor Jesus! O que mais eles precisam fazer para que fique provado que são socialistas ou apoiadores do socialismo/comunismo? O que mais você quer?

Católico Legalista – A questão é quem nem todos os bispos são iguais, nem todos os envolvidos possuem o mesmo peso. Por isso, normalmente esses casos ficam submetidos à Roma até que exista uma prova, ainda que a denúncia ou a correção pública possa ser feita publicamente. Uma coisa é a denúncia, outra totalmente distinta são os julgamentos antecipados.

Católico Escandalizado – Como, prova? Você está exigindo algo cuja natureza é meramente jurídica para que se demonstre uma realidade vista por todos, que é pública e notória! A realidade e a juridicidade possuem estatutos distintos! Você quer um contrato por escrito e assinado do bispo com o Partido? Os caras propagam todo dia a cartilha marxista e a agenda do Partido! É isso que substancia o estar sob o poder do Partido, e não uma declaração burocraticamente formal.
Os fatos mais óbvios e inegáveis não são demonstráveis, e sim mostráveis. Você aponta o sol e diz que ele brilha. Você vê um sujeito caminhando e diz: "olha, ele está andando". É impossível demonstrar um fato tão simples e tão óbvio. Como exigir que eu tenha uma sentença de um Tribunal Eclesiástico para que eu tenha certeza daquilo que os meus olhos veem e os meus ouvidos ouvem? Não preciso de documento assinado, é só não ser cego e surdo para saber!

Católico Legalista – Não sou eu quem exige isso, é a Igreja.
'Chama-se heresia à NEGAÇÃO PERTINAZ, depois de recebido o Batismo, de alguma verdade que se deve crer com fé divina e católica' [conf. CDC, cân.751). O Catecismo de São Pio X vai na mesma linha e Sto. Tomás idem. O problema é que a Igreja considera que alguém tenha cometido um crime canônico não só pelo fato de ter cometido o erro em si, mas por ter cometido o erro com consciência da gravidade do seu erro. Assim, existe todo um julgamento do Réu até que ele venha a ser declarado culpado. Até lá, eu posso corrigir e mostrar publicamente o erro, mas eu não posso chamá-lo de "lobo".

[A partir daqui, o debate fica realmente interessante.]

Católico Escandalizado – Quem está falando de heresia aqui, meu irmão? As heresias pertencem a uma categoria formal, a qual você pode classificar pela Teologia; uma heresia é um raciocínio com uma conclusão que contrarie o que a Igreja sempre ensinou. Não é esse o problema, aqui. Estamos falando de uma cultura inteira, de uma forma de ver o mundo, de uma forma de ver e viver a fé.
Existem perfis de padres do Facebook em que eles publicamente se declaram adeptos da Teologia da Libertação, que é uma heresia condenada formalmente pela Igreja e pelos Papas!
Mas na verdade isso está bem além da simples heresia: não é um embate de ideias em que uma pode ser condenada e outra absolvida; trata-se de uma cosmovisão, uma forma de entender o mundo e a realidade que é incompatível com o Evangelho.
E essa corrente, esse movimento, tem uma forma de agir e pensar que pode ser condenada mil vezes e não sucumbirá, porque eles são especialistas em se camuflar, em tomar a aparência do que for preciso para enganar e subsistir. Por isso o papa Bento XVI no documento “Eu vos explico a Teologia da Libertação” disse que esse é o pior movimento e a pior heresia que jamais surgiu no interior da Igreja em todos os tempos. Mesmo assim, há padres que se declaram abertamente adeptos dessa coisa, e trabalham pela promoção desse mal condenado, mas eles jamais irão assinar um documento que prove a sua culpa. É preciso fazer alguma coisa para parar este movimento, urgentíssimo!

Católico Legalista – Essa é a natureza da coisa, mas até que alguém incorra nisso, o que seria em último caso apostasia, ele precisaria estar consciente não só da possibilidade do erro, mas estar convicto do erro e ainda assim escolhê-lo. E heresia não é uma ideia que pode ser condenada, ela já é condenada, e em última instância é apostasia por negar o objeto formal da Fé
Alguns leigos estão fazendo 'cosplay' do Papa, outros de secretários responsáveis pelo Tribunal do Santo Ofício, como se fossem legisladores e intérpretes supremos da Lei da Igreja. Alguns comportam-se como se fossem a última instância para que os leigos possam recorrer como salvação "contra" o clero, como se fossem "messias".
Disse Santo Tomás: "E assim é manifesto que o herético descrendo pertinazmente um artigo, não está disposto a seguir em tudo a doutrina da Igreja; se porém, não houver pertinácia, já não é herético, mas apenas errado. Por onde, é claro que tal herético, em relação a um artigo, não tem fé nos outros, mas uma certa opinião fundada na vontade própria".

[Foi citada a Suma Teológica, mas aqui é preciso lembrar que Sto, Tomás disse muito claramente, na mesma Suma: 'Havendo perigo próximo para a Fé, os prelados devem ser arguidos, até mesmo publicamente, pelos súditos.' (Sum. Teol. II-II, XXXIII, 4, ad 2).]

Católico Escandalizado – Essas pessoas nunca vão negar a fé verbalmente, você consegue entender? Eles nunca colocarão em uma forma doutrinária aquilo que eles fazem publicamente, daí que as condenações às ideias não produzem efeito rigorosamente nenhum. Os padres entram lá no sertão e vão transformando povos humildes em grupos de militantes socialistas, e eles não precisam de formulação doutrinária. Precisam apenas dizer às pessoas que o Evangelho é aquilo que eles fazem.
As palavras dos lobos são sempre simples, impressionam os simples.

Católico Legalista – Quem fizesse isso precisaria ser corrigido o mais depressa possível, mas até ele poder ser declarado Lobo, é outra história completamente distinta e que somente a Igreja ou o erro manifesto é que podem dizer.Você está dizendo que o simples erro já torna o sujeito culpado de crime canônico, e portanto passível de rejeição, o que não é verdade. O erro precisa ser seguido de contumácia ou pertinácia, e é lógico que eu devo corrigir isto até que aconteça, mas não posso julgar alguém até ter esta convicção.

Católico Escandalizado – "Quem fizesse isso"?? Meu Deus, é preciso ser cego e surdo e totalmente alienado para não perceber que eles ESTÃO FAZENDO ISSO AGORA MESMO, e isso está registrado em muitas gravações, vídeos, áudios, etc.
O que define um lobo um lobo é a sua própria natureza, não uma sentença formal. Você vê, reconhece por meio do senso comum. Negar isso é negar a própria possibilidade de alguma coisa ser simplesmente inteligível.
Você está falando de definições formais e eu estou falando do que vejo, de realidades concretas que levam muitos a acreditar que o evangelho é o comunismo ou o PT, e que Lula é o maior santo que já viveu no Brasil.
Por exemplo, qual a 'heresia' em incentivar e dar espaço para grupos revolucionários na Igreja? Em colocar membros desses grupos para ensinar os leigos? Não há heresia nenhuma nisso! Você pode justificar simplesmente dizendo aquelas frases de bispo: "O exercício da caridade cristã exige o acolhimento de todos à misericórdia divina e ao seio da Madre Igreja". Quem há de discordar disso? Ninguém! Mas há uma clara má intenção, e este é o modus operandi dos lobos: o resultado final é a perversão total, a profanação do sagrado, a submissão do bem ao mal, a confusão entre as hierarquias naturais das coisas.
A dificuldade ou mesmo incapacidade de se dar uma definição formal a algo não torna esse algo menos existente!

Católico Legalista 2 [entrando na conversa] – Católico Escandalizado, uma sentença não declara, realmente, um lobo, mas a percepção da existência de um lobo em "pele de cordeiro" precisa de ser verificada com a perspicácia apurada de quem tem a 'ciência' para tanto, um lobo pelado é fácil de perceber, mas um lobo em pele de cordeiro, não. Assim, a Igreja, que sabe identificar lobos a muito tempo, dá as ferramentas para descobrir se é um cordeiro machucado, zonzo, perdido, enganado ou se é realmente um lobo, portanto a sentença (não formal), mas definida assim por observar os requisitos de sua promulgação, é o único e eficaz meio para identificar o lobo.

Católico Escandalizado – A parte subjetiva não nos cabe. Se o bispo está cometendo crimes contra a Fé por desejo de destruir ou por estar simplesmente enganado, mas de boa intenção, isso é com ele e Deus. O foco do nosso debate é o que ele está fazendo! [aqui foi resumido e citado textualmente o resumo do seu argumento todo] É mais ou menos aquele raciocínio de que a intenção não desnatura a ação. Homicídio culposo e doloso não muda o status da vítima: ela continua tão morta quanto qualquer morto, independente das intenções do assassino. E a vítima, aqui, é a Fé da Igreja, é a Doutrina da Igreja, é a Verdade do Evangelho! Nós precisamos nos manifestar com clareza e com insistência até sermos ouvidos, até que eles nos expliquem o que está acontecendo, porque na realidade eles deveriam ser nossos servidores: é este o voto que fazem quando são ordenados.
Se o padre submete o sacerdócio ao Partido por maldade ou por inocência, é com ele. mas a ação é de lobo, a ação produz dano, a ação destrói.
Essa é outra confusão feita, a das motivações do profanador com o próprio ato de profanar.

Católico Legalista 2 – Apesar de a vítima estar morta, o homicídio pode ser por força de legítima defesa, por motivo fútil, por erro de pessoa, e cada situação mudará a pena ao homicida, podendo até absolvê-lo.
A profanação deve ser reparada imediatamente; a punição do profanador é graduada.

[Aqui, na última frase, o debate parece chegar a um bom termo, uma conclusão sensata. Sim, a profanação deve ser parada e reparada imediatamente, enquanto que a punição dos profanadores precisa ser apurada e julgada com o devido, necessário e justo cuidado. Mas como proceder à cessação da profanação, se os profanadores não são punidos –, nem mesmo advertidos –, e continuam em plena atividade e em pleno gozo de seus privilégios, exercendo suas atribuições com total liberdade e fazendo claro uso indevido da sua autoridade?]

Católico Escandalizado – Fatos: foi o clero vermelho quem construiu e deu poder ao PT. O PT tornou o brasil o país das meninas de 13 anos que já fazem sexo, da promoção do aborto, da destruição da família, do aumento da criminalidade e dos 70 mil assassinatos anuais, da apologia ao homossexualismo e de tudo o que é contrário à moral cristã. Essa parte podre do clero da Igreja foi diretamente responsável por tudo isso. Se o fizeram achando que faziam o bem ou conscientes do mal, isso está além de nós, mas o fato é este: eles contribuíram para uma obra satânica, demoníaca, diabólica que hoje pesa sobre nós.
Foi o clero vermelho que tornou aquele senhorzinho pobre e iletrado um eleitor cativo do PT, por pura ignorância. Essa obra diabólica é o que podemos ver, e se vemos podemos e devemos fazer juízo sobre ela. Se esse juízo não pode ser feito porque precisa de uma sentença formal, então estamos mais perdidos do que parece, pois até as ferramentas que temos para reagir já foram conquistadas.
É preciso parar de raciocinar em termos de conceitos abstratos e nos atermos ao que concretamente ocorre, o que padres e bispos andam falando e fazendo, no que pregam e fazem publicamente. Agora me digam se apontar a realidade visível e constatável, que são pastores que se comportam como lobos devoradores, se isso é um erro. A destruição feita por um Leonardo Boff, por um Casaldáliga e tantos outros clama por punição. Quantos eles mandaram para o Inferno? Quantas almas eles prejudicaram e danaram?

Católico Legalista 2 – Acho que o problema de todo esse embate é o objeto. Você argui que não há necessidade de uma sentença para fazer um juízo. Ok. Mas o meu argumento é que o seu juízo é seu, mas para ele ser efetivamente válido e ser levado em conta como retrato da realidade, ele deve ser balizado nos critérios dispostos pela Igreja.
Faça o juízo que quiser, ele provavelmente poderá concordar com a realidade, mas para ter a certeza disso (não dá profanação, mas da condição do profanador) é obrigatório a observação dos requisitos apresentados pela Santa Igreja, simplesmente porque você pode estar com uma trave no olho e nem ver.

[Cheguei um pouco antes deste trecho. A partir daqui, não resisti e entrei na conversa.]

Henrique Sebastião – A condição de consciência, de culpa ou inocência do profanador, no caso em questão, é um fator secundário. Almas podem estar sendo condenadas, a Sã Doutrina está sendo deturpada e a Casa de Deus profanada. Urge salvar as almas, em primeiríssimo lugar. Reparar o erro, restaurar a verdade, recolocar as ovelhas no caminho reto, em segurança. Para isso, os pastores que se portam como lobos devem ser imediatamente afastados. Que o julgamento das suas intenções demore séculos, depois, é um outro problema, e menos importante.

Católico Obsequioso 2 – Henrique Sebastião, antes de ser afastados, o que não é competência de uma turba de fiéis, devem ser antes admoestados e corrigidos, por quem de direito.

[Mais uma vez um desvio de rumo no debate, com a afirmação de algo que não foi negado por mim, como se eu o tivesse negado.]

Henrique SebastiãoÉ claro que não é da nossa competência, e nem eu estou afirmando isso. Mas nós temos o direito e, muitas vezes, o dever de nos manifestar. Os leigos boicotavam os bispos hereges nos tempos de Sto. Atanásio, por exemplo, e havia muita pressão popular para reabilitar os poucos santos que escaparam da heresia naquele tempo. A pressão dos leigos fez muita diferença para a restauração da ortodoxia da fé.
Manifestar nossos anseios e opiniões (e também o nosso escândalo) é direito nosso garantido pelo CDC (como disse em minha postagem 'Sobre o respeito devido aos bispos e a necessidade do leigo...').

Católico Obsequioso 2 – Henrique Sebastião, a pressão, legítima e nas instâncias certas, é algo querido e salutar.

[Muito bem! É só isso o que eu estava tentando dizer!]

Católico Escandalizado – Não é preciso pronunciamento oficial e formal da Igreja para dizer que água é líquida, que pássaros voam, que o mal está no mundo e que quem apoia o PT dá força para que este ponha em marcha a sua agenda. Você vê um padre disse que o Catecismo é inútil e que esses leigos que ficam querendo homilias que não contradigam o Catecismo são os que atrasam o desenvolvimento da Igreja. Preciso de sentença de Tribunal Eclesiástico para fazer juízo de que esse padre está errado e de que, ao pregar contra o Catecismo usando de sua autoridade, está afastando os fiéis da verdadeira Fé da Igreja?
Preciso de sentença para dizer o óbvio, visto e manifesto: que esses são lobos e não pastores?


* * *

A discussão prosseguiu mais um pouco, tornando-se a partir daqui repetitiva e, como é de praxe nesses casos, sem chegar a conclusão alguma. Achei interessante postar aqui para que mais leitores fiéis católicos tirem suas conclusões sobre realidades tão polêmicas, que são candentes e de fundamental importância para o futuro da Igreja.

Reafirmo o que disse no começo: vi nesse pequeno debate um belo resumo do que vem acontecendo na Igreja e das principais posturas assumidas pelos fiéis católicos no Brasil e no mundo.

Alguns estão muito preocupados com as formas, com o sentido das palavras, com os conceitos, com as regras e normas, com a formalização e classificação de raciocínios. Para estes, os leigos devem se ater ao seu lugar, que seria um lugar de total neutralidade e incompetência para influir nos destinos da Barca de S. Pedro; não lhes caberia, absolutamente, querer atenuar os sofrimentos do Corpo de Cristo, mas apenas rezar e confiar em Deus.

Outros extrapolam o seu direito e mesmo o seu dever de manifestar opinião e participar ativamente naquilo que tange o bem da Igreja, com um desrespeito indevido, que se demonstra também através de xingamentos, sátiras, caricaturas, desafios e coisas do tipo. Sim, aqui está algo condenável e pecaminoso.

Sim, não é prudente e nem é típico de um fiel católico que chame aos bispos, mesmo os claramente culpados, de "lobos" ou outra coisa semelhante. É preciso admoestar com mansidão e com a mínima deferência. Sem dúvida que leigo algum possui o direito ou a competência para julgar e condenar os bispos, excomungando-os por conta própria. Eu digo que alguns desses pastores vêm, sim, comportando-se como lobos, mas não afirmo que sejam lobos (mal intencionados), porque podem estar, eles próprios, simplesmente enganados, até de boa consciência, como foi dito e repetido nesse debate.

Nada disso exclui ou anula a participação dos leigos (que sim, deve ser feita com respeito e reverência, e tendo em vista sempre a utilidade comum aos fiéis, isto é, o bem da Igreja). A não ser que o Cân 212 (§§ 2-3) do CDC esteja errado.

Mas há, graças ao Bom Deus, um terceiro grupo, no qual tento humildemente me incluir: o dos leigos católicos que, por um lado, entendem suas limitações e competências próprias, mas por outro não se eximem de cumprir o seu papel. Nesse colossal desafio, estamos muito bem acompanhados, por santos leigos como São Próspero de Aquitânia e Eusébio de Antioquia, e também grandes sacerdotes como Santo Atanásio e São João Fisher.

Deus nos livre de pecar contra os seus ungidos, e também nos guarde de elevar o respeito à hierarquia acima do santo amor à Tradição, ao Magistério e às Sagradas Escrituras!

_____
1. Refere-se a Dom Carlos Duarte Costa, ex-bispo de Botucatu-SP e ex-bispo de Maura, excomungado pelo papa Pio XII em 1945.

2. Refere-se a Dom Otacílio Luziano da Silva, que disse que todos os leigos que se manifestaram publicamente contra as atitudes dos bispos envolvidos nos recentes escândalos estavam excomungados.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

2 comentários:

  1. Sim concordo com vc Henrique que Deus nos livre de pecar contra seus ungidos, mas de fato nos como leigos precisamos falar e mostrar aquilo que está acontecendo. O exemplo que o catolico escandalizado disse sobre o crime culposo e doloso é o melhor exemplo para entendermos: A vítima esta morta agora precisa ver por que o assassino o matou, mas nada trará de volta a vida da vítima. Assim esta acontecendo estão agindo assim, agora se é culposo ou doloso não cabe a nos, mas denunciar sim, não podemos nos calar diante daquilo que profana o Sagrado. Um exemplo muito claro sobre os que defende os bispo, padres etc... que dizem que a denuncia não cabe ao leigo. Vamos a carta de São Paulo aos Galatas cap.2,11-14 São Pedro aquele que andou com Jesus q foi chamado por ELE, que estava na transfiguração, que estava na instituição da eucaristia, e mais foi edificado a Igreja de Cristo sobre ele, e mesmo tendo toda essa bagagem sobre si Paulo não deixou de denunciar diante do erro que estava cometendo. Paulo poderia pensar, não posso denunciar seu erro, ele é Pedro aquele que Jesus disse:"apascenta minhas ovelhas" mas Paulo mesmo assim denuncia, por que denunciar não é julgar. "Pedro se tu é judeu e vive como gentio como podes obrigar os gentios a viverem como judeus",eis a denuncia do erro, aonde está o erro de Paulo em denunciar? Assim nos,principalmente vocês que tem meios de comunicação em mãos que denunciem mesmo sem medo, pois denunciar não é julgar, pesso a MÃE de Pentecoste que pela sua poderosíssima intercessão derrame sobre todos vocês que tem esses meios de comunicação em especial ao Fiel Católico um Espírito de Fortaleza para que continuem há denunciar aos erros que querem a todo custo expor a nós catolico.

    ResponderExcluir
  2. É bom comentar quando conseguimos perceber um certo equilíbrio entre a razão e a emoção,pois parece que as opiniões podem ser auxiliadas por um fundo luminoso de maior intensidade.
    Tenho acompanhado os vídeos do Bernardo Küster e as consequentes discussões que eles têm gerado.Por um lado, aqueles que o apóiam e por outro aqueles que o reprovam,e há ainda aqueles que sinalizam um meio-termo.Sinceramente eu acredito,que nesse caso,não há três opções,mas somente duas,ou seja,ou se apóia e aprova ou então se opõe e reprova.Pois bem,eu apóio e aprovo as declarações do Bernardo e digo mais, diante de tantas denúncias que já foram feitas envolvendo autoridades eclesiásticas da Igreja e a CNBB,essas do Bernardo parecem terem sido acertadas,tanto do ponto de vista do conteúdo quanto da forma,prova disso são as repercussões que elas têm alcançado.Não conheço o Bernardo Küster pessoalmente e nunca tive nenhum tipo de contato virtual com ele,mas gostaria de conhecê-lo e até confesso que senti uma ponta de inveja ao ver um leigo seguro, corajoso e bem informado e ao mesmo tempo comprometido com a renovação e fortalecimento da Igreja Militante.Suplico e imploro a Jesus e Maria,os legítimos Donos e Senhores da Igreja,que suscitem muitos outros Bernardos Küsters nas outras dioceses e arquidioceses do Brasil e do mundo para que a Igreja, que é "Ouro", tenha a oportunidade de ser purificada e assim,no seu devido tempo,mostrar todo o seu Esplendor.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$9,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail