Os pecados dos padres, por Santo Afonso Maria de Ligório


Santo Afonso de Ligório
CONSIDEREMOS O CASTIGO, que tem de ser proporcional à gravidade do seu pecado. S. João Crisóstomo tem por condenado o padre que no tempo do seu sacerdócio comete um só pecado mortal: "Se pecardes como particular, será menor o vosso castigo; se pecais no sacerdócio, estais perdido".

São em verdade terríveis as ameaças, que o SENHOR profere pela boca de Jeremias contra os padres que pecam: "Estão manchados o profeta e o sacerdote, e Eu encontrei na minha casa a iniquidade deles, diz o SENHOR. Por isso o seu caminho será como um atalho escorregadio e coberto de trevas; hão de impeli-los, e cairão".

Que esperança de vida poderíeis dar a quem caminhasse à borda dum precipício, em terreno escorregadio e às escuras, sem ver onde punha os pés, e ao mesmo tempo impelido fortemente para o abismo por seus inimigos? Tal é o estado desgraçado a que se encontra reduzido o padre que comete um pecado mortal.

Lubricum in tenebris, – derrapando no escuro. – Pecando, o padre perde a Luz e cai nas trevas. Mais lhes valeria, assegura S. Pedro, não ter conhecido o caminho da justiça, do que voltar atrás depois de o haver conhecido. Oh, sem dúvida, mais valeria a um padre que peca ser antes um camponês ignorante, que nunca tivesse compreendido coisa alguma; porque depois de tantos conhecimentos adquiridos, – por meio dos livros que leu, pelos oradores sagrados que ouviu, pelos diretores que teve, – depois de tantas luzes recebidas de Deus, o des-graçado calcar aos pés todas as graças, pecando, e merecer que as luzes recebidas só sirvam para o tornar mais cego e impenitente.

A maior ciência, diz S. Crisóstomo, dá lugar a mais severo castigo; se o pastor cometer os mesmos pecados que as suas ovelhas, não receberá o mesmo castigo, porém uma pena muito mais dura. Um padre cometerá o mesmo pecado que os seculares, mas sofrerá um castigo muito maior, permanecerá mais profundamente cego que todos os outros; será punido conforme o anúncio do Profeta: Que vendo não o vejam, e ouvindo não compreendam!

São João Crisóstomo
É o que a experiência deixa ver, diz o autor da Obra imperfeita: Um secular, depois de pecar, facilmente se arrepende. Se assiste a uma Missa, se ouve um sermão enérgico sobre alguma verdade eterna, – malícia do pecado, certeza da morte, rigor do juízo de Deus, penas do inferno, – entra facilmente em si e volta-se para Deus; porque estas verdades, como coisas novas, tocam-no e penetram-no de temor. Mas, quando um padre há calcado aos pés a Graça de Deus, com todas as luzes e conhecimentos recebidos, que impressão podem fazer ainda nele as verdades eternas e as ameaças das divinas Escrituras? Tudo quanto encerra a Escritura, continua o mesmo autor, é para ele uma coisa gasto de pouco valor; porque as coisas mais terríveis que lá se encontram, por terem sido muito lidas, já não causam impressão. Donde conclui que nada mais impossível que a emenda de quem sabe tudo e ainda assim peca sem temor.

Quanto maior é a dignidade dos padres, diz S. Jerônimo, tanto maior é a sua ruína, se num tal estado chegam a abandonar a Deus. Quanto mais alto é o posto em que Deus os colocou, diz S. Bernardo, tanto mais funesta será a sua queda. Quando se cai em plano, diz Sto Ambrósio, raro se experimenta grande mal; mas cair de alto não é só cair, é precipitar-se, e a queda será mortal.

São Jerônimo
Nós os padres regozijamo-nos, diz S. Jerônimo, por nos vermos erguidos a tão alta dignidade; mas seja igual o nosso temor de cair. Parece que é aos padres que Deus fala, quando diz pela boca de Ezequiel: "Coloquei-vos sobre o monte santo de Deus… e vós pecastes; e eu vos expulsei do monte de Deus, e vos entreguei à ruína". Vós que sois padres, diz o SENHOR, eu vos estabeleci sobre a montanha santa, para serdes os faróis do universo: Sois vós a luz do mundo. Uma cidade assente no cimo duma montanha não pode estar escondida.

Tem pois razão S. Lourenço Justiniano em dizer que quanto maior é graça concedida por Deus aos padres, tanto mais digno de castigo é o seu pecado, e quanto mais alto o seu estado, mais mortal a sua queda. Quem cai num rio, diz Pedro de Blois, mergulha tanto mais fundo, quanto de mais alto tiver caído.

Compreende bem, ó padre: Deus, elevando-te ao sacerdócio, ergueu-te até ao Céu, e fez de ti, não mais um homem da terra, mas um homem celeste, pensa pois quanto te será funesta uma queda, segundo o aviso de S. Pedro Crisólogo. A tua queda, diz S. Bernardo, será semelhante à do raio que se precipita com impetuosidade. Quer dizer que a tua perda será irreparável. Assim, ó des-graçado, cairá sobre ti a ameaça que o Senhor lançou sobre Cafarnaum: E tu, ó Cafarnaum, erguida até ao Céu, serás abatida até ao inferno.

Um padre que peca merece tal castigo, por causa da sua ingratidão para com Deus, a quem deve um reconhecimento tanto maior quanto recebeu dele os maiores benefícios, como nota S. Gregório. Merece o ingrato ser privado de todos os bens que recebera, como observa um sábio autor. Jesus Cristo disse: "Ao que já possui, dar-se-á, e ele estará na abundância; mas o que nada possui, ver-se-á despojado até do que parecia ter". Quem é grato para com Deus obterá maior abundância de graças; mas um padre que, depois de tantas luzes, depois de tantas Comunhões, volta as costas a Deus, desprezando todos os favores recebidos, renuncia à sua Graça, – este padre será com justiça privado de tudo. É o SENHOR liberal com todas as suas criaturas, mas nunca com os ingratos. A ingratidão, diz S. Bernardo, faz estancar a Fonte da Bondade divina.

Por isso S. Jerônimo pôde dizer: "Nenhuma besta há no mundo mais feroz que um mau padre, porque esse não se quer deixar corrigir". E o autor da Obra imperfeita: Os leigos facilmente se emendam, mas um mau eclesiástico é incorrigível. Segundo S. Damião, é de preferência aos padres pecadores que se aplicam estas palavras do Apóstolo: "Porque os que foram alumiados, os que saborearam o Dom celeste, e receberam o Espírito Santo… depois caíram, é impossível que se renovem pela penitência".

Com efeito, quem mais que o padre recebeu de Deus graças abundantes? Quem mais do que ele gozou dos favores do Céu e participou dos Dons do Espírito Santo? Segundo Sto. Tomás, permaneceram obstinados no pecado os anjos rebeldes, porque pecaram em face da luz; é assim, escreve S. Bernardo, que o padre será tratado por Deus: tornado anjo do Senhor, ou há de ser eleito como anjo, ou réprobo como o anjo. Eis o que o Senhor revelou a Sta. Brígida: Olho os pagãos e os judeus, mas não vejo ninguém pior que os padres: o seu pecado é como o que precipitou Lúcifer. E notemos aqui o que diz Inocêncio III: "Muitas coisas que nos leigos são pecados veniais, nos eclesiásticos são mortais".

É ainda aos padres que se aplicam estas palavras de S. Paulo: "Uma terra, que, depois de muito regada pelas chuvas, só produz espinhos e silvas, está reprovada e sujeita a maldição: acabará por ser entregue ao fogo". (...) Que temor pode ter ainda do fogo do inferno um padre, que voltou as costas a Deus? Os padres que pecam perdem a luz, como levamos dito, e perdem também o temor de Deus. É o SENHOR quem no-lo declara: "Se Eu sou o SENHOR, onde está o meu temor?", a vós, ó padres, que desprezais o meu Nome? Segundo S. Bernardo, os sacerdotes, caindo da altura a que se acham elevados, de tal modo se afundam na malícia, que perdem a lembrança de Deus, e tornam-se surdos a todas as ameaças da Justiça divina, a tal ponto que nem o perigo da sua condenação os espanta.

Santa Brígida
Mas que haverá nisso de admirável? O padre, pecando, cai no fundo do abismo, onde fica privado da Luz e despreza tudo. Acontece então o que diz o Sábio: "Caído no fundo do abismo do pecado, o ímpio despreza". Este ímpio é o padre que peca por malícia; um só pecado mortal o precipita no fundo das misérias, em que cegamente permanece mergulhado. Nesse estado despreza tudo: castigos, advertências, presença de Jesus Cristo, a quem toca no Altar. Não cora de se tornar pior que o traidor Judas, como o próprio Senhor um dia disse a Sta. Brígida: "Tais padres já não são sacerdotes meus, mas verdadeiros traidores". Sim, tais padres são verdadeiros traidores, porque abusam da celebração da Missa, para ultrajarem mais cruelmente a Jesus Cristo pelo sacrílego!

E qual será, depois de tudo, o triste fim do padre mau? Ei-lo: Praticou a iniquidade na terra dos santos, não verá a Glória do SENHOR. Será, numa palavra, o abandono de Deus, e depois o inferno. – Mas, dirá alguém, essa linguagem é demasiado aterradora: quereis lançar-nos da desesperação? – Respondo com Sto. Agostinho: Se vos espanto, “é que eu próprio estou espantado”. – Assim, dirá um padre, que tiver tido a desgraça de ofender a Deus no sacerdócio, não haverá para mim esperança de perdão? – Oh, não posso afirmar isso; haverá esperanças, desde que haja arrependimento do mal cometido. Que esse padre seja pois extremamente reconhecido para com o Senhor, se ainda se vê ajudado da Graça; mas é preciso que se apresse a dar-se a Deus, enquanto o chama, conforme o aviso de Sto. Agostinho: “Abramos os ouvidos à Voz de Deus, enquanto nos chama, com receio de que se recuse a ouvir-nos, quando estiver prestes a julgar-nos”.

___
Fonte:
Por Santo Afonso de Ligório – 'A Selva' (download gratuito aqui)
Com o apostolado 'Rainha dos Martires'
www.ofielcatolico.com.br

3 comentários:

  1. Quando um leigo erra, mesmo um de dentro da Igreja, comenta-se, fala-se e no final acaba ficando por isso, ou pouco mais, pois dizem: era tão bom, inofensivo, pessoa direita, não fazia mal a ninguém, e arranjam até desculpas, como: foi após perder a esposa, ou pelo casamento ruim da filha, ou tomou um grande prejuízo etc e no final, fica por isso.
    Mas um padre, aiaiai, vagabundo, safado e não sei quantos mais poderiam ser os menores nomes e induzem as pessoas frágeis na fé a seguirem os erros, generalizam a todos eles e na na base do: "se os padres fazem isso, eu sou pecador, ficarei tranquilo no que fizer de errado"!
    O diabo prefere perder 1 padre a 100 leigos bons pelo mal que apenas um deles causa à Igreja!
    O Santo Padre Pio resume numa frase estes maus servidores: "O Sacerdote, ou é um Santo, ou é um demônio. Ou santifica, ou arruína".
    Diz na Sagrada Escritura:
    "É a ruína que está chegando. Procurar-se-á salvação, sem que se possa encontrá-la. Sobrevirão desastres sobre desastres, má nova sobre má nova. Pedir-se-ão oráculos ao profeta, faltará a lei para o sacerdote, e o conselho para os anciãos.". Ez 7, 25.
    "Agora, ó sacerdotes, este mandamento é para vós.
    Se não ouvirdes e se não propuserdes no vosso coração dar honra ao meu nome, diz o Senhor dos Exércitos, enviarei a maldição contra vós, e amaldiçoarei as vossas bênçãos; e também já as tenho amaldiçoado, porque não aplicais a isso o coração.
    Mal 2 1,2.
    Imaginemos o mal causado á Igreja pelo escândalo de certos sacerdotes, sabido via mídia geral on line por muitas dezenas de milhões de católicos ao mesmo tempo, que explosão atômica de desgraças e malefícios, não é?

    ResponderExcluir
  2. É por isso, e por tantas outras coisa mais, que nós, verdadeiros cristãos católicos, precisamos sempre em nossas orações, pedir a Deus que ilumine, abençoe e SANTIFIQUE todos os padres, principalmente, nossos párocos e vigários... rezemos sempre pela santificação deles !

    ResponderExcluir
  3. Lendo esse post pensei na mudança que o papa Francisco e alguns padres sinodais queriam fazer quanto as pessoas que são recasadas com maridos vivos. Eles queriam autorizar a confissão e a comunhão pra essas pessoas. Isso é preocupante. Rezemos pela igreja de Jesus que atravessa momento difícil

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$7,00. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail