O pecado do orgulho ou soberba


“A soberba precede à ruína, e o orgulho, à queda.” (Pv 16, 18)
“Quando vem o orgulho, chega a desgraça; mas a sabedoria está com os humildes.” (Pv 11, 2)
“Deus resiste aos soberbos, mas concede graça aos humildes.” (Tg 4, 6)

JÁ REFLETIMOS SOBRE o significado do pecado capital; vimos que são sete, e relembramos quais são e o que significam (acesse). A partir deste estudo, veremos cada um dos sete pecados capitais separadamente, com mais de detalhes, e buscaremos conhecer também qual a melhor maneira de evitá-los ou vencê-los a cada dia.

Catequese sobre os pecados capitais – I


OS SETE PECADOS capitais têm esse nome porque estão na origem dos outros pecados que nos separam do Amor de Deus. Essa doutrina possui farta base bíblica e teológica, sendo parte do ensino moral cristão mais elementar.

Cardeal desafia Francisco e faz ordenações secretamente

A CADA DIA surgem novas notícias semelhantes, com bispos, padres e mesmo cardeais que optam por desobedecer às determinações injustas do Pontífice reinante. Quando clérigos que promovem abertamente o movimento LGBT+, desobedecendo ordens diretas da Santa Sé, não são punidos, e aqueles que simplesmente querem santificar as suas vidas, observando a Tradição e fazendo aquilo que a Igreja sempre fez, recebem duríssimos castigos, sendo isolados ou mesmo afastados, fica difícil considerar que essa atitude esteja errada. Estamos sendo constantemente confrontados com o conselho perpétuo do primeiro Papa: “Importa obedecer antes a Deus do que aos homens” (At 5, 27-33).


Igrejas feias fazem mal para a alma – a importância da beleza estética na Liturgia para a evangelização

ASSIM COMO ACONTECE com a Verdade, a Beleza também não é relativa. Está aí um assunto que quase inevitavelmente provocará polêmica nos ambientes modernos, já que os ouvidos dos nossos tempos, profundamente doutrinados na ideologia socialista, não admitem desigualdade de espécie alguma – ainda que as desigualdades inegavelmente existam e sejam mais do que evidentes.

Paulo Kogos declara-se publicamente como sedevacantista

EM ENTREVISTA concedida nesta quarta-feira, 18 de maio de 2022, ao programa "Monark Talks", o influenciador Paulo Kogos assumiu ter aderido ao crescente movimento sedevacantista (saiba mais) e deu os motivos desta sua decisão. 







Reflexões sobre as razões do sofrimento: por que existem a dor e o sofrimento neste mundo?

Pelo Revmo. Padre Francisco Faus


O sofrimento e o amor: dois modos de encarar a mesma dor

FAZ ALGUNS anos, no espaço de um mês, tomei conhecimento de dois casos muito parecidos, porém totalmente diferentes em seus efeitos: dois casos de pais que haviam perdido um filho adolescente de maneira repentina e trágica. Conversei longamente com o primeiro e, uns trinta dias mais tarde, com o outro. O primeiro afundara-se numa dor insuportável, que lhe abalou os alicerces da vida e lhe asfixiou a fé. Repetia depois, ao longo dos anos, num desabafo amargo e cheio de rancor, que a sua vida tinha perdido o sentido, que não sabia se Deus existia ou não, mas que não se importava, porque já o tinha apagado dos pensamentos e não queria saber mais d'Ele. Fechado na sua solidão desesperada, definhava e tornava difícil a existência dos que conviviam com ele. Sem a luz da fé, o homem fica abandonado ao turbilhão da vida, é como um cego golpeado por um mundo cruel e incompreensível, sem outra alternativa a não ser a revolta, a frieza, a resignação ou o desespero.

Sedevacantismo? Reconhecer e resistir? Qual a nossa posição perante a grande crise da Igreja?


EM NOSSA LONGA série de postagens sobre as posições possíveis aos fiéis católicos frente à grande crise que assola a Igreja dos nossos tempos (acesse aqui todos os artigos), iniciamos pelo início: reconhecendo que o problema existe, e que é gravíssimo. De fato é bem possível – e compartilham conosco deste ponto de vista alguns dos maiores teólogos da atualidade, bispos e cardeais notáveis e Ratzinger/Bento XVI –, que estejamos vivendo a maior crise de toda a história: uma crise doutrinal, moral e disciplinar sem precedentes.

Os dogmas da Igreja Católica


Você sabe o que é um dogma? Pra que serve, quantos e quais são os dogmas da Igreja?

Neste artigo respondemos a todas essas perguntas. Para enfrentar os tempos difíceis que vêm por aí, CATÓLICO, FORME-SE!

PARA A IGREJA Católica, dogma é uma verdade de fé revelada por Deus. Logo, um dogma é imutável e definitivo; não pode ser mudado nem revogado, pois Deus, sendo Perfeito e Eterno, não está sujeito à mudança – o SENHOR é o mesmo ontem, hoje e eternamente (Hb 13,8).
Subir