Feliz ano novo?


QUE SERIA ESTE tão falado "ano novo", a não ser o encerramento de mais um ciclo, totalmente subjetivo, e o início de um outro? Por que damos tanto valor às datas e símbolos? Ocorre que, psicologicamente falando, o ser humano precisa destes marcos e marcas, destas datas e divisões que organizam e dão sentido à sua vida aparentemente caótica e carente de propósitos.

Você já se perguntou por que o dia 31 de dezembro foi escolhido para simbolizar o fim de um ano, antes do início de um “feliz ano novo”, já que não há como se definir um dia em particular em que a Terra tenha começado a girar ao redor do Sol? 

E há uma outra pergunta importante, que já atormentou as mentes de milhões de pessoas (em especial as dos cristãos) ao redor do globo terrestre, desde os últimos cinco séculos: se o início do ano, na era cristã, é contado a partir do Nascimento de Cristo, porque essa defasagem de uma semana entre a data atribuída ao seu Nascimento (independentemente de ser historicamente precisa ou não), o 25 de Dezembro, e a abertura do novo ano? Parece (e de fato é) totalmente ilógico, não é mesmo?

A ideia de usar o primeiro dia de janeiro como primeiro dia do ano foi do imperador romano Júlio César, – e isso apenas cerca de 50 anos antes do nascimento de Jesus Cristo.

Muitos calendários existiram e existiam antes de Júlio César decidir criar este que usamos ainda hoje, o chamado Calendário Juliano. Mas foi convencionado que, neste novo calendário, o dia primeiro de janeiro seria o primeiro dia do ano, porque era o dia em que os oficiais romanos eleitos tomavam posse de seus cargos.

Mesmo com a popularização do Calendário Juliano, porém, algumas culturas continuaram a usar datas em março e em setembro, por exemplo, para marcar o início de seus anos.

Na Europa Medieval, entretanto, as comemorações de passagem de ano foram consideradas pagãs, então a Igreja determinou que o ano começaria no dia 25 de Dezembro, para coincidir com o dia do Nascimento de Cristo. E, – esclarecendo de uma vez a grande dúvida, – foi apenas em 1570 que o Papa Gregório autorizou a restauração do dia primeiro de janeiro como o primeiro dia do ano. Deste modo, acabamos como que ficando com dois primeiros dias do ano: um com sentido espiritual e outro mundano. Não nega que, hoje em dia, a maioria goste mais de celebrar o tal réveillon do que o Natal do Senhor.

Curiosamente, a própria palavra réveillon, de origem francesa, deriva do verbo réveiller, que, assim como seu sinônimo éveiller, significa "acordar, despertar". Ocorre que esse termo originalmente designava exatamente a ceia da noite de Natal; posteriormente, passou a referir-se à janta da véspera do Ano Novo e, por fim, à própria virada do ano.1

† † †

Pessoa humana, assim é a tua vida:

"O tempo vem correndo e correndo vai-se embora. Numa das mãos traz os paninhos do teu berço e na outra a mortalha para o teu caixão. Homem orgulhoso, de que te ufanas?" (Petöfi)

Feliz ano novo! Eis a saudação vazia que sai da boca de pobres e ricos, cultos e ignorantes, negros e brancos, jovens e velhos. Só o ouvi-la, muitas vezes, causa repugnância ao sábio, porque, como disse Santo Agostinho, na muita sabedoria há muito enfado.

Feliz ano novo! Terá um feliz ano novo aquele cristão que não se preocupou em deixar os vícios junto com o ano velho? Feliz ano novo! Terá um feliz ano novo aquele que continua a carregar demônios em sua alma imortal? Feliz ano novo! Terá um feliz ano novo o cristão que permanece em pecado mortal, mergulhado nas trevas?

Feliz ano novo! Terá um feliz ano novo aquele que vive a correr desesperadamente atrás dos bens materiais e com as costas voltadas para Deus?

Católico, para você ter verdadeiramente um feliz ano novo é preciso:

1. Expulsar o pecado mortal de sua alma através de uma confissão auricular bem feita, e viver na Graça santificante;

2. Fazer todo o bem que estiver ao seu alcance;

3. Entrar no ano que se inicia com fé firme em Cristo Jesus;

4. Entrar no Ano Novo com forte confiança em Jesus Cristo;

5. Entrar no Ano Novo com sérios esforços para alcançar as virtudes;

6. Entrar no Ano Novo com santo amor ao sacrifício.

Católico, seja sábio; aproveite o Ano de 2015 para crescer na santidade. Cuidado! Não o jogue fora; quem sabe esse será o último ano de sua vida neste mundo.


____________
1. Conf. Prof° Aldo Bizzocchi, em:
revistalingua.uol.com.br/textos/blog-abizzocchi/a-origem-do-nome-reveillon-302700-1.asp
Acesso 31/12/014

_________
Fontes e ref.:
• Portal Live Science, em:
http://www.livescience.com/32913-why-does-the-new-year-start-on-january-1st.html
Acesso 31/12/014
• Artigo "A Origem do Nome", do Profº Aldo Bizzocchi, em:
http://revistalingua.uol.com.br/textos/blog-abizzocchi/a-origem-do-nome-reveillon-302700-1.asp
Acesso 31/12/014
• Artigo "Ano Novo", do Instituto Missionário dos Filhos e Filhas da Paixão, em
http://www.filhosdapaixao.org.br/anual/ano_novo.htm
Acesso 31/12/014
www.ofielcatolico.com.br

4 comentários:

  1. Muito pertinente o post de Feliz Ano Novo!, parabens! o que posso dizer... tem muita gente querendo resultados diferentes do ano anterior, mesmo ainda usando uma receita igual... não dá! Segunda eu começo o regime, a academia, ler a biblia ou qualquer outra atividade que eu nunca consegui me doutrinar a fazer... então... nem segunda nem depois do carnaval (quando politico-economicamente o Brasil inicia de fato o ano novo)... afora as sugestões que foram postadas, posso sugerir tambem uma outra: Marcos16:15! é um excelente modo de começar o ano.... trabalhando para Cristo, então Feliz Ano Novo - André

    ResponderExcluir
  2. Henrique Sebastião, com relação ao seu comentário sobre o título “Feliz ano Novo”, onde fala sobre o dia do nascimento de Cristo, e lembrando eu que já havia lido nos livros de Valtorta a respeito, trago a você esta preciosa informação da boca do próprio Salvador, e diz o seguinte:

    “Amigos, aqui na noite do dia 25 das Encênias, da Virgem nasceu Jesus Cristo, o Emanuel, o Verbo de Deus feito carne por amor do homem: Eu que vos falo”.(de Jesus a Valtorta,Vol.1,pag.442)

    Abraços e paz, e um início de ano na fé do Senhor Jesus.
    Antonio Carlos Calciolari.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, antes de tudo, é preciso ler o que disse o Dom Estêvão Bettencourt (OSB), um dos mais conceituados teólogo brasileiro, acerca das visões da italiana Maria Voltorta. Disponível aqui: http://www.pr.gonet.biz/kb_read.php?num=854

      Caro Henrique Sebastião, irmão em Cristo Jesus, o que a Santa Igreja de Cristo diz a respeito dos escritos de Maria Voltorta?

      Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo e salve Maria Mãe de Deus!

      Excluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail