13 lições do primeiro carnaval da era Bolsonaro


Por Frederico Rodrigues

1. Escolas de samba que possuem ligações com o tráfico e milícias viraram exemplo de consciência social.

2. Depois de hibernar durante 4 governos petistas (corruptos, apoiadores de ditaduras e que geraram milhões de desempregados, além de arruinar a economia do país), escolas e blocos descobriram que é legal criticar o governo. Provavelmente faltou material na era PT...

3. O crime de "atentado ao pudor" é apagado do Código Penal durante 5 dias.

4. É absolutamente proibido ultrajar qualquer religião (inclusive o islamismo e especialmente as ditas 'de matriz africana'), com exceção do Cristianismo: neste caso, quanto mais agressivo, vil e de mau gosto, melhor. Se o alvo for o próprio Jesus Cristo, ganham-se pontos com a Imprensa.

5. Se estiver em um bloco de rua, ao passar na frente de uma igreja ou de um culto cristão, não se esqueça de tirar as calças e mostrar suas partes íntimas aos fiéis que estiverem lá dentro. Esses cristãos precisam aprender sobre tolerância e respeito.

6. Respeite as mulheres, as lésbicas, os gays, os "trans" e os negros. Já os homens héteros e brancos não precisam de respeito, afinal eles são a razão de todos os males do mundo, e além disso não sofrem assédio. Aliás, você, homossexual que levar um fora de um homem hétero, não se esqueça de fazer um escândalo e dizer que está sofrendo homofobia do "macho escroto". Lacração garantida.

7. Para ser abuso contra uma mulher, basta a palavra da alegada vítima. Mas se for uma mulher importunando um homem para ficar com ele, e ele não quiser, nesse caso o correto é fazer piada desse frouxo. Todos contra o machismo!

8. Tolerância e respeito acima de tudo. Mas se vir um carro com adesivo do Bolsonaro na rua, o correto é bater nos vidros e nas portas e apavorar a família que está lá dentro. Não podemos deixar esses fascistas passar impunes. O que quer dizer a palavra "fascismo", mesmo? Ah, não importa. Lula livre!

9. Mesmo que você não soubesse quem era a Marielle Franco antes dela morrer, e mesmo que ninguém saiba quem a matou, diga que ela é "um exemplo de resistência"(?) pra você. Ninguém vai entender ao que você está "resistindo", mas o sucesso é garantido.

10. A esquerda já definiu as regras sobre qual fantasia você poderá usar. Por exemplo, não se pode vestir nem de índio nem de mulher. O problema é que a esquerda também diz que roupa não tem "gênero". Logo é impossível se fantasiar de mulher porque não existe "roupa de mulher". Entendeu? Nem eu.

11. Entretanto é permitido se fantasiar de mulher caso a fantasia seja para zombar do abuso sexual sofrido pela Ministra Damares quando criança.

12. Seu bloco é uma porcaria e você não sabe como aparecer? Acrescente críticas ao Bolsonaro e desfrute de publicidade gratuita e infinita nos grandes veículos da Imprensa "imparcial".

13. De repente tornou-se imprescindível politizar a festa do começo ao fim. Afinal, sabemos que nada será melhor para o país do que seguir a opinião de uma multidão bêbada e descontrolada que emporcalha as ruas enquanto se afoga em drogas e se entrega à promiscuidade desenfreada.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!
www.ofielcatolico.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$13,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail