Sobre a capa criminosa da Veja

HÁ MENTIRAS QUE SÃO DITAS usando uma verdade como instrumento. Os que usam a verdade para conduzir à mentira são mais criminosos do que os que usam a mentira como instrumento de trabalho.



A revista Veja trouxe na capa desta semana (15/6/016) um caso de pedofilia envolvendo um padre em Goiás. Segundo a reportagem, Fabiano Santos Gonzaga, 28, abusou de um adolescente de 15 numa sauna de um clube. O garoto tem retardo mental e sua compreensão do mundo é próxima a de uma criança de 9 anos de idade. Segundo a denúncia, o padre, ao ficar sozinho com o menino, obrigou-o a fazer sexo oral. Ao que consta, o menino, depois, sem entender bem a gravidade do ocorrido, pediu à mãe para lavar a boca, justificando o porquê. A mãe foi atrás do abusador e descobriu, posteriormente, que era um padre católico. O padre nega o ocorrido, mas, devido o seu celular ter sido apreendido, já se sabe que ele não vivia a castidade e mantinha relações homossexuais.

Um caso escandaloso, sem dúvida, e mais do que isso. Todavia vejamos não somente os terríveis fatos, mas também os bastidores do caso. Da notícia resumida acima, a revista Veja dá uma capa com manchete em letras garrafais: “PEDOFILIA NA IGREJA”. Acompanha o titulo sensacionalista a imagem de um falso padre vestido de batina, segurando um Terço e tampando a boca de uma criança assustada. 

Convenhamos que a intenção caluniosa e difamatória da redação da revista é clara, e só se admite num país de hipócritas como é o Brasil. Nesta capa a Veja nos dá uma aula de vigarice. Em primeiro lugar, a ética jornalística determina que nunca se use termos genéricos em casos específicos, e principalmente não se associe qualquer instituição a delitos de seus membros, quando estes agem por orientação própria e contrariando as determinações daquela.

O que se pretende com isso? É evidente que atacar um padre específico não basta. Isso seria trabalho de amador. O que a grande Imprensa deseja é atacar a Igreja. A Veja não quis simplesmente publicar a foto do acusado. Não... assim não poderia praticar o seu terrorismo plenamente: o padre criminoso evidentemente não usa batina e nem havia imagem dele levando o Terço nas mãos. Coube à edição da revista fazer essa montagem criminosa. A culpa, então, já não era mais do padre Fabiano, mas da Igreja Católica.

Curioso, mas a pesquisa do sociólogo italiano Massimo Introvigne demonstrou, em 2010, que num período de várias décadas, cem (100) padres foram denunciados na Itália, enquanto 6 mil professores de Educação Física sofriam condenação pelo mesmo delito. Na Alemanha, desde 1995, existiram no total 210 mil denúncias de abusos. Destas 210 mil, 300 estavam ligadas ao clero. Menos de 0,2%. Por que a Imprensa se empenha tanto em comentar, sempre, esta ínfima minoria no quadro geral? 

Sim, somos os primeiros a concordar que, ainda que houvesse apenas um único caso de pedofilia envolvendo um padre, isto seria um crime monstruoso e um absurdo lamentável. Não desejamos justificar nenhum crime, pelo contrário: padres que comprovadamente se envolveram em pedofilia devem ser expulsos do clero e presos. Não é isso o que estamos questionando aqui. O que questionamos é a clara tentativa  de se impor à Igreja uma pecha absolutamente injusta. Negar a proporção dos fatos concretos é render-se à mentira. 

Alguém poderia contra-argumentar que o importante é que exista o crime, e não a quantidade de casos. Mas o fato é que nenhuma instituição está livre da pedofilia, e o crime está em querer se associar o prolema à Igreja, como se ela fosse sua causadora ou incentivadora em algum nível, o que simplesmente não é verdade. Insistimos que é uma vergonha que exista um membro da Igreja envolvido nisso, mas negar as devidas proporções do crime é a lógica dos desonestos.

Certamente não faltará quem indague: “Até quando a Igreja manterá o celibato sacerdotal?”, e responderemos com uma outra indagação: o que levaria a crer que um homem que se abstêm de sexo passe a sentir atração por crianças(!)? E como perguntar não ofende, indagamos à editora Abril, que publica a Veja, se a erotização das crianças com o bombardeio sexual em revistas como a “Nova Escola” não poderia, com bem maior propriedade, gerar algum tipo de fomento da pedofilia e da pederastia. 





Bem, sabemos que para bater na Igreja qualquer instrumento serve. No Brasil, na CPI da Pedofilia, por exemplo, foi considerada "prova de crime de pedofilia" um vídeo em que Luis Marques Barbosa, falecido em 2014, mantinha relação homossexual com uma "criança de 20 anos"(sic). Afinal, quem estava sendo abusado? O "bebê" de 20 anos ou o ancião de 83?. Evidente que Barbosa, sendo padre, deveria praticar o celibato que jurou guardar. Mas não se chame pedofilia o que simplesmente não é. Enquanto qualquer argumento – e todos os expedientes, inclusive montagens de capa criminosas – for considerado válido para atacar a honra da Igreja, não haverá discussão séria, em nosso país e no mundo.

____
Texto-base de Renato Aquino para o portal Fides Press

Fonte:
Fides Press, disp. em
http://fidespress.com/igreja/capa-criminosa-de-veja-associa-igreja-pedofilia/
Acesso 16/6/016
www.ofielcatolico.com.br

12 comentários:

  1. Bem, vou fazer um comentário aqui, que é o mesmo que fiz no Aleteia: Não compro e nem assino a Revista Veja e qualquer outra revista de Editora Abril, nem para usar como papel higiênico.

    Sidnei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz muito bem Sidnei. Tudo isso acontece porque os católicos, em sua maioria são passivos. Falar mal da Igreja, seja da forma mais absurda e inverídica que for dá ibope e ninguém reclama. Não precisa cuidado com os fatos, basta montar uma instituição monstruosa e fica tudo bem.

      Semana passada assistindo a uma série de TV, um personagem sem mais nem menos acusou padres católico de perseguirem e fazer com que mulheres fossem enforcadas numa região européia. Veja que não houve nenhum único subsídio histórico, simplesmente uma acusação gratuita, como se os padres católicos tivessem a função ordinária de promover enforcamentos. Mudei de canal e não volto mais a assistir a série. Mas muitos aceitam passivos e as mentiras continuam. Com outros grupos de pessoas, as coisas não são assim, há indignação até por uma verdade dita, mas com a Igreja infelizmente vemos a passividade, e a lenda do bicho papão católico de tanto ser repetida vai se tornando realidade nas mentes das pessoas.

      A paz de Cristo!

      Excluir
  2. concordo com o comentário do anônimo acima. Helena. Paz e Bem.

    ResponderExcluir
  3. Essa capa da Veja é proposital, para causar a covarde estigmatização de todos os padres, como se todos os padres fossem pedófilos, impingindo essa imagem falsa e preconceituosa no inconsciente popular. Assim trabalha a mídia. Eles foram canalhas em não mostrar na capa o dito ''padre'' que cometeu o crime!

    E dizer que o fim do celibato acabará com os malditos ''padres'' pedófilos (como se o celibato fosse a causa disso) é tão absurdo quanto dizer que a masturbação aliviará a sanha do estuprador — e olha que o Felipe Andreoli disse isso no CQC aos senadores Marcelo Crivella e Magno Malta, sobre a castração química. Mas disse em tom pilhérico, é claro.

    Celibato não é a causa da pedofilia na Igreja (como sugere o falso católico Reinaldo Azevedo, que defende o pecaminoso casamento homoerótico, contrariando a Deus), jamais!, tanto que há pedofilia em homens casados, heterossexuais, homens do governo, de outras religiões (islã inclusive e abundantemente, tendo até casamento pedófilo) e até da na ONU.

    A pedofilia é condenada pela Igreja, que combateu-a [a pedofilia] nos tempos do antigo paganismo, onde o estoicismo nem sequer fazia vista grossa. Foi a religião cristã que moldou os padrões de moralidade predominantes no Ocidente. A pedofilia, portanto, a partir de então, desde a ascensão do Cristianismo, foi sempre condenada.

    Já os comunistas prometiam o fim do que eles chamam de a ''moral burguesa'', lutando para desconstruir tudo o que adviesse dessa moral, até a família, tida como a fonte de todo mal no ''Manifesto Comunista''. A Igreja sempre lutou contra essas maquinações.

    E como tão eficientemente vem fazendo o marxismo cultural, há os defensores descarados da pedofilia. O comunismo, com a revolução sexual de Wilhelm Reich, Herbert Marcuse et caterva, corrompeu a juventude. Alguns degenerados da esquerda dizem que a pedofilia, assim como o incesto, são os últimos tabus a serem derrubados. O Humaniza Redes e o próprio PT relativizam a pedofilia, vale lembar!

    O sacerdote que pratica o repugnante crime da pedofilia é um prevaricador das Leis de Deus, cometendo um pecado mortal. É excomungado! Já as transgressões de caráter sexual (pedofilia incluso) passam a ser incentivadas pelos esquerdistas degenerados com os movimentos de liberação sexual (vide feministas, gayzistas et caterva).

    Nos dias atuais, o Partido Comunista da Grã-Bretanha (PCP) é o único partido político que defende na Europa a supressão da idade de consentimento [sexual] entre adultos e crianças, isto é, defendem descaradamente a pedofilia. Outros partidos ''progressistas'' de esquerda também defendem a pedofilia, porém eufemisticamente, para não dar tão na cara assim. Mas cada vez mais esses cretinos estão perdendo a vergonha!

    Paz e Bem.
    ____

    http://www.adf.org.br/home/2015/07/como-se-defender-verdadeiramente-a-santa-igreja-conheca-o-heroico-exemplo-de-santa-ines-e-descubra-porque-ele-e-tao-importante-para-todos-os-catolicos-nos-dias-de-hoje/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitas as suas colocações, Augusto Paiva, às quais fazemos eco. Fala-se muitíssimo nos casos que envolvem padres, mas não se menciona a raiz do problema, que é o marxismo cultural ampla e sistematicamente difundido nas escolas e universidades, e também pela quase totalidade dos nossos veículos de comunicação.

      Em tempo: gostaria de saber o seu e-mail, para que pudéssemos tratar de um assunto particular, se considerar conveniente.

      Um fraterno abraço, e a Paz de Nosso Senhor

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  4. Henrique, na revista veja tem um espaço dos leitores para comentarem alguma reportagem da revista anterior. Você, com um grande conhecimento que tem, poderia nos representar com seu comentário sobre essa difamadora capa da revista veja.

    ResponderExcluir
  5. Por causa destas informações e outras, que caluniam a Igreja, é que eu deixei de ser assinante desta REVISTA LIXO há muito tempo. Nutro um ódio imenso por este "meio de comunicação". Pode ser considerada séria ? Ao mesmo tempo que difama a Igreja, procura exaltar os pastores protestantes. Será que ela não sabe, que esses pastores usam o nome de Deus para trapacear as pessoas humildes, espoliando até o último centavo destas pobres criaturas ? São verdadeiros estelionatários, lobos em pele de cordeiro. Quer mais ? Também já foram registrados vários casos de pedofilia nessas igrejas (para mim, são consideradas em minúscula) ditas protestantes. Por que a VEJA não denunciam esses casos, estampando como reportagem de capa ? Por aí se vê a "seriedade" por qual esta Revista se pauta ? Quanto aos padres pedófilos, eles são verdadeiros psicopatas, que adentram a Igreja e usam-Na para encobrir seus instintos perversos, ou para se aproximarem das crianças. Ou mais precisamente, para esconderem as suas predisposições homossexuais. Mas a sociedade brasileira não possui senso de discernimento para julgar que esses casos de pedofilia, que ocorrem na Igreja, tratam-se apenas de fatos isolados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Anônimo,
      Seja esperto,isto não é uma briga entre católicoe e ptotestantes e sim uma estratégia para atingir de modo geral o criatianismo.
      Porque a Igreja Católica ser o principal alvo, Ela possui o maior rebanho no mundo cerca de 1 bilhão de fiéis.
      Sou protestante lhe afirmo que quando eles conseguirem desmoralizar a Igreja Católica,independente de nossas divergências o cristianismo estará praticamente acabado.

      O Senhor lhe abençoe.

      Excluir
  6. Caríssimos, Salve Maria. Logo após o Oscar pude conhecer por indicação do youtuber Nando Moura o livro "Adeus Homens de Deus" de Michael S. Rose. Há uma resenha sobre o livro no site do Montfort.

    ResponderExcluir
  7. "SEUS" FARISEUS!
    Os maiores críticos da Igreja são os ideologistas, caso dos Partidos Comunistas implantadores do Marxismo Cultural para degradar a sociedade, DESTRUINDO-LHE A FAMILIA E A ESPIRITUALIDADE CATÓLICA e os fariseus e relativistas protestantes, que recomendam que os padres deveriam se casar para acabar com a "concupiscencia que corrói" o clero, como se fosse uma realidade comprovada!
    Porém, muito ao contrario, os sedizentes evangélicos são péssimos exemplos nesses casos de incidencias nos casos de pedofilia, pois em geral são casados – alguns têm até filiais, alguns vão “orar” com a “irmãs” enquanto o “irmão” está distante, no trabalho – e são muito mais acusados e até mesmo flagrados em casos de pedofilia que os sacerdotes que são celibatarios!
    Deveria ser ao contrario; padre católico por lógica teria de ser sinõnimo de pedofilia, no entanto, a midia parcial a serviço do relativismo e rigorosa seletivamente anti católica - caso da VEJA - apenas relata os casos da Igreja e, de vez em quando os requenta, relança na midia para instigar os odios contra a Igreja, enquanto por seu turno, omite as perversões e sabotagens que os hereges pastores e obreiros protestantes cometem, como se fosse procedimento normal!
    Quantos casos de pastores praticando sexo até dentro de suas igrejocas?!

    ResponderExcluir
  8. Esta capa da revista Veja, juntamente com muitas outras manifestações e mecanismos numerosos hoje em dia, servem para aplicar um "funil" ou uma "peneira" para o que se considera culto, informado e relevante na modernidade: para se gozar de uma reputação com essas três qualidades, os poderosos são taxativos, isto é, não se pode ser cristão, não se pode ser católico, não se pode ter como centro da própria vida o Nosso Senhor Crucificado e Ressuscitado, Jesus Sacramentado. Se se quer subir de patamar, o critério imposto pelos poderosos, que são marxistas e maçons, sionistas e satanistas, é o do abandono de nossa nobre origem espiritual. Vale notar que o que se cobra para se ser "culto", "relevante" e "informado" é algo sumamente anticivilizatório, a negação do alicerce moral judaico-cristão, após o que só viria a existir um devir vazio, isto é, pasto livre para todo tipo de contestação, de revolução, de inversão de valores. Os fiéis católicos, em sua maioria, não lê e nem assina revistas, com o que essa propaganda anticatólica não chega a eles. Publicações como a revista Veja chegam aos que aspiram mais, estão na ou fizeram faculdade, querem um crescimento profissional, social e econômico maior do que o de seus antepassados. Esses é que são bombardeados com esses ataques infundados, gente que corre o risco de renegar sua infância e adolescência na Igreja para ser aceito no mundo profissional e moderno e que, uma vez contaminados, voltam para casa para contestar a fé dos pais e avós, criando rixas e divisões nas famílias, fragilizando-as... Os poderosos não dormem no ponto... Nós, aqui de baixo, é que dormimos. Ainda bem que "O Fiel Católico" está fazendo a sua parte para mudar isso. Imaculado Coração de Maria, sede a nossa salvação!

    ResponderExcluir
  9. Além da falta de respeito a Nosso Senhor, ao rosário, colocando o Crucifixo na mão do padre e tampando a boca do menino. Falta de respeito!

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail