Cinco segredos para vencer a batalha espiritual

Por Padre José Eduardo de Oliveira,
indicado por Felipe Marques


NESTES DIAS, ALGUNS acontecimentos me despertaram a sensibilidade para entender melhor a dinâmica daquilo que chamamos de batalha espiritual. Abaixo, seguem alguns princípios. Peço que os leiam até o fim.

1. Legalidade. No reino espiritual, tudo é regido pelo princípio da legalidade. Quando o inimigo adquiriu um direito legal sobre qualquer área de sua vida, ele a utiliza como uma base a partir da qual vai conquistando outros territórios, até lhe dominar por inteiro. Identifique qual é o fundamento de legalidade que está nas mãos do inimigo. Pode ser um pecado, uma declaração negativa, uma palavra maligna que saiu de sua boca.

2. Autoridade. Uma vez identificada a base na qual o inimigo se fundamenta, não tenha medo: você tem autoridade! “Eis que vos dou poder para pisar serpentes e escorpiões, e toda a força do inimigo, e nada vos fará dano algum” (Lucas 10,19). Jesus transferiu à sua Igreja, e portanto a você, o seu poder delegado e você foi constituído como oficial de justiça no Reino de Deus. O que faz um oficial de justiça? Dá voz de prisão, e o bandido está preso, por força da lei! Quando você diz que algo está proibido, está proibido; quando diz que está liberado, está liberado. O inimigo sabe que ele tem que obedecer.

3. Fortaleza. Contudo, Jesus declarou que o diabo é “ladrão e assaltante” (Jo 10,1). Isto quer dizer que ele não irá se entregar facilmente. O inimigo adora dar o seu showizinho, gritar, aparecer, resistir, colocar obstáculo… Mas, não desista!, pois “o reino dos céus é tomado por esforço, e somente os violentos se apoderam dele” (Mt 11,12). Com o demônio sempre haverá luta, sempre haverá batalha, mas se você perseverar, você irá trancafiá-lo, e ele, totalmente amarrado, não poderá lhe causar dano. Por fim, ele tem que se render!

4. Contra-ataque. Mesmo derrotado, ele sempre vai querer voltar. Como disse Jesus, ele volta e “traz outros sete espíritos piores do que ele” e, se a pessoa deixa entrar, “a situação final torna-se pior do que a primeira” (Lc 11,26). O inimigo sempre tenta encontrar uma brecha legal para retornar, trama, estuda, deseja encontrar uma estratégia para recuperar o terreno perdido. Mas, glória a Deus!, pois Cristo nos assiste “para que Satanás não leve alguma vantagem sobre nós, porque não ignoramos as suas maquinações” (2Cor 2,10-11). Nunca deixe de receber a inspiração do Espírito Santo!

5. Vigilância. Por isso, precisamos sempre andar “sóbrios e vigilantes, pois o vosso adversário, o diabo, anda a vosso derredor como um leão procurando a quem devorar” (1Pd 5,8). Nunca baixe a guarda. O inimigo é safado e quer sempre achar algum espaço, mesmo que pequeno, para influenciar a nossa vida.

Não vacile. No Evangelho, Jesus nos afirmou: “assim como o Pai me enviou (em missão permanente, pela qual eu ainda sou responsável, do mesmo modo) eu também vos envio” (Jo 20,21). Você não está sozinho. O poder do Espírito Santo está à sua disposição para que você aprisione definitivamente o poder das trevas e goze das bênçãos da aliança e da sua posição de filho amado do Pai.

** Assine a revista O FIEL CATÓLICO e tenha acesso a muito mais!

_____
Padre José Eduardo, 5 segredos para vencer a batalha espiritual, disp. em https://pt.aleteia.org/2018/04/10/5-segredos-para-vencer-a-batalha-espiritual/

Acesso 10/4/2018
www.ofielcatolico.com.br

7 comentários:

  1. Desculpe, padre. Mas achei um pouco superficial, não fala da Graça, não fala da Oração, não fala dos sacramentos, não fala das devoções. Se eu não soubesse de antemão que o texto fosse de um padre, poderia pensar que se trata de um texto protestante, por colocar muito a base em nossas próprias forças.
    Particularmente, só consegui vencer certas lutas na minha vida, principalmente no campo da castidade, quando passei a me confessar toda semana, comungar toda semana, rezar todo dia, e entregar todos meus pensamentos, palavras e ações à Santíssima Virgem. Não me entenda mal, TUDO o que o senhor escreveu está CORRETO, entretanto FALTA muitas coisas, como as que eu citei. Apenas com o que foi citado, a pessoa NÃO VENCERÁ a batalha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A paz do Senhor!
      Eu gostaria de expor minha opinião sobre o seu comentário, se me permite.
      Realmente concordo com você que faltaram os pontos essenciais que você falou. Mas entendo que o padre quis falar de forma abrangente e não superficial. A luta é diária e pessoal, mudando de peso, forma e foco de acordo com a vivência da pessoa. Eu também tenho vencido através da oração diária, leitura e estudo para conhecimento da palavra do Senhor na bíblia. Oração do terço e busca na prática da fé.
      Poderíamos atribuir fortaleza, contra-ataque e vigilância exatamente às práticas que eu, você e todo cristão, realizamos no nosso dia-a-dia que varia de pessoa pra pessoa mas tem uma base sólida nas doutrinas da Igreja Católica.
      Não sou devoto, apesar de ter uma grande admiração por São Francisco e rezar o santo terço de Nossa Senhora Aparecida, onde entrego todos os meus agradecimento, pedidos e orações nas mãos da santíssima mãe para que ela entregue e rogue por todos nós ao nosso Misericordiosíssimo Deus Pai.

      Excluir
  2. Fiel católico, por favor me tirem uma dúvida que me aflige, sempre soube que não pode se imputar pecado aquele que peca por ignorância, ou seja, não sabe que está pecando. Mas hoje vi uma passagem bíblica na santa missa que me deixou em dúvidas: Leitura dos Atos dos Apóstolos:Naqueles dias, Pedro se dirigiu ao povo, dizendo: 13“O Deus de Abraão, de Isaac, de Jacó, o Deus de nossos antepassados glorificou o seu servo Jesus. Vós o entregastes e o rejeitastes diante de Pilatos, que estava decidido a soltá-lo. 14Vós rejeitastes o Santo e o Justo, e pedistes a libertação para um assassino. 15Vós matastes o autor da vida, mas Deus o ressuscitou dos mortos, e disso nós somos testemunhas.
    17E agora, meus irmãos, eu sei que vós agistes por ignorância, assim como vossos chefes. 18Deus, porém, cumpriu desse modo o que havia anunciado pela boca de todos os profetas: que o seu Cristo haveria de sofrer. 19Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos, para que vossos pecados sejam perdoados”.

    Pelo que entendi São Pedro diz que para que os pecados deles e dos chefes deles, que foram cometidos por ignorância, sejam perdoados eles devem se converter. Pode imputar um pecado por ignorância ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Paz de Nosso Senhor!
      Eu gostaria de partilhar meu conhecimento sobre sua dúvida. A passagem que você citou está em ATOS capítulo 3. Pedro fala a todo o povo que se encontra no templo onde eles foram para orar e curaram um coxo.
      Lá eles exortam o povo a se arrepender do mal praticado na participação da morte do Cristo e converter-se segundo o Evangelho de Jesus, para ter seus pecados perdoados e encontrar a Salvação.
      Neste caso vemos que Pedro fala da ignorância deles por conta do que foram levados a acreditar e agir, mas que tudo isso estava fadado a acontecer por conta do que haviam dito os profetas, que o Cristo deveria padecer, sendo eles instrumentos da vontade Divina. Mesmo assim eles tinham conhecimento de todas as palavras dos profetas. E se aceitassem Jesus como O Salvador, todos seus pecados seus perdoados.
      A catequese também ensina: Art 6°-IV
      §1791. Muitas vezes, tal ignorância pode ser imputada à responsabilidade pessoal. Assim acontece «quando o homem pouco se importa de procurar a verdade e o bem e quando a consciência se vai progressivamente cegando, com o hábito do pecado» (57). Nesses casos, a pessoa é culpada do mal que comete.
      §1792. A ignorância a respeito de Cristo e do seu Evangelho, os maus exemplos dados por outros, a escravidão das paixões, a pretensão de uma mal entendida autonomia da consciência, a rejeição da autoridade da Igreja e do seu ensino, a falta de conversão e de caridade, podem estar na origem dos desvios do juízo na conduta moral.
      §1793. Se, pelo contrário, a ignorância é invencível, ou o juízo erróneo sem responsabilidade do sujeito moral, o mal cometido pela pessoa não pode ser-lhe imputado. Mas nem por isso deixa de ser um mal, uma privação, uma desordem. É preciso trabalhar, portanto, para corrigir dos seus erros a consciência moral.

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito do texto do Padre José Eduardo, achei que ele mostrou uma entre muitas formas de identificar e enfrentar uma batalha espiritual, sinto que ele não teve a pretensão de finalizar os caminhos para uma luta somente com este princípios citados, acho que foram tipo sugestões que acrescentará consciência daquilo que muitas vezes sentimos e vivemos, mas não sabemos expressar, pra mim valeu, porque nesta nossa caminhada de cristãos, tudo que nos vem como direção espiritual, reforçando que Satanás está aí, aqui, acolá, mas que Deus está conosco e nos protege mesmo, as vezes o mundo está tão cruel (porque as coisas não precisam acontecer conosco, sentimos pelo irmão que sofre) que as vezes esquecemos que Deus é maior e que precisamos continuar lutando sem desanimar, sem desistir...

    ResponderExcluir
  5. Pai Santo Todo Poderoso, me ajude a evitar o pecado, uma declaração negativa e uma palavra maligna. Me ajude a ter poder para pisar serpentes e escorpiões. Me ajude a apoderar-me do VOSSO REINO, me ajude a perseverar na batalha espiritual, me ajude a vencer o inimigo, me ajude a receber a inspiração do Espírito Santo, me ajude a ser sóbrio e vigilante. Me ajude a não dá espaço para o maligno, me ajude a evangelizar cada vez melhor, me ajude para que o poder do Espírito Santo esteja sempre à minha disposição, me ajude a aprisionar definitivamente o poder das trevas, me ajude com a VOSSA bênção

    ResponderExcluir

** Assine a revista O Fiel Católico digital e receba nossas novas edições mensais em seu e-mail por uma colaboração mensal de apenas R$13,50. Ajude-nos a continuar trabalhando pelo esclarecimento da fé cristã e católica!


AVISO aos comentaristas:
Este não é um espaço de "debates" e nem para disputas inter-religiosas que têm como motivação e resultado a insuflação das vaidades. Ao contrário, conscientes das nossas limitações, buscamos com humildade oferecer respostas católicas àqueles sinceramente interessados em aprender. Para tanto, somos associação leiga assistida por santos sacerdotes e composta por professores doutores, mestres e pesquisadores. Aos interessados em batalhas de egos, advertimos: não percam precioso tempo (que pode ser investido nos estudos, na oração e na prática da caridade) redigindo provocações e desafios infantis, pois não serão publicados.

Receba O Fiel Católico em seu e-mail