Terroristas islâmicos assassinam 12 em Paris – despertará a Europa?

O ATAQUE OCORREU hoje (7/1), em plena região metropolitana da capital francesa, – uma das mais belas e civilizadas cidades da Europa. – O alvo foi a redação do jornal satírico "Charlie Hebdo", que vinha recebendo ameaças após publicar algumas caricaturas representando Maomé. Milhares de pessoas saíram às ruas por toda a Europa, em manifestações de protesto pacíficas e silenciosas, especialmente em França, Bélgica e Reino Unido.

O atentado foi efetivado às 11h30 do horário local (8h30 em Brasília) por um grupo de homens fortemente armados e aparentemente bem treinados, que invadiram com facilidade a redação do jornal e fugiram logo após o crime.

A publicação em questão é conhecida por suas charges irônicas sobre figuras políticas e religiosas, e se tornou alvo de terroristas muçulmanos assim que publicou charges com a figura de Maomé, o profeta do islã, sendo que vinha recebendo uma série de ameaças ao longo dos últimos anos.


Multidão reunida em Paris contra a ameaça terrorista: despertará a Europa, enfim, para o perigo iminente ?

Na capital francesa, cerca de 35 mil pessoas se reuniram na tradicional Praça da República, na região central. Manifestantes também deixaram suas casas e se uniram para protestar em diversos outros pontos do continente europeu. Em Bruxelas, Bélgica, uma multidão foi para a frente do Parlamento Europeu. Em Londres, no Reino Unido, milhares foram parar no Trafalgar Square, no centro. – Os manifestantes atenderam à convocações nas redes sociais, que também recomendava o uso de um cartaz escrito "Je suis Charlie", isto é, "Eu sou Charlie" (Hebdo, em alusão ao personagem-título da revista).


Vídeo amador mostra policial (que nada tinha a ver com as charges que motivaram o ataque), ferido e já fora de combate, no solo e implorando clemência, sendo executado a sangue-frio por um dos terroristas

O ataque

Segundo fontes policiais, os autores do ataque gritavam: "Vingamos o Profeta!", em referência a Maomé. Ao abandonar o prédio, os agressores atiraram contra um policial, atacaram um motorista e atropelaram um pedestre com o carro roubado. Vídeos amadores mostram ao menos dois homens, mascarados, vestidos de preto e portando armas automáticas, trocando tiros com policiais nas ruas da capital francesa. Em um dos vídeos, é possível ouvir os homens gritando "Allahu akbar", termo árabe que significa "Deus é grande", e um deles executa um policial ferido, caído no chão, com um tiro à queima roupa na cabeça.

"Ouvi disparos, vi pessoas encapuzadas que fugiram em um carro. Eram pelo menos cinco", declarou à AFP (Agence Frande-Presse) Michel Goldenberg, que tem escritório na rua Nicolas Apert, onde fica a sede do jornal. Entre os mortos estão o diretor de redação Stéphane Charbonnier ('Charb'), e três famosos chargistas: Jean Cabut, o "Cabu", Georges Wolinski e Bernard Verlhac, conhecido como "Tignous".

De acordo com informações da polícia francesa, após a invasão à redação da revista, localizada no oeste de Paris, três homens entraram em um carro em que um motorista os aguardava para a fuga. Eles seguiram para a Porte de Pantin, no noroeste da cidade, onde abandonaram o primeiro carro e roubaram um segundo. A polícia iniciou uma busca pelos agressores pelas ruas de Paris e as autoridades pediram à população que evitasse circular e utilizar transportes públicos. Após o ataque, todas as redações de jornais baseadas em Paris foram colocadas sob proteção policial, assim como templos religiosos e escritórios do governo.

O presidente da França, François Hollande, dirigiu-se até o local do atentado e confirmou tratar-se de um ataque terrorista, – o mais violento registrado na França em 40 anos. "É um atentado terrorista, não há dúvida", disse Hollande, definindo o atentado como "um ato de uma barbárie excepcional".

Segundo fontes policiais, os homens envolvidos no ataque contra a revista demonstraram calma, determinação e eficiência, sinais de que passaram por treinamento militar intenso. "Vemos claramente pela maneira que portam suas armas que agem discretamente, bem ao estilo militar, com frieza. Eles receberam treinamento. Eles não agiram por impulso", afirmou uma fonte policial.

"O mais impressionante é a sua atitude. Eles foram treinados na Síria, no Iraque ou em outro lugar, talvez até mesmo na França, mas o certo é que eles foram treinados", enfatizou, destacando ainda o sangue-frio dos terroristas.

Em novembro de 2011, após publicar uma caricatura de Maomé em sua capa, com a manchete "Charia Hebdo", referência à shária (lei islâmica), a redação do "Charlie Hebdo" foi atacada com uma bomba incendiária. O Maomé caricaturado pela Charlie Hebdo em 2011 prometia "100 chicotadas se você não morrer de rir". A edição, dizia a revista, era "editada" por Maomé.

Em setembro de 2012, o "Charlie Hebdo" publicou novas caricaturas de Maomé. Na capa, o profeta muçulmano aparecia em uma cadeira de rodas, empurrada por um judeu ortodoxo, sob o título "Intocáveis 2". Era uma referência ao filme francês "Untouchables", estrelado por François Cluzet e Omar Sy, que contava a história da amizade entre um homem rico e doente e seu cuidador, um imigrante. 

Retratar Maomé é um ato problemático, pois as imagens do profeta são consideradas proibidas por correntes islâmicas. Para muitos líderes religiosos sunitas, as representações visuais de Maomé poderiam provocar “idolatria” e, por isso, são proibidas.

Coincidência ou não, o "Charlie Hebdo" fez a divulgação, nesta quarta-feira mesmo, dia do atentado, do novo romance do controvertido escritor Michel Houellebecq, um dos mais famosos autores franceses no exterior. A obra de ficção política fala de uma França islamizada em 2022, depois da eleição de um presidente da República muçulmano. "As previsões do mago Houellebecq: em 2015, perco meus dentes... Em 2022, faço o Ramadã!", ironiza a publicação junto a uma charge de Houellebecq.

Resta saber se, a partir deste novo fato, a Europa despertará para os perigos claríssimos e iminentes da verdadeira invasão islâmica que ocorre agora na Europa e ameça o mundo. – Saiba mais a respeito aqui .

• Com informações da AFP
www.ofielcatolico.com.br

22 comentários:

  1. "Resta saber se, a partir deste novo fato, a Europa despertará para os perigos claríssimos e iminentes da verdadeira invasão islâmica que ocorre agora na Europa e ameça o mundo. "

    Não, não vai, porque eles acreditam que isto foi feito por uma pequena parcela de muçulmanos fanático e que a maioria é pacifica, mas o que eles não se tocam, é que se nem todos os muçulmanos são terroristas mas quase todos os terroristas são muçulmano, dificilmente encontrarão terroristas cristãos, sejam eles católicos, ortodoxos ou protestantes; terroristas judeus; budistas; hinduistas e até ateus. Então se quase todos os terroristas são muçulmanos e quase não se vê terroristas de outras vertentes, então esta acontecendo alguma coisa de errada nesta história toda. E claro que não se deve partir para o radicalismo contra todos os muçulmanos, não podemos generalizar, mas que os governos europeus e de todo o ocidentes deveria ficar de olho neste pessoal todo, deveria. Agora cok relação a estes cartunistas mortos neste atentado terrorista, teria muito ainda o que falar, porque pelo que eu andei vendo, este pessoal não respeitava ninguém se utilizava da liberdade de expressão para ofender DEUS e todo mundo, agora este atentado foi um tiro no pé, não somente aos muçulmanos, mas a todos que pedem respeito de sua fé, porque agora todo e qualquer movimento que se fizer para pedir o respeito a fé sua ou alheia, logo serão taxados de terroristas como estes babacas que hoje fizeram esta mercadoria, e isto os libertinos da liberdade de expressão sempre se utilizarão para taxar todo e qualquer um que não aceitar suas provocações contra a fé de alguém. Tudo esta errado, estão errados os libertinos da liberdade de expressão que hajam que podem se utilizar de tal liberdade para ofender a quem eles querem, não se importando se estão ofendendo ou não; estão errados os islamitas terroristas, que hajam que podem resolver tudo isto pela ignorância e truculência; estão errados os governantes que estão dando corda para estes islamitas que acreditam que são todos de paz, mas não se perceberam ainda, que não se pode confiar 100% nesta gente e a nós resta fazer aquilo que JESUS nos ensinou que é amar nossos inimigos como a nós mesmo, pois nisto estaremos a imitar a DEUS que faz chover sobre os bons e os maus, mas é claro, sem deixarmos de lado o pedido de respeito e de justiça, caso nossa fé seja atacada e vilipendiada, mas sem mortes e terrorismo, mas dentro da lei e da ordem.

    Anonimo Sidnei.

    ResponderExcluir
  2. Cadê que o "Porta dos Fundos" satiriza o tal Maomé? Duvi-d-o-dó! Não são nem bestas esses palhaços ridículos.Tomariam logo chumbo na cabeça. Mas quanto a Santa Igreja Católica, satirizá-La é com eles mesmo. Sabem que nada acontece.

    ResponderExcluir
  3. É terrível e lamentável o ocorrido na França descristianizada. Não se podem aceitar as atrocidades destes terroristas islâmicos.

    O que nos causa estranheza é o fato de que quase todos os dias são assassinados cristãos por todo oriente, sem que a imprensa der destaque algum. A este respeito, os cartunistas não se preocupam em desenhar suas charges. Ao contrario, descem a lenha a respeito dos cristãos católicos.
    Certa feita, o cartunista Stéphanne Charbonnier, cognominado de Charb morto pelos terroristas, fez uma charge com o Santo Padre consagrando uma um preservativo. Este herege, com certeza já estar prestando contas.
    Que Deus tenha misericórdia e conceda a todos vitimados a vida eterna!

    ResponderExcluir
  4. Sou contra a invasão islãmica do mundo, eles chegam como pacifistas mas na verdade querem que todos se convertam ao islã

    ResponderExcluir
  5. A todos os cristãos, Graça e Paz.

    Episódio triste e lamentável. Sei que os profissionais mortos acreditaram que faziam seu trabalho pela liberdade de expressão e por mais igualdade. Mas me lembro que houve um pedido do governo francês para que parassem as críticas ao islamismo, para poupar os cidadãos franceses que moravam em países islâmicos. Eles se recusaram, mesmo sabendo que compatriotas poderiam sofrer. Desafiaram os fanáticos, sabendo que poderiam morrer por isso. Ou seja, estavam numa guerra, ainda que sem violência da parte deles, pela causa que acreditavam. Hoje são mártires, heróis de um mundo ateu.

    Mas, e os cristãos? Não morremos às centenas pelo mundo, nas mãos de intolerantes? Não sofremos muito muito mais repressões, de todo tipo? Não somos agredidos diariamente, inclusive pelos cartunistas mortos, com suas charges ofensivas?
    Por isso, repudiamos a violência física, psicológica e ideológica, da qual somos também vítimas. Não assino
    "Je suis Charlie" porque não ridicularizo o Cristianismo, nem religião alguma. Mas me solidarizo com as famílias das vítimas e com aqueles que sentem a dor da perda. Sofremos com os que sofrem, porque o Mestre nos ensinou isso; e perdoamos porque o Mestre nos perdoou. Este mesmo mestre que foi ridicularizado por eles, e em nome de quem estamos dispostos até a morrer nas mãos dos intolerantes.
    Mas se morrermos, nós cristãos já sabemos qual destino eterno nos aguarda. Estaremos sempre com Senhor. Diferente daqueles que não honraram Cristo e que não creram Nele.

    Toda Honra e Glória seja dada a Deus.

    ResponderExcluir
  6. O mais triste disse, é que a "Islamização" do Ocidente está a todo o vapor, acusando os cristãos a cometerem os crimes que eles cometem. E para piorar, a corrente esquerdista, imprensa em geral, tem vários apoiadores. Basta ler essa reportagem publicada hoje na folha:
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/clovisrossi/2015/01/1572089-e-o-choque-de-civilizacoes.shtml

    Estamos em uma corrente esquerdista revolucionária sem precedentes, ao meu ver, que temos que combater todos os dias, evangelizando pouco a pouco nossas familias e amigos nas pequenas coisas, para não colhermos frutos amargos ou podres amanhã. Parabéns pelo portal, sou um admirador e republico suas matérias sempre em minha página no face, claro que citando a fonte ... kkkk ... Deus o abençoe

    ResponderExcluir
  7. A presidente Dilma declarou seu repúdio a mais este atentado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! Declarou como se diz: “da boca pra fora”. Ela, o Lula e todo seu partido são todos amiguíssimos do Mahmoud Ahmedinejad, líder e patrocinador do terrorismo islâmico.

      Excluir
    2. Caros amigos, eu poderia falar muito sobre isso. Mas não vou. Vou deixar um link

      http://www.diariodopoder.com.br/noticias/itamaraty-ignora-seguranca-e-escancara-o-brasil-2/

      Por favor, pesquisem e me falem o que acharam.

      Deus nos abençoe.

      Excluir
    3. Cúmulo do absurdo, surrealista, revoltante, patético... Que palavras seriam capazes de descrever a reação de um cidadão de bem diante de uma notícia como esta? Por outro lado, ainda mais lamentável é que estas ações de nosso governo(?) já não nos surpreendem

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
  8. Mas é isso que chamam de "liberdade", de "expressão", de "democracia", de "civilização ocidental"?! Liberdade de expressão é ridicularizar religiões? É fomentar discórdia e conflitos entre grupos religiosos? Desde quando?
    Por favor.
    Não deveriam confundir liberdade de expressão com liberdade de desrespeito. Eles não respeitavam nem mesmo a fé cristã.
    É so procurar em várias de suas charges do jornal. A capa de novembro de 2012 ironizava a Santíssima Trindade, O Pai, o Filho e o Espírito Santo, e trazia o tema favorável ao “casamento” gay.
    Não defendo a fé islâmica e nem apoio o ocorrido, é que não concordo em vilipêndios da fé de quem quer que seja, mesmo que não se concorde com ela. Discordo do islã, mas num patamar elevado e com base teológica e histórica, a exemplo de São Tomás de Aquino em sua Súmula contra os gentios, Cap. VI, bem como não descarto, em último recurso, uma cruzada ao estilo moderno.
    Tantas sátiras inteligentes poderiam ser feitas e esse jornal insistentemente desrespeitando ou até perseguindo, praticando o que chamaríamos de “bullying". E quem seriam os financiadores destas charges ou do jornal? Será que estão satisfeitos agora?

    O jornal "Charlie Hebdo" não passa de um jornaleco provocativo e irresponsável. Seus integrantes pervertidos foram diversas vezes advertidos.

    Foram charges bobas, sem qualquer graça ou talento e ofensivas. Morreram por nada, morreram e chocaram o mundo por conta de seus próprios egos. Quando a prudência e o bom senso não são atendidos, o mal acha espaço.
    Mesmo sendo as charges tão ofensivas e sem graça, é claro que quase ninguém mataria alguém por conta disso, mas eles sabiam e não eram ignorantes no tema. "Quem semeia a injustiça colhe a maldade; o castigo da sua arrogância será completo", Provérbios 22:8.
    O lamentável fato demonstra outra questão, que é a tradição anti-religiosa dos franceses herdada da famigerada Revolução Francesa, na verdade um golpe sino-maçônico. Que se debitem a tragédia a eles também. Isso justifica a cifra de 30% de ateus naquele país.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente que liberdade de expressão não significa liberdade para desrespeitar e profanar a fé alheia. Conheço bem o "trabalho" desses chargistas, e confesso que eles (falando metaforicamente e entre aspas bem grandes) "pediram" o que receberam.

      Só não vejo que isso justifique assassinato e execuções bárbaras a queima-roupa, inclusive de gente inocente que nada tinha a ver com o problema. Quero dizer, mesmo que eu ofenda sua mãe, isso não lhe dá o direito de entrar na minha casa e exterminar a minha família inteira sob rajadas de metralhadora, não é mesmo?

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. É o que constei no meu coments:

      "Não defendo a fé islâmica e nem apoio o ocorrido...".

      Ad Iesum per Mariam

      Eduardo

      Excluir
  9. É como disse o escritor Fiódor Dostoievski:

    "O Ocidente perdeu o Cristo e por isso declina".

    ResponderExcluir
  10. também repudio qualquer manifestação que fira direitos básicos a vida como este triste episódio... mas cade o direito internacional ao livre credo? estou vendo muito manifestando agora pelo direito da liberdade da imprensa... também sou a favor desta liberdade... porque a liberdade de imprensa nos garante o direito as noticias...

    Mas temos que ser realistas, o que é noticia? dizer que determinada atriz ou ator se separou por adultério? que alguma modelo engravidou do proprio marido? isso é fofoca!!! notícia via de regra, são informações que interferem na coletividade... desenhar Maomé numa cadeira de rodas ou com as partes intimas expostas, como foi noticiado, para mim fere o direito ao credo dos mulsumanos...

    Gosto da definição do filosofo brasileiro Mario Serjo Cortella quando diz que religiao não é coisa para gente ignorante... religiao é coisa de gente, e tem ignorante que pratica religião, pena que o "tal direito de liberdade de imprensa" desta vez custou mais do que a vida do cartunista, custou a vida de mas 11 pais e mães de famílias...

    Não defendo o Islã, defendo o direito da liberdade do credo... se fizermos como o post sugere:

    "a Europa despertará para os perigos claríssimos e iminentes da verdadeira invasão islâmica que ocorre agora na Europa e ameça o mundo."

    Voltaremos a época dos massacres das Cruzadas... cristo nunca mandou desembanhar a espada, disse ao contrario, "o que vive pela espada, morrerá por ela",

    Claro os desenhos não são uma justificativa para pena de morte aos profissionais da imprensa, mas ao menos deveria haver uma retratação publica...

    imagine se vira moda? e a proxima chage fosse contra a Virgem Maria, fazendo topless por exemplo? acho que não seria muito agradável...

    um velho ditado sem autor definido diz, " um louco só é louco até encontrar um mais louco que ele"...

    Sou contra qualquer manifestação de terrorismo independente da origem ou credo do terrorista.

    mas a questão a se fazer é: até quando vamos tolerar sátiras contra as figuras religiosas das pessoas? não só a europa, mas todo o mundo deveria repudiar estas publicações que ferem o direito ao livre credo das pessoas...

    Paz a todos

    Andre Luis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, Andre. Profanar símbolos sagrados e ridicularizar a fé alheia não tem absolutamente nada a ver com direito de Imprensa e nem com liberdade de expressão. Não pode haver direito constitucional à blasfêmia. E eu lhe digo que aqueles homens já fizeram charges até bem piores, – bem piores mesmo, – do que esta que você imaginou, da Virgem Maria.

      Não há como se negar que existe um sentimento oculto de que, apesar da violência do ato, de certo modo fez-se justiça, e que estes chargistas afinal acharam o que procuravam ou, como eu disse antes, "receberam o que pediram".

      Por outro lado, outro aspecto da questão, abordado pelo post, é o do crescimento do islamismo na Europa, que gera o terrorismo e fanáticos que se veem no direito de implantar um regime de califado em todo o mundo, e a verdadeira conquista da Europa em pleno curso (já irreversível?).

      Não podemos nos esquecer também de que, neste ato de vingança, pessoas completamente inocentes (que nada tinham a ver com a questão) foram barbaramente assassinadas.

      A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo

      Apostolado Fiel Católico

      Excluir
    2. Despertar para os perigos da invasão islâmica não é voltar aos tempos das cruzadas, Andre. As cruzadas tinham, pelo menos originalmente, o objetivo de conquistar a Terra Santa. O que está se discutindo aqui é a expansão do islamismo na Europa, que não precisa, pelo menos agora, ser detida com armas.
      Agora falando do atentado em si, em minha opinião, um grande problema que está acontecendo é a Imprensa querendo ser politicamente correta, querendo agradar todo mundo. É dito que os jornalistas morreram pela liberdade de expressão, mas na verdade eles morreram pelo mau uso da liberdade que eles fizeram (que não justifica o assassinato, é lógico). Quanto aos terroristas, todos os atentados que eles fazem são tidos como "distorções" da "Religião da Paz" que não deve ser corrigida por causa deles, mas a Igreja Católica deve ser corrigida sempre para se adequar aos "tempos modernos", mesmo que ninguém tenha morrido por causa das charges contra a Santíssima Trindade. São João Damasceno, rogai por nós! A paz de NSJC!

      Excluir
    3. Olá Petrivalianici e Olá Henrique, mas como extamente se pretende impedir o avanço do Islamismo? não se pode simplesmente chegar neles e dizer algo como: "Aqui só entra cristão"... estaríamos fazendo exatamente como eles fazem nos paises mulsumanos onde justamente não entram os cristãos... amá-los e respeitá-los é a única forma de convertê-los... tenho vários amigos hoje que já foram Mulsumanos e que pregam Jesus Cristo... eles infelizmente não podem voltar mais aos paises de origem, mas eles repetem com alegria as palavras de Jesus... devemos pensar em como impedir a entrada das armas! Tentar impedir o islã lá é o mesmo que tentar impedir o protestantismos aqui... com violencia e agressividade não funciona,

      Quero deixar um abraço também ao irmão Tiago de Betim (Taxi),eu apresentei o portal a ele nesta última semana que estive lá... Abraçao Amigo!

      Abraços

      Andre Luis


      Excluir
    4. Sim, devemos amá-los e respeitá-los, mas isso não significa que devemos nos adaptar à cultura deles, que é o que está acontecendo na Europa.
      Como eu disse, isso não precisa ser feito com violência. Não acho que só deveriam entrar cristãos na Europa, mas se for pra os muçulmanos entrarem, que eles não fiquem querendo privilégios. Ora, todos sabemos o que acontece com os cristãos, judeus, ateus, etc, nos países islâmicos, então porque os ismaelitas insistem em ser tratados como iguais na Europa e na América? É claro que eles devem ser bem tratados, mas eles têm que nos tratar bem também. Se uma mulher chegar usando burca no Brasil, até onde eu saiba, ela terá os seus direitos fundamentais garantidos pelo Estado, mas se uma mulher brasileira for para a Síria, por exemplo, sem nenhum véu na cabeça,
      o que acontecerá com ela? É nisso que devemos pensar sobre o tema da islamização.

      Excluir
  11. Eu vi uma charge desse jornal com DEUS,JESUS E O ESPIRITO SANTO que me deixou enojado,revoltado,indignado! quem brinca com fogo...

    ResponderExcluir
  12. As pessoas têm repudiado e condenado a ação desses terroristas, “mas” o jornal abusou em muitas situações. Sempre que surge um “mas” não deixa de ser uma, mesmo que suave, tentativa de relativização. É como se no fundo o jornal provocou, ou ainda para alguns, mereceu o ocorrido, uma vez que há muito tempo vem ridicularizando e profanando o que é de mais sagrado para muitas pessoas e muitos povos. Como todos disseram, nossa fé também já foi absurdamente desrespeitada. Sentimos uma forte indignação ao nos depararmos com tais charges, e essa indignação meio que nos aproxima das pessoas de outras religiões que também passaram por isso. Acontece que um cristão precisa digerir essa indignação de outras formas e nunca ser tolerante com tamanho ódio e loucura. É justamente porque a minha fé já foi desrespeitada é que me sinto numa boa condição de repudiar veemente a ação dessas pessoas. Sem “mas” ou qualquer outra conjunção adversativa. Temos que nos manifestar contra os abusos cometidos contra a nossa fé, que não são cometidos exclusivamente por este jornal. Definitivamente não sou Charlie, mas considerando a forma sistemática com que esses grupos terroristas vêm agindo no mundo e das péssimas perspectivas para o futuro, procuro sair da armadilha da relativização. Até porque, nós Cristãos, também somos alvo do ódio e da barbárie dessas pessoas.

    A paz e a misericórdia de Nosso Senhor Jesus Cristo!

    ResponderExcluir
  13. Eu pessoalmente vejo o islamismo com muita preocupação. Acho que as autoridades mundiais precisam terem mais cuidado com esses famáticos.

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail